Você está na página 1de 6

Interior Gateway Protocols: OSPF http://www.gta.ufrj.br/grad/02_2/ospf/ospf.

html

Interior Gateway Protocols (IGPs):


Open Shortest Path First (OSPF) x Routing Information Protocol
(RIP)
3. Open Shortest Path First (OSPF)
a. Introdução
b. Hierarquia de roteamento
c. O algoritmo SPF
d. Formato do pacote
e. Características adicionais do OSPF
f. Resumo

a) Introdução

OSPF é um protocolo de roteamento feito para redes com protocolo IP; foi desenvolvido pelo grupo de
trabalho de IGPs (Interior Gateway Protocol) da IETF (Internet Engineering Task Force). Este grupo de
trabalho foi criado em 1988, para projetar um IGP baseado no algoritmo Shortest Path First (SPF, menor
rota primeiro), voltado para uso na Internet. Similar ao Interior Gateway Routing Protocol (IGRP),
protocolo proprietário da Cisco, o OSPF foi criado, pois, na metade dos anos 80, o Routing Information
Protocol (RIP) mostrou-se cada vez menos capaz de atender redes largas e heterogêneas. Este trabalho
aborda o ambiente de roteamento OSPF, tratando do algoritmo de roteamento, e dos componentes gerais
do protocolo.

O OSPF resultou de diversas pesquisas: a de Bolt, Berenek e Newman (BBN), que desenvolveram o
algoritmo SPF em 1978, para a ARPANET (o marco inicial das redes de comutação de pacotes, criada no
início dos aos 70 por BBN); a de Radia Perlman, a respeito da tolerância a erros de transmissão no
roteamento de informação (de 1988); e a de BBN sobre roteamento local (1986), uma versão inicial do
protocolo de roteamento OSI entre camadas intermediárias.

Há duas características principais no OSPF. A primeira, é um protocolo aberto, o que significa que suas
especificações são de domínio público; suas especificações podem ser encontradas na RFC (Request For
Comments) número 1247. A segunda, é um protocolo baseado no algoritmo SPF, também chamado de
algoritmo de Dijkstra, nome de seu criador.

OSPF é um protocolo de roteamento do tipo link-state, que envia avisos sobre o estado da conexão
(link-state advertisements, LSA) a todos os outros roteadores em uma mesma área hierárquica.
Informações sobre interfaces ligadas, métrica usada e outras variáveis são incluídas nas LSAs. Ao mesmo
tempo em que o roteador OSPF acumula informações sobre o estado do link, ele usa o algoritmo SPF para
calcular a menor rota para cada nó.

Por ser um protocolo do tipo link-state, o OSPF difere-se do RIP e do IGRP, que são protocolos de
roteamento baseados em vetores de distância. Os roteadores que trabalham com algoritmos de vetor de
distância, a cada atualização, enviam toda ou parte de suas tabelas de roteamento para seus vizinhos.

b) Hierarquia de roteamento

Ao contrário do RIP, o OSPF pode operar com hierarquias. A maior entidade dentro da hierarquia é o
sistema autônomo (Autonomous System, AS), que é uma coleção de redes sob mesma administração e
que têm uma estratégia de roteamento comum. OSPF é um protocolo de roteamento intra-AS (interior
gateway), embora seja capaz de receber e enviar rotas para outros ASs.

1 de 6 18/03/2009 12:01
Interior Gateway Protocols: OSPF http://www.gta.ufrj.br/grad/02_2/ospf/ospf.html

Um AS pode ser divido em diversas áreas, que são grupos de redes adjacentes e host ligados. Roteadores
com múltiplas interfaces podem participar em múltiplas áreas. Estes roteadores, chamados Roteadores de
Borda de Área (Area Border Routers), mantêm uma base de dados topológica (referente à geometria)
separada para cada área.

A base de dados topológica é basicamente uma forma geral de relação entre redes e roteadores. Esta base
de dados contém uma coleção de LSAs recebidos de todos os roteadores de uma mesma área. Como os
roteadores dentro de uma mesma área dividem as mesmas informações, eles têm bases de dados
topológicas idênticas.

O termo domínio é algumas vezes usado para descrever uma parte da rede na qual todos os roteadores
têm bases de dados topológicas idênticas. Este termo é freqüentemente usado no lugar de AS,
preservando o mesmo significado.

A topologia de uma área é invisível para entidades fora dela. Por manter separadas as topologias de área,
o OSPF passa menos tráfego de roteamento do que se passaria se as ASs não fossem divididas.

O particionamento de área cria dois tipos de roteamento OSPF, dependo se a origem e o destino estão na
mesma área ou em áreas diferentes. Roteamento intra-área é usado quando a origem e o destino estão na
mesma área, e o roteamento inter-área é usado quando estão em áreas diferentes.

Um backbone (redes principais que conectam redes menores) OSPF é responsável por distribuir
informações de roteamento entre áreas. Consiste de todos os roteadores de borda de área (Area Border
Routers, ABR), redes que não estão totalmente contidas em uma área, e seus respectivos roteadores. A
Figura 1 mostra um exemplo de uma inter-rede com várias áreas.

Figura 1: Um AS OSPF consiste de múltiplas áreas ligadas por roteadores


Figura original da Cisco

Na Figura 1, os roteadores 4, 5, 6, 10, 11 e 12 formam o backbone. Se o host (computador principal de


uma redes, que comanda ou controla a ação de outros computadores) H1 na área 3 deseja enviar um
pacote ao host H2 na área 2, o pacote é enviado ao roteador H13, que o encaminha para o roteador 12,
que envia ao roteador 11. O roteador 11 então encaminha o pacote pelo backbone para o roteador de
borda de área 10, que envia o pacote através de dois roteadores intra-área (roteadores 7 e 9) para ser

2 de 6 18/03/2009 12:01
Interior Gateway Protocols: OSPF http://www.gta.ufrj.br/grad/02_2/ospf/ospf.html

encaminhado ao host H2.

O backbone em si é uma área OSPF, já que todos os roteadores do backbone usam os mesmos
procedimentos e algoritmos para manter a informação de roteamento de dentro do backbone, que
qualquer roteador de área manteria. A topologia do backbone é transparente para todos os roteadores
inter-área, assim como a topologia de cada área são para o backbone.

Áreas podem ser definidas de uma forma que o backbone não é contínuo. Neste caso, a conectividade
(medida da capacidade dos computadores na rede trabalharem simultaneamente) do backbone deve ser
restaurada por links virtuais. Links virtuais são configurados entre quaisquer roteadores do backbone que
dividam um link para uma área que não seja do backbone, e funcione como se fossem links diretos.

Roteadores da borda do AS que rodem OSPF sabem sobre rotas exteriores através de protocolos externos
(Exterior Gateway Protocols, EGPs), como o Exterior Gateway Protocol (EGP) ou o Border Gateway
Protocol (BGP), ou através de informações de configuração.

c) O algoritmo SPF

O algoritmo de roteamento shortest path first (SPF, menor rota primeiro) é a base para as operações do
OSPF. Quando um roteador SPF é ligado, ele carrega as estruturas de dados do protocolo de roteamento e
espera por indicações de protocolos de camadas mais baixas de que suas interfaces estão funcionando.

Após o roteador garantir que suas interfaces estão funcionando, ele usa o protocolo OSPF “Hello” para
reconhecer seus vizinhos, que são roteadores com interfaces para uma mesma rede. O roteador envia
pacotes Hello para seus vizinhos e recebe o pacote Hello destes. Além de ajudar a reconhecer os vizinhos,
o pacote Hello também permite ao roteador saber se todos os outros roteadores ainda estão em
funcionamento (keepalive).

Em redes multi-acesso (redes que suportam mais de dois roteadores), o protocolo Hello elege um roteador
designado (designated router), e um roteador designado substituto (backup). Além de outras tarefas, o
roteador designado é responsável por gerar LSAs para toda a rede multi-acesso. Estes roteadores
permitem uma redução no tráfego de rede e no tamanho da base de dados topológicos.

Quando uma base de dados link-state de dois roteadores vizinhos são sincronizadas, os roteadores são
ditos adjacentes. Em redes multi-acesso, o roteador designado determina que roteador devem se tornar
adjacentes. Bases de dados topológicos devem ser sincronizadas entre pares de roteadores adjacentes. Os
adjacentes controlam a distribuição dos pacotes do protocolo de roteamento, que são enviados e recebidos
somente nos adjacentes.

Cada roteador envia periodicamente um LSA para fornecer informação as adjacências de um roteador ou
para informar aos outros quando o estado de um roteador se altera. Comparando as adjacências
estabelecidas com os link states, roteadores com falhas podem ser detectados rapidamente, e a topologia
da rede pode ser alterada apropriadamente. Com a base topológica gerada por meio dos LSAs, cada
roteador calcula uma árvore de menores rotas (shortest-path tree), com ele próprio como raiz (root). A
árvore de menores rotas, por sua vez, torna-se a tabela de roteamento.

d) Formato do pacote

Todos os pacotes OSPF começam com um cabeçalho de 24 octetos, como mostrado na Tabela 1.

3 de 6 18/03/2009 12:01
Interior Gateway Protocols: OSPF http://www.gta.ufrj.br/grad/02_2/ospf/ospf.html

Tabela 1: Os pacotes OSPF, constituído por nove campos


Tamanho
do
campo 1 1 2 4 4 2 2 8 Variável
(em
octetos)
Tamanho ID
Nome do ID do Tipo de
Versão Tipo do da Checksum Autenticação Dados
campo roteador autenticação
pacote área

4 de 6 18/03/2009 12:01
Interior Gateway Protocols: OSPF http://www.gta.ufrj.br/grad/02_2/ospf/ospf.html

A descrição para cada campo da Tabela 1 é:

Versão: identifica a versão de OSPF utilizada

Tipo: Identifica o pacote OSPF como um dos seguintes:


Hello: estabelece e mantém a relação entre vizinhos
Descrição de base de dados: descreve o conteúdo da base da dados. Estas mensagens são trocadas
quando uma adjacência é incializada
Pedido de link-state: pede partes da base de dados topológicos de roteadores vizinhos. Estas
mensagens são trocadas após um roteador descobrir (examinado pacotes de descrição de base de
dados) que partes de sua base de dados topológicos está com prazo de validade encerrado
Atualização de link-state: responde a um pacote de pedido de link-state. Estas mensagens também
são utilizadas para a difusão regular de LSAs. Diversos LSAs podem ser incluídos em um único
pacote de atualização de link-state
Reconhecimento de link-state: reconhece os pacotes de atualização de link-state

Tamanho do pacote: especifica o tamanho do pacote, incluindo o cabeçalho OSPF, em octetos

ID do roteador: identifica a origem do pacote

ID da área: identifica a que área o pacote pertence. Todos os pacotes OSPF estão associados a
apenas uma área

Checksum: Confere o conteúdo do pacote para ver se ocorreu algum dano durante o trânsito

Tipo de autenticação: Contém o tipo de autenticação. Todas trocas no protocolo OSPF são
autenticadas. O tipo de autenticação é configurável por área

Autenticação: contém informações de autenticação

Dados: Contém informações encapsuladas de camadas superiores

e) Características adicionais do OSPF

As características adicionais incluem roteamento em multi-rotas e roteamento baseado no tipo de serviço


(type-of-service, TOS) pedido pela camada superior. Roteamento baseado em TOS suportam protocolos
da camada superior que especificam tipos de serviços particulares. Um aplicativo, por exemplo, pode
especificar que certos dados são urgentes. Se o OSPF possuir links de alta prioridade a sua disposição,
estes podem ser usados para transportar o datagrama que requer urgência.

O OSPF suporta mais de um tipo de métrica. Se apenas uma métrica é usada, ela é considerada absoluta e
TOS não é suportado. Se mais de uma métrica é usada, TOS pode ser suportado pelo uso de uma métrica
separada (e, então, uma tabela de roteamento separada) para cada uma das oito combinações criadas
pelos três bits de IP TOS (o atraso, taxa e confiança). Por exemplo, se os bits de IP TOS especificarem
baixo atraso, baixa taxa e alta confiança, o OSPF calcula rotas a todos os destinos baseado nessas
designações de TOS.

Máscaras de sub-rede IP são incluídas com cada destino anunciado, permitindo máscaras de tamanhos
diferentes. Com máscaras de sub-rede de tamanho variável, uma rede IP pode ser dividida em diversas
sub-redes de tamanhos variados. Isso permite ao administrador da rede maior flexibilidade para a
configuração.

f) Resumo

Em muitos lugares, o protocolo RIP ainda é utilizado em redes TCP/IP que ainda não foram atualizadas

5 de 6 18/03/2009 12:01
Interior Gateway Protocols: OSPF http://www.gta.ufrj.br/grad/02_2/ospf/ospf.html

para OSPF. Também é utilizado em redes OSPF como o protocolo entre a estação final e o roteador. O
protocolo OSPF resolve todas as deficiências encontradas no RIP, sem afetar a conectividade com redes
baseadas em RIP. Redes com crescimento acelerado devem ser projetadas adequadamente se desejamos
que as funcionalidades do OSPF sejam exploradas em sua totalidade. Devido a sua capacidade de
trabalhar com máscaras de rede variáveis, ele também ajuda a reduzir o desperdício de endereços IP, algo
importante atualmente. Idealmente, o projeto da rede deveria incluir uma política consistente para
distribuir os endereços IP pela organização, que proporcionaria a criação de áreas OSPF e a otimização de
endereços. Se corretamente projetada e com roteadores sintonizados, o OSPF permite que redes sejam
escaladas para topologias muito grandes, mantendo altos níveis de disponibilidade e desempenho.

Próxima seção: OSPF versus RIP


Seção Anterior: Routing Information Protocol (RIP)

6 de 6 18/03/2009 12:01