Você está na página 1de 9

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES – REFAZ III-R

(Utilize a busca por palavra pressionando simultaneamente as teclas “CTRL e L”)

• Lei Complementar 781/08 - Institui o Terceiro Programa de Recuperação de Créditos Tributários e


Não-Tributários do Distrito Federal – REFAZ III e dá outras providências. Reabertura dos prazos
pela Lei Complementar 811/08.

• Decreto nº 30.760/2009, DODF de 01/09/2009.


Regulamenta a reabertura de prazos para adesão ao Terceiro Programa de Recuperação de Créditos
Tributários e Não-Tributários do Distrito Federal (REFAZ III), instituído pela Lei Complementar nº
781, de 1º de outubro de 2008 e nos termos da Lei Complementar nº 811, de 28 de julho de 2009.

1. O que é o REFAZ III-R?.....................................................................................................2


2. Quais os tributos foram incluídos no REFAZ III-R? .........................................................2
3. A partir de quando o contribuinte poderá fazer a opção pelo REFAZ III-R? Quais os
descontos?...............................................................................................................................3
4. Existem pré-condições para o contribuinte aderir ao REFAZ III-R?..................................3
5. Há alguma restrição para parcelar nas condições do REFAZ III-R?..................................4
6. Quem já possui débitos parcelados poderá solicitar migração para o REFAZ III-R?.........4
7. Há como utilizar os benefícios do REFAZ III-R (pagando à vista ou parcelado)
escolhendo determinados débitos e excluindo outros?...........................................................5
8. Se o parcelamento anterior foi cancelado de ofício, o contribuinte poderá optar pelo
parcelamento nas condições do REFAZ III-R?.......................................................................5
9. Qual o prazo máximo do parcelamento? Há valor mínimo de parcela?.............................5
10. Qual o valor mínimo da entrada e dos juros relativos ao parcelamento nas condições do
REFAZ III-R?..........................................................................................................................6
11. Débitos referentes aos tributos de diversas Secretarias e outros inscritos em dívida ativa
e ajuizados poderão ser quitados ou parcelados conjuntamente? ..........................................6
12. Débitos originados de ação fiscal são alcançados pelo REFAZ III-R?.............................6
13. Débitos sujeitos ao pagamento antecipado e à Substituição tributária são contemplados
pelo REFAZ III-R?..................................................................................................................7
14. Débitos anteriores à 31/12/06 e ainda não declarados nos livros fiscais pelo contribuinte
poderão ser quitados nas condições do REFAZ III-R?...........................................................7
15. Débitos relativos ao Simples Nacional podem ser parcelados ou pagos na condição do
REFAZ III-R?..........................................................................................................................7
16. O que o contribuinte deve fazer para aderir ao REFAZ III-R? É preciso comparecer em
uma das Agências da Receita?................................................................................................7
17. Como fazer para obter o DAR – Documento de Arrecadação das parcelas?....................8
18. Em que hipóteses o parcelamento poderá ser cancelado? Quais as conseqüências da
exclusão do REFAZ III-R?......................................................................................................8
19. Parcelamento excluído do REFAZ III-R poderá ser reativado?........................................8
20. Poderá ser utilizado precatório para pagamentos na condição do REFAZ III-R?............8
21. Dentro dos prazos da LC 811/09 (até 29/01/10), poderá ser solicitado o cancelamento
de parcelamento efetuado nas condições do REFAZIII-R para pagamento à vista? .............9
1. O que é o REFAZ III-R?

R: É a reabertura dos prazos para adesão ao terceiro Programa de Recuperação de Créditos


Tributários e Não-Tributários do Distrito Federal destinado a promover a regularização de
créditos, constituídos ou não, inscritos ou não em dívida ativa, ajuizados ou não, tributários
ou não. Consiste na redução de juros de mora e multas, inclusive moratória.

Importante destacar que alguns tributos não poderão ser incluídos em parcelamento nas
condições do REFAZ III-R, tais como: ICM, ICMS e Simples Candango. Estes, com
descontos, apenas em pagamento à vista.
Voltar ao índice

2. Quais os tributos foram incluídos no REFAZ III-R?

R: O REFAZ III-R abrange:

1. relativos ao Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias –


ICM;
2. relativos ao Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e
sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de
Comunicação – ICMS;
3. relativos ao Regime Tributário Simplificado do Distrito Federal – Simples
Candango, instituído pela Lei nº 2.510, de 29 de dezembro de 1999;

OBS: Para estes, apenas os débitos cujos fatos geradores ocorreram até 31/12/06, sejam
oriundos de declaração espontânea ou lançamentos de ofício, e somente à vista.

1. relativos ao Imposto sobre Serviços – ISS;


2. relativos ao Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana – IPTU;
3. relativos ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores – IPVA;
4. relativos ao Imposto sobre Transmissão Inter Vivos de Bens Imóveis por Natureza
ou Acessão Física e de Direitos Reais sobre Imóveis – ITBI;
5. relativos ao Imposto Sobre Transmissão Causa Mortis ou Doação de Bens e Direitos
– ITCD;
6. relativos à Taxa de Limpeza Pública – TLP;
7. relativos à Taxa de Fiscalização do Uso de Área Pública – TFUAP;
8. relativos à Taxa de Fiscalização de Anúncios – TFA;
9. relativos à Taxa de Fiscalização de Localização, Instalação e Funcionamento –
TFLIF;
10. relativos à Taxa de Fiscalização de Obras – TFO;
11. relativos à Taxa de Vigilância Sanitária – TVS;
12. relativos à Taxa Ambiental – TA;
13.relativos à Contribuição de Iluminação Pública – CIP;
14.relativos às taxas exigidas para permanência no Programa de Promoção do
Desenvolvimento Econômico Integrado e Sustentável do Distrito Federal – Pró-DF
I e no Programa de Apoio ao Empreendimento Produtivo no Distrito Federal – Pró-
DF II, instituídos pela Lei nº 2.427, de 14 de julho de 1999, pela Lei nº 3.196, de 29
de setembro de 2003, e pela Lei nº 3.266, de 30 de dezembro de 2003, com suas
alterações;
15. relativos às Taxas de Ocupação de Imóveis;
16. relativos às Taxas de Ocupação de Área Pública;
17. relativos às Taxas de Concessão, Permissão ou Preço Público;
18. relativos às multas tributárias de natureza acessória;
19. de natureza não-tributária junto à Fazenda Pública do Distrito Federal ou junto à
administração direta, autárquica e fundacional do Distrito Federal, inscritos ou não
em dívida ativa.

OBS: Para estes, apenas os débitos cujos fatos geradores ocorreram até 31/12/07, podendo
utilizar os benefícios tanto na quitação à vista quanto parcelada.

Voltar ao índice
3. A partir de quando o contribuinte poderá fazer a opção pelo REFAZ III-R? Quais
os descontos?

R: A partir de 01 de outubro de 2009, conforme regulamentação dada pelo Decreto


30.760/2009, publicado no DODF em 01/09/2009. As datas finais também foram
estabelecidas neste Decreto, observado que os descontos para pagamento à vista são
decrescentes conforme os seguintes prazos:

- 90% - até 30/10/2009;


- 80% - até 27/11/2009;
- 65% - até 30/12/2009;
- 45% - até 29/01/2010.

Para o pagamento parcelado o desconto será sempre de 35% em quaisquer das datas acima,
encerrando-se o prazo para o recolhimento da parcela inicial no dia 29/01/2010.

O desconto para os débitos originados do descumprimento de obrigações tributárias


acessórias, para Autos de Infração lavrados até 31/12/2007, será de 50% desde quitados até
29/01/2010. Para estes, não há descontos se parcelados.

Norma: art. 2º do LC 781/08.

Voltar ao índice
4. Existem pré-condições para o contribuinte aderir ao REFAZ III-R?

R: Sim. O contribuinte deverá atender aos requisitos estabelecidos na Lei Complementar


781/08, destacando-se a nova redação trazida ao art. 10 pela Lei Complementar 811/2009.

Para usufruir o REFAZ III, o contribuinte não poderá possuir:


I - estar em débito com relação a ICM, ICMS ou ISS cujos fatos geradores tenham ocorrido
no período de 1º de janeiro de 2008 até a data de adesão ao REFAZ III-R;

II - possuir parcelamento referente a fatos geradores ocorridos entre o dia 8 de julho de


2008 e a data de adesão ao REFAZ III-R.

OBS: Diferente da LC 781/2008, a alteração trazida pela LC 811/2009 permite ao


contribuinte a adesão ao REFAZ III com quaisquer outros débitos cujos fatos geradores
tenham ocorrido entre 01/01/2008 e a data de adesão ao programa, desde que não sejam
relativos ao ICM, ICMS ou ISS.

Além das condições acima, o contribuinte deverá também:

- Renunciar expressamente a qualquer defesa ou recurso administrativo;


- Renunciar expressamente a qualquer defesa ou recurso judicial;
- Renunciar a qualquer parcelamento ou compensação com precatórios já requeridos
relativos a débitos a serem quitados, exceto as compensações com precatórios
regidas pela LC nº 52/97;
- Aceitar plena e irrestritamente a todas as condições da LC 781/08;
- Estabelecer procuração com poderes específicos, quando for o caso.

Ressalta-se que o pagamento integral ou da primeira parcela enviada pela SEF/DF constitui
confissão irretratável e irrevogável do débito e aceitação plena e irrestrita das demais
condições estabelecidas na LC 781/08. (§ 4º do art. 3º).
Voltar ao índice

5. Há alguma restrição para parcelar nas condições do REFAZ III-R?


R: Os débitos referentes ao ICM, ICMS e Simples Candango não poderão ser parcelados,
ocorrendo os descontos apenas se os pagamentos forem à vista. Demais débitos podem ser
pagos com os benefícios do REFAZ III-R à vista ou parcelado.
Deve ser observada também a data de ocorrência dos fatos geradores do tributo, pois o
REFAZ III-R contempla os ocorridos até 31/12/06 no caso de ICM, ICMS e Simples
Candango, mas para os demais débitos até 31/12/2007.
Voltar ao índice

6. Quem já possui débitos parcelados poderá solicitar migração para o REFAZ III-R?
R: Os débitos parcelados em outros regimes (REFAZ I, REFAZ II e LC 432/2001)
poderão ser migrados para o REFAZ III-R (ICM, ICMS e SIMPLES CANDANGO
somente à vista, demais débitos à vista ou parcelado) desde que solicitados com cinco dias
úteis de antecedência dos prazos de vencimento (Inciso V do § 2º do art. 1º e Inciso III do
art. 3º, ambos da LC 781/2008, alterada pela LC 811/09).
Os débitos constantes em processo de compensação com precatórios regidos pela LC
52/97 não poderão ser migrados para o REFAZ III-R (nova redação dada pela LC 811/2009
ao Inciso III do art. 3º da LC 787/2008).
Os débitos parcelados no REFAZ III (1ª edição conforme Lei 781/2008) poderão ser
migrados para pagamento à vista conforme descontos do REFAZ III-R, art. 2º da LC
811/09.
Voltar ao índice

7. Há como utilizar os benefícios do REFAZ III-R (pagando à vista ou parcelado)


escolhendo determinados débitos e excluindo outros?

R: Não. É vedado ao contribuinte incluir determinados débitos no REFAZ III-R e excluir


outros. Os débitos existentes são consolidados pela SEF ou pelo respectivo órgão
competente em duas opções:
1 - ICM, ICMS e Simples Candango;
2 - Demais Débitos.

O contribuinte pode somente quitar ambos os consolidados ou escolher um dos dois


consolidados. L.C. 781/2008 art. 1º, § 2º Incisos I e II e §§ 3º a 5º; Dec. 30.760/2008 art. 1º
§ 2º Incisos I e II e §§ 3º a 5º.
Voltar ao índice

8. Se o parcelamento anterior foi cancelado de ofício, o contribuinte poderá optar pelo


parcelamento nas condições do REFAZ III-R?
R: Sim, desde que não se refira a ICM, ICMS e Simples Candango (pois para estes o
REFAZ III-R prevê somente a opção de pagamento à vista).

Para os demais débitos, a opção pelo parcelamento no REFAZ III-R pode ser feita,
condicionada ao pagamento inicial de 10% do valor do saldo consolidado (art. 1º, § 7º da
LC 781/08).

Voltar ao índice
9. Qual o prazo máximo do parcelamento? Há valor mínimo de parcela?

R: O parcelamento poderá ser efetuado em até 36 parcelas (art. 2º, V da LC 781/08) e o


valor de cada parcela não poderá ser inferior a R$ 78,07, se pessoa física, e R$ 210,48, se
pessoa jurídica (Art. 4º. I e II da LC 781/08).

A regra será o sistema de informática da Secretaria de Fazenda gerar o parcelamento


sempre no máximo de vezes permitido, de acordo com o valor do débito. Caso o
contribuinte opte em pagar em um prazo menor, poderá emitir quantas parcelas vincendas
desejar (pela internet, nas Agências de atendimento ou nos Postos do Na Hora) e pagá-las
antecipadamente.
Voltar ao índice
10. Qual o valor mínimo da entrada e dos juros relativos ao parcelamento nas
condições do REFAZ III-R?

R: A primeira parcela será no mínimo de 5 % do total do débito consolidado, ressalvada a


hipótese de cancelamento de parcelamentos anteriores, efetuados nas condições da LC
432/01 e do REFAZ I e II (art. 1º, §2º, III da LC 781/08). Neste caso, a primeira parcela
será no mínimo de 10 % do total do débito consolidado.

Cada parcela será acrescida de 1% de juros simples + variação mensal do INPC, e se não
paga até o dia de vencimento, será acrescida de multa de 5% (se paga em até 30 dias) ou
10% (se paga depois de 30 dias).

Voltar ao índice

11. Débitos referentes aos tributos de diversas Secretarias e outros inscritos em dívida
ativa e ajuizados poderão ser quitados ou parcelados conjuntamente?

R: Se inscritos em dívida ativa e ajuizados, sim. Mas, se o débito estiver apenas lançado e
sob a gerência de órgão que não seja a Secretaria de Fazenda, deverá ser consolidado e
parcelado no respectivo setor competente.
Voltar ao índice

12. Débitos originados de ação fiscal são alcançados pelo REFAZ III-R?

R: Sim. As restrições são apenas as referentes ao parcelamento (impedido no caso de ICM,


ICMS e Simples Candango) e às datas da ocorrência do fato gerador do imposto: 31/12/06
para ICM, ICMS e Simples Candango, 31/12/07 para os demais tributos.

Caso no auto de infração conste ICMS referente a fato gerador ocorrido antes e depois de
31/12/2006, o interessado deverá solicitar nas Agências de Atendimento a separação dos
valores para que a parte devida seja quitada com os descontos previstos no REFAZ III-R.

Os débitos originados do descumprimento de obrigações tributárias acessórias poderão


ser quitados até 29/01/2010 da seguinte forma:

- À vista, com 50 % de desconto; ou


- Parcelados, sem desconto.

Obs: Ressaltando que estão alcançadas somente as multas acessórias cujos fatos
geradores ocorreram até 31/12/07.
Voltar ao índice
13. Débitos sujeitos ao pagamento antecipado e à Substituição tributária são
contemplados pelo REFAZ III-R?

R: Sim. Não há na LC 781/08 restrição ao pagamento à vista de débitos nessas condições.


Apenas foi excluída a hipótese de parcelamento de débitos referentes ao ICM, ICMS e
Simples Candango.

Ressalvando somente que alcança somente os fatos geradores ocorridos até 31/12/2006.

Voltar ao índice
14. Débitos anteriores à 31/12/06 e ainda não declarados nos livros fiscais pelo
contribuinte poderão ser quitados nas condições do REFAZ III-R?

R: Sim. Para isso o contribuinte deverá retificar os livros anteriores (declaração


espontânea) e apresentar as declarações do imposto até 5 (cinco) dias úteis antes do prazo
previsto para cada desconto (Art. 3º, § 5º da LC 781/08).

15. Débitos relativos ao Simples Nacional podem ser parcelados ou pagos na condição
do REFAZ III-R?

R: Não. O REFAZ III não abrange os débitos relativos ao Simples Nacional.

Uma das pré-condições para o contribuinte se manter enquadrado no Simples Nacional é


manter em dia suas obrigações.
Voltar ao índice

16. O que o contribuinte deve fazer para aderir ao REFAZ III-R? É preciso
comparecer em uma das Agências da Receita?

R: Não precisa comparecer no caso dos débitos sob a gestão da Secretaria de Estado de
Fazenda, ou seja, cuja competência do lançamento é desta Secretaria ou débitos de outros
órgãos quando inscritos em dívida ativa. A Secretaria de Fazenda enviará o DAR -
Documento de Arrecadação a todos os contribuintes com débitos passíveis de
parcelamento. Neste caso, basta efetuar o pagamento do sinal (para parcelar) ou do valor
total para aderir ao REFAZ III-R.

Para ICM, ICMS e Simples Candango o pagamento deverá ser à vista. Para demais débitos,
haverá a opção de pagamento à vista ou parcelado.

O contribuinte que não receber esse documento deverá requerê-lo nas Agências de
Atendimento da Receita da SEF ou no setor de atendimento do respectivo órgão credor.
Voltar ao índice
17. Como fazer para obter o DAR – Documento de Arrecadação das parcelas?

R: Depois do pagamento da parcela inicial, o contribuinte receberá em seu endereço,


mensalmente, as parcelas a serem pagas. Caso não as receba, poderá emiti-las via internet,
nas Agências de Atendimentos ou nos Postos do Na Hora.
Voltar ao índice

18. Em que hipóteses o parcelamento poderá ser cancelado? Quais as conseqüências


da exclusão do REFAZ III-R?

R: O contribuinte será excluído do parcelamento a que se refere a Lei Complementar


781/08 na hipótese de falta de pagamento de 3 (três) parcelas, consecutivas ou não, ou de
qualquer parcela por mais de 90 (noventa) dias.

- Para efeito do disposto acima, serão considerados todos os estabelecimentos da empresa


beneficiária do parcelamento.

- A exclusão do parcelamento será comunicada ao contribuinte no prazo de até 5 (cinco)


dias úteis, por meio de ato da Secretaria de Estado de Fazenda, da Procuradoria-Geral do
Distrito Federal ou do órgão credor dos valores a que se refere a Lei Complementar 781/08.

- A exclusão do parcelamento implicará exigibilidade imediata da totalidade do crédito


confessado e não pago, assim como a automática execução da garantia prestada, se
existente, restabelecendo-se, em relação ao montante não pago, os encargos e acréscimos
legais na forma da legislação aplicável à época da ocorrência dos respectivos fatos
geradores.
Voltar ao índice

19. Parcelamento excluído do REFAZ III-R poderá ser reativado?

R: Poderá haver a reativação, uma única vez, do parcelamento excluído, desde que o
contribuinte regularize todas as pendências que ocasionaram a exclusão em até 2 meses.
Nesse caso, as demais parcelas vincendas não sofrerão alteração, prevalecendo as
condições iniciais.
Voltar ao índice

20. Poderá ser utilizado precatório para pagamentos na condição do REFAZ III-R?

R: Sim, desde que a compensação seja à vista (integral) e atenda as demais condições
estabelecidas na Lei Complementar 781/08 (e alterações da LC 811/09), entre elas:

- Quitar pelo menos 5% do débito consolidado em espécie (dinheiro) à vista ou


parcelado em até 5 vezes (§ 10º do art. 6º do Dec. 30.760/08);
- Não estejam os débitos relacionados em qualquer parcelamento "ativo" ou "não
cancelado" concedidos pela Lei 432/01, REFAZ e REFAZ II;
- Sejam registradas as cessões de direito em cartório, atestadas as validades dos
precatórios pela Procuradoria Geral do Distrito Federal, antes de apresentá-los na
Agência, no caso de precatórios de terceiros.

Portanto não haverá a compensação com precatórios de forma parcelada.

Os débitos relacionados no REFAZ III poderão ser compensados com precatórios, desde
que:
- Relativos a ICM e ICMS somente para fatos geradores ocorridos até 31/12/2005;
- Relativos aos demais débitos até 31/12/2007;

Voltar ao índice

21. Dentro dos prazos da LC 811/09 (até 29/01/10), poderá ser solicitado o
cancelamento de parcelamento efetuado nas condições do REFAZIII-R para
pagamento à vista?

R: Sim, desde que em tempo hábil para que se possa efetuar esse cancelamento, emitir
novo DAR e esse seja pago antes dos prazos limites de cada desconto previstos na LC
811/09.

Voltar ao índice