Você está na página 1de 16

DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

A condição Coeteris Paribus – significa tudo o mais constante.

Utiliza-se para analisarmos parcialmente um mercado, deixando tudo o mais constante.

Tópicos de abordagem da Microeconomia

Teoria da demanda (procura)


Teoria do Consumidor (demanda Individual
Demanda do Mercado
Teoria da Oferta
Teoria da produção
Teoria dos custos da produção
Análise das estruturas de mercado

Demanda (ou procura) é quantidade de determinado bem ou serviço que os consumidores


desejam adquirir, num dado período.

Demanda nesse caso é um desejo, um plano. Representa o máximo que o consumidor pode
aspirar, dada a sua renda e os preços do mercado.

Fundamentos da Teoria da Demanda

A teoria da demanda que vamos estudar baseia-se na Teoria do Valor Utilidade.

A teoria do valor utilidade pressupõe que o valor de um bem se forma por sua demanda,
isto é, pela satisfação que o bem representa para o consumidor, ou seja, quanto maior a
satisfação obtida maior tende a ser a demanda.

O que é Utilidade?
Utilidade é uma medida quantitativa de bem estar ou satisfação obtida a partir do consumo
de bens e serviços.

Utilidade total – é a satisfação total que o consumidor recebe ao consumir um determinada


quantidade ou dose de um produto em certo período de tempo.

Utilidade marginal – é a alteração da utilidade total que o indivíduo obtém por consumir
uma unidade adicional de um bem ou serviço

Umg = UT / Q Utilidade marginal = Variação na utilidade total dividido


pela variação na quantidade.
A tabela abaixo mostra a curva de utilidade:
Tabela
quantidade utilidade Utilidade marginal
0 0 0
1 30 30
2 50 20
3 60 10
4 65 5
5 70 5
6 70 0 ponto de saturação

O gráfico da utilidade total apresenta uma característica crescente que vai mostrar a
quantidade total de utilidade obtida ao longo de um determinado consumo, quer seja ele
positivo ou negativo.
Gráfico da Utilidade Total

0 Quantidade Total

O gráfico da utilidade Marginal apresenta uma característica descrescente que vai mostrar
a utilidade marginal obtida ao longo de um determinado consumo.

Gráfico da Utilidade Marginal

0 Quantidade Total

A utilidade marginal de um bem para qualquer pessoa diminui a medida que aumenta a
quantidade desse bem que a pessoa já possui.

CURVA DE INDIFERENÇA
Uma curva de indiferença representa todas as combinações de cestas de mercado que
proporcionam o mesmo nível de satisfação a uma pessoa.
A

Todos os pontos representam situações que proporcionam idêntica satisfação.

A curva de indiferença apresenta inclinação negativa, da esquerda para a direita.

Qualquer cesta de mercado localizada acima e à direita de uma curva de


indiferença é preferida a qualquer cesta de mercado localizada sobre a curva de
indiferença.

Finalmente, as curvas de indiferença não podem se interceptar.

MAPA DE INDIFERENÇA
Um mapa de indiferença é um conjunto de curvas de indiferença que descrevem
as preferências de uma pessoa com relação a todas as combinações de duas
mercadorias.
Cada curva de indiferença no mapa mostra as cestas de mercado entre as quais
a pessoa é indiferente
Mapa de indiferença

RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA

È o montante da renda disponível do consumidor, em dado período de tempo. Ela limita as


possibilidades de consumo, condicionando quanto ele pode gastar.

A cada decisão há alocação de recursos escassos entre diferentes alternativas.

Conceito: Indica quais combinações de bens e serviços o consumidor pode comprar com
um orçamento limitado, a preços determinados.

Enquanto a curva de indiferença refere-se ao conjunto de bens e serviços que o consumidor


pode adquirir, considerando as preferências subjetivas do consumidor, a restrição
orçamentária condicionará o conjunto possível de bens e serviços que o consumidor pode
adquirir.

MUDANÇAS NA LINHA DO ORÇAMENTO

A linha do orçamento pode sofre mudanças quando alguns das variáveis ( preço dos bens
ou renda do consumidor) se alterar.

Um aumento na renda, vai permitir que o consumidor aumente seu poder de consumo.
Um aumento da renda irá mudar a linha do orçamento para cima e para a direita.O inverso é
verdadeiro.

Alterações nos preços do Bens.


Quando o preço de um bem é alterado tanto sua inclinação como seu intercepto sofrerão
mudanças.

VARIÁVEIS QUE AFETAM A DEMANDA

A Demanda de um bem ou serviço pode ser afetada por muitos fatores:

Variáveis que afetam a quantidade Uma alteração nesta variável


Preço Representa um movimento ao longo
da curva de demanda
Renda, riqueza Desloca a curva de demanda
Preço de bens relacionados Desloca a curva de demanda
Gostos Desloca a curva de demanda
Expectativas, crédito Desloca a curva de demanda
Número de compradores Desloca a curva de demanda

A função demanda é colocada dependente das seguintes variáveis:

Qd= f(Px, Py,Pc,R,G), onde:

Qd= quantidade demandada,


Px= Preço dos bens,
Py= preço dos bens substitutos,
Pc= preço dos bens complementares,
R= renda,
G= gostos, hábitos, preferëncias....
Relação entre a quantidade demanda e o preço do bem

Curva de demanda de mercado mostra a relação entre a quantidade de um bem por todos
os índivíduos e seu preço, mantendo constante outros fatores ( gosto, renda, preço dos
bens relacionados) (Mochon & Troster,1994,p.50).

Escala de Procura Preços ($) Curva de Procura


Preços unitários Quantidades procuradas 6,50
($) (unidades - mês) 6,00
2,00 18
3,00 14
4,00 10 5,00
5,00 6
6,00 4 4,00

3,00
2,00

0
2 4 6 8 10 2 14 16 18
Quantidades procuradas

Como podemos observar no gráfico acima a quantidade demandada é inversamente


proporcional ao aumento no preço, ou seja, quanto maior preço menor será quantidade
procurada de determinado produto, considerando constante outros fatores.

Neste caso a função é representada por QD= F(P), tudo mais constante.
Porque isto ocorre:

Efeito Substituição: se o preço aumenta o consumidor passa a adquirir o bem substituto,


reduzindo assim sua demanda para o bem que aumentou de preço.

Efeito Renda: se o preço aumenta o consumidor perde poder aquisitivo e a demanda por
esse produto diminui.

Relação entre a quantidade demandada, o preço de outros bens e serviços e renda dos
consumidores.

MUDANÇAS NAS RENDAS OU AS RECEITAS DOS CONSUMIDORES (Y)


Quando a renda de um consumidor aumenta, este desejará gastar mais e procurará mais
bens, mas nem todos os bens serão procurados, e isto nos permitirá estabelecer a diferença
entre bens normais e bens inferiores.

Bens Normais: são aqueles cuja quantidade demandada aumenta quando aumenta a renda.
A um determinado nível de renda dos consumidores a curva de demanda apresente os
seguintes pares de preços e quantidades.

Px QPx Px
10 100
11 90
12 81
13 76

Dx

Qx

A curva de demanda destes consumidores seria assim.


Porém se a renda dos consumidores se eleve, as quantidades demandadas do bem X,
provavelmente se elevarão, de tal forma que para os possíveis níveis de preços:

Px QPx QPx` Px
10 100 110
11 90 100
12 81 91
13 76 86 D´x

Dx
D´x

Qx

Como podemos perceber a nova curva da demanda situa-se a direita da curva de demanda
anterior, indicando que para cada nível de preço de mercado possível, os consumidores
estão dispostos a adquirir maiores quantidades do bem X, porque suas rendas são maiores
que antes.
Caso haja uma redução na renda do consumidor, teremos uma redução na demanda, o que
deslocará a curva de demanda para a esquerda, conforme gráfico acima.

Bem Inferior: é aquele bem cuja demanda diminui quando aumenta a renda do
consumidor e aumenta quando o consumidor fica mais pobre. Ex. A carne de Segunda.

Px

D´x
Dx
Dx
D´x

QPx QPx
Gráfico 1 – A renda aumenta Gráfico 2- A renda diminui
Quando renda aumenta a demanda de bens inferiores aumenta, conforme gráfico 1, e
quando a renda diminui a demanda aumenta conforme gráfico 2

BENS DE LUXO E DE PRIMEIRA NECESSIDADE

Dentre os bens normais, cabe distinguir bens de luxo e bens de primeira necessidade.

Bem de primeira necessidade: quando ao aumentar a renda, a quantidade demandada do


bem aumenta em menor proporção. Ex.: Leite

Bem de luxo: quando ao aumentar a renda a quantidade demandada do bem aumenta em


maior proporção. Ex.: automóveis

BENS RELACIONADOS

A quantidade demandada de um bem depende das variações nos preços dos bens
relacionados a ele.
Exemplo: um aumento no preço da manteiga fará a demanda de margarina aumentar.

BENS SUBSTITUTOS E BENS COMPLEMENTARES.

Bens substitutos: são substitutos se a majoração do preço de um deles eleva a quantidade


demandada do outro, qualquer que seja o preço. Ex. Carne bovina e carne suína, manteiga e
margarina, Etc.
Bens complementares: são complementares se a majoração do preço de um deles reduz a
quantidade demandada do outro. Ex.: Pão e margarina, café e leite, caderno e caneta, Etc.

MUDANÇA NOS GOSTOS OU PREFERÊNCIAS DOS CONSUMIDORES

Uma campanha publicitária, uma mudança nos costumes pode provocar mudanças na curva
de demanda, ou uma alteração nos gostos dos consumidores ao longo do tempo.

A OFERTA
A oferta de determinado produto é determinada pelas várias quantidades que os
produtores estão dispostos e aptos a oferecer no mercado, em função dos vários níveis
possíveis de preços, em dado período de tempo.
O comportamento típico dos produtores é o de aumentarem as quantidades ofertadas
, caso os preços aumentem, reduzindo-se em caso de reduções de preços incompatíveis com
os custos de produção.
Considerando essa reação típica, dizemos que a quantidade ofertada depende
diretamente do preço.
No mercado, a quantidade de produtos que cada ofertante está disposto a vender
pelo preço oferecido, obtemos a curva de oferta individual.
A relação numérica entre o preço das laranjas e a quantidade oferecida é a tabela
de oferta. A expressão gráfica dessa relação é conhecida como Curva de Oferta Individual

A Curva de Oferta de Mercado mostra relação entre a quantidade de um bem oferecido


por todos os produtores e seu preço, mantendo constante os outros fatores (tecnologia,
preço dos fatores produtivos etc.).

Tabela da oferta Curva de oferta


Preços Quantidades Preço ($)
Por produtos Ofertadas 6,50
($) (Unidades-Mês) 6,00
2,00 6 5,50
5,00
3,00 8 4,50
3,50 9 4,00
4,00 10 3,50
4,50 11 3,00
5,00 12 2,50
5,50 13 2,00
6,00 14 0
6 7 8 9 10 11 12 13 14
Quantidade
Procura
da
DESLOCAMENTOS DA CURVA DE OFERTA
A curva da oferta se desloca em relação à sua posição original quando uma daquelas
variáveis que forma supostas constantes ao se traçar a curva mudar de valor.

Variáveis que afetam a quantidade Uma alteração nesta variável


Preço Representa um movimento ao longo
da curva de oferta
Preço dos insumos Desloca a curva de oferta
Tecnologia Desloca a curva de oferta
Expectativas Desloca a curva de oferta
Número de vendedores Desloca a curva de oferta

Suponhamos, por exemplo: Ex: Se o preço do alumínio aumenta, então a oferta de alumínio
decresce e ai oferta por barcos de pesca também decresce.

S1 S0
P

Oferta de barcos

Preço de bens relacionados


Ex: Se os preços do filé aumenta, produtores podem responder aumentando com a
produção de bovinos. Isto provavelmente aumentará a oferta de couro para confecção de
sapatos.

So S1
P
Número de vendedores no mercado – Como o número de vendedores no mercado
aumenta, a oferta do produto aumenta.

DESLOCAMENTOS DA CURVA DA OFERTA E SUA INCIDÊNCIA SOBRE O


PREÇO E A QUANTIDADE DE EQUILIBRIO.

Suponha que num outro verão, um terremoto destrói várias fábricas de sorvete. Como este
acontecimento afetará o mercado de sorvetes? Mais uma vez, para responder à pergunta,
seguiremos os três passos.

1. O terremoto afeta a curva de oferta. Ao reduzir o número de vendedores, o


terremoto altera a quantidade de sorvete que as empresas produzem e vendem a um preço
dado qualquer. A curva de demanda permanece inalterada porque o terremoto não muda
diretamente a quantidade de sorvete que as pessoas desejam comprar.

2. A curva de oferta se desloca para a esquerda porque, a qualquer preço, a quantidade


total de sorvete que as empresas desejam e podem vender é menor. A Figura 9 ilustra
esta redução na oferta como sendo um deslocamento da curva de oferta de S1 para S2.

3. Como mostra a Figura 9,o deslocamento da curva de oferta provoca um aumento do


preço de equilíbrio de US$ 2 para US$ 2,50 e reduz a quantidade de equilíbrio de 7
para 4 casquinhas de sorvete. Em conseqüência do terremoto, o preço do sorvete
aumenta e a quantidade vendida diminui.

FIGURA 9

O2
P

O1

2,50
2

4 7 Quantidade ofertada
Mercado
O PREÇO DE EQUILIBRIO
As posições dos consumidores e produtores são conflitantes. Consumidores buscam
preços baixos e produtores, altos. A posição de equilíbrio é dada pela interseção das curvas
de procura e oferta. No ponto de intersecção, define-se o preço de equilíbrio. Nem tão alto
para o consumo e nem tão baixo para a produção. No ponto de equilibrio igualam-se as
quantidade oferecidas e as quantidades demandadas por cada agente econômico.

O preço e equilíbrio é aquele que em que coincidem os planos dos demandantes


ou consumidores e dos ofertantes ou produtores. (Mochon & Troster,1994,p.54)

Na tabela a seguir encontra-se o preço que harmoniza os interesses conflitantes


entre os produtores e consumidores.

Preços Quantidades ( Unidades-Mês) Situação de mercado


($) Procuradas Ofertadas

2,00 18 6 Escassez ou excesso de demanda


3,50 12 9 Escassez ou excesso de demanda
4,00 10 10 EQULÍBRIO
5,00 6 12 Excedente ou excesso de oferta
6,00 2 14 Excedente ou excesso de oferta

Preço
14,0 Excedente
Preço de equilíbrio
12,0

4,00

6,00
Escassez
2,00
0
2 6 10 1218 Quantidade
Procurada
Como podemos observar no gráfico, para qualquer preço abaixo de $ 4,00 os ofertantes não
querem vender, o que representa escassez no mercado., ou seja oferta menor que a
demanda. Por sua vez para qualquer preço acima de $ 4,00, os demandantes não querem
comprar, o que representa um excesso de oferta (excedente), ou seja oferta maior que a
demanda.
Ao preço de $ 4,00 a quantidade demandada coincide coma quantidade ofertada, então
temos o ponto de equilíbrio, ou preço de equilíbrio, que nos diz que toda a quantidade
ofertada será demandada, não tende excedente ou escassez.
TRATAMENTO MATEMÁTICO DA CURVA DE OFERTA E DEMANDA

As curvas de demanda e oferta podem ser expressas em forma matemática.

QDx = 280 - 4Px (demanda)


QOx = -20 + 2Px (Oferta)

QDx = quantidade demandada ou procurada do bem X


QOx = quantidade ofertada do bem X
Px = preço do bem X

Temos duas formas de encontrar o preço de equilibrio, montando uma tabela, substituindo
na fórmula vários preços ate acharmos o rpeço de equilibro.

Px QDx = 280 – 4Px QOx = - 20 + 2Px


30 280 – (4 x 30) = 160 -20 + (2 x 30) = 40
40 280 – (4 x 40) = 120 -20 + (2 x 40) = 60
50 280 – (4 x 50) = 80 -20 + (2 x 50) = 80
60 280 – (4 x 60) = 40 -20 + (2 x 60) = 100

Como podemos perceber o preço de equilibrio é $ 50, pois as quantidades demandadas e


ofertadas são as mesmas.

Também podemos calcular da seguinte forma:

280 – 4Px = -20 + 2Px


280 + 20 = 2Px + 4Px
300 = 6Px
Px = 300/6 = 50

O preço de equilibrio e de $ 50.

2- Dadas as equações: QDx = 4000 – 500Px e Qox = -2000 + 1000Px

4000 – 500Px = -2000 + 1000 Px


4000 + 2000 = 1000Px + 500Px
6000 = 1500 Px
Px = 6000/1500 = $ 4,00

A ELASTICIDADE –PREÇO DA DEMANDA

A elasticidade-preço da demanda (Ep) mede o quanto a quantidade demandada responde a


variações no preço. e se expressa pela variação percentual da quantidade demandada
dividida pela variação percentual do preço. Ou seja,

Elasticidade-preço = Variação percentual da quantidade demandada


da demanda Variação percentual do preço

Por exemplo, suponha que um aumento do preço da casquinha de sorvete de R$ 2 para R$


2,20 provoque uma queda das suas compras de sorvete de 10 para 8 casquinhas mensais.
Calculamos a variação percentual do preço como

Variação percentual do preço = (2,20 - 2,00) / 2,00 x 100 = 10%

Da mesma forma calculamos a variação da quantidade demandada como

Variação percentual da quantidade demandada = (10 - 8) 10 x 100 20%


Neste caso a sua elasticidade da demanda será

Elasticidade-preço da demanda = 20 por cento = 2


10 por cento

No exemplo a elasticidade é igual a 2, implicando que a variação na quantidade demandada


é duas vezes maior do que a variação do preço.

A VARIEDADE DAS CURVAS DE DEMANDA

Classificam-se as curvas de demanda de acordo com sua elasticidade.

A demanda é elástica quando é maior do que 1, de modo que a quantidade varia


proporcionalmente mais do que o preço.

É inelástica quando é menor do que 1, de modo que a quantidade varia proporcionalmente


menos do que preço.

Elasticidade unitária se a elasticidade for exatamente igual a 1, de modo que a variação


quantidade seja proporcionalmente igual à variação do preço.

Elasticidade-renda da demanda, que mede como a quantidade demandada varia quando a


renda dos consumidores varia. A elasticidade-renda é a variação percentual da quantidade
demandada dividida pela variação percentual da renda. Ou seja,
elasticidade-renda = Variação percentual da quantidade demandada
da demanda Variação percentual da renda

A ELASTICIDADE E A RECEITA TOTAL

Quando a demanda é elástica, uma redução do preço aumentará a receita total e o contrário
diminuirá a receita total, pois a variação percentual na quantidade demandada será maior
que a produzida no preço.

Quando a demanda é inelástica, uma redução no preço diminuirá a receita total. E um


aumento a elevará.