Você está na página 1de 6

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ESTUDANTES DE ARQUITETURA

DIRETORIA REGIONAL NORDESTE

DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DO


PROJETO MAMBEMBE

OFICINA ITINERANTE DE MOBILIDADE ESTUDANTIL

JAN/2009
INTRODUÇÃO

O Projeto Mambembe é um modelo de evento construído nos moldes


das oficinas de teatro itinerantes, comuns no Nordeste do Brasil. Elas
costumam ser organizações independentes, simples e despretensiosas, que
visitam as mais diversas cidades mostrando e suas realizações aprendidas
empiricamente; dessa forma modificando, mesmo que por breves instantes, a
vida e a realidade daquela pequena localidade e dos seus habitantes.
Esse documento visa orientar a devida construção do Projeto
Mambembe, fornecendo as diretrizes para a sua preparação, a sua realização
e o seu funcionamento; servindo mais como um guia do que como um modelo.

O QUE É O PROJETO MAMBEMBE?

Este Projeto surgiu da necessidade de promover uma maior integração


entre as faculdades de arquitetura e urbanismo da Regional Nordeste da
FeNEA (Federação Nacional dos Estudantes de Arquitetura do Brasil);
composta pelas escolas dos estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco,
Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí e Maranhão. Visa também realizar
momentos de interação entre os estudantes das diversas escolas dentro de
suas próprias instituições, divulgando através deste evento a FeNEA e seus
principais projetos; tais como os EREA’s (Encontros Regionais de Estudantes
de Arquitetura) e ENEA’s (Encontros Nacionais de Estudantes de Arquitetura),
e todos os outros eventos que possam ser de interesse dos estudantes de
arquitetura e urbanismo e do movimento estudantil no geral.
O Projeto Mambembe atua como uma oficina itinerante de mobilidade
estudantil, onde faculdades de dois ou mais estados se encontram em uma
cidade anfitriã também participante do projeto, a fim de realizar uma produção
em conjunto com base nos resultados obtidos durante a realização do evento.
O Mambembe surgiu a priori como uma alternativa em paralelo ao Projeto
Caravanas que acontece em outras regionais, que consiste na visita dos
Diretores Regionais às escolas para conversar e conhecer os estudantes e
assim divulgar os ideais, interesses e projetos da FeNEA. De outra forma, o
Mambembe tem como objetivo promover um diálogo entre o estudante e sua
cidade, conhecendo-a e contestando-a através da criação de um olhar crítico; e
a expansão dessa nova visão para os visitantes de forma a ir além da simples
visão do turista. Essa convivência finda por articular as faculdades do nordeste
pela troca de experiências e conhecimentos inevitável no decorrer do evento.
Ao contrário do processo original, o Mambembe procura realizar uma
produção, indo além da simples divulgação da FeNEA e de seus projetos.

ESCOLHA E PREPARO DAS CIDADES PARTICIPANTES

A escolha das cidades a sediar e a participar de cada versão do Projeto


Mambembe deve acontecer em Encontros Regionais ou nos Conselhos
Regionais de Entidades Estudantis de Arquitetura (COREA’s), mediante a
presença de representantes dos Centros e Diretórios Acadêmicos das escolas
envolvidas que irão assumir a responsabilidade da realização do evento. Estes
são momentos em que se encontram presentes e reunidos estudantes de toda
a regional, facilitando a disseminação do interesse em cima do projeto. As
cidades participantes, quando reunidas, buscariam entre si características
comuns ou discrepantes de cada localidade de forma a formular o objetivo
específico e o embasamento teórico da visita.
Pode ainda ser pensada numa visita a uma outra cidade que não as
envolvidas, criando uma expectativa de novidade que promoveria um
crescimento coletivo além da simples troca de experiências, onde os
estudantes estariam em pé de igualdade por se encontrarem todos na condição
de visitantes. Se faz imprescindível, nesse caso, a participação de
representantes locais na elaboração de todas as fases do projeto, de
preferência um professor orientador.
O roteiro deve ser montado direcionado pelo objetivo específico já definido,
visando despertar um pensamento crítico através da análise do problema-
objetivo e elaborar um diagnóstico posterior da percepção individual ou coletiva
da cidade, para desenvolver a visão de arquitetura e de movimento estudantil
dos participantes.
A responsabilidade sobre a elaboração do embasamento teórico e do
roteiro da visita fica a cargo dos Centros e Diretórios Acadêmicos, contando
com a participação dos estudantes e de professores da área abordada. A partir
disso deve ser elaborado um texto explicativo da temática e do roteiro, a ser
divulgado com pelo menos três semanas de antecedência da data do evento
no fórum e no site da FeNEA e nos meios de comunicação eficientes das
faculdades envolvidas. Esse texto preparativo deve ser divulgado em conjunto
com o roteiro e a programação da visita.
É interessante que se estimule a participação de estudantes de todos os
períodos do curso, tendo em vista aproveitar potencialmente os diferentes
graus de conhecimento adquiridos no decorrer do curso e as diversas visões
advindas dessa variedade. É recomendável ainda que se tome como teto o
número máximo de cem participantes, pensando na dispersão das atividades
durante a realização do projeto e na infra-estrutura necessária para o bom
recebimento de todos.
As responsabilidades com inscrições dos participantes, pagamento e todos
os outros aspectos necessários para o acontecimento do evento são dos
Centros e Diretórios Acadêmicos das cidades envolvidas; bem como do
desenrolar das atividades e da elaboração do produto final no encerramento.

VISITAS E ATIVIDADES

O primeiro momento do encontro deve ser construído a partir da


apresentação do Projeto Mambembe aos seus participantes, contando ainda
com uma explanação sobre o roteiro e os objetivos da visita, situando os
estudantes com base nas discussões anteriores e no texto de esclarecimento
já devidamente preparado e divulgado. Uma apresentação breve e simplificada
da FeNEA deve ser incluída no momento de apresentação do Projeto, com
foco na sua atuação como entidade de representação estudantil e nos seus
eventos e projetos.
Os guias devem ser estudantes da cidade-sede e professores da área
envolvida pela temática daquela edição do Projeto, e devem estar misturados
aos participantes formando pequenos grupos que desenvolverão a discussão
durante as visitas. Eles devem atuar igualmente tanto como palestrantes,
explanando e informando sobre cada local e momento; como na forma de
incentivadores e fomentadores da discussão, deixando o restante do grupo
livre para desenvolver os debates e atividades propostas.
Para a realização da atividade final deve ser escolhido um local
adequado para o momento de troca e de avaliação a ser realizado, com
espaços distintos tanto para a separação dos estudantes em grupos quanto
para a união de todos em um único grupo de discussão e produção. A
avaliação do acontecimento do Projeto e das experiências e produtos
originados ao longo do seu decorrer deve acontecer coletivamente, com a
presença de todos.
O que se busca como produto final de toda a discussão desenvolvida é algo
que possa expressar a marca individual de cada participante ao mesmo tempo
que mostra a coletividade atingida pela participação dos diversos estudantes
na produção do evento. Toda forma de registro pode e deve ser aproveitada
neste momento de conclusão, desde fotos, vídeos e croquis até a produção de
relatos, composições e intervenções das mais variadas formas. Cada ponto do
roteiro deve ser avaliado e discutido individualmente, e o resultado final dessa
produção deve ser guardado e documentado nos arquivos e no site da FeNEA,
de forma a ficar registrado e servir de embasamento para a realização de
outras edições do evento ou mesmo de outros projetos.
A atribuição de certificados de participação, com contabilização de carga
horária, deve servir para conferir uma maior credibilidade e seriedade ao
Projeto Mambembe; incentivando ainda a participação dos estudantes e a
construção do produto objetivado. Estes certificados devem ser validados pela
assinatura da Diretoria Regional da FeNEA, mesmo que esta não
necessariamente precise estar presente para o acontecimento do evento.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O mambembe é um projeto versátil que se adapta de acordo com o local


e a problemática buscada, e tem um caráter diversificado que abrange as áreas
acadêmica, política, social e humana. O produto final gerado serve tanto para
fixar o conteúdo das discussões quanto para tornar concreto o fruto dos
acontecimentos, representando simbolicamente o conhecimento e as
experiências adquiridas ao longo do percurso. Além disso, vale salientar que a
convivência com pessoas novas e diferentes, a formação de novos contatos e
os momentos de confraternização são experiências bastante positivas e que
levam o estudante para além dos limites da universidade.

Diretoria Regional Nordeste 2008/2009


Federação Nacional de Estudantes de Arquitetura e Urbanismo do Brasil

Interesses relacionados