Você está na página 1de 21

1

NA GIRA DE EXÚ

Meu irmão quimbandeiro,

 

Eu adorei as almas,

Girar, todo mundo gira,

Eu adorei,

001

O

seu Sete é,

Eu adorei as almas,

OMULÚ

Da Coroa de Oxalá, lará Girar, todo mundo gira,

laiá

Eu adorei, Eu adorei as almas,

 

O

seu Sete é,

Só porque,

Meu Pai Oxalá,

Da Coroa de Oxalá.

 

Eu adorei as almas. (Bis)

É o Rei,

Oi seu Sete!

(bis)

Venha me valer

(bis)

011

E

o Velho Omulú,

006

Atotô Obaluaê. (bis)

 

DESTRANCA RUA

Atotô Obaluaê, Atotô Babá, Atotô Obaluaê,

 

Você botou o meu nome, Na boca de um bode, Mas eu sou filho do seu Sete, Comigo ninguém pode.

Destranca Rua, Destranca os meus caminhos, Que foi trancado,

Atotô é Orixá.

Você botou, você mesmo vai tirar,

Pelo Povo Pequenino.

 

É

uma ordem do seu Sete,

Bis

002

Você tem que respeitar. (bis)

Bará da Rua,

Seu Omulú a ê,

 

007

 

Bará o Exú, Bará da Rua,

Seu Omulú a á, Atotô das Almas,

EXÚ REI

Saravá Destranca Rua, Exú Bará da Rua,

Seu Omulú a ê, Bis

Exú Rei é o maioral,

Bará o Exú, Bará da Rua,

Oi salve, salve, Salve a calunga,

Exú Rei é o maioral, Ele vem fazer o bem,

Saravá Destranca Rua, Mas eu não saio na rua,

Salve, salve, Salve a calunga,

E

também fazer o mal.

Mas eu não volto da rua, Sem cumprimentar,

Bis

008

O

meu Bará da Rua,

Eu vinha caminhando, Eu lhe pedi benção, Era o Velho Omulú, Atotô Obaluaê, Mas eu vinha caminhando, Eu lhe pedi benção,

Sete pontas de faca, Em cima de uma mesa, Sete velas acesas, Lá na encruzilhada, Exú é Rei,

Bará da Rua, Bará o Exú, Bará da Rua, Saravá Destranca Rua, Exú Bará da Rua, Saravá Destranca Rua. (Bis)

Era o Velho Omulú, Atotô Obaluaê.

Alubandê Exú, Exú é Rei, Alubandê Exú,

012

Atotô Obaluaê, Atotô Babá Atotô Obaluaê, Atotô é Orixá. (bis)

Exú é Rei, Lá nas Sete Encruzilhadas.

TRANCA RUA

O sino da igrejinha,

003

Sete facas de ponta,

Faz belém, blém

blóm

(bis)

Em cima de uma mesa,

Deu meia-noite, o galo já cantou,

JOÃO CAVEIRA

Sete velas acesas,

Seu Tranca-Ruas que é o dono da

Lá na encruzilhada,

gira,

Moço, vou lhe apresentar,

Exú é Rei,

Oi

corre gira que Ogum mandou. (Bis)

Vou lhe apresentar,

Alubandê Exú,

Seu Tranca-Ruas que é o dono da

Um espírito de luz,

Exú é Rei,

gira,

Para lhe ajudar, Oi moço, vou lhe apresentar,

Alubandê Exú, Exú é Rei,

Segura a gira que Ogum mandou. (Bis)

Vou lhe apresentar, Um espírito de luz,

Lá nas Sete Encruzilhadas.

013

Para lhe ajudar.

009

 

VELUDO

Ele é João Caveira, Ele é filho de Omulú,

Estava na encruza curiando, Quando a banda lhe chamou.

Exú da meia-noite,

Quem quiser falar com ele,

Bis

Exú da Encruzilhada,

Alubandê Exú. (Bis)

Exú no terreiro é rei, Na encruza ele é doutor.

No terreiro de umbanda, Sem Exú não se faz nada.

004

Bis

Portão de ferro,

Exú pega demanda, Exú é curador. (Bis)

Comigo ninguém pode, Mas eu posso com tudo,

014

Cadeado de madeira,

010

Na minha encruzilhada,

No portão do cemitério, Quem manda é o Exú Caveira.

Eu adorei as almas, Eu adorei,

Eu sou Exú Veludo. (bis)

005

Eu adorei as almas,

SETE CAVEIRAS

Eu adorei, Eu adorei as almas,

EXÚ GIRA-MUNDO

Seu Sete, Meu amigo de alma, Seu Sete,

Só porque, Eu adorei as almas, Mas eu adorei,

Comigo ninguém pode, Mas eu posso com tudo, Na minha encruzilhada,

2

Eu me chamo Gira-Mundo. (bis)

Lanã cadê o Tiriri,

Maria Padilha quem mandou,

015

 

Mais ele veio de Aruanda, Pra salvar filhos de Umbanda,

Foi pousar na encruzilhada, Maria Molambo quem mandou,

EXÚ DO LÔDO

Exú Tiriri Lanã. (bis)

Foi pousar na encruzilhada, Maria das Almas quem mandou.

Exú pequenininho,

Você não é brincadeira,

Oi já bateu a meia-noite, Quero ver quem vem aí

(bis)

Ena ena é Mogibá, ê

Dele não faça pouco,

Vamos firmar nossa corrente,

É

Mogibá, (bis)

Olha lá que ele é Exú, Ele é o Exú do Lodo. Bis Oi Exú do Lodo,

Exú do Lodo, Você mora na ladeira,

Que aí vem seu Tiriri. (bis) Baila que baila na porteira, Ele bateu a meia-noite. (bis) Bebe marafo que nem água, Quem é que vai dizer, Que o Tiriri não bebeu nada. Bis

Soltaram o pombo lá na mata, Mas na pedreira não pousou, Foi pousar na encruzilhada, Seu Sete Capas quem mandou, Foi pousar na encruzilhada, Seu Capa Preta quem mandou,

A

capa p’ra Exú,

Foi pousar na encruzilhada,

Que eu mandei fazer, Não era p'ra Exú,

019

 

Exú do Lodo quem mandou.

É

p'ra Bará Lodê.

ENÁ ENA É MOGIBÁ

Ena ena é Mogibá, ê

Oi a capa p'ra Exú, Que eu mandei fazer,

Ena ena é Mogibá, ê

É

Mogibá, (bis)

Oi não era p'ra Exú,

 

É

Mogibá, (bis)

Soltaram o pombo lá na mata,

É

p'ra Bará Lodê. (Bis)

 

Mas na pedreira não pousou,

015

 

Soltaram o pombo lá na mata, Mas na pedreira não posou,

Foi pousar na encruzilhada, Tatá Caveira quem mandou,

ZÉ PELINTRA

Eu encontrei, Zé Pelintra na estrada,

016

Foi pousar na encruzilhada, Seu Sete Encruza quem mandou, Foi pousar na encruzilhada, Seu Tranca Rua quem mandou, Foi pousar na encruzilhada,

Foi pousar na encruzilhada, Seu Sete Covas quem mandou, Foi pousar na encruzilhada, O Boiadeiro quem mandou. Ena ena é Mogibá, ê

Chorava pelo amor de sua amada,

Exú Veludo quem mandou.

É

Mogibá, (bis)

Ele chorava, por uma mulher,

Ena ena é Mogibá, ê

020

Chorava por uma mulher,

É

Mogibá, (bis)

Oi chorava por uma mulher,

 

MEUS AMIGOS

Que não lhe amava. (Bis)

Soltaram o pombo lá na mata, Mas na pedreira não pousou, Foi pousar na encruzilhada,

Arranca Toco quem mandou,

Seu Marabô, Tiriri, Seu Tranca Rua,

Aquela casa de pombo,

Aquela casa de pombo, Só dá pra dois morar Aquela casa de pombo, Aquela casa de pombo,

Seu Tiriri foi quem mandou, Foi pousar na encruzilhada,

Foi pousar na encruzilhada, Seu Tranca Gira quem mandou.

Eu venho p’ra encruzilhada, Pedir um ajuda sua. Bis Seu Sete Capas, meu Exú, Meu defensor,

É

do meu povo girar

Ena ena é Mogibá, ê

Zé Pelintra na encruza,

 

É

Mogibá, (bis)

Eu sei que tu é doutor.

Eu e você! Você e eu!

(Bis)

 

Soltaram o pombo lá na mata,

Ena ena é Mogibá, ê

Maria Padilha, Rainha do Candomblé,

Se eu te magoei!

Mas na pedreira não pousou,

Venha me valer agora,

Foi sem querer!

(Bis)

Foi pousar na encruzilhada,

Eu preciso da senhora.

017

Seu Omulú foi quem mandou, Foi pousar na encruzilhada,

Quiseram pôr fogo no meu barracão, Esqueceram que eu também,

TRANCA RUA

Seu Xapanã foi quem mandou, Foi pousar na encruzilhada,

Tenho Exú e coração. Bis

Vocês estão esse moço, Que no cruzeiro está,

Sete Caveiras quem mandou.

Grito bem alto, Meus amigos da encruza, Vocês vão me defender,

Mas preste bastante atenção,

É

Mogibá, (bis)

Com um pai ninguem abusa.

Quando por ele passar, Oi reze uma grande homenagem,

Soltaram o pombo lá na mata,

Quiseram pôr fogo no meu barracão,

Com todo o respeito que há, Pois ele é o Exú Tranca Rua, Filho das Almas também, Cuidado gente, Não vão se enganar, Pois nossos caminhos, Ele poderá trancar. (Bis)

Mas na pedreira não pousou, Foi pousar na encruzilhada, Seu Exú Rei foi quem mandou, Foi pousar na encruzilhada, Seu Gira Mundo quem mandou, Foi pousar na encruzilhada, Destranca Rua quem mandou. Ena ena é Mogibá, ê

Esqueceram que eu também, Tenho Exú e coração. Bis Grito bem alto, Meus amigos da encruza, Vocês vão me defender, Com um pai ninguem abusa.

018

É

Mogibá, (bis)

021

EXÚ TIRIRI LANÃ

Soltaram o pombo lá na mata, Mas na pedreira não pousou,

POVO DO MAR

 

Exú Tiriri Lanã,

Foi pousar na encruzilhada,

Pescador!

Pescador!

Cuidado!

3

Cuidado com as ondas do mar. Hoje é dia de lua nova, Dia do Povo do Mar

É

hora, é hora,

Carrego o meu patuá. Bis

É

hora no calendá é hora,

É

hora é hora

028

 

É hora, é hora,

Arerê, vem chegando Ererê, Vem chegando Arerê, Vem chegando Ererê, Vem chegando Arerê, Vem chegando Ererê, Vem chegando Arerê, Vem chegando Ererê, Vem chegando A

Bis

É hora meu bom Exú já vai embora.

PONTO NA VIBRAÇÃO DE CATIMBÓ

 

(BIS)

PARA DESMACHAR FEITIÇO

 

024

Meu galo preto Do pé amarelo, Canta meu galo Só faz o que eu quero

 

LAMENTO A TRANCA-RUAS

Bis

Oi que lindo luar, Oi ! luar, Oh ! luar, Mas ele é dono da rua, Oh ! luar, Quem cometeu os seus pecados, Peça perdão ao Tranca-Ruas !

Na direita tenho Deus, Porque Nele tenho fé, Na esquerda tenho meu galo, Que desmancha tudo com o pé.

 

Se fez prece a Mãe Sereia, Dandalunda vai te ajudar, Pescador de lua nova, Cuidado, olha o Povo do Mar

Arerê, vem chegando Ererê, Vem chegando Arerê, Vem chegando Ererê, Vem chegando Arerê, Vem chegando Ererê, Vem chegando Arerê, Vem chegando Ererê, Vem chegando A

Meu galo preto

Do pé amarelo, Canta meu galo Só faz o que eu quero

 

E

pelo sangue derramado,

Oh ! luar, Em cima de uma catacumba, Oh ! luar, Quem cometeu os seus pecados, Peça perdão ao Tranca-Ruas!

Bis

No pino da meia-noite, Um galo preto cantou, Ele veio tirar despacho, Que você pra mim botou.

Pescador faz oferendas, Mamãe Cinda vem buscar,

Mas ele é filho do sol,

E também é neto da lua,

Quem cometeu os seus pecados,

029

E

na praia Ela chega,

Peça perdão ao Tranca-Ruas!

EXÚ BOIADEIRO QUERÊNCIO

030

Traz presentes de Iemanjá

Boa noite, meus senhores !

025

Zá, izá, izá,

Arerê, vem chegando Ererê, Vem chegando Arerê,

EXÚ GANGA

Boa noite, venham cá ! Eu me chamo Boiadeiro,

Vem chegando Ererê, Vem chegando Arerê, Vem chegando Ererê, Vem chegando Arerê, Vem chegando Ererê, Vem chegando A

Eu fui no mato, Ganga, Colher cipó, Ganga, Eu vi um bicho, Ganga, Com um olho só, Ganga

Zá, izá, izá, Querêncio do Gravatá ! Zá, izá, izá.

022

Exú Ganga, Exú Ganga é Marabô, Exú Ganga, Exú Ganga é Marabô

SUBIDA DE EXU

Alubandê Povo da Rua!

Bis

Adeus, já é hora grande,

Alubandá, alubandê Alubandê Povo da Rua!

026

Adeus! Adeus que eu já vou embora

A

demanda é feia,

(bis)

Mas dá p'ra vencer. Alubandê, seu Omulú, Exú Rei, Destranca Rua,

SAUDAÇÃO A ZÉ PILINTRA

Oi Zé ! Quando vem de Alagoas,

Sigo o meu caminho, Girando na linha das almas, Um adeus para quem fica,

Sete Encruza, Exú Veludo, Se é demanda nossa,

Toma cuidado com o balanço da canoa

Boa-noite, eu já vou embora

(bis)

É

luta tua.

Oi Zé !

031

Alubandê, Maria Padilha,

Faça tudo o que quiser,

A

encruza e a calunga é tua,

Só não maltrate o coração dessa

BARRACA VELHA

Maria Molambo, Maria Quitéria,

mulher

Bis

Se é demanda nossa,

 

Eu ganhei uma barraca velha,

É

luta tua.

027

Foi a Cigana quem me deu,

E

Alubandê, Sete Caveiras, Sete Encruzilhadas, Tranca Rua,

CHAMADA DE ZÉ PILINTRA

Eu jurei o meu amor por ela, Mas ela não correspondeu.

Sete das Almas, Sete Capas, Se é demanda nossa,

Saravá seu Zé Pilintra,

Mas o que é meu é dela,

É

luta tua.

o que é dela não é meu ! Mas o que é meu é dela,

 

Alubandê, seu Exú Rei,

Gira Mundo, Bará da Rua,

Moço do chapéu virado, Na direita ele é maneiro,

E

o que é dela não é meu !

(Bis)

Tiriri, Exú do Lodo, Se é demanda nossa,

Na esquerda ele é pesado. Bis Cuidado meu camarada,

032

É

luta tua.

Não meta a mão em cambuca, Quem mexer com Zé Pilintra,

MARIA PADILHA

 
 

Vai ficar lélé da cuca. Bis

MARIA MULAMBO

023

 
 

É

no espelho,

Ponto geral de Subida

Sou filho de Zé Pilintra,

Que eu vejo a minha dor,

 
 

Tenho que me orgulhar, Pra me livrar de mandinga.

É

nos seus olhos,

4

Que refletem mal de amor.

Bis

Que eu amo você. (Bis)

Oi abre a roda,

Que a Padilha vai girar.

Tira o teu sorriso do caminho,

035

Bis

Que eu quero passar, Com a minha dor,

Maria Molambo,

Abre essa cova, Quero ver tremer,

Se ontem em tua vida,

Maria mulher,

Abre essa cova,

Eu fui o espinho,

Maria Padilha,

Quero ver balancear.

O

espinho não machuca a flor,

Rainha do Candomblé.

Bis

Eu só errei,

Bis

Oi

Maria Padilha das Almas

Quando juntei minha alma a tua,

Foi uma rosa,

O

cemitério é o seu lugar,

O

sol não pode viver,

Que eu plantei na encruzilhada,

É no cruzeiro que a Rainha mora,

Perto da lua.

Foi uma rosa,

É lá na lomba que a Padilha vai girar.

Que eu plantei no meu jardim,

Bis

Mas se ontem, foi o ontem,

Maria Molambo,

Oi

abre essa cova,

O

amanhã será depois,

Maria mulher,

Quero ver tremer,

Então aqui eu voltarei, Para o que resta de nós dois.

Maria Padilha, Rainha do Candomblé. Bis

Abre essa cova, Quero ver balancear.

Bis

Bis

Eu volto ao jardim,

Na esperança de vê-la feliz,

036

Aquela casa de pombo, Aquela casa de pombo

Eu falo com as rosas, Mas as rosas não falam, Simplesmente exalam,

Aí vem Maria Padilha, De tamanquinho de pau, Ele vem fazer o bem,

Só dá pra dois morar! Aquela casa de pombo, Aquela casa de pombo

O perfume do amor.

E também fazer o mal.

É do meu girar!

Mas se ontem, foi o ontem,

 

Bis

O

amanhã será depois,

037

Eu e você, você e eu!

Então aqui eu voltarei, Para o que resta de nós dois. Bis

Lá atrás daquele morro,

Eu e você, você e eu! Se eu te magoei

 

033

Passa boi, passa boiada, Também passa Maria Padilha, Rainha da Encruzilhada.

Foi sem querer! Se eu te magoei Foi sem querer!

O

seu olhar é sereno,

O

seu olhar me fascina,

038

040

Bis

Mas ela vem girando, Na linha das almas,

POMBA-GIRA CIGANA

MARIA MOLAMBO

É

Maria Padilha.

Eu vinha, caminhando a pé,

Se o teu pó é real,

Bis

Para ver se encontrava,

Se o teu pó é real,

É

só toco tambor,

Pomba Gira Cigana de fé,

Molambo é a Pomba Gira,

É

só quando eu canto p'ra ela.

Bis

Que carrega uma vassoura,

Bis

Ela parou e leu minha mão,

Bis

Mas ela vem girando, Na linha das almas,

disse, toda a minha verdade, Mas eu

E

Vem da Calunga vem, Vem da Calunga vem,

É

Maria Padilha. (bis)

Eu só queria saber a onde mora, Pomba Gira Cigana de fé,

Maria Molambo, Que carrega uma vassoura.

034

Bis

Bis

 

Mas bem que eu lhe avisei,

Ó

que linda criatura,

EU NÃO TE QUERO UM DIA

Que eu lhe avisei

Que eu por ela, faço loucura,

Que você não jogava,

Oi

bela flor da aurora,

Eu não te quero um dia,

Essa cartada com ela

Oi

linda como o luar,

Não te quero uma noite, não,

Bis

 

Mas eu daria tudo para ver,

É

porque eu te quero,

Você parou no valete,

Maria Padilha nessa hora.

Por toda a eternidade.

E

eu

Bis

Bis

Eu parei na da dama,

Se o teu pó é real,

O

seu Sete sabe,

Eu parei na dama

Se o teu pó é real,

A Rainha vê,

 

Amigo, você não me engana,

Molambo é a Pomba Gira,

A Menina comenta,

Pomba Gira Cigana,

Que carrega uma vassoura.

Que eu amo você.

É

a mulher de fama.

Bis

Bis

Amigo, você não me engana,

Vem da calunga vem,

A Padilha sabe,

A

mulher de fama, é

Vem da calunga vem,

A Quitéria vê,

Pomba Gira Cigana.

Maria Molambo,

A Molambo comenta,

 

Que carrega uma vassoura.

Que eu amo você.

039

Bis

041

Tranca Rua sabe,

 

MARIA PADILHA DAS ALMAS

O

Veludo vê,

POMBA GIRA DAS SETE

Zé Pelintra comenta,

Se você quer patuá,

ENCRUZILHADAS

Que eu amo você.

E

quiser ganhar,

Bis

Vá falando com a mulher,

Rosa Vermelha,

O

Caveira sabe,

Que ela vai lhe ajudar,

Rosa Vermelha sagrada,

O

do Lodo vê,

Bis

É

a Pomba Gira,

Kalunguinha comenta,

Alubandê pra Maria passar,

Das Sete Encruzilhadas,

5

Bis

Lá no cruzeiro,

Pomba Gira já baixou

Quando ela vem, girando,

É

a Pomba Gira Exú,

Dançando e dando risada,

Lá no cruzeiro.

Pomba Girê Cacurucai,

Cuidado amigo, que ela está, De saia rodada,

046

Olha Pomba Girê Cacurucai. Bis

Bis

EXU MARÉ

049

Oi Exú é Pomba Gira, Das Sete Encruzilhadas, (bis)

Exú Maré, Maré, Maré

Ela vai, ela vai, ela vai, girar

 

Bis

Bis

042

Afirma o cabrito,

Pomba Girê oi, Pomba Girê oi

SERÁ MACUMBA

Levanta o quatro pé, Afirma o seu ponto,

Girou, girou, girou, no ar

Bis

Eu vi a lua, Clareando a rua, ao luar,

Vem chegando Exú Maré

050

Bis

Levava uma garrafa de marafo, Pro senhor Bará, tomar, Passou um homem, Olhou e viu, Tirou o chapéu,

Exú Maré, Pomba Gira da Praia,

É

PRA QUEM TEM FÉ

 

Exú na areia

(Bis)

A

sorte sorriu pra você,

 

Em sonho somente ficou

047

O

mundo não gira sem gira,

E

me cumprimentou,

Nagô ô ô, Nagô ô ô

pra gira da vida, Você, nem ligou.

E

 

Será macumba, macumbá,

Ou será mandinga de amor

Bis

Será macumba, macumbá,

Ou será mandinga de amor.

Bis

Será macumba, macumbá, Ou será mandinga de amor,

Bis

Será macumba. macumbá, Ou será mandinga de amor, Oi mandinga de amor. Bis

043

CIGANA DO PANDEIRO

Eu sou filha do Rei Nagô ô ô

Bis

Eu sou filha do Rei Oxalá,

Do seu Sete e de Xangô, Oi eu entro na gira,

E faço com fé,

Recebo força como filha de fé, Mas o meu Pai sempre venceu de-

manda,

Com ele não há nenhuma demanda,

O meu Pai vem de Aruanda,

Seu Capa Preta entra na Umbanda.

048

Pomba Girê Cacurucai, Olha Pomba Girê Cacurucai.

Chuva demais traz ruína, Olho grande lhe cegou Procura a primeira esquina, Deita um pedido a Maria, Com fé, que você abjurou.

E aguarde, a virada da maré,

A virada da maré

Pois na vida só vence, quem tem fé,

Ó quem tem fé,

Folha morta revive quando chá,

Esperança não morre se lutar, Toda sorte perdida,

É bobeira que dá. Bis

A

Cigana do Pandeiro,

Bis

051

Vem chegando, vem sorrindo, Vem trazendo a saúde,

Já bateu meia noite

Pomba Gira é, Mulher de sete marido,

Pros filhos que estão caindo.

Pomba Girê Cacurucai,

Cuidado com ela,

Bis

Olha Pomba Girê Cacurucai.

Pomba Gira é um perigo. Bis

Ela vem na tempestade, Vem junto com o temporal, Vem sambando, vem dançando, Levantando todo o mal. Bis

Bis

Ela vai vencer demanda Pomba Girê Cacurucai,

Olha Pomba Girê Cacurucai.

052

CIGANA MARIA MADALENA

 

Bis

044

Ela manda na encruza

Olha Pomba Girê Cacurucai.

A

Cigana Maria Madalena,

Ela traz as suas guias,

Pomba Girê Cacurucai,

Vem de longe dançar neste Congá, Traz a paz, a saúde e o amor,

De terras além do mar,

Bis

Com permissão de Zâmbi e Oxalá,

Ela vem lá da Hungria, Para nos abençoar.

Ela abre os meus caminhos

Para todos os filhos neste Elê, Muito axé, muita luz para este Endá.

Ela tem cabelos longos, Que brilham com o luar, Ela vem lá da Aruanda, Com Xangô vai trabalhar. Bis

045

Oi que linda Mulher Exú, Lá no cruzeiro, Ela é a Rainha Exú, Lá no cruzeiro,

Pomba Girê Cacurucai, Olha Pomba Girê Cacurucai.

Bis

É mulher de sete Exús

Pomba Girê Cacurucai,

Olha Pomba Girê Cacurucai.

Bis

Ela desmancha mironga

Pomba Girê Cacurucai,

Olha Pomba Girê Cacurucai.

053

(DESPEDIDA/SUBIDA)

A Cigana, Maria Madalena,

Se despede agora do Congá, Deixa a paz, a saúde e o amor, Com permissão de Zambi e Oxalá, Para todos os filhos neste Elê, Muito axé, muita luz para este Endá.

É

a Pomba Gira Exú,

Bis

054

Lá no cruzeiro.

E

o galo já cantou

MARIA PADILHA

Ai

que linda Mulher Exú,

Pomba Girê Cacurucai,

Quando a lua sair,

Lá no cruzeiro,

 

Olha Pomba Girê Cacurucai.

Quando a lua sair ô, ô

Ela é a Rainha Exú,

Bis

E

o cruzeiro iluminar,

6

A mais bela das giras,

 

Quando veio deixou lá.

De vermelho e negro, vestindo

A

Padilha vai girar !

Bis

Quando dava meia-noite,

À

noite o mistério traz,

055

Todo Exú ia buscá. Aruê Exú!

De colar de conchas, Brincos dourados,

R

– Eee!

A

promessa faz

CIGANA SETE SAIAS

 

Se você quer ir,

 

058

– CD 09

Você pode ir,

Quando a lua sair, Quando a lua sair ô, ô

 

SEU TRANCA RUA

Peça o que quiser Mas cuidado amigo,

E

o cruzeiro iluminar,

Ela é bonita, ela é mulher.

A

mais bela das giras,

T

– Laroiê!

E

num canto da rua,

Sete Saias vai girar !

Bis

R

– Eee!

Zombando, zombando,

 

T

– Saravá seu Tranca Rua!

Zombando tá

056

– CD 03

R

– Eee!

Ela é moça bonita,

 

T

– Laroiê!

Girando, girando, girando lá, oi

VOU ABRIR MINHA ARUANDA

R

– Eee!

Oi girando lá, oi Oi girando lá, oi

T-

Vou abrir minha Aruanda!

T

– Seu Tranca Rua é uma beleza,

Vou abrir meu Juremá! (bis)

Eu nunca vi um exú assim

(bis)

062

R- Com a licença de Mamãe Oxum,

Seu Tranca Rua é uma beleza,

E

nosso Pai Oxalá. (bis)

Ele é madeira que não dá cupim.

EBÓ DE EXÚ

T– Santo Antônio é Ouro Fino,

R - Seu Tranca Rua é uma beleza,

 

Arreia a bandeira e vamos trabalhar!

Eu nunca vi um exú assim

(bis)

Olha o Ebó de Exú

(bis)

Seu Tranca Rua é uma beleza,

Quem quer, quem quer,

Ele é madeira que não dá cupim. (bis)

Quem vai querer!

057 – CD 08

 

T – Iá á á á á

Você pode comer,

 

Você pode beber!

(bis)

QUANDO DEU MEIA NOITE

 

059– CD 13

 

063

T

– Larou Exú, Exú é Mogibá!

EXÚ FEZ UMA CASA

R

– Eeee!

EU VOU CHAMAR MEU POVO

T

– Larou Exú, Exú é Mogibá!

T

– Exú fez uma casa,

R

– Eeee!

Sem porteira e sem janela, Ainda não achou,

Eu vou, eu vou, Eu vou mandar chamar meu povo!

T

– Sua capa de veludo,

Morador pra morar nela.

Bis

Quando veio deixou lá.

Quando dava meia-noite,

 

Ainda não achou morador, Pra morar nela.

 

Eu vou mandar chamar meu povo, Lá nas sete encruzilhadas,

Todo Exú ia buscá.

R

- Ainda não achou morador,

Eu vou mandar chamar meu povo,

Ena Mogibá ê!

(bis)

(bis)

 

Pra morar nela.

Sem Exú não se faz nada! (bis)

Ena Mogibá ê!

Ainda não achou,

 

Sua capa de veludo, Quando veio deixou lá.

Morador pra morar nela. (bis)

 

064

Quando dava meia-noite, Todo Exú ia buscá.

 

060

– CD 16

EXÚ VENTANIA (Ponto de Subida)

 

SEU ZÉ PILINTRA

 

R

– Ena Mogibá eee

(bis)

Vento ventou,

Ena Mogibá eee

(bis)

 

T

- Dim, dim, dim, dim, dim,

 

(bis)

Ventania vai embora!

T

- Sua capa de veludo,

risca ponto!

 

Bis

Quando veio deixou lá.

 

R

- Dim, dim, dim, dim, dim,

(bis)

Vai pro lugar da paz,

Quando dava meia-noite,

T

– Firma ponto!

Vai pro lugar do amor!

Exú Caveira ia buscá.

 

R

- Dim, dim, dim, dim, dim,

(bis)

Bis

R

– Ena Mogibá eee

(bis)

T– Pulando cruzado,

Vento ventou

Ena Mogibá eee

(bis)

Pro meio do terreiro chegou,

 

T

- Sua capa de veludo,

Ogum da Bahia,

 

065

Quando veio deixou lá. Quando dava meia-noite, Tranca Rua ia buscá.

 

Do Congo e da Lei de Nagô. (bis) Chegou Zé Pilintra que veio do lado de lá,

EXÚ VENTANIA

R

– Ena Mogibá eee

(bis)

Fumando e bebendo e gritando vamos

Deu meia noite,

Ena Mogibá eee

(bis

saravá. (bis)

Na terra e no mar!

T

- Sua capa de veludo,

R–Saravá ooo saravá!

(bis)

No mato e na calunga,

Quando veio deixou lá.

 

Saravá ooo saravá!

(bis)

 

Em todo lugar!

Quando dava meia-noite,

T–Eu virei o ponto para saravá Luci-

Bis

Pombo Gira ia buscá.

 

fer,

Seu Ventania

R – Ena Mogibá eee

(bis)

Maria Padilha é Rainha do Candom-

Não tem hora pra chegar!

Ena Mogibá eee

(bis)

blé. (bis)

Bis

T - Sua capa de veludo,

R–Candomblé ooo, Candombé! (bis)

Depois da meia noite,

Quando veio deixou lá.

Candomblé ooo, Candombé! (bis)

Chega em qualquer lugar!

Quando dava meia-noite,

   

Bis

Todo Exú ia buscá.

061

Deu meia noite

R

– Ena Mogibá eee

(bis)

Ena Mogibá eee

(bis)

VERMELHO E NEGRO

066

T - Sua capa de veludo,

7

EXÚ VENTANIA

 

Meu Santo Antônio rodeia.

Venta a noite, venta o dia, Sou Exú da ventania! Bis Na companhia de Exú Rei,

Maré, Maré! Vem do mar. Maré, Maré! Vem pra trabalhar. (bis)

(bis) Pomba Gira Rainha, Gira a noite, gira o dia, No embalo dessa gira, Gira o Exú Ventania.

Ventania!

(bis)

Maré!

Rodeia, rodeia,

067

Teu povo te chama, Maré!

Maria Mulambo,

EXÚ MARABÕ

Teu povo a chamar. Maré, vem de Aruanda, Maré, vem pra trabalhar. (bis)

No meio da encruzilhada, Convidou João Caveira, Dando uma gargalhada.

Marabô ae, Marabô de ba o exú. Marabô ae, Marabô de ba o exú.

071

Rodeia, rodeia,

Olha a ginga de malandro e, Olha a ginga de malandro a

Cruz de ferro, pó de mico, Saravá seu Marabô! Ele é chefe de terreiro, Na linha de Nagô. Bis

068

POMBA GIRA MORENA DA PRAIA

Foi de tanto lamentar, Que seu lamento ecoou! (bis)

Foi no canto do marujo,

Que a Morena da Praia se encantou! (bis) Ele foi pro mar!

Ele foi navegar!

(bis)

Tiriri matou um galo,

E cortou em pedacinho,

Convidou Maria Padilha, Para não comer sozinho.

Rodeia, rodeia,

Me convidaram, Pra pular amarelinha, Se eu perder você me ganha, Se eu ganhar você é minha.

SETE ENCRUZILHADA

Espera Morena espera, Que teu homem vai voltar!

(bis)

Rodeia, rodeia,

Aonde mora Encruzlhada,

 

075

Seu Sete Encruza já chegou.

 

072

Bis

EXÚ MARÉ

 

ZÉ PILINTRA

Foi na porteira da calunga, exú, Ele é exú de Marabô. (bis)

Eu fui no mar! Eu fui na beira da praia, Pra saudar Exú Maré,

Está vendo aquele moço, Sentado logo ali, Todo de terninho branco,

069

E

a Falange do Povo do Mar.

Chapéu de palha,

EXÚ JOÃO CAVEIRA

Exú Maré!

 

Olhando pra mim. (bis)

Ele mora na pedra dourada,

Eu vim aqui pra te saudar Exú Maré e

É

Ele é o Zé,

Zé Pilintra é,

Onde não passa água, Onde não brilha o sol Bis Mas ele é João Caveira é,

A

Falange do Povo do Mar.

Você tem que ver! Você tem que acreditar!

Ele é malandro, Ele é boêmio, Ele é o Zé. (bis)

É

o exú das almas,

Que a maior calunga é

076

Da calunga auê

(bis)

A

calunga do fundo do mar!

 

Bis

EXÚ VELUDO

Caveira, Caveirinha,

Caveira, Caveira!

Exú Maré

 

Quem te pede te paga, Caveira, Caveirinha,

 

073

Auê Exú Veludo, Seu cabrito deu um berro.(bis)

No portão da meia noite. (bis) Aonde vai exú,

TRANCA RUA

 

Rebentou cerca de arame, Estourou portão de ferro.

Vai correr carreira, Lá no cimitério,

Se quiser me ver,

077

Ele é o Exú Caveira. (bis)

Olha o teu povo te chamou,

Meia noite em ponto, Numa escuridão, Debaixo do lampião. (bis)

EXÚ DO LÔDO

Exú do Lôdo,

Pra trabalhar. (bis)

O

meu nome é Tranca Rua,

Do Lôdo ele é odê.

Portão de ferro, Cadeado é de madeira.

Em nome do meu irmão. Se quiser fazer macumba, Põe aqui na minha mão. (bis)

 

Quem é esse exú, Agora eu quero ver. (bis)

O dono da calunga,

 

078

Ainda é o Exú Caveira. (bis)

 

074

POMBA GIRA DO FORNO

Olha lá quem vem lá,

STO ANTÔNIO PEQUENINO

Descendo a ladeira,

 

O

sino bateu,

Olha lá quem vem lá,

Santo Antônio Pequenino,

Lá na calunga tremeu

(bis)

É

o Exú Caveira. (bis)

Amansador de burro brabo, Quem mexer com Sto Antônio,

Mas quem era ela Mas quem era ela

070

Ta mexendo com o diabo.

Pomba Gira do Forno apareceu. (bis)

 

079

EXÚ MARÉ

Rodeia, rodeia, rodeia,

8

CABOCLO ROXO

Caboclo Roxo, Comedor de carne crua. Firma seu ponto, No meio da rua. (bis)

Mas ele toca seu lindo violino, Para saudar a Cigana do Jarro. (bis)

Mas ele toca para seu rei, Para seu rei Tiriri Lanan. Alupandê à Cigana do Jarro! Alupandê Tiriri Lanan. (bis)

Eu giro a qualquer hora.

Você sabe quem sou eu! Você sabe quem sou eu! Eu sou Exú Mulher.

089

Firma o sol, Firma a lua,

084

Não é a toa que eu tenho um trono,

Seu ponto é seguro, No meio da rua. (bis)

FLORES E PERFUMES

Não é a toa que eu tenho uma coroa. (bis)

Eu vinha vindo devagar, Eu vinha vindo bem ligeiro, Para a Cigana dos Sete Cruzeiros.

Amigos joguem flores e perfumes, Joguem flores e perfumes, Que a Cigana está em festa!

Eu agradeço ao Senhor das Alturas, Sou Pomba Gira a Rainha das Ruas. (bis)

(bis)

Bis

090

Firma o sol,

Ooo ooo Povo Cigano! Ooo ooo Povo Cigano!

POMBA GIRA M. MOLAMBO

080

Amigos

Maria Molambo, Você não é brincadeira.

LINHA DAS ALMAS

085

Maria Molambo,

 

Você mora na ladeira. (bis)

Quem trabalha com as almas,

CIGANA CELORI

A

capa encarnada,

Trabalha devagarinho

(bis)

Pisa na ponta do pé,

Que eu mandei fazer,

É

devagar, é devagarinho,

Eu quero ver a Celori!

Não é para o exú,

Quem trabalha com as almas, Não se perde no caminho.(bis)

Eu chamo as almas,

Oi pisa na ponta do pé,

Eu quero ver a Celori! (bis) Eu perguntei as cartas, Perguntei as cartas de tarô!

É pra Maria Molambê. (bis)

Olha minha gente, Ela é farrapo só!

(bis)

E

as almas vem,

Bis

As almas me ajudam,

 

È

Pomba Gira Maria Molambo,

As almas fazem o bem.(bis)

Ae ae Celori!

Ela é farrapo só!

(bis)

 

081

Ae ae Celori!

Mas que caminho tão escuro,

POMBA GIRÊ

 

Cigana teu povo te chama, Eu quero ver a Celori! (bis)

Que caminho tão escuro, Que passa aquela moça,

Olha Pomba Girê, Sou eu, sou eu,

086

Com sua saia de chita, Estralando osso,

Olha Pomba Girá, Sou eu, sou eu,

LINHA DO ORIENTE

Só osso, só osso,

Olha Pomba Girê,

 

Mas olha minha gente

Sou eu, sou eu,

 

Oriente é

Giro, giro no mar.

O

lugar da paz,

091

O

lugar da vida,

Ela vai, ela vem,

O

lugar do amor!

(bis)

Quem mora na porta da lomba,

Ela vai girar,

 

É

a Pomba Gira Molambê,

Ela vai, ela vem,

 

Eu sou exú,

Oriente é

Exú que mora na porta da lomba,

Ela vai girar. (bis)

Seu Ventania,

É

Pomba Gira Molambê

 

082

Na Linha do Oriente. (bis)

Peço licença Exú Olodê! Viemos coroar Pomba Gira Molambê.

EXÚ, PORTEIRO

 
 

087

092

O

porteiro ele é boêmio,

O

porteiro ele é da noite,

POMBA GIRA RAINHA

FOI VOCÊ QUEM FALOU

O

porteiro ele é o exú,

Que vem trabalhar.

A

Rainha chegou no reino,

Molambo foi você quem falou,

Ele gira aqui, oi gira, Ele gira lá, Mas ele é o exú, Que vem trabalhar,

No reino a Rainha chegou.(bis) Ela vem lá do cruzeiro, Foi seu Sete quem mandou. (bis) Ela sacudiu os ombros, Ela se balanceou. (bis)

Foi você quem falou, Que gostava de mim. Maria Molambo, foi você quem falou, Foi você quem falou, Que gostava de mim. (bis)

laia (bis)

Ela vem lá do cruzeiro,

083

Foi seu Sete quem mandou.

Maria Molambo quando você for embora,

088

Quando você for embora!

TIRIRI LANAN

Deixe uma rosa pra mim. (bis)

Hoje tem festa lá na praça, Lanan com seu Povo Cigano.

Você sabe quem sou eu! Você sabe quem sou eu! Eu giro à meia-noite, Eu giro ao meio-dia,

093

Ó BOA NOITE

9

Ó boa noite, pra quem vem de longe,

Que eu já vou embora! Bate meus tambores,

Pombo Gira, tendaió. Tenda, tendá,

Ó boa noite, pra quem vem chegando,

Que eu já vou embora!

Pombo Gira, tendaió.

Ó boa noite pra moça bonita,

É pra ela que estou cantando!

O

O

meio do cruzeiro é meu!

meio do cruzeiro é meu!

105

(bis)

É

lá minha morada!

Levo sete rosas vermelhas,

É

lá minha morada!

PONTOS DE EXU

na encruzilhada,

(

chamada )

É

lá que a moça bonita,

Oi

bate meu tambores

Cambono segura a cantiga,

a sua risada. (bis)

Que está chegando a hora.

097

(bis)

094

Saravá toda a encruza,

MARIA PADILHA

PONTO DE EXU

Exu é quem manda agora. (bis)

( Angola )

106

Mas ela é a Maria Padilha,

Mavile, mavile, mavile, mavango,

O garfo de Exu é firme,

Mulher da máfia de Lucifér,

Recompensuê, rá, rá, rá,

A capa de Exu me rodeia.

Mas ela brilha na noite escura,

Recompensuá.

(bis)

O

seu feitiço está na ponta do seu

Já passei na encruzilhada,

garfo,

É

um mavile, mavile,

Vaguei pela madrugada,

Está debaixo do seu pé. (bis)

É

um mavile, mavango. (bis)

Exu não bambeia. (bis)

Me chamam de leviana,

Exu é pavenã. (bis) Exu é pavenã. (bis)

107

Ou até mesmo mulher de cabaré, Mas a língua do povo não tem osso,

Na sua aldeia ele é, Exu é pavenã.

PONTOS DE EXU

Então deixa esse povo falar. (bis)

É

Pombo Gira, Pombo Gira,

(

louvação )

Olha só como eu toco tambor,

Pombo Girá.

Meu Senhor do Campo Santo,

Olha só como eu toco pra ela

É

Pombo Gira, Pombo Gira,

Nas horas santas benditas. (bis)

Olha só como eu toco tambor,

Pombo Girá.

Quem louva povo de Exu,

Olha só como eu toco pra ela

Pombo Girá.

Não passa horas malditas. (bis)

Mas ela vem girando,

098

108

Na

linha das almas,

É

Maria Padilha. (bis)

Có, coró, có,

Boa-noite, meu senhor.

Toco que toco tambor, Toco que toco pra ela

Laroiê. Có, coró, có, Laroiê.

Exu no reino chegou. (bis) Vamos louvar nossa Quimbanda, Viva Exu que é doutor. (bis)

Toco que toco tambor, Toco que toco pra ela

099

109

O

seu olhar é sereno,

Pombo Girê, auê,

O

seu olhar me fascina!

Pombo Girê, auê,

Exu chegou no reino,

O

seu olhar é sereno,

Pombo Girê, vá muconguê,

Meu Deus quero ver quem é. (bis)

O

seu olhar me fascina!

Pombo Girê, vá muconguê

Com licença de Ogum,

Olha só como eu toco tambor,

095

100

Com licença de Ogum, Chegou meu Exu de fé. (bis)

Olha só como eu toco pra ela Olha só como eu toco tambor,

Mavile congo, macotô ilê mavilê,

110

Olha só como eu toco pra ela

Mavile congo, macotô ilê mavilê, Pombo Gira, vá muconguê, Oiá, orirê. (bis)

Boa-noite, boa-noite, Exu tá no reino e vai dar boa-noite. Boa-noite, boa-noite,

Abre essa cova, Quero ver tremer,

101

Exu vem saravá e me dar boa-noite.

No

seu feitiço,

Exu é nan,

111

Quero ver quem vai mexer. (bis)

Exu é nan á querê quetê.

Maria Padilha das almas,

Legbára, Exu é nan, Legbára, Exu à querê.

Boa-noite, gente, Boa-noite já. (bis)

O cemitério é o teu lugar,

102

Olha o sapo que pula no chão,

É no buraco que a Padilha mora,

Andorinha que voa ao luar. (bis)

É no buraco que a Padilha vai ficar.

Toma lá, zéco zéco,

(bis) Abre essa cova, Quero ver tremer,

Óia seu curiá. Toma lá, zéco zéco, Óia seu curiá.

112

Exu louvei, Exu louvei a encruzilhada.

No

seu feitiço,

Louvei morada de Exu,

Quero ver quem vai mexer. (bis)

103

Louvei a rua e a madrugada.

096

Bombogira vem tomá chô chô, Bombogira vem tomá chô chô.

113

PONTO DE SUBIDA

Sala, salá,

104

Mucarrêro, ê salá.

Bate meus tambores,

Tenda, tendá,

Sala, salá,

10

Mucarrêro, legbará.

Exu já curimbou, Exu já curiou,

Exu vai embora que a encruza cha-

130

114

mou.

TEM MORADOR

 

EXU POMBA-GIRA

122

Tem morador, de certo tem ,

 

Iansã que lhe deu força,

Tem morador,

Cambono, camboninho meu cambo-

É

rainha no Candomblé. (bis)

De

certo tem morador.

no,

Vamos saravá a rainha,

Na

porta meu galo canta,

Olha que Exu vai oló. (bis)

Pomba-Gira Exu Mulher. (bis)

De

certo tem morador. (bis)

Vai, vai, vai, meu cambono,

131

115

Ele vai numa gira só. (bis)

 

Pomba-Gira dá querê,

chegando a meia-noite,

123

Pomba-Gira dá querá,

chegando a madrugada. (bis)

Pomba-Gira da encruza,

Salve o povo de Quimbanda,

É

hora, é hora,

É

de quará quá quá.

Sem Exu não se faz nada. (bis)

É

hora no calendá, é hora.

 

É

hora, é hora,

132

 

116

É

hora no calendá, é hora.

 
 

É

hora no calendá, é hora.

 

Aê, Pomba-Gira,

PONTO DE EXU

É

hora meus bons

Exus,

é

hora é

Cadê sua saia rodada? (bis)

(

firmeza )

hora.

 

Cadê sua saia linda,

Missarandê, missarandê,

124

Rainha de encruzilhada?

Me fecha a porta, me abre o Terreiro.

Missarandê, missarandê,

133

POMBA-GIRA DA CALUNGA

Me

fecha a porta, me abre o Terreiro.

POMBA-GIRA MENINA

117

Dentro da calunga eu vi, Uma linda mulher gargalhar. (bis) Era Pomba-Gira da Calunga,

Olha que menina linda, Olha que menina bela,

PONTOS DE EXU

Que começa a trabalhar. (bis)

É

Pomba-Gira Menina,

( subida )

Balança lhe pesa,

É hora, é hora,

Dom Miguel lhe chama,

O Exu já vai embora.

125

Não é mulher de ninguém. (bis) Quando entra na demanda, Só vai por sete vinténs. (bis)

Me chamando da janela. (bis)

Gira Menina, Gira, Gira que eu quero ver Gira linda Menina, Que o Exu não tem querer. (bis)

118

 

126

 

134

Bateu meia-noite na capela,

 

POMBA-GIRA CIGANA

O

galo cantou na encruzilhada. (bis)

 

Ela é uma beleza,

Arruma sua capa e seu garfo, meu

Dona Pomba-Gira Cigana,

É

Pomba-Gira Menina. (bis)

Exu,

 

Leva o que tem pra levar. (bis)

Na demanda não bambeia,

O

meu

Pai

Ogum

lhe

chamou

na

Leva a minha quizila,

Sua morada é na esquina. (bis)

madrugada.

 

Leva bem para o fundo do mar. (bis)

 

135

119

 

127

A encruza tá lhe chamando,

Firma a gira deste jacutá.

Seu Tranca já vai embora,

Firma a gira deste jacutá. Sua banda é muito longe, Firma a gira deste jacutá.

Ele vai deixar o endá,

Firma a gira deste jacutá.

120

Candongueiro, quando chama,

É sinal que está na hora,

Candongueiro, quando chama,

É que Exu já vai embora, Maria.

Maria, amarra a saia que Exu vai

embora,

Maria, amarra a saia que Exu tá na hora. (bis)

121

Exu já curimbou, Exu já curiou, Exu vai embora que Ogum mandou.

EXU MARIA QUITÉRIA

Quando eu bato palmas, Saravá encruzilhada. (bis) Saravá Exu mulher, Saravá Maria Quitéria, Rainha da madrugada. (bis)

128

Existe um Exu mulher, Que não passeia a toa; Quando passa pela encruza, Maria Quitéria não vacila, Ela não faz coisa boa.

129

POMBA-GIRA QUITÉRIA

Ali vem Sá Maria Quitéria, Trazendo um axé no pé; Balançando sua saia, Reforçando a nossa fé.

POMBA-GIRA DA PRAIA

A marola do mar já vem rolando Pomba-Gira da Praia já deu sua risada. Ela é mulher bonita, muito formosa, Trabalhando na areia ou na encruzi- lhada.

136

Kererê kererê, Pomba-Gira da Praia é kererê. Kererê, kererá, Sua gira é formosa, oi saravá.

137

Quem quiser vá ver, Quem não crê que vá olhar. Pomba-Gira da Praia, meu sinhô, Vem nas ondas do mar, Vem nas ondas do mar.

138

11

Queiram bem a Exu, gente.

EXU MARIA MOLAMBO

155

 

147

Mas que caminho tão escuro,

EXU REI

Que vai passando aquela moça. (bis) Com seus farrapos de chita, Estalando osso, por osso. (bis)

Ela está no reino, auê, Ela vem saravá, auá, Pomba-Gira Rainha, auê,

A encruza é de Exu, Afirmo e não errei. (bis)

É

Rainha do mal, auá.

Saravá povo de quimbanda,

139

Saravá nosso Exu Rei. (bis)

Olha minha gente, Ela é farrapo só. (bis) Pomba-Gira Maria Molambo, É de coró, có có. (bis)

140

148

Auê, Pomba-Gira Rainha, Comandando a madrugada. (bis) Quando chega nas encruzas, Dá logo sua gargalhada. (bis)

149

156

Exu táva curiando na encruza, Quando a banda linda lhe chamou. (bis) Exu no Terreiro é Rei,

Na encruza ele é doutor. (bis)

Maria Molambo traz, Linda saia com sete guizos. (bis) Quando roda nos Terreiros,

POMBA-GIRA RAINHA DO CRUZEI- RO

157

Trabalhando nas demandas, Mostra que tem muito juízo.

O seu manto é de veludo,

EXU QUIROMBÔ

Rebordado todo em ouro.

O

sino da capela fez belém, blém,

141

O seu garfo é de prata,

blom,

EXU MARIA PADILHA

Muito grande é seu tesouro.

Deu meia-noite o galo já cantou. (bis) Segura a banda que Ogum mandou.

150

(bis)

Maria Padilha, Rainha do Candomblé. Firma curimba, Que tá chegando mulher.

Lá no Cruzeiro da calunga, Eu vi uma farofa amarela. (bis) Quem não acredita em Pomba-Gira do Cruzeiro,

158

Exu Quirombô, Vem do lado de lá. (bis)

142

É

muito bom não mexer nela.

Exu Quirombô é meu protetor,

Maria Padilha,

143

(bis)

Vem do lado de lá.

Traz linda figa de ouro. (bis)

151

159

Oi saravá Rainha linda da Quimban- da,

EXU POMBA-GIRA

Quem matou, quem matou,

Sua proteção é um tesouro. (bis)

Aê, Pomba-Girê, Pomba-Girá, Aê, Pomba-Girê, Pomba-Girá,

Quem matou a cainana. (bis) Foi Exu Quirombô, Que ganhou sua demanda. (bis)

De onde é que Maria Padilha vem

Aê, Pomba-Girê, Pomba-Girá, Pomba-Gira carrega mandinga,

160

Aonde é que Maria Padilha mora. (bis) Ela mora na mina de ouro,

Pro fundo do mar.

EXU PINGA FOGO

Onde o galo preto canta,

152

Onde criança não chora. (bis)

EXU POMBA-GIRA DAS ALMAS

Pinga Fogo lá na encruza, Pinga Fogo lá n a serra,

161

144

Abre a porta gente,

Ela é Maria Padilha, De sandalinha de pau. (bis) Ela trabalha pro bem,

Talá, taláia, de Pomba-Gira, Pomba-Girê para que eu não caia. Talá, taláia, de Pomba-Gira, Pomba-Girê para que eu não caia.

Pinga Fogo tá na terra.

Mas também trabalha pro mal. (bis)

(bis)

Eu

vi Exu Pinga Fogo,

 

No

alto do chapadão.

145

153

Comendo jáca madura, Jogando as verdes no chão.

POMBA-GIRA RAINHA

Pomba-Gira das Almas,

Vem tomá chô chô.

162

Meu sinhô, meu sinhôzinho, Gargalharam na encruzilhada. (bis) Era Pomba-Gira Rainha, sinhô, Que reinava na madrugada. (bis)

Pomba-Gira das Almas, Vem tomá chô chô. Vencedora de demandas, Vem tomá chô chô. Vencedora de demandas, Vem tomá chô chô.

EXU POEIRA

Não pisa na caveira, Não pisa na caveira, Quimbanda vai começar. Não pisa na caveira,

163

146

154

Não pisa na caveira,

Queiram bem a Exu, Queiram bem a Exu, gente.

Minha senhora das Almas, Atira e não erra a mira. (bis)

Exu Poeira vem trabalhar.

(bis) Eu quero bem a Dona Rainha,

Ela é minha protetora, Saravá Sá Pomba-Gira. (bis)

Meu Deus que ventania,

12

Meu Deus que temporal. Lalalá, lalalê, Exu Poeira é Maioral. (bis)

164

EXU VIRA MUNDO

EXU PAGÃO

Exu Pagão vagou pela encruza, Vagou, vagou, até que chegou. Ele vem girá, ele vem girá, ele vem girá Exu, vem pra trabalhar. (bis)

Poeira, poeira, Poeira de Exu Marabô, poeira, Poeira de Exu Marabô, poeira, Poeira da encruzilhada, poeira, Poeira, poeirá.

181

Exu não vem no clarão do sol, Ele vem no clarão da lua. (bis)

173

Caminhei pela estrada deserta,

Saravá Exu Vira Mundo,

Ele

não foi batizado,

Caminhei sem olhar para a lua.(bis)

Ele é rei na madrugada, Junto com Seu Tranca Ruas. (bis)

Não buscou a salvação. (bis) Mas ele é quem vence demanda, Saravá Exu Pagão. (bis)

Até que cheguei na minha morada, Sou Marabô da encruzilhada, Sou um dos donos da rua. (bis)

165

 

174

182

A

volta que o mundo dá

(bis)

Auê, auê, seu Vira Mundo, Olha a volta que o mundo dá. (bis)

EXU PEDRA NEGRA

EXU MARABÔ TOQUINHO

166

Sála, salá mucarrêro, Sala legbára ô salá.

175

Ele é Marabô Toquinho, Dono do canto da rua.

Auê, auê, auê, Vira Mundo vai chegar, Auê, auê, auê,

Saravá Pedra Negra, Sála munganga ê salá.

Ele quando pega demanda, É sempre Ogum quem manda, Pedaço por pedacinho. (bis)

Vai chegar pra trabalhar. (bis)

183

EXU PEMBA

167

EXU VELUDO

ZÉ PILINTRA

 

Exu Pemba é homem forte, Promete pra não faltar. (bis)

Exu pode com fogo,

Zé Pilintra no catimbó,

Quando corre pela encruza, Nossa demanda vem buscar. (bis)

Ele pode com tudo, Saravá Exu Veludo.

É

tratado de doutor. (bis)

Quem demanda comigo,

Quando abre a sua Mesa,

 

Ele

é Exu da promissão,

Não chove miúdo,

Tem fama de rezador.

Ele

sempre cumpre sua missão.(bis)

Saravá Exu Veludo.

168

176

184

Jurema, jureminha, juremeira, Jurema, jureminha, juremeira, Saravá Seu Zé Pilintra, Salve a folha da gameleira. (bis)

EXU PIMENTA

Exu é malelê, Exu Pimenta qui ganga, Ganga num ganga malecô,

Auê, Veludo, Seu cabrito deu um berro. (bis) Rebentou cerca de arame, Estourou portão de ferro. (bis)

169

Exu Pimenta qui ganga.

185

Com seu chapéu de palha,

177

 

Descarrega, seu Veludo,

E

seu lenço no pescoço.

Leva o que tem pra levar. (bis)

Zé Pilintra está na terra,

Pra dizer: Boa noite moço.

EXU MARABÔ

 

Com sua força bendita, Leva o mal para o fundo do mar. (bis)

Morador lá do sertão,

Ele

vem de longe, mas chega aqui

 

Traz sua figa no pé,

E

quando

vem,

alguém

lhe

cha-

186

Se não está aborrecido, Louva Jesus de Nazaré.

mou.(bis) Vem salvando toda a encruza,

Deu meia-noite,

chegou Seu Marabô. (bis)

 

Quando o malvado chegou.

170

Deu meia-noite,

 

178

 

Quando o malvado chegou.

EXU DOS VENTOS

 

Era Exu Veludo,

Ventania balançou, Folha caiu na encruza. (bis) Era Exu dos Ventos, Com ele ninguém abusa.

Quem nunca viu, Venha ver Marabô na encruza, É de quenguerê.

 

Dizendo que era doutor. Era Exu Veludo, Dizendo que era doutor. Mas ele é Exu, dizendo que é doutor, Mas ele é Exu, irmão do Seu Marabô.

179

 

(bis)

171

 

Vinha passando pela rua,

187

Exu é malelê, Exu dos Ventos, quianga.

172

Quando ouvi, Seu Marabô me chamar. (bis)

EXU MANGUEIRA

Ganga, num ganga, malecô, Exu dos Ventos é quianga.

Louvei a encruza, louvei a lua, Saravá Seu Marabô, Que caminha pela rua.

Viva as almas, Viva a coroa e a fé ( oi viva as almas). Viva Exu nas Almas,

180

13

Ele é Seu Mangueira de fé (oi viva as almas).

EXU MALÊ

EXU DO LODO

188

Exu é malelê, é laroiê. (bis) Povo da encruza é malelê,

Na praia deserta e vi Exu,

É

Exu Malê. (bis)

Então meu corpo tremeu todo. (bis)

Exu ganhou garrafa de marafo, E levou na capela pra benzer(ê), Seu Mangueira correu e gritou:

196

Acendi minha vela e meu charuto, Arriei minha marafo, Saravei Exu do Lodo. (bis)

Na batina do padre tem dendê, tem!

EXU TRANCA RUAS

Tem dendê,

204

Na batina do padre tem dendê.

Soltaram um pombo lá nas matas,

Tem dendê,

na pedreira não pousou,

EXU LONAN

Na batina do padre tem dendê.

Foi pousar na encruzilhada, Seu Tranca Ruas quem mandou.

Embarabô,

189

É mojubá, para lecoché. (bis)

Exu trabalha de pé,

Ena, ena, mojubá ê, é mojubá. Ena, ena, mojubá ê, é mojubá.(bis)

Ele é Exu bará, bará lecoché. Embarabô é mojubá.

205

Não se senta na cadeira. (bis) Gosta de tomar marafo,

197

Para obebé, Exu Lonan, Exu Lonan, Para obebé, Exu Lonan, Exu Lonan.

De brincar com o seu garfo, Saravá Exu Mangueira. (bis)

Seu Tranca Ruas nasceu, Pra cumprir sua missão,

(bis)

190

Pela sua ineligência,

Ganhou logo seu galão,

EXU TOQUINHO

EXU TRANCA TUDO

Ele é Exu muito delicado,

Mas se entra em demanda,

Seu Toquinho é bom,

Ele é Exu formoso,

Ele não quer sair mais não. (bis)

É

muito bom de coração. (bis)

Sua capa é de veludo. (bis) Ê, ê, ê, povo de ganga, Vai chegar Seu Tranca Tudo.

198

Ele salvou seu pai e mãe, Para ganhar a salvação. (bis)

191

EXU MOLAMBO Vejam seu terno branco,

206

 

É

todo mulambo só. (bis)

Exu matou seu galo,

Trancou, trancou, ele vem trancar, Trancou, trancou, ele vem trabalhar.

192

Mas ele é Rei de Quimbanda, Seu Molambo não rejeita ebó. (bis)

Dividiu em pedacinhos. (bis) Depois de repartir,

Sua quimbanda é muito forte, Mas seu ponto é miúdo,

199

Só ficou com um bocadinho. (bis)

Ele sabe sempre quem o faz, Saravá Seu Tranca Tudo. (bis)

Exu Molambo é maroto, Só olha pra moça bela, Com sua garrafa de oti, Fica chamando na janela.

Ele é Exu, mas é muito bom de cora- ção, Seu Toquinho gosta dos seus irmãos. (bis)

EXU TRONQUEIRA

207

Segura, filhos da banda,

Ele é Seu Molambo, é um Exu, Seu fetiche leva pena de urubu. (bis)

EXU TRANCA GIRA

Quimbanda vai começar. (bis) Ogã segura cantiga,

200

Com seu terno preto,

Pai de Santo segura o gongá, Batedor segura o atabaque,

EXU LALU

Sua bengala de embira, Ele é muito elegante,

Seu Tronqueira vai chegar e saravar. (bis)

Ele é Lalu, Lalu,

Saravá Seu Tranca Gira.