Você está na página 1de 6

Direito do Trabalho II 5º Semestre- 2011

Direito Internacional do Trabalho

Corresponde à parte do Direito Internacional Público que trata da proteção dos trabalhadores, e tem como finalidade universalizar as normas de proteção do trabalho.

Princípios fundamentais do direito internacional do trabalho: decorrem do art. XXIII e XXIV e XXV Declaração Universal dos Direitos Humanos

1. Todo ser humano tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à

proteção contra o desemprego.

2. Todo ser humano, sem qualquer distinção, tem direito a igual remuneração por igual trabalho.

3. Todo ser humano que trabalha tem direito a uma remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim como à sua

família, uma existência compatível com a dignidade humana e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social.

4. Todo ser humano tem direito a organizar sindicatos e a neles ingressar para proteção de seus interesses.Todo ser humano

tem direito a repouso e lazer, inclusive a limitação razoável das horas de trabalho e a férias remuneradas periódica.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT) Trata-se de uma pessoa jurídica de direito público externo (natureza jurídica), constituídas por vários estados que assumem a obrigação de cumprir as convenções por ele ratificadas.

1) Origem:

É um Órgão vinculado à ONU (Organização das Nações Unidas) que busca soluções que permitam a melhoria das condições de trabalho no mundo. Todos os países membros da ONU são automaticamente membros da OIT. Com o fim da Primeira Guerra Mundial, os países notaram a necessidade de regular questões sociais trabalhistas e também criar um Instituto Internacional do Trabalho que protegesse a aplicação das leis trabalhistas. Assim, criou-se então a OIT, em 1919constituída na Parte XIII do Tratado de Versalhes (tratado de paz assinado pelas potências européias que pos fim à 1 guerra); tendo sido complementada posteriormente pela Declaração de Filadélfia (1944).

2) Composição:

A OIT é composta de 3 órgãos, e todos obedecem ao caráter tripartite da

OIT, pois participam, e participam em igualdade de condições, representantes:

dos governos,

dos empregadores,

dos trabalhadores

Princípio do tripartismo: composto pelo poder estatal e pelas forças vivas de produção.

2.1) Conferência Internacional do Trabalho ou Assembleia Geral:

É o órgão de deliberação da OIT; órgão supremo. Realizada uma reunião anual. Uma das principais funções é criar e revisar as normas internacionais do trabalho. Aprovam a política da organização da OIT e orçamento, que é financiado pelos Estados-membros.

Direito do Trabalho II 5º Semestre- 2011

2.2) Conselho de Administração: exerce função executiva, administrando a OIT; é responsável pela elaboração de programas da OIT, pela eleição do Diretor Geral e pela elaboração de uma proposta de orçamento. Atualmente, composto por 56 membros: 28 representantes dos governos, 14 representantes dos trabalhadores e 14 dos empregadores. Dos 28 representantes dos governos: 10 são nomeados pelos estados de maior importância industrial e os 18 entre os demais países membros.

2.3) Repartição internacional do trabalho/ Escritório Central É a secretaria da OIT; localizada em Genebra, é órgão permanente onde se concentram as atividades de documentação e divulgação das atividades e publicação das convenções. Dirigida por um Diretor Geral nomeado pelo Conselho de Administração.

3) Competência normativa

3.1) espécies de normas:

CONVENÇÃO INTERNACIONAL: é uma espécie de tratado internacional;

RECOMENDAÇÃO: documento de conteúdo moral, que deve ser moralmente seguido pelos estados; a OIT recomenda que sejam seguidos; serve de inspiração; em regra, consiste em uma norma da OIT em que não obteve número suficiente de adesão para ser uma convenção;

3.2) CONVENÇÃO INTERNACIONAL:

Conceito: são normas jurídicas emanadas da Conferência Internacional da OIT, destinadas a constituir regras gerais e obrigatórias para os Estados deliberantes, que as incluem no seu ordenamento interno, observadas as respectivas prescrições constitucionais; Norma resultante da negociação entre vários ESTADOS; visam uniformizar o tratamento internacional a ser dado a uma determinada matéria, discutida e aprovada na Conferência Internacional do Trabalho. Quando ratificada pelo Estado-membro é fonte do direito do trabalho.

INICIATIVA: o governo de um estado-membro da OIT, uma organização sindical,

tem iniciativa de propor uma convenção internacional. Cabe, em regra, ao Conselho de Administração preparar os projetos de convenções e levar à ordem do dia. Essas matérias serão discutidas na Conferência: se rejeitadas, serão discutidas em sessão posterior. Se aprovadas, será redigido um texto definitivo da Convenção.

Quórum de aprovação: 2/3 de votos das delegações presentes.

3.3) RATIFICAÇÃO pelo ordenamento jurídico brasileiro: a ratificação é a maneira de se dar validade à convenção, mostrando que o governo aprova o pacto, que passa a integrar sua ordem jurídica.Os Estados-membros não são obrigados a ratificá-las só quando houver interesse.

o art 5° §2° da CF prevê que outros direitos podem ser especificados em tratados internacionais que o Brasil tenha ratificado.

Direito do Trabalho II 5º Semestre- 2011

o art 84, VIII da CF determina que compete privativamente ao presidente da república celebrar tratados, convenções e atos internacionais, que estarão sujeitos a referendo do Congresso Nacional -> esta competência pode ser delegada;

para eficácia interna destes tratados, estabelece o art 49,I da CF que devem ser submetidos à apreciação do Congresso Nacional. O CN aprova a Convenção, e o presidente do Senado Promulgará um Decreto Legislativo, tornando público que o tratado foi ratificado.

, tornando público que o tratado foi ratificado. OBS: em regra, não é possível a ratificação

OBS: em regra, não é possível a ratificação parcial, salvo se for admitida no próprio texto da Convenção.

3.4) Vigência internacional: após ratificação feita pelo Estado-membro, deve ser

efetuado

Internacional do Trabalho). Em regra, o prazo para entrar em vigor está previsto na própria CONVENÇÃO, que costuma ser, a partir de12 meses da ratificação.

Repartição

depósito

desta

ratificação

na

OIT

;

o

(na

Secretaria

3.5) Denúncia das convenções:

intenção em continuar aplicando a norma internacional. Em regra, após o prazo de

duração, de 10 anos, uma convenção pode ser denunciada pelo estado. Terá o prazo de 12 meses, após completados os 10 anos, para denunciar. Se não denunciar no prazo, prorroga-se automaticamente passando a valer por mais 10 anos.

aviso prévio dado pelo Estado que não tem mais

3.6) Reclamação: é o instrumento utilizado pelos trabalhadores e empregadores para comunicar à OIT, que a convenção ratificada não está sendo cumprida pelo estado-membro é dirigida ao Conselho de Administração.

3.7) Controle de cumprimento: Anualmente, os estados devem apresentar relatório sobre medidas adotadas no sentido de executar as disposições da convenção; quem analisa esses relatórios é uma Comissão específica criada para tanto.

3.8) Conflito de leis: As convenções revogam leis internas com as quais se atritam? Deve ser observado o princípio da observância da lei mais favorável: se uma convenção internacional for mais benéfica ao trabalhador, preferirá/prevalecerá sobre a lei interna.

Sistema da indenização por tempo de serviço

1)1º momento A CLT, nos arts 478 e 492 a 500, prevê que empregado demitido sem justa causa tem direito a receber uma indenização por tempo de serviço equivalente a 1 mês de remuneração por cada ano de trabalho (ou fração superior a 6 meses). Isso se tivesse entre 1 e 10 anos de serviço para mesma empresa. Também, a CLT (art 492) previa que o empregado adquiria estabilidade (ESTABILIDADE DECENAL) no emprego após 10 anos de serviços prestados ao mesmo

empregador,

somente podendo ser demitido p

or:

Direito do Trabalho II 5º Semestre- 2011

Encerramento das atividades da empresa por caso fortuito ou força maior;Direito do Trabalho II – 5º Semestre- 2011 Falta grave cometida pelo empregado O estável demitido

Falta grave cometida pelo empregadodas atividades da empresa por caso fortuito ou força maior; O estável demitido sem justa causa

O estável demitido sem justa causa tem direito à reintegração ou indenização

pelo período - correspondente a 2 meses de remuneração para cada ano de serviço (o dobro do valor do não-estável).

2)2º momento Com a entrada em vigor da Lei 5.107/66, em 01/01/1967, o empregado passou

a poder optar entre dois regimes de indenização por tempo de serviço:

regime previsto na CLTentre dois regimes de indenização por tempo de serviço : regime do FGTS. o o O

regime do FGTS.indenização por tempo de serviço : regime previsto na CLT o o O empregado que optasse

o

o

O empregado que optasse pelo regime do FGTS estava automaticamente excluído do regime de indenização por tempo de serviço e da estabilidade

previstos na CLT.

O empregado podia optar pela estabilidade decenal OU regime do FGTS, que

consiste no pagamento mensal pelo empregador de um valor equivalente a 8% do seu salário em conta vinculada do empregado, e em casos de rescisão imotivada, uma multa correspondente a 10% do valor depositado. A grande questão foi que o regime do FGTS passou a ser opção do empregador, que o colocava como opção no contrato de trabalho, como condição para contratação.

3) 3º momento Com o advento da CF/88 (05.10.88) o regime do FGTS tornou-se compulsório, não havendo mais a possibilidade de opção (art 7º, III CF). Com isso, todos os empregados tornaram-se sujeitos ao FGTS a partir da CF/88, independentemente do tempo de serviço.

E hoje, os trabalhadores portadores da estabilidade celetista são aqueles que em 05.10.1988 contavam com + de 10 anos de serviços para o mesmo empregador

e não tinham optado pelo FGTS = direito adquirido (art 14 lei 8036/90).

4) Lei 8036/90 FGTS

4.1) Conceito: é uma poupança para o trabalhador, uma reserva monetária proporcional ao tempo de serviço. É um depósito bancário destinado a formar uma poupança para o trabalhador, que poderá ser sacada nas hipóteses previstas em lei.

4.2) Depósito: art 15 Deve ser feito em conta bancária do trabalhador para este fim; junto à CEF. -> É VEDADO O PAGAMENTO DIREITO AO EMPREGADO;

-> Até o dia 7 do mês subsequente ao vencido (sob pena de multa de 5% no

mês e 10% a partir do mês seguinte).

-> efetuados mensalmente pelo empregador, no valor de 8% da remuneração

paga ao empregado, incluídas comissões, gratificações, gorjetas, salário in natura,

o

13º salário, adicionais e horas extras (sum. 63 TST); aprendiz: 2% da remuneração;

salário in natura , o 13º salário, adicionais e horas extras (sum. 63 TST ); aprendiz:

Direito do Trabalho II 5º Semestre- 2011

-> correção: art 13 -> juros de 3% ao ano + correção poupança.

4.3)

sujeito:

§1º art 15: empregador: pessoa física ou pessoa jurídica, de direito privado ou de direito público, da administração direta, indireta, ou fundacional de qualquer dos Poderes da União, Estados, DF e Municípios, que admitir trabalhadores regidos pela CLT a seu serviço.

§2º art 15: empregado-> trabalhadores regidos pela CLT, o rural, avulso, temporário;

o

Excluídos:

o

servidores públicos sob regime estatutário (§3º art 39 da CF);

o

domésticos: facultativo > mas uma vez efetuado o depósito,

presume-se como opção do empregador; retratação.;

não pode haver

o

eventuais,

o

autônomos,

o

militares;

o

estagiários

OBS: depósito será obrigatório no período em que o empregado estiver:

servindo serviço militar;

licença decorrente de acidente de trabalho;

licença-maternidade e paternidade

4.4) movimentação da conta -> Art 20:

dispensa sem justa causa,

rescisão indireta (justa causa do empregador -> art 483

extinção da empresa,

aposentadoria concedida pela Previdência Social,

falecimento do trabalhador, caso em que o seu direito é transferido aos seus dependentes,

pagamento de prestações decorrentes de financiamento de habitação concedido no âmbito do Sistema Financeiro de Habitação,

liquidação ou amortização de saldo devedor de financiamento imobiliário,

pagamento total ou parcial do preço de aquisição de moradia própria (desde que empregado tenha no mínimo 3 anos de trabalho sob regime do FGTS + operação financiável nas condições vigentes para o SFH)

quando a conta estiver inativa por 3 anos ininterruptos (saque a partir do aniversário do titular)

término do contrato de trabalho (prazo determinado experiência/temporário)

suspensão do trabalho avulso por no mínimo 90 dias,

para titulares ou dependentes das contas portadores de neoplasia maligna ou AIDS ou estiver em estágio terminal por doença grave

necessidade pessoal cuja urgência e gravidade decorram de desastre natural.

-> Quando da rescisão do contrato de trabalho sem justa causa, o empregado tem o direito de levantar o saldo existente em sua conta de FGTS, além

de

de seu contrato de trabalho, equivalente a 40% (quarenta por cento) do

receber

indenização

(também

chamada

multa)

pela

rescisão

uma

de

imotivada

Direito do Trabalho II 5º Semestre- 2011

valor depositado durante a relação de trabalho

, acrescido de qualquer valor que

tenha sido levantado dessa conta vinculada no curso do seu contrato de trabalho. -> culpa recíproca: multa de 20% -> força maior reconhecida pela Justiça do Trabalho: 20%

4) Prescrição: é trintenária 30 anos > direito de reclamar contra o não- recolhimento da contribuição para o FGTS, observando-se o prazo de 2 (dois) anos após o término do contrato de trabalho Sum 362 TST.

5) Contribuição social LC 110/01 art 1º

- o empregador deverá pagar uma contribuição de 10 % sobre o montante de

todos os depósitos devidos do FGTS durante a vigência do contrato de trabalho, acrescidos de juros e correção monetária em caso de demissão sem justa causa.

- este percentual é destinado ao sistema do FGTS, e não ao trabalhador (este fica com os 40%).

- empregador paga 50% sobre os depósitos efetuados durante o contrato de trabalho.

6) Competência: Justiça do Trabalho- art 25 lei 8036/90

7) Impenhorabilidade: as contas fundiárias são absolutamente impenhoráveis. - atenção para o REsp 1.083.061 (STJ) abril/2010 -> pode ser penhorado para pagar alimentos.