Você está na página 1de 27
Identificação de Armas de Fogo Carga horária- 60h Crédito – Celso Nenevê Apresentação do curso

Identificação de Armas de Fogo

Carga horária- 60h

Crédito Celso Nenevê

Apresentação do curso

Prezado(a) aluno(a),

Você está começando o curso de identificação de armas de fogo.

Este curso, destinado aos profissionais de segurança pública em geral, contem pla os principais aspectos da balística técnica, principalmente, aqueles ligados à identificação direta das armas de fogo. Nesse intuito, você estudará algumas das definições propostas pela legislação específica; as principais partes ou conjunto de peças e os princípios de funcionamento das armas de fogo; o calibre; as munições; o significado

Enfim, todas as características que possibilitam, de forma

inequívoca, identificá-las, classificá-las e, sempre que necessário rastreá-las.

do número de série

Esperamos que o curso atenda a sua expectativa e possa lhe ser útil em sua vida profissional.

Bom estudo!

Objetivos do curso

Ao final do estudo desse curso, você será capaz de:

Compreendercurso Ao final do estudo desse curso, você será capaz de: os principais aspectos conceituais, relacionados

os

principais

aspectos

conceituais,

relacionados à balística e arma de fogo;

históricos

e

legais

Identificar armas de porte, armas portáteis, cartuchos, calibres e munições;à balística e arma de fogo; históricos e legais Classificar armas de fogo considerando a alma

Classificar armas de fogo considerando a alma do cano, carregamento, inflamação, funcionamento, uso e mobilidade;porte, armas portáteis, cartuchos, calibres e munições; Contribuir com a identificação e o rastreamento das armas

Contribuir com a identificação e o rastreamento das armas de fogo;carregamento, inflamação, funcionamento, uso e mobilidade; Reconhecer a importância da identificação da arma de fogo

Reconhecer a importância da identificação da arma de fogo na investigação criminal.com a identificação e o rastreamento das armas de fogo; Atualizar-se de conhecimento teórico antes do

identificação da arma de fogo na investigação criminal. Atualizar-se de conhecimento teórico antes do emprego

Atualizar-se

de

conhecimento teórico antes do emprego prático e manuseio.

sobre

arma

fogo,

reforçando

a

importância

do

Estrutura do curso Mó dulo 1- Conceitos básicos sobre arma de fogo Módulo 2 –

Estrutura do curso

Mó dulo 1- Conceitos básicos sobre arma de fogo

Módulo 2 Armas de porte

Módulo 3 Armas portáteis

Módulo 4 - Cartuchos

Módulo 5 Calibre das armas

Módulo 6 Rastreamento de armas

Nota

As armas retratadas em algumas imagens deste curso fazem parte do acervo do Museu de Armas da Academia de Polícia Civil do Distrito Federal. Essas imagens foram registradas pelo próprio conteudista e pertencem, portanto, ao arquivo pessoal do mesmo.

Módulo 1 Conceitos básicos sobre arma de fogo Apresentação do módulo

Muitos séculos já se passaram desde a aparição e emprego das armas de fogo e, de lá até hoje, elas sofreram significativas modificações, surgiram novos modelos e novos sistemas de operações. Evoluíram de uma máquina térmica simples para artefatos bem mais complexos e precisos. A grande variação de espécies, modelos, dimensões, sistemas operacionais, poder lesivo, existentes hoje, são variáveis que impactam diretamente na tarefa de classificação.

Há ainda que se considerar as armas atípicas - frutos de combinações de espécies de

Há ainda que se considerar as armas atípicas - frutos de combinações de espécies de armas diferentes, de sistemas operacionais distintos - que acabam por tornar essa tarefa de classificá-las e descrevê-las mais árdua (FIG. 1).

de classificá-las e descrevê-las mais árdua (FIG. 1). Figura 1 – Revólver de sistema Lefaucheaux. A

Figura 1 Revólver de sistema Lefaucheaux. A arma é um revolver de armação fixa, tambor fixo e municiamento por meio de janela lateral, cujo cano raiado forma uma peça única com uma faca. Fonte: arquivo do conteudista

As tarefas de classificação e descrição tornam-se mais fáceis com adoção de alguns critérios que você estudará nesse curso. Mas , para compreendê- los, faz-se necessário que você estude nesse primeiro módulo os conceitos básicos relacionados a armas de fogo, à balística 1 e aos aspectos legais descritos no Decreto nº 3665, de 20 de novembro de 2000.

1 Ramo da ciência que estuda essas armas.

Objetivos do módulo Ao final do estudo desse módulo, você será capaz de: Definir balística

Objetivos do módulo

Ao final do estudo desse módulo, você será capaz de:

Definir balística e arma de fogo;Ao final do estudo desse módulo, você será capaz de: Analisar os aspectos históricos relacionados à

Analisar os aspectos históricos relacionados à balística e a armas de fogo;você será capaz de: Definir balística e arma de fogo; Classificar as armas de acordo com

Classificar as armas de acordo com as características que imprimem nas lesões; Inverter a ordem desses dois objetivos.históricos relacionados à balística e a armas de fogo; Classificar armas de fogo considerando os seguintes

Classificar armas de fogo considerando os seguintes critérios: alma donas lesões; Inverter a ordem desses dois objetivos. cano, carregamento, inflamação, funcionamento, uso e

cano, carregamento, inflamação, funcionamento, uso e mobilidade, com

base no Decreto nº 3665 de 20 de novembro de 2000 (R-105) ;

Estrutura do módulo

Aula 1 Balística

Aula 2 Armas

Aula 3 Armas de fogo

Aula 1 Balística

A pólvora 2 , elemento principal sem o qual não existiria arma de fogo, é uma

invenção atribuída aos chineses. No entanto, o seu emprego como agente para

impulsionar um projétil através de um cilindro oco, surgiu muito tempo depois.

Atribui-se aos árabes, que foram os grandes comerciantes da idade média, a

utilização e difusão deste invento.

Para alguns autores as primeiras armas de fogo, ainda que de forma precária, apareceram nas

Para alguns autores as primeiras armas de fogo, ainda que de forma precária, apareceram nas cruzadas e na expansão do Império Otomano utilizada por algum dos povos mulçumanos.

No estudo da arma de fogo , torna-se fundamental o estudo da balística, em especial da balística forense, pois são elas que estabelecem parâmetros e procedimentos para a identificação e classificação das armas de fogo.

1.1. O que é balística e como se divide

Balística, por definição, é parte da física que estuda o impulso, o movimento e impacto dos projéteis, entendendo-se por projétil qualquer sólido que se move

no espaço, após haver recebido um impulso.

A balística estuda o movimento de corpos lançados ao ar livre, como uma

pedra lançada no ar, mas geralmente está relacionada ao estudo dos disparos

de projéteis de armas de fogo.

Ao se estudar um projétil disparado por uma arma de fogo, divide-se o seu movimento em três partes distintas: a balística interior, balística exterior e a balística terminal. Logo, a balística é subdividida em:

(aumentar a fonte dos textos no quadrante. Não colocar número, pois não há uma ordem. Substitua o número por marcadores) Balística interior - A balística interior estuda o que ocorre desde o momento do disparo até o instante em que o projétil abandona a arma. É

a parte da balística relativa a estrutura, mecanismo, funcionamento das armas, da carga de projeção e dos fenômenos que ocorrem no processo da propulsão dos projéteis. Compreende, portanto, o estudo das armas

dos projéteis. Compreende, portanto, o estudo das armas e munições até o momento em que o

e munições até o momento em que o projétil é expelido através do cano.

Balística exterior - Estuda o movimento dos projéteis no ar, desde o
Balística exterior - Estuda o movimento dos projéteis no ar, desde o

momento em que este abandona a boca do cano da arma até o primeiro impacto. Por conseguinte, estuda a influência do ângulo e da velocidade

de saída, da resistência do ar, da força de gravidade, da velocidade e

sentido do vento, entre outros fatores.

da velocidade e sentido do vento, entre outros fatores. Balística terminal - Estuda o movimento do

Balística terminal - Estuda o movimento do projétil desde o primeiro

impacto até a dissipação total de sua energia cinética, ou seja, até o seu repouso final. Estuda, por conseguinte, os efeitos dos impactos dos

projéteis com o alvo (ricochetes, as lesões e as características deixadas nos suportes pelos impactos dos projéteis). A balística das lesões é um

ramo da balística terminal que estuda os efeitos dos projéteis em tecidos

vivos.

1.2. Balística forense

Nas investigações vinculadas a armas de fogo sempre surgem perguntas cujas respostas têm como fundamento os princípios da balística. Estes princípios

permitem responder questões como qual o tipo de arma utilizada, qual a

distância do atirador, dentre outras dúvidas de interesse da justiça. Essa é a área de atuação da Balística forense 3 . Balística forense é a parte da balística de interesse da justiça. O professor e

Perito Criminal Eraldo Rabello, no livro "Balística Forense", a define como:

"É aquela parte do conhecimento criminalístico e médico legal que tem por objeto, especial, o estudo das armas de fogo, das munições e dos fenômenos e

efeitos próprios dos tiros destas armas, no interesse da justiça, tanto penal como civil". (RABELLO, Eraldo. 1995)

3 A palavra forense advém do adjetivo latino forenses, que significa “relativo ao fórum”

1.3. Aspectos históricos A balística forense é uma das áreas precursoras da criminalística. Em 1835,

1.3. Aspectos históricos

A balística forense é uma das áreas precursoras da criminalística. Em 1835, na

Inglaterra, Henry Goddard notou um defeito num projétil retirado do cadáver de

uma vítima. Nesta época, as armas eram de antecarga (carregadas pela boca)

e os projéteis eram produzidos artesanalmente em moldes (coquilhas) próprios. Na casa de um dos suspeitos ele encontrou um molde para projéteis que produzia defeito semelhante em projétil padrão nele moldado. Esta prova fez com que este suspeito fosse condenado por homicídio.

O professor Lacassagne (Lyon - França, 1889), o químico forense Paul

Jeserich (Alemanha 1898), entre outros, foram experts que conseguiram identificar armas pelos exames de projéteis incriminados, por técnicas diferentes.

Balthazard, em 1912, publicou dois artigos que demonstravam as bases científicas do tema, intitulados “Identificação de projéteis de armas de fogo ” e “Identificação de estojos de pistolas automáticas”.

Outros cientistas forenses no mundo inteiro também apresentaram inovações

na balística forense até a invenção d o microscópio comparador balístico, por

Gravelle, em 1925. Gravelle, juntamente com Waite, Fisher e Goddard, fazia parte do “Bureau of Forensic Ballistics” e desenvolveram inúmeros trabalhos e inventos para a balística forense.

Em 1929, Goddard fundou o “Scientific Crime Detection Laboratory”, que em quatro anos investigou 1400 casos envolvendo armas de fogo.

As armas de fogo e suas munições continuaram a ser aprimoradas e, com elas,

a área de balística, principalmente, a balística técnica, responsável pelo

desenvolvimento dessas armas e munições, bem como a balística forense.

Aula 2 – Armas Desde os primórdios, ainda na pré-história, o homem utilizou-se de instrumentos

Aula 2 Armas

Desde os primórdios, ainda na pré-história, o homem utilizou-se de instrumentos que marcaram a evolução das civilizações e das culturas. As armas, desde a sua aparição, têm sido um desses instrumentos, que exerceu e continua exercendo um papel de destaque na história da evolução humana.

2.1. O que são armas

De forma geral, é possível entender armas como:

todo instrumento, máquina ou meio utilizado pelo homem para ofender ou defender-se”. (BARBERA & TUREGANT, 1998)

Na legislação brasileira, o Decreto Lei N.º 3665, de 20 de novembro de 2000 - (R105) 4 , apresenta, em seu Anexo, no inciso IX, do art. 3º, a definição de armas como sendo:

“artefato que tem por objetivo causar dano, permanente ou não, a seres vivos e coisas”. (BRASIL. 2000.)

É importante explicar a diferença entre armas próprias e armas impróprias.

Armas próprias são entendidas como aqueles instrumentos criados com a função específica de ataque e defesa.

As armas impróprias são aqueles instrumentos que não foram criados com intenção lesiva, mas que,

As armas impróprias são aqueles instrumentos que não foram criados com intenção lesiva, mas que, de forma imprópria podem ser empregados para esse fim, a exemplo dos tacos de beisebol etc.

2.2. Classificação das armas de acordo com as características que imprimem nas lesões.

Inúmeros métodos para a classificação de armas têm sido utilizados. Dentre eles, aquele que apresenta maior interesse para a justiça e a criminalística é a classificação por força motriz (energias), principalmente, as ocasionadas pelos meios mecânicos de acordo com as características que imprimem nas lesões. Esse método classifica as armas, em:

- Perfurantes - a exemplo dos pregos, agulhas, floretes, furadores de gelo .

- Cortantes - como os bisturis, navalhas ou mesmo as facas quando agem pela pressão ou deslizamento do gume.

- Contundentes - como as mãos e pés quando desferrem socos e chutes, paus, pedras, bengalas.

- Perfuro-cortantes - quando exercem, ao mesmo tempo, a ação de perfurar e cortar, como, por exemplo, as facas, quando são utilizadas com as ações de perfurar e cortar.

- Perfuro-contundentes - como os dentes dos ancinhos, os projéteis de armas de fogo.

- Corto-contundentes - a exemplo dos machados facões.

No campo da balística forense, os que apresentam interesse são os instrumentos perfuro-contundentes, ou seja, aqueles instrumentos que apresentam simultaneamente a ação de perfurar e contundir que é a ação exercida pelos projéteis das armas de fogo.

Importante! As ações de perfurar e contundir não são exclusivas dos projéteis de armas de

Importante! As ações de perfurar e contundir não são exclusivas dos projéteis de armas de fogo, a exemplo de chaves de fenda, projéteis de carabinas de pressão, entre outros. No entanto, os projéteis de armas de fogo são os principais instrumentos perfurocontundentes.

Aula 3 - Armas de fogo 3.1. O que são armas de fogo e quando surgiram

Conforme o inciso XIII, do art. 3º do Anexo do Decreto Lei N.º 3665, de 20 de novembro de 2000 (R105), armas de fogo são:

“armas que arremessam projéteis empregando a força expansiva dos gases gerados pela combustão de um propelente confinado em uma câmara que, normalmente, está solidária a um cano que tem a função de propiciar continuidade à combustão do propelente, além de direção e estabilidade ao projétil.” (BRASIL, 2000)

Embora a definição acima possa parecer complicada, não é. Acompanhe!

As armas de fogo são aquelas que utilizam a força dos gases, gerada pela queima da pólvora, para lançar um projétil. As armas de fogo são m áquinas térmicas, como os motores dos carros e as caldeiras, ou seja, utilizam a transformação em gás da pólvora, do combustível, ou ainda, da água para realizarem as suas funções. Elas receberam esse nome pelas labaredas que saiam da boca do cano no momento do disparo.

Não existe consenso entre os historiadores sobre quando surgiram as armas de fogo bem como

Não existe consenso entre os historiadores sobre quando surgiram as armas

de fogo bem como sobre seu emprego. Segundo Barbera & Turegant (1998),

existem relatos do emprego de armas de fogo, pelos mouros, na defesa de Zaragoza, em 1118. Para outros historiadores, o emprego das armas de fogo começa em 1257, quando os mouros uti lizaram, na defesa de Niebla,

pequenos ca nhões q ue emprega vam pólvora negra como propele nte .

Há inúmeros relatos, entre 1300 e 1400, como as crônicas da cidade de Gant

(Bélgica 1313) e as Armas de Guerra de Augusto Demmim (1869), sobre a utilização

de

armas de fogo (TRUENOS e TRUE NOS

de

mão) por países como França, Inglaterra,

Alemanha e Espanha , entre outros. A FIG. 2

mostra um trueno de mão, um dos primeiros exemplares de armas de fogo, dotado de gancho de abordagem. 3.2. Classificação das armas de fogo

gancho de abordagem. 3.2. Classificação das armas de fogo Figura 2 – Truenos de mão. Fonte:

Figura 2 Truenos de mão. Fonte: arqui vo do conteudista

A grande variação das armas de

fogo, nos projetos e nas características, faz com que existam armas extremamente diferentes, como a arma dotada de inúmeros canos vista FIG. 3. O objetivo aqui é que você conheça os princípios da classificação geral das armas de fogo.

da classificação geral das armas de f o g o . Figura 3 – Arm a

Figura 3 Arm a dotada de inúm eros canos Fonte: arqui vo do conteudista

Classificação é o ato ou a ação de organizar os objetos ou seres por classes,

Classificação é o ato ou a ação de organizar os objetos ou seres por classes, de dividi-los em grupos com características comuns. Obviamente, para classificar faz-se necessário um método e a definição das características a serem observadas.

O interesse de classificar as armas de fogo reside em identificá-las tomando- se por base critérios que vão do geral para o particular e que contemple objetivamente as especificidades de cada uma. Especialmente, para armas de fogo, poderiam ser adotados inúmeros critérios. Entretanto, recomenda-se que esses critérios obedeçam a requisitos técnico-científicos e contemple características intrínsecas da própria arma. Eraldo Rabello (1995) propôs a classificação das armas de fogo quanto à alma do cano, conforme você estudará a seguir.

3.2.1 Classificação quanto à alma do cano

Os canos de armas de fogo são uma das principais peças de todo e qualquer armamento.

Os canos, assim como as câmaras de combustão, são submetidos a pressões elevadas.

O processo de produção dos canos de armas de fogo é diferente conforme o tipo de arma a que se destina (revólveres, espingardas, pistolas, carabinas, etc). Passa por diversas fases, tais como a perfuração de barras de aço, o polimento, a confecção do raiamento 5 ou do choque 6 dentre outras. As etapas variam com o tipo de arma e o modelo para as quais os canos são produzidos.

5 Raias são sulcos helicoidais e paralelos produzidos por brocas especiais, de forma que com a passagem forçada do projétil através do cano ele acompanha esses sulcos e adquire o movimento de rotação que lhe garante maior estabilidade, maior precisão e alcance.

Os primeiros canos de armas de fogo tinham o seu interior liso e o diâmetro

Os primeiros canos de armas de fogo tinham o seu interior liso e o diâmetro ligeiramente maior que os projéteis que admitiam. Esses projéteis eram, na

sua maioria, confeccionados de ligas de chumbo e, geralmente. apresentavam

o formato esférico.

Como o alcance desses projéteis era reduzido, em face da resistência do ar, na tentativa de se obter maior velocidade inicial e maior alcance, mudou-se o

seu formato, de maneira que, com a mesma massa, ele passou a ter menor

seção transversal, ou seja, projeteis mais alongados e com menor diâmetro.

Para evitar trajetórias erráticas e irregulares, surgiram as armas de alma raiada, capazes de imprimir um movimento de rotação ao projétil em torno do

seu eixo.

De acordo com o art. 3º , LXXI, do Anexo do Decreto 3.665, de 20 de novembro de 2000, (R105), raias são:

“sulcos feitos na parte interna (alma) dos canos ou tubos das armas de fogo, geralmente de forma helicoidal, que têm a finalidade de propiciar o movimento

de rotação dos projéteis, ou granadas, que lhes garante estabilidade na trajetória.(BRASIL. 2000)

6 Mecanismo de redução ou afunilamento do cano na direção da câmara para a boca do cano .

Dessa forma, as armas de fogo são classificadas quanto à alma do cano em: canos

Dessa forma, as armas de fogo são classificadas quanto à alma do cano em:

canos de alma lisaarmas de fogo são classificadas quanto à alma do cano em: canos de alma raiada .

canos de alma raiada. .

Importante!

É extremamente importante observar o número de raias e seu sentido de giro, porque esses dados serão fundamentais para rastrearmos uma arma de fogo, como discutiremos em um próximo módulo .

Você sabia que

armas mistas ou armas combinadas são armas que apresentam um ou mais canos de alma lisa e um cano de alma raiada ou, ao contrário, dois canos de alma raiada e um ou mais canos de alma lisa .

Um exemplo desse tipo de arma é a espingarda de dois canos sobrepostos da indústria ROSSI, Apache, que teve o início de produção em 1953, a qual apresentava o cano superior de calibre .22 L.R. (alma raiada 6D) e o cano inferior de calibre 36 ou 40 (alma Lisa). (TOCHETTO & WEINGAERTNER,

1981)

Estude a seguir outros critérios.

3.2.2 Classificação quanto ao sistema de carregamento

Para que as primeiras armas de fogo estivessem em condições de efetuar um disparo, era necessário introduzir, pela extremidade anterior do cano (boca do cano), a pólvora e a carga de projeção. Para tanto, era necessário utilizar ferramentas para socar a pólvora (vareta de soca) e as buchas. Embora

obsoleto, ainda encontram-se armas de fabricação artesanal que utilizam esse processo de carregamento. Os exemplos

obsoleto, ainda encontram-se armas de fabricação artesanal que utilizam esse

processo de carregamento. Os exemplos mais conhecidos no Brasil foram as espingardas Taquari e Lazarina, ambas da indústria Rossi. Nessas armas, o carregamento é feito pela boca do cano (armas de antecarga).

O processo de carregar uma arma de

antecarga é lento. Maior celeridade no carregamento foi obtida com a

invenção do cartucho por Clement

Pottet e o aperfeiçoamento deste por Casemir Lefaucheux (FIG. 4). O

cartucho é a unidade de munição completa - contendo, no mesmo

recipiente, a espoleta, a pólvora e o

projétil,- que pode ser introduzido na câmara localizada na parte posterior do cano. Surgiram, então, as armas de retrocarga, que persistem até os dias de

hoje.

Figura 4 – Cartucho Lefaucheux Fonte: arquivo do conteudista

Figura 4 Cartucho Lefaucheux Fonte: arquivo do conteudista

Dessa forma, as armas de fogo são classificadas quanto ao sistema de

carregamento em:

armas de antecargaconteudista Dessa forma, as armas de fogo são classificadas quanto ao sistema de carregamento em: armas

armas de retrocarga. .

3.2.3 Classificação quanto ao sistema de inflamação A classificação quanto aos sistemas de inflamação considera

3.2.3 Classificação quanto ao sistema de inflamação

A classificação quanto aos sistemas de inflamação considera o conjunto de

elementos utilizados para dar início à queima da pólvora.

Você perceberá que o estudo dessa classificação oferece uma visão da evolução histórica das armas de fogo, desde os primórdios até os sistemas

atuais.

Nas primeiras armas de fogo, ainda na Idade Média, para realizar o

disparo, era necessário utilizar uma

haste de ferro incandescente, carvão em brasa ou outros meios de chama

direta que era introduzida num orifício na câmara de combustão (ouvido) (FIG. 5). Como o sistema

por haste de ferro não era prático

para as armas portáteis, ele foi

substituído por uma mecha que conduzia a chama para a câmara de

combustão e, assim, iniciava-se a

6)

queima

mecha,

sistema

Denominado

esse sistema, totalmente obsoleto, apresentava enormes dificuldades

tanto em relação ao controle do

tempo de queima da mecha e, consequentemente, do disparo,

da

pólvora.

(Fig.

de

mecha e, consequentemente, do disparo, da pólvora. (Fig. de Figura 5 – Sistema por Haste de

Figura 5 Sistema por Haste de Ferro Fonte: arquivo do conteudista

Sistema por Haste de Ferro Fonte: arquivo do conteudista Figura 6 – Sistema de Mecha Fonte:

Figura 6 Sistema de Mecha Fonte: arquivo do conteudista

quanto em relação às condições de armazenamento das mechas para protegê-las da umidade, além de

quanto em relação às condições de armazenamento das mechas para protegê-las da umidade, além de outros fatores de ordem prática e, ainda, os que ofereciam sérios riscos aos atiradores.

Esse sistema foi substituído pelo sistema de feche de roda, que utilizava o atrito como iniciador da queima de propelente. O sistema de roda, originário dos relógios de Nüremberg (Alemanha), consistia em uma roda na qual se dava corda e, ao acionar o gatilho, produzia o atrito de uma pedra de pirita com o metal causando chispas que, por sua vez, incendiava a pólvora, produzindo a deflagração da pólvora e o disparo da arma. (FIG. 7)

Variações desse sistema de roda surgiram em toda a Europa, como o sistema holandês Snaphause,; o sistema Flintlock que apareceu no centro da Europa; e, na Espanha, o

que apareceu no centro da Europa; e, na Espanha, o Figura 7 – Sistema de Roda

Figura 7 Sistema de Roda Fonte: arquivo do conteudista

Figura 7 – Sistema de Roda Fonte: arquivo do conteudista Figura 8 – Sistema Miguelete Fonte:

Figura 8 Sistema Miguelete Fonte: arquivo do conteudista

sistema Miguelete , que utilizava sílex (mistura mineral a base de sílica) para obter a

sistema Miguelete, que utilizava

sílex (mistura mineral a base de sílica) para obter a fagulha (FIG. 8).

A descoberta da espoleta é atribuída ao reverendo escocês Alexander

John Forsyth que, em 1807, obte ve

a patente de um engenho de

percussão que utilizava uma mistura

detonante (fulminato de mercúrio, descoberto em 1779, por Haward),

que iniciava a queima da pólvora (propelente).

Em 1815, Joshua Shaw desenhou a espoleta em cápsula, com fulminato

contido em um pequeno cálice de metal, geralmente de cobre, em

virtude de sua maleabilidade, surgindo assim, o sistema de percussão, que significa choque

violento.

Nesse sistema, uma pequena

quantidade de explosivo é depositada

no fundo de um objeto metálico, de

formato semelhante a um pequeno copo, o qual é colocado sobre a

extremidade de um pequeno tubo que

se

comunica com câmara, por meio

de

um pequeno orifício (ouvido). O

impacto do percussor comprime a

orifício (ouvido). O impacto do percussor comprime a Figura 9 – Revólver Colt de percussão extrínseca

Figura 9 Revólver Colt de percussão extrínseca Fonte: arquivo do conteudista

cápsula de espoletamento contra as paredes do tubo (chaminé) gerando a detonação do explosivo e,

cápsula de espoletamento contra as

paredes do tubo (chaminé) gerando a detonação do explosivo e,

consequentemente, levando para o

interior da câmara uma quantidade de gases aquecidos, calor e chama que

geram a deflagração do propelente. Como essa espoleta é uma peça

isolada, separada do cartucho, as

de

armas que

percussão extrínseca. (FIG. 9)

a

utilizam

são

Com o aparecimento do cartucho, surgiu também, o sistema de percussão

intrínseca. Mesmo transcorridos muitos anos, esse sistema permanece atual e

é largamente utilizado nos nossos dias. O sistema de percussão intrínseca admite duas subdivisões:

-

1ª. Subdivisão: armas de percussão radial e armas de percussão

central.

As armas de percussão radial são armas de retrocarga em que os cartuchos

apresentam a mistura iniciadora depositada por centrifugação na orla do estojo,

sem a utilização da espoleta propriamente dita.

As armas de percussão central são armas de retrocarga que utilizam

cartuchos em que a espoleta apresenta -se montada no centro da base do cartucho.

Nota: Na realidade, essa classificação é própria para os cartuchos e, por extensão, é empregada

Nota:

Na realidade, essa classificação é própria para os cartuchos e, por extensão, é empregada também, para as armas que utilizam esses cartuchos.

-

2ª subdivisão: armas de percussão direta e armas de percussão indireta

Nas armas de percussão direta o percussor está montado no cão ou o percussor é um prolongamento do cão.

Nas armas de percussão indireta, o percussor é uma peça independente que

recebe o impacto do cão ou do martelo para, após esse impacto, ser projetado e atingir a espoleta.

ainda outros sistemas de inflamação.

O

sistema de percussão intrínseca

empregado nos cartuchos Lefauchex (FIG. 10) é diferente dos supramencionados, pois pino lateral

é o percussor, fazendo parte do cartucho e não da arma.

é o percussor, fazendo parte do cartucho e não da arma. Figura 10 – Cartucho Lefauchex

Figura 10 Cartucho Lefauchex Fonte: arquivo do conteudista

De emprego restrito às armas militares, existe também, o sistema de inflamação elétrico empregado nas

De emprego restrito às armas militares, existe também, o sistema de inflamação elétrico empregado nas bazucas e algumas peças de artilharia.

Dessa forma, as armas de fogo são classificadas quanto ao sistema de inflamação em:

sistema por haste de ferrosão classificadas quanto ao sistema de inflamação em: sistema de mecha sistema de atrito ou feche

sistema de mechaao sistema de inflamação em: sistema por haste de ferro sistema de atrito ou feche de

sistema de atrito ou feche de roda ou feche de roda

sistema de percussão (extrínseca e intrínseca) O sistema de percussão intrínseca se divide em:ferro sistema de mecha sistema de atrito ou feche de roda o 1ª subdivisão: radial ou

o

1ª subdivisão: radial ou central

o

2ª subdivisão: percussão direta ou percussão indireta

3.2.4. Classificação quanto ao funcionamento

Podem-se classificar as armas quanto ao sistema de funcionamento em:

Armas de tiro unitário;classificar as armas quanto ao sistema de funcionamento em: Armas de repetição; Armas semiautomáticas ; Armas

Armas de repetição;ao sistema de funcionamento em: Armas de tiro unitário; Armas semiautomáticas ; Armas automáticas . Estude,

Armas semiautomáticas; ;

Armas automáticas. .

Estude, a seguir, sobre cada um deles.

- Armas de tiro unitário : são armas de carregamento manual e,

conforme o próprio nome diz, dotadas de carga para um único tiro. Após o disparo, nas armas de retrocarga, é necessário fazer a retirada manual do estojo deflagrado e a introdução de um novo cartucho para um próximo tiro e, nas armas de antecarga, um novo carregamento. Os exemplos mais comuns do nosso dia a dia são as espingardas de um cano e as pistolas de um cano (Pistolet).

São também classificadas como armas de tiro unitário as armas dotadas de dois ou mais

São também classificadas como armas de tiro unitário as armas dotadas de dois ou mais canos, com as câmaras respectivas e com mecanismos de disparos próprios para cada câmara, independente de serem do tipo monogatilho ou não. As armas de tiro unitário múltiplas como as espingardas de dois canos, paralelos ou sobrepostos, funcionam como se fossem duas ou mais armas de tiro unitário, montadas em uma só coronha ou que utilizem uma mesma empunhadura.

- Armas de repetição: Segundo o Decreto nº 3665, art. 3º, inciso XVI, anexo, são armas “em que o atirador, após a realização de cada disparo, decorrente da sua ação sobre o gatilho, necessita empregar sua força física sobre um componente do mecanismo desta para concretizar as operações prévias e necessárias ao d isparo seguinte, tornando-a pronta para realizá-lo” (BRASIL, 2000). Os exemplos mais corriqueiros são os revólveres, alguns tipos de fuzis e carabinas.

- Armas semiautomáticas: Segundo o Decreto nº 3665, art. 3º, inciso

XXIII, anexo, são armas “que realizam, automaticamente, todas as operações de funcionamento com exceção do disparo, o qual, para ocorrer, requer, a cada disparo, um novo acionamento do gatilho” (BRASIL, 2000). Nas armas semi-automáticas, como a maioria das pistolas, aproveita-se a força de expansão dos gases, gerados com a queima do propelente para a extração e ejeção do estojo e, com o retorno do ferrolho, a introdução de um novo cartucho na câmara, deixando em condições de efetuar um novo disparo.

- Armas automáticas: Segundo o Decreto nº 3665, art. 3º, inciso X, anexo,

são armas “em que o carregamento, o disparo e todas as operações de funcionamento ocorrem continuamente enquanto o gatilho estiver sendo acionado (é aquela que dá rajadas)” (BRASIL, 2000). O exemplo mais comum das armas automáticas são as metralhadoras.

3.2.5 Classificação quanto ao uso e a mobilidade Quanto ao uso , as armas podem

3.2.5 Classificação quanto ao uso e a mobilidade

Quanto ao uso, as armas podem ser classificadas em:

armas de uso coletivo e e

armas de uso individual. .

Essa classificação está condicionada à para o funcionamento regular da arma.

quantidade de pessoas necessárias

A arma é de uso coletivo quando requer a participação de duas ou mais

pessoas para a sua utilização, a exemplo de algumas peças de artilharia.

É de uso individual quando, para a sua utilização, necessitar de apenas uma pessoa, como pistolas, fuzis, espingardas, entre muitos outros exemplos.

Quanto à classificação em relação à mobilidade, existem diferenças conforme

a interpretação dos diferentes autores. Entretanto, para os profissionais da

área de segurança pública é importante que se adote as definições contidas no Decreto Lei N.º 3665, de 20 de novembro de 2000 (R105), que é a referência legal para este tema, transcrito a seguir:

- Arma não-portátil: “arma que, devido às suas dimensões ou ao seu

peso, não pode ser transportada por um único homem”. (BRASIL, 2000 Anexo, art. 3º - inciso XX) Os exemplos mais comuns são as peças de artilharia.

- Arma de porte: “arma de fogo de dimensões e peso reduzidos, que

pode ser portada por um indivíduo em um coldre e disparada, comodamente, com somente uma das mãos pelo atirador; enquadram -

se, nesta definição, p istolas, revólveres e garruchas ”. (BRASIL, 2000 – Anexo, art. 3º

se, nesta definição, p istolas, revólveres e garruchas ”. (BRASIL, 2000

Anexo, art. 3º - inciso XIV)

- Arma portátil: “arma cujo peso e cujas dimensões permitem que seja transportada por um único homem, mas não conduzida em um coldre, exigindo, em situações normais, ambas as mãos para a realização

eficiente do disparo” (BRASIL, 2000 Anexo, art. 3º -

inciso XXII). Nessa

definição, enquadram-se os fuzis, carabinas e espingardas, entre outros.

Dessa forma, as armas de fogo são classificadas quanto à mobilidade em:

arma não-portátilarmas de fogo são classificadas quanto à mobilidade em: arma de porte arma portátil Nota Em

arma de porteclassificadas quanto à mobilidade em: arma não-portátil arma portátil Nota Em relação ao critério da

arma portátilquanto à mobilidade em: arma não-portátil arma de porte Nota Em relação ao critério da mobilidade,

Nota

Em relação ao critério da mobilidade, Eraldo Rabello, as dividem em: fixas, móveis, semiportáteis e portáteis.

Como você estudou anteriormente, seriam inúmeros os critérios que permitiriam classificar uma arma de fogo. Além das formas de classificação apresentadas nesta aula 3 do Módulo I, as armas de fogo podem ser classificadas pelo seu calibre, pelo tipo de acabamento, entre outros fatores. Entretanto, os policiais diariamente classificam as armas quanto ao aspecto legal de seu uso em:

- Arma de uso permitido: arma cuja utilização é permitida a pessoas

físicas em geral, bem como a pessoas jurídicas, de acordo com a legislação normativa do Exército(BRASIL, 2000 Anexo, art. 3º - inciso XVII).

- Arma de uso restrito : “ arma que só pode ser utilizada pelas Forças

- Arma de uso restrito: “arma que só pode ser utilizada pelas Forças

Armadas, por algumas instituições de segurança e por pessoas físicas e jurídicas habilitadas, devidamente autorizadas pelo Exército, de acordo com legislação específica”. (BRASIL, 2000 Anexo, art. 3º - inciso XVIII)

Esse é o critério proposto pela legislação brasileira que apresenta importância extrema para a tipificação penal e o agravamento da pena. As características

a serem observadas para essa classificação estão listadas nos artigos 16º e 17º do Decreto Lei N.º 3665, de 20 de novembro de 2000 (R 105). 7

Importante!

É importante você conhecer o Estatuto do Desarmamento, que é uma lei

ordinária n o 10 826 de 22 de dezembro de 2003, que regulamenta questões como o registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre

o Sistema Nacional de Armas (Sinarm), dentre outros aspectos. Sobre ela estudaremos em módulo futuro.

Finalizando

Nesse módulo, você estudou que:

Balística é parte da física que estuda o impulso, o movimento e impacto dos projéteis, entendendo-se por projétil qualquer sólido que se move no espaço, após haver recebido um impulso.futuro. Finalizando Nesse módulo, você estudou que: A balística pode ser dividida em: balística interior,

A balística pode ser dividida em: balística interior, balística exterior e balística terminal.que se move no espaço, após haver recebido um impulso. Balística forense é a parte da

Balística forense é a parte da balística de interesse da justiça.interior, balística exterior e balística terminal. Conforme o anexo do Decreto Lei N.º 3665, de 20

Conforme o anexo do Decreto Lei N.º 3665, de 20 de novembro de 2000 – (R105), armas de fogo são: “armas que arremessam projéteis empregando a força expansiva dos (R105), armas de fogo são: “armas que arremessam projéteis empregando a força expansiva dos gases gerados pela combustão de

um propelente confinado em uma câmara que, normalmente, está solidária a um cano que tem

um propelente confinado em uma câmara que, normalmente, está

solidária a um cano que tem a função de propiciar continuidade à

combustão do propelente, além de direção e estabilidade ao projétil.”

Dentre os inúmeros critérios para a classificação armas de fogo, podemalém de direção e estabilidade ao projétil.” ser destacados alguns como: alma do cano, carregamento,

ser destacados alguns como: alma do cano, carregamento, inflamação,

funcionamento, uso e mobilidade;

Os aspectos legais relacionados aos conceitos e os aspectos decarregamento, inflamação, funcionamento, uso e mobilidade; classificação de arma de fogo estão descritos no Decreto

classificação de arma de fogo estão descritos no Decreto nº 3665 , de 20

de novembro de 2000 (R-105).

Exercícios

1) O ramo da balística que estuda os movimentos dos projéteis no ar, antes do seu primeiro impacto é:

2)

3)

a) ) Balística interna

(

b) ) Balística exterior

(

c) ) Balística terminal

(

d) ) Balística identificativa

(

Os projéteis expelidos por armas de fogo são geralmente classificados como:

a) ) Instrumentos perfurantes

(

b) ) Instrumentos perfuro-cortantes

(

c) ) Instrumentos perfuro-contundentes

(

d) ) Instrumentos contundentes

(

As armas de antecargas que utilizam espoletas podem ser classificadas em:

a) ) Percussão extrínseca

(

b) ) Percussão intrínseca

(

c) ) Percussão radial

(

d) ) Percussão central

(

4) As armas nas quais o carregamento e o disparo ocorrem continuadamente

enquanto a arma contiver cartuchos no seu receptáculo de munição e o gatilho continuar premido são denominadas:

a) ) Armas de repetição

b) ) Armas de tiro unitário

(

(

c) ) Armas semi automáticas

(

d) ) Armas automáticas

(

5) Qual das características abaixo não é função do raiamento: 6) a) ) maior precisão

5) Qual das características abaixo não é função do raiamento:

6)

a) ) maior precisão

(

b) ) maior alcance e melhor estabilidade da trajetória

c) ) movimento de rotação do projétil

(

(

d) (

) menor dispersão dos balins (projetis de chumbo para espingardas e armas congeneres)

As armas classificadas, quanto à alma do cano, em armas mistas ou armas combinadas:

a) ( ) Necessariamente apresentam no mínimo um cano de alma raiada e um cano de alma lisa.

b) ( ) Apresentam somente dois canos que podem ser paralelos ou sobrepostos

c) ( ) Apresentam dois canos sendo que um deles possui a funcão de tubo carregador

d) ( ) São de tiro unitário dotadas de dois canos raiados

7) Considerando a definição de arma de fogo como “armas que arremessam projéteis empregando a força expansiva dos gases gerados pela combustão de um propelente confinado em uma câmara que, normalmente, está solidária a um cano que tem a função de propiciar continuidade à combustão do propelente, além de direção e estabilidade ao projétil.”, informe qual das armas abaixo pode ser classificada como arma de fogo:

a) ) espingardas de ar comprimido

(

b) (

) Zarabatana

c) (

) thaser

d) ( ) espingardas artesanais de antecarga

8) Para

efeito

de

classificação

das

armas

classificadas:

a) ) Quanto ao sistema de inflamação

b) ) Quanto à alma do cano

(

(

c) ) Quanto à mobilidade e ao uso

(

d) ) todas as anteriores

(

de

Gabarito:

1- B ; 2-C ; 3-A ; 4-D ; 5 -D ; 6 -A ; 7-D ; 8-D

fogo,

elas

podem

ser