Você está na página 1de 1

B6 ECONOMIA TERÇA-FEIRA, 1 DE SETEMBRO DE 2009

O ESTADO DE S.PAULO

A ERA DO PRÉ-SAL q

Lula faz discurso de campanha


Presidente repetiu várias vezes o refrão “O petróleo e o gás pertencem ao povo e ao Estado”

Tânia Monteiro diva de Deus”. E todo o discurso porque esse não é um assunto FRASES breviveu à extinção, deu a volta largo sorriso e aplaudiu. Termi-
BRASÍLIA
foi pontuado pelo refrão: “O pe- apenas para os iniciados e os es- por cima, mostrou o seu valor”. nou o discurso rendendo home-
tróleo e o gás pertencem ao po- pecialistas. Nem tampouco um Luiz Inácio Lula da Silva Lula salientou que, no seu go- nagemaosbrasileirosqueparti-
A solenidade era para lançar o vo e ao Estado, ou seja, a todo o tema que deve ficar restrito ao Presidente brasileiro verno, a estatal ganhou liberda- ciparam do movimento pela
marco regulatório do pré-sal, povo brasileiro”. parlamento”, disse. “Diziam que a Petrobrás era o de para investir. “Passamos a criação da empresa, nos anos
masopresidenteLuizInácioLu- Essa foi a primeira das três Grande parte do discurso foi último dinossauro a ser cuidar com muito carinho do 1950. Citou Monteiro Lobato e,
la da Silva fez um discurso de diretrizes estabelecidas no dis- usado em uma espécie de louva- desmantelado no País. Foram nossoquerido dinossauro”,afir- sob aplausos, afirmou que é a
campanha: “Pré-sal, patrimô- curso. Na segunda, ele senten- ção à Petrobrás. No ano passa- tempos de pensamentos mou. Os recursos da empresa “mão invisível do povo, bem
nio da União, riqueza do povo, ciou que o Brasil não deve virar do, quando começaram as di- subalternos” destinados à pesquisa e ao de- mais sábia e permanente, e não
futuro do Brasil”. O slogan, es- um mero exportador de petró- cussões sobre o novo marco re- senvolvimento saltaram, pela a mão do mercado, que tece o
tampado nas pastas do mate- leo – o País tem de industriali- gulatório, Lula tinha outra pos- “O petróleo e o gás pertencem ao sua contabilidade, de US$ 201 destino do País”.
rial publicitário, foi seguido à zaroóleo,agregarvaloreexpor- tura em relação à estatal e che- povo e ao Estado, ou seja, a todo milhões, em 2003, para R$ 960 O discurso chegou a arran-
risca no roteiro do discurso do tar produtos petroquímicos. A gou a acusá-la de querer virar o povo brasileiro” milhões, em 2008, sugerindo car lágrimas da ministra-chefe
presidente. O novo modelo de terceira diretriz foi um apelo: dona do petróleo. “O petróleo que foram esses investimentos daCasa Civil,Dilma Rousseff. O
produção (partilha), o Fundo “Não vamos nos deslumbrar e não é do governo do Estado do “(O pré-sal) será um passaporte que propiciaram a descoberta Brasil, segundo o presidente,
Social,a nova estatal e o fortale- sair por aí, como novos ricos, Rio de Janeiro, não é da Petro- para o futuro" do pré-sal. “está deixando para trás o com-
cimento da Petrobrás foram torrando o dinheiro em boba- brás”, afirmou em agosto do Para Lula, a empresa e o Bra- plexo de inferioridade que lhe
apresentados como exemplos gens”. ano passado. sil vivem um momento diferen- inculcaram durante séculos,
contrários à política do gover- Com um discurso ensaiado e O presidente acusou o gover- brax, uma ideia que ele atribui te do de 1997, quando o governo aprendeu como é bom andar de
no tucano de Fernando Henri- sem improvisos – que não é o no FHC de tratar a Petrobrás aos “adoradores do mercado. quebrou o monopólio do petró- cabeça erguida e olhar confian-
que Cardoso (1995-2002), o an- costume–, Lulaapelou à mobili- como “uma herança maldita do “Sabe-se lá o que esse xis queria leo e criou o modelo de conces- te o futuro”.
tecessor. zaçãopopularem defesa das re- período jurássico”. Chegou a dizer nos planos de alguns ex- são. “Foram tempos de pensa- Ao citar o Fundo Social,
Em tom ufanista, o presiden- gras do pré-sal. “Estou seguro lembrar, em tom irônico, o pla- terminadoresdefuturo”,emen- mentos subalternos”. Na pla- emendou: “ Vamos pagar uma
te chamou as reservas do pré- de que o povo brasileiro entrará no de marketing para mudar o dou.“Benditosamigose compa- teia, o presidente da estatal, Jo- imensa dívida que o País tem
sal de “bilhete premiado” e “dá- de corpo e alma nesse debate, nome da empresa para Petro- nheiros do dinossauro que so- sé Sérgio Gabrielli, exibiu um com a educação”. ●

O PETRÓLEO É NOSSO
De Getúlio a Lula

1953 1976 2000 2007


Getúlio Vargas assina decreto Descoberto o Campo de A produção brasileira ultrapassa Em novembro de 2007, é
de criação da Petrobrás. A Enchova, na Bacia de Campos a marca de 1,5 milhão de divulgada a estimativa da reserva
produção na década de 50 era barris/dia de óleo gigante de Tupi, na Bacia de
de 2.700 barris por dia – 27% Santos, entre 5 bilhões e 8 bilhões
do consumo brasileiro. Vinha dos 2005 de barris de petróleo, na chamada
Campos de Candeias, Dom A Petrobrás bate o recorde camada de pré-sal
João, Água Grande e Itaparica, brasileiro de profundidade de
todos na Bahia perfuração, com 6.915 metros 2008
além do fundo do Em setembro, ocorre a retirada
mar, na Bacia de Santos do primeiro óleo na área do
pré-sal, na palataforma P-34,
2006 no Campo de Jubarte, litoral
Em 21 de abril, o presidente do Espírito Santo
DIVULGAÇÃO

Luiz Inácio Lula da Silva dá


início à produção da plataforma
P-50, no Campo de Albacora
DIVULGAÇÃO

Leste, na Bacia de Campos,


1984 o que permitiu ao Brasil atingir
O Brasil ultrapassa 500 mil barris a auto-suficiência em petróleo.
de óleo por dia, tornando-se o No dia 23 de outubro, a
1962 terceiro produtor da América Petrobrás atinge a produção
Para reduzir o custo das Latina, atrás de México e recorde de 1.912.733 barris
WILTON JÚNIOR/AE

CELSO JÚNIOR/AE
importações, o governo instituiu Venezuela. São descobertos de petróleo no Brasil
o monopólio da importação Marlim e Albacora, as primeiras
de petróleo e derivados. reservas gigantes em águas 2.005*
O Brasil atinge 100 mil barris profundas de Campos. A Petrobrás
diários de produção produz metade do petróleo 2.000
consumido no País 2009 Ontem
1968 No início do ano, entre janeiro e O governo envia ao
1.800
A estatal faz a primeira descoberta 1988 abril, as companhias privadas Congresso o novo marco
de petróleo no mar, no litoral de A Petrobrás supera seu recorde, estrangeiras como a americana regulatório para o
Sergipe produzindo petróleo a 492 metros Exxon Mobil e a britânica BP, petróleo brasileiro. Lula 1.600
em Marimbá, na Bacia de Campo. anunciam as primeiras diz que o dia 31 de agosto
1974 descobertas na área do pré-sal. é o dia da “nova 1.400
A descoberta do Campo de 1996 Em abril, a Petrobrás inicia testes independência do Brasil”
Garoupa abriu a fase de grandes Ocorre a mais recente descoberta de produção em Tupi, mas eles 1.200
descobertas na Bacia de Campos. de campo gigante na Bacia de param em julho por falhas nos
brasileiro Campos: Roncador equipamentos. Também em julho 1.000
e agosto foram confirmados dois
1975 1997 poços secos de petróleo, um da
800
FÁBIO MOTTA/AE

O Brasil abre a exploração de É superada a marca de produção Hess e outro da BP


petróleo à iniciativa privada, de 1 milhão de barris diários de
por meio dos contratos de risco, petróleo. A lei 9.478 flexibiliza o 600
que se revelaram um fiasco monopólio estatal do petróleo
400

Produção nacional de petróleo 200


EM MILHARES DE BARRIS POR DIA

0
54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09
*Previsão Petrobrás

INFOGRÁFICO/AE

Entrevista
John Forman: ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP)

‘Voltamos à era do monopólio estatal’


tamente aos tempos do mono- Está tudo mais ou menos den- uma parte que cobre os cus- lho Nacional de Política Ener- guir se preparar?
Para consultor, modelo de pólio estatal. Como sinais des- tro daquilo que foi colocado tos e depois dividir com o go- gética (CNPE).
exploração do pré-sal é se movimento, ele cita o esva- nas últimas semanas. Mas verno o lucro. Mas não há sistema semelhante
inusitado e não deixa claro ziamento do órgão regulador agora ouvi o (ministro de Mi- E o que acontece com a Agência em outros países?
como será a repartição e a concentração de decisões nas e Energia, Edison) Lobão Parece que o governo deixou a de- Nacional do Petróleo (ANP)? O modelo norueguês foi muito
dos resultados nas mãos do Conselho Nacio- falando que, por enquanto, vai cisão sobre os royalties para o Con- Você vai abrir mão da ANP, mencionado durante todo es-
nal de Política Energética ter royalties e participação es- gresso... que passa a ser uma fiscaliza- se processo (de definição das
Nicola Pamplona (CNPE) e da Petrobrás. Ques- pecial, até que uma nova lei ve- O ministro Lobão disse que is- dora do que já existe aí e, regras). Mas lá tem a (estatal)
RIO
tionando a falta de informa- nha modificar tudo. Esse negó- so é enquanto não vier a nova quando isso acabar, ela natu- Petoro, que participa nos blo-
ção sobre detalhes importan- cio de contrato de partilha lei (dos royalties). Ele está ralmente vai se extinguir. Vai cos, com a distinção de que
Ex-diretor da Agência Nacio- tes das propostas apresenta- com royalties e participação querendo modificar o modelo ter uma empresa que vai ser ela investe e assume riscos.
nal do Petróleo (ANP), criada das pelo governo federal, o ho- especial é meio inusitado. sem explicitar o que é mais im- dona disso, mas não vai ser a Se perdeu, perdeu. Se ganhar,
em 1997, durante o governo je consultor afirma que o mo- Qual é o objetivo da partilha? portante, que é a repartição operadora, e a Petrobrás vai ganhou. Aqui, pela proposta
Fernando Henrique Cardoso, delo proposto é “inusitado”, Ela é adotada em países que do resultado. Na verdade, ain- operar tudo... Quer dizer, nós que vimos, a operadora vai
na esteira da flexibilização do por misturar características não possuem um sistema fis- da há muito a explicar sobre a estamos voltando a um mode- correr todo o risco. Ela carre-
monopólio estatal na explora- diferentes e, até mesmo, con- cal implantado e onde, portan- proposta. O que é área estraté- lo basicamente monopolista. ga a Petro-Sal e Petrobrás em
ção do petróleo, o engenheiro traditórias. A seguir, os princi- to, é difícil ter acesso à renda gica? Isso vai ser determina- Porque, se não se sabe o que toda a exploração. Se for bem-
John Forman vê na proposta pais trechos da entrevista: do petróleo por meio de co- do quando e por quem? Isso já vai ser ofertado, quando vai sucedida, ótimo. Se for mal su-
de novo modelo do pré-sal, brança de impostos. Então co- está dito? Com base em quê? ser ofertado e quem vai defi- cedida, o custo é todo dela.
apresentada ontem pelo go- Como o senhor avalia a proposta mo é que fica? A empresa vai Essas decisões, na verdade, fi- nir o que, como é que fica? Co- Desse jeito não é o modelo no-
verno federal, uma volta exa- apresentada pelo governo? tirar o petróleo, ficar com carão concentradas no Conse- mo as empresas vão conse- rueguês. ●