Você está na página 1de 1

REGIÃO DE INTEGRAÇÃO GUAMÁ

Características Gerais:

• Área (IBGE, 2003): 12.130,92 km²


• População Absoluta / 2007 (IBGE, 2007): 558.162 hab.
• Densidade Demográfica / 2007 (IBGE, 2007): 46,01 hab/km²
• Produto Interno Bruto - PIB / 2006 (IBGE, 2008): R$ 1.881.230.650,00
• PIB per capita / 2006 (IBGE, 2008): R$ 3.280,42
• Valor Adicionado - Setor Agropecuário (IBGE, 2006): R$ 233.070.000,00
• Valor Adicionado - Setor Industrial (IBGE, 2006): R$ 296.105.000,00
• Valor Adicionado - Setor Terciário (IBGE, 2006): R$ 1.219.732.000,00

Perfil da Região e Situação Atual:

A região apresenta uma densa rede região mais de 91,2 milhões de reais,
rodoviária cujos eixos principais são as beneficiando cerca de 27 mil domicílios e
rodovias BR-316 e BR-010 (Belém- o Programa Territórios da Cidadania, que
Brasília). Essas duas importantes rodovias combina diferentes ações de ministérios e
se articulam entre si à altura da cidade de governos estaduais e municipais, tem
Santa Maria do Pará. Trata-se de uma investido em ações voltadas a
região de colonização antiga, cuja organização sustentável da produção,
ocupação original teve início ainda no regularização fundiária, direitos e
período colonial – a partir do litoral e das desenvolvimento social, infra-estrutura,
bacias hidrográficas. Dentre os municípios saúde, educação e cultura. No contexto
antigos da região destacam-se Vigia de uma política mais ampla de integração
(1693), Curuçá (1755), Maracanã (1755), regional, o Governo do Estado irá elaborar
São Caetano de Odivelas (1872), São de maneira articulada e pactuada com a
Miguel do Guamá (1873), Marapanim sociedade um Plano de Desenvolvimento
(1874) e São Domingos do Capim (1890). Regional Sustentável (PDRS) para a
Em 1883, o apogeu econômico de Belém região, que definirá ações de curto, médio
levou à construção de uma estrada de e longo prazo nos temas Ordenamento
ferro que ligasse Belém até a cidade de Territorial, Regularização Fundiária e
Bragança, cujo objetivo era viabilizar a Gestão Ambiental; Fomento as Atividades
criação de uma espécie de cinturão Produtivas Sustentáveis; Inclusão Social e
agrícola para abastecer a capital do Cidadania e Infra-Estrutura para o
estado, através da colonização agrícola Desenvolvimento. O desenvolvimento da
desse espaço. A construção da Estrada de região Guamá também chega através do
Ferro de Bragança trouxe um novo Programa “Pará, Terra de Direitos” que
dinamismo econômico à região e novos realiza ações nas áreas de justiça social,
núcleos de povoamentos surgiram dando desenvolvimento sustentável, educação e
origem a futuros municípios: Igarapé-Açu cultura, saúde, segurança pública,
(1906), Santa Isabel do Pará (1932), inovação tecnológica e assentamentos
Castanhal (1932), Inhangapi (1943) e São rurais.
Francisco do Pará (1943). Os municípios
mais novos da região são Santa Maria do
Pará (1961), Santo Antonio do Tauá
(1961), Magalhães Barata (1961), Terra
Alta (1991) e São João da Ponta (1995). A
substituição da ferrovia pela rodovia,
entre as décadas de 1950 e 1960, impôs
uma nova dinâmica ao espaço regional.
As suas principais potencialidades
econômicas são a pesca, a fruticultura, a
cultura da mandioca, a produção de
fibras, o feijão-caupi, o turismo, a
produção de leite e derivados, o chamado
cultivo florestal e a indústria cerâmica.
Visando dinamizar as potencialidades
econômicas, o Governo Federal, em
parceria com o Governo do Estado,
investe na região em ações do Programa
de Aceleração do Crescimento – PAC nas
áreas de saneamento e habitação. O
Programa Luz para Todos já investiu na

Interesses relacionados