ORIGEM DA UMBANDA Existem duas grandes vertentes acerca da origem da Umbanda.

A primeira é a de que a Umbanda tem sua origem na raiz África, e a segunda que foi criada no Brasil pelo Caboclo das Encruzil!adas, e o médium "élio de #oraes, sendo esta a mais difundida. $ara termos um mel!or entendimento descrevemos abaixo um texto explicativo de um autor descon!ecido, mas que sintetiza muito bem a verdadeira !ist%ria da origem da Umbanda PRIMEIRA VERTENTE – RAIZ AFRICANA &A Umbanda tem origens variadas 'dependendo da vertente que a pratica(. Em meio as festas nas senzalas os negros escravos reverenciavam os )rix*s por intermédio do sincretismo com os +antos Cat%licos. ,essas festas eles incorporavam seus )rix*s, mas também come-aram a incorporar os esp.ritos ditos ancestrais, como os $retos/0el!os ou $ais/0el!os 'recon!ecidos como esp.ritos de ancestrais, se1am de antigos Babala2s, Babalorix*s, 3alorix*s e antigos &$ais e #4es de senzala&5 escravos mais vel!os que sobreviveram 6 senzala e que, em vida, eram consel!eiros e sabiam as antigas artes da religi4o da distante África(, que iniciaram a a1uda espiritual e o al.vio do sofrimento material daqueles que estavam no cativeiro. Embora !ouvesse uma certa resist7ncia por parte de alguns, pois consideravam os esp.ritos incorporados dos $retos/0el!os, como Eguns 'esp.rito de pessoas que 1* morreram e n4o s4o cultuados no candomblé(, também !ouve admira-4o e devo-4o. Com os escravos foragidos, forros e libertados pelas leis do 0entre 8ivre, +exagen*rio e posteriormente a 8ei Áurea, come-ou/se a montagem das tendas, posteriormente terreiros. Em alguns Candomblés também come-aram a incorporar Caboclos '.ndios das terras brasileiras como $a1és e Caciques( que foram elevados 6 categoria de ancestrais e passaram a ser louvados. ) exemplo disso s4o os ditos Candomblé de Caboclo. #uito comuns no norte e nordeste do Brasil até !o1e. ,o in.cio do século 99 com o surgimento da Umbanda, esta que muitas vezes era realizada nas praias come-ou a ser con!ecida pelo termo macumba, pois macumba nada mais é que um determinado tipo de reco/reco usado durante as giras: por ser um instrumento musical, as pessoas referiam/se da seguinte forma5 &Est4o batendo a macumba na praia&, ficando ent4o con!ecidas as giras como macumbas ou culto )molo;2. Com o passar do tempo, tudo que envolvia algo que n4o se enquadrava nos ensinamentos impostos pelo catolicismo, protestantismo, e outras religi<es, era considerado macumba. Com isso, acabou por virar um termo pe1orativo. =efer7ncia >ist%rico/8iter*ria

A mais antiga refer7ncia liter*ria e denotativa ao termo Umbanda é de >eli C!aterlain, em Contos $opulares de Angola, de ?@@A. 8* aparece a refer7ncia 6 palavra Umbanda, como5 curador, magia que cura, sin2nimo de Bimbanda. SEGUNDA VERTENTE - DE ZÉLIO DE MORAES Uma das vers<es mais aceitas popularmente, mas n4o cientificamente, pois n4o existe documenta-4o da época para corrobor*/la, é a sobre o médium "élio Cernandino de #oraes. Diz essa vers4o que "élio, em ?E de novembro de ?AF@, acometido de doen-a misteriosa, teria sido levado a Cedera-4o Esp.rita de ,iter%i e, em determinado momento dos trabal!os da sess4o Esp.rita manifestaram/se em "élio esp.ritos que diziam ser de .ndio e escravo. ) dirigente da #esa pediu que se retirassem, por acreditar que n4o passavam de esp.ritos atrasados 'sem doutrina(. #ais tarde, naquela noite, os esp.ritos se nomearam como Caboclo das +ete Encruzil!adas e $ai paulo. Devido a !ostilidade e a forma como foram tratados 'como esp.ritos atrasados por se manifestarem como .ndio e um negro escravo(. Essas entidades resolveram iniciar uma nova forma de culto, em que qualquer esp.rito pudesse trabal!ar. ,o dia seguinte, dia ?G de novembro, as entidades come-aram a atender na resid7ncia de "élio todos 6queles que necessitavam, e, posteriormente, fundaram a Henda esp.rita ,ossa +en!ora da $iedade. Essa nova forma de religi4o inicialmente foi c!amada de Alabanda, mas acabou tomando o nome de Umbanda. Uma religi4o sem preconceitos que acol!eria a todos que a procurassem5 encarnados e desencarnados, em todas bandas. "élio foi o precursor de um &trabal!o Umbandista B*sico& 'voltado 6 caridade assistencial, sem cobran-a e sem fazer o mal e priorizando o bem(, uma forma &b*sica de culto& 'muito simples(, mas aberta 6 1un-4o das formas 1* existentes 'ao pr%prio Candomblé nos cultos ,ag2s e Bantos, que deram origem 6s religi<es mais africanas / Umbanda )molo;2, Umbanda de pretos/vel!os: ou aquelas formas mais vinculadas 6 Doutrina Esp.rita / Umbanda Branca: ou aquelas formas oriundas da $a1elan-a do .ndio brasileiro / Umbanda de Caboclo: ou mesmo formas mescladas com o esoterismo de $apus / Iérard Anaclet 0incent Encausse, esoterismo teos%fico de >elena $etrovna Blavats;J '?@K?/?@A?(, de Losep! Alexandre +aint/3ves dMAlveJdre / Umbanda Esotérica, Umbanda Nnici*tica, entre outras( que foram se mesclando e originando diversas correntes ou ramifica-<es da Umbanda com suas pr%prias doutrinas, ritos, preceitos, cultura e caracter.sticas pr%prias dentro ou inerentes 6 pr*tica de seus fundamentos. >o1e temos v*rias religi<es com o nome &Umbanda& '8in!as Doutrin*rias( que guardam ra.zes muito fortes das bases iniciais, e outras, que se absorveram caracter.sticas de outras religi<es, mas que mantém a mesma ess7ncia nos ob1etivos de prestar a caridade, com !umildade, respeito e fé.

VISÃO ESOTÉRICA SOBRE O VOCABULÁRIO UMBANDA +egundo a corrente esotérica que existe na Umbanda, a origem do voc*bulo Umbanda estaria na raiz sOnscrita AU# que, na defini-4o de >elena $etrovna Blavats;J, em seu Iloss*rio Heos%fico, significa a s.laba sagrada: a unidade de tr7s letras: da. a trindade em um. P uma s.laba composta pelas letras A, U e # 'das quais as duas primeiras combinam/se para formar a vogal composta )(. P a s.laba m.stica, emblema da divindade, ou se1a, a Hrindade na Unidade 'sendo que o A representa o nome de 0is!nu: U, o nome de +!iva, e #, o de Bra!mO(: é o mistério dos mistérios: o nome m.stico da divindade, a palavra mais sagrada de todas na Qndia, a express4o laudat%ria ou glorificadora com que come-am os 0edas e todos os livros sagrados ou m.sticos. As outras palavras componentes se sup<em, como5 Band!a, de origem sOnscrita, no mesmo gloss*rio significa la-o, ligadura, su1ei-4o, escravid4o. A vida nesta terra. Autores dessa corrente esotérica, analisando as duas palavras, definiram Umbanda como sendo a 1un-4o dos termos Aum R Band!a, que seria o elo de liga-4o entre os planos divino e terreno. A palavra mOntrica Aumband!a foi sendo passada de boca a ouvido e c!ega até n%s como Umbanda. FORMAS VARIADAS DA UMBANDA A incorpora-4o de guias também ocorreu em outras religi<es como no Candomblé de Caboclos 'desde de ?@GE / as primeiras manifesta-<es de Caboclos, Boiadeiros, #arin!eiros, Crian-as e $retos/vel!os aconteceram dentro do Candomblé de Caboclos(, no Catimb% e em centros Esp.ritas 'onde n4o eram aceitos e, muitas vezes, expulsos ou pedidos a se retirar, por serem vistos como esp.ritos n4o evolu.dos, ou mesmo, como obsessores(. Umbanda Trad ! "na# / )riunda de "élio Cernandino de #oraes: Umbanda Bran!a $%"& d$ M$'a / ,esse tipo de Umbanda, em grande parte, n4o encontramos elementos Africanos / )rix*s /, nem o trabal!o dos Exus e $omba/giras, ou a utiliza-4o de elementos como atabaques, fumo, imagens e bebidas. Essa lin!a doutrin*ria se prende mais ao trabal!o de guias como caboclos, pretos/vel!os e crian-as. Hambém podemos encontrar a utiliza-4o de livros esp.ritas como fonte doutrin*ria: Umbanda Om"#"() / Hrazida da África pelo Hat* Hancredo da +ilva $into. )nde encontramos um misto entre o culto dos )rix*s e o trabal!o direcionado dos Iuias: Umbanda Tra*ada "& Umband"mb#+ /)nde existe uma diferencia-4o entre Umbanda e Candomblé, mas o mesmo sacerdote ora vira para a Umbanda, ora

vira para o candomblé em sess<es diferenciadas. ,4o é feito tudo ao mesmo tempo. As sess<es s4o feitas em dias e !or*rios diferentes: Umbanda E'",+r !a / P diferenciada entre alguns segmentos oriundos de )liveira #agno, Emanuel "espo e o S. S. da #atta '#estre 3apacanJ(, em que intitulam a Umbanda como a Aumb!andan5 &con1unto de leis divinas&: Umbanda In ! -, !a / P derivada da Umbanda Esotérica e foi fundamentada pelo #estre =ivas ,eto 'Escola de +.ntese conduzida por 3amunisidd!a Ar!apiag!a(, onde !* a busca de uma converg7ncia doutrin*ria 'sete ritos(, e o alcance do )mb!and!um, o $onto de Converg7ncia e +.ntese. Existe uma grande influ7ncia )riental, principalmente em termos de mantras indianos e utiliza-4o do sOnscrito: NOTAS 1 · Falar sobre a UMBANDA não é fácil, embora pareça, visto esta ser freqüentemente consi era a como !m s!bpro !to o "an omblé e por isso, coloca a sob s!a infl!#ncia ireta, no tocante e fatores como rit!al$stica e conceitos sobre a ivin a e e c!lto% · &or isso, m!itos a!tores versa os em "an omblé ' e por isso i(nos o maior respeito ' se v# em capacita os a escrever sobre UMBANDA, simplesmente por consi era)la !m mero item entro a reli(ião em q!e se especiali*arem% · A ver a e é bem iferente, pois a UMBANDA tem !ma sistemática pr+pria, to a !ma ci#ncia in epen ente e comple,a, em s!a ess#ncia bastante a versa o "an omblé, o -ar ecismo e o!tros, q!e m!itas ve*es até mesmo es en.am a eficácia e a serie a e o movimento !mban ista, apontan o a UMBANDA como !m mero ap#n ice apenas por ser simples em s!a apar#ncia e,terna% 2 · A UMBANDA é !ma reli(ião para to os, mol ável entro e si mesma, sem q!e perca a s!a ess#ncia principal/ a cari a e e o!tras partic!lari a es s!cintas entro e ca a ten a% &or e,emplo/ to o terreiro é obri(a o a ter, entre o!tras coisas, !m con(a e !ma tronq!eira, para efesa a casa% M! am, é claro, a ro!pa(em rit!al$stica e a apar#ncia e,terna, pois tais fatores estão mais vinc!la os 0 vonta e os pais e mães e santo o! os iri(entes a casa% Mas o mo o as enti a es trabal.arem será sempre semel.ante% &or e,emplo/ .á sempre o estalar e e os, o cac.imbo

e o c.ar!to )embora m!itos terreiros itos Umban a Branca não os !tili*am, ale(an o insenção e v$cios, o q!e é !ma boba(em, visto tais iri(entes talve* não saberem a f!nção esses elementos, pois !m "aboclo o! &reto)1el.o bem at!a o 2amais tra(a o f!mo e não ei,a seqüelas em se!s cavalos 3aparel.os4 ) as velas, as (!ias, se2am e q!al material forem%

3 ) A UMBANDA, na ver a e, ress!r(i! em solo brasileiro, através e !m movimento or(ani*a o pelo astral s!perior% A UMBANDA ata e M567N589 atrás, sen o a s$ntese per i a os pilares o con.ecimento/ A "i#ncia, a Filosofia, a :eli(ião e a Arte, q!e se fra(mento! com o passar os séc!los% 5n o mais lon(e ' A UMBANDA N;8 9U:<5U DA =UN>;8 D? 8U@:A9 :?65<5A?9, como apre(oam por a$% Ao contrário, ?6A B A 8:5<?M D? @8DA9 A9 :?65<5A?9 @:AD5"58NA59 D8 &6AN?@A% AN@?9 D? CB658 M8:A?9%%% 4 ) Apesar e ser consi era o o marco inicial o Movimento Umban ista, o a vento o "aboclo as 9ete ?ncr!*il.a as teve, ao q!e parece, pre ecessores em s!a missão% B o q!e nos relata D%D a Matta e 9ilva, em s!a obra EUmban a e o &o er a Me i!ni a eF/ E?m GHIJ tivemos contato com !m mé i!m e nome 8limpo e Melo 3%%%4 q!e praticava a lin.a e 9anto e Umban a .á mais e IK anos 3 portanto es e GHKJ, mais o! menos4 e q!e trabal.ava com o "aboclo ito como 8(!m e 6ei, com !m &reto 1el.o e nome &ai Fabr$cio e com !m ?,! e nome :ompe)Mato% ?m GHIL con.ecemos também o vel.o Nicanor 3 com MG anos e i a e4 n!m s!bNrbio a 6in.a A!,iliar, omina o "osta Barros, q!e sempre afirmava, or(!l.osamente, q!e es e os GM anos 2á recebia o "aboclo "obra "oral e o &ai =acob 3%%%4 portanto, es e o ano e GOHK, se(!n o s!as afirmativasF Matta e 9ilva fa* menção a s!a enti a e c.ama a "aboclo "!r!(!ç! a q!al, se(!n o 6eal e 9o!*a 3c.efe a ten a Nossa 9en.ora a "onceição4 foi o responsável pela vin a o "aboclo as sete ?ncr!*il.a as ao nosso plano%