Tecido Epitelial

Funções:
     Revestimento de superfícies internas e externas - ex:na pele; Proteção; Absorção de íons e moléculas – ex: nos intestino; nos rins Secreção: por células epiteliais ou nas glândulas (células epiteliais que se reúnem para constituir estruturas especializadas em secreção); Percepção de estímulos: o neuroepitélio – gustativo e olfatório.

Características das células epiteliais:
      Células justapostas formando folhetos ou aglomerados tridimensionais; Pouca substância extracelular As células aderem firmemente umas às outras por meio de junções intercelulares; Forma de células variadas, desde células colunares altas até células pavimentosas, com formas intermediárias; A forma do núcleo acompanha a forma das células, assim, células cubóides costumam ter núcleos esféricos e as pavimentosas têm núcleos achatados; Células polarizadas, a porção da célula voltada para a lâmina própria (tecido conjuntivo onde está apoiado o epitélio que reveste as cavidades de órgãos ocos principalmente no aparelho digestivo, respiratório e urnário) é denominada porção basal ou pólo basal, a extremidade oposta é denominada porção apical ou pólo apical e a superfície de células epiteliais que confrontam células vizinhas são denominadas superfícies laterais ou basolaterais.

Lâmina basal
      Lâmina delgada de moléculas entre as células epiteliais e o tecido conjuntivo subjacente Visível ao microscópio eletrônico (camada eltron-densa de 20 a 100nm de espessura) Formada por uma delicada rede de delgadas fibrilas (lâmina densa) Os componetes principais são: colágeno tipo IV, as glicoproteínas laminina e entactina e proteoglicanoss (ex: perlecan, um proteoglicano de sulfato de heparana) Em alguns casos, fibras reticulares estão intimamente associadas à lâmina basal, constituindo a lâmina reticular Funções: promover a adesão das células epiteliais ao tecido conjuntivo subjacente; filtrar moléculas; influenciar a polaridade das células; regular a proliferação e a diferenciação celular; Influir no metabolismo celular; organizar as proteínas nas membranas plasmáticas de células adjacentes; servir como caminho e suporte para migração de células.

Membrana basal
    Camada situada abaixo dos epitélios Visível ao microscópio de luz Corada pela técnica de ácido periódico-Schiff (PAS) A Membrana Basal é mais espessa que a Lâmina Basal, pois inclui algumas das proteínas situam no tecido conjuntivo próximo à lâmina basal

que se

Especialização da superfície basolateral das células epiteliais Interdigitações
 Dobras das membranas que se encaixam nas dobras das membranas de células adjacentes, promovendo adesão entre as células. OBS.: A adesão entre as células é em parte devida a ação de glicoproteínas transmembranais chamadas caderinas.

os ductos de glândulas. no esôfago. protegendo. na vagina e no canal anal. No lado interno da membrana do desmossomo de cada uma das células há uma placa circular chamada Placa de Ancoragem. são as mais próximas da superfície apical da célula. protegendo e prevenindo a perda de água. fazendo com que a posição dos núcleos seja variável. Forma das células: Pavimentoso ou escamoso: quando simples revesti vasos. Forma uma faixa que circunda a célula completamente e a adesão das membranas ocorre vedando o espaço intercelular Junções de adesão: . . nos ureteres e nos cálices renais. pleural e peritoneal. composta de pelo menos 12 proteínas. Nas suas placas de ancoragem contêm integrinas. por exemplo. protegendo-a. está presente na bexiga. cavidades pericárdica. e os folículos.Desmossomos: Também chamado mácula de adesão. da coordenação das contrações do músculo cardíaco.  Junções comunicantes: . em forma de disco.Junções Intercelulares  Junções impermeáveis: . o transporte ativo por pinocitose e a secreção de moléculas biologicamente ativas. secretando e transportando por cílios de partículas aderidas ao muco nas passagens aéreas.Hemidesmossomos: Têm a estrutura de metade de um desmossomo e prendem a célula epitelial à lâmina basal. íons e alguns hormônios podem atravessar essas junções. Pseudo-estratificado: todas as células estão apoiadas na lamina basal. Podem ser classificados de acordo com:   o o o   o Números de camadas de células: Simples: contém uma só camada de células. facilitando o movimento das vísceras. Moléculas de sinalização como AMP e GMP cíclicos. ou ainda não queratinizado na boca. são encontrados entre as membranas. . Participam. Já quando estratificados pode ser queratinizado na epiderme. OBS. Já quando estratificado esta na conjuntiva.Junções Gap: Podem existir nas membranas laterais das células epiteliais.: O conjunto de zônula de oclusão e zônula de adesão que circunda toda a parede lateral da região apical é chamado Complexo Unitivo. mas nem todas alcançam a superfície do epitélio. São formadas por porções de membrana plasmática nas quais há agregados de partículas intramembranosas reunidas em forma de placa.Zônulas de adesão: Na trama terminal ocorre uma rede de filamentos de actina. proporcionando proteção e distensibilidade. Já quando estratificado se localiza nas glândulas sudoríparas e nos folículos ovarianos em desenvolvimento. Ao microscópio eletrônico se caracterizam pela grande proximidade (2nm) das membranas de células adjacentes. No desmossomo contém principalmente caderina. colunar ou cilíndrico: quando simples revesti o intestino e vesícula biliar. Transição: a forma das células muda. Prismático. protegendo. secretando e também prevenindo à perda de água. o o o Epitélios glandulares . Estratificado: contém mais de uma camada.Zônulas de oclusão: Também chamadas de junções estreitas. As junções comunicantes tornam possível o intercâmbio de moléculas com massa molecular de até cerca de 1. contida na superfície de uma célula e que é sobreposta a uma estrutura idêntica observada na superfície da célula adjacente.500 Da. filamentos intermediários e espectrina existente no citoplasma apical de muitas células epiteliais.  Tipos de Epitélios: Epitélios de revestimento As células são organizadas em camadas que cobrem a superfície externa do corpo ou revestem as cavidades do mesmo. Cúbico: quando simples revesti o externo do ovário.

A região basal possui grande numero de reticulo endoplasmático granuloso. Na região apical há um complexo de golgi bem desenvolvido (pâncreas. . onde se encontram as células-tronco desses epitélios. sem perda de outro material celular. juntamente com os retículos endoplasmáticos rugosos (glândula sublingual). De acordo com a forma da porção secretora: Tubulosas: têm a porção secretora em forma de tubo. o funcionamento de muitas células epiteliais secretoras depende de inervação motora que estimula sua atividade. pelos quais as secreções são eliminadas.   o Tipos de glândulas: Exócrinas: mantêm sua conexão com o epitélio do qual se originam. Portanto. Renovação: as mitoses dos tecidos epiteliais estratificados e pseudo-estratificados ocorrem na camada basal do epitélio. que coram fracamente e que contêm muco. Além da inervação sensorial. elas não possuem ductos e suas secreções são lançadas no sangue e transportadas para o seu local de ação pela circulação sanguínea.São constituídos por células especializadas na atividade de secreção. onde também se localiza o complexo de golgi e o núcleo achatado fica na região basal. que é constituído por glicoproteínas intensamente hidrofílicas.     Critérios de classificação das glândulas endócrinas: o o   De acordo com o arranjo das células: Cordonais. Considerações sobre os epitélios:    Inervação: a maioria das células epiteliais é ricamente inervada por terminações nervosas de plexos nervosos da lamina própria. têm núcleos centrais arredondados e polaridade bem definida. Endócrinas: sua conexão com o epitélio é obliterada durante o desenvolvimento. Mucosas: estas células possuem numerosos grânulos de grande tamanho. Foliculares ou vesiculares: (tireóide). Merócrinas: a secreção é eliminada pela célula por meio de exocitose. Apócrinas: o produto de secreção é descarregado junto com porções do citoplasma apical (glândulas mamárias). glândulas salivares parótidas). alcançando a superfície do corpo ou uma cavidade. Tipos de secreção: Serosas: as células serosas são poliédricas ou piramidais. Acinosas: têm a porção secretora em forma de esfera ou arredondada. Modo de eliminação de secreção: Holócrinas: o produto de secreção é eliminado juntamente com toda a célula (glândulas sebáceas). Esta conexão toma a forma de ductos formados por células epiteliais. As glândulas são sempre formadas a partir de epitélios de revestimento cujas células proliferam e invadem o tecido conjuntivo adjacente. Células mioepiteliais: sua função é contrair-se em volta da porção secretora ou condutora da glândula e assim ajudar a impelir os produtos de secreção para o exterior. o  o o    o   o o    o o  Critérios de classificação das glândulas exócrinas: De acordo com a ramificação do ducto: Simples: têm somente um ducto não-ramificado. Tais grânulos de secreção preenchem a parte apical da célula. Sero-mucosa ou mista. Compostas: têm ductos ramificados.

Fibras reticulares: São compostas por colágeno do tipo III associado com glicoproteínas. Fluido tecidual: Corresponde à mínima quantidade de plasma liberado dos vasos sanguíneos. pulmão e pequenos vasos. constituindo a água de solvatação. Função: forma uma rede de arcabouço de sustentação em torno de células de certos órgãos: glândulas. O colágeno presente na matriz extracelular dos conjuntivos comuns é colágeno I. formando a molécula de tropocolágeno -> fibrila de colágeno -> fibra colágena -> feixe de fibras colágenas. rins. Previne a penetração de partículas e microorganismos nos tecidos (a viscosidade da SFA é dada pelo ác. Possui grande extensibilidade e resistência e confere grande flexibilidade e força aos tecidos que o contém. É veículo para difusão de substâncias hidrossolúveis (nutrientes) para dentro e fora dos tecidos por via sangüínea. Atua como lubrificante. Tecido Conjuntivo Características:   Vários tipos celulares.bactérias com enzima hialuronidase penetram nos tecidos). Moléculas de água de composição do fluido ligam com as glicosaminoglicanas. hialurônico e é responsável pela barreira de penetração de partículas e microorganismos estranhos nos tecidos . Fibras elásticas:    o o   o o o o o o o o o o o            . Dependendo dos tipos de cadeia e das associações dos mesmos. em hélice. Hialurônico). Composição química: glicosaminoglicanas (ác. fígado. Reações tintoriais: PAS + argirófilas (coram-se com sais de prata. proteoglicanas e glicoproteínas. que é veículo de transporte e difusão de nutrientes e outras substâncias hidrossolúveis. incolor e viscoso.2 e 3 polipeptídicas. Fibras colágenas: São produzidas em um processo com dois estágios envolvendo eventos intracelulares e extracelulares: Aminoácidos (prolina e lisina) -> cadeias polipeptídicas (RER) -> adição de carboidratos (Golgi). Funções: Preenche os espaços entre células e fibras. construindo o procolágeno -> peptidases quebram moléculas eliminando para o exterior o procolágeno para transformar em tropocolágeno -> enrolamento e entrelaçamento de cadeias alfas 1. São fibras extremamente finas. podem-se ter diferentes tipos de colágenos. Abundante material intercelular (matriz extracelular). alto teor de carboidratos). Nos fumantes o epitélio pseudoestratificado ciliado dos brônquios transforma-se em epitélio estratificado pavimentoso. Metaplasia: um tipo de tecido epitelial se transforma em outro. Matriz extracelular:  o o o    Substância fundamental amorfa (SFA): Característica física: material gelatinoso.

São menores que os fibroblastos e estão localizados nas proximidades dos vasos sanguíneos. Podem apresentar-se nas formas: Fibroblasto ativo: Forma fusiforme com prolongamentos citoplasmáticos numerosos. Possuem grande poder de distensibilidade. Observadas ao MO com coloração especial. elastinas e fibrina. Macrófagos: Origina-se na medula óssea como monócito. algumas vezes. São responsáveis pela síntese e armazenamento de gorduras neutras. São predominantes no tecido conjuntivo. formam redes. São sinteticamente inativos. permanecendo no tecido conjuntivo fixas ou serem originadas fora. por exemplo). Função: reposição das células do conjuntivo (não-degeneradas ou degeneradas). este circula no sangue e migra para o tecido conjuntivo onde passam a constituir macrófagos imaturos e funcionantes que junto ao monócito compõe o                 . Núcleo ovulado de cromatina frouxa e nucléolo bem evidente. As gorduras são armazenadas sob forma de triglicerídeos e gorduras neutras. orceína e resorcina – fucsina. REG e Complexo de Golgi bem desenvolvidos. Células adiposas: São derivadas das células mesenquimais indiferenciadas. Função: síntese de procolágeno.    São fibras ramificadas que. mais achatados e quase sem prolongamentos comparados aos ativos. permanecendo no conjuntivo apenas temporariamente (células móveis).   o o o            o        Pericitos (fixa) São derivadas das células mesenquimais indiferenciadas e permanecem com o papel pluripotencial (capacidade de originar diferentes tipos celulares) das células mesenquimais. Possuem numerosas mitocôndrias geradoras de calor importantes nas fases iniciais da vida do indivíduo (estando presentes nos recém-nascidos) Praticamente desaparecem no adulo. vindo a constituir um estágio inicial de armazenamento de gordura. As gotículas lipídicas não são separadas do citoplasma por membrana. Fibroblasto quiescente (fibrócito): Menores. Obs. Células do tecido conjuntivo  Incluem muitos tipos celulares com diferentes funções e que podem ser originadas localmente. Podem formar duas formas de tecido: Células adiposas uniloculares: Possuem núcleo e citoplasma restritos a uma delgada faixa que contorna grande gotícula lipídica que ocupa todo citoplasma. São compostas por microfibrilas das proteínas.: fibroblastos e fibrócitos são dois estágios funcionais diferentes da mesma célula. sendo que os fibrócitos podem reverter ao estagio ativo se estimulado (durante a reparação de lesões. Fibroblasto (fixa) Origina-se de células mesenquimais indiferenciadas. REG e Complexo de Golgi menos desenvolvidos. Células adiposas multiloculares: Apresentam múltiplas gotículas lipídicas dispersas pelo citoplasma.

o o         o o      Linfócitos: Núcleo volumoso e esférico ocupando quase a totalidade do citoplasma. Linfócitos B: após ativação apresentado pelos macrófagos – plasmócitos.Sistema Macrofágico Mononucleares (elementos circulares cuja circulação pela corrente sanguínea e distribuição nos diferentes tecidos conjuntivos recebem diferentes denominações). Podem funcionar quando estimulados – células gigantes tipo corpo estranho. Cromatina frouxa. lisossomos e corpos residuais quando ativados. Funções: Células fagocitárias mais ativas do tecido conjuntivo. Em condições patológicas tornam-se móveis. Possuem pseudópodos. vacúolos fagocíticos. Grande concentração de RE. como células apresentadoras de antígenos. Estão distribuídos no organismo através dos tecidos conjuntivos subepitelial (sistema respiratório. o que caracteriza a sua função fagocítica. digestório e áreas de inflamação crônica). Complexo de Golgi bem desenvolvido. Macrófagos alveolares (células de poeiras do pulmão). Micróglia (sistema nervoso central). Sistema macrofágico mononuclear Célula-tronco pluripotencial V Célula-tronco unipotencial V Compartimento medular monoblasto V Monócitos V Monócitos circulares Compartimento sanguíneo V Macrófagos Do tecido conjuntivo comum.           o o São geralmente esféricos. Secretam substancias que funcionam na reparação tecidual. Escasso citoplasma. Dos órgãos hemocitopoéticos. Resposta imunológica do tipo humoral. Das cavidades serosas (macrófagos peritoniais). Plasmócitos: Originam-se dos linfócitos B. Tipos de tecidos conjuntivos: · . Em condições normais se encontram fixos as fibras do tecido conjuntivo. São derivadas das células tronco-linfocitárias. Participam da resposta imunológica. Possuem forma ovóide com núcleo excêntrico com grumos heterocromatina periféricos (roda de carroça). Apresentam duas classes funcionais: Linfócitos T: responsáveis pela resposta imunológica do tipo celular. Síntese de imunoglobulina (anticorpos). Compartimento tecidual Células de Küpffer (macrófago do fígado).

Grande elasticidade. Encontrado na derme profunda da pele. Modelado: Quando os feixes de colágeno estão paralelos e alinhados com os fibroblastos. Predominância de fibras colágenas. . Cor amarelada. Tecido mucoso: Consistência gelatinosa graças à predominância de matriz fundamental composta predominantemente e acido hialurônico com poucas fibras.  o    o              o       o     o   o      Tecido conjuntivo propriamente dito: Frouxo: Preenche espaços entre grupos de células musculares. Principal componente do cordão umbilical. onde é referido como geléia de Wharton. As principais células são os fibroblastos. Menos flexível e mais resistente. Tecido adiposo pardo ou multilocular: Formado por células que contêm numerosas gotículas lipídicas e muitas mitocôndrias. bem vascularizado e não muito resistente a trações. amarelo ou unilocular: As células. Tecido reticular: É muito delicado e forma uma rede tridimensional que suporta as células de alguns órgãos. quando completamente desenvolvidas. Tecido adiposo comum. sob forma de triglicerídeos. Presente nos tendões. Tecido elástico: Composto por feixes espessos e paralelos de fibras elásticas. Constituído por fibras reticulares intimamente associadas com células reticulares (fibroblastos especializados). Encontrado também na polpa jovem dos dentes. Denso: Oferece resistência e proteção aos tecidos. o que lhes confere certa resistência às trações exercidas em qualquer direção. é flexível. Predominância de células adiposas (adipócitos). As fibras formam uma trama tridimensional. As células mais numerosas são os fibroblastos e os macrófagos. Presente nos ligamentos amarelos da coluna e no ligamento suspensor do pênis. Tecido conjuntivo de propriedades especiais: Tecido adiposo: Maior depósito corporal de energia. suporta células epiteliais e forma camadas em torno dos vasos sanguíneos. contêm apenas uma gotícula de gordura que ocupa quase todo citoplasma. Não modelado: Quando as fibras são organizadas em feixes sem orientação definida. Tem uma consistência delicada.

É essencial pra a formação e o crescimento dos ossos longos. Os revestimentos internos e externos são respectivamente os periósteos e os endósteos. Protege órgãos vitais. Funciona como depósito de cálcio. e abundante material extracelular. reveste superfícies articulares. onde absorve choques e facilita o deslizamento dos ossos nas articulações. As células são os osteócitos. Cartilagem fibrosa: Apresenta matriz constituída preponderantemente por fibras de colágeno tipo I. produtores da parte orgânica da matriz e os osteoclastos. células gigantes. que se situam nas lacunas. Cartilagem elástica: Possui poucas fibrilas de colágeno tipo II e abundantes fibras elásticas. os osteoblastos. são as chamadas lacunas.          . Funções: Suporte para as partes moles. participando do processo de remodelação dos ossos. os condrócitos. As cavidades da matriz. fosfato e outros íons. que constitui a matriz. ocupadas pelos condrócitos. Não possui vasos sanguíneos. Proporciona apoio aos músculos esqueléticos. na vida intra-uterina e depois do nascimento. o             o o   Tecido conjuntivo de suporte: Tecido cartilaginoso: Desempenha a função de suporte de tecidos moles. Constitui um sistema de alavancas que amplia as forças geradas na contração muscular. A nutrição dos osteócitos depende de canalículos que existem na matriz e que possibilitam as trocas de moléculas e íons entre capilares sanguíneos e os osteócitos. Contém células. Também é desprovido de vasos linfáticos e nervos. móveis e multinucleadas que absorvem o tecido ósseo. Tecido ósseo: Formado por células e material extracelular calcificado. sendo nutrido pelos capilares do conjuntivo envolvente (pericôndrio). Cartilagem hialina: É a mais comum e cuja matriz possui delicadas fibrilas constituídas principalmente de colágeno do tipo II. a matriz óssea. Aloja e protege a medula óssea.

azul de metileno faz parte de um grupo de corantes que se comportam como cátions e tem caráter básico.o ergastoplasma (correspondente no microscópio eletrônico ao retículo endoplasmático granuloso) contém muito ácido ribonucléico.o citoplasma fundamental (citosol) e as mitocôndrias. Por esta razão a matriz extracelular da maioria dos tecidos.eosina e por corantes semelhantes à eosina. Juntamente com outros corantes.a matriz extracelular da cartilagem possui moléculas com muitos grupamentos sulfato. São também denominados corantes básicos (a hematoxilina a rigor não tem caráter básico mas comporta-se como tal). As proteínas. Sua solução cora em azul arroxeado vários componentes das células e tecidos. De modo geral. Estas três estruturas são exemplos de estruturas basófilas que se coram pela hematoxilina e por corantes básicos. . são chamadas de acidófilas ou eosinófilas. de modo geral.os núcleos têm grupamentos ácidos nos seus ácidos nucléicos e por isso são basófilos e se coram em roxo pela hematoxilina. que é muito rica em colágeno. o citoplasma de um grande número de células se cora em rosa pela eosina. se coram preferentemente pelos corantes ácidos . se cora em rosa pela eosina . Exemplos de estruturas basófilas: . . Por esta razão.Colorações para microscopia de luz A hematoxilina é extraída de uma planta. Outro importante grupo de corantes é aquele constituido por corantes de caráter ácido corantes ácidos. como por exemplo o azul de toluidina.as fibras colágenas do tecido conjuntivo. os componentes dos cortes que contêm muitos grupos ácidos tem afinidade por estes corantes e estes componentes são denominados estruturas basófilas. Estruturas dos cortes que se coram pela eosina e por outros corantes que se comportam como a eosina e o orange G. . Exemplos de estruturas acidófilas: .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful