Você está na página 1de 3

TESÃI OME’E VY’A

Fernandes, Maximino Rodrigues, Misael Consciança Jorge, aldeia. Quando alguém ficava doente, usava-se
Pedrina Machado, Roberto Vanderlei da Silva Souza, Ubaldo
as plantas como remédio.
SAÚDE DÁ ALEGRIA
Vera Gonçalves, Valdete Pontes, Zelia Regina Benitez.

Desenhos: Gonçalo Moura, Misael Consciança Jorge e


Oguahetama jave upe mitã kuñáme hi'ára
Ubaldo Vera Gonçalves.
UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO - UCDB mba'asy. Kuñatai tekoteve oñangareko
NEPPI - PROGRAMA KAIOWÁ/GUARANI
Equipe técnica de apoio: Programa Kaiowá/Guarani Projeto va'erã umi imba'asy jekuaávagui, ndo'úi
DST/AIDS: Antônio Brand, Katya Vietta, Itacir Pastore,
Em parceria com:
Miriam Noal, Paulo Goulart e Luis Antônio Moreira da
va'erã so'o, juky, ñandy, ho’u va'erã pira,
Costa. hu'i avatígui, ho'úma va'erã hagui ojahúma
http://www.aids.gov.br/prevencao/Indios/cartilha1/cartilha1.htm

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE


MINISTÉRIO DA SAÚDE - Coordenação DST e AIDS pohãrýme ha inãkã perõme. Mitã kuimba'e
Revisão final do texto: Veronice Lovato Rossato
SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE - Programa DST e oñemongarai ñanderu rupi, ha kunumi
AIDS
Arte e Diagramação: Versatile Propaganda & Marketing kaiova avaete ombokua hembe omoi haguã
O Projeto Comportamento sexual e situação epidemiológica hembeta. Ñande rekórupi ko'ára
Junho / 1998
em DST - AIDS entre os Kaiowá/Guarani do Mato Grosso do ombosakoipáma kuñatai ha karia'y omenda
Sul: proposta de pesquisa, prevenção e assistência inicia em
1998, e tem como objetivo central propiciar a realização de haguã.
Oñepyru petei arave rekohápe...
um amplo diagnóstico sobre o comportamento e as práticas Tekoteve reñangareko ndejehe ani haguã
sexuais da população Kaiowá/Guarani no Mato Grosso do Começa mais um dia na aldeia...
nememby rei remenda mboyve.
Sul. Desta forma, busca-se identificar as possíveis formas de
transmissão, bem como as condições clínicas e de Precisamos tomar cuidado para não engravidar
...Ogaygua ho'u ka'a'y oñondive ha
tratamento a que estão expostos, tendo em vista antes do casamento.
desencadear ações de prevenção e de assistência. ombohasa haguã ymaguare reko.
Nessa época, quando a menina e o menino se
...a família se reúne para tomar o habitual
Na primeira fase está prevista a realização de atividades, tornavam moços, precisavam ter muitos
principalmente, nas Reservas de Dourados, de Caarapó e de
chimarrão e ouvir as histórias contadas pelo
cuidados, como: não comer carne, sal, gordura;
Amambai. Estas representam as três maiores áreas de cacique.
ocupação Kaiowá/Guarani no Estado, reunindo mais de comiam só peixe, farinha de milho branco e
13.000 habitantes. Na sequência do trabalho serão atendidas bebiam “chicha”. Tomavam banho com
às demais aldeias e Reservas. — Che mitã ramõguare opamba'e oi
remédios. As meninas raspavam a cabeça e os
va'ekue: heta ka'aguy, ypoti pira reheve ha
As atividades realizadas a partir deste Projeto consistem meninos eram batizados. Os meninos Kaiowá
yvyra yva aju reheve.
basicamente em oficinas nas quais se privilegia a furavam o lábio para usar o “tembetá”. E
participação de agentes de saúde e professores indígenas, Johechakáry oñe'eva oñembo'éva ha
durante este período os meninos e as meninas se
além de representantes das gerações mais velhas. A oporahéi jevýma ndoipyhýi haguã mba'asy,
discussão, a partir deste grupo, tem como proposta preparavam para o casamento.
propiciar a compreensão sobre como esta problemática vem
ha ava kuéra ipohã ñanáme ha’ekuéra
sendo conduzida pelos Kaiowá/Guarani e, ao mesmo oñepohãno meme va'erã.
tempo, possibilitar a constituição de um grupo indígena de Mbaíry oguaheramo oitypa ka'aguy.
— Quando eu era jovem, tudo era diferente.
apoio capaz, não só de acompanhar os trabalhos, mas Com a chegada dos “brancos”, muitas florestas
principalmente assessorar e desencadear novas atividades Existiam muitas matas, caças, rios limpos
foram derrubadas.
junto aos outros segmentos da comunidade. cheios de peixes, muitas árvores e frutas. A
gente rezava e cantava para não ter doenças na
Autores: Anastácio Peralta, Daniel Aquino da Silva, Florinda Oikoteveva pirapire, ose hógagui oho
Souza da Silva, Gonçalo Moura, João Martins, Maurícia
omba'apo omoi haguãicha hi'upy ogapýpe.
Upéicha rupi ko'ãga heta mba'asy vai — Como é que foi na usina? Trouxe bastante
ndaiporivéima ko'ãga oikóma haguãicha — Jahátapa jerokyha rupi? dinheiro?
mba'asy pyahu hérava AIDS ndaipóri pohã — Vamos no baile hoje?
nemboguera haguã ndejuka avei. — Ha'e añete, ha ndaikuaái hembýpa ché-
Upéagui tekoteve reñangareko nde jehe. — Kuñatai porã! ve.
A necessidade econômica fez com que muitas — Que moça bonita aquela! Sapy'a rei hemby chéve aiporu haguã je-
pessoas saíssem da aldeia para buscar ajuda. rokyhápe jaha haguã.
Com isso, começaram a aparecer muitos — Ha'e añete! Tekoteve ñañangareko sapy'a — Sim. Eu não sei se sobrou algum, mas acho
http://www.aids.gov.br/prevencao/Indios/cartilha1/cartilha1.htm

problemas, como novas doenças. Hoje existe rei ha'e hasýrõ AIDSgui. que dá pra ir ao baile hoje.
uma doença muito grave chamada AIDS; ela — É mesmo! Mas devemos tomar cuidado,
não tem cura e mata. porque ela pode estar com AIDS! — Jahátama!
É por isso que vocês têm que se cuidar. — Então vamos!
— Mba'épa upéva?
— Che aháta pyélope — O que é isso? — Pee peikuaáma mba'eicha jaipyhy
— Eu vou para a cidade. AIDS?
— Ndaikuaa porãi upéva, che ramõi he'i — Vocês sabem como se pega AIDS?
— Ahátama upéicharõ nahundi mo'ãi mba'asy ndevai, ndaipóriva pohã ha
mba'aporepy me'erã. ñamanõ va’erã. — Mba'éichapa jaikuaavéta pe AIDS
— Preciso ir, se não vou perder o adiantamento. — Não sei direito! Meu avô disse que é uma rehegua?
doença muito perigosa. Não tem cura e a gente — Não. Como podemos ficar sabendo mais sobre
— Ahátama mbo'eróype. pode morrer! esta doença?
— Vou para a escola.
— Moõpa ñande jaikuaa porãveta upe — Oi “oga pohãme’eharenda” (posto de
— Ahátama che rógape. mba’asy rehegua? saúde), oi avei "mba'asy ñangarekoha”
— Eu vou para casa. — Onde a gente pode saber direito sobre esta (enfermeiro) ha “tesãi ñangarekoha”
doença? (agente de saúde) oporandu haguã
Ta'ýra he'i: — Ikatúpa heta amohemby oikuaaséva AIDSre ha ambue mba'asýgui.
viru? — Amo ñande rekohápe oi “tesãi — Os postos e os agentes de saúde podem lhe
— Será que vai dar para ganhar um bom ñangarekoha” ha tekoteve jajevývo dar maiores informações sobre a AIDS e outras
dinheiro? ñaporandu ichupe kuéra avei. doenças.
— Lá na aldeia tem Agente de Saúde. Quando
— Aipota che rembiapo ko’ãgaite opa, ha voltarmos é bom perguntar para ele. Ko’ãga ne resãi haguã nderehéma oi.
opáramo ko'ãgaite ose haguã che viru. Eñangarekókena!
— Quero acabar aqui logo, hoje é dia de — Ndépa heta renohe viru takuare’edy
pagamento. guasúpe?
Tekoteve niko mba'eteéva. Neresãiramo óga vicho'i rechaha". Ha ambue katu oikuaa Ninguém sabe bem qual a origem desta doença.
erembovy'a nde re'ýi kuéra ha avei gua'u ojekuaa Áfricape ka'i kuéragui. Alguns dizem que o vírus da AIDS foi criado
oikovéva yvy’ári. Ko'ãga ñemombe'uha ("pesquisadores") em laboratórios de pesquisas; outros acham que
Agora sua saúde depende de você! Cuide-se! kuéra oikuaáma oi nove vicho'i ambue surgiu na África, sendo transmitida por
A vida é importante. Tendo saúde você alegra mba'asýgui ha avei umi vicho'i macacos.
seu povo e a natureza. oñemo'ambue ohóvo. Hoje os cientistas já descobriram que existem
Ko mba'asy ha'e oñemo sarambipa opárupi nove tipos de vírus e também que eles se
Héra AIDS he'ise: ha hetave peteitei árape. modificam continuamente. A notícia animadora
http://www.aids.gov.br/prevencao/Indios/cartilha1/cartilha1.htm

Ñane retãme, Brasil, pe mba'asy AIDS é que os remédios estão dando mais tempo de
A = Adquirida ( oipyhy) oguahema ava rekoha kuéra rupi avei. vida para o doente.
I = Imuno (mba'asy kangy) Heta oi pohã ombo'arevéva ñande rekove
D = Deficiência (noimbáiva) hasývape, orembovy'a eterei.
S= Síndrome (mba'asy hetáva)
A história da doença: AIDS QUER DIZER:
AIDS he'ise: Petei mba'asy omokangy nde
rete reipyhy haguã heta mba'asy. A = Adquirida
Pe mba'asy ojekuaa oñepyru oike Françape, I = Imuno
1978, omano raka'e mokõi kuña mba'asy D = Deficiência
hérevagui "pneumonia". S= Síndrome
1980 pe mba'asy ojekuaa jevy jevy kuimba'e
ojopyhýva oñondive Estados Unidospe. Esta doença — Síndrome da Imuno Deficiência
Upéagui pe mab'asy réra opyta "doença dos Adquirida — apareceu pela primeira vez na
gays" ("Kuimba'e ojopyhýva mba'asy"). França, em 1978, quando duas mulheres
Umi mokõi tetã, AIDS mba'asy pya'e eterei morreram rapidamente de pneumonia. Em
osarambi opárupi, umi mba'eyruveve 1980, a doença apareceu nos Estados Unidos da
(avião) rupi oúva ogueroike mba'asy ñane América entre os homossexuais. Por isso
retãme. recebeu o nome de "Doença de Gays". De lá a
Pe mba'asy oñepyru, Brasilpe 1984. Ko'ãga doença se espalhou pelo mundo, provavelmente
oima 120.000 hasýva ha 500.000 oguerekóva pela facilidade dos meios de transporte. Esse
pe "vicho'i ndajahecháiva" (vírus), ne'yra pe processo foi muito rápido. No Brasil, a AIDS
mba'asy ojekuaa pe oguerekóvare gueteri, começou em 1984, e já tem 120.000 doentes e
mbegue katúpe ha’e ojekuaa. mais ou menos 500.000 pessoas que têm o vírus,
Mavavéa ndoikuaa porãi gueteri mba'eicha mas sem a manifestação da doença. No Estado
oñepyru ko mba'asy AIDS. Oiva oikuaa de Mato Grosso do Sul são 1.335 doentes até o
gua'u hemimongakuaa hape mba'asy "pe primeiro trimestre de 1998.

Interesses relacionados