Você está na página 1de 32

1

Marcos 10.1-16
Jarbas Hoffimann, sexta-feira, 2 de outubro de 2009.

1. Traduções (na ordem em grego [2 versões para ver variáveis], RA e NTLH)


As variáveis significativas (em grego) – para análise usei o primeiro texto.
1
Kai. evkei/qen avnasta.j e;rcetai eivj ta. o[ria th/j VIoudai,aj Îkai.Ð pe,ran tou/ VIorda,nou( kai.
sumporeu,ontai pa,lin o;cloi pro.j auvto,n( kai. w`j eivw,qei pa,lin evdi,dasken auvtou,jÅ
1
Kavkei/qen avnasta.j e;rcetai eivj ta. o[ria th/j VIoudai,aj dia. tou/ pe,ran tou/ VIorda,nou\ Kai.
sumporeu,ontai pa,lin o;cloi pro.j auvto,n\ kai,( w`j eivw,qei( pa,lin evdi,dasken auvtou,jÅ
1Levantando-seJesus, foi dali para o território da Judéia, além do Jordão. E outra vez as multidões se reuniram junto a ele, e, de
novo, ele as ensinava, segundo o seu costume.
1Jesus saiu daquele lugar e foi para a região da Judéia que fica no lado leste do rio Jordão. Uma grande multidão se ajuntou

outra vez em volta dele, e ele ensinava todos, como era o seu costume.

Crítica textual:
a
kai ekeiq) c. 01 B03 C04 D05 E07 D037 1.1. 13.13. 28.28. 69.69. 209.209. al10 fere ... j Ti kakeiq) cum A02 L019
N022 X033 G036 P041 unc7 vel (U030 ?)8 al pler | ercetai: N022 hlqen | kai peran cum a01 B03 C*04 L019 cop ...
2 pe sch vid
C 04C2 D05 G011 D 037 1.1. 13.13. 28.28. 69.69. 124.124. 209.209. yscrl184 2 565. al25 fere it vg syr go arm
aeth peran (:: ut Mt) ... j dia tou peran cum A02 N022 X033 G036 P041 unc8 al pl syrp | sunpor) cum a01 A02
vid

B03 C04 D037 ... j Ln sumpor) cum L019 N022 X033 G036 P041 unc9 al certe pler | sunporeuontai (1.1. 13.13.
pe 2. sch
28.28. 69.69. al5 fere -etai) palin (13.13. 69.69. 124.124. 10 l260 b c ff i syr om) ocloi (X033 al pauc oi
ocloi, al10 fere ocloj vel o ocloj vel ut 1.1. 118.118. 209.209. al ocl) poluj): D05 2pe565. sunercetai pal) o
ocloj, item convenit - turba a b c ff2. i k q contra conveniunt - turbae f g2. l vg) | kai wj eiwqei (c et docebat illos
iterum sicut consueverat): D05 b ff2. i wj eiwqei kai

Kai. proselqo,ntej Farisai/oi evphrw,thsan auvto,n( Eiv e;xestin avndri. gunai/ka avpolu/sai(
2

peira,zontej auvto,nÅ
2
Kai. proselqo,ntej Farisai/oi evphrw,twn auvto.n eiv e;xestin avndri. gunai/ka avpolu/sai( peira,zontej
auvto,nÅ
2E,aproximando-se alguns fariseus, o experimentaram, perguntando-lhe: É lícito ao marido repudiar sua mulher?
2Algunsfariseus, querendo conseguir uma prova contra ele, perguntaram:
– De acordo com a nossa Lei, um homem pode mandar a sua esposa embora?

Crítica textual:
proselqontej (et.c f ff2. i l q vg): D05 a b k om, 406.406. 2pe565. post oi de far) pon | oi far) cum a01 C04
N022 V031 X033 al sat mu (1.1. 209.209. al post auton): Gb Sz Ln Ti farisaioi cum A02 B03 L019 G036 D037
P041 unc8 al pl, c quidam Pharisaei, ff2. quidam ... D05 a b k om | ephrwtwn ( C04 cscr472. ephrwtoun sed C04
vitiose ephroun, D037 hrwtwn) c. a01 B03 C04 D05 L019 M021 D037 al15 fere (Or3,636 ad mt 19,3 adnotat: to
isadunamoun anegraye kai o markoj\ oukoun twn prosiontwn kai punqanomenwn tw iu hsan tinej
oi peirazontej ephrwtwn auton etc), item interrogabant itpler vg ... j ephrwthsan c. A02 N022 X033 G036
P041 unc8 al longe pl q (interrogaverunt) mwushj cum a01 B03 D05 K017 M021 N022 S028 D037 P041 al pm
(etc: cf ad mt 8,4. 17,3 Mc 1,44) ... j mwshj cum A02 C04 E07 F09 G011 H013 L019 U030 V031 X033 G036 al pl

3
o` de. avpokriqei.j ei=pen auvtoi/j\ ti, u`mi/n evnetei,lato Mwu?sh/jÈ
3
~O de. avpokriqei.j ei=pen auvtoi/j( Ti, u`mi/n evnetei,lato Mwsh/jÈ
3Elelhes respondeu: Que vos ordenou Moisés?
3Jesus respondeu com esta pergunta:
– O que foi que Moisés mandou?

pastorjarbas@gmail.com
2

Crítica textual:
eneteilato: D*05 28.28. eteilato
4
oi` de. ei=pan\ evpe,treyen Mwu?sh/j bibli,on avpostasi,ou gra,yai kai. avpolu/saiÅ
4
Oi` de. ei=pon( Mwsh/j evpe,treyen bibli,on avpostasi,ou gra,yai( kai. avpolu/saiÅ
4Tornaram eles: Moisés permitiu lavrar carta de divórcio e repudiar.
4Elesresponderam:
– Moisés permitiu ao homem dar à sua esposa um documento de divórcio e mandá-la embora.

Crítica textual:
a
eipan cum 01 B03 C04 D05 ... j eipon cum A02 L019 N022 X033 G036 D037 P041 unc9 al certe pler | epetrey)
a
(iussit k cop aeth) mw) cum 01 B03 C04 D05 L019 D037 124.124. yscrl184 zscr in Aug = l185 in Adv = l227 48ev al aliq k
cop aeth ... j mw) epetrey) (1.1. 118.118. 209.209. 299.299. cscr472. eneteilato) cum A02 N022 X033 G036 P041
unc9 al pler g2. l vg go syrutr arm ... 2pe565. a c ff2. q epetr) (permisit, sed q praecepit) omisso mwushj, 131.131. b om
epetr) mwus) | gragai: 61.61. b dounai, D05 dounai gragai, c d ff2. q dare scriptum :: cf Mt | apolusai: N022
add authn
5
o` de. VIhsou/j ei=pen auvtoi/j\ pro.j th.n sklhrokardi,an u`mw/n e;grayen u`mi/n th.n evntolh.n tau,thnÅ
5
Kai. avpokriqei.j o` VIhsou/j ei=pen auvtoi/j( Pro.j th.n sklhrokardi,an u`mw/n e;grayen u`mi/n th.n
evntolh.n tau,thn\
5Mas Jesus lhes disse: Por causa da dureza do vosso coração, ele vos deixou escrito esse mandamento;
5Então Jesus disse:
– Moisés escreveu esse mandamento para vocês por causa da dureza do coração de vocês.

Crítica textual:
o de ij c. a01 B03 C04 L019 D037 cop, item c ipse vero ... j Ln Ti kai apokriqeij (a b l q g1.2.vid vg quibus
2. sch
respondens, k respondit autem - et, ff respondens vero, syr om kai) o ij cum A02 D05 N022 X033 G036
9 vid pler sch p
P041 unc al omn it vg syr et go arm aeth | autoij: D05 235.235. 252*252. om | egrayen (N022
epetreyen): D05 c g2. k syrcod add mwushj, item 90.90. al pauc ante proj, b post tauthn, f g1. post umin: D05
5 2. zoh cdd
13.13. 28.28. 69.69. al b c g k arm (sed habent ) om | tauthn: aeth add (:: e Mt) apolusai taj
gunaikaj umwn

6
avpo. de. avrch/j kti,sewj a;rsen kai. qh/lu evpoi,hsen auvtou,j\
6
avpo. de. avrch/j kti,sewj( a;rsen kai. qh/lu evpoi,hsen auvtou.j o` qeo,jÅ
6porém, desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher.
6Mas no começo, quando foram criadas todas as coisas, foi dito: “Deus os fez homem e mulher.

Crítica textual:
ktisewj (G036 al kths)): D05 255.255. 36ev b ff2. q syrsch persp om | D*05 qhlun | autouj (et.a c g1.2. k** l q vg
cop syr arm; D05 86*86. 219.219. b f ff k* fu go aeth om) sine additamento c. a01 B03 C04 L019 D037 c ff cop
utr 2. 2.

com mosq cdd 2


catt (sed ex noned) ... j add o qeoj, Ln [o qeoj] cum A02 D05 N022 X033 G036 P041 unc9 al omnvid a b f
1.2. utr
g k l q vg go syr arm aeth
7
e[neken tou,tou katalei,yei a;nqrwpoj to.n pate,ra auvtou/ kai. th.n mhte,ra Îkai. proskollhqh,setai
pro.j th.n gunai/ka auvtou/Ð(
7
{Eneken tou,tou katalei,yei a;nqrwpoj to.n pate,ra auvtou/ kai. th.n mhte,ra\ kai. proskollhqh,setai
pro.j th.n gunai/ka auvtou/(
7Por isso, deixará o homem a seu pai e mãe [e unir-se-á a sua mulher],
7Por isso o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher,

Crítica textual:

pastorjarbas@gmail.com
3

eneken: D05 N022 13.13. 28.28. 69.69. 124.124. 346.346. escr474. 2pe565. al5 b c ff2. g1.2. q harl gat mt fu sax (non item
utr 1.
a f k l vg nec cop syr go arm aeth ) praem kai eipen (g et bene dixit) :: e Mt | t) pater) autou: D05 M*021
N022 om autou :: ut Mc10,7 lin. 4 pro Mc lege Mt | mhthr) autou (D05 eautou) c. a01 D05 M021 238.238. 48ev
wscr489. zscr in Aug = l185 in Adv = l227 (et haud dubie al, neglexit enim Wtst cum aliis) a b c f ff2. cop syrsch go aeth ... j
p
Ln Ti om autou (:: ut Mt) cum A02 B03 C04 L019 N022 X033 G036 D037 P041 unc8 al pler k l q vg syr arm. Praterea
a
nihil addidimus cum 01 B03 48ev go (k et inprobitas mulierum: quae corrupta ex glossa male adscripta et adhaerbit ad
mulierem orta videntur) ... j Ln Ti add (:: e mt et Genesi) kai lin. 9 sqq cf Eph5,31 et Or (coppetr 3. om)
proskollhqhsetai proj thn gunaika (Ln th gunaikai cum A02 C04 L019 N022 D037 1.1. al5 a c f g2. gat mt
tol; C04 gugunaikai pro th gu)) autou c. A02 C04 D05 L019 N022 X033 G036 D037 P041 unc9 al omn fere it (de k
vide ante) vg cop syrutr arm aeth
8
kai. e;sontai oi` du,o eivj sa,rka mi,an\ w[ste ouvke,ti eivsi.n du,o avlla. mi,a sa,rxÅ
8
kai. e;sontai oi` du,o eivj sa,rka mi,anÅ {Wste ouvke,ti eivsi.n du,o( avlla. mi,a sa,rxÅ
8e, com sua mulher, serão os dois uma só carne. De modo que já não são dois, mas uma só carne.
8e os dois se tornam uma só pessoa.” Assim, já não são duas pessoas, mas uma só.

Crítica textual:
mia sarx cum B03 D05 E07 G011 H013 L019 M*021 N022 S028 V031 X033 D037 al pl it vg syrutr go aeth ... a01 A02
2
C04 F09 K017 M 021 U030 G036 P041 al plus30 cop arm sarx mia ( :: cf Mt, ubi rursus a01 D05 it pler
vg mia sarx)
9
o] ou=n o` qeo.j sune,zeuxen a;nqrwpoj mh. cwrize,twÅ
9
}O ou=n o` qeo.j sune,zeuxen( a;nqrwpoj mh. cwrize,twÅ
9Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem.
9Portanto, que ninguém separe o que Deus uniu.

Crítica textual:
oun: Dgr05 ff2. blanch (nonsabat) k*10,9 lin. 1 post k adde syrp ed (non ed ber) om | o`: A02 G011 al pauc om (Clem533
autoj de outoj o kurioj legei\ o qeoj sunezeuxen( anqrwpoj mh cwrizetw: quae pari iure ad mt et ad Mc
adhiberi possunt) | cwrizetw: Dgr036 cwrizesqw
10
Kai. eivj th.n oivki,an pa,lin oi` maqhtai. peri. tou,tou evphrw,twn auvto,nÅ
10
Kai. evn th/| oivki,a| pa,lin oi` maqhtai. auvtou/ peri. tou/ auvtou/ evphrw,thsan auvto,nÅ
10Em casa, voltaram os discípulos a interrogá-lo sobre este assunto.
10Quando já estavam em casa, os discípulos tornaram a fazer perguntas sobre esse assunto.

Crítica textual:
eij thn oikian (Gb") cum a01 B03 D05 L019 D037 9ev 10ev 12ev 18ev 19ev 36ev 49ev yscrl184 al2 vel3 pe b (in
domum ut ed. d) ... j en th oikia cum A02 C04 N022 X033 G036 P041 unc9 al pler et (in domo vel domi; sed c plane
om) a f g2. (etvid ff2. g1.) k l q vg , item cop go etc | oi maqhtai cum a01 B03 C04 L019 D037 28.28. 18ev 19ev 36ev
49ev yscrl184 al6 vel plur a c k (discipuli secreto c k) cop arm ... j add autou, Ln [autou] cum A02 D05 N022 X033
G036 P041 unc9 al pler b f g2. (etvid ff2. g1.) l q vg syrutr go aeth | peri toutou (a01 toutwn) cum (a01 )A02 B03 C04
2. 2. sch
L019 M021 X033 G036 D037 al30 a c ff k (a de hoc, c ff de hoc sermone, k de isto sermone) cop syr aeth ... j peri
2. 2.
tou (p 124.124. al5 om) autou (D05 f g add logou ut c ff k) cum D05 E07 F09 G011 H013 S028 U030 V031 P041 al
pl b f g2. (et g1. vid) l q vg syrp go ... K017 67.67. 116.116. 131.131. 346.346. 48evzscr in Aug = l185 in Adv = l227 escr474.
a
harl* om | ephrwtwn ( C04 cscr472. -toun, L019 D037 eper)) cum 01 B03 C04 L019 D037 al plus10 ... j Ln
ephrwthsan cum A02 D05 N022 X033 G036 P041 unc9 al pl, item interrogaverunt it vg cop go syrutr | auton: M021
om
11
kai. le,gei auvtoi/j\ o]j a'n avpolu,sh| th.n gunai/ka auvtou/ kai. gamh,sh| a;llhn moica/tai evpV auvth,n\

pastorjarbas@gmail.com
4
11
Kai. le,gei auvtoi/j( }Oj eva.n avpolu,sh| th.n gunai/ka auvtou/ kai. gamh,sh| a;llhn( moica/tai evpV
auvth,n\
11Eele lhes disse: Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério contra aquela.
11EJesus respondeu:
– O homem que mandar a sua esposa embora e casar com outra mulher estará cometendo adultério contra a sua esposa.

Crítica textual:
a
oj an cum 01 B03 C04 D05 L019 D037 al plus10 ... j Ti oj ean cum A02 N022 X033 G036 P041 unc9 al pler ... 1.1.
13.13. 28.28. 69.69. 124.124. 346.346. 2pe565. a arm ean (1.1. kai ean, sed v. 12 ante 11 pon) anhr (2pe565. post
apol)) | apolush: H013 K017 al10 fere -lusei) Item al pauc gamhsei | gamhsh allhn: D05 b c f l q vg (non item a
pe sch p
k) all) gam) | ep authn: 1.1. 2.2. 28.28. 262.262. 2 565. syr arm pers om :: ut Mt
12
kai. eva.n auvth. avpolu,sasa to.n a;ndra auvth/j gamh,sh| a;llon moica/taiÅ
12
kai. eva.n gunh. avpolu,sh| to.n a;ndra auvth/j kai. gamhqh/| a;llw|( moica/taiÅ
12E, se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério.
12E, se a mulher mandar o seu marido embora e casar com outro homem, ela também estará cometendo adultério.

Crítica textual:
kai ean auth apol) t) andr) authj ( C04 autou, Gbo; D037 add kai, d dimiserit -et) cum Gb')a01 B03 C04
L019 D037 cop aeth ... j Ln Ti kai ean gunh (1.1. post apol)) apolush (18ev 19ev 49ev yscrl184 150ev -lusasa
omisso kai sq, iidem fere om authj) ton andra authj kai cum A02 N022 X033 G036 P041 unc9 al pler f g1. l vg
utr pe 2. 2. 2.
syr go ... D05 13.13. 28.28. 69.69. 124.124. 346.346. 2 565. a b c ff g q(k) arm kai ean gunh (13.13. al c ff
2.
gunh ean) exelqh (b d exiet, ff exeat, q exierit, a discesserit, c reliquerit) apo tou (69.69. om) androj kai (k et
quae relinquit mulier virum et) | gamhsh allon (D037 allhn, aliam sed d2 alii; D05 allon gam)) cum a01 B03 C*04
D05 L019 D037 1.1. 13.13. 28.28. 69.69. 124.124. 346.346. al pauc, item alii (alio, b d alium) nupserit (nubserit, k nubet,
d duxerit) it vg , item cop syrp go aeth ... j Ti gamhqh allw cum A02 C204C2 N022 X033 G036 P041 unc9 al pler arm
| moicatai (ita f g1. q vg): a b c ff2. g2. k l add super illum (k illo). Praeterea a b f ff2. g2. l add similiter (ff2. g2. om) et qui
dimissam (a add a viro) ducit moechatur :: e Mt
13
Kai. prose,feron auvtw/| paidi,a i[na auvtw/n a[yhtai\ oi` de. maqhtai. evpeti,mhsan auvtoi/jÅ
13
Kai. prose,feron auvtw/| paidi,a i[na a[yhtai auvtw/n\ oi` de. maqhtai. evpeti,mwn toi/j prosfe,rousinÅ
13Então,lhe trouxeram algumas crianças para que as tocasse, mas os discípulos os repreendiam.
13Depois disso, algumas pessoas levaram as suas crianças a Jesus para que ele as abençoasse, mas os discípulos
repreenderam aquelas pessoas.

Crítica textual:
sqq: Or3,663 sq postquam mt 19,13 sqq exposuit pergit: olh goun h sumfrasij tou kata loukan toiauth
estin) proseferon de autw & ewj tou\ oj ean mh dechtai & ou mh eiselqh eij authn) scedon de
taij autaij lexesi kai o markoj malista ta teleutaia wsautwj exeqeto)

ina: F09 i,nv | aqht) autwn cum A02 D05 N022 X033 G036 P041 unc9 al pler a b c ff2. k l q vg cop syrutr go Or3,659
(kata men ton matqaion ina taj & kata de to markon( ina ayhtai autwn\ kata de ton & loukan(
ina autwn apthtai) ...a01 B03 C04 L019 D037 124.124. 49ev yscrl184 al pauc autwn ayhtai :: ut Lc | maqhtai
(et.b ff2. k l q vg cop arm): D05 406.406. 2pe565. a c f syrutr go aeth add autou | epetimwn cum A02 D05 N022 X033
G036 P041 unc9 al omnvid it vg syrutr ...a01 B03 C04 L019 D037 cop go epetimhsan (:: hoc etiam Mt, illud Lc, sed
eosdem testes qui -mhsan per hunc versum prae alteris ex parallelis coruptos esse tantum non certum est) | toij
prosferousin (G036 add auta) c. A02 D05 N022 X033 G036 P041 unc9 al fere omn (1.1. 118.118. toij ferousin,
255.255. touj prodferontaj) a b f ff l q vg syr go arm aeth ...a01 B03 C04 L019 D037 c k cop autoij (:: ut mt
2. utr

et Lc)

pastorjarbas@gmail.com
5
14
ivdw.n de. o` VIhsou/j hvgana,kthsen kai. ei=pen auvtoi/j\ a;fete ta. paidi,a e;rcesqai pro,j me( mh.
kwlu,ete auvta,( tw/n ga.r toiou,twn evsti.n h` basilei,a tou/ qeou/Å
14
VIdw.n de. o` VIhsou/j hvgana,kthsen( kai. ei=pen auvtoi/j( :Afete ta. paidi,a e;rcesqai pro,j me\ mh.
kwlu,ete auvta,\ tw/n ga.r toiou,twn evsti.n h` basilei,a tou/ qeou/Å
14Jesus, porém, vendo isto, indignou-se e disse-lhes: Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o
reino de Deus.
14Quando viu isso, Jesus não gostou e disse:

– Deixem que as crianças venham a mim e não proíbam que elas façam isso, pois o Reino de Deus é das pessoas que são
como estas crianças.

Crítica textual:
o ij: U030 om o | kai: 1.1. 13.13. 28.28. 69.69. 124.124. 346.346. 2pe565. syrp mg arm add epitimhsaj | paidia:
D*05 paidaria (d pueros) | mh cum B03 M*021 N022 X033 G036 D037 P041 unc8 al80 fere cop ... j Ln kai mh (:: ut mt
a
et Lc) cum 01 A02 C04 D05 L019 M2021 1.1. 13.13. 118.118. al sat mu it vg go syrutr arm aeth Baseth251 (ibidem v.
13. aut) ayh) ( epetimwn( toij prosfer)) | auta: cop add (:: e Mt) venire (ire) ad me
15
VAmh.n le,gw u`mi/n( o]j eva.n mh. de,xhtai th.n basilei,an tou/ qeou/ w`j paidi,on( ouv mh. eivse,lqh| eivj
auvth,nÅ
15
avmh.n le,gw u`mi/n( o]j a'n mh. de,xhtai th.n basilei,an tou/ qeou/ w`j paidi,on( ouv mh. eivse,lqh| eivj
auvth,nÅ
15Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele.
15Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem não receber o Reino de Deus como uma criança nunca entrará nele.

Crítica textual:
a
oj an cum 01 B03 C04 D05 L019 D037 1.1. al pauc ... j Ti oj ean cum A02 N022 X033 G036 P041 unc9 al pler |
paidion: yscrl184 49ev al pauc praem to | ou mh eiselq) eij authn ( it d vg non intrabit [k introvit] in illud. Cf etiam
supra ad v. 13 Or3,663 sq): Dgr05 ou mh eij aut) eiseleusetai
16
kai. evnagkalisa,menoj auvta. kateulo,gei tiqei.j ta.j cei/raj evpV auvta,Å
16
Kai. evnagkalisa,menoj auvta,( tiqei.j ta.j cei/raj evpV auvta,( euvlo,gei auvta,Å
16Então, tomando-as nos braços e impondo-lhes as mãos, as abençoava.
16Então Jesus abraçou as crianças e as abençoou, pondo as mãos sobre elas.

Crítica textual:
enagkalisamenoj (l vg complexans, k complexus, g1. complectens; a et in sinu suo benedicebat illos; L019 ut supra
lesamenoj, D*037 enekalisam) sed corr. est enagk), X033 -lhsamenouj ut et. 9,36): D05 b c f ff2. q (b convitans, rell
convocans) proskalesamenoj | kateulogei (L019 yscrl184 10,16 lin. 4 post yscrl184 adde 303ev kathul), cop
aeth add auta) tiqeij taj cei) ep auta cum a01 B03 C04 L019 D037 yscrl184 2 565. 150ev al10 fere cop aeth
pe

p cod
syr (ap Adl) ... j Ln Ti tiqeij taj ceir) ep auta hulogei (Gb' Sz Ln eulogei, Ti kateulogei) auta: hoc
ordine (de singg verbis vide post) cum A02 D05 N022 X033 G036 P041 unc9 al pler it (exc a) vg go syrutr arm | tiqeij
(1.1. kai tiqwn, 13.13. 28.28. 346.346. tiqwn) t) c) ep auta: D05 etiqei et add kai post ep auta, item b c ff2. k
utr p
q syr ... 106.106. a (vide ante) plane om; syr habet c.* | hulogei j tenet cum G036 al; Gb' Sz Ln eulogei (K*017 -
gh) c. A02 D05 E07 H013 K*017 M021 S028 U030 V031 X033 P041 al pl; F09 G011 K2017 al fere10 eulpghsen; N022
lin. penult post N022 adde (non Duchesn.) kathulogi (:: kateulogein hoc uno loco Ni Ti, item rarissimum apud
LXX)

pastorjarbas@gmail.com
6

Textos Paralelos:
Para Mc 10.1-12
Mt 5.31-32
31– Foi dito também: “Quem mandar a sua esposa embora deverá dar a ela um documento de divórcio.” 31Mas eu

lhes digo: todo homem que mandar a sua esposa embora, a não ser em caso de adultério, será culpado de fazer com
que ela se torne adúltera, se ela casar de novo. E o homem que casar com ela também cometerá adultério.

Mt 19.1-12
1Depois de dizer isso, Jesus saiu da Galiléia e foi para a região da Judéia que fica no lado leste do rio Jordão. 2Uma
grande multidão o seguiu, e ali ele curou os doentes.
3Alguns fariseus chegaram perto dele e, querendo conseguir alguma prova contra ele, perguntaram:

– Será que pela nossa Lei um homem pode, por qualquer motivo, mandar a sua esposa embora?
4Jesus respondeu:

– Por acaso vocês não leram o trecho das Escrituras que diz: “No começo o Criador os fez homem e mulher”? 5E
Deus disse: “Por isso o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher, e os dois se tornam uma só
pessoa.” 6Assim já não são duas pessoas, mas uma só. Portanto, que ninguém separe o que Deus uniu.
7Os fariseus perguntaram:

– Nesse caso, por que é que Moisés permitiu ao homem mandar a sua esposa embora se der a ela um documento
de divórcio?
8Jesus respondeu:

– Moisés deu essa permissão por causa da dureza do coração de vocês; mas no princípio da criação não era assim.
9Portanto, eu afirmo a vocês o seguinte: o homem que mandar a sua esposa embora, a não ser em caso de adultério, se

tornará adúltero se casar com outra mulher.


10Os discípulos de Jesus disseram:

– Se é esta a situação entre o homem e a sua esposa, então é melhor não casar.
11Jesus respondeu:

– Este ensinamento não é para todos, mas somente para aqueles a quem Deus o tem dado. 12Pois há razões
diferentes que tornam alguns homens incapazes para o casamento: uns, porque nasceram assim; outros, porque foram
castrados; e outros ainda não casam por causa do Reino do Céu. Quem puder, que aceite este ensinamento.

Lc 16.18
18–Se um homem se divorciar e casar com outra mulher, comete adultério. E quem casar com a mulher divorciada
também comete adultério.

Para Mc 10-13-16
Mt 19.13-15
13Depois disso, algumas pessoas levaram as suas crianças para Jesus pôr as mãos sobre elas e orar, mas os

discípulos repreenderam as pessoas que fizeram isso. 14Aí ele disse:


– Deixem que as crianças venham a mim e não proíbam que elas façam isso, pois o Reino do Céu é das pessoas
que são como estas crianças.
15Então Jesus pôs as mãos sobre elas e foi embora.

Lc 18.15-17
15Depois disso, algumas pessoas levaram as suas crianças a Jesus para que ele as abençoasse, mas os discípulos

viram isso e repreenderam aquelas pessoas. 16Então Jesus chamou as crianças para perto de si e disse:
– Deixem que as crianças venham a mim e não proíbam que elas façam isso, pois o Reino de Deus é das pessoas
que são como estas crianças. 17Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem não receber o Reino de Deus como uma
criança nunca entrará nele.

pastorjarbas@gmail.com
7

2. Formas mais significativas


v. 1
avnasta.j – “levantar”, para indicar o começo de uma ação (usualmente movimento) expressada por outro verbo,
“propor-se a”, “preparar-se para” (BAG).
sumporeu,ontai – “acompanhar”, viajar c/ alguém.
eivw,qei – “estar acoscumado a”. A forma é usada aqui como um impf. (RWP).
evdi,dasken – “ensinar”. Não há absolutamente razão alguma para rejeitar a ideia de que aqui Jessu falou em grego
(J. N. Sevenster).

v. 2
proselqo,ntej – “vir para casa”.
evphrw,thsan – “perguntar”, “indagar”.
e;xestin – “é permitido”, “é lícito”.
avndri. – “homem”, “ser humano”.
avpolu/sai – “soltar”, “demitir”, “divorciar”.
peira,zontej – “tentar”, “provar”.

v. 3
avpokriqei.j – “responder”.
evnetei,lato – “ordenar”.

v. 4
evpe,treyen – “permitir”.
avpostasi,ou – “divórcio”.
gra,yai – “escrever”.
avpolu/sai – “demitir”, “despedir”, “divorciar”

v. 5
pro.j – c/ acus. de acordo com, tendo em vista.
sklhrokardi,an – dureza de coração.
e;grayen – “escrever”.

v. 6
a;rsen – “homem” (macho).
qh/lu – “mulher” (feminino).
evpoi,hsen – “fazer”.

v. 7
e[neken – por causa de.
katalei,yei – deixar.
kai. proskollhqh,setai pro.j th.n gunai/ka auvtou/ – “e se une à sua mulher (esposa)”.

v. 8
e;sontai – “ser”, “estar”.

v. 9
sune,zeuxen – “juntar”.
cwrize,tw – “separar”.

pastorjarbas@gmail.com
8

v. 10
evphrw,twn – “pergundar”, “perguntar por”.

v. 11
gamh,sh| – “casar”.
moica/tai – “adulterar”.

v. 12
avpolu,sasa – “demitir”, “despedir”, “divorciar”

v. 13
prose,feron – “trazer para”, “levar para”.
a[yhtai – c/ gen. “tocar”. Subj. usado c/ i[na para expressar propósito. O propósito do toque é obter uma bênção
(Taylor).
evpeti,mhsan – “repreender”.

v. 14
ivdw.n – “ver”.
hvgana,kthsen – “ficar aborrecido”, “indignado”, aor. ingresivo, “começar a indignar-se” (Gould).
a;fete – “permitir”.
kwlu,ete – “impedir”.
toiou,twn – “de tal tipo”, “de tal caráter”.

v. 15
de,xhtai – “receber”, “dar as boas-vindas”.
eivse,lqh| – “entrar”.

v. 16
evnagkalisa,menoj – “abraçar”, “tomar nos braços”.
kateulo,gei – “desejar bo bem para alguém”, “abençoar”. O efeito da prep. no verbo composto é intensivo.
Abençoou-as de modo fervoroso, não de modo superficial, mas c/ ênfase (Swete). O impf. retrata a ação repetida.
tiqei.j – “colocar”.

3. Estilo literário
Evangelho.

4. Contextos
II. O Ministério de Jesus na Judeia 10.1-16.20
Ministério na Transjordânia 10.1-52
Jesus fala sobre o divórcio 10.1-12
Jesus e as crianças 10.13-16
O moço rico 10.17-31
Jesus anuncia outra vez a sua morte e a sua ressurreição 10.32-34
O pedido de Tiago e João 10.35-45
Jesus cura o cego Bartimeu 10.46-52
Ministério em Jerusalém 11.1-13.37
Jesus entra em Jerusalém 11.1-11
Jesus e a figueira 11.12-14
Jesus no Templo 11.15-19
A lição da figueira 11.20-26

pastorjarbas@gmail.com
9

A autoridade de Jesus 11.27-33


Os lavradores maus 12.1-12
A pergunta sobre os impostos 12.13-17
A pergunta sobre a ressurreição 12.18-27
O mandamento mais importante 12.28-34
A pergunta sobre o Messias 12.35-37a
Jesus e os mestres da Lei 12.37b-40
A oferta da viúva pobre 12.41-44
Jesus fala da destruição do Templo 13.1-2
Perseguições e sofrimentos 13.3-13
O grande sofrimento 13.14-23
A vinda do Filho do Homem 13.24-27
A lição da figueira 13.28-31
O dia e a hora 13.32-37
A Paixão 14.1-15.47
O plano para matar Jesus 14.1-2
Jesus em Betânia 14.3-9
Judas trai Jesus 14.10-11
Jesus comemora a Páscoa 14.12-21
A Ceia do Senhor 14.22-26
Jesus avisa Pedro 14.27-31
Jesus no jardim do Getsêmani 14.32-42
Jesus é preso 14.43-52
Jesus diante do Conselho Superior 14.53-65
Pedro nega Jesus 14.66-72
Jesus diante de Pilatos 15.1-5
Jesus é condenado à morte 15.6-15
Os soldados sombam de Jesus 15.16-20
A crucificação de Jesus 15.21-32
A morte de Jesus 15.33-41
O sepultamento de Jesus 15.42-47
A ressurreição 16.1-20
A ressurreição de Jesus 16.1-8
Jesus aparece a Maia Madalena 16.9-11
Jesus aparece a dois discípulos 16.12-13
Jesus aparece aos onze discípulos 16.14-18
Jesus vai para o céu 16.19-20

4.1. Contexto Anterior


Mesmo sabendo sobre quem é mais importante no Reino de Deus, os discípulos parecem ainda não ter
entendido. Logo acontece outra aparente disputa de autoridade. Os discípulos tinham proibido um homem de expulsar
demônios em nome do Senhor (Jesus), porque ele não era parte do grupo. Então Jesus diz que “quem não é contra nós,
é por nós”.
Finalizando o capítulo Jesus alerta do perigo do pecado. Para que as pessoas não pensem que “uma vez de
Cristo” somos perfeitos. Somos sim de Cristo, mas continuamos pecadores. Jesus usa várias hipérboles para enfatizar o
perigo do pecado.

4.2. Nosso Contexto


Terminado o capítulo 9, começa um novo trexo. Agora Jesus sai da Galileia e vai para a Judeia. Lá ele começa a
ensinar a todos e fala de diversos assuntos, começando pelo divórcio. Recebe crianças, e os discípulos não queriam
permitir, mesmo que antes Jesus já tenha usado crianças como exemplo e mostrado apreço por elas.

pastorjarbas@gmail.com
10

4.3. Contexto Posterior


Após receber as crianças Jesus tem um encontro com um moço rico, que aparentemente quer segui-lo, mas ao
se deparar com a necessidade de se desfazer dos bens, prefere ignorar Jesus e sai triste. E Jesus usa o exemplo do
rapaz para ensinar aos discípulos. Logo vem também mais um anúncio da morte e ressurreição de Jesus.

5. Reflexão exegética
Sobre o Divórcio:
Dt 24.1-4 (ARA 1Se um homem tomar uma mulher e se casar com ela, e se ela não for agradável aos seus olhos,
por ter ele achado coisa indecente nela, e se ele lhe lavrar um termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir de casa;
2e se ela, saindo da sua casa, for e se casar com outro homem; 3e se este a aborrecer, e lhe lavrar termo de divórcio, e

lho der na mão, e a despedir da sua casa ou se este último homem, que a tomou para si por mulher, vier a morrer,
4então, seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a desposá-la para que seja sua mulher, depois que foi

contaminada, pois é abominação perante o SENHOR; assim, não farás pecar a terra que o SENHOR, teu Deus, te dá
por herança.) permite ao marido se divorciar de sua esposa, se ele encontrar nela “coisa indecente”, literalmente
“questão de nudez”, dando a ela uma “carta de divórcio”, literalmente um livro de corte. A poligamia tinha violado a lei
primeira de Deus que unia um homem e uma mulher numa sóp carne. A Lei de Moisés não aprova esse estado anormal
das coisas com as quais teve que lidar, mas impõe um impedimento em falar a respeito a este proceder em extrema
arbitrariedade. Ela regula e atenua o que não poderia extirpar-se. O marido deve começar elaborando um ato formal,
feito pelas autoridades competentes (Levitas), explicando e indicando os motivos (Is 50.1; Jr 3.8), e não simplesmente
mandar a mulher embora. Moisés jogou a responsabilidade da violação da lei original sobre o próprio homem; ele
tolerou, de fato, a situação (como um mal menor do que cumprir a lei original por causa da “dureça do coração” das
pessoas, logo se tornou inadequado e a acabou agravando o mal), mas a colocou de um modo que poderá servir como
um obstáculo aos caprichos extremos, um ato que exige tempo e publicidade para o procedimento formal. Então ele
“libera” o divórcio, mas o torna trabalhoso.
A escola “Shammai” representa fornicação ou adultério como o significado de “imundícia” trazido por Moisés. Mas
(Lv 20.10; Jo 8.5) apedrejamento, não apenas o divórcio, teria sido a pena para isto, e nosso Senhor (Mt 19.3,9,
compare com Mt 5.31) reconhece um fundamento muito menor do divórcio tolerado por Moises por causa da dureza dos
corações. A escola de “Hillel” reconhecia qualquer causa mais insignificante como suficiente para o divórcio, por
exemplo, a esposa queimar a comida de seu marido. O objetivo do interrogatório ao nosso Senhor era colocá-lo entre
estas duas escolas e enredá-lo na disputa. O baixo valor do casamento, reinante no final do Antigo Testamento, aparece
no texto de Ml 2.14-16 (ARA 14E perguntais: Por quê? Porque o SENHOR foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da
tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança. 15Não fez o SENHOR
um, mesmo que havendo nele um pouco de espírito? E por que somente um? Ele buscava a descendência que
prometera. Portanto, cuidai de vós mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. 16Porque o
SENHOR, Deus de Israel, diz que odeia o repúdio e também aquele que cobre de violência as suas vestes, diz o
SENHOR dos Exércitos; portanto, cuidai de vós mesmos e não sejais infiéis.).
Roma transformou o casamento em sacramento indissolúvel exceto por suas lucrativas dispensações
eclesiásticas. Mas isto tornaria o casamento entre um homem pagão e uma mulher pagã um “sacramento”, para os
quais o sentido cristão seria absurdo; por Ef 5.23-32, que Roma cita, e Mc 10.5-12 onde até a fornicação não é tornada
uma exceção à indissolubilidade do casamento, não faz nenhuma distinção entre as partes do casamento que estariam
dentro ou fora da igreja. O que é o casamento para o cristão, quer dizer, na visão escriturística, ao homem antes e
depois da queda e da promeça redentora de Deus? Relações adúlteras com uma terceira parte faz a pessoa uma só
carne com esse outro, e assim, ipso facto dissolve a unidade da carne com o consorte origknal (1Co 6.15-16: ARA 15Não
sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo? E eu, porventura, tomaria os membros de Cristo e os faria
membros de meretriz? Absolutamente, não. 16Ou não sabeis que o homem que se une à prostituta forma um só corpo
com ela? Porque, como se diz, serão os dois uma só carne.). A mulher divorciada que se casa novamente, embora a lei
sancione seu novo casamento (Dt 24.1-4), é tratada como “contaminada” e não pode mais ser tomada de volta por seu
ex-marido. A reflexão que, uma vez divorciada e casada novamente, ela nunca poderia retornar ao seu ex-marido, ajuda
as partes a evitar uma imprudência temerária, de se livrar do casamento levianamente.

pastorjarbas@gmail.com
11

v. 1
• @kai.# pe,ran {C}. A leitura dia. tou/ pe,ran (A K X P muitos minúsculos, seguidos peo Textus Receptus; cf.
a leitura AV “na costa da Judeia pelo lado paterno do Jordão”) é claramente uma correção explanatória introduzida por
copistas que ficaram perpexos pela dificuldade geográfica envolvida na leitura antiga. Ao escolher entre kai. pe,ran
(texto Alexandrino) e pe,ran (textos Ocidental e Alexandrino), o Comité ficou impressionado pela diversidade de
suportes externos à segunda leitura, mas considerou que a ausência do kai, pode ser devido à assimilação do texto
paralelo em Mateus 19.1. A fim de refletir a realidade dos testemunhos das probabilidades internas e externas decidiu-se
por colocar o kai, mas cercado por colchetes.
• Kretzmann: Levantando-se Jesus, foi dali para o território da Judéia, além do Jordão. E outra vez as multidões
se reuniram junto a ele e de novo ele as ensinava, segundo o seu costume. Agora Jesus deixou, de modo definitivo e
final, a Galiléia. Deixou Cafarnaum. Depois do último discurso aos discípulos, viajou ao sul pela costa do Mar da Galiléia.
A seguir, em sua ida à Judéia, cruzou o Jordão, perto da foz, para a Peréia. Mas, conforme ia caminhando,
provavelmente, até, na Galiléia mas especificamente na Peréia, muitas pessoas se juntavam a ele, porque o
identificaram, e foram com ele, ou seja, o acompanharam. Em sua usual misericórdia salvadora, via estas pessoas
mergulhadas em grandes necessidades espirituais, o que o levou a, novamente, seguir o costume de ensinar-lhes a
uma coisa necessária.
• Jesus anteriormente estava na Galileia e agora chega à Judeia. Quer dizer, ele vai para o sul, chegando mais
perto de Jerusalém. Cada vez mais ele é seguido por uma multidão. Então, como sempre fez, começa a ensinar às
pessoas.

v. 2
• kai. proselqo,ntej Farisai/oi o problema principal apresentado pelas leituras variáveis envolve a presença
ou a ausência das palavras proselqo,ntej $oi`% Farisai/oi. Será que o texto original lê apenas evphrw,twn, um
plural impessoal (“as pessoas perguntavam-lhe” ou “ele foia questionado”), e tem a referência aos Fariseus que entram
em muitos testemunhos por assimilação ao paralelo da passagem de Mateus 19.3? Apesar de ser plausível esta
possibilidade, o fato de que a passagem de Mateus não é absolutamente paralela (prosh/lqon auvtw|/ Farisai/oi) e
com o apoio generalizado e impressionante para a leitura mais longa levou a maioria do comitê a reter as palavras no
texto. [Na medida em que o plural impessoal é um estilo característico do estilo de Marcos, as palavras proselqo,ntej
Farisai/oi são provavelmente uma introdução tirada de Mateus; se contudo se mantiver todas, devem ser fechadas
por colchetes.
• Kretzmann: Os fariseus tentam Jesus com uma pergunta: E, aproximando-se alguns fariseus o
experimentaram, perguntando-lhe: É lícito ao marido repudiar sua mulher?
• Mais do que uma simples pergunta estão envolvidas duas interpretações do judaísmo sobre o direito ao
divórcio. E os fariseus querem colocar Jesus numa “saia justa” fazendo com que escolha um dos lados, o que deixaria o
outro descontente. Algo parecido acontece quando perguntam se as pessoas deveriam pagar impostos. Se Jesus
dissesse que sim (simplesmente) o povo ficaria revoltado e os governantes contentes. Se dissesse que não, aconteceria
o oposto. Como naquela vez, aqui sobre o divórcio Jesus dá uma resposta que não deixa uma ponta solta. Ele coloca
tudo no seu devido lugar. Calando assim os seus interlocutores. Aliás, a própria pergunta já é uma cilada, pois eles não
têm dúvidas sobre o que a sua Lei ordenava. Eles querem é fazer Jesus tropeçar.

v. 3
• Jesus mostra conhecer muito bem a Lei, evocando o maior responsável (humanamente falando) pela Lei. “O
que Moisés disse?” Jesus responde com uma pergunta. Agora a responsabilidade da resposta está sobre os fariseus,
que demonstram saber sim o que a Lei mandava. O problema é que a estavam ignorando. • A Lei que Moisés deu,
ajudava a manter um mínimo respeito ao casamento. Pois jogava a responsabilidade sobre o homeme, que não podia
simpesmente “enjoar” da mulher e mandar de volta. Ele precisava fazer uma carta de divórcio e apresentar aos levitas,
que deveriam então confirmar se esta seria válida ou não. • Entre 1987 e 2000 a tacha nacional de divórcio aumentou
200%. E o divórcio está cada vez mais facilitado. Hoje é mais difícil casar do que divorciar-se. Por causa de uma nova lei
aprovada em 2007. Pra casar existem proclamas, taxas, etc... Para se divorciar, o casal (caso não haja filhos ou
pendênias) se dirige ao cartório, acompanhado de seu advogado, paga a taxa e já sai divorciado.

• Kretzmann: Ele lhes respondeu: Que vos ordenou Moisés?

pastorjarbas@gmail.com
12

v. 4
• Os fariseus não vão à instituição do casamento, mas vão à carta de divórcio. Eles querem enredar Jesus com
suas palavras. Mas o Mestre conhece o jogo deles.
• Kretzmann: Tornaram eles: Moisés permitiu lavrar cara de divórcio e repudiar. Os fariseus ainda farejavam as
pegadas de Cristo. Logo que multidões se aglomeraram ao redor de Cristo, julgaram ser sua missão, no interesse da
igreja judaica, interferir, para impedir que ele ensinasse as pessoas. Propositalmente fizeram sua pergunta de modo
bem geral, para, desta forma, levar ao Senhor a uma armadilha, que, segundo pensavam, haviam disfarçado
astutamente. Caso lhes respondesse na negativa, o acusariam de não concordar com Moisés, além disso, o povo se
ofenderia, visto que, quanto ao sexto mandamento, a moral era muito solta. Caso lhes respondesse na afirmativa, eles o
acusariam de estar promovendo a já tão predominante frouxidão moral. Jesus, porém, penetrou seu esquema, e
arranjou tudo para apanhá-los em sua própria armadilha. Foi um belo embate de faculdades mentais. Perguntou-lhes
pelo que Moisés lhes ordenara, colocando ênfase no verbo “ordenar”. Queria que declarassem o que Deus dissera na
instituição do casamento sobre a força do laço matrimonial. Eles, por sua vez, buscaram evitar qualquer ângulo escuro.
Por isso se referiram a Dt.24.1, e declararam o que Moisés permitira. Moisés, em seus decretos legislativos e por
sugestão de Deus, para salvaguardar, ao menos um pouco, a posição da esposa e para impedir o relaxamento do laço
matrimonial que já era um verdadeiro escândalo no mundo gentio, havia prescrito a concessão dum documento de
divórcio, ou duma carta que expunha as razões pelas quais o homem rejeitou sua mulher. O objetivo foi impedir
divórcios por razões triviais quaisquer.

v. 5
• O coração duro é aquele que não quer “dar o braço a torcer” e quer sempre ter suas vontades satisfeitas. Ele
busca o próprio prazer e não dá ouvidos à lei de Deus. Para evitar um mal maior à esposa, Moisés então permitiu o
divórcio, mesmo ele sendo contrário à Lei de Deus e à sua primeira vontade ao instituir o casamento. • Falando sobre a
situação atual, é preciso também ressaltar a leviandade com que muitos entram no casamento. Casa-se pra ver se vai
dar certo. Casa-se para assumir um filho de um relacionamento indevido. Casa-se para cumprir deveres de sociedade e,
muito poucos, casam-se porque querem estar casados para sempre e farão o necessário para que isso aconteça.
Percebe-se, ao contrário disso, uma preocupação edonista em satisfazer-se e, assim, se a mulher não é mais uma
modelo pode-se trocá-la. Se o marido encheu-se de manias ao envelhecer, não se precisa mais respeitar: “na saúde, na
doença... até que a morte os separe”. Casa-se mais. Porém com uma banalidade jamais vista. Seria melhor não
casarem. Faria menos mal à instituição casamento e família.
• Kretzmann: A resposta de Jesus: Mas Jesus lhes disse: Por causa da dureza do vosso coração ele vos deixou
escrito esse mandamento;

v. 6
• auvtou,j a inserção de o` qeo,j como o sujeito de evpoi,hsen deve ter parecido necessárias aos copistas para
ajudar ao leitor inculto ao imaginar o sujeito previamente mencionado (Moisés). Vários testemunhos (D W itb, d, ff2, k, r1 al)
omitem auvtou,j por ser supérfluo.
• Kretzmann: porém, desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher.
• Deus criou o casal e os abençoou. Aliás, a mulher foi criada porque Deus percebeu que algo faltava ao homem.
Para aliviá-lo de sua falta, Deus lhe faz uma mulher que o próprio Adão reconheceu como companheira perfeita. Muitos
hoje casam-se com o marido ou a esposa perfeita, mas depois de alguns dias, passam a olhar para fora de casa. O
mundo sempre nos tentou e sempre nos tentará. Mas cabe a nós estarmos sempre preparados para isso, com o auxílio
do Senhor, que nos ampara sempre. E nos livra das tentações.

v. 7
• mhte,ra @kai. proskollhqh,setai pro.j th.n gunai/ka auvtou/# Teriam as palavras kai.
proskollhqh,setai pro.j th.n gunai/ka (ou th|/ gunai/ki) auvtou/ sido adicionadas na maioria das cópias a fim de
assimilar as citações da forma completa do texto encontrado em Mt 19.5 (e Gn 2.24), ou foram indevidamentes omitidos
na transcrição (o olho do copista saltando de kai, a kai,)? Para representar o equilíbrio mais aproximado das
probabilidades, a maioria dos eruditos decidou incluir a cláusula no texto (onde parece ser necessário para a
compreensão, caso contrário oi` du,o no versículo 8 poderiam ser tomados como se referindo ao pai e à mãe!), mas o

pastorjarbas@gmail.com
13

colocam entre colchetes. Como entre pro.j th.n gunai/ka e th|/ gunai/ki, o primeiro foi preferido poque a construção
dativa é obviamente uma correção estilística.
• Kretzmann: Por isso deixará o homem a seu pai e mãe e se unirá a sua mulher,
• O homem (e a mulher) deixam o pai e a mãe. Isso não significa ignorar os pais, muito menos parar de dar
ouvidos aos seus conselhos. Mas ao se começar um casamento, saiu-se da casa paterna e se fundou uma nova casa.
Onde o outro é a parte a ser ouvida. Muitos casais simplesmente dão mais ouvidos à “mamãe” do que àquele(a) com
quem se jurou respeito mútuo. Estes casamentos não vão funcionar. Pode ser que os pais estejam bem intencionados,
mas a melhor coisa que podem fazer é deixar os filhos viverem sua nova família. Dando todo o apoio e todo o suporte
necesário, mas sem tomar decisões por eles. Sem tomar partido em discussões que surgirão.

v. 8
• Há o mito das duas metades juntadas numa só pessoa. Ela faz parte de diversas mitologias e teria gerado o
“ser perfeito”. Essa imagem, apesar de ser muito usada para o casal, não condiz com a verdade cristã. Também não são
duas metades de uma mesma fruta. A figura bíblica é “uma só pessoa”. Não um ser que se une permanecendo “meio
independente”. É uma só carne. Aquilo que fere um cônjuge, machuta também o outro. Um ampara o outro, porque não
pode ferir a si mesmo (Ef 5.28).
• Kretzmann: e, com sua mulher, serão os dois uma só carne. De modo que já não são dois, mas uma só carne.

v. 9
• Se alguém tem dúvida sobre qual é a vontade original de deus, esta afirmação de Jesus não deixa dúvidas:
ninguém separe aquilo que foi unido por Deus. Uma pergunta adequada: todo casamento, mesmo feito em frente ao
altar, foi de fato unido por Deus? Quando o casamento começa por necessidade de se dar uma resposta à sociedade e
não por um desejo sincero dos noivos, este foi unido por Deus? São apenas reflexões. Mas, quando o casamento
começa porque um filho foi gerado, ele realmente foi unido por Deus? Quantos casamentos começam levianamente? O
que não quer dizer que o casamento precise de um noivado quase eterno pra poder funcionar depois. Mas ele precisa
estar muito bem firmado em Deus e na atitude de ambos em fazer o casamento durar pra sempre. No desejo mútuo de
superar dificuldades. Num conhecimento (mínimo que seja) de todas as dificuldades que virão no casamento,
especialmente ao nascerem os filhos. Que são uma bênção, mas trazem muita responsabilidade.
• Kretzmann: Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Jesus estava muito bem inteirado com este
pedacinho da lei de Moisés. Sabia também as razões para a adoção deste preceito na lei judaica. A forma de governo
na nação judaica, durante os primeiros séculos, foi o de uma teocracia, ou seja, duma legislação direta de Deus. A
ordem a que se referiram, foi dada por Moisés em sua condição de legislador judeu, para impedir dano e iniqüidade
ainda piores. O governo achará, às vezes, que será um política mais sábia deixar impune algum erro, para que muitos
inocentes não sofram com o culpado. Mas esta desobrigação de Moisés, que foi concedida por causa da dureza dos
corações deles, de modo algum invalidou a instituição do casamento e da santidade do laço matrimonial. Esta instituição
e as palavras da instituição fazem parte da lei moral do universo. Então, no começo, Deus afirmou claramente sua
vontade e intenção com respeito às obrigações de homem e mulher no estado matrimonial. Ele não criou um único sexo,
mas criou dois sexos, masculino e feminino, Gn 1.28. E estes dois sexos, então representados em um homem e numa
só mulher, deviam ser unidos no casamento. Por isso, a segunda passagem, Gn 2.14, indica as obrigações normais ou
habituais. Um homem, tendo alcançado a idade para casar, e tendo observado os outros passos preliminares ordenados
por Deus, deixará a seu pai e sua mãe, ou seja, romperá a afinidade de menino e jovem, e se unirá à sua mulher.
Entrará num novo relacionamento que tornará a ele e sua mulher uma só carne. Já não será mais uma questão de seu
próprio capricho e escolha, mas da ordenação de Deus, assim que já não são mais dois, mas tão só um corpo e uma só
carne. Esta é a união mais íntima possível no mundo exterior e temporal. Este fato devia ser declarado e reiterado
continuamente em nosso próprio meio, para que a santidade da união matrimonial não seja, mais e mais, desprezada.
Em muitos casos, jovens não buscam esta instituição de Cristo no sentido em que Cristo a ordenou. Mas têm outros
motivos, como a busca da sensualidade e da luxúria. A inviolabilidade do contrato matrimonial diante de Deus se lhes
tornou um gracejo e escárnio blasfemo. Cristo, porém, diz aqui: O que Deus uniu, ou seja, onde duas pessoas
concordaram ser companheiros de jugo, de dobrar suas nucas sob o mesmo jugo, de puxar juntos o carro da vida, de
compartilhar sob o governo e bênção de Deus todas as alegrias e tristezas, lá o jugo não deve ser quebrado. Nenhuma
pessoa, nem os próprios jovens e pais, nem seus parentes e os assim chamados bons amigos, e nem qualquer tribunal,
poderão ou terão permissão de separa-los. Mesmo que os tribunais declarem dissolvida a união matrimonial, ela ainda
continua diante de Deus.

pastorjarbas@gmail.com
14

v. 10
• Os discípulos, ao saírem do meio da multidão, pedem que o Mestre lhes explique melhor. Deveríamos também
aprender com esta atitude. Às vezes, para não passarmos por “suposta humilhação” temos medo de dizer: “eu não
entendi, você pode explicar novamente?” Quando não se entende, o melhor a fazer é perguntar. E na nossa vida, se não
entendemos, perguntemos ao Senhor que ele dará as respostas no modo e no momento mais adequado.
• Kretzmann: Uma explanação adicional para os discípulos: Em casa, voltaram os discípulos a interrogá-lo sobre
este assunto.

vv. 11-12
• Unir-se a outro que não é seu cônjuge acaba com o laço matrimonial.
• Kretzmann: E ele lhes disse: Quem repudiar sua mulher e casar com outra, comete adultério contra aquela. • E
se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério. Os discípulos ainda estavam profundamente imbuídos
com os ensinos dos escribas ou dos rabis, que haviam escutado deste sua juventude. As afirmações de Jesus
diferenciavam tão frontalmente dos costumes com os quais estavam acostumados, que recapitularam o assunto com
seu Mestre na casa onde estavam. Queriam ter a certeza de terem ouvido corretamente e se Jesus não tinha mais
alguma explicação a adicionar para eles. Resumiu-lhes, porém, tão somente mais uma vez o que havia dito no caminho:
Se qualquer homem se divorcia de sua mulher, ou seja, a desliga do laço matrimonial, e casar outra, então ele comete
adultério em prejuízo e contra o primeira. A moral solta das relações entre os sexos foi, talvez, a regra entre os judeus, e
a convivência constante com estes abusos, talvez, tornou os discípulos tão calejados como os demais. Mas isto não
afetou em nada a ordem de Deus. A mesma regra vale no caso duma mulher: Caso ela se divorcia de seu marido, ou
desata o laço matrimonial que o unia a ela, o que ela podia fazer conforme a lei palestina daqueles dias,) então ela
comete adultério. Cf. Mt.5.31,32; 19.3-9.

v. 13
• evpeti,mhsan auvtoi/j {A} Para evitar uma possível ambiguidade quanto a quem era que os discípulos estavam
repreendendo, os escritos de A D W Q ¦1 ¦13 al substituíram auvtoi/j com toi/j prosfe,rousin ou toi/j fe,rousin
a
. A leitura mais curta é fortemente apoiada por B C L D Y 579 892 1342 al.
• Jesus tinha entrado em casa e, certamente, a multidão não o deixava em paz. Talvez pensando nisso, os
discípulos querem impedir as pessoas que vêm trazer suas crianças.
• Kretzmann: Então lhe trouxeram algumas crianças para que as tocasse, mas os discípulos os repreendiam.

vv. 14-16
• Jesus ensina novamente algo aos seus discípulos: ele não se negou a receber aquelas crianças e ainda as usa
como exemplo diante dos discípulos. Porque aqueles que forem como as crianças serão parte do Reino de Deus. E o
ser como criança expressa confiar, antes de querer receber algo em troca. É amar simplesmente por amar. É sorrir ou
chorar, quando se está triste ou feliz, mas não para ganhar favores ou chantagear. Recebendo o Reino de Deus na
confiança que uma criança recebe o carinho de seus pais.
• Kretzmann: Jesus, porém, vendo isto, indignou-se e disse-lhes: Deixai vir a mim os pequeninos, não os
embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus. • Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma
criança, de maneira nenhuma entrará nele. • Então, tomando-as nos braços e impondo-lhes as mãos, as abençoou. Foi
durante a ida de Jesus para a Judéia, e enquanto fazia a jornada por etapas, que aconteceu um dos incidentes mais
encantadores de todo seu ministério. Provavelmente se acomodara numa aldeia para descansar, quando uma nova
idéia ocorreu às mães do povoado. Trouxeram-lhe criancinhas de todos os tamanhos, inclusive aquelas que precisavam
ser levadas nos braços, com o pedido único que ele as tocasse, isto é, que em bênção lhes impusesse as mãos. Não há
qualquer indicação duma idéia supersticiosa ligada à ação. Todas as crianças, provavelmente, vendo a mansidão e
gentileza do Salvador, amavam ao Salvador e que pelas crianças também os corações das mães foram alcançados. No
instante, porém, veio interferência dum lado inesperado: Os discípulos repreenderam severamente aqueles que traziam
as crianças. Pensavam, talvez, que as crianças não eram dignas para que se incomodasse com elas, e que o Senhor
precisava de alguns momentos de descanso e que não devia ser molestado. Logo, porém, que Jesus soube desta
preocupação pessoal dos discípulos, reagiu com muito desagrado, ou seja, estava visivelmente magoado, e lhes disse:
Permiti que as crianças venham a mim; não as impeçais. Ele fala como sob o impacto de extremo vexame. E ele dá a
razão para a sua ordem tão dura: O reino pertence a gente como estes; é de tais como estes que é constituído o reino

pastorjarbas@gmail.com
15

de Deus – de crianças e de pessoas que têm em Jesus o Salvador uma fé sincera e como é próprio a crianças. É uma
declaração vigorosa sobre a habilidade das crianças de agarrar e conhecer as verdades essenciais que pertencem à
sua salvação de maneira muito melhor e certa, do que geralmente acontece com os adultos. Ele também declara esta
verdade de lado diferente, confirmando sua declaração com um juramento solene. Caso alguém não aceita o reino de
Deus, o Salvador Jesus e a fé nele que o Espírito Santo opera no coração, assim como uma criancinha, este não entrará
no reino. E o Senhor, para reforçar ainda mais suas palavras, não hesita em levar pequeninos em seus braços e ao colo,
e em abençoá-las com a imposição das mãos. “Ninguém nos tirará estes versículos, nem terá razões válidas para os
contradizer. Pois aqui diz que Cristo o quer sem qualquer proibição, que lhe levem as crianças, sim, ele ordena que lhas
tragam, e ele as abençoa e lhes dá o reino dos céus. Marquemo-lo bem.”). Aqui também vale a pena registrar o que um
comentarista reformado escreve: “Mesmo sendo criancinhas, foram capazes de receber as bênçãos de Cristo. Se Cristo
as abraçou, por que sua igreja não as abraçaria? Por que não dedicá-las a Deus pelo batismo? – seja ele realizado por
meio de aspergir, lavar ou imergir; pois não precisamos disputar sobre o modo. Sobre isto cada um esteja convicto em
sua mente. Confesso que me parece grosseiramente gentio e bárbaro, ver pais que confessam crer no Cristo que ama
as crianças, e entre os que não são impedidos pelo seu credo a usar o batismo infantil, privando suas crianças duma
ordenança pela qual nenhuma alma pode provar que não sejam beneficiadas e, por meio duma intolerância
irresponsável, retém delas o privilégio, até mesmo, duma nominal dedicação a Deus. E estas pessoas, ainda assim,
estão prontas a fugir em busca dum ministro que batize sua criança, quando acham que ela esteja à morte”).

6. Sistematização do conteúdo

6.1. Mc 10.2-12 — Adultério é sempre adultério.


6.1.1. Aspectos de Lei
a) Os descrentes (fariseus) querendo derrubar Jesus (v. 2).
b) O desamor que entra nos casamentos (v. 2).
b) Repúdio pela pessoa que se deveria viver até à morte (v. 4).
e) A dureza do coração (v. 5).
f) O não “deixar” de fato Pai e Mãe (v. 7) – intromissões desnecessárias dos de fora, mesmo pais.
g) O mundo quer separar as pessoas (v. 8).

6.1.2. Aspectos de Evangelho


a) Jesus não se nega a nos orientar (v. 1).
b) Deus critou tudo perfeito, também o casamento (v. 6).
c) A união marido e mulher tira da solidão (v. 7).
d) Os dois não são duas metates. São “uma” só pessoa. Indivisível (v. 8).
e) Deus protege o casamento (v. 8).
f) Quem manda o cônjuge embora e busca outro comete adultério (v. 11-12).

6.1. Mc 10.13-16 — As crianças e o Reino de Deus


6.2.1. Aspectos de Lei
a) Os discípulos afastaram as pessoas de Jesus (v 12).
b) Muitos que se dizem do Senhor, na verdade vão querer nos afastar (v. 12).
b) Muitos ensinam que a fé não é para as crianças (v. 12)
e) Não confiar como criança (vv. 14-15).

6.2.2. Aspectos de Evangelho


a) Jesus repreende àqueles que querem nos afastar dele (v. 13).
b) Jesus nos recebe (v. 13,16).
c) Jesus recebe também as crianças (v. 13, 16).
d) Jesus nos torna parte do Reino de Deus (v. 14)

6.3. Objetivo 1 – Mc 9.2-12


pastorjarbas@gmail.com
16

Cognitivo: Que meus ouvintes reconheçam como é o casamento que Deus instituiu.
Afetivo: Que meus ouvintes confiem no Senhor para seus problemas no casamento.
Psicomotor: Que meus ouvintes busquem a ajuda do Senhor para evitar o divórcio e ter um casamento feliz.

6.4. Objetivo 2 – Mc 9.13-16


Cognitivo: Que meus ouvintes saibam que, como Criança, é preciso confiar em Deus.
Afetivo: Que meus ouvintes confiem como crianças.
Psicomotor: Que meus ouvintes recebam a todas as pessoas (também as crianças) que buscam o Senhor.

7.1. Analogia da Escritura


v. 1 exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a
v. 2 expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com
ARA Mt 4.23 Percorria Jesus toda a Galiléia, ARA Mc 8.15 Preveniu-os Jesus, dizendo: Vede, a repudiada comete adultério.
ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho guardai-vos do fermento dos fariseus e do fermento ARA Mt 19.3 Vieram a ele alguns fariseus e o

do reino e curando toda sorte de doenças e de Herodes. experimentavam, perguntando: É lícito ao marido
enfermidades entre o povo. ARA Mt 9.34 Mas os fariseus murmuravam: Pelo repudiar a sua mulher por qualquer motivo?
ARA Mt 26.55 Naquele momento, disse Jesus às maioral dos demônios é que expele os demônios. ARA 1Co 7.10-11 Ora, aos casados, ordeno, não eu,

multidões: Saístes com espadas e porretes para ARA Mt 15.12 Então, aproximando-se dele os mas o Senhor, que a mulher não se separe do
prender-me, como a um salteador? Todos os dias, discípulos, disseram: Sabes que os fariseus, marido 11 (se, porém, ela vier a separar-se, que não
no templo, eu me assentava convosco ensinando, e ouvindo a tua palavra, se escandalizaram? se case ou que se reconcilie com seu marido); e
não me prendestes. ARA Mt 23.13 Ai de vós, escribas e fariseus, que o marido não se aparte de sua mulher.
ARA Mc 1.21 Depois, entraram em Cafarnaum, e, hipócritas, porque fechais o reino dos céus diante
logo no sábado, foi ele ensinar na sinagoga. dos homens; pois vós não entrais, nem deixais ARA Mc 8.11 E, saindo os fariseus, puseram-se a
ARA Mc 2.13 De novo, saiu Jesus para junto do mar, entrar os que estão entrando! discutir com ele; e, tentando-o, pediram-lhe um
e toda a multidão vinha ao seu encontro, e ele os ARA Lc 5.30 Os fariseus e seus escribas sinal do céu.
ensinava. murmuravam contra os discípulos de Jesus, ARA Mt 16.1 Aproximando-se os fariseus e os
ARA Mc 4.2 Assim, lhes ensinava muitas coisas por perguntando: Por que comeis e bebeis com os saduceus, tentando-o, pediram-lhe que lhes
parábolas, no decorrer do seu doutrinamento. publicanos e pecadores? mostrasse um sinal vindo do céu.
ARA Mc 6.2 Chegando o sábado, passou a ensinar ARA Lc 6.7 Os escribas e os fariseus observavam- ARA Mt 22.35 E um deles, intérprete da Lei,

na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se maravilhavam, no, procurando ver se ele faria uma cura no experimentando-o, lhe perguntou:
dizendo: Donde vêm a este estas coisas? Que sábado, a fim de acharem de que o acusar. ARA Jo 8.6 Isto diziam eles tentando-o, para terem

sabedoria é esta que lhe foi dada? E como se ARA Lc 7.30 mas os fariseus e os intérpretes da Lei de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se,
fazem tais maravilhas por suas mãos? rejeitaram, quanto a si mesmos, o desígnio de escrevia na terra com o dedo.
ARA Mc 6.6 Admirou-se da incredulidade deles. Deus, não tendo sido batizados por ele. ARA 1Co 10.9 Não ponhamos o Senhor à prova,

Contudo, percorria as aldeias circunvizinhas, a ARA Lc 11.39 O Senhor, porém, lhe disse: Vós, como alguns deles já fizeram e pereceram pelas
ensinar. fariseus, limpais o exterior do copo e do prato; mas mordeduras das serpentes.
ARA Mc 6.34 Ao desembarcar, viu Jesus uma grande o vosso interior está cheio de rapina e
multidão e compadeceu-se deles, porque eram perversidade. v. 3
como ovelhas que não têm pastor. E passou a ARA Lc 11.53-54 Saindo Jesus dali, passaram os ARA Is 8.20 À lei e ao testemunho! Se eles não
ensinar-lhes muitas coisas. escribas e fariseus a argüi-lo com veemência, falarem desta maneira, jamais verão a alva.
ARA Mc 12.35 Jesus, ensinando no templo, procurando confundi-lo a respeito de muitos ARA Lc 10.25 E eis que certo homem, intérprete da

perguntou: Como dizem os escribas que o Cristo é assuntos, 54 com o intuito de tirar das suas próprias Lei, se levantou com o intuito de pôr Jesus à prova
filho de Davi? palavras motivos para o acusar. e disse-lhe: Mestre, que farei para herdar a vida
ARA Mc 14.49 Todos os dias eu estava convosco no ARA Lc 16.14 Os fariseus, que eram avarentos, eterna?
templo, ensinando, e não me prendestes; contudo, ouviam tudo isto e o ridiculizavam. ARA Jo 5.39 Examinais as Escrituras, porque julgais

é para que se cumpram as Escrituras. ARA Jo 7.32 Os fariseus, ouvindo a multidão ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que
murmurar estas coisas a respeito dele, juntamente testificam de mim.
ARA Mt 19.1 E aconteceu que, concluindo Jesus com os principais sacerdotes enviaram guardas ARA Gl 4.21 Dizei-me vós, os que quereis estar sob a

estas palavras, deixou a Galiléia e foi para o para o prenderem. lei: acaso, não ouvis a lei?
território da Judéia, além do Jordão. ARA Jo 7.48 Porventura, creu nele alguém dentre as

autoridades ou algum dos fariseus? v. 4


ARA Jo 10.40 Novamente, se retirou para além do ARA Jo 11.47 Então, os principais sacerdotes e os ARA Dt 24.1-4 Se um homem tomar uma mulher e se
Jordão, para o lugar onde João batizava no fariseus convocaram o Sinédrio; e disseram: Que casar com ela, e se ela não for agradável aos seus
princípio; e ali permaneceu. estamos fazendo, uma vez que este homem opera olhos, por ter ele achado coisa indecente nela, e se
ARA Jo 11.7 Depois, disse aos seus discípulos: muitos sinais? ele lhe lavrar um termo de divórcio, e lho der na
Vamos outra vez para a Judéia. ARA Jo 11.57 Ora, os principais sacerdotes e os mão, e a despedir de casa; 2 e se ela, saindo da sua
fariseus tinham dado ordem para, se alguém casa, for e se casar com outro homem; 3 e se este a
ARA Ec 12.9 O Pregador, além de sábio, ainda soubesse onde ele estava, denunciá-lo, a fim de o aborrecer, e lhe lavrar termo de divórcio, e lho der
ensinou ao povo o conhecimento; e, atentando e prenderem. na mão, e a despedir da sua casa ou se este último
esquadrinhando, compôs muitos provérbios. homem, que a tomou para si por mulher, vier a
ARA Jr 32.33 Viraram-me as costas e não o rosto; ARA Ml 2.16 Porque o SENHOR, Deus de Israel, diz morrer, 4 então, seu primeiro marido, que a
ainda que eu, começando de madrugada, os que odeia o repúdio e também aquele que cobre de despediu, não poderá tornar a desposá-la para que
ensinava, eles não deram ouvidos, para receberem violência as suas vestes, diz o SENHOR dos seja sua mulher, depois que foi contaminada, pois é
a advertência. Exércitos; portanto, cuidai de vós mesmos e não abominação perante o SENHOR; assim, não farás
ARA Jo 18.20 Declarou-lhe Jesus: Eu tenho falado sejais infiéis. pecar a terra que o SENHOR, teu Deus, te dá por
francamente ao mundo; ensinei continuamente ARA Mt 5.31-32 Também foi dito: Aquele que herança.
tanto nas sinagogas como no templo, onde todos repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. 32 Eu, ARA Is 50.1 Assim diz o SENHOR: Onde está a carta

os judeus se reúnem, e nada disse em oculto. porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, de divórcio de vossa mãe, pela qual eu a repudiei?

pastorjarbas@gmail.com
17
Ou quem é o meu credor, a quem eu vos tenha animais selváticos; para o homem, todavia, não se ARA Mc 4.10 Quando Jesus ficou só, os que estavam

vendido? Eis que por causa das vossas iniqüidades achava uma auxiliadora que lhe fosse idônea. 21 junto dele com os doze o interrogaram a respeito
é que fostes vendidos, e por causa das vossas Então, o SENHOR Deus fez cair pesado sono das parábolas.
transgressões vossa mãe foi repudiada. sobre o homem, e este adormeceu; tomou uma das ARA Mc 9.28 Quando entrou em casa, os seus
ARA Jr 3.1 Se um homem repudiar sua mulher, e ela suas costelas e fechou o lugar com carne. 22 E a discípulos lhe perguntaram em particular: Por que
o deixar e tomar outro marido, porventura, aquele costela que o SENHOR Deus tomara ao homem, não pudemos nós expulsá-lo?
tornará a ela? Não se poluiria com isso de todo transformou-a numa mulher e lha trouxe. 23 E disse ARA Mc 9.33 Tendo eles partido para Cafarnaum,

aquela terra? Ora, tu te prostituíste com muitos o homem: Esta, afinal, é osso dos meus ossos e estando ele em casa, interrogou os discípulos: De
amantes; mas, ainda assim, torna para mim, diz o carne da minha carne; chamar-se-á varoa, que é que discorríeis pelo caminho?
SENHOR. porquanto do varão foi tomada.
ARA Mt 1.19 Mas José, seu esposo, sendo justo e ARA Gn 5.2 homem e mulher os criou, e os v. 11
não a querendo infamar, resolveu deixá-la abençoou, e lhes chamou pelo nome de Adão, no ARA Mt 5.31-32 Também foi dito: Aquele que
secretamente. dia em que foram criados. repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. 32 Eu,
ARA Mt 5.31-32 Também foi dito: Aquele que ARA Ml 2.14-16 E perguntais: Por quê? Porque o porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher,
repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. 32 Eu, SENHOR foi testemunha da aliança entre ti e a exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a
porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, mulher da tua mocidade, com a qual tu foste expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com
exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da a repudiada comete adultério.
expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com tua aliança. 15 Não fez o SENHOR um, mesmo que ARA Mt 19.9 Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua

a repudiada comete adultério. havendo nele um pouco de espírito? E por que mulher, não sendo por causa de relações sexuais
ARA Mt 19.7 Replicaram-lhe: Por que mandou, então, somente um? Ele buscava a descendência que ilícitas, e casar com outra comete adultério e o que
Moisés dar carta de divórcio e repudiar? prometera. Portanto, cuidai de vós mesmos, e casar com a repudiada comete adultério.
ninguém seja infiel para com a mulher da sua ARA Lc 16.18 Quem repudiar sua mulher e casar

v. 5 mocidade. 16 Porque o SENHOR, Deus de Israel, com outra comete adultério; e aquele que casa com
ARA Dt 9.6 Sabe, pois, que não é por causa da tua diz que odeia o repúdio e também aquele que cobre a mulher repudiada pelo marido também comete
justiça que o SENHOR, teu Deus, te dá esta boa de violência as suas vestes, diz o SENHOR dos adultério.
terra para possuí-la, pois tu és povo de dura cerviz. Exércitos; portanto, cuidai de vós mesmos e não ARA Rm 7.3 De sorte que será considerada adúltera
ARA Dt 31.27 Porque conheço a tua rebeldia e a tua sejais infiéis. se, vivendo ainda o marido, unir-se com outro
dura cerviz. Pois, se, vivendo eu, ainda hoje, homem; porém, se morrer o marido, estará livre da
convosco, sois rebeldes contra o SENHOR, quanto v. 7 lei e não será adúltera se contrair novas núpcias.
mais depois da minha morte? ARA Gn 2.24 Por isso, deixa o homem pai e mãe e ARA 1Co 7.4 A mulher não tem poder sobre o seu
ARA Ne 9.16-17 Porém eles, nossos pais, se se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só próprio corpo, e sim o marido; e também,
houveram soberbamente, e endureceram a sua carne. semelhantemente, o marido não tem poder sobre o
cerviz, e não deram ouvidos aos teus ARA Mt 19.5-6 e que disse: Por esta causa deixará o seu próprio corpo, e sim a mulher.
mandamentos. 17 Recusaram ouvir-te e não se homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, ARA 1Co 7.10-11 Ora, aos casados, ordeno, não eu,

lembraram das tuas maravilhas, que lhes fizeste; tornando-se os dois uma só carne? 6 De modo que mas o Senhor, que a mulher não se separe do
endureceram a sua cerviz e na sua rebelião já não são mais dois, porém uma só carne. marido 11 (se, porém, ela vier a separar-se, que não
levantaram um chefe, com o propósito de voltarem Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o se case ou que se reconcilie com seu marido); e
para a sua servidão no Egito. Porém tu, ó Deus homem. que o marido não se aparte de sua mulher.
perdoador, clemente e misericordioso, tardio em ARA Ef 5.31 Eis por que deixará o homem a seu pai ARA Hb 13.4 Digno de honra entre todos seja o

irar-te e grande em bondade, tu não os e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque
desamparaste, os dois uma só carne. Deus julgará os impuros e adúlteros.
ARA Ne 9.26 Ainda assim foram desobedientes e se

revoltaram contra ti; viraram as costas à tua lei e v. 8 v. 12


mataram os teus profetas, que protestavam contra ARA Gn 2.24 Por isso, deixa o homem pai e mãe e ARA 1Co 7.11 (se, porém, ela vier a separar-se, que
eles, para os fazerem voltar a ti; e cometeram se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só não se case ou que se reconcilie com seu marido);
grandes blasfêmias. carne. e que o marido não se aparte de sua mulher.
ARA Mt 19.8 Respondeu-lhes Jesus: Por causa da ARA 1Co 6.16 Ou não sabeis que o homem que se ARA 1Co 7.13 e a mulher que tem marido incrédulo,

dureza do vosso coração é que Moisés vos permitiu une à prostituta forma um só corpo com ela? e este consente em viver com ela, não deixe o
repudiar vossa mulher; entretanto, não foi assim Porque, como se diz, serão os dois uma só carne. marido.
desde o princípio. ARA Ef 5.28 Assim também os maridos devem amar
ARA At 7.51 Homens de dura cerviz e incircuncisos a sua mulher como ao próprio corpo. Quem ama a v. 13
de coração e de ouvidos, vós sempre resistis ao esposa a si mesmo se ama. ARA Mt 19.13-15 Trouxeram-lhe, então, algumas
Espírito Santo; assim como fizeram vossos pais, crianças, para que lhes impusesse as mãos e
também vós o fazeis. v. 9 orasse; mas os discípulos os repreendiam. 14 Jesus,
ARA Hb 3.7-9 Assim, pois, como diz o Espírito Santo: RA Rm 7.1-3 Porventura, ignorais, irmãos (pois falo porém, disse: Deixai os pequeninos, não os
Hoje, se ouvirdes a sua voz, 8 não endureçais o aos que conhecem a lei), que a lei tem domínio embaraceis de vir a mim, porque dos tais é o reino
vosso coração como foi na provocação, no dia da sobre o homem toda a sua vida? 2 Ora, a mulher dos céus. 15 E, tendo-lhes imposto as mãos, retirou-
tentação no deserto, 9 onde os vossos pais me casada está ligada pela lei ao marido, enquanto ele se dali.
tentaram, pondo-me à prova, e viram as minhas vive; mas, se o mesmo morrer, desobrigada ficará ARA Lc 18.15-16 Traziam-lhe também as crianças,

obras por quarenta anos. da lei conjugal. 3 De sorte que será considerada para que as tocasse; e os discípulos, vendo, os
adúltera se, vivendo ainda o marido, unir-se com repreendiam. 16 Jesus, porém, chamando-as para
v. 6 outro homem; porém, se morrer o marido, estará junto de si, ordenou: Deixai vir a mim os
ARA Gn 1.1 No princípio, criou Deus os céus e a livre da lei e não será adúltera se contrair novas pequeninos e não os embaraceis, porque dos tais é
terra. núpcias. o reino de Deus.
ARA 2Pe 3.4 e dizendo: Onde está a promessa da ARA 1Cr 7.10-13 O filho de Jediael: Bilã; os filhos de

sua vinda? Porque, desde que os pais dormiram, Bilã: Jeús, Benjamim, Eúde, Quenaana, Zetã, ARA Mc 10.48 E muitos o repreendiam, para que se
todas as coisas permanecem como desde o Társis e Aisaar. 11 Todos estes, filhos de Jediael, calasse; mas ele cada vez gritava mais: Filho de
princípio da criação. foram chefes das suas famílias, homens valentes, Davi, tem misericórdia de mim!
dezessete mil e duzentos, capazes de sair à guerra. ARA Mc 9.38 Disse-lhe João: Mestre, vimos um
ARA Gn 1.27 Criou Deus, pois, o homem à sua 12 Supim e Hupim eram filhos de Ir; e Husim, filho de homem que, em teu nome, expelia demônios, o
imagem, à imagem de Deus o criou; homem e Aer. 13 Os filhos de Naftali: Jaziel, Guni, Jezer e qual não nos segue; e nós lho proibimos, porque
mulher os criou. Salum, filhos de Bila. não seguia conosco.
ARA Gn 2.20-23 Deu nome o homem a todos os ARA Êx 10.9-11 Respondeu-lhe Moisés: Havemos de

animais domésticos, às aves dos céus e a todos os v. 10 ir com os nossos jovens, e com os nossos velhos, e

pastorjarbas@gmail.com
18
com os filhos, e com as filhas, e com os nossos ARA 1Sm 1.11 E fez um voto, dizendo: SENHOR dos ARA Mt 5.3 Bem-aventurados os humildes de
rebanhos, e com os nossos gados; havemos de ir, Exércitos, se benignamente atentares para a aflição espírito, porque deles é o reino dos céus.
porque temos de celebrar festa ao SENHOR. 10 da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva ARA Mt 18.4 Portanto, aquele que se humilhar como

Replicou-lhes Faraó: Seja o SENHOR convosco, te não esqueceres, e lhe deres um filho varão, ao esta criança, esse é o maior no reino dos céus.
caso eu vos deixe ir e as crianças. Vede, pois SENHOR o darei por todos os dias da sua vida, e ARA Mt 18.10 Vede, não desprezeis a qualquer

tendes conosco más intenções. 11 Não há de ser sobre a sua cabeça não passará navalha. destes pequeninos; porque eu vos afirmo que os
assim; ide somente vós, os homens, e servi ao ARA 1Sm 1.22 Ana, porém, não subiu e disse a seu seus anjos nos céus vêem incessantemente a face
SENHOR; pois isso é o que pedistes. E os marido: Quando for o menino desmamado, levá-lo- de meu Pai celeste.
expulsaram da presença de Faraó. ei para ser apresentado perante o SENHOR e para ARA Mt 19.14 Jesus, porém, disse: Deixai os
ARA Dt 31.12-13 Ajuntai o povo, os homens, as lá ficar para sempre. pequeninos, não os embaraceis de vir a mim,
mulheres, os meninos e o estrangeiro que está ARA 1Sm 1.27-28 Por este menino orava eu; e o porque dos tais é o reino dos céus.
dentro da vossa cidade, para que ouçam, e SENHOR me concedeu a petição que eu lhe fizera. ARA 1Co 14.20 Irmãos, não sejais meninos no juízo;

aprendam, e temam o SENHOR, vosso Deus, e 28 Pelo que também o trago como devolvido ao na malícia, sim, sede crianças; quanto ao juízo,
cuidem de cumprir todas as palavras desta lei; 13 SENHOR, por todos os dias que viver; pois do sede homens amadurecidos.
para que seus filhos que não a souberem ouçam e SENHOR o pedi. E eles adoraram ali o SENHOR. ARA 1Pe 2.2 desejai ardentemente, como crianças

aprendam a temer o SENHOR, vosso Deus, todos ARA Sl 78.4 não o encobriremos a seus filhos; recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para
os dias que viverdes sobre a terra à qual ides, contaremos à vindoura geração os louvores do que, por ele, vos seja dado crescimento para
passando o Jordão, para a possuir. SENHOR, e o seu poder, e as maravilhas que fez. salvação,
ARA Jl 2.16 Congregai o povo, santificai a ARA Sl 115.14-15 O SENHOR vos aumente bênçãos ARA Ap 14.5 e não se achou mentira na sua boca;

congregação, ajuntai os anciãos, reuni os filhinhos mais e mais, sobre vós e sobre vossos filhos. 15 não têm mácula.
e os que mamam; saia o noivo da sua recâmara, e Sede benditos do SENHOR, que fez os céus e a
a noiva, do seu aposento. terra. v. 15
ARA Is 65.23 Não trabalharão debalde, nem terão ARA Mt 18.3 E disse: Em verdade vos digo que, se
v. 14 filhos para a calamidade, porque são a posteridade não vos converterdes e não vos tornardes como
ARA Mc 3.5 Olhando-os ao redor, indignado e bendita do SENHOR, e os seus filhos estarão com crianças, de modo algum entrareis no reino dos
condoído com a dureza do seu coração, disse ao eles. céus.
homem: Estende a mão. Estendeu-a, e a mão lhe ARA Jr 32.39-40 Dar-lhes-ei um só coração e um só ARA Mt 19.14 Jesus, porém, disse: Deixai os

foi restaurada. caminho, para que me temam todos os dias, para pequeninos, não os embaraceis de vir a mim,
ARA Mc 8.33 Jesus, porém, voltou-se e, fitando os seu bem e bem de seus filhos. 40 Farei com eles porque dos tais é o reino dos céus.
seus discípulos, repreendeu a Pedro e disse: aliança eterna, segundo a qual não deixarei de lhes ARA Lc 18.17 Em verdade vos digo: Quem não

Arreda, Satanás! Porque não cogitas das coisas de fazer o bem; e porei o meu temor no seu coração, receber o reino de Deus como uma criança de
Deus, e sim das dos homens. para que nunca se apartem de mim. maneira alguma entrará nele.
ARA Lc 9.54-56 Vendo isto, os discípulos Tiago e ARA Lc 18.15-16 Traziam-lhe também as crianças, ARA Jo 3.3-6 A isto, respondeu Jesus: Em verdade,

João perguntaram: Senhor, queres que mandemos para que as tocasse; e os discípulos, vendo, os em verdade te digo que, se alguém não nascer de
descer fogo do céu para os consumir? 55 Jesus, repreendiam. 16 Jesus, porém, chamando-as para novo, não pode ver o reino de Deus. 4 Perguntou-
porém, voltando-se os repreendeu e disse: Vós não junto de si, ordenou: Deixai vir a mim os lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer,
sabeis de que espírito sois. 56 Pois o Filho do pequeninos e não os embaraceis, porque dos tais é sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre
Homem não veio para destruir as almas dos o reino de Deus. materno e nascer segunda vez? 5 Respondeu
homens, mas para salvá-las. E seguiram para outra ARA At 2.39 Pois para vós outros é a promessa, para Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não
aldeia. vossos filhos e para todos os que ainda estão nascer da água e do Espírito não pode entrar no
ARA Ef 4.26 Irai-vos e não pequeis; não se ponha o longe, isto é, para quantos o Senhor, nosso Deus, reino de Deus. 6 O que é nascido da carne é carne;
sol sobre a vossa ira, chamar. e o que é nascido do Espírito é espírito.
ARA At 3.25 Vós sois os filhos dos profetas e da ARA 1Co 14.20 Irmãos, não sejais meninos no juízo;
ARA Gn 17.7 Estabelecerei a minha aliança entre aliança que Deus estabeleceu com vossos pais, na malícia, sim, sede crianças; quanto ao juízo,
mim e ti e a tua descendência no decurso das suas dizendo a Abraão: Na tua descendência, serão sede homens amadurecidos.
gerações, aliança perpétua, para ser o teu Deus e abençoadas todas as nações da terra. ARA 1Pe 2.2 desejai ardentemente, como crianças

da tua descendência. ARA Rm 11.16 E, se forem santas as primícias da recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para
ARA Gn 17.10-14 Esta é a minha aliança, que massa, igualmente o será a sua totalidade; se for que, por ele, vos seja dado crescimento para
guardareis entre mim e vós e a tua descendência: santa a raiz, também os ramos o serão. salvação,
todo macho entre vós será circuncidado. 11 ARA Rm 11.28 Quanto ao evangelho, são eles

Circuncidareis a carne do vosso prepúcio; será isso inimigos por vossa causa; quanto, porém, à eleição, v. 16
por sinal de aliança entre mim e vós. 12 O que tem amados por causa dos patriarcas; ARA Gn 48.14-16 Mas Israel estendeu a mão direita
oito dias será circuncidado entre vós, todo macho ARA 1Co 7.14 Porque o marido incrédulo é e a pôs sobre a cabeça de Efraim, que era o mais
nas vossas gerações, tanto o escravo nascido em santificado no convívio da esposa, e a esposa novo, e a sua esquerda sobre a cabeça de
casa como o comprado a qualquer estrangeiro, que incrédula é santificada no convívio do marido Manassés, cruzando assim as mãos, não obstante
não for da tua estirpe. 13 Com efeito, será crente. Doutra sorte, os vossos filhos seriam ser Manassés o primogênito. 15 E abençoou a José,
circuncidado o nascido em tua casa e o comprado impuros; porém, agora, são santos. dizendo: O Deus em cuja presença andaram meus
por teu dinheiro; a minha aliança estará na vossa ARA 2Tm 1.5 pela recordação que guardo de tua fé pais Abraão e Isaque, o Deus que me sustentou
carne e será aliança perpétua. 14 O incircunciso, que sem fingimento, a mesma que, primeiramente, durante a minha vida até este dia, 16 o Anjo que me
não for circuncidado na carne do prepúcio, essa habitou em tua avó Lóide e em tua mãe Eunice, e tem livrado de todo mal, abençoe estes rapazes;
vida será eliminada do seu povo; quebrou a minha estou certo de que também, em ti. seja neles chamado o meu nome e o nome de
aliança. ARA 2Tm 3.15 e que, desde a infância, sabes as meus pais Abraão e Isaque; e cresçam em multidão
ARA Nm 14.31 Mas os vossos filhos, de que dizeis: sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a no meio da terra.
Por presa serão, farei entrar nela; e eles salvação pela fé em Cristo Jesus. ARA Dt 28.3 Bendito serás tu na cidade e bendito

conhecerão a terra que vós desprezastes. serás no campo.


ARA Dt 4.37 Porquanto amou teus pais, e escolheu a ARA Sl 131.1-2 Cântico de romagem. De Davi ARA Is 40.11 Como pastor, apascentará o seu

sua descendência depois deles, e te tirou do Egito, SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem rebanho; entre os seus braços recolherá os
ele mesmo presente e com a sua grande força, altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes cordeirinhos e os levará no seio; as que
ARA Dt 29.11-12 os vossos meninos, as vossas coisas, nem de coisas maravilhosas demais para amamentam ele guiará mansamente.
mulheres e o estrangeiro que está no meio do mim. 2 Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha ARA Mc 9.36 Trazendo uma criança, colocou-a no

vosso arraial, desde o vosso rachador de lenha até alma; como a criança desmamada se aquieta nos meio deles e, tomando-a nos braços, disse-lhes:
ao vosso tirador de água, 12 para que entres na braços de sua mãe, como essa criança é a minha ARA Lc 2.28-34 Simeão o tomou nos braços e louvou

aliança do SENHOR, teu Deus, e no juramento que, alma para comigo. a Deus, dizendo: 29 Agora, Senhor, podes despedir
hoje, o SENHOR, teu Deus, faz contigo; em paz o teu servo, segundo a tua palavra; 30

pastorjarbas@gmail.com
19
porque os meus olhos já viram a tua salvação, 31 a ARA Lc 24.50-51 Então, os levou para Betânia e, João, tu me amas? Ele lhe respondeu: Sim,
qual preparaste diante de todos os povos: 32 luz erguendo as mãos, os abençoou. 51 Aconteceu que, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus:
para revelação aos gentios, e para glória do teu enquanto os abençoava, ia-se retirando deles, Pastoreia as minhas ovelhas. 17 Pela terceira vez
povo de Israel. 33 E estavam o pai e a mãe do sendo elevado para o céu. Jesus lhe perguntou: Simão, filho de João, tu me
menino admirados do que dele se dizia. 34 Simeão ARA Jo 21.15-17 Depois de terem comido, perguntou amas? Pedro entristeceu-se por ele lhe ter dito,
os abençoou e disse a Maria, mãe do menino: Eis Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de João, amas- pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe:
que este menino está destinado tanto para ruína me mais do que estes outros? Ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu
como para levantamento de muitos em Israel e para Senhor, tu sabes que te amo. Ele lhe disse: te amo. Jesus lhe disse: Apascenta as minhas
ser alvo de contradição Apascenta os meus cordeiros. 16 Tornou a ovelhas.
perguntar-lhe pela segunda vez: Simão, filho de

pastorjarbas@gmail.com
20

8.1. Esboço – Mc 10.2-12


Versículo Base:
9Portanto, que ninguém separe o que Deus uniu

Tema: Deus une um casal


e somos acompanhados pelo cônjuge.
e somos acompanhados por Deus.

1. J
1.1. ...e
1.1.1. “18J
1.2. ...p
1.2.1. “P
2. J
2.1. ...e
2.1.1. “M
2.2. o
2.3. o
2.3.1. Ilustração: A
2.4. M
2.4.1. “21—F
2.5. A
2.5.1. “S
2.5.2. “m

8.2. Esboço – Mc 10.13-16


Versículo Base:
14Deixem que as crianças venham a mim e não proíbam que elas façam isso, pois o Reino de Deus é das pessoas que são
como estas crianças.

Tema: O Pai nos recebe


e como a crianças nos protege
e como a crianças nos faz crescer na fé

1. J
1.1. ...e
1.1.1. “18J
1.2. ...p
1.2.1. “P
2. J
2.1. ...e
2.1.1. “M
2.2. o
2.3. o
2.3.1. Ilustração: A
2.4. M
2.4.1. “21—F
2.5. A
2.5.1. “S
2.5.2. “m

pastorjarbas@gmail.com
21

Anexo 1 – Estudo Bíblico

Matrimônio, crises, divórcio e novo casamento


Horst Reinhold Kuchenbecker

Introdução. O matrimônio e a família são preciosas instituições divinas, uma herança dos céus. Mesmo
crescendo os problemas nessa área, não podemos agradecer o bastante a Deus, por preservar o matrimônio e a família.
Ao mesmo tempo é preciso dizer que a vida matrimonial e familiar é o lugar no qual se desenrola a grande tensão e luta
da fé cristã. Pois ali há uma comunhão não de dois santos, mas de dois pecadores que, pela fé em Cristo, lutam contra
sua natureza carnal e se ajudam mutuamente repreendendo, consolando, amparando como o recomenda o apóstolo
Paulo: Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de
humildade, de mansidão, de longanimidade. Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha
motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós; acima de tudo isto,
porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição. Seja a paz de Cristo o árbitro em vossos corações, à qual, também,
fostes chamados em um só corpo: e sede agradecidos. E de onde nos virá a força para tanto? O apóstolo mostra a
fonte: Habite ricamente em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhei-vos mutuamente em toda a sabedoria,
louvando a Deus, com salmos e hinos e cânticos espirituais, com gratidão, em vossos corações. E tudo o que fizerdes,
seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. (Cl 3.12-17)
Sustentar o amor na vida matrimonial e manter bom relacionamento na família, especialmente em nossos dias
com tantas tentações e o desmoronamento de todos os bons costumes, sendo o lar invadido pelos meios de
comunicação: jornais, revistas, televisão, internet, não é algo fácil. Mas ali onde a família se firma na Palavra de Deus,
educando se mutuamente mediante boa disciplina externa, vencerão pela graça de Deus. Por isso o apóstolo admoesta:
“Andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne.” (Gl 5.16) “Portanto, tomai toda a armadura de Deus,
para que possais resistir no dia mau.” (Ef 6.13)
Nos últimos tempos, no entanto, os problemas nessa área estão se multiplicando. O número de divórcio nas
famílias cristãs é maior do que entre os povos gentílicos. E o que é mais triste, cresce o número de divórcios nas
famílias pastorais. A luta é grande. É preciso que nos apoiemos uns aos outros nesta luta. E a Igreja precisa dispor de
estudos com exposição clara dos textos bíblicos sobre o assunto e as afirmações de suas confissões.
Pois entre todas as agremiações que lutam pela família, a Igreja Cristã deve ser, sem dúvida, a que mais se
empenha pela preservação do matrimônio e da família. E isto não só por seus ensinos, mas também pelo exemplo. E os
pastores devem ser exemplo número um, modelos irrepreensíveis.

1. O matrimônio é uma união vitalícia. O matrimônio, instituído por Deus, é uma união vitalícia. Esta união é
firmada pelo consentimento dos pais e por parte dos noivos com juramento mútuo de fidelidade em dias bons e maus.
Jesus sublinha: “O que Deus ajuntou não o separe o homem.” (Mt 19.6) O escritor da carta aos Hebreus afirma: “Digno
de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros.” (Hb
13.4) O profeta Malquias, após uma severa advertência contra a infidelidade conjugal, termina dizendo: Porque o Senhor
Deus de Israel diz que odeia o repúdio (divórcio). (Ml 2.10-16) A instituição do matrimônio não prevê a separação de
cônjuges. O matrimônio só pode ser dissolvido pela morte de um dos cônjuges. A exceção mencionada por Jesus em
Mateus (5.32; 19.9) é um problema a parte. Neste caso um dos dois quebrou a união, pois ao cometer adultério, uniu-se
a um outro corpo (1 Co 6.16) O abandono malicioso, o não cumprimento dos deveres matrimoniais de cama e mesa, é,
na verdade, somente o outro lado da moeda do adultério. Hoje, no entanto quer-se usar este argumento como um
segundo motivo, enquadrando nele a chamada “incompatibilidade de gênios”. Sob este pretexto, então, qualquer
desentendimento serve de motivo para a separação. Afirma-se: é melhor separar numa boa do que viver brigando.
Quando os fariseus perguntaram a Jesus: Por que mandou então Moisés dar carta de divórcio e repudiar? Jesus
respondeu: Por causa da dureza do vosso coração. (Mt 19.7,8) Que dureza é essa e contra quem? Dureza contra Deus
e sua Palavra. A pessoa deixa de dar ouvidos a Deus e endurece seu coração contra a palavra de Deus, que orienta a
vida matrimonial. Ora, endurecer o coração contra Deus é cair da fé. Assim fica claro que para dois cristãos não existe a
possibilidade do divórcio. Em nome de Deus, o apóstolo Paulo recomenda aos cristãos, e isto vale especialmente
também para o matrimônio: “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de
misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade. Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos
mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também
perdoai vós; acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição.” (Cl 3.12-14) A união matrimonial
pastorjarbas@gmail.com
22

não simplesmente firmada sobre nosso sentimento do amor, pois este oscila e tem altos e baixos, mas sob a ordem e
promessa de Deus. Por isso Deus afirma: O que Deus ajuntou, não o separe o homem.
Vamos, no entanto, examinar as passagens bíblicas mais de parte.

2. Exposição exegética de Mt 19.7,8 e 1Co 7.10-15.


- Mt 19.7,8. Moisés era legislador do povo de Israel. Como nem todos no povo eram tementes a Deus, pois havia
entre eles hipócritas e incrédulos, mesmo sendo as leis rigorosas com punição até por apedrejamento, isto é, pena de
morte a infratores da lei, muitos entre o povo não deram ouvidos à lei de Deus. Afim de por certa ordem, Moisés criou a
carta de divórcio, para impor certa ordem àqueles que não temiam a Deus, não tinham fé. (Dt 24.1-4) O homem, que
despedia sua esposa por qualquer motivo, tinha que dar à esposa repudiada uma carta de divórcio. Esta lei
governamental, em tempos de decadência, foi interpretada de forma bem liberal possível. Um homem tinha o direito de
mandar sua esposa embora por qualquer motivo. Jesus expõe isto a seus ouvintes e diz que não era assim desde o
princípio. Quando Deus instituiu o matrimônio, ele não criou uma opção ou um espaço para o divórcio. Por isso Jesus
sublinha: Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Em outras palavras, não existe razão para que filhos de
Deus, um casal temente a Deus, possa vir a se separar. O divórcio não é o caminho para se resolver problemas
matrimoniais. Se o matrimônio de uma família cristã entrar em crise, o amor e o relacionamento mútuo esfriarem, o
problema está na fé cristã, que está morrendo. Os dois estão deixando de ouvir e falar com Deus. Este casal precisa
voltar a ouvir a Deus e deixar guiar-se por Deus ao arrependimento e à fé, da qual brotará o amor de um para com o
outro, para a restauração e renovação de sua vida matrimonial.
Por isso Jesus afirma: Por causa da dureza do vosso coração é que Moisés vos permitiu repudiar vossas
mulheres. Esta dureza do coração não é outra coisa do que incredulidade. Um dos dois ou os dois caíram da fé.
Portanto, não existe “um divórcio numa boa”. Isto também fica muito claro nas palavras de Jesus no sermão do monte:
Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. Eu, porém, vos digo: Qualquer que repudiar
sua mulher, exceto em caso de adultério, a expõe a tornar-se adultera; e aquele que casar com a repudiada, comete
adultério. (Mt 5.31,32) Jesus não admite o divórcio para filhos de Deus, exceto em caso de sofrerem o divorcio, quando
um dos cônjuges quebra a união pelo adultério. Ora, adultério não é um pecado de fraqueza. É um pecado proposital,
que deveria ser castigado no Antigo Testamento por apedrejamento. (Dt 22.20-26) Não temos, no entanto, nenhum
exemplo de que este lei tenha sido executada. O apóstolo Paulo reflete o mesmo espírito ao escrever: Não sabeis que
os vossos corpos são membros de Cristo? E eu, porventura, tomaria os membros de Cristo e os faria membros de
meretriz? Absolutamente, não. Ou não sabeis que o homem que se une à prostituta, forma um só corpo com ela?
Porque, como se diz: serão os dois uma só carne. Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele. Fugi da
impureza! (1 Co 6.15-18)
Jesus ainda vai mais longe. Ele levanta a pergunta sobre um novo casamento do desquitado (pressuposto que
são dois cristãos que não tem o direito de se separarem) e responde: Não! Pois, quem casar com a repudiada, comete
adultério. Ele passa a viver com alguém, com quem não tem o direito de conviver. A separação temporária visa a
reconciliação.
- 1Co 7.10-15. Para completar o quadro precisamos analisar o que o apóstolo Paulo escreve aos coríntios em 1
Co 7.10-15. Ele tem duas admoestações. Na primeira admoestação (1 Co 7.10,11) ele fala a um casal, no qual marido e
mulher são cristãos; na segunda admoestação (1 Co 7.12-15) ele fala um casal misto, no qual um é cristão o outro não.
Vejamos.
Ora aos casados, ordeno, não eu mas Deus, que a mulher não se separe do marido se porém, ela vier a separar-
se, que não se casa, ou que se reconcilie com seu marido; e que o marido não se aparte de sua mulher.(1 Co 7.10,11)
Temos aqui duas ordens: não se separe, não se aparte. Esta é a vontade e ordem de Deus baseada na instituição do
matrimônio: o que Deus ajuntou não o separe o homem. Uma ordem que vale para todos os tempos. Portanto, para
cristãos, enquanto na fé, não existe a possibilidade do divórcio. Se um deles vier a separar ou apartar-se, por motivos
não justificados, (exceto em caso de adultério), não se case. Este não se case tem um objetivo, dar um tempo para
acalmar os ânimos, para voltarem a pensar corretamente, para que a fé volte a triunfar neles e eles voltem a se
reconciliar. Pois a separação é contrária à vontade de Deus, é a quebra do juramento. Se a mulher que se separou ou o
marido que se apartou casarem cometem adultério, pois eles não têm direito a um novo casamento. E quem casar com
eles também comete adultério, pois está casando com alguém que está comprometido.
Isto dá o que pensar a nós pastores em nossos dias, nos quais somos simplesmente informados: Pastor, mude
meu nome no fichário. Eu me separei e voltei a usar o nome de solteira. Ou quando eles vêm simplesmente com os
papéis do divórcio e pedem a bênção para um novo casamento, sem que houvesse alguma tratativa pastoral com

pastorjarbas@gmail.com
23

respeito ao matrimônio anterior. Dizem simplesmente: Fizemos um divórcio amigável. O fato de membros, que se
debatem com crises matrimoniais, não procurarem a orientação de Deus junto ao seu pastor, já é em si um fato para
repreensão. Muitos alegam: Fomos a um psicólogo cristão e ele nos aconselhou separar. Precisamos acentuar com
muita clareza e força o que Jesus diz: O que Deus ajuntou, não o separe o homem. É preciso deixar isto bem claro ao
casal cristão: Vocês não têm direito à separação, vocês precisam se entender.
1Co 7.12-14. A segunda admoestação do apóstolo se dirige a um casal misto. Aos mais digo eu, não o Senhor:
Se algum irmão tem mulher incrédula, e esta consente em morar com ele, não a abandone; e a mulher que tem marido
incrédulo, e este consente em viver com ele, não deixe o marido. Porque o marido incrédulo é santificado no convício da
esposa e a esposa incrédula é santificada no convívio do marido crente. Doutra sorte os vossos filhos seriam impuros,
porém, agora são santos. (1 Co 7.12-14) O apóstolo fala a respeito de casamentos mistos. Não dos casamentos mistos
de hoje, mas de um casal de gentios, do qual um dos dois se converteu ao cristianismo. E agora? O apóstolo diz: Digo
eu, não o Senhor. É que Jesus não falou diretamente sobre tal situação, por isso o apóstolo não tem nenhuma palavra
expressa de Jesus em que pudesse se basear, mas ele o faz por sua autoridade apostólica. E nesse sentido, ele fala
inspirado por Deus. Pois a pessoa convertida – naquele tempo na maioria era um prosélito, procedente de judeus – e ele
se perguntava: Meu casamento é puro? Deus vai abençoá-lo? Pode haver comunhão entre um cristão e um incrédulo?
Visto que no Antigo Testamento casamentos mistos eram proibidos (Dt 7.3). Além disso, temos exemplos em que
judeus, que haviam casado com mulheres gentias, deveriam mandá-las embora. (Ed 10.2,19) O apóstolo Paulo quer
acalmar consciências perturbadas por tais perguntas e recomenda que, se a parte incrédula, homem ou mulher,
consentir, em permanecerem unidos, que cumpram fielmente seus deveres no matrimônio. Paulo procura remover
qualquer dúvida no cristão sobre a pergunta: Será que Deus vai estar em nosso lar e nos abençoar? O apóstolo afirma:
Sim, Deus vai estar com vocês. Ele escreveu: Porque o marido incrédulo é santificado no convício com a esposa e a
esposa incrédula é santificada no convício do marido incrédulo. Doutra sorte os vossos filhos seriam impuros, porém,
agora, são santos. Vejamos bem o que ele diz: o marido incrédulo é santificado, a esposa incrédula é santificada. Paulo
não está falando da justificação do pecador, no sentido de perdão dos pecados e da paz com Deus; ele está falando de
incrédulos no matrimônio cristão. Ele se refere à santificação do matrimônio. O matrimônio, esta união vitalícia é válida
diante de Deus e Deus dará sua bênção a esta união. E, por amor ao cristão, seus filhos ou suas filhas, nesta união
serão abençoados. Isto significa: o casamento é correto. E por haver ali um cristão, repousa sobre este matrimônio e o
lar a bênção de Deus. Os filhos ali não são bastardos, como que gerados em adultério, mas gerados num matrimônio
legítimo. Evidente que a parte cristã buscará levá-los ao batismo e educá-los de forma cristã. É uma grande bênção para
um incrédulo estar num lar cristão. Mesmo que tal união não seja fácil e requer muita paciência e amor.
(Este consolo é post factum, isto é, quando dois casaram como gentios e então um se converteu ao cristianismo.
Este versículo não endossa, nem justifica que cristãos se lancem levianamente para dentro de casamentos mistos.
Casamentos mistos sempre devem ser desaconselhados. Se um(a) cristão(ã) está namorando alguém não cristão,
então fale com a pessoa e procure primeiro trazê-la à fé, aos cultos, à instrução. Se conseguir trazê-lo, então dê os
outros passos, noivado e casamento. Se não, termine o namoro.)
Pode, no entanto, acontecer também o contrário, que a parte incrédula não queira viver em tal união. Então Paulo
diz: Mas, se o descrente quiser apartar-se, que se aparte; em tais casos não fica sujeito à servidão, nem o irmão, nem a
irmã; Deus vos têm chamado à paz. (v.15) Incrédulo é alguém que não está na fé em Cristo, conseqüentemente não
aceita a palavra de Deus e não se orienta por ela. Ele simplesmente abandona maliciosamente o seu cônjuge (malitiosa
desertio). E agora, o que fará o irmão ou a irmã cristã abandonada? Estará livre? Poderá contrair novo matrimônio? Ou
terá de correr atrás do seu cônjuge e esperar por sua volta? O que significam as palavras: não fica sujeito à servidão...
vos têm chamado à paz? Será que servidão se refere à servidão no matrimônio? Sim. Uma vez que foi abandonado, que
sofreu a separação, ele ou ela não são obrigados, sujeitos ao cônjuge, correr atrás dele, esperar para ver se um dia ele
volte. Não há possibilidade de se aguardar ou procurar uma reconciliação, como no primeiro caso. Deus vos têm
chamado à paz é o contrário da servidão. Isto significa que poderá casar novamente? Na verdade o apóstolo não
levanta aqui esta pergunta diretamente, mas a palavra livre sem dúvida se refere à sujeição matrimonial, da qual ele
agora está livre. Isto possibilita um novo casamento.
Infelizmente este texto foi e ainda está sendo interpretado fora do seu contexto cultural original do tempo do
apóstolo Paulo e é interpretado à luz da cultura ocidental. Fala se assim na incompatibilidade de gênios, abrindo a porta
ao divórcio por qualquer motivo. Por isso há teólogos que afirmam existirem dois motivos para o divórcio: adultério e
incompatibilidade de gênios. Isto na confere com a Bíblia. Conforme a Escritura há um motivo só, a saber: o adultério.
Quando Jesus falou sobre o assunto, ele lidou com a pergunta sobre a razão para o divórcio e respondeu: Não existe
nenhum motivo, exceto em caso de adultério. O apóstolo ao falar sobre o assunto e responde uma outra pergunta: O

pastorjarbas@gmail.com
24

que fazer quando um cristão é abandonado pelo cônjuge incrédulo, isto é, que sofreu o abandono. Isto vale também
com respeito a um falso cristão, um hipócrita que abandona seu cônjuge levianamente por um motivo qualquer.
A Igreja Católica, contra a Bíblia, não admite nenhum motivo para uma separação, por isso não admite o desquite
nem o divórcio1.
Observações. Nossos teólogos levantam aqui, com muita razão, uma série de perguntas: Este abandono se
restringe somente quando praticado por gentios declarados ou também por falsos cristãos e hipócritas? O apartar-se
refere-se somente ao sair de casa ou também a um comportamento devasso em casa, a um abandono dentro do lar
pelo não cumprimento dos deveres matrimoniais de cama e mesa? (1 Co 7.4,5)
Os exegetas são claros, a palavra gentio se refere também a um falso cristão, a um hipócrita, a alguém que se
diz cristão, mas seu comportamento mostra que não o é.
Quanto ao abandono malicioso, os exegetas mostram que isto não é o caso quando um dos cônjuges, por
obrigações profissionais, precisa ausentar-se por um tempo, que é o caso especialmente de soldados que ficam fora
meses ou até anos, mas mantêm a comunicação e expressam sua saudade, etc. Também não é o caso de pessoas
doentes que ficam meses hospitalizados ou até em casos de demência. Nem é o caso quando num momento de raiva,
um deles explode e sai de casa, mas no outro dia (ou após alguns dias), volta arrependido e suplicar perdão. Nem é o
caso se uma mulher for violentada, estuprada. Nem se o marido foi preso ou é expatriado, especialmente por motivos
políticos. A não ser que, se na prisão ou no exílio, ele enveredar por uma conduta sexualmente devassa.
Mas é o caso quando alguém não cumpre seus deveres matrimoniais de cama e mesa, quer devido a seu
comportamento leviano ou por sua malícia, isto é, desentendimento, repúdio de um ao outro, falta de reconciliação,
mostrando pelas obras da carne sua falta de fé. Lutero escreve: “É um abandono malicioso por ódio à religião,
leviandade, vida desregrada ou outros motivos. Quando um se furta ao outro, não cumprindo seu dever matrimonial,
nem deseja estar com seu cônjuge, isto também é rebentar a união matrimonial. Quando todo o conselho e toda a
admoestação é rejeitada e a pessoa se revela como gentio, não havendo mais esperanças de melhoras”2. Paulo
Gerhard afirma: “Quando obstinação e absoluta falta de boa vontade para a reconciliação tomam conta. Então o casal
precisa ser admoestado por parentes ou pelo pastor para que cumpram seu dever. Mas quando um dos dois revela
obstinação isto também é uma maneira de abandono.” Deyling observa: “Esta negação permanente precisa ser
expressa”3.
Uma outra pergunta que se levanta é: Quanto tempo é necessário para se comprovar que é deserção maliciosa?
A lei civil de cada pais provê respostas para isso. O pastor e conselheiros respeitarão essas leis, mesmo assim não é
uma lei absoluta. Eles julgarão o caso.
3. Disciplina. A parte culpada, que adulterou ou abandonou o cônjuge maliciosamente, que mostra por seu
procedimento que caiu da fé, que divorciou, precisa ser disciplinada pela Comunidade. Caso não se arrepender, deve
ser desligado. Muitas vezes a pessoa sai da Comunidade antes de a disciplina lhe ser aplicada. Mas pode acontecer
também, e isto é o desejado, que a pessoa dê atenção à disciplina – quer seja ao ser disciplinada ou mesmo meses ou
anos depois – se arrepende, volta à fé em Cristo e pede a sua readmissão à Comunidade, qual o procedimento? A
Comunidade sem dúvida se alegrará com sua volta e o receberá com alegria. Poderá ele contrair novo matrimônio? Sim.
Ele deverá manifestar seu arrependimento ao ex-cônjuge e lhe suplicar perdão. Estando o caminho para refazer o
primeiro matrimônio impedido ou porque a primeiro cônjuge não o aceita ou porque já está em vias de ou já concretizou
novo matrimônio, ele poderá contrair novo matrimônio.
4. Pedidos para efetuar cerimônias de casamento. Uma das situações com as quais nós pastores luteranos
nos defrontamos é o pedido de católicos, que solicitam a cerimônia de casamento. Toca o telefone ou após o culto
alguém nos pergunta: “Vocês casam desquitados?” Normalmente são católicos que perguntam, porque a Igreja Católica
não realiza casamento de desquitados ou divorciados. O que fazer? Nossa resposta é: A cerimônia de casamento é um
privilégio só de membros da comunidade. Imediatamente somos perguntados: E o que é preciso fazer para ser membro
da Comunidade? Vir aos cultos e à instrução de adultos. Com o que os interessados, normalmente, concordam logo.
Segue a instrução. Devo dizer que tive bons momentos e diálogos profundos com tais pessoas. Podia-se notar que
tinham pouca noção do que é ser cristão e mostravam verdadeiro interesse nos estudos da Bíblia. Aborda-se então o
casamento e também as razões ou não razões para um divórcio. Na opinião das pessoas na instrução, é evidente, eram
sempre inocentes e a culpa estava do outro lado. Como é um fato consumado e não temos condições de julgar o
assunto, pedia que agora como cristãos, expressassem à outra parte seu pedido de desculpas. Em alguns casos,

1 Compendio Trindentino, sessão 24, cânon 7;


2 Pastoral de Walther, p.246.
3 Pastoral de Walther, p.250.

pastorjarbas@gmail.com
25

quando havia filhos e relativa comunicação com a ex-esposa, isto foi feito. Em outros casos, de separação litigiosa, isto
era impraticável. Confesso, no entanto, que por mais participativa que tenha sido a instrução de adultos com eles,
muitos, infelizmente, se afastaram novamente, logo depois do casamento. Provavelmente por falta de uma vivência e
integração maior com a Comunidade.
Conclusões. Diante do que vimos, precisamos manter os seguintes princípios bíblicos:
a) Cristãos, enquanto na fé em Cristo, não cogitam na possibilidade de divórcio para solucionar seus problemas
matrimoniais. Eles foram unidos por Deus e juraram fidelidade um ao outro.
b) Divórcio de cristãos. Em caso de um casal cristão se divorciar, isto sempre implica no fato de um ou os dois
terem caído da fé, quer seja por causa de adultério ou um apartar-se maliciosamente. Neste caso, a parte inocente
permanece membro da comunidade, a parte culpada (ou os dois) precisa ser disciplinada.
c) Soluções. Quando a união matrimonial foi quebrada por adultério de uma das partes ou por abandono
malicioso, as soluções podem ser: 1) No caso de adultério, a parte culpada cai em si, se arrepende e pede perdão. A
parte inocente pode perdoar e aceitar o cônjuge de volta, o que é recomendado. Isso, no entanto, dependerá da boa
vontade da parte inocente. Ela poderá também perdoar e não aceitar o cônjuge faltoso de volta, isto é, solicitar o
divórcio, conforme a afirmação de Jesus, (Mt 19.9) por ser uma relação mui íntima. 2) Em caso de abandono malicioso,
espera-se por um tempo (talvez um ano, depende das leis do país), a espera de uma possível reconciliação. Não
havendo reconciliação, a parte que repudiou deve ser declarada incrédula, pois endureceu seu coração contra a palavra
de Deus. E o cônjuge que sofreu o abandono, estará livre para um novo casamento.
d) Arrependimento. Quando, após um tempo, a parte culpada, cai em si e reconhece seu erro, se arrepende e
volta à fé em Cisto, o que fazer? Importa que o manifeste à Comunidade e para a pessoa a qual abandonou, pedindo
perdão. Estando o caminho para refazer o matrimônio fechado, isto é, a pessoa não aceita o adúltero de volta, ou
porque a pessoa inocente já está em vias ou contraiu novo casamento, a parte culpada, arrependida, poderá contrair
novo casamento.
Aplicação. O que dizem essas palavras, hoje, a nós pastores? a) Cabe nos instruir bem nossos jovens e nossa
Comunidade sobre esse assunto. Será que eles sabem o que fazer quando um casal enfrenta crises matrimoniais, de
que devem procurar seus pastores e não correr simplesmente a psicólogo? Pois mesmo que estes se chamem de
cristãos, normalmente predominam neles as teorias psicológicas. Precisamos de estudos bíblicos à disposição para que
nossos membros possam, pela leitura, conhecer o que a Bíblia diz sobre o assunto. E mostrar o que Deus uniu não o
separe o homem, pois a união matrimonial é uma união vitalícia. Não é em vão que ao Jesus afirmar isso, até os
discípulos estranharam e disseram: Se essa é a condição do homem relativamente à sua mulher, não convém casar (Mt
19.10). b) Estar atento aos problemas e ter cuidado no trado e no aconselhamento a casais em crise e diante do
divórcio, fazendo tudo para evitá-lo. E dizer à parte que causa o divórcio que realmente caiu da fé, e quem casar com a
repudiada, comete adultério. c) Instruir com mais profundidade pessoas divorciadas que vêm à Comunidade em busca
da cerimônia religiosa.

Afirmações com aplicação prática sobre Divórcio e Novo Casamento


Rev. Jeffrey C. Kinery, Grace Ev. Luth. Church
Brownwood, Texas
Tradução e adaptação: Horst R. Kuchenbecker

Em todos os tempos a Igreja precisou reafirmar sua posição a esse respeito e isto não baseado nas idéias
inconstantes de pessoas, nem conforme os ditames da sociedade e da cultura na qual vivemos, mas unicamente
baseado na imutável e inerrante autoridade da Palavra de Deus:

- O conselho do Senhor dura para sempre, os desígnios do seu coração por todas as gerações. (Salmo 33.11)
- Para sempre, ó Senhor, está firmada a tua palavra no céu. (Salmo 119.89)
- Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa.
- Porventura, tendo ele prometido, não o fará? Ou tendo falado, não o cumprirá?(Números 28.19).
- A Escritura não pode falhar. (João 10.35)

As teses que seguem representam a posição da Escritura Sagrada sobre a questão do divórcio e do novo
casamento.

pastorjarbas@gmail.com
26

1. O matrimônio, como instituído por Deus, é uma união vitalícia, contraída por esponsais legítimos, entre um
homem e uma mulher para uma só carne, até que a morte os separe.
Mateus 19.3-6; Marcos 10.6-9; Romanos 7.1-3; 1 Coríntios 7.5. Cf.: Catecismo. Menor, perg. 56.

2. O divórcio é justificado (endossado, aprovado, sancionado) aos olhos de Deus somente com base na
Escritura. Sob a base da Escritura, no entanto, na maioria dos casos, o divórcio não é ordenado, nem encorajado.
Divórcio sob outra base do que a Escritura, por exemplo, o pronunciamento legal da autoridade civil de que o matrimônio
foi quebrado em base não bíblica, tem sido tolerada por Deus por causa da perversidade e obstinação humana.
Cf.: teses e versículos que seguem.

3. A lei de Moisés no Antigo Testamento que permitia o divórcio por “qualquer motivo” de impureza (incluindo
qualquer impropriedade), foi por causa da “dureza do coração” do povo de Israel. A lei de Moisés também permitia um
novo casamento de ambos os cônjuges envolvidos num divórcio, mas proibia, após o segundo divórcio, retornar ao
primeiro cônjuge.
Deuteronômio 24.1-4; Mateus 5.31; 19.7-8; Marcos 10.2-5.

4. No Novo Testamento, Jesus mostrou que Deus não aprova o divórcio, exceto se alguém o sofre por causa da
infidelidade, fornicação e adultério do seu cônjuge, ou qualquer relacionamento sexual imoral e contrário à lei
matrimonial como por exemplo: homossexualismo, incesto, prostituição, bestialidade, etc. Nestes casos o divórcio pode
ser requerido e um novo casamento é possível.
Mateus 5.32; 19.9.

5. O apóstolo Paulo, por inspiração divina, enfoca uma outra pergunta no assunto divórcio, o abandono
malicioso* por parte de um dos cônjuges.
1 Coríntios 7.12-15
* “Abandono Malicioso” não é, especificamente, uma causa para o divórcio, mas o próprio ato do divorcio – a
dissolução do laço matrimonial. Deserção maliciosa consiste em um dos cônjuges se recusar persistentemente a viver
como homem ou mulher com seu cônjuge. Mas precisamos ter certos cuidados, visto que separação temporária por
causa de doença, prisão, trabalho, guerra, deportação, etc. não é deserção maliciosa. Persistente recusa, no entanto, de
dar o direito conjugal ou não dar a devida benevolência por estúpida resistência não acidental ou por motivos de doença,
representam uma deserção do voto matrimonial. Pois um dos principais propósitos do matrimônio é o intercurso sexual
legítimo, negá-lo persistentemente é deserção maliciosa (1 Co 7.1-5). Persistente crueldade física e violência também
tornam a convivência da coabitação marital impossível e isto constitui deserção maliciosa.

6. Todos os outros argumentos e/ou motivos para o divórcio fora da fornicação e abandono malicioso não são
reconhecidos pela Igreja cristã, tais como: um não suporta mais ao outro, bebedeiras, diferença religiosa (de outra
denominação) vagabundagem, grande negligência, crueldade mental, prisão, insanidade, doença contagiosa ou
repugnante, doença incurável, condenação por crime, perda do amor, desapontamento das aspirações e esperanças
matrimoniais, incompatibilidades. Tais motivos não são reconhecidos pela igreja cristã como válidos ou motivos bíblicos
para o divórcio.

7. No caso de um dos cônjuges ter cometido infidelidade sexual (fornicação) ou abandono malicioso e persistir
nisso sem arrependimento, não buscando perdão nem reconciliação, o cônjuge inocente pode (não que precisa faze-lo)
buscar obter o divórcio legal para atestar que o cônjuge infiel dissolveu a união matrimonial por sua infidelidade.
Mateus 1.19. Cf.: passagens da 6ª tese.

8. Na maioria dos casos pastores cristãos insistem no perdão e na reconciliação se isto for possível. Pois, na
maioria das vezes, ambos as partes têm certa culpa em grau maior ou menor, que levaram uma união ao divórcio. É
muito raro uma das partes ser totalmente inocente num divórcio.
1Coríntios 7.10,11.

9. Se ambos os cônjuges numa união são culpados de fornicação, eles perdem o direito de buscarem o divórcio.
Se após a descoberta da infidelidade, do adultério o casal consente em voluntariamente coabitarem como homem e

pastorjarbas@gmail.com
27

mulher, o matrimônio foi com isso novamente unificado e a parte inocente perde o direito de mais cedo ou mais tarde
buscar obter o divórcio.
1Coríntios 6.15,16.

10. A Igreja cristã não proíbe a parte inocente contrair novo matrimônio, nem ao cônjuge culpado que obteve o
divórcio por causa de adultério ou deserção maliciosa.
Deuteronômio, Mateus 5.32; 19.9; 1 Coríntios 7.15,27,28.

11. Se o divórcio ou separação foi obtido por uma razão não bíblica, nenhum dos cônjuges deve casar
novamente, mas buscar a reconciliação e restauração de sua união matrimonial.
1Coríntios 7.10-11.

12. Se um dos cônjuges separados por um motivo não bíblico, casar com outra pessoa, este ato dissolve a união
legítima. E este cônjuge tornou-se culpado do pecado de adultério.* Quem casar com tal divorciado ou separado por um
motivo não bíblico também comete adultério. A parte inocente, neste caso, está livre.
*Adultério é um pecado grosseiro da carne e merece a condenação eterna, se a pessoa disso não se arrepender.
(Êxodo 20.14,17; Hebreus 13.4; 1 Coríntios 6.9-10; Gálatas 5.19; Efésios 5.5; Apocalipse 21.8; 22.15; 22;15)

13. Se os cônjuges são membros de uma Congregação cristã, a parte culpada no divórcio deve ser tratada
conforme os princípios evangélicos da disciplina cristã.
Mateus 18.15-18; 1 Coríntios 5; 1 Timóteo 5.20; Gálatas 2.11-14.

14. A parte culpada num divórcio, se penitente, deve corrigir sua vida pelo pedir perdão ao seu ex-cônjuge e à
congregação cristã. Se a parte culpada ainda não casou de novo, deve procurar a reunificação com seu ex-cônjuge. Se
este (a parte inocente) ainda não casou novamente e está disposto a recebê-lo de volta e se reconciliar. Se a parte
inocente da união original morreu, casou ou recusa a reunificação, então a parte penitente, está livre para cassar
novamente sem o estigma de ser um adúltero.
Se a parte culpada no divórcio do matrimônio original vier a se arrepender após estar casado pela segunda vez,
não há razão bíblica para rotular a segunda união como adultério. Ela também não precisa ser dissolvida, visto que a
parte culpada, agora se arrependeu, mesmo estando casado com uma pessoa com a qual não tinha o direito de casar,
pois estava divorciada por uma razão não bíblica. A segunda união dissolveu, permanentemente, a primeira aos olhos
de Deus (Veja tese 12ª). Por outro, a Bíblia proíbe, especificamente, após um segundo casamento o retorno à primeira
mulher (Tese 3ª)
Romanos 7.1-3; 1 Coríntios 7.10-11, 27-28; João 4.16-18; Deuteronômio 24.4.

15. A parte culpada num divórcio, se sinceramente arrependida, que corrigiu sua vida, deve ser completamente
perdoada e recebida de volta na Congregação cristã com todos os direitos e privilégios.
João 8.11; 2 Samuel 12.13; 2 Coríntios 2.6-8.

16. O pastor cristão não oficiará na cerimônia de casamento de pessoas que evitaram todo tratamento cristão em
relação ao casamento, que divorciaram de forma não cristã. A não ser que sejam penitentes e que seu primeiro cônjuge
tenha falecida, cassou ou recusa permanecer com ele.
1Timóteo 5.22; Ezequiel 3;17-20; Efésios 5.11.

17. A melhor maneira de se evitar a tragédia do divórcio é quando cônjuges cristãos tomarem a sério a
admoestação bíblica de que marido e mulher devem amar um ao outro e reconhecer sua responsabilidade sexual
própria dada por Deus na vida e no matrimônio.
Efésios 5.22-31; Tt 2,3-5; 1 Pedro 3.1-7; Colossenses 3.12-19.

pastorjarbas@gmail.com
28

Anexo 2 – Teologia Pastoral

Divórcio e Recasamento
Norbert H. Mueller e George Kraus - editores
Tradução: Paulo e Ivonelde Teixeira

O Divórcio
O capítulo sobre o matrimônio (que deveria ser estudado antes desta discussão) apresentou sua base bíblica e
teológica4. Aquele capítulo proporciona o contexto fundamental para as seguintes afirmações sumárias feitas pela
Comissão de Teologia e Relações Eclesiais do Sínodo de Missouri com respeito ao divórcio. Todavia, ao apresentar
estas afirmações à igreja, a Comissão notou o perigo de que as mesmas se tornassem um código legal que, por um
lado, pode ser usado a fim de encontrar-se desculpas para o divórcio e, por outro lado, pode ser usado para condenar
todo aquele que tenha se envolvido em um divórcio. Assim, a título de lembrete preliminar, a Comissão diz “que a
vontade para obedecer os mandamentos de Deus não nasce da Lei, mas do Evangelho do perdão”.5
1. Quando Deus instituiu o matrimônio na criação, ele planejou que o mesmo fosse uma união vitalícia de um
homem e uma mulher. Por sua própria natureza, a união de uma só carne entre o esposo e a esposa não
permitirá a intromissão de uma terceira parte; por conseguinte, o que Deus ajuntou, não separe o homem.
2. O divórcio, destruidor daquilo que Deus ajuntou, sempre é contrário à intenção de Deus para o casamento.
3. Uma pessoa que se divorcia de seu cônjuge por qualquer outra razão que não seja infidelidade sexual e
casa-se com outro alguém comete adultério. Qualquer um que despose uma pessoa assim descartando seu
cônjuge comete adultério.
4. Quando um cônjuge comete fornicação (i.e. é culpado de infidelidade sexual), que rompe a unidade do
casamento, a parte ofendida que suporta tal infidelidade tem o direito, embora não seja um mandamento, de
obter um divórcio legal e de casar-se novamente.
5. Um cônjuge que é abandonado voluntária e definitivamente por seu(sua) companheiro(a), o qual se recusa a
reconciliar-se e nem está disposto a cumprir as obrigações do pacto matrimonial apesar de persistente
persuasão, pode buscar um divórcio legal, que em tal caso constitui-se um reconhecimento público de que
um casamento já está quebrado, e pode, então, casar-se novamente.

Para que se determine se uma pessoa foi abandonada verdadeiramente de uma maneira que possa ser
considerada voluntária e definitiva, os principais fatores a serem levados em conta são a permissão para viver dentro do
lar e para desempenhar as obrigações comumente reconhecidas do apoio mútuo e da coabitação sexual6.
Ainda que os princípios acima pareçam ser suficientes, o pastor paroquial em geral gastará uma quantidade
incrível de tempo e experimentará um caminhão de aborrecimentos quando ele, o Seelsorger, for aplicá-los a esposos e
esposas que estão magoados, irados e talvez querendo vingar-se. Às vezes, ele contemplará o poder terapêutico e
renovador do Espírito nas vidas de seu rebanho. Outras vezes, ele será lembrado de que frequentemente
“aconselhamento matrimonial” é um eufemismo para o último suspiro de um casamento. O pastor irá notar até mesmo
em si próprio um certo grau de confusão e dúvida — orando para que um matrimônio específico sobreviva e, ainda
assim, sentindo-se aliviado quando os cônjuges veem-se livres do relacionamento destrutivo que tinham.
Qual é a responsabilidade do pastor? É salvar cada matrimônio? É forçar as pessoas a permanecerem em
relacionamentos que só castigam? É ameaçar pessoas feridas por suas inadequações? É libertar as pessoas por meio
do “perdão oficial” para que as mesmas façam o que de qualquer modo elas pretendem fazer? Algumas orientações
claras podem ser dadas como resposta a estas questões.

Responsabilidade pelo Divórcio


As pessoas que estão encarando um divórcio (assim como todas as pessoas) tomam suas próprias decisões,
ainda que algumas tentem manipular o pastor ao invés de assumir a responsabilidade social (e muito menos assumirão

4 As passagens pertinentes ao divórcio também deveriam ser estudadas: Dt 24.1-4; Mt 5.27-28, 31-32; 19.3-12; Mc 10.2-12; Lc 16.18; 1Co 7.10-16.
5 Divorce and Remarriage: An Exegetical Study (Novembro, 1987). The Comission on Theology and Church Relations (The Lutheran Church — Missouri Synod), p. 6.
6 Idem, ibidem, p. 37-39 (os trechos em itálico constam desta maneira na publicação original). Acerca deste ponto, Lutero comenta com referência a 1Co 7.4-5:

“Quando uma mulher resiste ao marido e recusa o dever conjugal, a mesma está roubando do esposo o corpo que havia lhe prometido. Isto é realmente contrário ao
casamento e dissolve o matrimônio” (LW 45.34).

pastorjarbas@gmail.com
29

a responsabilidade espiritual) pelo fracasso de seu casamento. Portanto, o pastor é incapaz de assumir a
responsabilidade do casal, assim como é incapaz de tomar s decisões que as pessoas não querem tomar por si
mesmas. Sua responsabilidade — para com o casal e para com Deus — é providenciar um ministério de Lei e
Evangelho.

Inocência e Culpa
Na maioria das circunstâncias, o pastor deveria evitar, tomar partido ou procurar determinar quem seja “a parte
inocente”. Um retrato pintado claramente existirá em alguns casos; porém, na maior parte das situações, os
emaranhados dos relacionamentos humanos são tais que as pessoas envolvidas no divórcio não podem enxergar a
verdade real por detrás de suas ações e atitudes.
Lutero vê o problema como resultante do fato de não alicerçar o matrimônio na fé verdadeira:
Reconhecer o estado do matrimônio é algo bastante diferente de meramente estar casado. Aquele que está
casado, porém não reconhece o estado do matrimônio, não pode continuar na vida conjugal sem amargura,
enfado e angústia.7
Reconhecer o estado do matrimônio é ver o cônjuge como um presente de Deus que deve ser aceito e tratado
como tal. E, ainda que cada pessoa casada após a queda tenha necessidades egocêntricas diversificadas que espera
que sejam satisfeitas pelo cônjuge, o crente em Cristo fortalecido pelo Espírito que reconhece o estado do matrimônio
encara as necessidades do outro como tendo prioridade sobre as suas próprias. Quando um casal vem ao pastor para
discutir o divórcio deles, ele pode admirar-se caso um dos dois cônjuges jamais tenha entendido isto ou nunca o tenha
posto em prática.
Por conseguinte, ao invés de pronunciar que um cônjuge seja inocente e o outro, culpado, o pastor deve ajudar a
que ambos, individualmente, descubram suas próprias culpas e cheguem ao arrependimento com os olhos voltados à
paciência, ao perdão, à esperança e à mudança.

A Presença Pastoral
O pastor pode auxiliar o casal a refletir sobre o passado, o presente e o futuro. Ele pode reuni-los a fim de que
eles reconsiderem compromissos, responsabilidades e consequências. Ele pode “estar ali” como um embaixador de
Deus para seu povo — não apenas como uma pessoa que se interessa pelos outros, mas como alguém que ministra
com o poder de Deus. Ele pode caminhar com eles pelo vale da sombra, encorajá-los em suas fraquezas, desafiá-los
em suas dúvidas, confrontá-los com sua autodestruição. O pastor também pode assisti-los na tarefa de buscar ajuda
profissional para seus problemas específicos de natureza médico/psiquiátrica que estejam além da especialização
profissional que ele tem.
Seu papel fundamental é ensinar a vontade de Deus com respeito ao matrimônio e ao divórcio. O pastor pode
ajudar o casal a orar (bem como pode orar por eles). A oração com o casal, quando aprovada por eles, também pode
ajudar a abrir as portas para um esforço renovado da parte deles.
O pastor também pode ajudar o casal a compreender o pecado deles e, quando eles estiverem prontos a ouvir
com corações abertos, envolvê-los com o amor de Deus em Cristo. Às vezes, o pastor pode ficar tão perplexo quanto
eles, mas ele pode modelar a esperança com a oração de que Deus proverá uma maneira e que até mesmo na falência
dos relacionamentos o casal encontrará cura no Senhor.
Uma pessoa pode (re)aprender como amar o cônjuge e perdoá-lo. Frequentemente, o ato de fazer um esforço
para compreender os sentimentos e as necessidades do outro e de demonstrar um esforço para mudar resultará em que
o amor reapareça. Praticar novos comportamentos, redefinir queijas, buscar novos “acordos” e uma variedade de outras
técnicas pode ajudar um casal a experimentar esperança suficiente de forma que, com a ajuda de Deus, eles trabalhem
para melhorar seu casamento.
Contudo, quando a reconciliação não for possível, o pastor gastará bastante tempo aconselhando
individualmente, ajudando cada pessoa a redefinir-se, com base no Evangelho, como uma pessoa solteira e útil. Este
processo inclui uma espécie de luto. De muitas maneiras, a perda de um relacionamento assemelha-se a um
falecimento — exceto pelo fato de que a igreja tem apenas uns poucos símbolos ou rituais públicos para marcar ou
encerrar um matrimônio. O pastor procurará os sinais de lamento profundo e ajudará o indivíduo a passar pelos diversos
estágios rumo a uma vida transformada sob Deus.

7 LW 45.38.

pastorjarbas@gmail.com
30

Comportamento Conflitante
O pastor deveria compreender que aqueles casais que estão em processo de separação e divórcio manifestam
um comportamento conflitante que reflete as emoções vacilantes que o casal possui. Pertences pessoais podem ter sido
deixados na casa e seu dono pode precisar voltar para reclamá-los. Eles se telefonam só para dizer “como vai”. Um
cônjuge pode ser chamado pelo outro para consertar alguma coisa e os dois podem terminar na cama. Comumente, o
pastor não deveria compreender tais contatos como tentativas de retorno. Ao invés disso, muitas pessoas acham difícil
romper a dependência psicológica com relação ao cônjuge e, então, reafirmam-se com contatos casuais de um com o
outro.

A Presença de Filhos
Caso crianças jovens estejam envolvidas, o pastor também precisa ministrar a elas. Tipicamente, os filhos
acreditam que eles tenham a força para fazer com que seus pais fiquem juntos novamente. Alguns filhos creem que eles
tenham sido a causa verdadeira do divórcio. Alguns serão manipulados pelo pai ou pela mãe, ou por ambos, a fim de
magoarem a outra parte. O ministério pastoral aos filhos inclui o apoio do pastor a ambos os cônjuges em seus papéis
de pai e mãe. Algumas pesquisas têm demonstrado que os prolongados efeitos prejudiciais do divórcio sobre os filhos
são minimizados quando tais filhos gastam tempo saudável, criativa e significativamente com ambos os pais. O pastor
precisa encorajar os pais a formular e a manter um acordo mútuo e viável no que tange à escritura, à educação e à
disciplina de seus filhos.

A Comunidade Cristã
O pastor pode ajudar aqueles que estejam se divorciando a organizar os fatos e, então, a compartilhar o que
aconteceu. A abertura para com as pessoas importantes na vida do indivíduo renovam as conexões pessoais, resolve
alguns dos desconfortos a respeito de quem sabe uma pequena parte do que aconteceu e começa a definição de
relacionamentos novos independentes do ex-cônjuge. Tal abertura também pode ajudar amigos que ficaram confusos a
saberem como se relacionar.
O pastor pode ajudar o resto da congregação (e, talvez, a comunidade social) a decidir sua resposta ao divórcio.
Ele deve dar um testemunho contínuo indicando que o divórcio é contrário à vontade de Deus. O divórcio pode ser um
período difícil para todos que conhecem as partes envolvidas. Os amigos e a família sentem a necessidade de escolher
— que cônjuge está certo/errado? Quem permanecerá amigo de que cônjuge? Que cônjuge será convidado para que
eventos? Este problema será particularmente agudo em congregações pequenas e familiares. E, em cada congregação,
certamente o pastor trabalhará com seus líderes, tanto dando como recebendo orientação e oração.
A congregação também pode desempenhar um papel valioso no processo de renovação da pessoa que está se
divorciando e, que agora está diante de funções e obrigações novas. Que pode precisar adquirir novas habilidades,
encontrar um lugar para viver, desenvolver maneiras novas de relacionar-se com seus filhos, superar o desafio de
desenvolver novas amizades, aprender a perdoar um ao outro (e a si próprio) e até mesmo permitir que os outros o
perdoem. Algumas congregações proveem grupos nos quais se tem a oportunidade de trabalhar sentimentos e
necessidades. Um ministério especialmente dirigido aos solteiros pode alcançar as pessoas que estejam se divorciando
com programas criativos, com eventos sociais e com uma rede de ajuda que luta com problemas práticos.

O Outro Homem / A Outra Mulher


Em casos de adultério, o pastor também deve preocupar-se com “a terceira parte” (caso a mesma seja conhecida
e deseje que se ministre a ela). Não é incomum, e. g., que “a outra mulher” descubra que tenha apenas sido usada no
momento em que o marido desobediente não vier a desposá-la. Culpa, raiva, sentimentos de traição, amargura e
desconfiança não são reações incomuns. Claramente, a mensagem de Lei-Evangelho de Deus também aqui se faz
necessária par que haja cura.

O Recasamento
Este assunto difícil não tem recebido a atenção merecida (por parte da igreja) no contexto da práxis
contemporânea. A Comissão de Teologia e Relações Eclesiais, contudo, tocou em algumas preocupações teológicas
fundamentais nesta área.

pastorjarbas@gmail.com
31

Que resposta deve ser dada àqueles que, após um divórcio que se deu por causas não bíblicas, desejam
casar-se novamente, declarando que são incapazes de restaurar o matrimônio rompido anteriormente, assim
como não conseguem expressar sua intenção de corrigir suas vidas pecaminosas?...

Obviamente, não pode ser dada nenhuma resposta que irá cobrir as circunstâncias de cada caso individual,
mas algumas observações gerais podem ser úteis...

O divórcio por razões não bíblicas e o recasamento envolvendo tais pessoas são abertamente contrários à
vontade de Deus...

Todavia, a questão permanece, se o pastor pode anunciar o perdão de Deus quando o arrependimento
genuíno parece estar em evidência. O fato de negar a certeza do perdão de Deus a tais pessoas limitaria a
obra vicária de Jesus Cristo, em quem há perdão para todos os pecados...

O arrependimento verdadeiro poderia pressupor um desejo genuíno de reconciliar-se com o cônjuge


separado... Quando se julgar que esteja havendo recusa para reconciliar-se e quando se avaliar que a busca
pela cura esteja ausente — até o ponto em que tal julgamento for possível – o pastor será constrangido a
responder negativamente ao pedido de alguém que queira casar-se de novo.

Contudo, há circunstâncias nas quais existem razões para crer que o arrependimento verdadeiro esteja de
fato presente, mas a reconciliação e a restauração de um casamento rompido simplesmente não sejam
possíveis, ou porque o ex-cônjuge casou-se novamente ou porque não quer reconciliar-se. Em tais casos, o
recasamento torna-se uma possibilidade.8

Tendo feito as afirmações acima, o pastor pode perguntar se a pessoa divorciada pode estar genuinamente
arrependida pelo rompimento de um matrimônio e, apesar disso, saber que não é possível nenhuma reconciliação.
Vivemos em um mundo pecaminoso. Em nossas fraquezas, é tão difícil se conviver com algumas pessoas. Juntamente
com os psicopatas manifestos, alguns homens e mulheres tendem a magoar ou explorar constantemente suas famílias
por razões que nem eles próprios podem compreender. As intransigências destas pessoas pode se tornar uma barreira
intransponível à reconciliação. No momento em que o pastor for chamado para dar aconselhamento às pessoas que
estão prestes a se casar novamente, pode ser (falando humanamente) tão impossível reconstruir o matrimônio anterior
quanto juntar os mil e um cacos de um vaso quebrado, não importando quão cristãs as pessoas enxerguem a si
mesmas9.
Por outro lado, o pastor também discernirá algumas pessoas que não se preocupam de modo nenhum com a
Palavra ou com a vontade de Deus, indivíduos que vivem somente para si próprios. Quando o pastor discernir
legitimamente tal comportamento, está vedada sua participação em qualquer matrimônio (e isto requer força de caráter
por parte do pastor). Não banque o tolo, nem o idiota que não percebe o que está acontecendo.
Caso o pastor tenha decidido que ele pode participar de um recasamento, se faz necessário o aconselhamento
pré-matrimonial. Ele não pode esquivar-se com a desculpa de que o casal já passou por tudo isso antes. O fato de o
matrimônio anterior ter falhado só aumenta a “bagagem” trazida para dentro do novo casamento. O casal precisa
compreender que o aconselhamento não é uma aula expositiva ministrada pel pastor, mas uma maneira para ajudá-los
a descobrir mais profundamente quem eles são, no relacionamento mútuo, sob um Senhor perdoador, Senhor este que
eles dizem desejar que seja uma parte do seu matrimônio.

8 Divorce and Remarriage, CTCR, p. 39-41.


9 Lutero, preocupado pastoralmente com as pessoas cercadas pela natureza humana que possuem, sugere que: “o adúltero pode mudar-se para um país longínquo e
lá casar-se novamente caso seja incapaz de permanecer continente... Entre dois males, um é sempre o menor, neste caso, permita-se que o adúltero se case
novamente numa terra distante a fim de evitar a fornicação. E penso que ele seria mais prudente também na visão de Deus.” (LW 45.32s).

pastorjarbas@gmail.com
32

Anexo 3 – O mito de Hermafrodito

O mito de Hermafrodito
Fernando Dannemann – Da internet
http://www.fernandodannemann.recantodasletras.com.br

Hermafrodito, filho de Afrodite e de Hermes, é um deus da mitologia grega que representa a fusão dos dois
sexos, nascendo daí os conceitos de hermafrodita e hermafroditismo. Provavelmente originada em países asiáticos, diz
essa lenda que Hermafrodito, filho de Hermes e Afrodite - cujos nomes compõem o seu -, era um adolescente de beleza
maravilhosa. Certo dia, ao banhar-se em uma fonte perto de Halicarnasso, ele despertou o amor da ninfa daquela fonte,
chamada Sálmacis, que o abraçou e pediu aos deuses para que seu corpo e o do jovem fossem fundidos em um só.
Seu pedido foi atendido, e desde então aquela fonte passou a transmitir a mesma propriedade a todos os que nela se
banhassem.
Essa passagem mitológica é descrita por Márcia Villas-Bôas em seu livro “Olimpo, a Saga dos Deuses”,
distribuído pela editora Siciliano, da seguinte forma:
Filho de Hermes e Afrodite, Hermafrodito foi criado pelas Ninfas das florestas da Frídia e se tornou um
jovem de extraordinária beleza. Aos 15 anos resolveu conhecer o mundo. Já viajara bastante quando parou
para descansar à margem de um lago, na Cátia. E foi lá que conheceu Sálmacis, a Ninfa que reinava sobre
as águas daquele local. Aproximou-se dele e, toda faceira, tentou seduzi-lo. Mas Hermafrodito não se deixou
envolver por seus encantos. Sálmacis tentou obter o amor do rapaz por todos os meios, mas nada conseguiu.
Remoída pelo despeito e consumida pelo desejo que cada dia se tornava mais intenso, a Ninfa fingiu se
conformar e esperou. Ficava de longe, espiando entre as folhagens, sem perder nenhum movimento do
rapaz. Um dia Hermafrodito resolveu se banhar. Tirou as roupas e mergulhou nas águas frias do lago.
Sálmacis, ao vê-lo em seus próprios domínios, vibrou de alegria. Despiu-se também, entrou na água e
abraçou o rapaz com força. Cingiu-o pela cintura, aderiu seu corpo ao dele e disse:
- Ordeno às águas, das quais sou a única rainha, que nossos corpos jamais se separem.
Imediatamente as águas começaram a girar em torno dos dois e a pressão que os unia aumentou.
Hermafrodito procurou se afastar, mas uma atração além de suas forças fez com que seu corpo se aderisse
cada vez mais ao corpo da Ninfa. Subitamente compreendeu a intensidade do amor que ela sentia, um amor
que se infiltrava por sua pele e invadia seu organismo. Sem mesmo perceber, foi deixando que seu corpo se
fundisse ao corpo de Sálmacis até que os dois se transformaram em um único ser. E, no momento da união
definitiva, foi tão grande o êxtase que tomou seus sentidos ao se sentir homem e mulher, equilibrado, um ser
perfeito e completo, que falou:
- Deuses, que todos aqueles que venham a mergulhar nessas águas possam se tornar como eu, macho e
fêmea em um só corpo!
E, daquele dia em diante, os homens passaram a evitar banhar-se nas águas daquele lago, com medo de
perderem a virilidade.
Em Metamorfoses, de Ovídio (43a.C.-17d.C), lê-se: “seus corpos são misturados e já não são dois, mas um único
aspecto (...) já não são dois seres e, todavia, participam de uma única natureza; e sem que se possa dizer que é uma
mulher nem uma criança, o aspecto não é nem de um, nem de outro, ao mesmo tempo em que é dos dois”.

pastorjarbas@gmail.com