Você está na página 1de 71

Centro de Educação Profissional Escola de Música de Brasília

de Educação Profissional Escola de Música de Brasília Prática em Percepção e Estruturação Musical Mz2 Profs:

Prática em Percepção e Estruturação Musical

Brasília Prática em Percepção e Estruturação Musical Mz2 Profs: Simone Lacorte e Marcos Bassul Escola de

Mz2

Profs: Simone Lacorte e Marcos Bassul

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

1

Secretaria de Educação do DF Centro de Educação Profissional Escola de Música de Brasília CEP EMB

Diretor- Gerente do CEP-EMB

Profº Dr.Carlos Galvão

Vice-diretora do CEP-EMB

ProfªLúcia Toledo

Coordenador dos Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto

Profº M. Luis Roberto Pinheiro (Chocolate)

Coordenação de Matérias Teóricas

Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte Produção de Áudio e Texto

Bassul e Profª Simone Lacorte Produção de Áudio e Texto 08/2007 Escola de Música de Brasília

08/2007

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

2

Sumário

UNIDADE I

 

4

REVISÃO: NOTAS, FIGURAS, CLAVES, ESCALA DE DÓ MAIOR

4

11

11

AAllttuurraass

4

11

22

DDuurraaççãão

o

5

11

33

AAnnáálliissee

6

UNIDADE II

 

7

INTERVALOS,ALTERAÇÕES,ENARMONIA

7

22

11--

IInntteerrvvaallooss

8

22

22--

AAlltteerraaççõõees

s

23

22

33

SSeemmiittoomm:: nnaattuurraall,, ddiiaattôônniiccoo ee ccrroommááttiiccoo

23

22

44

EEnnaarrmmoonniiaa

24

22

55

Regras básicas de grafia musical – parte IV

25

UNIDADE III

 

27

ESCALAS DIATÔNICAS MAIORES

27

3.1

Formação das Escalas Diatônicas Maiores (Estrutura e Formação)

29

33

33

Formação das escalas maiores com bemóis

33

33

44

Armadura de clave

34

3.4

Armadura de clave

35

33

55

Regras básicas de grafia musical – parte V

38

UNIDADE IV

 

44

RITMO: SÍNCOPE E CONTRATEMPO, INÍCIO E TERMINAÇÃO DE FRASE

44

4.1 - Síncope

 

45

4.2 Contratempo

48

4.3 Início e terminação de frase

49

UNIDADE V

 

51

ANDAMENTO, SINAIS DE REPETIÇÃO

51

5.1 Andamento

 

51

5.2 Sinais de repetição

52

5.3 Exercícios de revisão

53

ANEXOS

 

63

INTERVALOS APLICADOS

63

BIBLIOGRAFIA

 

70

FOLHA DE RESPOSTAS DO CD 04

ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO.

FOLHA DE RESPOSTAS DO CD 04 ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

3

UNIDADE I

Revisão: notas, figuras, claves, escala de Dó Maior

11)) EEXXEERRCCÍÍCCIIOOSS DDEE RREEVVIISSÃÃOO MMZZ11

11

11

AAllttuurraass

1- Escreva o nome das notas nas claves de sol e fá:

a a s s 1- Escreva o nome das notas nas claves de sol e fá:

2- Escreva o nome das notas na pauta dupla (claves de sol e fá):

o nome das notas na pauta dupla (claves de sol e fá): Escola de Música de
o nome das notas na pauta dupla (claves de sol e fá): Escola de Música de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

4

11

22

DDuurraaççããoo

3- Complete o que está faltando:

Figura

Nome

Pausa

Nome

1

1/2

1/8

1/32

1/64

Semibreve

Mínima

Semínima

Colcheia

Fusa

Semifusa

Pausa de Semibreve

Pausa de Semicolcheia

Pausa de Fusa

Pausa de Semifusa

4)Divida os compassos

Pausa de Fusa Pausa de Semifusa 4) Divida os compassos Escola de Música de Brasília Supervisão
Pausa de Fusa Pausa de Semifusa 4) Divida os compassos Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

5

5) Transcreva o exemplo abaixo para o compasso proposto:

5) Transcreva o exemplo abaixo para o compasso proposto: 1 1 3 3 A A n

11

33

AAnnáálliissee

6) A partir do exemplo abaixo, responda as seguintes questões:

A partir do exemplo abaixo, responda as seguintes questões: 2.1 - Qual é a escala utilizada

2.1 - Qual é a escala utilizada na peça?

2.2 - Qual é a métrica?

2.3 - Qual é unidade de tempo?

2.4 - E a unidade de compasso?

2.5 - Qual o nome da figura de maior duração utilizada na melodia?

2.6 -Qual é o nome da menor figura?

2.7 - Quais sinais de dinâmica são utilizados?

2.8. Encontre os semitons e marque na partitura com (st)

2.8. Encontre os semitons e marque na partitura com (st) Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

6

UNIDADE II

Intervalos, alterações, enarmonia

UNIDADE II Intervalos, alterações, enarmonia 1) Solfeje e tente descobrir quais são as melodias escritas abaixo:

1)

Solfeje e tente descobrir quais são as melodias escritas abaixo:

e tente descobrir quais são as melodias escritas abaixo: 2) 3) 4) Agora, veja o que

2)

e tente descobrir quais são as melodias escritas abaixo: 2) 3) 4) Agora, veja o que

3)

descobrir quais são as melodias escritas abaixo: 2) 3) 4) Agora, veja o que elas têm

4)

descobrir quais são as melodias escritas abaixo: 2) 3) 4) Agora, veja o que elas têm

Agora, veja o que elas têm em comum!!!

abaixo: 2) 3) 4) Agora, veja o que elas têm em comum!!! Escola de Música de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

7

Todas as melodias acima utilizam a escala de Dó Maior. Como você pôde observar a escala de Dó Maior possui sete notas com distâncias diferentes, representadas pelos tons(T) e semitons (ST) :

diferentes, representadas pelos tons(T) e semitons (ST) : 2 2 1 1 - - I I

22

11--

IInntteerrvvaallooss

A distância entre duas notas é chamada intervalo. Veja agora a escala sob um novo ângulo: observe que há diferentes intervalos em relação à tônica da escala (1ª nota) :

intervalos em relação à tônica da escala (1ª nota) : Os intervalos classificam-se em: a) maiores

Os intervalos classificam-se em:

a) maiores =M

b) menores = m

c) justos

d) aumentados = aum

e) diminutos

=J

= dim

Obs:

Lê-se:

2M = Segunda Maior 2m = Segunda menor 3M = Terça Maior 3m = Terça menor 4J = Quarta Justa 4 aum = Quarta aumentada 5J = Quinta Justa

Agora, toque a escala no seu instrumento e ouça atentamente os diferentes intervalos.

instrumento e ouça atentamente os diferentes intervalos. Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

8

Como vimos no nível anterior, na música ocidental, o menor intervalo entre dois sons é conhecido como semitom (st). Tom (t), então, é a soma de dois semitons.

Sendo assim, observe a distribuição de intervalos na escala maior

observe a distribuição de intervalos na escala maior Note que a partir da tônica (dó) na

Note que a partir da tônica (dó) na forma ascendente temos intervalos de 2M, 3M, 4J, 5J, 6M, 7M e 8J e descendente 2m, 3m, 4J,5J, 6m, 7m e 8J.

Agora, classifique os intervalos abaixo para fixar o que você acabou de ler:

os intervalos abaixo para fixar o que você acabou de ler: Escola de Música de Brasília
os intervalos abaixo para fixar o que você acabou de ler: Escola de Música de Brasília

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

9

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº
Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

10

Há outras possibilidades de combinações de intervalos dentro da escala de Dó Maior que não começam pela tônica:

da escala de Dó Maior que não começam pela tônica: Você deve ter percebido então que

Você deve ter percebido então que existe um padrão de distância para cada tipo de intervalo:

2m = segunda menor (1 st) 3m = terça menor (1t e 1st) 1J (0)

2m = segunda menor (1 st)

3m = terça menor (1t e 1st)

1J (0)

2M = segunda maior (1 t)

3M = terça maior (2 t)

4J = quarta justa (2 t e 1 st)

4J = quarta justa (2 t e 1 st)

4aum ou 5 dim (3t)

4aum ou 5 dim (3t)

5J = quinta justa (3t e 1 st)

5J = quinta justa (3t e 1 st)

6m = sexta menor (3t e 2 st)

7m = sétima menor (4t e 2 st)

6M = sexta maior (4t e 1 st)

7M = sétima maior (5 t e 1 st)

8J = oitava justa (5 t e 2 st)

8J = oitava justa (5 t e 2 st)

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

1- A primeira vista pode parecer difícil ou mesmo complicado ‘decorar’ a tabela acima, no entanto, fique tranqüilo, pois não é essa a nossa intenção. O que pretendemos é que você compreenda que para cada intervalo há um número ‘X’ de tons (t) e/ou semitons (st).

2- Assim, para encontrar a classificação correta de um intervalo não é aconselhável que você decore a quantidade de tons e semitons de cada intervalo e muito menos que fique contando nos dedos : DÓ- RÉ (tom), RÉ-MI (tom), MI-FÀ (st) e assim por diante. Esse processo se torna árduo, confuso e provavelmente você terá maiores dificuldades nos próximos níveis.

3- Observe alguns procedimentos abaixo, faça os exercícios e tire as dúvidas com seu professor:

faça os exercícios e tire as dúvidas com seu professor: Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

11

a) INTERVALOS a partir da tônica de uma escala dada

1) Classificação dos intervalos a partir da tônica de uma ESCALA MAIOR ASCENDENTE:

a partir da tônica de uma ESCALA MAIOR ASCENDENTE: * A partir da tônica de uma

* A partir da tônica de uma escala ascendente todos os intervalos de

2ª,3ª,6ª,7ª são Maiores e todos os intervalos de 4ª,5ª,8ª são Justos

2) Classificação dos intervalos a partir da tônica de uma ESCALA MAIOR DESCENDENTE

a partir da tônica de uma ESCALA MAIOR DESCENDENTE * A partir da tônica de uma

* A partir da tônica de uma escala descendente todos os intervalos

de 2ª,3ª,6ª,7ª são menores s e todos os intervalos de 4ª,5ª,8ª são Justos

Exercícios:

todos os intervalos de 4ª,5ª,8ª são Justos Exercícios: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos
todos os intervalos de 4ª,5ª,8ª são Justos Exercícios: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

12

b) INTERVALOS que não partem da tônica ou não têm uma escala como referência

Aqui, o primeiro passo é você ter uma boa e rápida visualização dos intervalos no pentagrama.

Os INTERVALOS ÍMPARES (3ª: 5ª, e 7ª), apesar da distância sempre coincidirão em relação a posição das notas, isto é, LINHA/LINHA ou ESPAÇO/ ESPAÇO

das notas, isto é, LINHA/LINHA ou ESPAÇO/ ESPAÇO Os INTERVALOS PARES (2ª, 6ª, e 8ª), ao

Os INTERVALOS PARES (2ª, 6ª, e 8ª), ao contrário, não coincidirão, isto é, serão sempre alternados: LINHA/ESPAÇO ou ESPAÇO/ LINHA

serão sempre alternados: LINHA/ESPAÇO ou ESPAÇO/ LINHA Você percebeu que nos dois exemplos anteriores não há

Você percebeu que nos dois exemplos anteriores não há clave? Então deve ter notado também que não temos como classificarmos os intervalos acima como maiores, menores, justos, aumentados ou diminutos, pois não sabemos o número de tons e semitons.

Agora, faça os exercícios para fixar o que você acabou de ler:

1- Escreva qual é a distância entre as notas, observe que ou é LINHA/LINHA ou ESPAÇO/ESPAÇO, isto é, ou é 3ª,5ª ou 7ª

ou ESPAÇO/ESPAÇO, isto é, ou é 3ª,5ª ou 7ª Escola de Música de Brasília Supervisão de
ou ESPAÇO/ESPAÇO, isto é, ou é 3ª,5ª ou 7ª Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

13

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº
Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

14

2- Agora, observe que os locais onde se encontram as notas não coincidem, isto é, agora ocorre LINHA/ESPAÇO ou ESPAÇO/LINHA (2ª,4ª,6ª ou 8ª). Escreva os intervalos abaixo:

(2ª,4ª,6ª ou 8ª). Escreva os intervalos abaixo: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico
(2ª,4ª,6ª ou 8ª). Escreva os intervalos abaixo: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

15

3- Escreva os intervalos abaixo. Siga a mesma orientação dos exercícios anteriores. (Ex: 1ª,2ª,3ª,4ª,5ª,6ª,7ª,8ª)

anteriores. (Ex: 1ª,2ª,3ª,4ª,5ª,6ª,7ª,8ª) Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico
anteriores. (Ex: 1ª,2ª,3ª,4ª,5ª,6ª,7ª,8ª) Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

16

4-

Agora,

não

escreva!!!

Leia

em

voz

alta

os

intervalos,

aumentando

gradativamente a velocidade. *Obs: Mesmo que seja difícil nas primeiras tentativas, não escreva, treine todo dia um pouco!

tentativas, não escreva, treine todo dia um pouco! Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos
tentativas, não escreva, treine todo dia um pouco! Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

17

5- Classifique os exercícios abaixo conforme os intervalos indicados:

os exercícios abaixo conforme os intervalos indicados: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico
os exercícios abaixo conforme os intervalos indicados: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

18

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº
Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

19

6- Classifique os intervalos abaixo. Observe que agora há uma clave determinando as alturas das notas, portanto classifique como:

1ªJ, 2ªm, 2ªM, 3ªm, 3ªM, 4ªJ, *4ªA, 5ªD, 5ªJ, 6ªm, 6ªM,7ªm,7ªM, 8ªJ. Indique com uma seta (↑↓) se o intervalo for ascendente ou descendente.

**QQUUAASSEE TTOODDOOSS OOSS IINNTTEERRVVAALLOOSS NNAATTUURRAAIISS SSÃÃOO MM((aaiioorreess)),, mm((eennoorreess)) oouu JJ((uussttooss)) EEXXCCEETTOO QQUUAANNDDOO AAPPAARREECCEERR AASS NNOOTTAASS SSii ee FFáá // FFáá ee ssii::

S S S i i e e F F á á / / F F á
S S S i i e e F F á á / / F F á
S S S i i e e F F á á / / F F á

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

20

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº
Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

21

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº
Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

22

22

22--

AAlltteerraaççõõeess

ALTERAÇÂO ou ACIDENTE: Sinal que modifica a altura da nota

ALTERAÇÂO ou ACIDENTE: Sinal que modifica a altura da nota DOBRADO SUSTENIDO: Aumenta 1 tom SUSTENIDO:

DOBRADO SUSTENIDO: Aumenta 1 tomALTERAÇÂO ou ACIDENTE: Sinal que modifica a altura da nota SUSTENIDO: Aumenta ½ tom BEQUADRO: Anula

modifica a altura da nota DOBRADO SUSTENIDO: Aumenta 1 tom SUSTENIDO: Aumenta ½ tom BEQUADRO: Anula

SUSTENIDO: Aumenta ½ tommodifica a altura da nota DOBRADO SUSTENIDO: Aumenta 1 tom BEQUADRO: Anula o acidente BEMOL: Abaixa

DOBRADO SUSTENIDO: Aumenta 1 tom SUSTENIDO: Aumenta ½ tom BEQUADRO: Anula o acidente BEMOL: Abaixa ½

BEQUADRO: Anula o acidenteDOBRADO SUSTENIDO: Aumenta 1 tom SUSTENIDO: Aumenta ½ tom BEMOL: Abaixa ½ tom DOBRADO BEMOL: Abaixa

1 tom SUSTENIDO: Aumenta ½ tom BEQUADRO: Anula o acidente BEMOL: Abaixa ½ tom DOBRADO BEMOL:

BEMOL: Abaixa ½ tom1 tom SUSTENIDO: Aumenta ½ tom BEQUADRO: Anula o acidente DOBRADO BEMOL: Abaixa 1 tom 2

½ tom BEQUADRO: Anula o acidente BEMOL: Abaixa ½ tom DOBRADO BEMOL: Abaixa 1 tom 2
½ tom BEQUADRO: Anula o acidente BEMOL: Abaixa ½ tom DOBRADO BEMOL: Abaixa 1 tom 2

DOBRADO BEMOL: Abaixa 1 tom

22 33

SSeemmiittoomm:: nnaattuurraall,, ddiiaattôônniiccoo ee ccrroommááttiiccoo

SSeemmiittoomm nnaattuurraall

SSeemmiittoomm ddiiaattôônniiccoo

e m m i i t t o o m m d d i i a
e m m i i t t o o m m d d i i a

SSeemmiittoomm ccrroommááttiiccoo

e m m i i t t o o m m c c r r o
e m m i i t t o o m m c c r r o

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

23

22

44

EEnnaarrmmoonniiaa

SISTEMA TEMPERADO:

Há alguns séculos atrás o Sistema da Musica Ocidental foi dividido,e temperado , ou seja, passou a dividir as escalas em 12 partes praticamente iguais. Observe:

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

do

do#/reb re

re#/mib mi

fa

fa#/solb sol

sol#/lab la

la#/sib si

Observe os dois teclados abaixo para compreender melhor essa divisão:

dó# ré# fá# sol# lá# dó ré mi fá sol lá si dó réb mib
dó# ré#
fá#
sol#
lá#
mi
sol
si
réb
mib
solb láb
sib
mi
sol
si

No sistema temperado, enarmonia é a substituição de uma ou mais notas que, muito embora de nomes diferente, representam os mesmos sons.

muito embora de nomes diferente, representam os mesmos sons. (* Este intervalo soa igual!) Escola de
muito embora de nomes diferente, representam os mesmos sons. (* Este intervalo soa igual!) Escola de

(* Este intervalo soa igual!)

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

24

2 2 5 5 Regras básicas de grafia musical – parte IV OS SINAIS DE

22 55

Regras básicas de grafia musical – parte IV

OS SINAIS DE ALTERAÇÃO

de grafia musical – parte IV OS SINAIS DE ALTERAÇÃO O sinal de alteração é escrito

O sinal de alteração é escrito à esquerda da nota

Certo

Errado

de alteração é escrito à esquerda da nota Certo Errado O ‘centro ’ do acidente (sustenido,

O ‘centro ’ do acidente (sustenido, bemol, bequadro, dobrado sustenido e

dobrado bemol) tem que estar paralelo à localização da nota, nem acima nem abaixo

Certo

à localização da nota, nem acima nem abaixo Certo Errado No intervalo harmônico procura-se grafar as

Errado

à localização da nota, nem acima nem abaixo Certo Errado No intervalo harmônico procura-se grafar as
à localização da nota, nem acima nem abaixo Certo Errado No intervalo harmônico procura-se grafar as

No intervalo harmônico procura-se grafar as alterações, sempre que possível, de modo que os sinais não se confundam um com o outro.

Certo

modo que os sinais não se confundam um com o outro. Certo ou Errado Para anular

ou

Errado

os sinais não se confundam um com o outro. Certo ou Errado Para anular o acidente
os sinais não se confundam um com o outro. Certo ou Errado Para anular o acidente

Para anular o acidente basta a utilização de um bequadro (mesmo que a nota seja dobrado bemol ou dobrado sustenido)

(mesmo que a nota seja dobrado bemol ou dobrado sustenido) ou Escola de Música de Brasília

ou

que a nota seja dobrado bemol ou dobrado sustenido) ou Escola de Música de Brasília Supervisão
que a nota seja dobrado bemol ou dobrado sustenido) ou Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

25

EXERCÍCIOS

1- Complete

a)

O

eleva

a nota 1 tom

b) O bemol

a nota

c) O bb

a nota

d) O

eleva

a nota 1 semitom

2- Classifique os semitons como (SN) natural, (SD) diatônico, (SC) cromático

semitons como (SN) natural, (SD) diatônico, (SC) cromático 3- Faça a enarmonia das seguintes notas: 4-

3- Faça a enarmonia das seguintes notas:

(SC) cromático 3- Faça a enarmonia das seguintes notas: 4- Faça a correspondência entre as colunas,

4- Faça a correspondência entre as colunas, conforme as notas enarmônicas correspondentes

(

) dó#

(

(

) lá#

(

(

) mib

(

(

) fá

(

(

) solb

(

)

) solbb e

)

)

)

fá#

réb

sib

ré#

e mix

mi#

e

six

e dóbb

e

fább

) ) fá# réb sib ré# e mix mi# e six e dóbb e f á

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

26

UNIDADE III

Escalas Diatônicas Maiores

Provavelmente, você deve conhecer uma grande quantidade de formas de escadas.

deve conhecer uma grande quantidade de formas de escadas. O mesmo acontece com as estruturas das
deve conhecer uma grande quantidade de formas de escadas. O mesmo acontece com as estruturas das
deve conhecer uma grande quantidade de formas de escadas. O mesmo acontece com as estruturas das
deve conhecer uma grande quantidade de formas de escadas. O mesmo acontece com as estruturas das
deve conhecer uma grande quantidade de formas de escadas. O mesmo acontece com as estruturas das

O mesmo acontece com as estruturas das escalas musicais.

Dependendo da nota que se começa uma escala há uma variação na seqüência e na distribuição de tons e semitons, consequentemente, teremos escalas com nomes e características distintas. Observe:

escalas com nomes e características distintas. Observe: Nesta etapa do nosso estudo, iremos nos deter somente

Nesta etapa do nosso estudo, iremos nos deter somente na estrutura da escala maior:

(T – T – st – T – T –T – st). Para que essa seja preservada precisaremos utilizar os sinais de alteração, vistos anteriormente.

É importante observar que, além do material básico das escalas, nas quais aparecem a distribuição de tons e semitons, há também uma hierarquia de intervalos, cuja nota de referência chama-se TÔNICA.

de intervalos, cuja nota de referência chama-se TÔNICA. Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

27

Observe a relações estabelecidas no

Sistema Harmônico Tonal

Tensão Tônica Tônica
Tensão
Tônica
Tônica

Área Tonal

HIERARQUIA DE NOTAS

Repouso

Repouso

Tônica Área Tonal HIERARQUIA DE NOTAS Repouso Repouso GRAUS: I R e p o u s

GRAUS:

I

R e p o u s o

II

III

IV

V

Te n s ã o
Te n s ã o

VI

VII

I

R e p o u s o

Johan Sebastian Bach O sistema tonal vai se definindo mais claramente no início do século

Johan Sebastian Bach

O sistema tonal vai se definindo mais claramente no início do século XVIII, quando, com a adoção do temperamento igualado, Bach escreveu o primeiro volume do Cravo bem temperado, no mesmo ano (1722) em que Rameau publica o seu Tratado de Harmonia.

bem temperado, no mesmo ano (1722) em que Rameau publica o seu Tratado de Harmonia. Capa

Capa do " Cravo bem temperado”

Tratado de Harmonia. Capa do " Cravo bem temperado” Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

28

3.1 Formação das Escalas Diatônicas Maiores (Estrutura e Formação)

das Escalas Diatônicas Maiores (Estrutura e Formação) Podemos formar escalas maiores a partir de qualquer nota,

Podemos formar escalas maiores a partir de qualquer nota, desde que a disposição de tons e semitons seja igual a escala modelo de Dó Maior:

Entretanto para que a as escala a partir de outras notas tenham a distribuição de
Entretanto para que a as escala a partir de outras notas tenham a distribuição
de tons e semitons igual a escala modelo de Dó Maior é necessário que
utilizemos as alterações ou acidentes vistos anteriormente.

EXERCÍCIOS

1- Toque no piano ou no seu instrumento outras escalas maiores a partir de notas diferentes. IMPORTANTE: Observando o som da escala modelo de Dó Maior, perceba as diferenças entre os tons e os semitons.

Maior, perceba as diferenças entre os tons e os semitons. Escola de Música de Brasília Supervisão
Maior, perceba as diferenças entre os tons e os semitons. Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

29

2- Agora, após tocar no seu instrumento escreva as demais escalas a partir das notas pedidas. Utilizando a distribuição padrão de tons e semitons da escala maior (T-T-st-T-T-T-st):

de tons e semitons da escala maior (T-T-st-T-T-T-st): Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos
de tons e semitons da escala maior (T-T-st-T-T-T-st): Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

30

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº
Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

31

33

22

FORMAÇÃO DAS ESCALAS MAIORES COM SUSTENIDOS

Observe novamente a escala de Dó Maior. Ela pode ser dividida em dois

tetracordes (Tetracorde é a sucessão de 4 notas diferentes consecutivas)

Para formar Escalas Maiores com # (sustenidos), vamos partir do 2º tetracorde de Dó Maior. O 2º tetracorde passa a ser o 1ºtetracorde da escala seguinte:

tetracorde passa a ser o 1ºtetracorde da escala seguinte: Você observou que as escalas maiores com
tetracorde passa a ser o 1ºtetracorde da escala seguinte: Você observou que as escalas maiores com
tetracorde passa a ser o 1ºtetracorde da escala seguinte: Você observou que as escalas maiores com
tetracorde passa a ser o 1ºtetracorde da escala seguinte: Você observou que as escalas maiores com

Você observou que as escalas maiores com sustenidos se sucedem por 5ª Justas ascendentes? (Veja os exemplos acima).

1- Dê os nomes das escalas na ordem em que aparecem, conforme a progressão em 5ª Justas ascendentes:

DÓM – SOLM

a progressão em 5ª Justas ascendentes: DÓM – SOLM Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

32

33

33

Formação das escalas maiores com bemóis

Para formar Escalas Maiores com b(bemois), vamos partir do 1º tetracorde de Dó Maior. O 1º tetracorde passa a ser o 2ºtetracorde da escala seguinte:

tetracorde passa a ser o 2ºtetracorde da escala seguinte: Você observou que as escalas maiores com
tetracorde passa a ser o 2ºtetracorde da escala seguinte: Você observou que as escalas maiores com
tetracorde passa a ser o 2ºtetracorde da escala seguinte: Você observou que as escalas maiores com
tetracorde passa a ser o 2ºtetracorde da escala seguinte: Você observou que as escalas maiores com

Você observou que as escalas maiores com bemóis se sucedem por 5ª Justas descendentes? (Veja os exemplos acima).

2- Dê os nomes das escalas na ordem em que aparecem, conforme a progressão em 5ª Justas ascendentes:

DÓM – FÁM

a progressão em 5ª Justas ascendentes: DÓM – FÁM Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

33

33

44

Armadura de clave

Como você percebeu nos exercícios da lição anterior,dependendo da nota que você inicia uma escala maior você necessita usar diferentes acidentes. Observe:

maior você necessita usar diferentes acidentes. Observe: Como você percebeu, cada tonalidade tem seus acidentes

Como você percebeu, cada tonalidade tem seus acidentes característicos que serão apresentados através da Armadura de Clave;

que serão apresentados através da Armadura de Clave; Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

34

3.4 Armadura de clave

Os sustenidos ou bemóis de uma escala são agrupados e colocados na pauta logo após a clave, na ordem em que surgem na formação das escalas.

ARMADURA COM SUSTENIDOS

surgem na formação das escalas. ARMADURA COM SUSTENIDOS É importante saber que o último sustenido da

É importante saber que o último sustenido da armadura é a Sensível da escala, ou seja, para se encontrar a tônica da escala conta-se uma nota depois do último sustenido, mais exatamente uma 2ª menor ascendente

último sustenido, mais exatamente uma 2ª menor ascendente último sustenido da armadura Uma 2ª m ascendente

último sustenido da armadura

Uma 2ª m ascendente de sol# é lá. Então LÁ MAIOR

ORDEM DOS SUSTENIDOS NA ARMADURA: Fá,Dó,Sol,Ré, Lá, Mi, Si

DOS SUSTENIDOS NA ARMADURA: Fá,Dó,Sol,Ré, Lá, Mi, Si Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

35

ARMADURA COM BEMÓIS

ARMADURA COM BEMÓIS Para se encontrar a tônica das escalas maiores com bemóis, eleva-se uma quinta

Para se encontrar a tônica das escalas maiores com bemóis, eleva-se uma quinta (5 notas) após o último bemol da armadura, ou, se houver, procurar o penúltimo bemol da armadura, ele representa a tônica da escala.

bemol da armadura, ele representa a tônica da escala. 5ª justa após o último bemol Penúltimo

5ª justa após o último bemol

bemol da armadura, ele representa a tônica da escala. 5ª justa após o último bemol Penúltimo

Penúltimo bemol é a tonalidade

bemol da armadura, ele representa a tônica da escala. 5ª justa após o último bemol Penúltimo

ORDEM DOS BEMÓIS (inverso dos sustenidos) : Si,Mi, Lá,Ré,Sol,Dó,Fá

(inverso dos sustenidos) : Si,Mi, Lá,Ré,Sol,Dó,Fá Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

36

COMO VOCÊ PERCEBEU, CADA TONALIDADE TEM SEUS ACIDENTES CARACTERÍSTICOS QUE SERÃO APRESENTADOS ATRAVÉS DA ARMADURA DE CLAVE. OBSERVE QUE AS NOTAS DA ARMADURA OCORREM EM CICLOS DE

5ªJUSTAS.

QUE AS NOTAS DA ARMADURA OCORREM EM CICLOS DE 5ªJUSTAS. ↓5ª Justa ↑ DÓ M –
↓5ª Justa ↑
↓5ª Justa ↑
DA ARMADURA OCORREM EM CICLOS DE 5ªJUSTAS. ↓5ª Justa ↑ DÓ M – SOL M –
DA ARMADURA OCORREM EM CICLOS DE 5ªJUSTAS. ↓5ª Justa ↑ DÓ M – SOL M –

DÓ M – SOL M – RÉ M – LÁM – MI M – SI M - FÁ#M – DÓ#M

0 1#

2#

3#

4#

5#

6#

7#

DÓ M –

FÁ M – SIb M – MIbM –LÁb M– RÉb M- SOLbM – DÓbM

0 1b

2b

3b

4b

5b

6b

7b

–LÁb M– RÉb M- SOLbM – DÓbM 0 1b 2b 3b 4b 5b 6b 7b Escola

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

37

33 55

Regras básicas de grafia musical – parte V

EFEITO DOS ACIDENTES

básicas de grafia musical – parte V EFEITO DOS ACIDENTES Os acidentes podem ser divididos em

Os acidentes podem ser divididos em :

- fixos

- ocorrentes

- de precaução

ser divididos em : - fixos - ocorrentes - de precaução Acidente fixo ou tonal –

Acidente fixo ou tonal – seu efeito estende-se sobre todas as notas de mesmo nome, durante todo o trecho. – seu efeito estende-se sobre todas as notas de mesmo nome, durante todo o trecho. – armadura de clave.

de mesmo nome, durante todo o trecho. – armadura de clave. OBS: A armadura assim como

OBS: A armadura assim como a clave se repete no início de cada pentagrama

Acidente Ocorrente – coloca-se à esquerda da figura e altera todas as notas de mesmo nome e de mesma altura que surgirem depois da alteração até o final do compasso em que se encontra.

da alteração até o final do compasso em que se encontra. Obs: Se houver uma nota
da alteração até o final do compasso em que se encontra. Obs: Se houver uma nota
da alteração até o final do compasso em que se encontra. Obs: Se houver uma nota

Obs: Se houver uma nota alterada com acidente ocorrente, esse não valerá para nota de mesmo nome em outra oitava.

esse não valerá para nota de mesmo nome em outra oitava. Escola de Música de Brasília
esse não valerá para nota de mesmo nome em outra oitava. Escola de Música de Brasília

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

38

Acidente de precaução ( ou acidente de prevenção) – é um sinal gráfico para ‘lembrar’

Acidente de precaução

( ou acidente de prevenção) – é um sinal gráfico

para ‘lembrar’ o músico durante a leitura corrente de um trecho musical.

o músico durante a leitura corrente de um trecho musical. A ligadura prolonga o efeito do

A ligadura prolonga o efeito do acidente, não precisando repeti-lo no outro compasso.o músico durante a leitura corrente de um trecho musical. A ARMADURA DE CLAVE A armadura

do acidente, não precisando repeti-lo no outro compasso. A ARMADURA DE CLAVE A armadura é escrita

A ARMADURA DE CLAVE

A armadura é escrita a direita da clave e antes da unidade métrica

A armadura é escrita a direita da clave e antes da unidade métrica

Certo

Errado

direita da clave e antes da unidade métrica Certo Errado A armadura de clave obedece à
direita da clave e antes da unidade métrica Certo Errado A armadura de clave obedece à
A armadura de clave obedece à ordem em que se sucedem os sustenidos e

A armadura de clave obedece à ordem em que se sucedem os sustenidos e

bemóis:

obedece à ordem em que se sucedem os sustenidos e bemóis: (sobem de 5 em 5
obedece à ordem em que se sucedem os sustenidos e bemóis: (sobem de 5 em 5

(sobem de 5 em 5 a partir de fá)

fá, dó, sol, ré, lá, mi, sios sustenidos e bemóis: (sobem de 5 em 5 a partir de fá) (sobem de 4

(sobem de 4 em 4 a partir de si)

si, mi, lá, ré, sol, dó, fádó, sol, ré, lá, mi, si (sobem de 4 em 4 a partir de si) Escola

de 4 em 4 a partir de si) si, mi, lá, ré, sol, dó, fá Escola

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

39

A armadura se repete no início de cada pentagrama. EXERCÍCIOS 1- Escreva as tonalidades maiores

A armadura se repete no início de cada pentagrama.

A armadura se repete no início de cada pentagrama. EXERCÍCIOS 1- Escreva as tonalidades maiores referentes

EXERCÍCIOS

1- Escreva as tonalidades maiores referentes às armaduras abaixo:

as tonalidades maiores referentes às armaduras abaixo: 2- Escreva a armadura de clave das seguintes tonalidades
as tonalidades maiores referentes às armaduras abaixo: 2- Escreva a armadura de clave das seguintes tonalidades

2- Escreva a armadura de clave das seguintes tonalidades maiores:

a armadura de clave das seguintes tonalidades maiores: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos
a armadura de clave das seguintes tonalidades maiores: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos
a armadura de clave das seguintes tonalidades maiores: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

40

3- Copie a ordem dos sustenidos e a ordem dos bemóis nas claves de sol

ordem dos sustenidos e a ordem dos bemóis nas claves de sol 4- Copie a ordem

4- Copie a ordem dos sustenidos e a ordem dos bemóis nas claves de fá

ordem dos sustenidos e a ordem dos bemóis nas claves de fá 5- Identifique a tonalidade

5- Identifique a tonalidade nos trechos musicais abaixo:

TOM:

Identifique a tonalidade nos trechos musicais abaixo: TOM: TOM: TOM: TOM: Escola de Música de Brasília

TOM:

a tonalidade nos trechos musicais abaixo: TOM: TOM: TOM: TOM: Escola de Música de Brasília Supervisão

TOM:

a tonalidade nos trechos musicais abaixo: TOM: TOM: TOM: TOM: Escola de Música de Brasília Supervisão

TOM:

tonalidade nos trechos musicais abaixo: TOM: TOM: TOM: TOM: Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

41

TOM: TOM: TOM: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil

TOM:

TOM: TOM: TOM: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e

TOM:

TOM: TOM: TOM: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e

TOM:

TOM: TOM: TOM: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e
TOM: TOM: TOM: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

42

6- Agora, complete (sem olhar anteriormente!) os quadros abaixo

ESCALAS COM SUSTENIDOS

ESCALAS COM BEMÓIS

Nome da escala

nº de sustenidos

Nome da escala

nº de bemóis

DÓ M

zero #

DÓM

zero b

SOL M

1#

FÁ M

1 b

7- Construa as escalas pedidas:

SOL M 1# FÁ M 1 b 7- Construa as escalas pedidas: Escola de Música de
SOL M 1# FÁ M 1 b 7- Construa as escalas pedidas: Escola de Música de
SOL M 1# FÁ M 1 b 7- Construa as escalas pedidas: Escola de Música de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

43

UNIDADE IV

Ritmo: síncope e contratempo, início e terminação de frase

síncope e contratempo, início e terminação de frase O CHORINHO é um gênero criado a partir

O CHORINHO é um gênero criado a partir da mistura de elementos das danças de salão européias ( como o schottisch, a valsa, o minueto e, especialmente, a polca) e da música popular portuguesa, com influências da música africana. De início, era apenas uma maneira mais emotiva, chorosa, de interpretar uma melodia, cujos praticantes eram chamados de chorões. Como gênero, o choro só tomou forma na primeira década do século 20, mas sua história começa em meados do século XIX, época em que as danças de salão passaram a ser importadas da Europa. A abolição do tráfico de escravos, em 1850, provocou o surgimento de uma classe média urbana (composta por pequenos comerciantes e funcionários públicos, geralmente de origem negra), segmento de público que mais se interessou por esse gênero de música. Assim como a maioria dos estilos da música popular brasileira como o samba, o maxixe, o forró, a bossa nova, o maracatu, o choro é caracterizado pelo seu “gingado” que ocorre muitas vezes pelo uso freqüente de SÍNCOPES e CONTRATEMPOS.

vezes pelo uso freqüente de SÍNCOPES e CONTRATEMPOS. Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

44

REVISANDO

Conforme visto no nível anterior, você deve lembrar que na música há diversos padrões métricos – binário, ternário e quaternário, por exemplo. Cada padrão tem suas acentuações características, observe:

padrão tem suas acentuações características, observe: ( F = Forte f f f f = fraco

(F= Forte

ffff = fraco

FFFF = meio forte)

Porém sempre é importante destacar que estas fórmulas não são fixas. O compositor, ou mesmo o estilo podem alterar a acentuação. Ex: Jazz, (quaternário, tempo forte no 2º e 4º tempo); samba (geralmente binário, tempo forte – no 2º)

4.1 - Síncope

ocorre quando uma nota executada em tempo FRACO ou parte fraca do tempo, for prolongada ao tempo FORTE, ou parte forte do tempo seguinte (BOHUMIL, 1986). Observe os exemplos abaixo:

tempo seguinte (BOHUMIL, 1986). Observe os exemplos abaixo: A SÍNCOPE produz o efeito de deslocamento das
tempo seguinte (BOHUMIL, 1986). Observe os exemplos abaixo: A SÍNCOPE produz o efeito de deslocamento das

A SÍNCOPE produz o efeito de deslocamento das acentuações naturais.

produz o efeito de deslocamento das acentuações naturais. Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

45

A SÍNCOPE não ocorre somente de tempo inteiro para tempo inteiro, isto é, do 2º tempo de um compasso binário para o 1º tempo de um outro compasso, conforme exemplo acima. Ela pode ocorrer nas subdivisões de uma mesma célula ou mesmo dentro de um único compasso observe:

mesma célula ou mesmo dentro de um único compasso observe: Ela pode ser grafada com ou

Ela pode ser grafada com ou sem ligadura (BOHUMIL, 1996).

Ela pode ser grafada com ou sem ligadura (BOHUMIL, 1996). ou RITMOS COM SÍNCOPES MAXIXE Escola

ou

Ela pode ser grafada com ou sem ligadura (BOHUMIL, 1996). ou RITMOS COM SÍNCOPES MAXIXE Escola

RITMOS COM SÍNCOPES

MAXIXE

sem ligadura (BOHUMIL, 1996). ou RITMOS COM SÍNCOPES MAXIXE Escola de Música de Brasília Supervisão de
sem ligadura (BOHUMIL, 1996). ou RITMOS COM SÍNCOPES MAXIXE Escola de Música de Brasília Supervisão de
sem ligadura (BOHUMIL, 1996). ou RITMOS COM SÍNCOPES MAXIXE Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

46

FREVO

FREVO FORRÓ BOSSA NOVA SAMBA BOLERO Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e

FORRÓ

FREVO FORRÓ BOSSA NOVA SAMBA BOLERO Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e

BOSSA NOVA

FREVO FORRÓ BOSSA NOVA SAMBA BOLERO Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e

SAMBA

FREVO FORRÓ BOSSA NOVA SAMBA BOLERO Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e

BOLERO

FREVO FORRÓ BOSSA NOVA SAMBA BOLERO Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e
FREVO FORRÓ BOSSA NOVA SAMBA BOLERO Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

47

4.2 Contratempo

são notas executadas em tempo fraco ou parte fraca de tempo, sendo os tempos fortes ou partes fortes dos tempos preenchidos por pausas.

fortes ou partes fortes dos tempos preenchidos por pausas. Um exemplo típico de utilização de CONTRATEMPO

Um exemplo típico de utilização de CONTRATEMPO é o REGGAE

exemplo típico de utilização de CONTRATEMPO é o REGGAE Gênero musical nascido na Jamaica, que se

Gênero musical nascido na Jamaica, que se consolida na década de 70. Caracteriza-se pela mistura de ritmos percussivos africanos com elementos de mento, música folclórica jamaicana, calipso e ska, que conferem ao estilo um ritmo dançante. Os principais instrumentos que marcam o reggae são a bateria; a guitarra, que faz o CONTRATEMPO, às vezes acompanhada da caixa de bateria e percussão; e o contrabaixo, cuja sonoridade é semelhante a dos tambores africanos. http://www.hpdocarlos.kit.net/reggae.htm

tambores africanos. http://www.hpdocarlos.kit.net/reggae.htm Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico
tambores africanos. http://www.hpdocarlos.kit.net/reggae.htm Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

48

4.3 Início e terminação de frase

O INÍCIO de um ritmo pode ocorrer de três formas:

O ritmo tético ( da palavra grega thesis que significa o tempo embaixo, isto é, tempo

forte)

sempre começa no primeiro tempo do compasso.

tempo forte) sempre começa no primeiro tempo do compasso. O ritmo anacrústico precedem o início do

O ritmo anacrústico precedem o início do compasso, ajustando-se (ou não ) no último compasso. Não há pausas antes de anacruse.

) no último compasso. Não há pausas antes de anacruse. No ritmo acéfalo o início do

No ritmo acéfalo o início do primeiro compasso é ocupado por uma pausa e as primeiras notas abrangem mais da metade de um compasso binário ou quaternário, ou mais de dois terços de um compasso ternário.

ou mais de dois terços de um compasso ternário. Na teoria a TERMINAÇÃO de um ritmo

Na teoria a TERMINAÇÃO de um ritmo pode ser de duas formas:

terminação masculina e terminação feminina.

Na terminação masculina o ataque final da última nota da melodia é no tempo forte do compasso (tésis)

nota da melodia é no tempo forte do compasso (tésis) Na terminação feminina o ataque final

Na terminação feminina o ataque final da última nota da termina no tempo fraco do compasso (Arsis)

última nota da termina no tempo fraco do compasso (Arsis) Escola de Música de Brasília Supervisão
última nota da termina no tempo fraco do compasso (Arsis) Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

49

EXERCÍCIOS

1- Escreva (C ) para contratempo e (S) para síncope:

1- Escreva (C ) para contratempo e (S) para síncope: A= B= C= D= E= F=

A=

B=

C=

D=

E=

F=

G=

2- Encontre os contratempos (C) e as síncopes (S)

E= F= G= 2- Encontre os contratempos (C) e as síncopes (S) 3- Identifique o início

3- Identifique o início e a terminação das frases musicais:

Identifique o início e a terminação das frases musicais: Escola de Música de Brasília Supervisão de
Identifique o início e a terminação das frases musicais: Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

50

UNIDADE V

Andamento, sinais de repetição

5.1 Andamento

É indicação da velocidade da execução de um trecho musical. É colocado no início, em termos italianos, ou sinais metronômicos, ou ambos.

em termos italianos, ou sinais metronômicos, ou ambos. O metrônomo é um aparelho que serve para
em termos italianos, ou sinais metronômicos, ou ambos. O metrônomo é um aparelho que serve para

O metrônomo é um aparelho que serve para determinar o andamento, marcando regularmente a duração dos pulsos.

Ex:

q = 100

Significa que o metrônomo vai bater 100 semínimas por minuto. Johann Nepomuk Maezel patenteou o metrônomo em 1816.(Metron = medida, nomos = lei, regra)

Os andamentos são divididos em três grupos:

Lentos (40-72)

Grave (40)

Largo (44-48)

Lento (50-54)

Adagio (54-58)

Larghetto (60-63)

Médios (72 –120)

Andante (63 – 72) Andantino (69-80) Moderato (88-92) Allegretto (104-108) Animato (120)

Rápidos (120-208)

Allegro (132)

Vivace (160)

Presto (184)

Prestísimo (208)

Termos que indicam mudança de andamento:

accel.- accelerando allarg. - allargando rall. – rallentando (afrouxando) rit. – ritardando (atrasando) meno mosso. – menos movimentado più mosso- mais movimentado a tempo – retornar ao andamento original

u coroa - fermata (nota) suspensão pausa, parada (barra de compasso)

fermata (nota) suspensão pausa, parada (barra de compasso) Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

51

Obs: Você pode encontrar outras indicações de dinâmica como: Vivo (rápido), melancólico, triste, choroso, baião, bright samba, marcha etc

Uma mudança de andamento é precedida de barra dupla de compassotriste, choroso, baião, bright samba, marcha etc Os sinais de dinâmica são escritos sob o pentagrama

Os sinais de dinâmica são escritos sob o pentagramade andamento é precedida de barra dupla de compasso Os acentos são escritos junto à cabeça

Os acentos são escritos junto à cabeça da notaOs sinais de dinâmica são escritos sob o pentagrama 5.2 Sinais de repetição Ritornello – barra

5.2 Sinais de repetição

Ritornello – barra dupla com dois pontos (sendo a segunda barra mais grossa que a primeira), indica a repetição daquele trecho musical.

a primeira), indica a repetição daquele trecho musical. Casa de 1ª e casa de 2ª Da

Casa de 1ª e casa de 2ª

daquele trecho musical. Casa de 1ª e casa de 2ª Da Capo (D.C) – indica a

Da Capo (D.C) indica a repetição da música desde o início

Fine - indica o final do trecho repetido

D.C al Fine repetir a música desde o início até onde está escrito Fine

Dal segno (D.S) ou D.

o início até onde está escrito Fine Dal segno (D.S) ou D. - mais conhecido como
o início até onde está escrito Fine Dal segno (D.S) ou D. - mais conhecido como

- mais conhecido como do “S”

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

52

5.3 Exercícios de revisão

1-Coloque o nome nas notas. Observe a clave!!

de revisão 1-Coloque o nome nas notas. Observe a clave!! Escola de Música de Brasília Supervisão
de revisão 1-Coloque o nome nas notas. Observe a clave!! Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

53

2- Transcreva o trecho abaixo para a 8ª que se pede:

2- Transcreva o trecho abaixo para a 8ª que se pede: 3- Transcreva o trecho abaixo
2- Transcreva o trecho abaixo para a 8ª que se pede: 3- Transcreva o trecho abaixo

3- Transcreva o trecho abaixo para a clave proposta

se pede: 3- Transcreva o trecho abaixo para a clave proposta Escola de Música de Brasília
se pede: 3- Transcreva o trecho abaixo para a clave proposta Escola de Música de Brasília
se pede: 3- Transcreva o trecho abaixo para a clave proposta Escola de Música de Brasília

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

54

RITMO

4-Marque o pulso métrico e divida os compassos

RITMO 4-Marque o pulso métrico e divida os compassos 5- Escreva (C) para contratempo e (S)
RITMO 4-Marque o pulso métrico e divida os compassos 5- Escreva (C) para contratempo e (S)

5- Escreva (C) para contratempo e (S) para síncope

5- Escreva (C) para contratempo e (S) para síncope 6- Dê a UT e a U.C

6- Dê a UT

e a U.C

4/4 = UT

 

UC

3/16= UT

UC

2/8= UT

UC

2/2=

UT

UC

UC 3/16= UT UC 2/8= UT UC 2/2= UT UC Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

55

7- Responda:

Quantas semínimas tem uma semibreve? Quantas colcheias tem uma mínima? Quantas semicolcheias tem uma semínima Quantas mínimas tem uma semibreve? Oito colcheias valem uma

8- Transcreva para outras unidades métrica

valem uma 8- Transcreva para outras unidades métrica Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos
valem uma 8- Transcreva para outras unidades métrica Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos
valem uma 8- Transcreva para outras unidades métrica Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos
valem uma 8- Transcreva para outras unidades métrica Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

56

INTERVALOS

9- Escreva a nota pedida com o respectivo acidente (coloque o bequadro quando necessário!)

acidente (coloque o bequadro quando necessário!) 10- Classifique os semitons abaixo: (SN) semitom natural,

10- Classifique os semitons abaixo: (SN) semitom natural, (SD) semitom

diatônico, (SC) semitom cromático:

natural, (SD) semitom diatônico, (SC) semitom cromático: 11- Classifique os intervalo abaixo: Escola de Música de

11- Classifique os intervalo abaixo:

semitom cromático: 11- Classifique os intervalo abaixo: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico
semitom cromático: 11- Classifique os intervalo abaixo: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico
semitom cromático: 11- Classifique os intervalo abaixo: Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

57

12- Escreva o intervalo pedido:

12- Escreva o intervalo pedido: ESCALAS 13- Construa as escalas pedidas Escola de Música de Brasília

ESCALAS

13- Construa as escalas pedidas

o intervalo pedido: ESCALAS 13- Construa as escalas pedidas Escola de Música de Brasília Supervisão de
o intervalo pedido: ESCALAS 13- Construa as escalas pedidas Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

58

14- Quais são os tons das seguintes armaduras:

14- Quais são os tons das seguintes armaduras: 15 – A qual tom pertencem as seguintes
14- Quais são os tons das seguintes armaduras: 15 – A qual tom pertencem as seguintes

15 – A qual tom pertencem as seguintes armaduras? (Coloque a armadura na pauta)

as seguintes armaduras? (Coloque a armadura na pauta) 16- Escreva o nome das seguintes escalas: Escola

16- Escreva o nome das seguintes escalas:

armadura na pauta) 16- Escreva o nome das seguintes escalas: Escola de Música de Brasília Supervisão
armadura na pauta) 16- Escreva o nome das seguintes escalas: Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

59

17-

Escreva a nota pedida:

Escala

Grau

nota

Dó Maior

supertônica

Mi

Maior

dominante

Láb

Maior

sensível

Dó# Maior

subdominante

Sol

Maior

mediante

18-

Escreva (V) para verdadeiro e (F) para falso:

(

) Na escala de Dó Maior a nota sol é a dominante.

(

) A nota mi# é o V na escala de Lá Maior.

(

) Na escala de Mib Maior a nota Dó é natural.

(

) Na escala de Sol Maior a nota mi é a mediante.

(

) A nota fá# é a sensível na escala de Mi Maior

19-

Complete com a Tônica, Subdominante, Dominante e Sensível de cada tom

   

Tônica

Subdominante

Dominante

Sensível

 

Sol M

       
 

M

       
 

b M

       
 

Fá M

       
 

Mi

M

       

20-

Escreva o nome dos seguintes graus:

 

I

V

VI

IV

 

II

III

ENARMONIA

20 - Faça a enarmonia das seguintes notas

III ENARMONIA 20 - Faça a enarmonia das seguintes notas Escola de Música de Brasília Supervisão
III ENARMONIA 20 - Faça a enarmonia das seguintes notas Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

60

SINAIS MUSICAIS

22- Escreva o significado de cada sinal

accel.-

allarg. – rall. – rit. – meno mosso. –

più mosso- a tempo –

u coroa -

23- Relacione a primeira coluna com a segunda

(

1 )Ritornello

(

) repetir a música desde o início até onde está escrito Fine

(

(

) indica a repetição da música desde o início

2) Da Capo (D.C) – -

(3 ) Fine (4 ) D.C al Fine –

 

(

(

) mais conhecido como do “S”

) um sinal que determina a repetição de um trecho musical

(5) Del segno (D.S) /D.

(5) Del segno (D.S) /D. ( ) indica o final do trecho repetido

(

) indica o final do trecho repetido

24- Escreva o nome dos sinais abaixo:

do trecho repetido 24- Escreva o nome dos sinais abaixo: D.C % Escola de Música de

D.C

do trecho repetido 24- Escreva o nome dos sinais abaixo: D.C % Escola de Música de

%

trecho repetido 24- Escreva o nome dos sinais abaixo: D.C % Escola de Música de Brasília
trecho repetido 24- Escreva o nome dos sinais abaixo: D.C % Escola de Música de Brasília

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

61

ANÁLISE

25- Observe a melodia abaixo e responda:

ANÁLISE 25- Observe a melodia abaixo e responda: a)Qual é o tom da peça? b)Qual a

a)Qual é o tom da peça?

b)Qual a métrica empregada?

c)Qual é: U.T.?

e a U.C.?

d)Como podemos classificar o início da peça?

e sua terminação?

e)Quais são os sinais de dinâmica utilizados na partitura

f)Escreva a ordem dos compassos para a execução da música.

g)Indique com (S) uma síncope e com (C) um contratempo

g)Indique com (S) uma síncope e com (C) um contratempo Escola de Música de Brasília Supervisão

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

62

ANEXOS

INTERVALOS APLICADOS

PRIMEIRA JUSTA

Eis aqui este sambinha, feito numa nota só

(Samba de Uma Nota Só, Tom Jobim)

feito numa nota só (Samba de Uma Nota Só, Tom Jobim) Céu, tão grande é o

Céu, tão grande é o céu

(Dindi, Tom Jobim)

Tom Jobim) Céu, tão grande é o céu (Dindi, Tom Jobim) SEGUNDA MENOR ascendente Carnei- rinho,

SEGUNDA MENOR

ascendente

Carnei-rinho, carneirão, neirão, neirão olhai pro céu

Meu coração não se cansa

(Coração Vagabundo, Caetano)

Meu coração não se cansa (Coração Vagabundo, Caetano) Descendente Luz do sol (Luz do Sol, Caetano

Descendente

Luz do sol

(Luz do Sol, Caetano Veloso’)

Pa -re -ce que dizes, te amo, Maria

Estava a toa na vida o meu amor me chamou ( A Banda Chico buarque) Vassourinha

(Anos Dourados, Tom Jobim)

Banda Chico buarque) Vassourinha (Anos Dourados, Tom Jobim) Outros exemplos: Filme de Terror, Tema do filme

Outros exemplos: Filme de Terror, Tema do filme Tubarão; Only you, Fascinação

de Terror, Tema do filme Tubarão; Only you, Fascinação Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

63

SEGUNDA MAIOR

ascendente

Brasil, meu Brasil brasileiro

(Aquarela do Brasil, Ary Barroso)

meu Brasil brasileiro (Aquarela do Brasil, Ary Barroso) Eu nun- ca sonhei com você (Lígia, Tom

Eu nun- ca sonhei com você

(Lígia, Tom Jobim)

Barroso) Eu nun- ca sonhei com você (Lígia, Tom Jobim) descendente Por ser de lá, do

descendente

Por ser de lá, do sertão, lá do cerrado

Cai, cai balão, cai, cai balão

Atirei o pau no gato

(Lamento Sertanejo, Gilberto Gil)

Outros exemplos: Parabéns pra você, começo de uma escala (maior ou menor), She loves you (Beatles), Asa Branca

TERÇA MENOR

ascendente

O lê- muié rendeira, olé, muié rendar (Mulher Rendeira Zé do Norte, sobre motivo atribuído a Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião

O lê- Olá, o chacrinha ta botando pra quebrar

A- deus, adeus, pescador não esqueça de mim

(Adeus da Esposa, Suíte dos Pescadores, Caymmi)

de mim (Adeus da Esposa, Suíte dos Pescadores, Caymmi) Al- guém cantando longe daqui (Alguém Cantando,

Al- guém cantando longe daqui

(Alguém Cantando, Caetano Veloso)

cantando longe daqui (Alguém Cantando, Caetano Veloso) Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico
cantando longe daqui (Alguém Cantando, Caetano Veloso) Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

64

descendente

Eu vim, eu vim da Bahia cantar

Men-go ( Flamengo)

(Eu Vim da Bahia, Gilberto Gil)

O Cravo brigou com a Rosa debaixo de uma sacada

Gil) O Cravo brigou com a Rosa debaixo de uma sacada Outros exemplos: Arpejo da escala

Outros exemplos: Arpejo da escala menor, Propaganda da Bardahl,, Sampa (Caetano Veloso), Popeye, Mania de você (Kid Abelha)

TERÇA MAIOR

ascendente Eu sei que vou te amar

(Eu Sei Que Vou Te Amar, Tom Jobim)

Eu sei que vou te amar (Eu Sei Que Vou Te Amar, Tom Jobim) descendente É

descendente

É pau, é pedra, é o fim do caminho

(Águas de Março, Tom Jobim)

Beethoven (Sinfonia nº 5 opus 67 em Dó menor)]

Tom Jobim) Beethoven (Sinfonia nº 5 opus 67 em Dó menor)] Tchaikovsky - Concerto n.1 para

Tchaikovsky - Concerto n.1 para piano e orquestra

menor)] Tchaikovsky - Concerto n.1 para piano e orquestra Outros exemplos: Arpejo da escala maior, Pretty

Outros exemplos: Arpejo da escala maior, Pretty Woman, País Tropical, Rock n’ Roll tradicional,

Pretty Woman, País Tropical, Rock n’ Roll tradicional, Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

65

QUARTA JUSTA

ascendente Ou-viram do Ipiranga às Margens Plácidas- ( Hino Nacional Brasileiro)

às Margens Plácidas - ( Hino Nacional Brasileiro) La Marseillaise (Hino Nacional da França) Tris- te-

La Marseillaise (Hino Nacional da França)

Tris- te- za não tem fim

(A Felicidade, Tom Jobim/Vinicius de Moraes)

za não tem fim (A Felicidade, Tom Jobim/Vinicius de Moraes) descendente Ah tem dó ó de

descendente

Ah tem dó ó de ver o meu penar

O -lha está chovendo na roseira

Bambalalão, senhor capitão

(Dorival Caymmi)

(Chovendo na Roseira, Tom Jobim)

Mozart – Pequena Serenata Noturna (tema de comercial – Vinólia)

Pequena Serenata Noturna (tema de comercial – Vinólia) Outros exemplos: Corneta de exército, Fear of the

Outros exemplos: Corneta de exército, Fear of the Dark, Maluco Beleza, Caso Sério, Who wants to live forever, Maria Maria, Mozart - Pequena Serenata Noturna

QUARTA AUMENTADA/ QUINTA DIMINUTA – TRÍTONO

Outros exemplos: Psicose, YYZ

QUINTA DIMINUTA – TRÍTONO Outros exemplos: Psicose, YYZ Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

66

QUINTA JUSTA

ascendente

Es- tre- la de cinco pontas Nascimento)

(As Várias Pontas de Uma Estrela, Caetano Veloso e Milton

(As Várias Pontas de Uma Estrela, Caetano Veloso e Milton descendente É do- ce morrer no

descendente

É do- ce morrer no mar

(É Doce Morrer no Mar, Dorival Caymmi)

Só lou- co, amou como eu amei

(Só Louco, Dorival Caymmi)

podeis da Patria filhos ( Hino da Independência do Brasil -letra Evaristo da Veiga/ música: D. Pedro I)

do Brasil -letra Evaristo da Veiga/ música: D. Pedro I) Outros exemplos: Top Gun, One, 4

Outros exemplos: Top Gun, One, 4 Estações, Zarathustra - 2001 (Uma Odisséia no espaço), Guerra nas Estrelas

SEXTA MENOR

ascendente

Ma- nhã, tão bonita manhã

(Manhã de Carnaval, Luiz Bonfá)

nhã , tão bonita manhã (Manhã de Carnaval, Luiz Bonfá) Eu vi o menino correndo, eu

Eu vi o menino correndo, eu vi o tempo

(Força Estranha, Caetano Veloso)

correndo, eu vi o tempo (Força Estranha, Caetano Veloso) Escola de Música de Brasília Supervisão de
correndo, eu vi o tempo (Força Estranha, Caetano Veloso) Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

67

descendente

Vai mi -nha tristeza

(Chega de Saudades, Tom Jobim)

Vai mi -nha tristeza (Chega de Saudades, Tom Jobim) Love Story - Ah que'es -se cara

Love Story -

-nha tristeza (Chega de Saudades, Tom Jobim) Love Story - Ah que'es -se cara tem me

Ah que'es -se cara tem me consumido

(Esse

Cara, Caetano Veloso)

Outros exemplos: Love Story, Amigo (Roberto Carlos), Revelação (um dia vestido)

SEXTA MAIOR

ascendente

Ma- ri- na morena Marina você se pintou

(Marina, Dorival Caymmi)

na morena Marina você se pintou (Marina, Dorival Caymmi) Le- va- va uma vida sossegada (Ovelha

Le- va- va uma vida sossegada

(Ovelha Negra, Rita Lee)

Le- va- va uma vida sossegada (Ovelha Negra, Rita Lee) Eu le vo a vida cantando,

Eu levo a vida cantando, ai lili, ai lili, ailô

descendente

Ou ça-um bom conselho

(Bom Conselho, Chico Buarque)

Outros exemplos: Kaiser ( um bom companheiro) Adeus Ano velho, Viver, Você, My Way

( um bom companheiro) Adeus Ano velho, Viver, Você, My Way Escola de Música de Brasília

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

68

SÉTIMA MENOR

ascendente

Co- m'os- olhos de um bandido

(Esse Cara, Caetano Veloso)

m'os- olhos de um bandido (Esse Cara, Caetano Veloso) Outros exemplos: Jeremy, Baião (Eu vou contar,

Outros exemplos: Jeremy, Baião (Eu vou contar, pra você), Star Trek ( tema do filme)

SÉTIMA MAIOR

ascendente

Oh Deus- que mora na proximidade do haver avencas

(Pelos Olhos, Caetano Veloso)

proximidade do haver avencas (Pelos Olhos, Caetano Veloso) Outros exemplos: Ugly, Segunda parte do tema do

Outros exemplos: Ugly, Segunda parte do tema do Super Homem

OITAVA JUSTA

ascendente

Oh meu amigo, meu herói (Meu Amigo, Meu Herói, Gilberto Gil).

amigo, meu herói (Meu Amigo, Meu Herói, Gilberto Gil). Somewhere over the rainbow ( Over the

Somewhere over the rainbow ( Over the rainbow - Quindon Tarver)

over the rainbow ( Over the rainbow - Quindon Tarver) Outros exemplos: Seqüência de Blues, Oceano

Outros exemplos: Seqüência de Blues, Oceano (Djavan), Tema do filme ET

Seqüência de Blues, Oceano (Djavan), Tema do filme ET Escola de Música de Brasília Supervisão de

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

69

BIBLIOGRAFIA

BENNET, Roy Instrumentos da Orquestra, Rio de Janeiro, Zahar, 1988

Uma

Breve História da Música 3ª. ed. Ed. Jorge Zahar, 1988.

BERNARDES, Virginia. A percepção musical sob a ótica da linguagem. Revista ABEM, Porto

Alegre, n. 6, p. 73-85, set. 2001

CAMPOS, Denise Álvares. La percepción musical en escolares: relaciones con la psicología cognitivo-

evolutiva y la pedagogía musical. Madrid, 1998. 265 f. Tese (Doutorado em História e Ciências da Música)

– Universidad Autônoma de Madrid, Madrid, 1998.

CARPEAUX, Otto M. Uma nova história da música, Rio de Janeiro, Technoprint, 1989

CORRÊA, Sérgio Vasconcelos. Introdução à harmonia. Ed. Ricordi, 1975

DEYRIES, B., LEMERY, D., SADLER, M. História da música em quadrinhos. Ed. Martins Fontes, 1987

DEUTSCH, D. The Psychology of Music. Academic Press, 1999.

FERRIS, Jean. Music – The Art of of Listening. Brown & Benchmark Pulishers, 1995

GAINZA, Violeta H. Fundamentos, materiales y técnicas de la educacion musical. Ed. Ricordi, 1974

La improvisation musical. Ed. Ricordi, 1983

Estudos de Psicopedagogia Musical. Summus editorial, 1988

GROSSI, Cristina Souza. Assessing Musical Listening: Musical Perspectives of Tertiary Students and

Contemporary Brazilian Composers. 2000. 273 f. Tese PhD Thesis – Institute of Education, University of

London, Londres 2000.

GROUT, Donald - Historia da Música Ocidental. Gradiva, 1997.

HAMEL, Peter Michael. O Autoconhecimento através da música. Ed. Cultrix, 1976.

HARGREAVES, D.J. The Developmental Psychology of Music. Cambridge: Cambridge University Press,

1986.

HINDEMITH, Paul. Treinamento Elementar para Músicos. São Paulo: Ricordi, 1975.

MED, Bohumil. Teoria Musical. Ed. Musimed, 1996.

OLAZABAL , Tirzo de. Acústica Musical y Organologia. Ed. Ricordi, 1954

PARNCUTT, Richard; McPHERSON, Gary E. The science and psychology of music

performance. New York: Oxford University Press, 2002.

PAZ, Ermelinda A. Pedagogia Musical Brasileira no Século XX: Metodologias e tendências. Brasília:

Musimed, 2000.

RIGONELLI, Y., BATALHA, Y. V. Lições de análise e apreciação musical. Irmãos Vitale, Ed. 1972.

SCHAFER, MURRAY. O Ouvido Pensante. São Paulo, Editora da Unesp, 1991.

SCHIFFMAN, Harvey Richard. Sensation and Perception: An Integrated Approach. New York: John.Wiley &

Sons, INC. 2000.

SEASHORE, C. E. Psychology of Music. Dover, 1967.

SLOBODA, John A. The Musical Mind: the Cognitive Psychology of Music. Oxford: Claredon Press, 1985.

SOBREIRA, Silvia G.– Desafinação Vocal. Rio de Janeiro: Enfoc Fashion Gráfica, 2002. p.193.

SOUZA, Jusamara. Sobre as múltiplas formas de ler e escrever música. In Ler e escrever compromisso de

de ler e escrever música. In Ler e escrever compromisso de Escola de Música de Brasília

Escola de Música de Brasília Supervisão de Cursos Básico e Técnico Juvenil e Adulto Profº Marcos Bassul e Profª Simone Lacorte MZ2

70

todas as áreas. 5.ed. Porto Alegre: Editora UFRGS,

2003.

SWANWICK, Keith. Ensinando Música Musicalmente. São Paulo: Moderna, 2003.

A Basis for music education. Londres: University of London,

Institute of Education, 1998.

WISNIK, José Miguel. O Som e o sentido. Companhia das Letras, 1989.

Zenatti, Arlette. Le dévelopmente génètique de la perception musicale. Paris:Centre National de la Recherche Scientifique , 1969.

Sites

http://www.jazzbossa.com/intervalos