Você está na página 1de 239

Treinamento CATIA

Drafting
TEORIA

NOVEMBRO 2002
DRAFTING – TEORIA

DRAFTING

PREFÁCIO

SOBRE O CURSO
O Drafting é um curso de 5 dias, sendo 3 dias de criação e manipulação de vistas, e 2 dias
de textos e dimensões. Cada meio período compreende :
• Explanação teórica com transparência
• Demonstração ilustrando os conceitos desenvolvidos
• Exercícios permitindo ao participante aplicar os conceitos abrangidos na lição

Além disso, os participantes terão acesso ao banco de dados contendo os modelos


requeridos durante os exercícios.

ESTRUTURA DO MANUAL
O manual é dividido em capítulos, cada um cobrindo diferentes tópicos abordados.

Seguindo as instruções gerais do CATIA, este manual irá orientá-lo como utilizar o
CATIA no ambiente DRAW.

OBJETIVOS DO MANUAL

• É utilizado como guia de estudos durante o curso ( explanações e exercícios)


• Referência para as aplicações profissionais do dia-a-dia.

MODELOS DO BANCO DE DADOS


O banco de dados contém modelos de exercícios orientados para a indústria. Estes
modelos são também usados pelo instrutor para demonstrações.

1
DRAFTING – TEORIA

OBJETIVOS DO CURSO

Este curso é dirigido para engenheiros, projetistas e desenhistas que necessitam um


aprimoramento no uso do módulo de detalhamento do CATIA.

No final do curso os usuários estarão aptos a:

• Definir vistas de desenho mecânico envolvendo um ou mais modelos CATIA, que


contenham elementos sólidos e superfícies.
• Completar o desenho, criando os textos e dimensões necessárias.
• Entender o conceito de links e sincronismo entre os ambientes DRAW e SPACE, e
utilizar as ferramentas do CATIA para este fim.

PRÉ- REQUISITOS
Para o aproveitamento adequado deste treinamento é necessário que os participantes
estejam familiarizados com os seguintes cursos:

• BASIC 3D e SOLID DESIGN I

2
DRAFTING – TEORIA

Índice

Capítulo 1:
INTRODUÇÃO........................... .......................... 4

Capítulo 2:
AUXVIEW............................................................ 12

Capítulo 3:
DIMENS2............................................................ 24

Capítulo 4:
TEXTD2.............................................................. 42

Capítulo 5:
AUXVIEW2......................................................... 71

Capítulo 6:
MARKUP............................................................ 86

Capítulo 7:
PATTERN.......................................................... 94

3
DRAFTING – TEORIA

CAPÍTULO 1
INTRODUÇÃO

4
DRAFTING – TEORIA

INTRODUÇÃO

Métodos de Detalhamento - Conceito de Vistas


No CATIA existem diversas maneiras para se fazer o detalhamento a partir de uma
peça tridimen-sional.
O primeiro deles, que será mostrado neste capítulo, utiliza-se do conceito de
transparência. Este método normalmente aplicado em elementos sólidos e de casca
(superfícies, faces e skins), tem este nome porque a geometria apresentada no draw é a
mesma do 3D (cuidado: se você apagar qualquer elemento selecionado-o na janela
draw, você estará na verdade apagando o elemento 3D). A função que aplica este
método é AUXVIEW.
O segundo método, que será visto posteriormente neste curso, é chamado de
extração, porque consiste na criação de elementos draw, a partir dos elementos 3D
com associatividade. A função utilizada será AUXVIEW2.
Existem muitas empresas que ainda utilizam o método de transparência, sendo
necessário abrangê-lo neste treinamento.
Uma das aplicações deste método é quando se deseja realizar cortes em peças
modeladas no conceito de superfícies, com o intuito de obter mais detalhes de uma
seção.

Desenhos Multi-Vista com Catia

Em desenhos multi-vista , um objeto tri-dimensional é representado em vistas


separadas dispostas de modo padrão.
O método para preparar estas vistas é a técnica de projeção ortográfica .Através da
projeção ortográfica ,as vistas de um objeto são projetadas perpendicularmente aos
planos de projeção.
Com o CATIA, cada vista do objeto ,qualquer que seja ela (frontal, de topo,direita ,
perspectiva ou uma secção ao longo de um plano de corte) ,é um elemento CATIA
chamado *VU1.
Além disso ,qualquer qu seja a vista que decidimos desenhar , é considerada como
uma vista auxiliar com relação à primeira ,chamada *VU1 que é criada
automaticamente ao criar o modelo.
Assim, qualquer vista após a primeira deve ser criada com a função AUXVIEW.

A Primeira Vista *VU1


Ao criar um modelo no modo DRAW (ver FILE + CREATE ) , o plano YZ é
proposto por default para a correspondência entre os modos DRAW e SPACE. YZ é o
plano de projeção do objeto para o plano frontal. Este plano é paralelo à tela.

5
DRAFTING – TEORIA

O sistema de eixos H e V mostrado na tela define o Horizontal e o Vertical para


esta primeira vista no plano de projeção YZ. O identificador desta vista é *VU 1 .
Esta vista é ,por default , a vista ativa. O seu identificador é dado na área de
controle localizada na parte inferior direita da tela.
O usuário normalmente inicia o desenho pela construção geométrica desta vista
frontal *VU 1. A partir da geometria do objeto nesta vista ,outras vistas serão
facilmente criadas e construídas.

6
DRAFTING – TEORIA

As Diferentes Vistas

7
DRAFTING – TEORIA

Definindo Vistas e a Terminologia do Catia

Para desenhar uma vista de um objeto no sistema de projeção ortográfica ,o usuário


primeiramente escolhe uma direção de visão denominada aqui “ eixo de visão e o
objeto é representado no plano de projeção que é normal para esta direção de visão .
Chamaremos este plano de “ plano de projeção ” (plano background ) da vista.
Esta direção de visão é geralmente escolhida como normal a uma face do objeto .
Esta face define o plano de projeção da vista a ser criada.

Com o CATIA, o método é o mesmo e o plano de projeção de uma vista é também


definido por uma face do objeto .Esta face torna-se a vista de referência para a vista a ser
criada. A vista de referência
deve ser vista ativa.
Como uma vista é sempre perpendicular a uma outra ,a face do objeto torna-se uma
aresta na vista
de referência.
A seleção desta aresta (segmento de linha) na vista ativa é suficiente para definir o
plano de projeção da vista que queremos desenhar ( a linha de visão ) não é selecionada,
fica implícita pois ela é sempre normal a face ) . O plano de projeção da vista a ser criada é
rebatida na “folha de papel”que é o plano da tela.

8
DRAFTING – TEORIA

Chamaremos de vista A a vista de referência onde o segmento de linha D é


selecionado para definir o plano de projeção da vista B .A vista B é a vista que queremos
criar.

VISTA A VISTA B
Vista de referência Vista de Referência

Selecionar o segmento PLANO DE


de linha D (aresta do PROJEÇÃO
objeto) (normal para o plano A)
automaticamente imlica:
a direção de visão EIXO V (para

Assim todas as vistas no desneho podem ser obtidas de uma outra pois cada uma é
ortogonal à outra.
Na outra, alterar a vista ativa significa alterar o plano projeção e normalmente
apenas *VU 1 está no plano da tela.
Além disso ,note que o CATIA conhece a equação do plano projeção de *VU 1 no
sistema de eixos tridimensional default ( yz por exemplo ) . Assim , nesta vista, a
equaão do segmento de linha que é selecionado para definir o plano projeção da
próxima vista é conhecido no que diz respeito ao sistema de eixos H, V, também
conseqüentemente com relação ao sistema de eixos x,y,z . Portanto , a equação do
plano de projeção da nova vista é conhecida e assim por diante para cada vista criada.
Desta forma, a coerência dentro do modelo entre os modos SPACE e DRAW é
garantida e também entre todas as vistas DRAW.

Exemplo:

D1 é o plano projeção da vista B1 vista na aresta..


D2 é o plano projeção da vista B2 vista na aresta.

9
DRAFTING – TEORIA

As convenções Européia e Americana em Desenhos Multi-Vista

Denominamos Convenção Européia , o método de projeção de 1º diedro que é


simbolizado em um desenho por:

Segundo esta convenção ,a vista direita está localizada à esquerda da vista frintal *VU 1
e a vista de topo abaixo dela. Além disso ,notamos que os eixos V destas vistas estão
apontando em direção à parte externa à vista frontal. Geralmente ,quando da criação : o
eixo V d euma vista B não aponta em direção à vista de referência A.

Denominamos Convenção Americana, o método de projeção de 3º diedro que é


simbolizado em um desenho por:

Segundo esta convenção , a vista direita está localizada à direita da vista frontal *VU1 e
a vista do topo acima dela. Além disso ,com o CATIA , os eixos V destas vistas estão
apontando em direção à *VU 1 .Geralmente , quano da criação : o eixo V de uma vista B
está apontando em direção à vista de referência A.

Assim sendo , o eixo V de uma vista é orientado de acordo com a convenção escolhida
,mas qualquer que seja a convenção , o eixo H aparecerá segundo a regra : H = v – 90º.

10
DRAFTING – TEORIA

CONVENÇÃO EUROPÉIA

CONVENÇÃO AMERICANA

11
DRAFTING – TEORIA

CAPÍTULO 2
AUXVIEW

12
DRAFTING – TEORIA

AUXVIEW
INTRODUÇÃO

A função AUXVIEW no modo draw, é usada para realizar as seguintes operações:


• Criar uma vista.
• Copiar uma vista e seus elementos.
• Mudar a vista corrente.
• Modificar os parâmetros da vista (posição, escala, orientação, frame, aplicar
transparência, realizar o dress-up).
• Deletar uma vista e sua geometria.
• Mudar o nome da vista.
• Transferir elementos de uma vista para outra.

Para realizar o detalhamento da peça o usuário necessitará definir várias vistas (planta,
lateral, elevação, cortes e seções, perspectiva).

A função AUXVIEW permite criar todos estes tipos de vistas e posicioná-las dentro de
uma ambiente de detalhamento. A capacidade de vistas dentro de um modelo CATIA é
até 255. Uma das vistas será a vista corrente, e todos os elementos geométricos
construídos com as funções draw, pertencerão a esta vista.

DEFINIÇÃO DA VISTA

Toda vista é definida por informações geométricas e gráficas.


A vista pode ser selecionada:
• Digitando seu identificador.
• Selecionando qualquer elemento que pertença a vista.

Informações geométricas associadas as vistas.

As vistas podem ser definidas através de elementos tridimensionais (space 3D):


• Um plano que corresponda a um plano de visualização do espaço. Este plano é definido
por um ponto de origem (projeção da origem do sistema de eixos (XYZ) corrente no
plano) e dois vetores que eqüivalem ao sistema de dois eixos do draw.

Os elementos são identificados pelo sistema de dois eixos da vista draw.


• Uma linha de visualização corresponde à direção normal ao plano de rebatimento.
Ao definir uma vista com a função AUXVIEW pode ser usada um plano ou uma linha do
espaça.

13
DRAFTING – TEORIA

Informações gráficas associadas às vistas.

• A posição da origem do plano da vista em relação à origem do draw.


• A orientação do plano da vistas em relação ao draw.
• A visualização da escala da vista.
Uma vez que o tamanho dos textos, dimensões, hachuras, setas, são definidos em
relação ao detalhamento, a escala da vista pode ser aplicada exclusivamente aos
elementos geométricos.
• O frame da vista.
Ao criar uma vista, ele será infinito, depois podemos defini-lo com uma área
retangular adequada a sua necessidade.
• A visualização ou não visualização de elementos do espaço.
• A visualização ou não visualização de elementos do draw usando os recursos de dress-
up.

MENU DA FUNÇÃO

Esta função inclui os seguintes itens e sub-itens:

Comentário:
• O menu 2 é ativado quando seleciona o item CREATE do menu 1
• O menu 3 é ativado quando seleciona o item MODIFY do menu 1
• O menu 4 é ativado quando seleciona o item FRAME do menu 3
• O menu 5 é ativado quando seleciona o item VIEW do menu 3
Nota: Em alguns itens desta função, os elementos geométricos não podem ser
selecionados digitando sua identificação, deve ser selecionado graficamente.

14
DRAFTING – TEORIA

DESCRIÇÃO DOS ITENS

CREATE

Cria uma nova vista, sendo esta a vista corrente.


O menu 2 é mostrado.

CREATE + NEW BGD

Cria uma vista que corresponda a um plano de rebatimento.

Cria uma vista a partir de um elemento draw.


Por exemplo, o usuário pode criar a vista esquerda, direita e topo a partir da frontal.

1 Selecione uma elemento do tipo LND


Neste caso, o plano passa por esta linha e é perpendicular ao plano da vista contido nesta
linha.

2 Selecione um elemento do tipo PTD


A origem da vista é definida pela projeção deste ponto com a linha selecionada na etapa
anterior.
/ou/
2 Pressione a tecla YES
A origem da vista é definida pela projeção do ponto de origem da vista corrente com a
linha.
3 Se necessário, defina a convenção da vista
• Digite 1 para convenção Americana (1° diedro)
• Digite 2 para convenção Européia (3° diedro)
Por default é usado a última convenção

4 Selecione um elemento do tipo PTD, para definir o posicionamento da vista no draw

5 Digite um nome para a vista


O sistema de eixos (H,V) aparece do draw, onde o eixo V tem a mesma direção da linha e
depende também da convenção usada; e o eixo H está a direita do eixo V em 90 graus.

6 Se necessário entre com o valor de escala


O valor default para a escala da vista é 1.

Cria uma vista a partir de um elemento do espaço.


1 Selecione uma elemento do tipo PLN
/ou/
1 Selecione um eixo do sistema XYZ. O plano é definido pelos outros dois eixos.

15
DRAFTING – TEORIA

/ou/
1 Selecione ou indique uma janela do espaço (de projeção cilíndrica) ou digite o nome da
janela
A vista criada terá a mesma direção de visualização da janela do espaço.

2 Selecione um elemento do tipo PTD que definirá a posição da vista no draw

3 Digite a sua identificação

4 Se necessário, pressione a tecla YES para inverter o sentido de visualização da vista

5 Se necessário digite o valor de escala da vista


O valor default para a escala da vista é 1.

CREATE + SAME BGD


Cria uma vista com o mesmo plano de rebatimento de uma outra vista.
A vista pode ser criada sem definir um plano de rebatimento. Os elementos geométricos
serão então visualizados em todas as vistas com o mesmo plano de rebatimento.
Este item é muito usado para construir vista de detalhe, onde usamos o mesmo plano de
rebatimento e aplicamos uma escala de aumento e também um frame que possibilite
visualizar uma determinada região da peça.
Qualquer criação geométrica, modificação ou exclusão na vista original, será refletido na
vista de detalhe e vice-versa. Estas vistas são chamadas de vistas gêmeas.
Vale lembrar que todas as vistas criadas com os mesmo plano de rebatimento (SAME
BGD), são independentes quanto aos seus parâmetros, localização no draw, escala, filtros
e layers, transparência, etc.

1 Selecione uma vista


/ou/
1 Pressione YES para aceitar a vista corrente

2 Selecione um elemento do tipo PTD, para localizar a vista no draw

3 Digite o nome da vista

4 Se necessário defina um valor de escala


O valor default é 1.

CREATE + DUPLICATE

Duplica a vista com todos os seus elementos geométricos, mantendo o mesmo plano de
rebatimento.

16
DRAFTING – TEORIA

Nesta operação não existe link entre a vista original e a vista copiada.
1 Selecione a vista a ser copiada
/ou/
1 Pressione YES para copiar a vista corrente

2 Selecione um elemento do tipo PTD, para localizar a vista no draw

3 Digite o nome da vista

CHANGE

Muda de vista corrente.

Os elementos da vista corrente fica no estado LOWINT


1 Selecione a vista a ser a vista corrente
/ou/
1 Pressione a tecla YES para listar as outras vistas do draw

2 Selecione a vista desejada

MODIFY

Modifica as características das vistas

O menu 3 é mostrado.
• Aparecem os itens FRAME+MOVE, FRAME+SIZE, VIEW e TRANSLATE, as
modificações são feitas sobre os elementos da vista corrente, que pode ser identificada
pela sua aparência em high light.
• Quando cada um destes itens são chamados, a vista corrente é a vista de trabalho.
• Durante a primeira seleção de um elemento da vista ou o nome da vista digitado, isto
será interpretado como sendo a definição da vista de trabalho. Entretanto a vista
corrente permanece inalterada.

MODIFY + FRAME

Modifica o frame da vista sem alterar sua posição no draw.

O frame de uma vista é representado por linhas tracejadas. Quando o frame da vista é
infinito (sempre ao criar a vista), apenas um ponto no centro da vista é mostrado. O menu
4 é ativado.

MODIFY + FRAME + MOVE

17
DRAFTING – TEORIA

Modifica a posição do frame da vista no draw.

Só podemos mover o frame se ele não estiver no modo infinito.


1 Se necessário, selecione a vista de trabalho

2 Selecione um elemento do tipo PTD na vista corrente, O centro do frame moverá para
este ponto
/ou/
2 Selecione um dos limites do frame, ele será usado como referência

3 Selecione um elemento do tipo LND


/ou/
3 Selecione um dos limites do frame
/ou/
3 Selecione um elemento do tipo PTD
O frame se desloca assim que o segundo elemento é selecionado.

MODIFY + FRAME + SIZE

Modifica o tamanho do frame


Modifica sua escala

1 Se necessário selecione a vista de trabalho

2 Digite um valor para a escala. Isto só será possível se o frame não for infinito. As
dimensões do frame será multiplicada por este valor, mas seu centro permanecerá
inalterado
/ou/
2 Selecione um elemento do tipo PTD, ou um dos limites do frame

3 Digite um valor para a escala. Isto só será possível se o frame não for infinito. A posição
relativa do elemento selecionado, permanecerá inalterada e as dimensões do frame se
ajustarão com o valor da escala

Modifica sua dimensão

1 Se necessário selecione a vista de trabalho

2 Selecione dois elementos do tipo PTD, o primeiro pertence a vista corrente. Estes dois
pontos definem a diagonal do retângulo que define a escala do frame
/ou/
2 Selecione um elemento do tipo PTD, na vista corrente

18
DRAFTING – TEORIA

3 Digite as dimensões do frame (comprimento e largura). A posição do ponto selecionado


definirá o centro do frame com suas novas dimensões.
/ou/
2 Selecione um elemento da vista corrente

3 Digite as dimensões do frame (comprimento e largura). A posição do frame permanece


inalterados e suas dimensões são alteradas
/ou/
2 Pressione a tecla YES para definir um frame infinito

MODIFY + FRAME + NO SHOW

Visualiza ou não os limites do frame.

1 Selecione a vista do frame para modificar


/ou/
1 Pressione a tecla YES para modificar o frame da vista corrente

O modo de visualização é realizado da seguinte forma:


• Muda de NO SHOW para o modo SHOW
• Muda de SHOW para o modo NO SHOW
Nota: Dentro de qualquer item da função AUXVIEW, o frame sempre aparece no modo
SHOW.

MODIFY + VIEW

Modifica as características da vista sem alterar o seu frame.


O menu 5 é mostrado

MODIFY + VIEW + SC/FRAME

Modifica a escala e o centro da vista

Isto só será possível se o frame não for infinito.


1 Se necessário selecione a vista de trabalho

2 Selecione dois elementos do tipo PTD sucessivamente, o primeiro pertence a vista


corrente
Os dois pontos definem a diagonal do retângulo. A escala e o centro da vista serão
modificados de acordo com o seu frame.

MODIFY + VIEW + SCALE

19
DRAFTING – TEORIA

Modifica a escala da vista

1 Se necessário selecione a vista de trabalho

2 Digite sua escala

MODIFY + VIEW + CENTER

Translada a vista

1 Se necessário selecione a vista de trabalho

2 Selecione dois elementos do tipo PTD ou LND sucessivamente, sendo o primeiro da


vista corrente.
A vista se deslocará do primeiro para o segundo elemento.
/ou/
2 Digite dois valores absolutos (DX,DY) a partir do zero da vista corrente em relação ao
draw
/ou/
2 Selecione um elemento do tipo PTD da vista de trabalho

3 Pressione a tecla YES. A vista é centralizada de acordo com este ponto


/ou/
2 Selecione um elemento do tipo LND da vista de trabalho

3 Digite um valor de deslocamento na direção normal a linha selecionada

MODIFY + VIEW + ROTATE

Modifica o ângulo da vista

Nota: A vista é rotacionada em torno da origem do sistema de eixos da vista corrente.


Uma mensagem indica o ângulo entre o eixo H e a horizontal.
Cuidado: O ângulo mostrado, na verdade, é a soma de dois ângulos: o ângulo da vista em
relação ao draw, mais o ângulo do eixo da vista. Para detectar este tipo de situação, pode-
se usar a função ANALYSIS, no modo draw, selecionando um dos eixos da vista draw.

1 Se necessário, selecione outra vista

2 Digite o ângulo desejado (em graus decimais) para rotacionar a vista


/ou/
2 Selecione dois elementos do tipo LND, sucessivamente; o primeiro pertence a vista
A rotação é definida pelo ângulo formado entre as duas linhas.

20
DRAFTING – TEORIA

3 Se necessário pressione a tecla YES


A vista corrente é rotacionada por um ângulo de 180 graus.

MODIFY + TRANSLAT

Move a vista e o frame simultaneamente

1 Se necessário selecione a vista de trabalho

2 Selecione dois elementos do tipo PTD ou LND ou os limites de um frame


simultaneamente
O primeiro elemento pertence à vista de trabalho. A vista de move fazendo coincidir o
primeiro elemento com o segundo.
/ou/
2 Digite as componentes (DX,DY) de deslocamento, em absoluto, para mover a vista no
draw
/ou/
2 Selecione um elemento do tipo PTD na vista de trabalho

3 Pressione a tecla YES


O centro da vista se move para o ponto selecionado
/ou/
2 Selecione um elemento do tipo LND na vista de trabalho

3 Digite um valor de deslocamento na direção normal a linha selecionada.

MODIFY + SPACE

Modifica o estado de transparência da vista visualizando os elementos 3D

1 Selecione a vista desejada para aplicar a transparência


/ou/
1 Pressione a tecla YES

DELETE

Deleta a vista

Deletando uma vista


1 Selecione uma vista para deletar do modelo
Todos os elementos da vista ficam em highlighted
/ou/
1 Pressione a tecla YES para mostrar a lista de vistas

21
DRAFTING – TEORIA

2 Selecione a vista desejada pelo seu nome

3 Pressione a tecla YES para confirmar a operação

Se necessário, delete todas as vistas de mesmo plano de rebatimento do draft corrente.


4 Pressione a tecla YES para deletar todas as vistas

5 Pressione a tecla YES para confirmar a operação

Nota:
• Deletando todas as vistas sob o mesmo plano de rebatimento, deleta o plano.
• Deletando o plano de rebatimento, deleta tanto o plano como os elementos contidos
nele.
• Sempre ficará uma única vista no draw.
• Se em uma vista houver elementos usados por outra aplicação, a operação não será
realizada.

RENAME
Renomeia a identificação da vista

1 Selecione a vista que deseja renomear


A vista selecionada aparece em LOWINT.
/ou/
1 Pressione a tecla YES, para visualizar a lista dos nomes das vistas
2 Selecione ou digite o nome para a vista desejada
3 Digite o novo nome da vista selecionada no passo anterior

Nota: Se a tecla YES já foi pressionada, a tecla NO pode visualizar o modelo


Aviso: Visto que o CATIA interpreta os dados digitados como valores numéricos,
devemos digitar o caracter “*”, para que ele possa interpretar o identificador do elemento
corretamente.

TRANSFER

Transfere elementos de uma vista para outra, mantendo sua escala e posicionamento no
draw.

1 Selecione a vista que receberá os elementos desejados


A vista aparece em LOWINT

2 Selecione, na outra vista os elementos que serão transferidos


Podemos usar a multi-seleção.

22
DRAFTING – TEORIA

3 Se necessário, pressione a tecla YES para aceitar a família de elementos

4 Pressione a tecla YES para finalizar a operação


Notas:
• As seleção do sistema de eixos ou elementos usados por outra aplicação, não são
permitidos.
• Os elementos transferidos, mudam de vista corrente.
• Durante a transferência dos elementos, quando a horizontal da vista de origem se
encontra entre
-90° e 90° e a da vista receptora entre 90° e 270°, e vice-versa, a posição da nota será
trocada.
• No caso de se usar a opção de multi-seleção, não é possível realizar esta operação para
aqueles elementos que compõem famílias (linha de dimensão, textos de dimensões).
Neste caso, estes elementos devem ser transferidos um a um, pelo método padrão.

DTAILING

Ativa ou desativa a visualização dos elementos de detalhamento, tais como: hachuras,


textos, dimensões e setas de corte.

1 Selecione a vista que deseja modificar a visualização


/ou/
1 Pressione a tecla YES, para mudar o estado da vista corrente

23
DRAFTING – TEORIA

CAPÍTULO 3
DIMENS2

24
DRAFTING – TEORIA

DIMENS2 - PAINEL DE MANIPULAÇÃO

Campo de Tolerância Modo de Localização do Valor Tipo de Frame


Modo de Apresentação Forma de Cálculo Sublinhado

Precisão Numérica Textos Modo de Parâmetros


Fonte Modo Duplo Espaçamento

25
DRAFTING – TEORIA

DIMENSÕES
As atividades a seguir o ajudarão a entender sozinho os comandos DIMENS2.

CRIANDO UMA DIMENSÃO

Passo 1: DIMENS2: CREATE + DISTANCE

Passo 2: o primeiro elemento

Passo 3: o segundo elemento

Passo 4: a posição da dimensão

DIMENSÕES

Uma dimensão é composta por vários elementos, chamados componentes de dimensão:


linha de dimensão, linhas de extensão, leader, tolerâncias, textos associados, valores
numéricos e para finalizar símbolos.

26
DRAFTING – TEORIA

CRIANDO UMA DISTÂNCIA COM VALOR DUAL

Passo 1: DIMENS2: CREATE + DISTANCE

Passo 2: o ícone

Passo 3: o ícone dual que é alternado com

Passo 4: habilite a primeira tolerância dual

TOL_NUM e digite 0.100.

Passo 5: habilite a dimensão numérica

NUM.DIMM e digite 0.100.

Passo 6: habilitar a segunda tolerância dual

Passo 7: habilite a dimensão numérica

NUM.DINC e digite 0.001.

27
DRAFTING – TEORIA

Passo 8: o primeiro elemento

Passo 9: o segundo elemento

DUAL DIMENSION

Uma dimensão dual é criada como uma simples dimensão, a tolerância é mostrada em um
formato numérico. O valor principal e o dual são tolerâncias de diferentes tipos.

MODIFICANDO UMA DISTÂNCIA DE DIMENSÃO PARA UMA DISTÂNCIA


DE DIMENÇÃO DUAL E VICE VERSA

Passo 1: DIMENS2: MODIFY + VALUE + NUM DISP

Passo 2: a dimensão a ser modificada

28
DRAFTING – TEORIA

Passo 3: Então aparecerá o painel abaixo:

Passo 4: o ícone dual deve ser acionado

Passo 5: o display numérico 2

NUM.DINC e digite 0.001.

Passo 6: Você irá obter a cota como mostra a figura abaixo.

Passo 7: o ícone

Passo 8: Você retornará para a forma de dimensão simples.

29
DRAFTING – TEORIA

MODIFICANDO UMA DIMENSÃO

Uma dimensão dual pode ser criada a qualquer momento quando existir uma dimensão
simples. O oposto é possível, somente se você mudar uma dimensão dual para uma
dimensão simples.

CRIANDO DISTÂNCIA DE TOLERÂNCIA NO MODO ENCADEADO

Passo 1: DIMENS2: CREATE + DISTANCE

Passo 2: o ícone

Passo 3: 0.100 no campo tol

Passo 4: o primeiro elemento

Passo 5: o segundo elemento

Passo 6: o terceiro elemento

30
DRAFTING – TEORIA

Passo 7: a localização

SISTEMA DE DIMENSÃO

Um sistema de dimensão não é um simples conjunto de dimensões criadas uma após a


outra (interativamente usando a função DIMENS2). Para criar um sistema de
dimensões, o modo apresentado tem que ser definido. Cada modo encadeado dever ser
usado.

MODO DE APRESENTAÇÃO EM SÉRIE

Uma dimensão em série compreende em um grupo de simples dimensões, criadas


sequencialmente, com todas as linhas de extensão. Semelhante a um grupo de sistema de
dimensões. Existem dois modos de apresentação: O modo encadeado e o alinhado.

• Modo Alinhado
No modo alinhado, as simples dimensões aparecem uma após a outra, em série. As linhas
de dimensão estão alinhadas uma a uma. São possíveis dois modos de representação:
• Uma parte da linha de dimensão com o final de um símbolo.
• Uma parte da linha de dimensão com os dois finais do símbolo.
No modo encadeado pode ser usado no modo half-dim.
• Modo com referência
No modo referência, simples dimensões são posicionadas uma acima da outra, na
paralela. Todos os valores de dimensão são expressos em relação ao elemento de
referência. A distância entre as linhas estão definidas pelo parâmetro de modo modal.
Linhas de extenção comum estão representadas como um só elemento. O modo referência
oferece todos os tipos de linha de dimensão.
O modo referência não pode ser usado com o modo acumulado.
O modo de apresentação em série só pode ser usado com dimensões angulares em
elementos lineares e em dimensão de distância.

31
DRAFTING – TEORIA

DESCRIÇÕES

Descrição são grupos de parâmetros o qual são usados para definir um conceito simples.
Existem cinco tipos de descrição:

ALINHADO REFERÊNCIA

1. Formato numérico o qual permite expressar um valor numérico do modelo na


unidade em que você necessita .
2. Framing de um texto de dimensão pode ser constante (o tamanho do frame é fixo)
ou podem variar de acordo com o texto.
3. Aspectos de um caracter gráfico: Fontes, Ângulo, Espaço, Altura e Largura.
4. Tolerância
5. Multi-tolerância: As descrições de Tolerância e multi-tolerância são usados para
determinar a forma de tolerância.

TOLERÂNCIA

Tolerâncias CATIA são definidas de uma maneira especifica;


• Valores numéricos
• TOL MAX: tolerância máxima, entre o valor nominal e o valor real.
• TOL MIN: mínima tolerância, entre o valor nominal e o valor real.
• Valores alfanuméricos são usados por tolerância.

32
DRAFTING – TEORIA

MODIFICANDO UMA TOLERÂNCIA

Passo 1: DIMENS2: MODIFY + TOL + CHANGE

Passo 2: a dimensão a ser modificada

Passo 3: o ícone TOL_NUM e digite –0.200

Passo 4: YES: APPLY para confirmar.

Passo 5: Você irá obter:

CRIANDO UMA DIMENSÃO NO MODO TRUE LENGTH

Passo 1: DIMENS2: CREATE + LENGTH

Passo 2:

Passo 3: o elemento

Passo 4: YES: WHOLE

33
DRAFTING – TEORIA

Passo 5: a localização da dimensão

Passo 6: YES: END

DIMENSÃO DE COMPRIMENTO

Uma dimensão tipo length apresenta a medida de comprimento do elemento (aresta,


curva, círculo).
Caso você queira criar uma dimensão em altura de um sólido primitivo (por exemplo, de
um cone).
Para criar esta dimensão de comprimento, a dimensão calculada corresponde à altura do
sólido primitivo, mas não a altura da linha selecionada.

MODO DE CÁLCULO DO VALOR

O valor da dimensão pode ser determinada de uma das seguintes maneiras:


• a projeção de um elemento do espaço sobre o plano da vista (projeção manual)
baseado na direção de dimensionamento que você definir;
• a projeção de um elemento do espaço sobre o plano da vista (projeção automática)
baseado na direção de dimensionamento;

34
DRAFTING – TEORIA

ADICIONAR UMA DIMENSÃO DE COMPRIMENTO NO MODO DE


PROJEÇÃO AUTOMÁTICA

Passo 1: DIMENS2: CREATE + LENGTH

Passo 2:

Passo 3: elemento

Passo 4: YES:WHOLE

Passo 5: a localização da dimensão

Passo 6: YES:END

CRIAR UMA DIMENSÃO ANGULAR E O SEU FORMATO DE


APRESENTAÇÃO

Passo 1: DIMENS2: CREATE + ANGLE

Passo 2: o ícone

Passo 3: o primeiro elemento

Passo 4: o segundo elemento

35
DRAFTING – TEORIA

Passo 5: YES: CONTINUE

Passo 6: a posição da dimensão

Nota: CATUNIT não pode ser usado para modificar a unidade das dimensões criadas pela
função DIMENS2 porque o formato da visualização do valor não é determinado pela
unidade do modelo mas é especificado em uma descrição armazenada no PRJ.

DIMENSÃO ANGULAR

A dimensão angular mede o ângulo entre dois elementos (por exemplo duas linhas) ou
entre duas extremidades de um elemento ( ARC ou círculo).

36
DRAFTING – TEORIA

MODIFICANDO UM SÍMBOLO

Passo 1: DIMENS2: MODIFY + SYMBOL + CHANGE

Passo 2: o símbolo da dimensão

Passo 3: o símbolo da tabela

Passo 4: Este será o resultado

37
DRAFTING – TEORIA

CRIAR UMA DIMENSÃO DE RAIO COM LINHA DE DIMENSÃO


QUEBRADA

Passo 1: DIMENS2: CREATE + RADIUS

Passo 2:` o ícone

Passo 3: o elemento a ser dimensionado

Apagar o prolongamento da dimensão

Passo 4: YES: OVERRUN

DIMENSÃO DE RAIOS

A dimensão de raio mede o valor do raio de uma curva, círculo, cilindro ou esfera.

38
DRAFTING – TEORIA

CRIAR UMA DIMENSÃO DE DIÂMETRO COM UM TEXTO ANEXO

Passo 1: DIMENS2: CREATE + DIAMETER

Passo 2: como mostra a figura e digite 4XM

Passo 3: o elemento

Passo 4: a posição da dimensão

DIMENSÃO DE DIÂMETRO

A dimensão de diâmetro mede o valor do diâmetro de um círculo, cilindro, cone ou esfera.

TEXTO ASSOCIADO

Para cada valor dimensional podemos associar um texto posicionado antes, depois,
abaixo, acima ou entre o valor e o texto associado depois.

39
DRAFTING – TEORIA

DIMENSIONANDO UM CHANFRO COM O VALOR DA DISTÂNCIA x


ÂNGULO

Passo 1: DIMENS2: CREATE + CHAMFER

Passo 2: os ícones

Passo 3: o chanfro a ser dimensionado

Passo 4: a linha de referencia

Passo 5: indique uma posição

DIMENSÃO DE CHANFRO

Este tipo de dimensão pode ser expressa de várias formas (distância/ângulo,


distância/distância, ou apenas distância).
A função DIMENS2 aplicará o modo de representação selecionado via SOLIDE quando o
chanfro for uma primitiva. A seguinte mensagem é mostrada: CHANFER
REPRESENTATION MODE IMPOSE.

40
DRAFTING – TEORIA

VERIFICANDO O DRAW

Passo 1: DIMENS2: MANAGE

Passo 2: o ítem TRUE LENGTH

Passo 3: : TRUE LENGTH não encontrado

Passo 4: : TRUE LENGTH encontrado

DIMENSÃO FALSA

A dimensão falsa é aquela que o usuário, voluntariamente, troca o valor real da dimensão
por um valor qualquer que pode ser numérico ou alfanumérico. O valor da dimensão,
quando numérico, é mostrado com uma característica gráfica distinta da normal.

DIMENSÃO VERDADEIRA

O valor da dimensão pode ser definido pela medida real da peça (opção TRUE
LENGTH). Neste caso a direção da dimensão e imposta pêlos elementos.

ASSOCIATIVIDADE

Associatividade e a relação entre uma parte ou toda a dimensão e os elementos CATIA.


Isto permite realizar modificações na geometria e fazer um update da dimensão.

41
DRAFTING – TEORIA

CAPÍTULO 4
TEXTD2

42
DRAFTING – TEORIA

TEXTD2 - PAINEL DE MANIPULAÇÃO

Nome da Tipo de Modo de Ponto Grid do


Sublinha Altura e Expessura/Co Ícone de Justificaç

Forma Digitar Atribut Arqui Modo de Graph Datu Espelhame


Identificaç Program Distância do Lead Sublinha Padrõ

43
DRAFTING – TEORIA

CRIANDO E MODIFICANDO UM TEXTO

Passo 1: TEXTD2: CREATE + TEXT + SIMPLE

Passo 2: o ícone

Passo 3: a posição

Passo 4: Digite o primeiro texto: NOT DIMENSIONED RADII

Passo 5: Pressione a tecla ENTER

Passo 6: o ícone

Passo 7: Digite o segundo texto: RADII = 10

Passo 8: Pressione a tecla ENTER

44
DRAFTING – TEORIA

TROCANDO O SUBTEXTO

Passo 1: TEXTD2: MODIFY + TEXT + EDIT

Passo 2: o subtexto para ser modificado

Passo 3: Digite o novo texto: NEW TEXT

Passo 4: O resultado é este

TEXTO

Um texto é o conjunto de uma ou mais linhas de sub-textos. Nele pode ser acoplado uma
LEADER. Os textos e sub-texto podem ser feitos através do teclado, podem ser o
resultado da execução de um programa específico do CATIA, o valor de um atributo, ou
ainda de um ID. Um texto completo pode ser buscado de um arquivo externo (ASCII).

CAMPO ALFANUMÉRICO

A janela de diálogo KEY TEXT é mostrada após a definição da posição do texto. O


cursor vai para o começo do campo alfanumérico desta janela e o usuário pode digitar um
conjunto de caracteres. Após a entrada dos caracteres use a tecla JUMP, para ir na área de
comandos, entre com um identificador e pressione a tecla ENTER. O elemento é entrado e
selecionado. A interação seguinte é chamada novamente.

45
DRAFTING – TEORIA

MODIFICANDO O SUBTEXT DE UM TEXTO

Passo 1: TEXTD2: MODIFY + TEXT + GRAPHIC

Passo 2: o frame

Passo 3: Digite H=6

Passo 4: Pressione a tecla ENTER

Passo 5: o frame

Passo 6: Digite H=6

Passo 7: Pressione a tecla ENTER

MODIFICANDO O SUBTEXT DE UM TEXTO

Passo 1: o subtexto a ser modificado

Passo 2: YES: COPY

Passo 3: o subtexto que tem os atributos desejados

46
DRAFTING – TEORIA

Passo 4: O resultado é este

APLICANDO LINKS ENTRE UMA DIMENSÃO DE REFERÊNCIA E UM OU


MAIS TEXTOS PARA SEREM AGRUPADOS

A proposta desta tarefa é criar links entre uma dimensão pai e um texto filho. Você irá
mover o texto agrupado.

Passo 1: TEXTD2:MANAGE + ASSOCIAT + LINK

Link a GDT com uma dimensão

Passo 2: a dimensão de referência

47
DRAFTING – TEORIA

Passo 3: a próxima a ser linkada

MOVER OS TEXTOS E DIMENSÕES COM LINK

Agora você irá criar um link entre um GDT para uma dimensão, você irá alinhar o texto e
a dimensão. Então, você irá tentar mover as dois juntos.

Passo 4: TEXTD2: MODIFY + LOCATION

Passo 5: o texto para ser movido

Passo 6 : a nova localização

O texto se move sozinho e o elemento filho o acompanha.

48
DRAFTING – TEORIA

Passo 7: DIMENS2:MODIFY + DIM LINE

Passo 8: a dimensão de referência

Passo 9: a nova localização do texto com link e da dimensão a ser movida

Como você pode ver, tanto o texto quanto à dimensão se movem juntos como eles estão
com link e você seleciona o elemento pai. Numa adição ela fica alinhada com os outros.
Se você modificar a posição do valor da dimensão de referência, o GDT segue o valor.

49
DRAFTING – TEORIA

APLICANDO LINK ENTRE UM TEXTO DE REFERÊNCIA E UM OU MAIS


TEXTOS PARA SER AGRUPADO

A proposta desta tarefa é criar links entre um texto pai e um outro texto filho. Você irá
então criar estes textos agrupados.

Passo 1: TEXTD2:MANAGE + ASSOCIAT + LINK

Passo 2: um texto de referência

Passo 3: o texto a ser agrupado

Passo 4: YES : END

Passo 5: TEXTD2:MODIFY + LOCATION

Passo 6: o texto de referência

50
DRAFTING – TEORIA

Passo 7: a nova localização dos textos de referência

Nota : Os textos com link ficam na mesma posição relativa.

Passo 8: o texto com link

Passo 9: Mover o texto com link

51
DRAFTING – TEORIA

TIRANDO TODO VÍNCULO ENTRE GDT E DIMENSÕES

Passo 1: TEXTD2:MANAGE + ASSOCIAT + UNLINK

Passo 2: um elemento do grupo

Todos os elementos com link com o elemento selecionado são iluminados.

Passo 3: a anotação de referência

Passo 4: Pressione a tecla F11 (YES) para confirmar que todos os


elementos do grupo serão desagrupados

Nota: Se você selecionar texto filho com link, este texto e apenas este texto será
desagrupado

Se você precisa quebrar o link de todas as anotações, YES : UNLINK ALL

52
DRAFTING – TEORIA

VERIFICAR O GRUPO DE REFERÊNCIA

Você pode checar qualquer grupo ou todos os grupos.

Passo 1: TEXTD2:MANAGE + ASSOCIAT + CHECK

Passo 2: um texto associado do modelo

Se o texto pertence a um grupo, a referência é iluminada. Uma verificação é feita para


saber qual desse grupo é válido.

Para visualizar todas as referências no modelo, você pode usar multi-seleção.

Passo 3: Digite *TXTN

Todas as referência são


automaticamente
iluminadas

53
DRAFTING – TEORIA

MODIFICANDO A ORIENTAÇÃO DE UMA ANOTAÇÃO

Passo 1: TEXTD2: MODIFY + ORIENTATION

Orientar a anotação para uma posição vertical, na relação para a vista.

Passo 2: uma vista de referência

Passo 3: o valor de orientação vertical

Passo 4: o Texto

Passo 5: YES:APLLY

ORIENTAÇÃO DE TEXTOS

A orientação do texto é a orientação de um texto em relação a uma direção de referência.


A orientação do texto pode ser através de um elemento, paralelo ou perpendicular, pela
tela ou vista, horizontal ou vertical, ou não especificada.

54
DRAFTING – TEORIA

CRIAR UM TEXTO COM ESPAÇAMENTO PROPORCIONAL ATRAVÉS DE


UM GRID

Passo 1: TEXTD2: CREATE + TEXT + SIMPLE

Passo 2: ?

Passo 3: Digite D = 5.0000

Passo 4: Criar o texto

Passo 5: Você têm isso :

55
DRAFTING – TEORIA

MODIFICANDO O ESPAÇAMENTO DE LINHA

Passo 6: Digite D = 16.0000

Passo 7: Criar um texto simples

Passo 8: Você terá isso

56
DRAFTING – TEORIA

GRID DO TEXTO

Nesta janela de diálogo são apresentados três parâmetros :

• D : espaço das linhas ( DISTANCE BETWEEN GRIDS )


• S : número de linhas secundárias entre cada linha principal ( NUMBER OF
SECUNDARY LINES )
• L : peso do caracter em cada linha secundária ( CHAR. HEIGHT ON
SECUNDARY LINE )

57
DRAFTING – TEORIA

CRIANDO E RELOCANDO UM TEXTO COM UM LEADER

Passo 1: TEXTD2: CREATE + TEXT + LEADER

Passo 2: um ponto

Passo 3: Digite o texto : 3 120-DEGREE DRILLING

Passo 4: Pressione ENTER

Passo 5: o ponto de início da Leader

Passo 6: um ponto no meio

Passo 7: o ponto final. ( 5 )

Passo 8: YES:END LEADER

58
DRAFTING – TEORIA

Passo 9: Você terá isso

Passo 10: a nova posição do texto.

LEADER

Uma Leader é um componente de uma anotação. Ela é composta por vários seguimentos
ancorados uns aos outros ou em um ponto característico da anotação. Há uma série de
tipos de leader para símbolos de tolerância: leaders de ponto e de referência.
Quando você cria uma anotação, uma seta aparece, indicando a direção em cada distância
medida. A seta aparece, no primeiro elemento a ser dimensionado próximo ao ponto final
de onde ele foi selecionado.
No modo half-dimension, o eixo de simetria não é considerado como a referência de
posicionamento. Entretanto, números temporários ao qual a seta pode ser ancorada, não
aparece no eixo de simetria, mas apenas no elemento a ser dimensionado.
Números aparecem simultaneamente nos dois elementos a serem dimensionados. Os
números estão em ambas às extremidades das linhas. Estes números representam os
possíves pontos de âncora para a seta. A seta aparece no ponto âncora numerada quando
você seleciona um número relevante temporário.

59
DRAFTING – TEORIA

ADICIONANDO UM SEGMENTO A UMA LEADER

Passo 1: TEXTD2:MODIFY + LEADER + ADD

Passo 2: a Leader

Passo 3: o ponto de início

Passo 4: a localização do segmento

Passo 5: YES:END

SEGMENTO DE LEADER

Um segmento é uma parte de uma leader. Pode ter uma série de elementos para um outro
ou para um elemento dimensionado.

PARTE PRINCIPAL DE UM LEADER

A parte principal é composta por um ou mais segmentos. O primeiro segmento contém o


símbolo final e pontos para o elemento dimensionado. A parte principal do leader termina
neste símbolo. O último segmento da leader principal têm um link com a parte principal
da segunda parte.

60
DRAFTING – TEORIA

MODIFICANDO OS ATRIBUTOS GRÁFICOS DE UM SUB-TEXTO

Passo 1: TEXTD2: MODIFY + TEXT + GRAPHIC

Passo 2: para a barra acima

Passo 3: Digite H = 15.0000

Passo 4: Digite D = 5.0000

Passo 5: 3/3 SCORE

Passo 6: FR 1 TO 13

Se você fizer multi-seleção de textos (sub-textos por sub-textos), estes textos são
modificados e aplicados para os parâmetros correntes. Estes parâmetros são mostrados no
painel e corresponde para o último sub-texto na lista.

61
DRAFTING – TEORIA

CRIANDO SÍMBOLOS DE TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA ( GD&T )

Passo 1: TEXTD2: CREATE + GEOM TOL

Passo 2: a localização

Passo 3: a tolerância geométrica do painel.

Criando um Símbolo.

Passo 4: Digite 0.5 e pressione ENTER

Passo 5: o símbolo

Passo 6: YES:CLOSE

Passo 7: Digite A e pressione ENTER

62
DRAFTING – TEORIA

Passo 8: YES:CLOSE

Passo 9: o ponto inicial da seta

Passo 10: o ponto final da seta ( 4 )

Passo 11: YES:END_LEADER

SÍMBOLOS DE TOLERÂNCIA GEOMÉTRICA

O símbolo de tolerância geométrica é representado por uma caixa retangular dividida em


compartimentos. Cada compartimento pode conter um texto e podemos associar à caixa
um ou mais elementos, através de uma ou várias "leaders".

CLASSIFICAÇÃO

Estes elementos são classificados por famílias (tolerância, condição de material, outros
símbolos) e subfamílias (tolerância de forma, tolerância de posição e batimento, máximo e
mínimo material, tolerância projetada e tolerância independente).

• Símbolos de tolerância:
Tolerância de forma: forma de uma superfície qualquer, forma de um perfil qualquer,
planicidade, retiliniedade, cilindricidade e circularidade.
Tolerância de posição: angularidade, paralelismo, perpendicularidade, posição,
coaxialidade, concentricidade, e simetria.
Tolerância de batimento: batimento simples e batimento total.
• Símbolos de condição de material: máximo material, mínimo material, zona de
tolerância projetada e independente.
• Outros símbolos: diâmetro.

63
DRAFTING – TEORIA

REGRA DE CRIAÇÃO DOS SÍMBOLOS DE TOLERÂNCIA

Os simbolos de tolerância ocupam no mínimo uma caixa e no máximo dez caixas (com
limite de cinco caixas por linha). Se o símbolo de tolerância geométrica contém mais de
uma caixa, elas são posicionadas na seguinte ordem:
• A primeira caixa representa o símbolo. Este símbolo define o grupo de família da
tolerância.
• A Segunda caixa representa o valor da tolerância. Esta tolerância é representada por um
subtexto, que pode conter um símbolo de diâmetro (antes do subtexto), ou um símbolo
definindo a condição de material (depois do subtexto).
• As caixas subsequentes são de referência. Pode-se ter no máximo 3 caixas; estas são
representadas por subtextos. As caixas de referência podem também conter um (somente
um) símbolo de condição de material.
Se a caixa de símbolo da primeira e segunda linhas forem os mesmos, então as caixas
serão combinadas formando uma única caixa contendo um só símbolo. Os valores de
tolerância e referências subsequentes, serão digitadas via teclado.

CRIANDO UM TEXTO A PARTIR DE UM ATRIBUTO

Passo 1: TEXTD2: CREATE + TEXT + SIMPLE

Passo 2: duas vezes

Passo 3:

Definindo a localização do texto

Passo 4: a localização

Passo 5: a linha que deseja extrair o atributo

64
DRAFTING – TEORIA

Extraindo a informação do atributo

Passo 6: ALPHANUMERIC

Passo 7: o nome do atributo: COMPONENT 01

CRIANDO E POSICIONANDO UM SÍMBOLO DE RUGOSIDADE

Passo 1: TEXTD2: CREATE + ROUGHNESS

Passo 2:

Criando um símbolo básico

Passo 3: a localização

Passo 4: o ponto inicial

Passo 5: o ponto final

Passo 6: YES: END

Nota: Você pode fixar a leader selecionando uma dimensão ou uma linha de chamada. O
texto então passará a ter uma Associatividade com a dimensão (ao mover a dimensão, o
texto moverá igualmente).

65
DRAFTING – TEORIA

CRIANDO UM SÍMBOLO AVANÇADO

Passo 7:

Passo 8: Customize o painel DEFINE SYMBOL como abaixo:

Nota: Quando selecionar uma linha oblíqua, o texto será automaticamente posicionado na
direção da linha. Podemos inverter sua posição selecionando uma seta vermelha
temporária. Note que a posição do valor associado ao símbolo fica posicionado
corretamente para a leitura.

Passo 9: a posição

Passo 10: a nova posição

Passo 11: o ponto inicial

O painel SYMBOL permite customizar o tipo de leader. Mas decidimos não visualizar.

Passo 12: o ponto final

Passo 13: YES: END

Nota: Você pode posicionar o texto selecionando uma dimensão ou uma linha de
chamada. O texto então passará a ter uma Associatividade com a dimensão (ao mover a
dimensão, o texto moverá igualmente).

66
DRAFTING – TEORIA

SÍMBOLOS DE RUGOSIDADE

Símbolo de textura superficial. Você produz a superfície usando


qualquer método (exceto se for especificado com círculo ou barra).

Remoção de material requerida por usinagem. Você remove o material


produzindo uma superfície usinada. Este material deve ser considerado
para este propósito.

Permissão para remoção de material. A quantidade de sobre metal a ser


usinada deve ser indicada em milímetros ou polegada.

Remoção de material proibido. A superfície é produzida através de


outros tipos de processos (fundição, forjamento, vacun forming,
hydropress, fundição sob pressão, processos metalúrgicos, ou injeção)
sem remoção significativa de material.
Símbolo para textura superficial. Você pode especificar as
características da superfície por letras posicionadas sobre a linha
horizontal ou à direita do símbolo. Exceto se for especificado um círculo
ou uma barra.

ADICIONANDO UM TEXTO AO SÍMBOLO DE RUGOSIDADE

Passo 1: TEXTD2: MANAGE + VISUALTN + BLNK LIN

Selecione o símbolo de rugosidade.

Passo 2: o símbolo de rugosidade a ser modificado

Definir a localização do texto

Passo 3: MODIFY : TEXT + EDIT

Passo 4: tecle o texto a ser adicionado

67
DRAFTING – TEORIA

Passo 5: a linha baixa correspondente ao local onde se deseja adicionar o


texto

Modificando o texto do símbolo

Passo 6: pressione a tecla ENTER

Nota: Você pode apagar a linha baixa. Para isto, vá para MANAGE + VISUALTN +
SHOW TEXT

CRIANDO UM TEXTO COM INCLINAÇÃO/ESPAÇAMENTO

Passo 1: TEXTD2: CREATE + TEXT + SIMPLE

Passo 2: um novo grafismo (GR NEW_GRAPHISM)

Pré Requisito: Tenha certeza que foi criada uma nova descrição. Para criar uma nova
descrição, vá para DRWSTD: ANNOTAT + DESCRIPT + CREATE

Criando o texto

Passo 3: digite no campo H: 5.000

Passo 4: digite no campo SL: 30.000

Passo 5: digite no campo SP: 1.000

Passo 6: digite na janela TEXT: NOT DIMENSIONED RADII

A inclinação padrão é dada em valores de graus absoluto. O espaçamento padrão


corresponde a uma taxa definida pela função DRWSTD.

68
DRAFTING – TEORIA

Nota: Você pode então modificar o texto. Para isto, vá para o item MODIFY, selecione o
texto e modifique o espaçamento e/ou a inclinação.

INCLINAÇÃO / ESPAÇAMENTO

A INCLINAÇÃO e o ESPAÇAMENTO podem ser definidos pelo usuário durante sua


criação (versão FR5 em diante). Quando for aplicar novos valores ao espaçamento,
inclinação, altura e largura, tenha certeza de que eles não estejam em conflito com aqueles
que foram definidos pela função DRWSTD.

CHAMANDO PARÂMETROS PRÉ DEFINIDOS

Criando o ambiente de gerenciamento dos parâmetros

Passo 1: FILE: CREATE

Passo 2: atribuir os valores de parâmetros para gerenciamento

Passo 3: WRITE

Passo 4: salvar o modelo como STARTUP_MODEL

Chamando o ambiente dos parâmetros

Passo 5: FILE: READ

Passo 6: criar as dimensões

Passo 7: DIMENS2: MANAGE + STARTUP

Passo 8: o modelo de STARTUP

Passo 9: DIMENS2: CREATE

O painel MANAGEMENT mostra os parâmetros customizados

Passo 10: adicionar dimensões

Estas dimensões estão de acordo com os parâmetros customizados do MANAGEMENT.

69
DRAFTING – TEORIA

MODELO DE INICIALIZAÇÃO

O modelo "START-UP" é criado interativamente pelo usuário, onde são definidos todos
os parâmetros e valores de inicialização em um arquivo CATIA (tipo xxx.model).

Se desejar trabalhar em um modelo CATIA, tendo um ambiente DRAW customizado,


você deve antes de começar a trabalhar, chamar este ambiente que já está pronto. Este
procedimento sempre poupará tempo quanto à definição dos parâmetros.

70
DRAFTING – TEORIA

CAPÍTULO 5
AUXVIEW2

71
DRAFTING – TEORIA

Descrição da Interface
Antes de começar, devemos estar familiarizados com os itens da função AUXVIEW
abaixo:

Estes itens são usados para mostrar diferentes tipos de aplicações:

USE......................Mostra a barra de ferramentas AUXVIEW2, para criar, modificar e


deletar vistas.

DEFAULT...........Mostra o painel de padrões AUXVIEW2.

ANALYZE...........Analisa os links DRAW/3D.

UPD ALL.............Permite atualizar todas as vista do modelo ativo.

QUICKDRW.......Realiza a criação rápida das vistas.

72
DRAFTING – TEORIA

Barra de Ferramentas do AUXVIEW2


Quando você carrega a função AUXVIEW2, no item USE, o painel Objects é mostrado
exatamente como este, desde que a opção advanced esteja ativada. Você pode escolher
basic/advanced no painel do item DEFAULT.

Estes ícones são usados para realizar diferentes tipos de operações:

VIEW......................Gerencia as entidades vistas.

PLANE....................Gerencia o plano de projeção da vista corrente.

TEXT.......................Gerencia os textos associados as vistas

FRAME...................Gerencia o frame da vista.

BACK-PLN.............Define um plano de divisão da vista (back-clipping.)

CLIP........................Gerencia uma vista de detalhe (clipping).

BREAKOUT...........Gerencia um simples ou um complexo corte parcial


(breakout).

SECTION................Gerencia o grafismo dos elementos de uma vista de


corte.

DIMENSION...........Gerencia as dimensões criadas dentro da função

73
DRAFTING – TEORIA

Ícone VIEW

Update.............................Atualiza uma ou várias vistas e/ou drafts.


New..................................Cria uma nova vista.
Del....................................Deleta uma ou várias vistas.
Move.................................Move a vista corrente.
Dress................................Modifica o grafismo dos elementos da vista corrente.
Filter.................................Filtra a visualização na vista corrente a partir dos
elementos 3D.
Lock..................................Proteje os elementos da vista corrente.
Drop..................................Isola a vista corrente.
Parm.................................Modifica alguns parâmetros da vista corrente.
Scale.................................Modifica a escala da vista.
Rotate...............................Modifica a orientação da vista.

Ícone PLANE

Update.............................Atualiza a vista corrente.


Invert...............................Invert a direção de projeção da vista.
Modify..............................Modifica o plano de projeção da vista.
Add/Del_Callout.............Adiciona ou deleta a linha de chamada da vista.
Move_Callout..................Modifica a linha de chamada da vista.
Gaps................................Aplica interrupções dentro da linha de chamada da
vista.
Graph...............................Modifica a representação da linha de chamada da
vista.

74
DRAFTING – TEORIA

Ícone TEXT

Update.............................Atualiza a vista corrente.


Del....................................Deleta textos associados à vista.
Modify..............................Modifica textos associados à vista corrente (nome,
escala e rotação).

Ícone FRAME

Update.............................Atualiza a vista corrente.


No Show..........................Modifica a visibilidade do frame.
Modify..............................Modifica o tamanho do frame.
Scale Frame.....................Modifica a escala da vista.

Ícone BACK-PLN

Update.............................Atualiza a vista corrente.


Add..................................Adiciona ou deleta o plano que divide a vista.
Modify..............................Modifica o plano que divide a vista.

75
DRAFTING – TEORIA

Ícone CLIP

Update.............................Atualiza a vista corrente.


Add/Del............................Adiciona ou deleta um detalhe.
Add/Del_Callout..............Adiciona ou deleta a representação gráfica do detalhe.
Graph...............................Modifica a representação gráfica do detalhe.

Ícone BREAKOUT

Update.............................Atualiza a vista corrente.


Add..................................Adiciona um corte parcial.
Del...................................Deleta um corte parcial.

Ícone SECTION

Update.............................Atualiza a vista corrente.


Add/Del............................Adiciona ou deleta o corte parcial.
Modify..............................Modifica o perfil do corte parcial.
Add/Del_Callout.............Adiciona ou deleta a linha de chamada do corte.
Gaps................................Aplica interrupções dentro da linha de chamada do
corte.
Graph...............................Modifica a representação da linha de chamada do
corte.

76
DRAFTING – TEORIA

Ícone DIMENSION

Update.............................Atualiza a vista corrente.


Move................................Modifica a localização da vista. Transfere dimensões
de uma vista para outra.
Analysis...........................Analisa as dimensões criadas.

77
DRAFTING – TEORIA

Painel do item DEFAULT

Este painel é usado para definir vários parâmetros de padronização da função


AUXVIEW2.

78
DRAFTING – TEORIA

Atributos e Tipos de linha de chamada

Estes parâmetros são usados para definir os tipos e atributos das linhas de chamada, de
uma vista de projeção, corte ou detalhe.
Parâmetros Gerais

Convention.......................Padrões ISO/ANSI para criação das vistas.


Update Mode...................manual: São criadas vistas com transparência, a extração não é
realizada e USE+VIEW+UPDATE não podem ser aplicados a
estas vistas.
autom.: As vistas são atualizadas, a extração é realizada e
USE+VIEW+UPDATE podem ser aplicados a estas vistas.
Generate DRAW.............Os elementos draw criados podem ser protegidos contra
modificações (as funções LIMIT1, ERASE, TRANSFORM,
etc... não tem efeito).
Old elements.....................Ao atualizar a vistas os elementos podem ser apagados ou
colocados em layers
Pattern..............................Define o padrão de hachura numa vista de corte ou secção.

79
DRAFTING – TEORIA

Grafismo para elementos específicos

Define os atributos gráficos (cor, tipo de linha, espessura) usados para criar alguns
elementos específicos.

Cut prof.

Geometria que representa a região específica de um corte ou uma secção.

80
DRAFTING – TEORIA

Clipping

Especifica o grafismo do contorno de uma vista de detalhe.

Back Clipping

Especifica o grafismo da linha que representa a divisão do plano.

81
DRAFTING – TEORIA

Simple Breakout

Especifica o grafismo dos elementos que definem as fronteiras de um corte parcial


simples.

Unspecified Breakout

Especifica o grafismo dos elementos que definem as fronteiras de um corte parcial


complexo, geralmente definido pôr um sólido.
Significado dos valores default

ELEMENTO MODO COR ESPESSURA TIPO DE LINHA


SAME Igual ao sólido 1 4
Cutting Profile
STANDARD Padrão DRAW 1 4
SAME Igual ao sólido Igual ao sólido Igual ao sólido
Clipping
STANDARD Padrão DRAW Padrão DRAW Padrão DRAW

Back SAME Igual ao sólido Igual ao sólido Igual ao sólido


Clipping STANDARD Padrão DRAW Padrão DRAW Padrão DRAW

Simple SAME Igual ao sólido Igual ao sólido Igual ao sólido


Breakout STANDARD Padrão DRAW Padrão DRAW Padrão DRAW

Unspecified SAME Igual ao sólido Igual ao sólido Igual ao sólido


Breakout STANDARD Padrão DRAW Padrão DRAW Padrão DRAW

82
DRAFTING – TEORIA

Interface avançada

Define o nível de interface com o usuário.

Basic..................................A interface não disponibiliza todos os recursos da barra de


ferramentas.
Advanced..........................Todos os recursos são disponibilizados.
Nota: Neste manual, todas as interfaces são mostradas no modo Advanced

Parâmetros HLR

Hidden lines......................Define como o solido deve ser visualizado:


same: as linhas escondidas são processadas como NHL.
choose: as linhas escondidas são processadas conforme as
definições dos itens a abaixo, Intensity e Texture.
Projection mode................Definem como os círculos e cilindros serão visualizados.

Representação de raios

None..................................A representação dos raios não são processadas durante a


extração das vistas.
Conventional.....................Os raios são representados pelas sua arestas originais. O
usuário pode definir a espessura e o valor mínimo do raio.
Boundary...........................Os raios são representados pelas arestas de tangência. O
usuário também pode modificar a espessura e o valor mínimo.

83
DRAFTING – TEORIA

Representação dos eixos

Define a construção dos eixos (linhas de centro).


Yes....................................As linhas de centro são representadas.
No......................................As linhas de centro não são representadas.

Atributos gráficos do DRAW

Define quais atributos gráficos serão usados no momento da extração.


Same..................................Serão usados todos os atributos gráficos do sólido.
Standard............................Serão usados todos os atributos gráficos da função
STANDARD.

Atributos gráficos do DRAW

Define em quais layers os elementos serão construídos. Existem três opções:


Current layer.....................Todos os elementos são criados no layer corrente.
3D layer.............................Os elementos criados obedecem os layers dos elementos 3D
que os originaram.
Separate layer....................O usuário pode separar os elementos em 5 layers, de acordo
com 5 tipos de elemento DRAW (dimensão, texto, geometria,
setas, etc...).

84
DRAFTING – TEORIA

Parâmetros dos nomes das vistas

Sub-text Display................Define quais tipos de textos serão criados com as vistas.


Sub-text prefix...................Define o prefixo do nome para cada tipo de vista.
View name separator.........Define um caracter separador para o nome da vista (ex: A/A).

Parâmetros das dimensões

Define quais tipos de elementos do SPACE podem ser utilizados na geração automática
das dimensões.
From Param3D..................Define quais tipos de textos serão criados com as vistas.
From FD&T.......................Define o prefixo do nome para cada tipo de vista.
Define quais tipos de dimensões podem ser definidas.
Only true dim.....................Dimensões em verdadeiras.
All dim................................Todas as dimensões.
Wireframe from 3D............Dimensões sobre o wireframe.

85
DRAFTING – TEORIA

CAPÍTULO 6
MARK UP

86
DRAFTING – TEORIA

MARK UP
INTRODUÇÃO

A função MARK UP no modo draw, é usada para realizar as seguintes operações:


• Criar linhas de centro e demais representações de eixos.
• Representação de uma rosca com ¾ de círculo.
• Vários tipos de setas para aplicar em linhas de corte.

MENU DA FUNÇÃO

Esta função inclui os seguintes itens e sub-itens:

Comentário:
• O menu 2 é ativado quando seleciona o item AXIS do menu 1
• O menu 3 é ativado quando seleciona o item ARROW do menu 1

DESCRIÇÃO DOS ITENS

AXIS

Cria uma marcação de eixos.


O menu 2 é mostrado.

AXIS + LINEAR

Cria duas marcações de eixos lineares e ortogonais.

87
DRAFTING – TEORIA

Os eixos são criados com espessura de 0.1 a linha do tipo DOT-DASHED.


O comprimento da linha de centro parte de seu ponto de intercessão, e deve ser dado um
valor de extrapolação. Este valor pode ser alterado a qualquer momento, durante o diálogo
da função.

1 Se necessário, digite um novo valor de extrapolação .

2 Selecione um elemento do tipo PTD, CIRD, ELLD, HYPD ou PARD


A linha de centro será paralela a um dos eixos do sistema de eixos que estiver associado
ao elemento do tipo PTD ou CIRD.
/ou/
2 Selecione dois lados de um polígono regular
/ou/
2 Selecione um elemento do tipo linha como referência

3 Selecione um elemento do tipo PTD ouCIRD


A primeira linha de centro é paralela a linha de referência, e a segunda linha de centro é
normal a primeira

4 Pressione a tecla YES para finalizar a operação

/ou/

2 Selecione uma linha draw, que foi criada a partir de uma extração, e representa a
projeção ortogonal de uma esfera, cilindro ou cone.
Cuidado: Isto é possível quando o produto de extração está instalado.

3 Pressione YES para finalizar a operação.

/ou/

2 Selecione um elemento do tipo LND como referência

3 Selecione uma linha draw, que foi criada a partir de uma extração, e representa a
projeção ortogonal de uma esfera, cilindro ou cone.

4 Pressione YES para finalizar a operação.

AXIS + THREAD

Cria ¾ de uma circunferência com espessura de linha 0.1(thickness 1), concêntrica com
outra circunferência

88
DRAFTING – TEORIA

Uma distância deve ser definida entre a duas circunferências com valores positivos ou
negativos

1 Se necessário, digite um novo valor de offset


2 Selecione um elemento do tipo CIRD
O 2° quadrante do sistema de eixos, representa ¼ da circunferência que não foi criada.
/ou/
2 Selecione sucessivamente dois lados de um polígono regular, definindo uma
circunferência
/ou/
2 Selecione um elemento do tipo LND, como referência
3 Selecione um elemento do tipo CIRD
O 2° quadrante do sistema de eixos, representa ¼ da circunferência que não foi criada,
tem a linha como o eixo H.
4 Pressione YES para finalizar a operação.
/ou/
2 Selecione um elemento do tipo LND, como referência

3 Selecione sucessivamente dois lados de um polígono regular, definindo uma


circunferência

4 Pressione YES para finalizar a operação.

AXIS + CURVAT

Cria linhas de centro lineares com curvelíneas


As linhas de centro são criadas com espessura de 1 e DOT-DASHED
O ponto de referência é definido selecionando um ponto ou uma circunferência (centro).
A primeira linha de centro é radial, partindo do ponto de referência. A Segunda linha de
centro é um arco partindo do ponto de referência. Os comprimentos das linhas de centro
são definidos por um valor de extrapolação, que pode ser modificado em qualquer
momento do diálogo.

1 Se necessário digite um novo valor de extrapolação.

2 Selecione um elemento do tipo PTD ou CIRD, para definir um ponto de referência

3 Selecione um elemento do tipo PTD ou CIRD, para definir onde o eixo curvelíneo irá
passar

4 Pressione YES para finalizar a operação.

89
DRAFTING – TEORIA

MARKUP + ARROW

Cria setas para indicação de vistas ou cortes


O menu 3 é mostrado.
É mostrado uma janela de diálogo de nome “ARROW PARAMETERS”

Esta janela oferece parâmetros MODAIS e GERAIS.

• Parâmetros MODAIS:
Arrowheads: Define o tipo de seta
SCALE: Define o tamanho da seta. O valor de escala deve estar entre
0.001 e 9999, caso contrário, aparecerá a mensagem
“INVALID SCALE”. Se os dois pontos de construção forem
muito próximos, ou seja, incompatíveis com o tamanho da
seta, aparecerá a mensagem “ARROW TOO SMALL”.
FREE/LINK: (SIZE/VIEW SCALE)
Define se o tamanho da seta está ou não linkado à escala da
vista.
ANCHOR POINT: Define se o ponto de referência será a cabeça da seta ou a sua
traseira.
• Parâmetros GERAIS:
HEAD LENGTH: Define o comprimento de todas as setas
HEAD ANGLE Define o ângulo de todas as setas

Notas:
• O tipo de linha da seta pode ser modificado pela função GRAPHIC.
• O tamanho da seta e de sua cabeça podem ser afetados pelo efeito ZOOM, mas não
serão afetados pela escala da vista de tiverem sido construído com a opção “SIZE
FREE”.
• Transformações aplicadas às setas só afetam sua inclinação a sua posição (ANCHOR
POINT).
• HEAD ANGLE e HEAD LENGTH, por serem parâmetros gerais, afetam todos as setas
do draw, mesmo aquelas definidas pelas funções DIMENS2, TEXTD2 e
AUXVIEW2.

90
DRAFTING – TEORIA

DESCRIÇÃO DOS ITENS

CRIANDO UMA SETA

Passo 1: Definindo uma extremidade da seta

1 Selecione uma seta


Neste caso vá direto para o passo 3
/ou/
1 Selecione um elemento
Este elemento pode ser tanto um ponto como um elemento qualquer do draw.

Point A seta será posicionada neste ponto.


• Se você escolheu o modo FREE/HEAD, o ponto corresponderá à
ponta da seta.
• Se você escolheu o modo FREE/TAIL, o ponto corresponderá à
traseira da seta.
Other A seta será posicionada na região selecionada do elemento.

Passo 2: Definindo a outra extremidade da seta

2 Selecione um elemento
Este elemento pode ser tanto um ponto como um elemento qualquer do draw.
Point O ponto selecionado será a extremidade
Other O ponto na região do elemento será a extremidade
/ou/
2 Digite o comprimento da seta
/ou/
2 Pressione a tecla YES : STD key
A seta é criada. É atribuída a seta o comprimento padrão. No modo UNSPEC, a seta é
construída na direção horizontal, por default.

3 Selecione outro elemento


Neste caso vá para a etapa número 1.

4 Se necessário pressione a tecla YES: MODIFY key

91
DRAFTING – TEORIA

MODIFICANDO UMA SETA

Modificando uma seta significa o seguinte:


• Definindo a direção
• Interagindo com o painel de opções

Passo 3: Definindo a modificação da seta

A janela de diálogo “ARROW PARAMETERS” é mostrada com teclas de comando, para


parâmetros modais e gerais.

FLIP: Rotaciona a seta 180° em torno do ponto de âncora.


INVERT: Inverte o ponto de âncora de uma extremidade para a
outra.
POSITION: Desloca o ponto oposto ao do ponto de âncora.

MODAL PARAMETERS: Modifica a seta corrente.


• Tipo de seta (cabeça).
• Escala.
• Modo FREE/LINK.
• Modo HEAD/TAIL.
GENERAL PARAMETERS: Modifica todas as setas.
• Comprimento da cabeça.
• Ângulo da cabeça.

5 Modifica o parâmetro na janela de diálogo


Se o comando POSITION, for selecionado vá para o Passo 4
/ou/
5 Digite um ângulo
Este ângulo realiza uma rotação da seta em torno de seu ponto de âncora.
/ou/
5 Selecione um elemento do tipo LND
A direção da seta é normal à linha selecionada.
/ou/
5 Selecione uma seta
A seta fica com a mesma direção da seta selecionada.
/ou/
5 Pressione a tecla YES para finalizar: YES: END
Neste caso retorna para o Passo 1.

92
DRAFTING – TEORIA

Passo 4: Definindo a posição da seta

6 Selecione um elemento

7 Se necessário, selecione qualquer elemento que desejar


Este elemento pode ser tanto um ponto como qualquer outro elemento.

Ponto O ponto selecionado será a extremidade da seta


Outros A região do elemento selecionado será a extremidade da seta

/ou/

6 Selecione um parâmetro no painel


Neste caso, vá para o Passo 3.
/ou/
6 Pressione a tecla YES: END POSITION.
Neste caso, vá para o Passo 3.

A seta é modificada.

ARROW + UNSPEC

Cria uma seta em uma direção qualquer, de acordo com os elementos selecionados

Criando a seta (ver página 82).

ARROW + HORIZONT (ou VERTICAL)

Cria uma seta em uma direção horizontal ou vertical

Criando a seta (ver página 82).

93
DRAFTING – TEORIA

CAPÍTULO 7
PATTERN

94
DRAFTING – TEORIA

PATTERN
INTRODUÇÃO

As considerações e definições abaixo serão de ajuda sobre a função PATTERN.

Recursos disponíveis dentro da função PATTERN.

A função PATTERN pode ser usada para:


• Reconhecer automaticamente uma área fechada, para definir uma hachura na vista do
draw.
• Selecionar uma hachura, um contorno a ser hachurado, e se necessário criar novos
contornos.
• Trocar todas as hachuras referenciadas no modelo por uma outra hachura.
• Visualizar as hachuras.
• Analisar as hachuras.
• Atualizar as hachuras

DIFERENTES TIPOS DE HACHURA

Existem 4 tipos de hachuras


• Traçado
• Pontilhado
• Colorido
• Células

TRAÇADO

É um conjunto de linhas paralelas a uma certa direção e eqüidistantes. Tendo três


parâmetros:
• Offset
Define a distância da linha e o canto inferior esquerdo do draw.
• Slope angle
Define o ângulo entre a linha da hachura e a horizontal da vista.
• Pitch
Define a distância entre duas linhas.

95
DRAFTING – TEORIA

PONTILHADO

É um conjunto de pontos eqüidistantes arranjados como:


• Um grid de pontos padrão.
• Um grid de pontos alternado (zig-zag).

96
DRAFTING – TEORIA

COLORIDO

Esta hachura pode ser definida:


• Selecionando um elemento com a cor desejada.
• Selecionando uma cor na tabela de cores.

CÉLULA

Esta hachura deve ser construída em três etapas:


• Selecionando uma folha de detalhe draw composta por pontos, linha, curvas, gride de
pontos ou linhas;
• Definindo o tamanho e o ângulo da célula;
• Definindo os parâmetros de repetição e passo da célula na hachura.

97
DRAFTING – TEORIA

MENU DA FUNÇÃO

Esta função inclui os seguintes itens e sub-ítens :

Comentário:
• O menu 2 é ativado quando seleciona os itens AUTO, REPLACE e SELECT do menu
1
• O menu 3 é ativado quando seleciona qualquer item do menu 2
• O menu 4 é ativado quando seleciona o item VISUALTN do menu 1
• O menu 5 é ativado quando seleciona o item MODAL do menu 4
• O menu 6 é ativado quando seleciona qualquer item do menu 5

O item VIEW, menu 6, processa todos os elementos de todas as vistas de mesmo plano de
rebatimento.

98
DRAFTING – TEORIA

CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS

Seguem abaixo algumas considerações importantes sobre hachuras.

• Use hachura como entidades de marcação dos elementos CATIA, e mais precisamente,
formas CATIA.
• Para deletar/apagar uma hachura ou uma forma, troque a hachura por uma opção none,
dentro do item PATTERN + REPLACE.
Neste caso, o contorno da hachura trocada é visualizada e os contornos das outras
hachuras não são visualizadas.
• Hachuras do tipo CÉLULA, não são visualizadas quando aplicadas, sendo apenas
visualizada na plotagem.
• Para colocar uma hachura em NO SHOW, deve-se usar exclusivamente a função
PATTERN.
• Hachuras de TRAÇADO, construídas com linhas do tipo acima de 6, só são
visualizadas na plotagem.

Realiza procura automática sobre os elementos da vista definindo a área de hachura


desejada.

Importante

A procura automática é realizada usando:


• Os elementos da vista corrente e do SET corrente, incluindo os dittos.
• Elementos do SPACE (linhas, cônicas e curvas) que estão em transparência.
• Elementos que podem ser selecionados (SHOW e PICK ).

Nota:
• A procura automática é realizada em qualquer elemento que esteja em highlighted.
• Áreas de blanking podem ser calculadas automaticamente, em relação a textos e
dimensões. Por default, estes elementos são ignorados quando fazem parte de dittos e
symbols, entretanto, pode-se incluí-los no processo de blanking, selecionando um de
cada vez.
• Gaps maiores que a o valor da projeção de interseção (função STANDARD), não
permitem definir uma área fechada.

99
Treinamento CATIA
Drafting
EXERCÍCIOS

NOVEMBRO 2002
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Índice

Exercício 1 – Cortes em peças 3D...................................................................... 004


Exercício 2 – Alavanca 1.................................................................................... 006
Exercício 3 – Alavanca 2.................................................................................... 020
Exercício 4 – Suporte Criação............................................................................ 039
Exercício 5 – Suporte Modificação..................................................................... 063
Exercício 6 – Gear (Customização)..................................................................... 074
Exercício 7 – Biela.............................................................................................. 085
Exercício 8 – Motor............................................................................................ 120
Exercício 9 - Front end....................................................................................... 135

1
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Prefácio

Objetivos do curso

No final deste curso, os participantes serão capazes de manipular as funcionalidades


do drafting 2D no ambiente industrial.

Consequentemente, serão capazes de :


Criar geometrias no draw.
Ajustar a visualização de uma geometria.
Dimensionar e realizar anotações nos desenhos.
Usar detalhamento na peça sólida
Usar a integração Draw/Space e Space/Draw

Pré-requisitos
Para melhor aproveitamento deste curso, os participantes devem estar familiares
com o módulo Básico do CATIA

2
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Métodos de Detalhamento - Conceito de Vistas

No CATIA existem diversas maneiras para se fazer o detalhamento a partir de uma peça
tridimensional.

O primeiro deles, que será mostrado neste capítulo, utiliza-se do conceito de transparência. Este método
normalmente aplicado em elementos sólidos e de casca (superfícies, faces e skins), tem este nome porque a
geometria apresentada no draw é a mesma do 3D (cuidado: se você apagar qualquer elemento selecionado-o
na janela draw, você estará na verdade apagando o elemento 3D). A função que aplica este método é
AUXVIEW.

O segundo método, que será visto posteriormente neste curso, é chamado de extração, porque consiste na
criação de elementos draw, a partir dos elementos 3D com associatividade. A função utilizada será
AUXVIEW2. Existem muitas empresas que ainda utilizam o método de transparência, sendo necessário
abrangê-lo neste treinamento.

Uma das aplicações deste método é quando se deseja realizar cortes em peças modeladas no
conceito de superfícies, com o intuito de obter mais detalhes de uma seção.

Na próxima página você encontrará o procedimento de como realizar estes cortes.

- AUXVIEW

- LAYER

- CURVE1 + INTERSEC

- TEXT

3
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Exercício 1 - Cortes em Peças 3D

Objetivo: A partir de geometrias 3D (SOL, SUR, FAC, etc) pode-se fazer cortes
visando obter informações mais detalhadas sobre as seções das peças. Estes cortes podem ser
obtidos através do seguinte procedimento:

1º - Chamar o modelo em questão:

a. Função FILE + READ ou File + Open

b. Selecione o modelo PORTA_CORTES_3D.model

c. Salve o modelo no diretório TREINO_MODELS (pode ser com o mesmo nome)

2º - Fazer o reconhecimento do modelo.

a. Manipule o modelo 3D, através do mouse, para encontrar a posição da peça em


relação ao sistema de eixos (xyz).

b. Identificar o tipo de geometria que compõe o modelo 3D, e qual geometria será
utilizada para o detalhamento da peça. Botão ID da barra de menu.

c. Mudar o grafismo dos elementos 3D se necessário


Função: STANDARD + SPAC ELEM + SPEC ELEM (ajustar o standard)
Função: GRAPHIC + ..... (aplicar o standard nos elementos já criados)

3º - Definir os seguintes planos de corte:

a. Digitar a equação do plano correspondentes à coordenada do corte:


Função: PLANE + EQUATION

b. Digitar Z = 200

c. Se desejar, inclua um texto identificador para cada plano.


Função: TEXT + CREATE
No painel da função, setar as opções conforme a figura a seguir.

d. Repetir este procedimento para os planos


Z = 300 ; Z = 400
X = 800 ; X = 900 ; X = 1000

4
DRAFTING – EXERCÍCIOS

4º - Definir o Layer corrente no qual farão parte as geometrias do corte:


a. Selecionar no menu permanente o botão: L=000
b. Digitar 50
c. Repetir este procedimento para os demais cortes: 60 , 70 , 80 , 90 , 100

5º - Calcular as geometrias da seção:


a. CURVE1 + INTERSEC
b. Realizar a Multi-seleção das faces: *fac
c. Selecionar os planos de corte: *sel
d. YES: END

6º - Para melhor visualizar a geometria, pode-se selecionar o modo de trabalho 2D:


a. 3D no menu permanente;
b. Selecionar um ou mais elementos do corte.

7º - Criar um filtro para visualizar o corte individualmente:


a. Função LAYER + FILTER + CREATE
b. Dar o nome Z=200 para o filtro.
c. Repetir este procedimento para os outros cortes.

8º - Dividir a tela nos dois modos:


a. IMAGE + SCREEN + DEFINE ou View + Horizontal split DR & SP

9º – Criar uma vista correspondente ao corte no ambiente DRAW:


a. AUXVIEW + CREATE + NEW BGD
b. Dar o nome CORTE Z200
c. Repetir este procedimento para os demais cortes.

10º - Aplicar o filtro correspondente à seção desejada:


a. LAYER + FILTER + APPLY + VIEW

11º - Repetir os itens de 3 a 10 para os demais planos de corte:

5
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Exercício 2 – Alavanca 1
Neste exercício você aprenderá como extrair automaticamente um desenho de uma peça sólida criando :

Duas vistas principais,


Uma vista de corte,
Uma secção de corte,
Um breakout na vista esquerda.

Modelo Inicial
GDR LEVER1 BMP1

- AUXVIEW2
*criação de vistas (todas)

- BREAKOUT

Modelo Final
GDR LEVER1 END

6
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando duas vistas principais

Nesta parte do exercício você irá:


Criar a vista esquerda,
Criar uma vista superior
A opção Principal view permite a você criar as vistas superior, inferior, esquerda e direita
usando a vista corrente como referência. A vista corrente é identificada graças ao círculo
vermelho mostrado envolta da origem.

Criar uma vista esquerda (1)


Primeiro você deve selecionar as opções relevantes na janela mostrada.

Linhas temporárias vermelhas são mostradas na vista da face. Eles permitem que você localiza diferentes
áreas da vista que você deseja criar.

7
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar a vista esquerda (2)


Agora você deve indicar um ponto do lado direito da face da vista para criar a vista
esquerda. Nós estamos usando o padrão Europeu (primeiro Diedro).

A vista é automaticamente extraída.


O processo de extração de linhas escondidas ajustado no default é aplicado. Você pode ler
"View created and updated" na zona de mensagens.

Criar a vista superior


Como a opção Principal view ainda está ativa você pode criar vistas adicionais principais
de uma vez. Indique um ponto embaixo da vista da face para criar a vista superior.

A vista superior é mostrada na tela. Você pode ler "view created and update" na zona de
mensagens.

8
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar a vista secção A-A

Existem duas formas de criar uma vista de corte ou uma secção de corte
Se você quer criar uma secção associada, comece com a seleção. Isto é o que faremos agora.
Se você quer criar uma secção não associada, comece com uma indicação. Isto é o que nós iremos fazer na
próxima parte.
Criar uma vista de corte A-A (1)

Você irá criar uma vista de corte com a vista esquerda como origem. O plano de corte
passará através dos furos superior, médio e inferior. Primeiro selecione a vista esquerda
para torná-la corrente.

A mensagem "associative cutting profile" significa que foi criado uma ligação com a
primitiva sólida correspondente ao furo. Lembre-se que em AUXVIEW2 a vista corrente
é identificada por um círculo vermelho no ponto de origem.

9
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar uma vista de corte A-A (2)


Agora modifique a orientação da secção de corte corrente (ENTER) e defina o perfil da
vista.

A mensagem "associative cutting profile" é mostrada.

Criando uma vista de corte A/A (3)


Selecione o último elemento da secção de corte na janela 3D.

Lembre-se que com a opção Offset a secção é baseada numa série de planos de corte
paralelos de outra forma se você escolher aligned a secção é feita pela união de segmentos
de linha. Note que as setas mostradas devem apontar para a direita, se não selecione-as
para invertê-la.

10
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar a secção de corte A-A (4)


Agora você especificará que o perfil é definido e indicado um ponto para localizar a vista
na esquerda da vista principal.

A vista é criada com texto e hachura associados. Você pode ler "view created and
updated" na zona de mensagens. A criação de um texto na vista é uma opção da janela
default. Você pode escolher associar um texto a vista para cada tipo de vista. É então
automaticamente criado. Neste caso você também terá que escolher a palavra do texto.

Modificando as setas de corte (1)


Você irá agora mudar o comprimento das setas da secção. Para fazer isso você deve
primeiro selecionar o peril da secção da vista.

O perfil é iluminado. Na janela Objects o ícone "Manage a view graphical and mathema..."
é ativado e então é acionado Modify na janela actions. Se você não quer ter estas opções,
podemos desativa-las na opção advanced user interface em AUXVIEW2 + DEFAULT

11
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificar as setas de corte (2)


Indique aonde você quer posicionar as setas. Então modifique seu comprimento na janela
Callout

A posição e o comprimento das setas são modificados.

Modificando a posição do texto


Selecione o texto associado com a seção A-A e coloque-o acima da vista.

O texto move para o ponto indicado.

12
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando a seção de corte B-B

Nesta parte do exercício você irá :


Criar elementos definindo o plano da seção de corte,
Criar uma seção de corte

Criar elementos que definem o plano de seção de corte (1)


Para esta operação você irá usar a opção Parm. Esta opção permite manipular os
parâmetros da vista corrente. Tenha certeza que a vista da face é a vista corrente.

O parâmetro foi modificado mas elas não são mostradas ainda.

13
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar elementos que definem o plano de seção de corte (2)


Para mostrar as modificações requeridas você deve atualizar a vista.

A face da vista é modificada . Você pode ler “vista atualizada”na zona de mensagens.

Criando a seção de corte B-B (1)


Selecione o ícone e o botão necessário para criar uma seção de corte. Tenha certeza de
que a vista da face é ainda a corrente.

As opções estão definidas.

14
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando a seção de corte B-B (2)


Você irá definir os planos de corte. Note que a direção dos planos é horizontal ou vertical
se as indicações definem um ângulo menor que 7 graus na direção considerada. No início do
diálogo , a tecla YES REFERENCE permite mudar a direção de referência pela seleção de
uma linha.

Para selecionar o último ponto do plano de corte d6e um zoom na elipse.

Criando a seção de corte B-B (3)


Selecione a parte superior da elipse para finalizar o perfil. Então indique um ponto
qualquer abaixo do corte para incluir toda a elipse. Quando você tiver finalizado a
definição do perfil, se este não é o caso , clique em alguma delas para invertê-la.

A vista é mostrada . Você pode ler “view created and updated”na zona de mensagens.
Mova o texto associado e coloque-o abaixo da figura.

15
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando a secção de corte B-B (4)

Como a última modificação mude o comprimento das setas callout para 10 como você tem feito
previamente. Selecione a linha de corte.

10- Na janela Objects:

11-Na janela Actions:

12- Na janela Callout:

O comprimento das setas é modificado.


Atualize o segundo corte.

Criando um breakout na vista esquerda

A última operação do exercício é a criação de um breakout na vista esquerda.

16
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando um Breakout (1)


Para criar um breakout na vista esquerda tenha certeza que a vista é a ativa. Então selecione
o ícone relevante e acione-o . Ele não será mostrado se você não tiver em modo de usuário
avançado .Se você não estiver nesse modo, vá para AUXVIEW2 + DEFAULT e acione o
botão Advanced user interface na janela defaults.

As opções são definidas.

Criando um Breakout (2)


Definir o perfil do breakout indicando os pontos dados abaixo. Siga a ordem de fechamento
senão você não irá obter a figura certa. Selecione a vista.

Um prisma temporário criado do perfil é mostrado na face da vista atravessando a espessura da peça.

17
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando um Breakout (3)


Você deve agora indicar dois pontos para definir o início e o fim do prisma que será subtraído do sólido para
criar a vista de breakout

A vista é extraída novamente .O breakout é mostrado .Ponha o eixo do desenho en Noshow


(botão NS + digite * AXSD + botão EXIT)

18
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Conclusão

Neste exercício , você aprendeu a:


Usar criação de vistas automático. Isso é rápido e também mantém a ligação com o sólido no

Usar criação de vistas automático. Isso é rápido e também mantém a ligação com o sólido no
caso de modificações da engenharia.

As diferentes formas de gerar uma vista com seção por Breakout ;CATIA automaticamente
gera hachuras aonde é necessário

19
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Exercício 3 - Alavanca2

Neste sólido você aprenderá a usar a total integração entre um sólido


3D e um desenho. Portanto você irá:
• Extrair vistas principais,
• Criar novas vistas,
• Extrair anotações do PARM3D e do FD&T,
• Modificar a geometria SPACE,
• Ativar a representação de fillet.

20 minutos

Modelo Inicial
GDR LEVER2 BMP1

Modelo Final
GDR LEVER2 END

20
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Extraindo as vistas principais

Nesta parte do exercício você irá:


Mudar a vista de frente transparente em uma vista de draw
Criar a vista esquerda

Mudando a vista de frente transparente em uma vista de draw

A vista default no modelo é ainda uma vista padrão. E não está ligada ao
sólido. Você construirá esta união. Primeiro tenha certeza que a vista frontal
está ativada, se não selecione

1 – Na janela Actions

2 – Yes: update view current

A vista é atualizada. Lembre-se que a vista de transparência mostra a geometria 3D


através de uma janela draw, e ela está ligada ao modelo space.

21
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar a vista esquerda


Criar a vista esquerda na direita da vista atualizada, nós estamos usando
padrões europeus.

1 – Na janela Objects

2 – Na janela Actions

3 – Na janela View Type

4 – Ind local da vista

A vista é mostrada. Você pode ler “view created and update” na zona de
mensagens.

Criando a vista auxiliar

Nesta parte do exercício você irá:


Criar a vista auxiliar

22
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar a vista auxiliar (1)

Para criar a vista auxiliar a vista esquerda deve ser a corrente.

1 – Na janela Objects

2 – Na janela Actions

3 – Na janela View Type

4 – Selecione a vista esquerda para torná-la corrente


A opção é definida.

Criando a vista auxiliar (2)

Agora você deve selecionar um dos edges do slot para dar a orientação da
vista auxiliar. Então nomeia e coloque-a ao lado da vista esquerda.

A vista auxiliar é mostrada.

23
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Definindo um detalhe na vista auxiliar

Para fazer um detalhe na vista você pode usar:


O ícone Manage window frame: a janela é definida por um retângulo .Tudo
é clipado , inclusive textos e dimensões. A vista não é extraída novamente.
O ícone Perform a back clipping: aplicado a vistas de seção , esta opção
remove geometria localizada atrás do plano de projeção.
O ícone Manage a view clipping: a janela é definida por quantos pontos
forem necessários. A vista é extraída e a geometria é clipada.
Definindo um detalhe (1)
Escolha o ícone relevante e o acione na janela mostrada. Primeiro tenha
certeza que a vista auxiliar é a corrente.

As opções são definidas.

24
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Definindo um detalhe (2)


Agora indique quatro pontos como se criasse um paralelepípedo em torno do
dois furos.
3 – IND

4 – IND

5 – IND
6 – IND

A vista em detalhe é extraída. 7 – YES: END PROFILE


Você pode ler “clipping added” na zona de mensagens. Note que você pode
indicar quantos pontos forem necessárias para definir uma janela.
Criando uma vista de detalhe associativo

Esta vista de detalhe será definido com uma ligação com a primitiva do sólido,
então que, se a localização da primitiva é modificada, a nova localização será
considerada e a vista de detalhe será atualizada.
Você irá agora:
Definir uma vista,
Mudar a escala,
Modificar a posição da vista e do texto,
Mudar a localização do texto A na vista esquerda.

25
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Definindo a vista (1)


Escolha o ícone relevante e acione-o . Tenha certeza de que a vista
esquerda está ativa.

As opções são definidas.


Definindo a vista (2)
Agora indique os dois pontos envolta do ressalto para definir o perfil.

Um círculo vermelho é mostrado envolta do ressalto.

26
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Definindo a vista (3)


Selecione o ressalto na janela space XYZ para associar a vista de
detalhe a superfície . Então defina a escala e localização da vista.

A vista de detalhe é mostrada. Mova para onde desejar.

Modificando a localização da vista e do texto


Você irá agora mover a vista e o texto associado. Coloque o texto do
lado esquerdo da vista.

A vista move para a localização indicada .Se você quer mover o texto.
A associado para o perfil na vista esquerda use TEXTD2 + MODIFY +
LOCATION, selecione a letra e indique uma nova localização.

27
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Extraindo anotações PARAM3D e FD&T

Nesta parte do exercício você irá:


Ajustar os valores default,
Atualizar as folhas de desenho,
Reorganizar as dimensões para uma forma clara,
Analisar os resultados da geração de dimensões automáticas.
Ajustando os valores Default
Ative os seguintes botões.

Os valores default são ativados.

28
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Atualizar a folha de desenho


Cada dimensão parametrizada cria um desenho dimensionado quando
os elementos do draw os quais eles estão relacionados são mostrados
em tamanho real.

Dimensões e anotações aparecem automaticamente .Você pode ler


“view(s) of current model update” na zona de mensagens.
Reorganizando as dimensões (1)
Se você não tem o ícone requerido vá para AUXVIEW2+DEFAULT e
clique no botão Advanced user interface. Então selecione as seguintes
opções.

As dimensões movem para a localização indicada. Note que você pode


mudar o posicionamento da dimensão e transferi-los para outra vista.

29
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Reorganizando as dimensões (2)


Agora mova a dimensão de distância da vista esquerda para a vista de
detalhe.

A dimensão move para a vista de detalhe. Uma vez que você selecionou
a vista de detalhe você pode também indicar uma localização específica
para a dimensão.
Analisando o resultado da geração automática de dimensões (1)
Para ler sobre transferência de dimensões automáticas selecione o
seguinte ícone e opções.

A janela Auto dim analysis é mostrada.

30
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Analisando o resultado da geração automática de dimensões (2)


Leia a análise sobre a transferência automática das dimensões na janela
mostrada.

Você agora analisou os resultados.

Criando dimensões no desenho.

Nesta parte do exercício você irá:


Criar uma distância de dimensão na vista de detalhe.
Criar dois fillets de raio na vista de detalhe.
Este dimensionamento será totalmente associado ao modelo 3D.

31
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando uma dimensão de distância na vista de detalhe


Criar uma dimensão para a altura do ressalto.

A dimensão de distância é criada.


Criando dois raios na vista de detalhe
Criar dois dos quatro raios do ressalto

O raio é criado

32
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificando a geometria do sólido

Nesta parte:
Modificar a geometria do sólido,
Atualizar a folha do desenho.
Se você não tiver licença para acessar o PARAM3D ,pule a primeira operação,
vá diretamente ao “update drawing sheet” e chamar o modelo associado.

Modificando a geometria do sólido (1)


Aviso: Não se esqueça de selecionar o botão SP para acessar a função
PARAM3D .A ligação entre a geometria do draw e o modelo sólido
assegura que as vistas do desenho podem ser re-extraídas seguindo qualquer
modificação modificação aplicada na geometria 3D. Você usará três maneiras
de modificar a geometria.

Note que esta dimensão está ligada a um parâmetro no modelo sólido. A


geometria é modificada.

33
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificando a geometria do sólido (2)


A segunda maneira de modificar o sólido é selecionar a dimensão na
janela 3D.

A geometria é modificada.
Modificando a geometria do sólido (3)
A terceira maneira de modificar o sólido é digitar diretamente a
dimensão na janela PARAMETER.

Você pode ler “update done” na zona de mensagens.

34
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Atualizando a folha de desenho.


Se você não tem a função PARAM3D carregue o modelo associado
GDR LEVER2 BMP8 – de outra forma continue com o seu próprio.
Quando você selecionar AUXVIEW2 + UPD ALL, as dimensões no
desenho são iluminadas indicando que o sólido associado foi modificado e
que as vistas precisam ser iluminadas. Mude para o modo Draw.

As vistas são atualizadas incluindo as mudanças no sólido .A vista de


detalhe tem seguido a nova localização do ressalto. Você pode ler “view
of the current solid(s) updated” na zona de mensagens.

35
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Ativando a representação do fillet

Na última parte deste exercício você irá:


Ajustar os valores default,
Atualizar as vistas,
Como o fillet geralmente não tem cantos vivos , eles não podem ser vistos
claramente no desenho. Você irá ajustar a representação de fillet
convencional.
Ajustes os valores Default
Você pode continuar com seu modelo ou carregar o modeo asssociado
GDR LEVER2 BMP8

A representação de fillet convencional e os campos associados são


ativados

36
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Atualize as vistas (1)

Você pode ler “view(s) updated” na zona de mensagens.


Você completou o exercício .Salve o seu modelo.

37
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Conclusão

Neste exercício , você aprendeu:


Para extrair as dimensões criadas com FD&T e PARAM3D. Isto é muito
usual mais ainda tem que se ajustar as dimensões que aparecem da forma
desejada.
Para dar uma representação de fillet mais fácil a uma peça sem cantos
vivos.

38
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Exercício 4 – Suporte (Criação)

Objetivos

Neste exercício, você aprenderá a criar as dimensões e anotações necessárias para


completar seu desenho. Você portanto irá:
Dimensionar distâncias, diâmetros e raios, ângulos e chanfros.
Adicionar textos simples, rótulos, tolerâncias geométricas, referência, balões de
numeração e símbolos de rugosidade.

Funções Usadas

DIMENS2 - TEXTD2

Modelo Usado

GDR_SUPPORT_BMP1

Duração do Exercício

39
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Figura 9 - Vistas do suporte Dimensionada.

40
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensionando distâncias

Nota: Não existe ordem na qual se queira criar dimensões no desenho. Vistas são ativadas
automaticamente quando um elemento da vista é selecionado.
Dimensões podem ser criadas simples, encadeadas ou meia entidade. Todas três opções são
identificadas por diferentes ícones que serão ilustrados nas linhas de comando. Você deve entretanto tomar
cuidado na seleção dos ícones que eles correspondem ao tipo de dimensionamento que você deseja criar.

Criando dimensões de distâncias simples

250
DIMENS2
CREATE + DISTANCE

Nós começaremos criando a dimensão de 250 na secção AA.


1. Se necessário, selecione o ícone apropriado na janela ISO.
2. Selecione os elementos definindo a distância que você quer dimensionar.
3. Indique a localização da linha de dimensionamento.

Dicas - Reposicionando a linha de dimensão e os valores


Você pode reposicionar ambas as linhas e os valores de dimensão.
Para a linha de dimensão somente, selecionar a linha de dimensão e indicar a nova
localização .
Para os valores de dimensão somente, selecione o valor e indique sua nova
localização.

4. Repita os passos acima para todas as outras dimensões simples do desenho.

41
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Outras dimensões a serem criadas são:

Criando dimensões de distância simples acompanhadas de texto


DIMENS2
CREATE + DISTANCE
Nós começaremos com a dimensão 74MAXI na vista direita.

1. Selecione o botão MORE na mesma janela para obter a expansão da mesma

42
DRAFTING – EXERCÍCIOS

1. Selecione o botão AFT (para AFTER(depois)) no campo texto da janela ISO para
indicar o posicionamento do texto relativo para dimensionar o valor.

2. Selecione o campo text e digite : MAXI , pressione enter para confirmar.


3. Selecione os dois elementos que definem a distância que você quer dimensionar.

Dicas
Quando um círculo é selecionado, uma janela contém dois ícones idênticos são mostrados.
Aqueles ícones permitem a você definir como o círculo será dimensionado com relação ao centro
ou pelo seu ponto de tangência. Uma simples seleção permite que você troque entre estas opções.
Use o ícone 1 se um círculo foi selecionado primeiro, e o ícone 2 se o círculo foi o segundo
elemento selecionado. É melhor selecionar a linha primeiro, porque esta orienta corretamente a
dimensão. Se você preferir selecionar o círculo primeiro, você deve dizer ao sistema para criar
uma dimensão de projeção vertical

4. Indique a localização da linha de dimensão.


5. Repita os passos acima para todas outras dimensões simples acompanhadas por texto:
6MINI na SECÇÃO AA.
6MI

Metodologia
Se o gap entre o valor de dimensão e o texto for muito pequeno, você deve mudar os parâmetros de
dimensionamento.
Selecione o botão PARMS, então o botão TEXT. Mude o valor da coluna D da linha AFT na janela
ASSOCIATED TEXT POSITION para um valor maior.
Então apague e recrie a dimensão incorreta.

43
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando dimensões encadeadas


DIMENS2
CREATE + DISTANCE

Aviso!
Não se esqueça de cancelar a opção de texto adicional: pressione o botão AFT novamente.

Você começará com a dimensão encadeada 88,210,65 na secção AA.

1. Na janela ISO, selecione o ícone apropriado :


2. Selecione os elementos definindo a distância entre o primeiro comprimento no modo
chain.

Nota : Não é importante qual elemento selecionar primeiro

3. Indique a localização da linha de dimensão.


4. Selecione os elementos restantes definindo distâncias dos outros componentes no
chain.
5. Pressione YES para finalizar o processo quando a dimensão chain está completa.

44
DRAFTING – EXERCÍCIOS

6. Repita os passos anteriores para todas as outras dimensões chain do desenho:

Metodologia
Para criar a dimensão de tolerância (secção AA):
1. Selecione o botão +/- no ícone tolerancing para habilitar o dimensionamento de tolerância:

2. Digite os valores apropriados.

Nota: Para dimensões, não se esqueça de reselecionar o botão +/- para desativar a opção.

45
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando dimensões de linha base

Você começará com dimensões 60, 62.5, 300 na secção AA

DIMENS2
CREATE + DISTANCE

1. Selecione o ícone apropriado.


2. Mude o valor SPA na janela ISO para 4.0
3. Selecione o elemento o qual servirá como referência para todas as dimensões.
4. Selecione os elementos definindo a distância do primeiro componente.

Nota: Não é importante qual elemento será dimensionado primeiro.

5. Indique a localização da linha de dimensão.


6. Selecione os outros elementos definindo as outras distâncias.
7. Pressione YES quando você tiver finalizado a série de dimensões.

46
DRAFTING – EXERCÍCIOS

8. Repita os passos anteriores para todas dimensões encadeadas do desenho. As outras


dimensões a serem criadas são:

Criando dimensão 2.5 na secção AA.

DIMENS2
CREATE + DISTANCE

1. Selecione o ícone apropriado.


2. Selecione os dois elementos definindo a distância da dimensão.
3. Indique a localização das linhas de dimensões.
4. Pressione YES para criar a dimensão.

47
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensionado diâmetros e raios

Dimensionado diâmetros internos

Você irá criar dimensão Diam. 136 na vista esquerda.

DIMENS2
CREATE + DIAMETER + CIR CNT

1. Selecione o ícone apropriado.


2. Selecione o círculo que você quer dimensionar.
3. Indique a localização da linha de dimensão.
4. Selecione o texto e indique uma nova posição.

48
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensão de diâmetro com leader externo à geometria.


DIMENS2
CREATE + DIAMETER + CIR CNT

Você irá criar a dimensão diam.96 na vista direita.

1. Selecione o ícone apropriado:


2. Selecione o círculo que você quer dimensionar.
3. Indique a localização da linha de dimensão.
4. Pressione YES para adicionar o overview.

49
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensionamento de diâmetro com leaders


DIMENS2
CREATE + DIAMETER + CIR CNT

Comece dimensionando o diâmetro da vista direita.

1. Selecione os ícones apropriados :


2. Selecione o círculo que você quer dimensionar.
3. Indique a localização da linha de dimensão.
4. Pressione YES para criar a dimensão.
5. Repita os passos acima para todas as outras dimensões de diâmetro com leader no
desenho. As outras dimensões a serem criadas são:

50
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensão de raio com leader


DIMENS2
CREATE + RADIUS + CIR CNT

Você começará com o raio R5 na secção AA.

Nota : O mesmo ícone é usado.

1. Selecione os elementos que você quer dimensionar.


2. Indique a localização da dimensão.
3. Pressione YES para criar a dimensão.
4. Repita os passos acima para todas as dimensões com leader no desenho.

As outras dimensões a serem criadas são :

51
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensionando o diâmetro do cilindro nas vistas longitudinais


DIMENS2
CREATE + DIAMETER + CYLINDER
Comece com a dimensão diam. 47H7 na Secção AA.

1. Selecione o ícone de tolerância +/- para ativar a tolerância.

2. Defina os tipos de tolerância de interesse.


a. Selecione o tipo de tolerância TOL_NUM2 : a lista de tolerâncias avaliadas é
mostrado.
b. Selecione o novo tipo TOL_ALPH1 da janela LIST : Valor H7 é associado com
este tipo.

Aviso!!!
Para cotas sem tolerância, não se esqueça de selecionar novamente o botão +/- para desativar esta
opção.

3. Selecione o ícone apropriado :


4. Selecione as duas linhas que representam os lados do cilindro.
5. Indique a localização da dimensão.
6. Pressione YES para criar a dimensão.
7. Repita os passos acima para todas as outras dimensões de cilindro mostradas na
figura acima.

52
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensionando os diâmetros da vista superior

Dicas
Desde que os furos tem o mesmo diâmetro e para facilitar a leitura do desenho, somente um dos
furos é dimensionado.

DIMENS2
CREATE + DIAMETER + CIR CNT
1. Selecione o botão MORE para obter a janela completa.
2. Selecione o ícone PARAMS
3. Selecione o botão na janela PREFIX para customizar sua dimensão.
4. Selecione NONE na coluna OPTION ao lado da DIM. TYPE=DIAMETER para
cancelar o símbolo diâmetro acompanhando as dimensões de diâmetro.
5. Selecione o botão RETURN
6. Adicione o texto apropriado usando o ícone ASSOCIATED TEXT

a. Selecione BEF para colocar o texto antes da dimensão.


b. Digite no campo alfanumérico: 4XM.

7. Selecione um dos furos (rosca)


8. Indique a localização da dimensão.
9. Pressione YES para criar a dimensão.

Aviso!
Não se esqueça de cancelar a opção de texto adicional.

53
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensionando ângulos
DIMENS2
CREATE + ANGLE
Você irá dimensionar o ângulo 30º na vista direita.

1. Selecione o ícone apropriado:


2. Selecione os elementos definindo o ângulo que você quer dimensionar, na direção
anti-horária
3. Pressione YES para continuar
4. Indique a localização da dimensão
5. Pressione YES para criar a dimensão.
6. Repita os passos acima para todos os outros ângulos do desenho. As outras
dimensões a serem criadas são:

54
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensionando chanfros
DIMENS2
CREATE + CHAMFER

1. Defina como você quer dimensionar o chanfro.


Selecione o botão 2x45º no seguinte ícone:

Você pode agora entrar com um ângulo e uma dimensão de distância

2. Selecione o ícone apropriado.


3. Selecione o chanfro.
4. Selecione a linha horizontal adjacente como linha base para o chanfro.
5. Indique a localização da dimensão.
6. Pressione YES para criar a dimensão.

55
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando um texto simples


Nota: Para começar o exercício deste passo, leia o modelo.
GDR_SUPPORT1_BMP5

Metodologia
Textos, como toda geometria draw, é amarrada á vista. Você deve entretanto posicionar na vista
correta antes de começar a criar os textos.
Posicionamento de texto é gerenciado na janela TEXT
O Texto é orientado em dois passos:
1. Selecione uma entidade de referência.
2. Especifique a posição do texto (horizontal, vertical, paralela, normal, com ângulo) em
relação a referência
Textos simples são textos sem leader.
Criando títulos nas vistas

Um título será criado para cada vista. O texto será sublinhado, e com altura 10.

TEXTD2
CREATE + TEXT + SIMPLE

1. Ajuste sublinhado para todos os títulos das vistas: Selecione o ícone todo o texto
sublinhado na janela MANAGEMENT.
2. Digite 10 para especificar a altura do caracter no campo HEIGHT da janela
MANAGEMENT
3. Selecione as opções apropriadas na janela TEXT para posicionar o texto
horizontalmente em relação á tela.
4. Indique aonde você quer posicionar seu texto.
5. Digite o título da vista na janela KEY TEXT.
6. Pressione YES para valida a criação do título da vista.
7. Repita as interações acima para todos os outros títulos

56
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Corrigindo a vista associada aos títulos

É um erro comum esquecer de mudar a vista ativa antes de criar o texto. Esta parte
mostra como corrigir o erro.
AUXVIEW
TRANSFER
1. Selecione a vista que o texto deve ser amarrado.
2. Selecione o texto.
3. Pressione YES para finalizar.
4. Repita o procedimento para os outros textos.

Criando os textos AA da definição de corte da vista direita


TEXTD2
CREATE + TEXT + SIMPLE

Aviso!
Esteja certo que a altura está ajustada para 10 e não se esqueça de cancelar a opção sublinhado.
Verifique que a vista direita é a corrente

1. Indique aonde você quer que o texto seja posicionado.


2. Especifique o texto : digite A
3. Pressione YES para criar o texto
4. Repita os passos anteriores para a outra letra.

57
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando um texto com frame na vista direita


TEXTD2
CREATE + TEXT + SIMPLE

Raios não dimensionados:


R = 10

1. Indique aonde você quer que o texto seja posicionado.


2. Selecione o botão frame na janela ISO.

¬ A opção FRM_RECT é ligada.

3. Na janela KEY TEXT, digite a primeira linha do texto e pressione ENTER.


4. Na janela ISO, selecione o ícone para pular para próxima linha.
5. Digite o texto da segunda linha e pressione ENTER.
6. Pressione YES para aceitar o texto com frame

Dicas
Você pode, se desejar, indicar uma nova posição para o texto antes de aceitar o texto com frame

58
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando leader na vista direita


TEXTD2
CREATE + TEXT + LEADER

Você criará textos descritivos tipo leader para uma ou mais entidades

Dicas
Não se esqueça de cancelar a opção FRAME

1. Indique aonde você quer que o texto seja posicionado.


2. Digite o texto : 3x120º DRILLINGS.
3. Defina o ponto de início para o leader: Selecione o número 2 adjacente ao texto.
4. Indique uma localização do nó intermediário no caminho do leader.
5. Selecione um dos furos aos quais o leader será aplicado.
6. Selecione o nó intermediário do caminho do leader.
7. Selecione o segundo furo ao qual o leader será aplicado.
8. Pressione YES para criar o leader.

59
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Tolerância geométrica na secção AA


Lembrete
A tolerância geométrica é especificada por meio de um frame de controle dividido em blocos que
contém os símbolos das características geométricas seguida de sua tolerância.
Um ou mais pontos de leader para as entidades geométricas que você selecionar.

Comece com a tolerância de concentricidade

TEXTD2
CREATE + GEOM

1. Indique a localização da tolerância.


2. Selecione o símbolo de concentricidade na janela.
3. Indique um valor para a tolerância : digite 0.2 na janela KEY TEXT
4. Pressione YES para fechar o compartimento do frame.
5. Defina o ponto ao qual o leader partirá : selecione o número 3.
6. Defina o tipo de linha do leader : Na janela LEADER OPTIONS (ilustrado),
Selecione HOR-VER
Nota: Este irá construir um leader de segmentos de linha horizontais e verticais.

7. Especifique o tipo de seta para o leader : Na janela LEADER OPTIONS, selecione


DATUM
8. Selecione o elemento ao qual será aplicado.
9. Defina o ponto o qual o leader será afixado ao frame: selecione o número 9
10. Especifique qual linha será o leader : selecione DATUM novamente.
11. Selecione os elementos os quais o leader será aplicado.
12. Pressione YES para criar a tolerância geométrica.
13. Repita as operações acima para a segunda tolerância geométrica.

60
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando os elementos de referência

TEXTD2
CREATE + DAT FEAT
1. Indique a localização do elemento de referência.
2. Especifique o texto : Digite A
3. Defina o ponto o qual o leader irá partir: Selecione o número 6.
4. Defina o tipo de caminho da linha do elemento de referência : Na janela LEADER
OPTIONS, selecione VER.
Nota: Isto indica que o leader será aplicado na vertical
5. Selecione a linha a qual o elemento de referência será aplicado.
Criando os símbolos de rugosidade
Neste passo, criaremos símbolos de rugosidade básicos associados a geometria ou a
dimensão, e um símbolo avançado de rugosidade.

61
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando um símbolo de rugosidade básica associada ao elemento


TEXTD2
CREATE + ROUGHNES
1. Selecione o botão VAL da janela ROUGHNESS SYMBOL

Dicas
Porque um texto de rugosidade é criado de acordo com o padrão definido no TEXTD2, verifique
se a fonte usada é DSUS e a altura 5.5

2. Na janela VALUES, selecione os ícones Ra e 3.2


3. Selecione a linha horizontal na vista de corte AA.
4. Indique outro posicionamento se necessário.
5. Pressione YES para finalizar o procedimento.

Criando um símbolo de rugosidade avançado

1. Selecione duas vezes o botão VAL da janela ROUGHNESS SYMBOL


2. Na janela VALUE, selecione os ícones Ra e 1.60
3. Selecione o botão verde do lado direito da janela
4. Digite rcc no campo superior a janela DEFINE SYMBOL
5. Digite FG no campo do meio da janela DEFINE SYMBOL
6. Selecione a linha correspondente ao cilindro interno na vista de corte AA.
7. Selecione o número 1.
8. Na janela LEADER OPTION, selecione o campo symbol.
9. Na janela SYMBOL. Selecione o símbolo da seta, opção ELEMENT SELECTION
10. Na janela oblong, selecione o símbolo NONE.
11. No corte AA, selecione a linha correspondente ao cilindro interno.
12. Indique outra posição á direita.
13. Pressione YES para finalizar o processo.

Dicas
Você pode criar um símbolo de rugosidade com mais de um leader nos símbolos acima
mencionados, com TEXTD2 + MODIFY + LEADER + ADD

Aviso!
Não se esqueça de salvar o modelo.

62
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Exercício 5 – Suporte (Modificação)

Objetivos

Neste exercício, você aprenderá como modificar dimensões e anotações, para tanto
você irá:

Modificar a localização das dimensões.


Colocar dimensões fictícias.
Quebrar linhas de extensão.
Inverter símbolos.
Mudar tolerâncias.
Modificar textos.

Funções Usadas

DIMENS2 - TEXTD2

Modelo Usado

DR2_ SUPPORT2_BMP1

Duração do Exercício

63
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Figura 10 - Modificando textos e dimensões

64
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificando a localização da linha de dimensão

Modificando a dimensão angular de 30º na vista direita

DIMENS2
MODIFY + DIM LINE
1. Selecione a linha de dimensão
2. Indique uma nova posição
3. Pressione YES para finalizar a modificação

Modificando a linha da dimensão de diâmetro 10mm da vista


direita
DIMENS2
MODIFY + DIM LINE

Nota: Esta é uma linha de dimensão de duas partes.

1. Selecione a primeira (direção radial) parte da linha de dimensão


2. Indique uma nova posição.
3. Pressione YES para finalizar o posicionamento
4. Selecione a segunda parte.
5. Indique a nova posição.
6. Pressione YES para finalizar a modificação.

65
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Alinhando a dimensão de distância de 250mm na Secção AA

Você irá alinhar a dimensão de distância 250 mm na secção AA com a dimensão de


distância de 62.5 mm.

DIMENS2
MODIFY + DIM LINE
1. Selecione a linha de dimensão 250
2. Especifique a linha com a qual você quer o alinhamento.
3. Selecione a linha de dimensão 62.5
4. Pressione YES para finalizar a modificação.
5. Você agora modificará as seguintes dimensões:
a. Modifique a linha de dimensão de distância de 2.5 mm na secção AA

b. Modifique a linha de dimensão de diâmetro de 136 mm da vista esquerda


c. Modifique a linha de dimensão de diâmetro de 160 mm da vista esquerda

66
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificando a localização dos valores de dimensão

DIMENS2
MODIFY + VALUE + LOCATION

1. Mova os valores de dimensão da secção AA das seguintes dimensões.


a. Dimensão de distância de 15 mm e 22.5 mm.
b. Dimensão angular de 30º.

2. Selecione o valor de dimensão a ser movido.


3. Indique a nova posição.

Dicas
Você pode pressionar YES a qualquer momento para restaurar a localização inicial dos valores
selecionados.

67
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Indicando dimensões fictícias

Aviso!
Use dimensões fictícias com muito cuidado. Muitos usuários subseqüentes do seu modelo
ignorarão a
s dimensões e usarão somente a geometria. Isto irá causar erros, possivelmente sérios, em, por
exemplo, manufatura, simulação de montagem e FE analyses.

DIMENS2
MODIFY + VALUE + FAKE DIM

1. Defina o valor que você quer modificar.


Selecione a distância 11.8 na secção AA.
2. Digite o valor da dimensão FAKE; Digite 12 na janela FAKE DIM VAL.
3. Pressione YES para aplicar a modificação

68
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Quebrando linhas de extensão

Dicas e avisos: Quebrando linhas de extensão


Se você selecionar o valor de dimensão, todas as linhas de extensões associadas serão quebradas.
Se você selecionar uma linha de extensão, somente a linha de extensão selecionada será quebrada.
Quebras podem ser feitas pela indicação de dois pontos ou pela seleção da linha que atravessa a
linha de extensão e digitando um tamanho para o gap.

Indicando os pontos de quebra


DIMENS2
MODIFY + EXT LINE + INTERRUP

1. Na secção AA, selecione as linhas de extensão associadas com a dimensão 15


2. Indique dois pontos de quebra.
3. Repita para a dimensão 22.5, dimensão de diâmetro 100 e distância de dimensão
300.

Digitando o tamanho do gap.


DIMENS2
MODIFY + EXT LINE + INTERRUP

1. Selecione a linha de extensão associada com a dimensão 51.7 na secção AA.


2. Selecione o elemento que a linha de extensão atravessa.
3. Especifique o tamanho do gap desejado (distância entre a quebra da linha de
extensão e o elemento atravessado pela linha de extensão): Digite 2.

69
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Quebrando todas as linhas de extensão


DIMENS2
MODIFY + EXT LINE + INTERRUP
1. Selecione a dimensão de diâmetro 65 na secção AA.
2. Selecione o elemento que alinha de extensão atravessa.
3. Especifique o tamanho do gap desejado: Digite 2
4. Repita para a dimensão de diâmetro 45H7

Invertendo símbolos
DIMENS2
MODIFY + SYMBOL + INVERT
1. Selecione :
a. Distância 15 e 22.5
b. Dimensão fictícia 12
c. Distância real 12
d. Ângulo 30º

Mudando tolerâncias
DIMENS2
MODIFY + TOL + CHANGE

Nota: Este procedimento pode ser usado para adicionar tolerâncias

1. Selecione a dimensão 37.5 no centro da secção AA.


2. Digite novos valores na janela TOLERANCE
3. Pressione YES para aplicar a modificação

70
DRAFTING – EXERCÍCIOS

4. Selecione a distância 60 inferior da vista para adicionar a tolerância


5. Digite os novos valores na janela TOLERANCE.
6. Pressione YES para aplicar a modificação

Modificando o texto associado

DIMENS2
MODIFY + TEXT + EDIT

Ou

TEXTD2
MODIFY + TEXT + EDIT

1. Selecione o texto 6MINI para modificar.


2. Digite um novo texto: MININUM
3. Repita as operações para o texto 74MAXI na vista direita.

71
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificando as características gráficas da anotação

Você irá copiar as características gráficas de um item de um texto para outros.

TEXTD2
MODIFY + TEXT + GRAPHIC

1. Selecione a string do texto de um dos títulos da vista.


2. Mude as características gráficas.
a. Na janela ISO, selecione a string no campo GR.
b. Especifique o novo caractere gráfico: Selecione ADM_ROM3 da lista mostrada.
c. Modifique a altura do caractere: Digite 10 no campo H da janela ISO.

¬ O texto imediatamente muda para as características ajustadas.

3. Multi-selecione os outros títulos das vistas.


4. Pressione YES para especificar a cópia das características gráficas de um outro item
do texto.
5. Selecione no título da vista que você modificou manualmente

72
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificando a localização das anotações na secção AA


TEXTD2
MODIFY + LOCATION

Mova as tolerâncias geométricas localizadas na parte superior da vista.

Dicas
A linha de extensão da dimensão 15 deve ser maior. Para incrementar seu comprimento, use a
função DIMENS2

1. Selecione a anotação que você quer mover.


2. Indique uma nova localização

Modificação dos símbolos


TEXTD2
MODIFY + SYMBOL

Modificando o símbolo de referência de forma e posição na secçao


AA
1. Selecione o símbolo da referência de forma e posição
2. Defina um novo símbolo : selecione o sólido triangular da lista.

Dicas
Não se esqueça de salvar o modelo.

73
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Exercício 6 – Gear (Customização)

Objetivos

Neste exercício, você aprenderá como customizar parâmetros associados com


dimensões e anotações bem como obter entidades específicas mostradas nas figuras.
Todas as dimensões terão 2 valores, uma em milímetros e a outra em polegadas:
Portanto você irá:

Customizar parâmetros para dimensões e anotações.

Funções Usadas

DIMENS2 - TEXTD2

Modelos Usados

DR2_ GEARCASING_TEXT AND DIMENSION CUSTOMIZATION


DR2_ GEARCASING_TEXT AND DIMENSION CUSTOMIZATION

Duração do Exercício

74
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Figura 11 - Customização Completa.

75
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Customização básica

A customização será aplicada incluindo a definição de cores para elementos com


dimensão, a apresentação para dimensões duplas e o estilo de leader de duas partes. A
customização poderia ser salva com o modelo inicial.

Definindo cores para dimensões


DIMENS2
Botão PARAMS

1. Na janela ISO, selecione o botão MORE para mostrar mais opções da janela.
2. Selecione o botão PARAMS para acessar os parâmetros que você quer customizar.
3. Na janela ACCESS TO PARAMETERS, selecione a opção GRAPHIC para
customizar cores para símbolos, frames e scores.
a. Na janela GRAPHIC, selecione NONE na coluna COLOR do lado oposto a linha
SYMBOL
b. Selecione NONE na coluna COLOR do lado oposto a FRAME
c. Selecione RED da lista mostrada.
d. Selecione NONE na coluna COLOR do lado oposto a SCORE
e. Selecione RED para mostrar a lista

Definindo representação para dimensões duplas

O valor secundário dos ajustes das dimensões duplas está ajustado em 6.5mm-
parênteses altos e aparece depois do valor primário, na mesma linha.

1. Na janela ACCESS PARAMETERS, selecione a opção DUAL para customizar


representação de dimensões duplas
2. Na janela DIM TYPE, selecione SIDE BY SIDE para fazer os valores primário e
secundário aparecerem lado a lado.
3. Na janela SIDE BY SIDE, defina separadores
a. Selecione o slash
b. Na janela SEPARATOR, selecione o parênteses aberto
c. Selecione NONE.
d. Na janela SEPARATOR, selecione o parênteses fechado

4. Especifique a altura do caractere: Digite 6.5 no campo HEIGHT

76
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Definindo comprimento L2 para um leader de duas partes.

1. Na janela ACCESS TO PARAMETERS, selecione a opção LEADER.


2. Na janela LEADER, digite um L2 de 25 na caixa LEADER LENGHT
3. Na janela ACCESS TO PARAMETERS, selecione o botão RETURN para retornar
ao painel inicial

Definindo comprimento L2 para um leader de duas partes.

DIMENS2
CREATE + DISTANCE

1. Selecione o ícone dimensão dupla:


2. Selecione os seguintes parâmetros no ícone numérico mostrado:

a. Veja o tipo de valor esteja ajustado para NUN.DIMM.


b. Defina a precisão : digite 0.1 mm.

3. Selecione o número 1 do lado direito do ícone.

¬ NUN.DINC é mostrado.

4. Selecione NUN.DINC.
5. Selecione ADM.INCH da lista mostrada.
6. Defina a precisão.
Selecione o ícone / para Ter precisão mostrada como fração e digite 32.
7. Defina a altura dos caracteres.
Digite 5.5 no campo H da janela ISO.

¬ Agora que você customizou a representação básica das dimensões, você pode
processar com o dimensionamento.

77
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando dimensão encadeada


DIMENS2
CREATE + DISTANCE

Você criará dimensões encadeadas no centro da secção AA e na vista direita.

Criando a dimensão encadeada com leader na parte superior da


secção AA

DIMENS2
CREATE + DISTANCE

Nota: não se esqueça de selecionar o ícone apropriado.

1. Selecione os elementos definindo a distância do primeiro componente no


encadeamento.
2. Indique a localização de dimensão.
3. Selecione o ícone para criar a segunda dimensão com leader:
4. Selecione o elemento de definição da distância do segundo componente do
encadeamento.
5. Selecione novamente o ícone acima para cancelar esta opção.
6. Selecione o elemento definindo a distância do terceiro componente do
encadeamento.
7. Pressione YES para criar a dimensão encadeada.

78
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensionando distâncias

Dimensionando distâncias da vista esquerda.

1. Usar o ícone leader de duas partes para dimensão 12:


2. Mude o valor do gap entre o início do valor da dimensão e o símbolo terminal.
a. Selecione o botão PARAMs
b. Selecione a opção DIM TEXT
c. Na caixa HORIZONTAL POSITIONING da janela DIM TEXT, selecione o
triângulo próximo ao lado esquerdo da coluna OPTION oposta ao tipo de
dimensão simples (coluna TYPE) e digite 10 (mm) na coluna D.
d. Selecione o botão RETURN para retornar ao processo de dimensionamento.

79
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando a dimensão encadeada na secção AA

Criar a dimensão encadeada, deixando 5 mm entre cada dimensão.

1. Selecione o seguinte ícone para desativá-lo


2. Selecione o ícone apropriado para criar dimensões encadeadas.
3. Digite 5 no campo SPA para definir a distância entre dimensões
4. Selecione a primeira linha de referência para começar a criar a dimensão.
5. Selecione a última linha para criar a dimensão.

Aviso!
Restaure automaticamente o posicionamento dos valores da dimensão no centro da linha de
dimensão (Botão PARAMS) para subseqüentes dimensionamentos.

80
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dimensionando rebaixos

Dimensionado os cinco rebaixos na secção AA

DIMENS2
CREATE + DIAMETER + CYLINDER

Dimensionando ângulos

DIMENS2
CREATE + ANGLE

Criando uma dimensão de ângulo cumulativo na vista esquerda.

1. Selecione o ícone apropriado :


2. Selecione o ícone seguinte para cancelar a opção dimensão dupla :

81
DRAFTING – EXERCÍCIOS

3. Selecione o primeiro e o segundo elemento definindo um ângulo que você quer


dimensionar na direção anti-horária.
4. Pressione YES para continuar
5. Indique a localização de dimensão
6. Selecione o próximo elemento.
7. Pressione YES para terminar o procedimento

Criando anotações
TEXTD2
PARAMS

Modificando o grid do texto

Aviso!
Você precisa estar na vista corrente.

O grid do texto permite a você determinar a linha de espaçamento e a altura do


caracter da anotação.

1. Selecione a opção TEXT GRID na janela ACCESS TO PARAMETERS.


2. Defina o espaço entre as linhas do texto.
Digite 4.5 no campo D.
3. Defina a altura do texto.
Digite 5.5 no campo H.

82
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando a moldura no texto


TEXTD2
CREATE + TEXT + SIMPLE

O texto com moldura compreenderá 5 sub-textos com diferentes opções de moldura


e score (grifado).
Caracteres gráficos serão CHR-DSUS. A altura do caracter será 5.5 mm.

1. Indique a localização do texto com moldura.


2. Selecione o ícone FRAME para habilitar a opção da moldura.
3. Selecione o W adjacente ao ícone UNDERSCORE

¬ S é mostrado, indicando que o sublinhado será aplicado somente nos sub-textos.

4. Selecione o ícone UNDERSCORE para sublinhar a primeira linha.


5. Especifique a palavra da primeira linha: Digite DUAL DIMENSION MODE
6. Na janela MANEGEMENT, Selecione o ícone NEW LINE, até que uma nova linha
é criada quando o ENTER é pressionado.
7. Reselecione o ícone UNDERSCORE para cancelar a opção sublinhado para o texto
subsequente.
8. Pressione ENTER duas vezes, para criar uma segunda linha limpa.
9. Digite a terceira linha: Digite FIRST UNITS.
10. Reselecione o ícone NEW LINE para continuar a escrever na linha corrente.
11. Selecione o W adjacente no ícone FRAME.

¬ S é mostrado, indicando que o sublinhado será aplicado somente nos sub-textos

83
DRAFTING – EXERCÍCIOS

12. Selecione o ícone FRAME para habilitar as opções de moldura.


13. Entre a palavra : Digite MM.
14. Selecione o ícone NEW LINE e pressione ENTER para criar uma nova linha.
15. Selecione o ícone FRAME para cancelar as opções de moldura.
16. Entre com a palavra : Digite SECOND UNITS.
17. Selecione o ícone FRAME para cancelar as opções de moldura.
18. Reselecione o ícone NEW LINE para continuar escrevendo na linha corrente.
19. Digite INCH.
20. Pressione YES para indicar que você completou a moldura no texto.

Aviso!
Não se esqueça de salvar o modelo.

84
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Exercício 7 - Biela

Este exercício contém os princípios básicos deste curso. Cada


etapa corresponde à um módulo do curso que será realizado
após o seu aprendizado.
O ambiente descreve um processo de geração de um projeto
completo usando uma biela, peça que é montada no pistão.

Modelo de Inicialização:
GDR CONNECTING ROD BMP1

Modelo final:
GDR CONNECTING ROD END

85
DRAFTING – EXERCÍCIOS

86
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Você começará este desenho a partir de um


modelos 3D não preparado, para simular uma
situação real. Para isto você deverá:
Modificar a definição da tela,
Selecionar o modo de trabalho,
Criar uma vista primária,
Criar uma vista principal,
Criar uma seção de corte,
Criar uma vista de detalhe e
Criar uma vista de detalhe parcial.

Lembrando que o nosso modelo inicial não está preparado, você irá modificá-lo
definindo a screen em duas partes. A parte superior contendo a window do space
(xyz) e a inferior a window do draw (d). Defina a screen selecionando os elementos
conforme a ordem descrita na figura abaixo:

Na janela SCREEN DEFINITION você pode ver a nova tela criada: no topo dela
está a área de trabalho em 3D (XYZ) e em baixo a área de trabalho em draw (DR).

87
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Tenha certeza de que você está no modo Draw (botão DR do menu permanente).
Antes de extrair a primeira vista você deve escolher entre a convenção americana e
européia para o rebatimento da vista.

Neste exercício nos adotaremos a convenção européia. Entretanto, podemos


observar que neste exercício ambas as opções são aceitáveis.
Agora que seu ambiente de trabalho está pronto, você poderá extrair a primeira
vista, que é a vista primária. Traga o sistema de eixos do NoShow para definir a
direção de extração na janela do espaço.

O tipo de vista que será criada está agora definido

88
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Crie a Vista Primária (2)


Escolha XY (nesta ordem para definir a sua orientação), como direção de extração
usando o sistema de eixos na janela do espaço. Em seguida indique um ponto na
janela draw para indicar a localização da vista.

A vista está criada. Na zona de mensagens aparece "view created and updated".
Crie a Vista Principal
A segunda vista que criaremos é a vista principal. Deste a criação da vista primária,
ela tem sido a vista corrente (ativa), podemos observar isto através de um círculo
vermelho em torno de sua origem. Ela será a referência para criarmos a próxima
vista.

A vista está criada. Na zona de mensagens aparece "view created and updated".

89
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificar os Parâmetros de Visualização


Para melhorar a visualização da vista lateral, você modificará os parâmetros de
visualização das linhas escondidas. Em seguida você atualizará a vista, para assumir
os novos parâmetros que foram modificados. Tenha certeza de que a vista está ativa,
se não, de um click nela.

A vista está atualizada. Na zona de mensagens aparece "view(s) updated".


Criar uma Vista de Corte (1)
Crie agora a vista de corte usando a vista primária como referência. Antes porém,
faça a vista primária ficar ativa (selecione o botão VU do menu permanente e
selecione a vista). Você pode observar que apareceu um circulo vermelho em torna
de sua origem.

As opções estão definidas.

90
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar uma Vista de Corte (2)


Você agora escolherá a direção de extração definindo uma linha que representa o
corte que passa pelo meio da peça. Tenha o cuidado de indicar os pontos dentro do
campo de 3 graus para que a linha saia horizontal. A vista primária deve estar ativa.

A linha de corte horizontal e as setas de direção são mostradas.

Criar uma Vista de Corte (3)


Inverta a direção das setas. Em seguida você localizará abaixo da vista primária.

A vista está criada. Na zona de mensagens aparece "view created and updated".

91
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificando a Escala da vista


Como você pode perceber, a vista criada anteriormente está muito pequena.
Este fato está relacionado com a escala da vista. Você irá modificar sua
escala.

1 – Na janela Actions

2 – Entre com escala: 4


SECTION CUT A / A

A linha de corte horizontal e as setas de direção são mostradas.

Criar uma vista de detalhe (1)


Agora você vai criar uma vista de detalhe, usando a vista principal como
referência.
Atenção: não esqueça de ativar a vista principal para torná-la a vista
corrente.

1 – Na janela objects:

2 – Na janela Actions:

3 – Na janela View Type:

As opções estão definidas.

92
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar uma Vista de Detalhe (2)


Você agora definirá a região do detalhe e a sua localização. Escolher uma posição
abaixo da vista principal

A vista de detalhe é criada. Na zona de mensagens aparece "view created and


updated".
Criar um corte parcial (1)
Para este tipo de operação você deverá ativar a opção "Advanced user interface"
(esta opção habilita nove itens na janela Objects). Se você não tiver esta opção
ativada, mude para a opção DEFAULT da função AUXVIEW2 e click no campo
Advanced userinterface e volte para a opção USE.

As opções estão definidas.

93
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar uma corte parcial (2)


Você agora pode definir qual a região que será aplicado o corte parcial indicando os
pontos do contorno.

O contorno está definido.

Criar um corte parcial (3)


Imponha dois limites para criar a vista: o primeiro está no plano YZ, o segundo é
um ponto.

O corte parcial está criado. Você extraiu todas as vistas necessárias.

94
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Preparando a folha de desenho


Na primeira parte deste exercício você extraiu diversas vistas. Agora você
deve colocá-las em um formato e preparar os desenhos antes de adicionar
textos e dimensões. Você irá então:
Traga a vista de referência
Traga o formato da biblioteca.
Limpe o desenho.

Traga a vista de referência


Antes de adicionar um formato você deve trazer uma vista de referência do
noshow, porque você a usará como origem do formato

1 – Sel tecla NS

2 – YES: SWAP

3 – Digite: *AXSD

4 – Sel EXIT

A vista de referência é mostrada em show. *VU1 é vista de draw default gerada


pelo CATIA quando o modelo inicial é criado.

95
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Tornar a vista de referência ativa


Agora torne a vista de referência ativa. (* VU1)

Um círculo vermelho é mostrado envolta da vista. É agora ativada.


Traga o formato de uma biblioteca
Você pode agora trazer o formato e copia-lo para o desenho (não adicione o desnho
como ditto, porque seria mais difícil modificar a informação contida nele.

1. Selecionar GDRELIB

2. Selecionar EUR cartridge

3. A3 horizontal

O formato é mostrado, mas não esta bem posicionado.

96
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Movendo o formato
Se o formato ainda não está ativo, selecione-o para torná-lo corrente. Então mova-o
(indicando quantas vezes for necessário) tal que todas as vistas estejam dentro dele.

As vistas estão agora localizadas dentro do formato, mas elas não estão alinhadas
corretamente.
Alinhando as vistas (1)
Agora alinhe as vistas para finalizar o ajuste do desenho.

As vistas selecionadas são alinhadas.


Repita a operação para alinhar as outras vistas verticalmente.
Tenha certeza que a vista do detalhe está localizada abaixo da vista principal.

97
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Alinhando as vistas (2)


As vistas são agora alinhadas, mas o texto “SECCAO CUT A/A” ainda é mostrado
fora do campo.

O texto move para localização indicada


O desenho está agora limpo.
Salve seu modelo

98
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Ajustando o draw
Com as vistas extraídas e o formato do draw adicionado, você agora pode começar
a ajustar as vistas. Mais precisamente você irá :
• Selecionar as dimensões padrão
• Adicionar linhas de centro
• Criar dimensões
• Criar linhas adicionais a geometria
• Criar texto
• Modificar as informações da legenda do formato

Selecionado o padrão das dimensões


Antes de começar a ajustar as vistas, você deve selecionar seu padrão de trabalho.
Aqui nós escolheremos o padrão ISO, mas você pode escolher o ANSI, o DIN, o
JIS, ou o ASME.

O padrão foi mudado. Neste exercício as dimensões serão criadas em ISO.

99
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Adicionar linhas de centro


Para adicionar distâncias você deve primeiro adicionar linhas de centro à vista
primária.

A linha de centro é mostrada. Você irá dimensionar a distância entre o centro do


topo e os círculos inferiores.
Adicionar dimensões de distância (1)
Criar uma dimensão de distância entre os pontos de centro dos círculos inferior e
posterior. Usando o QUICKDIM você irá cotar qualquer tipo de dimensão em um
número limitado de interações.

A dimensão de distância é mostrada. Se você quiser move-la indique a localização


desejada.

100
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Adicionar dimensões de distância (2)


Exatamente que você tem criado a dimensão de distância, adicione a dimensão
mostrada abaixo na vista de corte.

A dimensão é criada.

Adicionar a dimensão de distância (3)


Criar a dimensão de distância mostrada abaixo na vista principal.

A dimensão é criada. Você pode move-la indicando outra posição.

101
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Adicionar a dimensão de distância (4)


Crie a dimensão de distância mostrada abaixo na vista de detalhe.

A dimensão é criada.
Adicionar uma dimensão de raio(1)
Como você está usando o QUICKDIM, você pode criar outro tipo de dimensão sem
especificar qual. Aqui você criará dimensões de raio.

A dimensão de raio é mostrada. Se você desejar move-la, indique uma nova


localização.Repita a operação para a dimensão do outro fillet na parte inferior da
alavanca.

102
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Adicionar dimensão de raio (2)


Criar a dimensão mostrada abaixo na primeira vista

A dimensão é mostrada. Repita a operação para criar a dimensão equivalente no


círculo inferior.
Adicione a dimensão de raio
Criar a dimensão de raio mostrada abaixo na vista de detalhe.

A dimensão é mostrada.

103
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Adicionar dimensão de diâmetro


Criar uma dimensão de diâmetro no círculo externo da peça superior da alavanca da
vista primária.

Adicionar a dimensão de ângulo


Criar uma dimensão de ângulo na vista de detalhe

posição

A dimensão de ângulo é mostrada.

104
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar um markup adicional (1)


Na finalidade de finalizar o dimensionamento das vistas você deve criar markup
adicionais. Primeiro mude a espessura de linha padrão para 0.1mm. Então
modifique o padrão de ponto

Os padrões são modificados. Estas mudanças não afetarão a geometria já criada. Irá
somente afetar a próxima geometria a ser criada.
Criar um markup adicional (2)
Nós vamos criar uma linha paralela ao corpo da alavanca

A linha é criada. Desde que você modificou a espessura das linhas elas aparecem
numa cor de baixa intensidade.

105
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar um markup adicional (3)


Você irá criar um ponto na intersecção do círculo com a nova linha

O ponto é mostrado como um cruzamento. Você pode ler "1 ponto criado" na zona
de mensagens. Antes de adicionar qualquer nova dimensão mude a espessura padrão
para 0.2mm e o padrão do ponto para dot.
Criar uma dimensão de distância
Usando o novo markup criado você pode dimensionar a distância entre o ponto e a
linha de centro na vista primária

A dimensão de distância é criada.


Para maior praticidade você deve continuar a adicionar dimensões do desenho de
acordo com os padrões da empresa.

106
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar uma tolerância geométrica (1)


Você irá criar uma tolerância geométrica na vista de detalhe.

O símbolo de paralelismo é mostrado.


Criar uma tolerância geométrica (2)
Aqui você ajustará o valor da tolerância para 0.5 e adicionará um rótulo datum.
Então colocará a tolerância geométrica abaixo do nome.

A tolerância geométrica move para a localização indicada.

107
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar uma tolerância geométrica (3)


Agora defina o leader.

A opção leader é definida


Criar uma tolerância geométrica (4)
Agora defina o leader.

O leader é mostrado.

108
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar uma tolerância geométrica (5)


Você irá aplicar um datum correspondente ao rótulo criado.

O leader é iluminado.
Criar uma tolerância geométrica (6)
Escolha a opção "DATUM" na janela LEADER OPTION.

O datum feature é mostrado.

109
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar um símbolo de rugosidade (1)


Criar um símbolo de rugosidade na superfície funcional dentro da parte superior da
alavanca

O símbolo de rugosidade é mostrado, mas não está bem posicionado.


Criar um símbolo de rugosidade (2)
Modifique a localização do símbolo de rugosidade.

O símbolo de rugosidade está agora bem posicionado.


Para maior praticidade você deve continuar a adicionar dimensões do desenho de
acordo com os padrões da empresa.

110
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificar as informações do formato (1)


A última operação a ser realizada nesta parte do exercício é a modificação das
informações do formato

O nome da peça é mostrado


Modificar as informações do formato (2)
Repita a operação para adicionar o número da peça mostrada abaixo.

A informação é atualizada. O desenho está agora acabado. Se você quiser, você


pode realizar dimensões adicionais.

111
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Atualizando o desenho

Na parte anterior do exercício você finalizou o desenho. Entretanto, por causa de um


ultimo requisito, o modelo 3D deve ser modificado. Isto significa que você terá que
atualizar o desenho depois de ter modificado a peça. Aqui você irá então:
• Modificar a geometria,
• Atualizar o desenho.
Modificar a geometria (1)
Primeiro troque para modo Space (Clique no botão DR). Agora você modificará a
espessura da cabeça da alavanca

A FSUR é iluminada e os offsets associados são mostrados.

112
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificar a geometria (2)


Mude a espessura da cabeça da alavanca para 10.4.

Você pode ler “feature modified” na zona de mensagens. A janela do Part editor fica
verde significando que uma atualização é necessária.
Modificar a geometria (2)
Você deve atualizar as modificação da peca

O sólido está atualizado.

113
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Atualizando o desenho
Volte para o draw (clique no botão SP). Na janela 2D você pode ver que todas as
dimensões são iluminados. Isto significa que o desenho deve ser atualizado. Você
pode até fazer isso usando o ítem UPD ALL na opção Update; a última permite que você
atualize as vistas separadamente.

O desenho está atualizado.

114
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Plotando o desenho

Agora você irá finalizar o desenho, você somente tem que plotá-lo. Isso é o que você fará
na última parte deste exercício.
Selecione o formato (1)
Para ajustar o formato você pode digitar o tamanho diretamente, você pode
selecioná-lo na janela PLOT FORMAT ou desenhar o campo você mesmo

Você pode ler "window number 1 criada" na zona de mensagens.

115
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Ajuste a moldura (1)


Ás vezes você precisa fazer ajustes no posicionamento do tamanho da área a ser
plotada.

Você pode mover a moldura.


Ajuste da moldura (2)
Para mover a moldura, você pode seleciona-la e puxá-la, indique um ponto (e o
centro da janela moverá para aquele ponto), ou digite coordenadas de trânslação.

A borda da moldura move-se para o ponto indicado. Veja que o tamanho da janela
não muda.

116
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Redimensinando a moldura (1)


Ao invés de mover toda a moldura, você pode redimensioná-la.

A moldura é redimensionada. Repita quantas vezes você achar necessário.


Veja uma prévia de impressão (1)
Antes da plotagem você pode verificar os parâmetros de plotagem.

A janela DRAW ELEMENTS é mostrada.

117
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Veja uma prévia da impressão (2)


Você irá agora ajustar quais elementos do draw serão impressos.

Todos elementos do draw exceto os eixos serão impressos.


Veja uma prévia de impressão (3)
Finalmente ajuste o layout geral do desenho a ser plotado.

Você verificou a prévia.

118
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Plotando o desenho
A última operação é a seleção do plotter. Como esta escolha depende da sua
configuração de trabalho.

A janela CATPLOT SUBMISSION é mostrada. Você pode ler "execution


sucessful" na zona de mensagens.
Você completou o exercício.
Arquive seu modelo.

119
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Exercício 8 - Motor
Neste exercício cada parte do motor foi concebida em sólido exato no modelo
CATIA. A montagem feita por session .O intuito do exercício é a extração de vistas
e gerenciamento num contexto de montagem .Mais especificamente você irá:
Criar diferentes vistas de montagem,
Modificar a vista direita,
Modificar patterns,
Criar uma vista explodida.

Modelo Inicial
GDR CHAINSAW ENGINE BMP1.01_DRAWINGS

Modelo Final
GDR CHAINSAW ENGINE END SESSION

120
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando diferentes vistas de montagem

Nesta parte do exercício você irá:


• Construir uma session,
• Criar a vista frontal.
• Crie a vista lateral direita.
Aviso! Você terá que construir a session, não têm modelo de início.
Extraindo a vista primária (1)
Você pode ter uma session existente ou ler qualquer modeo individualmente ficando
em sua mente que cada parte da montagem está salva num modelo separado.Quando
você salvar a session use a opção “Copies of all data”.Como você leu o modelo de
início, verifique se a opção DRAFTING ON não está ajustada.

Você têm que montar e salvar a session.

121
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando a vista frontal (1)


Para criar a primeira vista principal faça uma vista transparente para ver onde a
vista está localizada e como está posicionada. Note que nós temos que usar a
convenção Européia.

A geometria 3D aparece na transparência .A vista de frente será criada exatamente


no mesmo lugar.
Criando a vista frontal (2)
Agora atualize a vista modificada.

Você pode ler “View(s) updated”na zona de diálogo.

122
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar a vista de corte(1)


Crie a vista de corte associada com o eixo do cilindro e o eixo da biela..

O eixo é iluminado e setas são mostradas .Você pode ler “Associative cutting
profile”na zona de mensagens.
Criando a vista de corte(2)
Finalizando o perfil de corte.

Você ainda pode ler “Associative cutting profile “na zona de mensagens. Verifique
se as setas estão indicando para a direita se não clique em uma para inverte-las.

123
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Crie a Vista de Corte (3)


Agora crie o posicionamento da vista de corte à direita da vista frontal.

Você pode ler “View created and updated”na zona de mensagens .Mova a string do
texto “SECTION A/A”(selecione a string e indique uma nova localização) e
coloque abaixo da vista.
Crie a Vista Direita
Crie a vista direita do lado esquerdo da vista frontal: nós ainda estamos usando a
convenção Européia . Como a SECTION VIEW está ativa, você irá Ter que
selecionar FRONT VIEW para fazer que fique corrente.

Você pode ler “View created and uipdated”na zona de mensagens. Alinhe as vistas.

124
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificando a Vista Direita

Nesta parte do exercício você irá:


Criar um breakout na vista direita
Modificar o plano de projeção
Criar um un-cut do pistão, o eixo e o virabrequim.
Criando um Breakout na Vista Direita (1)
Aviso! Para criar esta vista você deve estar usando o modo usuário avançado. Para
acioná-lo vá em AUXVIEW2+DEFAULT e acione advanced user interface na
janela Defaults .Torne a vista direita corrente.

Agora você pode definir o corte.

125
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criar um breakout da vista direita(2)


Agora determine a localização do corte: entre o topo do eixo e a parte inferior do
cilindro.
Siga as instruções de posicionamento detalhadamente. Quando você selecionar o topo do
eixo tenha certeza que todo eixo não é iluminado.

O perfil é definido. Uma vista transparente é mostrada acima da vista frontal.


Criando um breakout da vista direita (3)
Use a vista transparente para localizar o breakout: indique um ponto acima daquela
vista e defina o segundo plano.

A vista breakout é mostrada.

126
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Modificando o plano de projeção(1)


Você modificará o plano de projeção da janela ISO.

Você pode ler “ view modifield and updated” na zona de mensagens.


Modificando o plano de projeção
Rotacione a vista criada com um ângulo de 120 o.

Você obteve um breakout numa vista isométrica .Se a vista é mostrada fora do
padrão, mova-a e coloque dentro dele.

127
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando um Uncut no pistão, no eixo e na biela(1)


Com intuito de não permitir a atualização automática que ocorre cada vez que uma
peça é selecionada você pode trocar para manual temporariamente.

Agora você pode modificar a representação de cada peça individualmente sem


atualização automática.
Criando um Uncut no pistão, no eixo e na biela(2)
Lançar um procedimento uncut.

Você inicializou o processo uncut.

128
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando um Uncut no pistão, no eixo e na biela (3)


Agora selecione os elementos que você representar na vista em un-cut

O update manual fará todas as modificações eu você realizou.


Criando um Uncut no pistão, no eixo e na biela (4)
Antes de atualizar a vista mude seu nome para ISO BREAKOUT.

A vista muda de nome. Acione autom.

129
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Movendo Patterns

Nesta parte você irá modificar patterns em cada peça montada.


Modificando Patterns no cilindro
Mudar os patterns escolhendo a hachura padrão 1-STD

Os patterns mudam no cilindro : repita as operações escolhendo 0.50+STD para o


eixo superior,0.50-STD para o eixo inferior. 2+ para a biela 2 e 2-para o
virabrequim.

130
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando uma vista explodida

Nesta parte do exercício você irá:


• Criar uma nova workarea 3D representando todas as peças em uma configuração
breakout.
• Criar vistas usando a workarea breakout
Note que a representação original da montagem é ainda salva na primeira workarea(default)
Crie uma nova workarea
Copie a workarea original com um nome diferente.

Você pode ler “ workarea copied” na zona e mensagens.

131
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando uma nova workarea(2)


Agora aplique a nova workarea criada.

Você pode ler “ workarea applied” e “ workarea :exploded_engine” na zona de


mensagens.
Modificando a geometria do sólido (1)
Agora você irá mover todas as peças da montagem na janela 3D. Comece movendo
o cilindro em Y, 300 milímetros.

Repita a operação para as outras peças.Mova o pistão em Y=175 , o pistonbolt


Y=100, a biela Y=50 , o virabrequim rside Z=-50, o rolamento rside Z=-150 , o virabrequin
Iside Z=50, o rolamento Isede Z=150. Então mude para o modo de pintura (shading)

132
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Criando uma vista explodida


Criar uma vista explodida nomeando-a “ a vista explodida”

Você pode ler “ view created” na zona de mensagens. Coloque todos eixos em Noshow.
Gerenciando a representação de fillet
Você pode ver o fillet na parte superior do cilindro não se mostra claramente. Para
melhorar a visualização siga o procedimento abaixo:

A opção é ativada,mas você deve atualizar a vista.


Você completou o exercício. Salve seu modelo.

133
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Conclusão

Neste exercício você aprendeu a :


• Trabalhar num ambiente session. Isto é usado para montagens e desenhos de
instalação aonde as diferentes peças estão em modelos separados.
• Para criar vistas explodidas muito facilmente usando uma workarea na qual você
pode mover seus diferentes modelos sem modificar a session.
• Em vistas breakout, especificar que você não quer que seja incluído. Isto é ,muito
útil quando você quer mostrar sua peça no seu ambiente.

134
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Exercício 9 - Front end

Objetivos

Neste exercício você irá aprender como usar a integração draw/space: :

Criar um wireframe 3D a partir de elementos Draw


Criar um modelo sólido ou superfície

Funções Usadas

IMAGE - DRW SPC

Modelos Usados

DR2_FRONT END_DRW SPC


DR2_FRONT END_DRW SPC_END
DR2_FRONT END_DRW SPC
DR2_FRONT END_DRW SPC_END
DR2_FRONT END_DRW SPC
DR2_FRONT END_DRW SPC_END

Duração do Exercício

5 min.

135
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Figura 13 : Interação Completa

136
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Dividindo a tela em dois

Criando uma tela com duas janelas


IMAGE
SCREEN + DEFINE

1. Selecione a tela com duas janelas horizontais.


2. Para a primeira janela, selecione a janela D (para draw).
3. Para a segunda janela, selecione a janela XYZ.
4. Pressione YES para confirmar a criação.

Salvando a tela
IMAGE
SCREEN + STORE

Identifique a tela criada digitando um nome : DRW SPC por exemplo.

Criando um wireframe 3D dos elementos Draw

Aviso!
Verifique se você está no modo SP (botão SP/DR)

Criando o wireframe 3D usando elementos das vistas do Draw


DRW SPC
CREATE

1. Selecione um plano definido por um dos cantos da seção de corte.


2. Selecione os elementos ao longo deste plano.

¬ Como você selecionou os elementos do draw, os elementos correspondentes no


Space são mostrados

Dicas
Você pode usar as habilidades de seleção *seq ou *prf

3. Pressione YES quando todos os elementos ao longo daquele plano terem sido
projetados no Space 3D.
4. Repita usando o próximo plano.

137
DRAFTING – EXERCÍCIOS

Completando o wireframe 3D pela seleção de outros planos e


projetando elementos ao longo daqueles planos.

Agora que todos elementos wireframe foram criados, você pode gerar sólidos ou
superfícies definindo uma peça 3D.

Metodologia
Quando você está criando seus sólidos ou superfícies, você pode usar linhas do draw como se elas
fossem os planos limites da peça, e pontos do draw ao invés de selecionar linhas de direção no
space.

Aviso!
Não se esqueça de salvar o modelo.

138