Extração Ilegal de Madeira na Amazônia ... Uma Solução Simplória: Proibir Geral!

A extração ilegal de madeira na Amazônia hoje está incontrolável e atingiu números assustadores, que comprometem seriamente o meio ambiente, não havendo qualquer sinalização de que isto vá parar. E não vai parar mesmo, enquanto não houver uma séria intervenção governamental. Não pára porque a facilidade do lucro fácil existe, a ganancia e falta de escrúpulos dos madeireiros é grande, e a incompetência do Governo em fiscalizar, maior ainda. Ora, se a atividade é altamente lucrativa, se a preocupação com o meio ambiente não existe e o Governo é incompetente para controlar e fiscalizar, por que parar? De quem é a verdadeira culpa desse crime ambiental? Dos madeireiros, do Governo que permite, ou de ambos? A resposta é óbvia. Está mais do que provado: na região amazônica as madeireiras fazem o que querem e estão enriquecendo cada vez mais, ilegal e impunemente. E, infelizmente, conta com a corrupção governamental para ajudá-las. Falsas licenças ambientais, falsos assentamentos, falsos certificados, falsos projetos, notas frias, tudo existe por lá, inclusive, "pool" de serrarias altamente mecanizadas, sem licenças ou com falsas licenças de instalação, espalhadas por pontos estratégicos. Difícil saber o que é legal ou ilegal. Recentemente, mais precisamente, no dia 28 de janeiro, o Jornal Nacional mostrou uma reportagem realizada em conjunto com os ativistas do Greenpeace, através da qual ficou comprovado que o Assentamento Renascer, no Estado do Pará, foi tomado por madeireiras, que já derrubaram quase todas as árvores daquela área, tendo conseguido isso devido ao fato de que praticamente todos os assentados, à exceção de um, eram "laranjas" dos madeireiros (veja a matéria "Vilões da Amazônia - As Madeireiras", no blog "Debata, Desvende e Divulgue!"). Além de explorarem ilegalmente a região, promovendo o desmatamento com o corte de árvores de madeiras nobres, ficaram com o dinheiro que seria destinado aos assentados. Os mais de 300 milhões que a eles seriam destinados sumiram e, provavelmente, foram parar nas mãos dos próprios madeireiros e dos funcionários corruptos do INCRA, IBAMA e, sabe-se lá, nos altos escalões do Ministério do Meio Ambiente. Enquanto isso, numa região em que deveriam ser ouvidos os cantos dos pássaros, o que se ouve é o constante roncar das moto-serras (odeio-as) e o barulho seco do estalar de troncos e da queda de árvores. Um espetáculo dantesco. Ora, se o Governo é incompetente para controlar isso, alegando que é difícil identificar o que é falso ou verdadeiro, porque demandaria muito tempo, pessoal especializado e dinheiro, adotese, então, uma solução simplória:

Proiba-se, de uma vez por todas, todo e qualquer tipo de corte de árvores na Amazônia Legal e o problema se resolverá. E por quê? Porque a proibição sendo geral, todo e qualquer caminhão, ou barcaça que forem pegos transportando toras ou madeira serrada, estará cometendo uma atividade ilegal e poderá sofrer apreensão da carga e ser autuado, na hora. Põe-se por terra, assim, o argumento do Governo de que "não consegue controlar porque é difícil". É uma solução simplória, é verdade, mas resolve. E talvez seja até melhor do que todas as que o Governo, sem sucesso, tem tentado até aqui.
Ivo S G Reis

Você não pode criar obras derivadas.net). distribuir. Reis. fonte: Recanto das Letras . Você pode copiar. Você não pode fazer uso comercial desta obra.prosaeverso.http://www.Site do Autor . . executar.ivosgreis. exibir. desde que seja dado crédito ao autor original (Mencionar: Autor original: Ivo S. G.Enviado por Ivo S G Reis em 30/01/2008 Alterado em 31/01/2008 Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful