Você está na página 1de 2

Base de Acordo

Formação do Comitê de Resistência Popular

O poder do povo se constrói desde baixo e em cada canto desse Brasil. A tarefa da Resistência Popular é
criar um Poder do Povo. A Resistência é uma organização dos pobres, uma união das pessoas que sofrem os
mesmos problemas. Podem se organizar no chão da fábrica, na ocupação, no local de trabalho, na escola, na
periferia urbana, para discutir e lutar por seus direitos e necessidades.
A Resistência Popular acredita na união do povo pobre contra todos os tipos de opressão. Para nós, isso só
é possível se os desempregados, as donas-de-casa, os operários, os professores, os sem-terra, os sem-teto e tantos
outros conseguirem se juntar e lutar por coisas em comum. Melhor ainda: conseguirem ser solidários, ajudarem
um na luta do outro, que no final, é a luta de todos os pobres por um mundo mais justo.

Quem Somos

Somos a Resistência Popular, uma organização de defesa dos interesses dos trabalhadores e trabalhadoras
do povo.
Somos a vontade de construção de um movimento social urbano das vilas, bairros operários, sindicatos,
grêmios estudantis, associações, para conquistar trabalho, defender direitos conquistados, moradia, saúde,
educação, cultura, lazer para o nosso povo.

A construção de base de todos os dias

Na vida particular de cada um, temos princípios que nos orientam e que mostram o nosso caráter como
pessoa. Nos movimentos populares também é assim: temos princípios que nos mostram o melhor caminho pra
seguir. Os princípios nos orientam, nos ajudam a fazer as escolhas certas para a nossa luta.

Luta Popular: Pois só ela pode trazer as conquistas que o povo necessita. É botando nossa cara na rua que vamos
arrancar dos governos e ricos tudo o que nos roubam todos os dias. Não dependemos de políticos profissionais
para fazerem nada por nós. Dependemos somente da nossa força e da nossa capacidade de organizar. Acreditamos
na ação direta, pois é a única linguagem que os poderosos entendem.
Democracia de Base: Queremos que todos tenham a chance de decidirem em conjunto em comum acordo o que
devemos fazer de nossas vidas. Queremos que todos tenham voz e possam dizer o que pensam, sem nenhum
patrão, chefe ou capataz que nos diga o que fazer.
Independência de Classe: Necessitamos ser independentes de governos, prefeituras, políticos, empresas ou
igrejas, que só querem usar o povo como massa de manobra para seus interesses. Devemos ter nossa autonomia
em relação a eles, acreditar na nossa capacidade de trilhar o nosso destino.
Compromissos do Coletivo e Solidariedade: Comprometemos-nos com a defesa dos direitos das crianças e
adolescentes, bem como dos idosos. Rechaçamos qualquer preconceito racial, de gênero ou de opção sexual.
Estamos lado a lado e apoiamos todas as iniciativas populares, dos movimentos e organizações populares, da
cidade ou do país. Não colocando qualquer fronteira à nossa solidariedade. Apoiamos as lutas dos movimentos
populares por terra, moradia, trabalho, saúde, transporte e por uma vida digna.

Estes princípios e a firmeza das pessoas que são da Resistência Popular é o que garante que nosso
movimento seja forte e combativo.

Nossas Tarefas

No bairro, podemos:
- criar ou apoiar projetos produtivos comunitários e atividades solidárias entre vizinhos, tais como: hortas e
cozinhas coletivas, reforço escolar, padarias, rádios comunitárias, formação, debate e confraternizações;
- investigar e conhecer melhor a história e os problemas do bairro, suas instituições, a política do município, a
cultura dominante e os poderes econômicos;
- estudar o estatuto da cidade e o orçamento municipal;
- constituir uma rede de apoio para dar suporte para as possíveis lutas reivindicativas;
- organizar a luta por direitos e necessidades do povo do bairro ou região dentro do que chamamos “Reforma
Urbana”, que é a luta por melhorias na comunidade onde vivemos.
Como movimento, reclamamos moradia, defendemos ocupações, lutamos por melhorias na saúde e na
educação pública, reivindicamos condições de vida mais dignas para o povo pobre.

O que queremos?

A Resistência Popular exige dignidade, que não falte pão na mesa de cada família, que haja trabalho para
todos, teto, saúde educação e proteção social, cultura, lazer e informação.
- trabalho com melhores salários, estabilidade no emprego e redução da jornada de trabalho;
- direitos sociais e crédito financeiro para projetos produtivos comunitários;
- transporte coletivo com passe livre para desempregados, estudantes e tarifa operária.
- gestão coletiva do solo urbano e o direito à cidade, seus bens e serviços, participação real nas suas decisões;
- Reforma Urbana definida com a participação real do povo;
- serviços sociais (saúde, educação) de qualidade e para todos que necessitam.

Ação como Propaganda

O método de Luta da Resistência Popular é a ação direta popular, por isso não participamos de campanhas
eleitorais, nem paralisamos nossas lutas em favor da atuação politiqueira. Nossa ação procura a defesa e o
fortalecimento popular e está de acordo com todas aquelas formas que afirmem a independência na luta contra a
dominação e a exploração dos trabalhadores, pobres e marginalizados.

Participação e Método Decisório

A Resistência Popular é gerida diretamente pela base popular organizada de forma coletiva e responsável.
O método para tomarmos decisões em primeiro lugar é o consenso do grupo e em segundo a vontade da maioria,
sempre depois da ampla liberdade de opinião de todos.

Comitês de Base

A Resistência Popular forma comitês de base para agitar as reclamações das demandas de um
determinado território de luta (ex.: comitês de base sindical, comitês de base no bairro, grêmio estudantil, grupo
de produção cultural). Sem fazer substituição das entidades representativas, mas sim levando um caráter de luta
combativa e classista.
Os comitês tem uma coordenação local que secretaria, faz a tesouraria e convoca as reuniões. A
coordenação local deve ser assumida por gente responsável de confiança e com certeza para a luta, pode ser
formada por dois companheiros, uma mulher e um homem.

Adesão

Os companheiros podem aderir a Resistência Popular de forma individual ou coletiva (ex.: militante de
alguma rádio comunitária, trabalhador sindicalizado, trabalhador informal, dona de casa ou grupo de teatro
popular, cooperativa de trabalho, cozinha comunitária).

Nossa Simbologia

Para nossa militância, a simbologia, a memória dos lutadores do povo cumpre um papel fundamental. O
povo tem que ter seus próprios símbolos, heróis, heroínas e histórias, porque os ricos têm os deles.
Nossa bandeira constitui-se das cores vermelha e negra, divididas por um corte horizontal em sua metade,
representando em vermelho o sangue e a coragem dos lutadores do povo que morreram pelos seus ideais e em
negro o luto e o protesto dos oprimidos que fazem da história uma escola de resistência e luta.