1.

Introdução

Sabe-se que a probabilidade de um adulto se tornar fisicamente ativo vem de hábitos adotados durante o desenvolvimento da infância e adolescência. Importantes estudos revelam que uma vida ativa na adolescência diminui a predisposição deste adolescente se tornar um adulto sedentário. Porém autores afirmam que o nível de atividade física diminui com a idade, principalmente em fases de transição no desenvolvimento, como a adolescência. (GUEDES et al, 2001; DE BEM, 2003). Por esse motivo o estilo de vida do adolescente vem ganhando repercussão. Há um notável interesse em se pesquisar e conhecer como o adolescente está “levando a vida”, principalmente numa sociedade moderna que empurra os jovens para um lazer sedentário e cercado de fatores de risco. A escola vem sendo vista como única oportunidade viável dos jovens realizarem atividades que exijam esforços físicos com algum significado, e que informe-os sobre a importância de conhecer os componentes que influenciam no seu estilo de vida e como ministrá-los de forma saudável. Sendo a educação física na escola um dos ambientes ideais para proporcionar a aprendizagem de bons hábitos, é a disciplina mais apropriada para repassar aos jovens atitudes positivas e o principal meio de compreenderem o porquê da necessidade de se aprender a cultura do corpo. As aulas podem e devem ser a base de formação sobre os cuidados com o corpo e com a saúde, através de informação e da prática proporcionada de forma direcionada e bem orientada. A preocupação em se trabalhar este assuntos com os adolescentes vem da idéia de que, após encerrarem o ensino médio, estes jovens não terão oportunidade de participar de atividades físicas sistematizadas proporcionadas pelas aulas de educação física, agravando o fato de não compreenderem a importância de um estilo de vida ativo. É importante que os jovens saiam do sistema escolar levando consigo um conceito formado de saúde e de qualidade de vida, possuindo subsídios adequados para suas futuras escolhas e para que, a partir do momento que não freqüentarem mais o ensino escolar, sejam firmes e responsáveis nas suas atitudes para a aquisição de um estilo de vida saudável e uma melhor qualidade de vida. Diante do assunto proposto, apresenta-se a seguinte questão de pesquisa: Qual o conceito e as perspectivas de Qualidade de Vida dos alunos da 3ª série do ensino médio do período noturno de uma escola de Jaguaruna em Santa Catarina? 2.   Objetivos Identificar o conceito e as perspectivas de Qualidade de Vida dos alunos da 3ª série do ensino médio da Escola de Educação Básica Marechal Luz, em Jaguaruna SC. Identificar os comportamentos sobre hábitos de nutrição, atividade física, comportamento preventivo, relacionamento e controle de estresse do estilo de vida individual dos adolescentes; Verificar o perfil de estilo de vida por sexo; Relacionar o estilo de vida entre meninos e meninas; Verificar a opinião dos alunos sobre qualidade de vida;

  

p. E ainda afirma que existem cinco componentes principais no estilo de vida. mas num sentido amplo a expressão QV refere-se a um indivíduo saudável. 2004 apud Ghorayeb. transporte. 2004).” (WHO. Revisão de literatura Qualidade de vida Quando a expressão qualidade de vida (QV) vem a nossa mente. podendo ser feitas em segundos. a maioria das pessoas não se engaja em uma atividade física nas horas livres. Pessoas que não se exercitam regularmente apresentam risco maior de desenvolver doenças crônicas”. 2003. interligado ao seu grau de satisfação com a vida nos múltiplos aspectos que a integram: moradia. 1994 apud ROEDER. “A inatividade física levou ao aumento de doenças crônicas. Vivemos num contexto atual onde estamos cada vez mais substituindo nossa atividade física em relação ao trabalho.  3. cinética: movimento) como obesidade. Com a chegada da tecnologia estamos diminuindo nosso tempo de trabalho e aumentando a nossa produção. (SILVA. enfraquecimento e lesão muscular. autonomia. alimentação. . Verificar os fatores que contribuem nas aulas de educação física para obtenção de qualidade de vida. Atividades da vida diária como limpar a casa. Infelizmente esta não é a realidade. controle de estresse. lazer. mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade. 2004). conseqüentemente surgem as doenças hipocinéticas (hipo: pouco. num apertar de botão ou através de alguma outra invenção tecnológica. p. pensamos em primeiro lugar em saúde. é necessário que o indivíduo se conscientize-se dos seus benefícios. 3.1. diabete. ou seja. dores na coluna. 2003. em todas as idades: atividade física habitual. 1998 apud AÑEZ. ( ALONSO. 2004. (DE BEM. Vincula-se ao estilo de vida da pessoa. Nahas (2003) define estilo de vida como o “conjunto de ações habituais que refletem as atitudes. lavar roupa e louça e abrir a porta da garagem requerem menos tempo que o habitual.30). pessoas sedentárias. (HEYWARD.41). Moléstias comuns que ocorrem em pessoas que exercitam-se pouco ou quase nada. podendo assim provocar as mudanças necessárias. p.(Heyward. QV também significa uma preocupação em modificar hábitos cotidianos de vida à procura de um bem-estar. alimentação. A QV está diretamente ligada ao ambiente. que podem afetar a QV das pessoas. Para que se possa optar pela escolha de uma melhor QV. relacionamento e comportamentos preventivos. 2003). os valores e as oportunidades na vida das pessoas”. entre outros. A Organização Mundial de Saúde define saúde “como o completo estado de bem-estar físico.20). infarto do miocárdio. Verificar que tipo de estilo de vida os alunos planejam obter. Guiselini (1996) afirma que para maioria das pessoas o corpo permanece um desconhecido. BARROS. onde pode ser modificado ou transformado. Entende-se que com a conquista desta economia de tempo as pessoas realizariam atividades de lazer nos tempos livres. conheça seu corpo e saiba como se encontra a sua saúde. Mas o que realmente significa QV? Ainda não se estabeleceu um conceito determinado.

” (Nahas 1999. 1996). CARROLL.Por ironia. p. 1990 apud Xavier. p. 2004). De Bem (2003. correr. Pessoas que praticam exercícios físicos possuem mais disposição para a vida. beneficiam o organismo aumentando a eficiência dos pulmões e coração. A escolha de . “Além de ter se tornado um grande aliado para o combate contra doenças crônicas. SMITH. “O controle de estres Marco Freitas se é fundamental para melhoria da qualidade de vida. ajuda a dormir melhor. A conscientização do trabalho começa em entender a diferença entre atividade física e exercício físico. planejada. 2007. O estresse acumulado em nosso organismo cria um estado de agitação e desassossego interior extremamente nocivo ao bem-estar e à felicidade do indivíduo. eliminando o cansaço. subir e descer escadas. (SILVA. juntamente com ela encontram-se os fatores que auxiliam a uma vida sedentária: alimentação excessiva. reabilitar funções orgânicas. fumo e álcool. Essa enfermidade vem tornando-se uma das grandes ameaças à saúde e uma questão de saúde pública. 1997). uma das doenças crônicas que vem gerando bastante preocupação no mundo todo é a obesidade. andar de bicicleta. estando relacionado com maior imunidade e menor prevalência de doenças. melhorando a aparência física e aumentando a sensação de bem-estar.” (MATSUDO et al. dançar. desenvolver habilidades motoras ou promover um gasto energético extra para o controle do peso corporal. 2003 apud CESCHINI. (KAMEL. dá uma sensação de mais energia não só para o trabalho. 2005 apud CESCHINI. tensão emocional. A prática de uma atividade física regular proporciona a descarga destes acúmulos de tensões no organismo pelas vias normais.” (Matsudo. p. 2007. 2003. fortalecendo os músculos.” (ONISH et al. que tem por objetivo desenvolver a aptidão física. ou seja. Este fato relaciona-se diretamente aos hábitos de alimentação das pessoas. conseqüentemente melhoram sua aptidão física e mental.34). O assunto gera diversos comentários e discussões sobre o que é uma alimentação saudável. melhora a auto-imagem.22) afirma que “a prática regular de atividades físicas é uma das principais características para levar um estilo de vida saudável”. Para alguns autores os princípios de uma alimentação saudável é muito simples. (GUISELINI. reduzindo os danos do acúmulo da tensão à saúde e ao bem-estar. através da musculatura esquelética. Atividade física é “qualquer movimento ainda que rotineiro como caminhar pelas ruas.59). limpar a casa.25). na redução do risco de morte e melhoria na qualidade de vida. auxilia na realização das atividades diárias. tornando o sono mais agradável. O exercício ajuda a controlar o estresse e reduz a tendência à depressão. KAMEL. 2004 apud Ghorayeb. Podemos conhecer um pouco da importância de cada um dos cinco componentes do estilo de vida que influenciam na QV das pessoas. 1996). p. mas também para aproveitar o tempo livre. a maioria das desculpas que as pessoas encontram para não adotar hábitos saudáveis é a falta de tempo e. (Guiselini. Além de todos esses benefícios o exercício físico galhardeara auxilia um outro componente essencial à qualidade de vida: o controle de estresse. estresse. É necessário que o indivíduo descarregue suas tensões. ou seja. O essencial é comer uma variedade de alimentos na proporção certa. A primeira abordagem é sobre a atividade física habitual. movimentos relacionados à ocupação profissional. Já exercício físico “é uma forma específica de atividade física sistemática. inatividade física. E se falando de doenças.1995). movimentos rotineiros da vida diária. BARROS.

Estas alterações são chamadas de comportamento preventivo. Devemos utilizar valores muitas vezes esquecidos pela rotina. apenas ocorre um pensamento pela modificação dos comportamentos. O contato com o mundo externo é necessário. É essencial que o indivíduo valorize sua vida e busque por novas alternativas para melhorá-la. São eles: o prazer. meio ambiente. As pessoas se conscientizam da mudança quando obrigatoriamente exige-se isto delas. e também os não modificáveis como idade. 2006). porém. da socialização e da troca de experiência. cultura. estilo de vida. a alegria de viver. A necessidade de se afastar destes fatores de risco exige alterações no comportamento. 1995). Pessoas que exercitam-se regularmente. O relacionamento do indivíduo consigo mesmo. São os conhecidos fatores de risco que podem ser classificados como modificáveis: relacionados ao ambiente. KAMEL. e usá-lo a nosso favor como o otimismo. “Um programa de atividade f ísica combinado com um controle alimentar. exige . o indivíduo bem informado conhece a importância da busca de um comportamento preventivo. a satisfação pessoal e as amizades. não por sentir-se ameaçado pelas doenças. história familiar. (SILVA. CARROLL. perdão. (SANTOS. Na procura de uma mudança de comportamento o indivíduo depara-se com muitos fatores que influenciam em suas atitudes. As mudanças de hábitos não acontecem do dia para a noite.uma boa nutrição auxilia na prevenção de muitas enfermidades como doenças cardíacas e alguns tipos de câncer. alimentação. necessitamos primeiramente gostar da vida que levamos. 2006). praticam atividades de lazer e mantêm contatos sociais possuem uma auto-estima e um bem-estar psicológico positivo. quando o organismo dá sinais de distúrbio. o comportamento preventivo exige tomada de posição e ação. É necessário mantermos um equilíbrio e uma harmonia em nossos relacionamentos. Analisando a realidade. SMITH. indo em busca de atividades que nos tragam prazer e alegria. 2003. é o caminho para um envelhecimento saudável e feliz”. O nível de satisfação com a vida pode ser comparado com estes fatores através da auto-estima das pessoas. 2003). Através da relação atividade física e nutrição é possível estabelecer hábitos essenciais a mudanças na QV e aumentar a perspectiva de longevidade. sem exageros e radicalismo. com as pessoas e a natureza a sua volta é responsável por um bem-estar espiritual essencial à QV. A ação destas decisões. eles trazem benefícios pessoais e sociais através da convivência. infelizmente. Mas para desejarmos uma maior longevidade.23). 1997). escutar uma música ou simplesmente dar uma pequena relaxada. seja para apreciar uma paisagem. 1996. atividade física habitual. sexo. (GUISELINI. São fatores importantes que merecem uma atenção especial. VENÂNCIO. as relações interpessoais auxiliam na busca de novas amizades e de um relacionamento social ativo. 1997). Segundo o autor Pender (1975 apud XAVIER. Comportamento preventivo é uma série de ações que dependem de hábitos de vida. (XAVIER. Os relacionamentos na vida das pessoas são muito importantes. consumo de álcool e tabaco. é recomendado que reservemos cinco minutos para darmos uma atenção a nós mesmos. tolerância e aproveitá-lo para o nosso bem. peso corporal. (NAHAS. A informação é um ponto importante para a tomada de posição. p. Se não estamos felizes com ela para que vamos querer uma vida longa? Em busca de satisfação nos deparamos com os fatores que influenciam e antecedem a preocupação com a longevidade. (KAMEL. bom-humor. mas para prevenir estas enfermidades.

de relacionamentos e comportamentos preventivos. aprende a contestar. e para isso é fundamental o interesse e vontade de adquirir uma saúde plena. Nesta fase as amizades têm um alto grau de importância. (DE GÁSPARI. A mudança de comportamento é um processo lento. a amizade. aos 14 anos eles ficam mais altos. SCHWARTZ. RODRIGUES. pesam mais e a voz engrossa. que exige tanto informação. não deixar que a rotina os encaminhe para uma vida sedentária. do controle de estresse. Que saiba tirar os aspectos positivos da vida diária e usar o tempo a seu favor. Com a adoção da prática de atividade física regular.um tempo maior de adaptação e relaciona-se diretamente ao tipo de cultura que se leva. por volta dos 17 anos os órgãos genitais ganham configuração adulta. em vez de apenas aceitar. entre os 15 e 16 anos o ritmo de crescimento desacelera e atinge o pico. Aristóteles afirmava algumas características que. Assim. o companheirismo e a veemência com que reagem aos conflitos. o qual determinamos e escolhemos. fisiológicas. O adolescente cresce e ao mesmo tempo amadurece. estatura e o peso aumentam. o grupo exerce extrema influência no relacionamento do adolescente com o mundo. 1995. serem reforçadas na escola e mantidas pela sociedade através dos meios de comunicação. quanto uma formação de cultura. caracterizando seu jeito de ver e pensar . nos 17 o volume de gordura ao redor do quadril e na parte superior da coxa aumenta e os ciclos menstruais já se regularizaram. EVANGELISTA. fica provado que é possível conquistarmos uma melhor qualidade de vida. mas coletiva também. 3. psicológicas e sociais. A adolescência é a fase de transição entre a infância e a fase adulta. É essencial que o indivíduo coloque em prática o que entende sobre hábitos saudáveis. É necessário que se realize não apenas uma abordagem individual. surge o botão mamário. dos 12 aos 14 anos a maioria das meninas já menstrua. Porém. mesmo em tempos modernos. esta é a principal característica desta fase. SMITH. (XAVIER. 1997. ainda persistem como: a valorização dos aspectos da convivência grupal. Nos meninos as primeiras manifestações ocorrem por volta dos 10 a 12 anos com o aparecimento dos pêlos pubianos e aumento dos testículos. p.1 O adolescente Conceito e características do adolescente A palavra adolescente no latim significa crescer. EVANGELISTA. 3. nas meninas o primeiro sinal da puberdade aparece por volta dos 10 aos 12 anos. de uma alimentação balanceada. GIOIA. é quando se deixa de ser criança para entrar no mundo do adulto. É um período de ganho. estes conceitos não devem ser apenas avistados. atingem o pico de crescimento e a voz fica firme. Neste período ocorrem várias mudanças físicas. 1984). mas como um alicerce para a construção de um bem-estar. A qualidade de vida está interligada ao estilo de vida. GIOIA.50).2. RODRIGUES. protestar e argumentar. para que o conhecimento não fique apenas como informação. as campanhas contra hábitos de vida nocivos à saúde devem começar na família. 1984). Desde a antigüidade as características dos adolescentes já vêm sendo estudadas. se desenvolve fisicamente e intelectualmente. o termo crescer dá o sentido de modificação.2. (CARROLL. 2001. As mudanças físicas são claramente percebidas. aparecem os pêlos pubianos. devem ser conquistados.

como uso de drogas. (MARQUES. como televisão e jogos eletrônicos. Na maioria dos casos quando o grupo está envolvido no uso de drogas. entre outros. Estamos substituindo nosso lazer ativo (esportes. 2000). É através dos amigos que os jovens conversam. Muitos já vivem a rotina de um adulto. 2003). objetivos e busca viver com intensidade os dias. metas. Outra realidade do adolescente é seu dia-a-dia. os adolescentes passam a imitar seus amigos e revelam comportamentos estereotipados. sendo representado por ritmos altos e baixos de constantes mudanças. mental e social não segue uma mesma linha. A adolescência é caracterizada como uma fase de pico na saúde. Durante esta fase o adolescente se vê como um adulto. diminuindo a necessidade de exercitarmos regularmente nosso organismo. a maioria dos jovens que trabalha não dedica tempo para atividades físicas. trocam informações. dança. pressiona seus integrantes a experimentá-la também. violência. Neste período eles sentemse mais ativos e bem dispostos. 3. muitos hábitos negativos e prejudiciais à saúde são estabelecidos nesta fase. (Figueira Junior et al 2000 apud De Bem. São anos difíceis caracterizados por constantes modificações internas e externas. encontram liberdade para falar de assuntos que não possuem espaço no ambiente familiar. O que antes era feito ativamente agora contribui para um futuro sedentarismo. momentos depois se sentem infelizes e angustiados. televisão.2 Estilo de vida do adolescente O adolescente possui uma visão positiva do mundo. se auto-afirmando de acordo com a visão que as pessoas possuem a seu respeito e mediante a dúvidas e incertezas define sua personalidade. (Nahas. quer ter sua própria vida e ter controle sobre si. Pais e educadores têm função essencial neste papel. “Embora a adolescência seja a fase de apogeu da saúde. possui sonhos. o fator psicológico e social é bastante evidenciado neste período. Um outro fato grave e freqüente entre os adolescentes é quanto ao uso de drogas. CRUZ. deve-se respeitar a . Neste momento é primordial o diálogo. representando possuir uma reduzida qualidade de vida. É importante que se compreenda que o processo de crescimento e desenvolvimento do adolescente nos diferentes aspectos físico.2. o jovem une-se a grupos que possuem as mesmas características. telefone. fumo e alcoolismo. com momentos de emoções contraditórias. 2003). Este fato agrava o problema da inatividade física dos adolescentes.sobre ele. a maioria concilia o estudo com o trabalho dividindo as tarefas escolares com o emprego. podendo permanecer ao longo da vida”. Contudo esta visão positiva leva às atitudes negativas. ao mesmo tempo em que se sentem eufóricos e fortes. O constante convívio acaba virando hábito. etc) onde acessam informação e entretenimento de forma rápida e fácil. Por manterem uma rotina semanal cheia. Muitos jovens adotam este comportamento como um meio de viver intensamente a vida e superar seus limites. tiram dúvidas. com isso se afasta da família e inclui-se em grupos onde tenta buscar sua própria identidade. Neste período a imitação é acentuada. A inatividade física é uma delas. É o que tratamos de comportamentos de risco. Na nossa sociedade atual a maioria dos jovens desfruta de opções tecnológicas (computador. caminhadas) por um lazer passivo.

1995 apud GONÇALVES. 2004). Em resposta a este comportamento surgem agravos que em tempos passados não existiam como o estresse e as doenças cardiovasculares. porém não se preocupou em fornecer o suporte para esta mudança. A educação física (EF) passou pelas tendências higienista.3. 2003. com a chegada da era tecnológica. Estamos vivendo um momento em que a EF se caracteriza bastante com a tendência higienista que surgiu juntamente com a industrialização. O governo brasileiro simplesmente queria resolver toda situação precária da saúde brasileira com apenas o incentivo da mudança de hábitos. A Educação Física e sua contribuição para a qualidade de vida A Educação Física é uma disciplina que. festas. competitivista e psicomotricista. (NAHAS. porém.individualidade do jovem e acompanhar sua vida dando limites. Perceberemos que ela estava sempre atrelada aos interesses dos governantes daquela época. Hoje.218). pedagogicista. O padrão de vida da população em geral mudou. até o momento em que chegou às mãos de pensadores e estudiosos do assunto. estamos vivendo um período que nos condiciona a um estilo de vida cada vez menos ativo. É neste momento que o jovem utiliza os subsídios adquiridos sobre saúde para decidir o caminho correto a seguir. Naquele período houve uma grande migração da população rural para as cidades em busca de empregos e melhores condições de vida. Se folhearmos as páginas da história da educação física se conhecerá um pouco do caminho percorrido e dos papéis assumidos especificamente em cada período. militarista. 1988). um círculo de amizades que favoreça comportamentos saudáveis e a ação positiva dos professores. “A presença e o apoio constante dos pais. A semelhança que a educação física atual possui com este período da história é a preocupação com a mudança de hábitos dos indivíduos visando a saúde. o nível de conforto nos lares aumentou. Para tentar amenizar o quadro o governo brasileiro cria um projeto de saúde individual. conseqüentemente observamos as mudanças que ocorreram na vida das pessoas. visando uma sociedade saudável física e moralmente. servindo como agente de saneamento público responsabilizando-se pela saúde individual das pessoas. trânsitos e até mesmo na escola. Neste período os adolescentes possuem a sensação de que nada vai acontecer com eles. oferecendo informação e conscientizando-o dos desafios a superar. 3. p. contudo as cidades não possuíam estrutura necessária para manter toda aquela demanda de pessoas e começaram a surgir os problemas como falta de saneamento básico e a população ficou entregue às doenças. diferenciandose nas condições de vida das pessoas atualmente. . A educação física teria papel fundamental na formação de homens e mulheres sadios e fortes. decorrentes da falta de exercício físico e do sedentarismo. o povo necessitava primeiramente de assistência e condições adequadas de vida. ao longo da história passou por várias tendências. (GUEDES. Buscavam com este projeto educar o povo para a saúde. VILARTA. as famílias estão cada vez menores. Esta sensação torna-os propícios às situações de risco que estão presentes na maioria dos lugares freqüentados como: bares. representam elementos fundamentais para decisões inteligentes quanto ao uso ou não de drogas”. (Ghiraldelli JÚNIOR.

O ensino da EF é bastante complexo. aula expositiva. Deve-se ir em busca de recursos que despertem a curiosidade e o interesse do aluno pelo assunto. ele torna-se um grande aliado na escolha atual e futura de um estilo de vida mais ativo. p. A segunda aula seria a . aptidão física e saúde. necessidades e interesses em cada fase escolar dos alunos. a ênfase é o desenvolvimento motor e a iniciação esportiva. esperando todos os benefícios dele. Quando existe um programa de educação física bem estruturado e direcionado. contudo estes objetivos acabam sendo muito dispersos em cada série e não se consegue dar continuidade a eles. a partir de experiências teórico-práticas. mesmo que rejeitadas no início. 2004. Por ser considerada uma disciplina prática. A aprendizagem sobre a aptidão física deve vir seguidamente. quando seguidos de um trabalho consecutivo. O primeiro objetivo da EF na escola é promover o desenvolvimento motor dos alunos através da recreação.160). é dado pouco tempo a este objetivo. gerando um ambiente agradável e promovendo a auto-estima da criança. no ensino médio. p. “no ensino fundamental. os objetivos traçados devem seguir uma seqüência e serem progressivos.209). O ambiente proporcionado pelas aulas de EF é caracterizado por momentos de prazer e descontração para os alunos. ou é dedicado muito tempo a apenas um assunto. observando as características. slides. é composto por vários objetivos conquistados a longo e curto prazo. A maior parte da experiência adquirida sobre atividade física é na escola. 2003). Com o passar dos anos muitos adolescentes e jovens adultos não possuem a possibilidade de freqüentar as aulas de educação física nos estabelecimentos escolares e quando o conseguem. não conseguindo os resultados pretendidos. 2003). com os objetivos para cada idade. por dois motivos: ou. para que possam manter-se entusiasmados e interessados pelas aulas. ocorre muitos protestos por parte dos alunos quando o professor decide implantar um assunto teórico na aula. Segundo Nahas (2003.” A EF na escola deve visar a formação de um indivíduo saudável para a sociedade. “Os currículos da Educação Física devem enfatizar o desenvolvimento de atividades motoras e a promoção de atividades físicas relacionadas à saúde”. A prova disto é uma organização semestral que tem funcionado para a primeira série do ensino médio. ela deve ser relacionada à saúde desenvolvendo um conhecimento mais amplo. Porém é necessário enfatizar o verdadeiro papel desta disciplina na escola. que não é meramente atividades recreativas ou esportivas. (NAHAS. durante a adolescência e ao longo da vida. (NAHAS. e fazer os alunos compreenderem a complexidade e a importância dela. através de palestra. retendo pouca informação de como orientar-se para uma vida mais ativa e saudável. unindo prática com teoria. Para isto deve provocar mudanças nos métodos de ministrar as aulas. É importante que o professor saiba selecionar e aplicar este assunto. a ênfase deve ser dada aos conceitos e experiências sobre atividade física. nos programas tradicionais não possuem o tempo necessário e desejado para serem ativos. (GONÇALVES. Para isto é necessário uma organização do currículo da EF. Para fundamentar este fato é constatado que a atividade física habitual tende a diminuir com a idade.Pesquisas informam que aproximadamente 60% dos adultos em países desenvolvidos e no Brasil não praticam atividades físicas regulares que possam promover a saúde. a mudança de comportamento nos jovens alunos. que possa influenciar. VILARTA. Os conteúdos devem seguir uma seqüência lógica para que os alunos sintam o retorno do que é transmitido. adaptado a três aulas de EF. A primeira aula seria destinada a uma introdução teórica do programa.

O esporte muitas vezes é visto como o viés do trabalho da EF na escola e na maioria das vezes é trabalhado de maneira competitiva. por atestados ou outro documento que justifique a sua ausência. esta pesquisa se classifica como descritiva. Podendo ser optativo nos cursos noturnos perde-se uma das grandes chances dos alunos poderem se exercitar e diminuir o quadro de inatividade que a maioria dos jovens que estudam nas escolas públicas noturnas possui.discussão do assunto e atividades de aplicação. A própria legislação que rege a educação abre caminho para este fato.1. 4.394/96 comenta no art. 2003). (NAHAS. onde conseguiriam provar na prática o que foi aprendido na teoria. 1996) que “A Educação Física integrada a proposta pedagógica da escola é componente curricular da educação básica. atitudes e crenças. E a última aula seria a parte prática do assunto. A classificação adotada nesta pesquisa leva em consideração três critérios: o do nível. O principal é fazer do trabalho da EF um momento de experiência produtiva. de saber o porquê do que está aprendendo e para que servirá.1. A EF serve como o ambiente ideal para reunir informações que contribuem para o acesso de comportamentos saudáveis. A partir do momento que os alunos internalizam a importância de hábitos saudáveis para sua vida. 4. já que se torna fato freqüente muitos jovens solicitarem dispensa das aulas. Metodologia Tipo de pesquisa O tipo de pesquisa só pode ser classificado após o estabelecimento de um critério (HEERDT. A pesquisa descritiva possui como objetivo primordial a descrição das características de uma determinada população. abandonando uma das formas mais acessíveis de se praticar atividades físicas regulares: as aulas de EF. (GIL. os alunos terão uma visão mais clara da busca por melhores condições de saúde e bem-estar para sua vida. ajustando-se as faixas etárias e as condições da população escolar. o dos procedimentos e o da abordagem. além de favorecer e enriquecer o currículo da EF e mudar uma realidade encontrada em muitas aulas: a ênfase ao esporte formal. Quando se sentem reprimidos os alunos menos habilidosos criam um sentimento de insatisfação e perdem toda motivação e interesse pela aula. Deve-se buscar outros meios de despertar a importância e a curiosidade dos alunos para os assuntos relacionados à aptidão física. 26 § 3º (MEC. LEONEL.1. 2004). a Lei de Diretrizes e Bases 9. Esse tipo de situação agrava um problema que vem crescendo bastante nas aulas: a evasão dos alunos. Classificação quanto ao nível da pesquisa Quanto ao nível adotado. 4. formando atitudes que devam ser mantidas até um envelhecimento saudável. onde se enaltece os vitoriosos e se excluem os derrotados. sendo facultativa nos cursos noturnos”. Verificou-se a necessidade de ir em busca de um estudo que revelasse a realidade sobre a visão dos adolescentes sobre qualidade de vida no . a EF terá executado um grande papel que é promover a obtenção de atividade física habitual mesmo após encerrarem os anos escolares. Este caso deve ser evitado. 2002). A partir de conceitos compreendidos e formados. conquistando um importante objetivo que é fazer o adolescente construir sua vida buscando uma qualidade de vida que atenda as suas necessidades. servindo para proporcionar uma nova visão do problema. se estendendo aos levantamentos de opiniões.Brasil.

por meio de um questionário.ambiente escolar. localizada no município de Jaguaruna. Das 20 questões incluídas no questionário 15 pertencia ao Pentáculo do Bem Estar elaborado por Nahas. Barrros. 4..1. comportamento preventivo. 4. Amostra A amostra foi compreendida por 33 alunos da 3ª série 03 do Ensino Médio da Escola de Educação Básica Marechal Luz. 4. Após foi realizado o primeiro contato com os pesquisados para a entrega do termo de consentimento. Francaccali (2001) que visa analisar o estilo de vida individual de indivíduos ou grupo. De acordo com os autores. são considerados aspectos positivos do estilo de vida. Neste termo havia a descrição do objetivo da pesquisa. esclarecimentos sobre a pesquisa e autorização para a divulgação da mesma. os componentes analisados foram: nutrição.2.. (GIL. conforme apêndice B. gerando medidas precisas e confiáveis. SC. a partir deste tipo de estudo é possível analisar quais características compõem o grupo e identificar suas opiniões. O questionário era composto por 20 questões. 4. que se caracteriza pelo estudo de um único grupo cujo comportamento se deseja conhecer. Instrumentos utilizados para a coleta de dados A coleta de dados foi desenvolvida através de um questionário a ser aplicado com os estudantes.3 Classificação quanto à abordagem da pesquisa A pesquisa se classifica como quantitativa. A pesquisa quantitativa é especialmente projetada para descobrir quantas pessoas de uma determinada população compartilham uma característica ou um grupo de características. esta pesquisa entrevistou. Através da escolha de um único grupo. com informações sobre o questionário que seria aplicado. Os alunos foram selecionados por freqüentarem o período noturno e tinham a idade entre 16 a 18 anos. Procedimentos utilizados na coleta de dados O primeiro passo para a realização da pesquisa foi o envio de uma carta de apresentação ao diretor da escola conforme apêndice A. e os valores iguais ou superiores a 2. além do conceito de QV. (SAIBA. . referentes ao estilo de vida individual e as perspectivas de qualidade de vida dos mesmos. os estudantes de uma escola pública para obter informações sobre o seu estilo de vida e as perspectivas de qualidade de vida (QV). influência da educação física na QV e o futuro estilo de vida na visão dos estudantes. atividade física. 2002). pois os dados coletados com a entrevista dos alunos foram analisados estatisticamente. controle do estresse. Foi utilizado o mesmo procedimento para classificar os aspectos referentes ao estilo de vida dos alunos. 2006).3.2 Classificação quanto ao procedimento utilizado na coleta de dados Para a coleta de dados foi utilizada a pesquisa de campo.. os valores inferiores a 2 nas respostas são considerados como aspectos negativos do estilo de vida. 4.1. informando o objetivo da pesquisa e solicitando autorização para aplicar um questionário com os estudantes da 3ª série do Ensino Médio.4.

que procuram o período noturno para continuar os estudos e conciliá-lo com o trabalho. A amostra de acordo com gênero demonstrou maior predominância do sexo feminino e o grupo etário maior foi o da faixa etária de 17 anos. SC – 2007-B Com esta figura podemos constatar que a maioria dos pesquisados são do sexo feminino representando 64 % da pesquisa contra 36% do sexo masculino. A entrevista foi realizada na própria sala de aula. Os resultados apresentados nos gráficos 1 e 2 são referentes à distribuição da amostra em relação a gênero e idade. . revelando a presença feminina nos cursos noturnos. Resultados e discussões Os resultados e discussões se referem às informações coletadas. SC. outubro de 2007. Um dos motivos pode ser o aumento do número de estudantes presentes no mercado de trabalho. SC. do município de Jaguaruna. da Unisul de Tubarão. A diferença é considerável. Gráfico 1. através do questionário aplicado com os alunos da 3ª série 03 da Escola de Educação Básica Marechal Luz. Valores de porcentagem (%) segundo a distribuição por gênero dos estudantes da 3ª série do Ensino Médio da Escola de Educação Básica Marechal Luz de Jaguaruna. 5.No dia da pesquisa foram recolhidos os termos de consentimento respectivamente assinados. Fonte: Mayra Medeiros Porto acadêmica da 6ª fase do Curso de Educação Física – Licenciatura. o questionário foi aplicado pela acadêmica com o auxílio do professor regente.

outubro de 2007. Sendo. Resultados obtidos quanto ao perfil do estilo de vida do grupo O Pentáculo do Bem-Estar tem por objetivo analisar as características do estilo de vida individual ou de grupos. . da Unisul de Tubarão. não existe distorção série-idade. comportamento preventivo. Valores em porcentagem (%) da idade dos estudantes da 3ª série do Ensino Médio da Escola de Educação Básica Marechal Luz de Jaguaruna. demonstrando possuir maiores características negativas do que positivas quanto aos componentes abordados. de acordo com a análise dos dados correspondentes aos componentes de nutrição. basta completar a estrela de acordo com as respostas obtidas pelo preenchimento do questionário. os alunos estão matriculados na série correspondente a sua idade. nota-se que o pentáculo não está totalmente preenchido. SC – 2007-B Os resultados apresentados na figura 2 demonstram as faixas etárias dos estudantes incluídos na pesquisa. 5. Abaixo está a figura representando o estilo de vida geral dos pesquisados. Para verificar se as características do estilo de vida estão positivas ou negativas.1. quanto mais colorido melhor. Fonte: Mayra Medeiros Porto acadêmica da 6ª fase do Curso de Educação Física – Licenciatura. Com este dado podemos constatar que nesta turma. relacionamentos e controle de estresse. outros 21% possuíam 18 anos e apenas 7% apresentaram a idade de 16 anos. atividade física. O ideal é que o Pentáculo esteja preenchido completamente. SC. que segundo os autores. o estilo de vida numerado de 0 a 1 é considerado negativo e de 2 a 3 positivo.Gráfico 2. Observa-se que a maioria é composta por alunos menores de 18 anos. ou seja. No total 72% dos estudantes tinham a idade de 17 anos.

Numa visão geral. Foram revelados hábitos inadequados de nutrição. Citam como necessária para a obtenção de qualidade de vida e pretendem melhorar futuramente. Porém. comportamento preventivo e controle do estresse. atividade física. levando-se em consideração as características de seu atual estilo de vida. em seu cotidiano assumem não dar a atenção necessária aos alimentos. 6. seus hábitos adotando uma alimentação balanceada. . da Unisul de Tubarão. os alunos revelam conhecer a importância de uma boa alimentação para a saúde. os comportamentos nutricionais femininos se sobressaíram em relação aos do sexo masculino. os aspectos gerais foram identificados como negativos indicando pouca preferência por alimentos saudáveis como frutas e verduras e uma maior procura por produtos industrializados. Quanto à nutrição.Figura 1. demonstrando que as meninas são um pouco mais cuidadosas no estabelecimento de sua alimentação. contudo os relacionamentos sobressaíram de modo positivo na vida dos jovens. Num olhar individual. que proporcionam uma alimentação rápida e prática. tivemos a constatação da prevalência de dados negativos em relação ao estilo de vida adotado pelos alunos. cujo objetivo é analisar o conceito e as perspectivas de qualidade de vida na visão dos alunos. Conclusão Este capítulo apresenta as conclusões sobre esta pesquisa. SC – 2007-B. comparando suas atitudes de hoje com suas previsões futuras. Pentáculo do Bem-estar Geral. Fonte: Mayra Medeiros Porto acadêmica da 6ª fase do Curso de Educação Física – Licenciatura.

Os mais comuns são o uso de drogas. tanto no estilo de vida do grupo. Em relação à conduta no trânsito. Apesar de sabermos que são estes componentes que influenciam na qualidade de vidas das pessoas. A adolescência é um período na vida em que as amizades florescem. ou seja. Em nenhuma das questões os alunos mencionaram sobre os comportamentos preventivos. Apesar de estarem em uma faixa etária onde a participação em esportes e exercícios deveria ser mais elevada. Este índice foi maior no grupo feminino. as meninas revelaram ser mais nervosas e não ter a capacidade de contornar a situação de forma tranqüila. ao motivo de que a maioria dos estudantes trabalha. porém possuem como meta acrescentar uma rotina de atividade física em seu futuro estilo de vida.A atividade física não obteve lugar de destaque. já que a prevenção é essencial na vida dos adolescentes para evitar a ocorrência de doenças seja as transmissíveis ou nãotransmissíveis. Os alunos também divulgam uma porcentagem pequena destinada à prática de atividade física no seu conceito de qualidade de vida. os jovens afirmam não possuir tempo para se dedicarem a este tipo de atividade. obteve-se um índice melhor em relação aos dados femininos. os alunos citam outros fatores que possuem condição de trazer benefícios e melhorar . Percebeu-se que o estresse não tem idade e nem gênero para iniciar. o contato em grupo é mais constante e o círculo de amizades e de outros relacionamentos aumentam. relatando características negativas em seu estilo de vida. como no individual. Este fato se deve provavelmente. foi o componente relacionamento. Esta afirmação recompensa o índice pequeno de importância da prática de atividade física no conceito dos alunos. A maioria dos jovens relatou possuir um baixo controle do estresse. nem como objetivo de adquirí-lo e praticá-lo em sua vida futura. Outro dado bastante relevante foi quanto aos resultados em que os alunos indicaram ser impacientes e usar de pouca calma nos momentos de discussões. nem como uma forma eficaz de garantir uma vida com qualidade. nem destinar o mesmo nível de tempo às atividades trabalho/lazer. os dados apontaram uma grande predominância de alunos em inatividade física em ambos os sexos. O único componente caracterizado como positivo. Porém este componente foi considerado no conceito de qualidade de vida dos alunos e em suas perspectivas de adotá-lo para obter um saudável estilo de vida. Apresentam pouco conhecimento em relação aos aspectos gerais de sua saúde como níveis de colesterol e pressão arterial. as meninas afirmam ser mais responsáveis. Um dado preocupante. consumo de álcool e tabaco e o trânsito. os alunos relatam a importância da amizade na qualidade de vida das pessoas e revelam querer conservá-las e ampliá-las em seu futuro estilo de vida. Os alunos demonstraram fazer pouco uso dos comportamentos preventivos. Os dados indicados na pesquisa demonstraram que os alunos possuem um controle do estresse negativo em relação às características gerais do grupo. Em apenas 5% das respostas os jovens afirmam que para viver uma vida saudável é necessária a prática de esportes e exercícios. Muitos são os fatores referentes aos comportamentos de risco presentes na vida dos adolescentes. Para confirmar este fato basta analisar os dados coletados nas questões que abordavam sobre qualidade de vida e o futuro estilo de vida. O fumo e o álcool estão presentes na vida dos jovens que afirmam pouca recusa quanto a seu consumo. demonstrando a consciência de se evitar o estresse para o bem-estar. não conseguem reservar momentos para o relaxamento. Como estão no auge deste comportamento.

é necessário que sejam trabalhados com os alunos temas relevantes em relação à saúde com os alunos. CARROLL. Curitiba: Posigraf. Os jovens confirmaram este fato e enumeram vários fatores que sofrem influências positivas da educação física em suas vidas. os alunos possuem a esperança de obter uma vida saudável. São Paulo. Com este pensamento a possibilidade de uma construção de um estilo de vida ativo é maior. ou seja. (SILVA. 144f. Nenhum dos fatores estabelecidos no pentáculo do bem-estar foi o escolhido como principal. pois se fossem. mas não se esforçam para colocá-los em prática. Por isso. sentir-se feliz. Porém. Mesmo com características negativas quanto a seu estilo de vida atual. Percebemos que o conceito formado por eles vem a confirmar o conceito atribuído por outros autores. pois percebeu-se que os alunos idealizam seus desejos. somente as informações fornecidas dentro da escola não são suficientes. preservar bons relacionamentos. Stephen. Tese (Doutorado em Engenharia da Produção)  Universidade Federal de Santa Catarina. 2004). possuir uma alimentação saudável. Referências  AÑEZ. Sistema de avaliação para a promoção e gestão do estilo de vida saudável e da aptidão física relacionada à saúde de policiais militares. Nível de atividade física em adolescentes de uma escola pública do distrito da Vila Nova Cachoeirinha em São Paulo – SP. incentivando-os à aplicação deste conteúdo de forma prática. 1995. podendo ser estendidas por sua vida mesmo após encerrarem os anos escolares. qualidade de vida se refere a um indivíduo saudável interligado ao seu grau de satisfação com a vida. Fábio Luis. Visualizar o que se pretende é algo muito fácil em vista das atitudes que devem ser tomadas para sua aquisição. onde possam ter a oportunidade de realizar os desejos que não conseguem atualmente. é necessário ressaltar que esta idéia não fique apenas em mente. No decorrer deste trabalho. . 2003. não haveria um índice tão grande de aspectos negativos no estilo de vida dos jovens. Guia da vida saudável.a satisfação das pessoas em relação a sua vida. É gratificante obtermos dados em que os alunos reconhecem a importância dessa disciplina dentro da escola. fato afirmado pelos alunos nas respostas. Tony. SMITH. num futuro próximo. ed. namorar. Sabe-se que eles possuem conhecimento e sabem da importância dos fatores que determinam a obtenção de um estilo de vida saudável. comentou-se sobre a ênfase em que a educação física pode fornecer na construção de um indivíduo saudável através das informações e da prática proporcionada pelas aulas de educação física escolar. Porém. 2003. dormir. 1. É necessário criar estratégias de mudanças de comportamentos destes alunos. pois mesmo possuindo uma visão positiva de um estilo de vida. CESCHINI. Para os jovens.Universidade de São Paulo. manter sempre uma auto-estima elevada. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). possuir uma família dando condições adequadas de vida como uma moradia. reservar tempo para o lazer. 2007. qualidade de vida é ter saúde. exigir seus direitos e ter sucesso na vida. Florianópolis. praticar esportes. 141 f. estar satisfeito com seu emprego. Ciro Romelio Rodriguez. 2007. as chances conquistá-la serão pequenas se mantiverem este ritmo.

controle de peso e atividade física. v. 2006. Obesidade. Motriz. v. MARQUES. dez.rs. 2003. GUEDES.html. Revista Brasileira de Psiquiatria. Ana Cecília Petta Rosellia. Cruz. Nabil. jun. Acesso em: 27 out. GUIRALDELLI JÚNIOR. SANTOS. 2004. Qualidade de vida: um programa prático para um corpo saudável.br. Markus Vinicius. Revista Brasileira Medicina do Esporte. Roberto. n. Londrina: Midiograf. Porto Alegre: Artmed. LIMA. Qualidade de vida e atividade física: explorando teoria e prática.gov. São Paulo: Gente. 2007. 11. ed. Perfil do estilo de vida relacionado á saúde dos calouros de um centro de ciências tecnológicas. Esporte e Qualidade de Vida. Disponível em: http://www. Embriaguez no trânsito é preocupante. O adolescente e o uso de drogas. HERDT. São Paulo. ed. n.com.org. KAMEL. 1996. ______ Necessidades Nutricionais do Adolescente.Universidade Federal de Santa Catarina. 2.br/003/00301009. 7. São Paulo: Atheneu. João Francisco Severo.    . José Guilherme Nogueira. Saiba mais sobre pesquisa. Revista Digital. Jossett Campagna. 1988. 22.htm DE BEM. 2001. Disponível em: http://ipas. Rio de Janeiro: Sprint. Acesso em: 06 nov. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. Mauro. Barueri. Disponível em: www.ethos.html. Educação Física Progressista: a pedagogia críticosocial dos conteúdos e a educação física brasileira.com. Florianópolis. 2002.com. Disponível em: http://www1.cetran. Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Acesso em: 06 nov. p. O exercício: preparação fisiológica. DE GÁSPARI. Acesso em: 05 nov. 1996. Adolescência. Carla Werlang. nov.efdeportes. 4. 2003. v. Mauri Luiz. 2007. Alimentação para praticantes de atividade física.br/teen/necessidades. HEYWARD. KAMEL. 2007. 2007. Alimentação do Adolescente. Acesso em: 27 out. Buenos Aires. Antonio Carlos. 2003.com/efd97/saude. n. jul. 2004. 158 f. 6.uol. GUISELINI. COELHO.113. 4. Gisele Maria. Estilo de vida e comportamentos de risco de estudantes trabalhadores do ensino médio de Santa Catarina . São Paulo. Vilson./dez./dez. 2007. Níveis de prática de atividade física habitual em adolescentes. v. Metodologia da pesquisa Palhoça: UnisulVistual. São Paulo: Loyola. 2004.asp%3FttCD_CHAVE%3D69287+morte+d e+jovesn+no+transito+por+embriaguez&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=1&gl=br. Aguinaldo. 2005.                 CETRAN-RS. Paulo. JOVENS NA REDE. EFDeportes. NAHAS. Nutrição e atividade física. SP: Manole. ETHOS – INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA. Ghorayeb.br/teen/alimentacao. http://www. Schwartz. VILARTA. Milena. Londrina. 2001. Turíbio.7. 2000. Marcelo S. 97.htm. GIL. Tese (Doudorado em Engenharia da Produção). LEONEL. GONÇALVES. Dílson. Brasília. Vivian H. Dartagnan Pinto et al. 1999. Avaliação física e prescrição de exercício: técnicas avançadas. São Paulo: Atlas. avaliação médica. MEC-BRASIL.br/cyberdiet/colunas/050523_nut_alim_ativ_fisica. 4.org. ed. aspectos especiais e preventivos. Disponível em: http://ipas. Maria Fermínia Lucthemberg.

Rudney da.uol. saúde mental e qualidade de vida. GIOIA Osman. Maika Arno.htm.1.1. Marcelo. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Roberta dos Santos. rev. São Paulo: Atheneu. Aspectos epidemiológicos e hábitos de vida das servidoras da UFSC: diagnóstico e recomendações para um programa de promoção da saúde da mulher. saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 2003. Brasília. nutrição. esporte. SILVA. Glayce Liliane Alves dos. Florianópolis. 2001. SC – Brasil. 1997.com.br/cyberdiet/colunas/030502_nut_cafemanha. Rio de Janeiro: Shape. Café da manhã: principal refeição do dia? Disponível em: http://www1. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Ipatinga. PIRES. n. 2007. 3. SILVA. Atividade Física. Florianópolis. Outros artigos em Portugués . SANTOS. Perfil do estilo de vida de acadêmicos concluintes em Educação Física do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste – MG. Movimentum Revista Digital de Educação Física. Yvon Toledo. 265 f. Londrina: Midiograf. RODRIGUES. VENÂNCIO. Hábitos de atividade física e o estresse em adolescentes de Florianópolis. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. PASTRE.Universidade Federal de Santa Catarina./dez. A educação física na busca da excelência humana e acadêmica. Edna Aparecida Goulart et al. EVANGELISTA. Giselle Noceti Ammon. jan. v. e atual. 2006 XAVIER. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). 2006. 2004./mar. ago. 2001. 2003.12. Sildemar Estevão. Adolescente. Rio de Janeiro. v. 2006. José. ed. 99 f.         ______ Atividade física. Características do estilo de vida e da qualidade de vida de professores do ensino superior público em educação física. Acesso em: 06 nov. Universidade Federal de Santa Catarina. ROEDER. Universidade Federal de Santa Catarina. 1984. Florianópolis.