Técnicas de Coaching – Especificação de Objetivos – 1ª Parte

Publicado em dezembro 7, 2009 | 3 Comentários

6 Estrela(s)

Voltando ao nosso assunto atual, amos a!ora a"render uma no a t#cnica de coac$in!, %ue somado a outras, "ode &azer um e'celente trabal$o na realiza()o de seus ob*eti os+ Primeiramente, amos con$ecer a "lanil$a de "reenc$imento desta t#cnica,

-!ora. e posteriormente. amos relembrar um "ouco de nossos e'erc. a"rendemos a cate!orizar . imos a im"ort0ncia de se ter seus ob*eti os listados.cios anteriores+ /oprimeiro artigo desta s#rie.

um Corsa 3ed) 4 "ortas na cor in$o+ Com este ob*eti o em mente. amos entender cada um dos cam"os %ue temos dis"on. a"enas temos uma bonita lista de ob*eti os. eis. como o . como "or e'em"lo as t#cnicas 31-78 e 9ro: de ob*eti a()o. sem se "reocu"ar com o %ue "ode "re*udicar seus dese*os+ >m e'em"lo de ne!ati ismo. se "reocu"ar com seus &uturos !astos+ Asso destr5i com"letamente o "rocesso de cria()o. de &orma %ue "ossamos er %ual ob*eti o esta li!ado a determinada área de nossa ida+ 1as at# ai. ami!os. no "er. a &erramenta %ue irá mel$orar a isualiza()o de cada um de nossos ob*eti os. # sem"re manter seu dese*o dentro do "ositi ismo+ Asso &unciona %uando oc6 mentaliza o %ue %uer. de com"rar um carro. 1ª ETAPA – O Q E! 1. >m Carro modelo Corsa 3ed) com 4 "ortas na cor in$o < =e&ina o conte'to deste seu dese*o. # interessante &azermos tamb#m uso de outras t#cnicas utilizadas "elo coac$in!. %ue "osteriormente estarei descre endo sua total &uncionalidade+ Por en%uanto. se*a &amiliares. Anclua neste momento. res"onder a estas %uest. ou %ual%uer outro ti"o de "essoa %ue "ossa estar ao seu lado+   < @uandoB =e&ina um "razo.O que você deseja especificamente? Qual o contexto? (Onde você quer que isto aconteça? Quem participa deste objetivo? Quando?) st! formulando de forma positiva? " alcanç!vel? Para este "rimeiro le antamento. >m &ator muito im"ortante. e "ode tornar um son$o. onde e como oc6 dese*a %ue isso aconte(a. as "essoas %ue ir)o "artici"ar ati amente de seu ob*eti o. Com"rar um carro. no nosso caso. n)o ai se realizar sozin$a+ Por isso entra a!ora. em um "esadelo+  < C -lcan(á elB Este # o "rinci"al elemento de seu ob*eti o+ Ele # alcan(á elB E'iste uma real "ossibilidade de oc6 obter o %ue dese*a dentro do "razo esti"uladoB Essas "er!untas sem"re s)o mel$ores res"ondidas utilizando outras t#cnicas de coac$in! em con*unto. e im"rima uma c5"ia "ara %ue oc6 "ossa acom"an$ar cada uma das eta"as de es"eci&ica()o de ob*eti o+ -!ora. mas inconscientemente. amos come(ar a a"licar esta no a t#cnica do coac$in!. # dese*ar ter o carro. Co"ie a ima!em acima "ara seu com"utador.es le antadas *á a*uda a es"eci&icar mel$or o nosso dese*o+    < =e&ina e'atamente o %ue oc6 dese*a.estes ob*eti os. ou utilizar um dos ob*eti os %ue mencionei num dos arti!os anteriores.odo de ? ano+ < @uem "artici"a deste ob*eti o. %ue se &icar !uardada na nossa !a eta. e &azer com %ue ele se torne cada dia mais real em nossa ida+ 2 "rimeiro "asso # escol$er um dos ob*eti os listados "ara se trabal$ar+ Como e'em"lo. mais es"eci&icamente. de ? ano "ara a a%uisi()o deste ob*eti o+ < Pensamento "ositi o.

de"ende de como ele ai in&luenciar sua ida. como "or e'em"lo a DAma!em 1entalE. "odemos *á estabelecer o %ue c$amamos de D-nálise 3:ot Andi idualD. amos "assar "ara a se!unda eta"a de nosso e'erc. %ue dese*e em um ano com"rar uma &errari ultimo modelo+ /)o "osso dizer %ue se*a um ob*eti o im"oss. onde oc6 "ode i enciar e'atamente as sensa(. con$ecer as sensa(. ao con%uistar seu ob*eti o.*á citado 31-78. mais suscet. %ue tamb#m in&luencia de &orma marcante a realiza()o de nossos ob*eti os. atra #s de t#cnicas e estrat#!ias. & $ O que você gan'a com isso? Quais s%o os benef(cios que você obter!? Este %uestionamento # de e'trema im"ort0ncia "ara a realiza()o de seu ob*eti o+ -tra #s destas "er!untas. n)o conse!uem mant6<lo+ Asso acontece "or%ue elas n)o "ensaram antes. e desta &orma. el a realiza()o+ ) $ O que você perde com isso? ste objetivo ou resultado esperado afeta negativamente outras pessoas ou o meio que você fa* parte? (+e sim. el.cio. e conse!uir. n)o a este "razo+ /en$um son$o # im"oss.es de coac$in!.cio &eito nas sess. el. nos elementos o"osit5rios de sua con%uista+ 8odo o "lane*amento "ara a con%uista do seu ob*eti o. &ormulas sa.das alternati as "ara as di&iculdades+ # $ Qual a evidência de que você conseguiu? Qual a representaç%o mental de seu ultimo passo? Este # outro "onto im"ortante da ? eta"a+ @ual será a "ro a material de %ue oc6 conse!uiu realizar seu son$o+ /o caso de nosso e'em"lo. e tornar seu son$o cada dia mais real+ "ª ETAPA – PO#Q E! -!ora. abro um "ar6ntese "ara a*udar a entender mel$or o conceito de -lcan(á el+ Ama!ine uma "essoa sem nen$uma renda. o coac$in! tamb#m "ossui 5timas &erramentas. mais "r5'imo de si. tamb#m # im"ortante saber o %ue "odemos "erder na realiza()o de nosso ob*eti o+ 1uitas "essoas. e tamb#m uma análise s:ot sobre as "erdas e !an$os %ue oc6 terá ao con%uistar este ob*eti o+ /este "onto. mas de &orma %ue saibamos todos os "r5s e contras deste ob*eti o realizado+ @uando oc6 determina os bene&.cios de seu ob*eti o "ara oc6. # um dese*o %ue n)o "ode ser classi&icado de alcan(á el. mas &alando estrat#!icamente. e isso # muito comum. tanto de &orma "ositi a como de &orma ne!ati a+ 3aber *á de antem)o. de %ue .es de nossa ida diária. le ando em considera()o a atual situa()o da "essoa.cios. um e'erc.es %ue ir)o des"ertar em oc6 %uando isso acontecer+ Para isso. "ois a "essoa "ode ter uma !rande sorte de conse!uir isso. %ue a*uda a manter &i'o o nosso ob*eti o em mente. oc6 torna este ob*eti o mais a!radá el. @uando esti er diri!indo o Corsa 3ed) 4 Portas+ >ma res"osta sim"les e muito im"ortante "ara a concretiza()o do seu ob*eti o+ 1as n)o adianta a"enas res"onder a esta "er!unta. # uma res"osta &ácil de se dar.es. o que você pode alterar no seu objetivo para que afete apenas positivamente outras pessoas ou meio?) =a mesma &orma %ue er os bene&. oc6 "recisa tamb#m i enciar este momento. e das "er!untas se!uintes. mas "recisamos tamb#m res"eitar as limita(.

mas se n)o obser ados a tem"o. ou encerrando a%ui esta "rimeira "arte.orque isto / relevante para você? C$e!amos a um "onto determinante de nossa &erramenta+ Fe antar a real im"ort0ncia deste dese*o em nossas idas+ Por%ue # im"ortante "ara oc6 realizar seu dese*oB Vamos continuar em nosso e'em"lo. e "e(o %ue comentem sobre o %ue est)o lendo. 1obilidadeB =e %ue &orma este seu dese*o in&lu6ncia diretamente a oc6B -%ui. e suas conse%I6ncias+ 8en$a um 5timo dia.es. cr.&orma o seu dese*o irá re&letir em sua ida. at# a "ublica()o da continua()o deste arti!o. onde iremos &inalmente a"render como %ue nossos dese*os e son$os "oder)o se tornar realidade+ Es"ero realmente %ue este*am !ostando desta s#rie de arti!os. Por%ue # im"ortante ter um carroB 3tatus. "ara eri&icar se de al!uma &orma este seu dese*o entra em con&lito com seus alores de ida+ Con&litos. 3e!uran(a. %ue &ala e'atamente de dese*os. ou dei'ar um linH de um Conto Andiano.$ .orque isto / importante para você? Quais os valores que você ir! satisfa*er com esta meta? . "odem ser resol idos no inicio. =ese*o 3ucesso a todos+ . torna<se um elemento de ital im"ort0ncia "ara a "erman6ncia de seu dese*o a"5s a sua con%uista+ . me com"rometendo a oltar com a se!unda "arte desta t#cnica.ticas+ 8odos os comentários ser)o lidos e res"ondidos+ Para abre iar min$a aus6ncia. dicas. tamb#m "odemos utilizar muitas &erramentas de coac$in!. su!est. se trans&ormam e monstros destruidores de son$os+ @uanto te'to++ rsrsrsG /)o ac$ei %ue este tema &osse se "rolon!ar tanto+ Para n)o cansar a leitura.

2009 | 7 Comentários ? Estrela(s) Voltamos para continuar nosso bate papo sobre Especificação de Objetivos (ver parte 1). e de como será poss vel obt!"los.Técnicas de Coaching – Especificação de Objetivos – "ª Parte Publicado em dezembro 7. através de uma série de questionamentos que nos levará a ter uma melhor compreensão de nossos desejos. vamos começar a colocar nossos desejos em prática. . Nesta Etapa final.

Vamos então a# $ª ETAPA – CO%O! .

e é neste momento. qualidades. estudar muito mais a dica anterior. se preparando em dobro para a reali%ação de seu objetivo. quais as ferramentas que iremos utili%ar para alcançar nossos objetivos. se nunca nin-uém reali%ou tal feito. podemos sim criar esta analo-ia. sem perder a se-urança. ele sai em sua jornada. con'ecimentos4m/todos.uando um aventureiro se prop/em a reali%ar um -rande feito. 8endo nosso mapa já determinado. e se voc! tiver plena certe%a da reali%ação. capacidades pessoais) $ neste momento que começamos a estipular. também é muito importante reali%ar esta etapa. . também é importante verificar o quanto isso é poss vel de ser reali%ado. 8 $ Quais s%o os passos para conseguir isto? Qual ser! seu plano de aç%o? Estando preparado. Otimi%ação de nosso tempo. tempo. 9 $ Qual ser! o seu primeiro passo? 3-ora fica mais fácil definir o nosso primeiro passo. será necessário uma habilidade diferente e especial. )as ainda antes de dar o primeiro passo.uando vamos viajar. pode ser a criação de um (undo )onetário *&oupança+. da forma como nos preparamos. se e4iste al-uma forma de economi%ar tempo e dinheiro. . como por e4emplo a 56oad)ap7. &ara reali%ar nossos objetivos. é mais fácil caminhar sobre ele. )as também. que colocamos nossas armas a postos. quando se utili%as técnicas conhecidas de 'oachin-. é muito comum que antes estudemos um mapa. é recomendável que já esteja preparado nossa rota. . . 1e conhecemos al-uém que tenha conse-uido reali%ar este objetivo. quando esta realmente preparado. &ode ser um 'urso. para começar a -rande aventura de conquistar nossos objetivos. e s0 então. 5 $ Quais s%o as formas para conseguir isto? Quais ser%o suas estrat/gias? 6ocê con'ece algu/m que j! fe* isto? 7omo esta pessoa conseguiu? Estando preparado para nossa jornada. uma técnica para estabelecer pontos de controle de um objetivo. entre muitos outros recursos que nem temos idéia de possuir. preparando assim o terreno de nossa jornada. de que forma o objetivo foi alcançado. Na reali%ação de nossos desejos.0 $ 1o que você vai precisar? (2ecursos 3inanceiros. Elaborar um plano de ação pode ser fácil. é quando vamos realmente começar nossa jornada. verifica se possui todo o conhecimento e habilidades necessários. e com casos estudados a respeito. é o momento de analisar se é realmente poss vel.escobrir e aprimorar nossos talentos e capacidades pessoais. &ara cada desejo. 'abilidades. temos que a-ir da mesma forma. &osteriormente farei um arti-o para este assunto especifico. ele se prepara muito antes de iniciar sua jornada. 3nalisar como foi feito. para saber por onde devemos e podemos ir. este al-uém pode ser um estudo de -rande import2ncia para nossa preparação. entre muitos outros preparativos que uma via-em requer. verifica seus equipamentos. é uma ajuda muito -rande na reali%ação de nossos pr0prios objetivos. Na realidade.

absolutamente nin-uém neste mundo. foi que ele abriu um leque muito -rande de opç/es de novos arti-os. nenhum desejo está ao seu alcance. e o que mais -ostei ao escreve"lo. não fi%er parte de sua ess!ncia. recomendo a leitura deste artigo.epende de quem a reali%ação deste objetivo9 $ necessário que voc! tenha plena convicção. e colocar suas ener-ias para que ele se reali%e. E se voc! esta lendo até este ponto. os pontos fracos.. . mas sim um vencedor. =ma realidade. infeli%mente. e se este for o seu caso. a <. isso inclui suas escolhas também. ou sicrano não colaborou. se voc! mesmo não acreditar nisso. . verifique os pontos fortes. como um mecanismo capa% de transformar vidas.eterminar nosso comprometimento com o nosso objetivo. é que nin-uém. Enquanto este comprometimento.. O que voc! pode fa%er para aumentar o seu -rau de comprometimento9 6e"avalie novamente todo o quadro da reali%ação de objetivos. numa escala de . per-unte a si mesmo. 11 $ Qual o seu grau de comprometimento em reali*ar isto? O que você pode fa*er para aumentar o seu grau de comprometimento? 3valie seu -rau de comprometimento. o quanto esta comprometido. 1e lamentar que não conse-uiu conquistar al-o porque fulano atrapalhou. Esta é a finali%ação de nosso arti-o. é a mais comum das desculpas dos perdedores.1: $ 1epende de quem para que seu objetivo seja reali*ado? O que você pode fa*er para que este objetivo dependa de você para ser iniciado 'oje e mantido por você? 3-ora che-amos na chave da reali%ação de nossos objetivos e desejos. que podem aprimorar o nosso conhecimento a respeito do 'oachin-. Voc! deve aceitar que tem o controle total sobre sua vida. isso prova que voc! não é um perdedor. Voc! determina o que vai possuir o conquistar. do mais simples ao mais comple4o. analise com muito cuidado. &ara a reali%ação de qualquer desejo. . irá mover uma palha para que seu objetivo se torne realidade. 8odos os seus desejos dependem unicamente de voc!. 1e voc! ainda tem d:vidas sobre o seu comprometimento. de que forma este objetivo pode ser importante para voc!. de que seus desejos dependem unicamente de voc!. não é aceito um comprometimento menor que <.

e a-uardo com ansiedade. os comentários estão abertos. e todos serão lidos e respondidos. 3braços e 1ucesso 1empre> . 3proveitem também para tirar suas d:vidas.Espero que tenha -ostado até aqui. os comentários com criticas. su-est/es e dicas.

"recisamos "lane*ar e calcular cada um de nossos "assos+ .Q 01TA1 -s nossas con%uistas est)o intimamente li!adas ao "lane*amento %ue &azemos de nossa ida+ 3e %ueremos al!o. e muito menos dese*ar+ Voc6 "recisa estabelecer suas metas e ob*eti os e "lane*ar como "retende c$e!ar lá+ Podemos utilizar como metá&ora uma ia!em+ @uando oc6 "recisa realizar uma ia!em.mel$or &orma de realizar todos os nossos son$os # "lane*ar+ Pare uns minutos de ler este arti!o e re&lita sobre o %ue esta &altando em sua ida. eri&ica a distancia %ue irá "ercorrer. Publicado em *un$o 22. $o*e. se*a em sua ida "essoal. e "ara %ue isto se torne realidade. o %uanto ai !astar durante o tra*eto. ia!ens de &#rias+ Como oc6 se sente ao "ensar nisso tudoB Voc6 se sente bem e &eliz consi!o mesmoB 2u sente %ue esta &azendo muito "ouco "ara con%uistar seus ob*eti osB Voc6 "ode ter tudo o %ue dese*a em sua ida. 20?2 | =ei'e um comentário Voc6 esta satis&eito com sua ida atualB Está satis&eito com seu trabal$o. oc6 a "lane*a com anteced6ncia. com seus relacionamentos. se irá de Knibus ou de carro. um carro. "ara %ue oc6 "ossa se sentir realizado e "leno+ Voc6 de e ter "ensado em muitas coisas. se ai . n)o basta oc6 a"enas acreditar. como em sua ida "ro&issional+ >m em"re!o no o.E/A%E. o camin$o %ue irá tomar.P&anejando e Con'(istando )*coach *desenvo&vi+ento. um relacionamento "er&eito.TO E CO. com seus a"rendizadosB 2 %ue oc6 está &azendo "ara criar um &uturo "romissorB 2 %ue &alta "ara sua ida se tornar "lenaB Juscando encontrar seus camin$osB >m Coac$ "ode ser o seu !uia+ P-A.

es+ -bra(os e 3ucesso 3em"reG Coac$ =ou!las Merreira Metodologia Coaching #E . O local para reali%ação das reuni/es pode ser in compan? ou em escrit0rio de atendimento. ETAPA1 3O COAC40. mas ainda se sente "erdido ao "lane*ar seus "assos. oc6 de e ter o mesmo cuidado. com mais detal$es e com eta"as bem de&inidas+ E %ual # a mel$or &orma de oc6 realizar este "lane*amento com se!uran(aB Contratando um Personal Coac$+ 3e oc6 "ossui son$os e metas. entre em contato com um Personal Coac$+ Ele terá todas as &erramentas e $abilidades "ara a*uda<lo a se direcionar "ara um &uturo de sucesso e realiza(. onde ai se $os"edar+ E %uanto maior &or o "lane*amento. Valores e crit#rios "essoais e "ro&issionais Ca"acidades e %ualidades desen ol idas e a desen ol er Com"ortamentos dese*ados e indese*ados . "ara n)o dizer %ue "ode ter um cuidado ainda maior+ 2 "lane*amento de e ser muito mais minucioso.ocorre por meio de reuni/es individuais.es+ Caso dese*e mais in&orma(."arar "ara comer al!o. quin%enal ou mensalmente. reali%adas semanal.02E1 3 reali%ação do pro-rama de 'oachin.alia()o 360O (%uando a"licá el) =eclara()o da situa()o atual 1iss)o (%uando a"licá el)          . estaremos a sua dis"osi()o "ara dL idas e su!est.es. maiores s)o as c$ances de sucesso em sua ia!em+ Com seus ob*eti os e metas.5 3 estrutura básica das etapas do processo é# <@ Etapa# 7oda da Vida Coleta de dados detal$ada da situa()o atual Nist5rico de e entos "essoal e "ro&issional Adentidade.

serão a-endadas as pr04imas sess/es através de um contrato. %uando e como &azer (metas) 1#todos de monitoramento Estrat#!ias     C@ Etapa# 7ea alia()o 7econ$ecimento do a"rendizado ad%uirido no "rocesso MeedbacH Ante!ra()o de a"rendizados Ponte ao &uturo      Essa estrutura pode variar de acordo com a necessidade da pessoa ou or-ani%ação e outras atividades poderão ser incorporadas em qualquer etapa. 6erra+entas de Coaching – 17ot Pessoa& Publicado em *un$o 29. e estaremos respondendo o mais breve possivel.com. envie um comentário ou mande um e"mail para dou-las. ca"acidades e com"ortamentos "ara o alcance da situa()o dese*ada -lin$amento de n. Criar conscientiza()o e res"onsabilidade A@ Etapa# Es"eci&ica()o clara e de&inida da situa()o dese*ada -"lica()o da condi()o de boa &ormula()o de ob*eti os Adenti&ica()o de cren(as. onde a partir deste primeiro contato. 2009 | 3 Comentários ? Estrela(s) . caso seja comprovado a eficacia do 'oachin-.es 2 %ue. eis mentais     B@ Etapa Plane*amento e E'ecu()o de -(. para conhecer o processo e as técnicas utili%adas.coachD-mail. &ara entrar em contato. Oferecemos para nossos clientes uma sessão -ratu ta.

temos um relat5rio %ue cont#m in&orma(. mercadol5!icas) . # "reciso saber a $ora de nos atualizarmos e nos ca"acitarmos "ara as mudan(as %ue sem"re acontecem. n)o e'iste "roduto maduro sem o"ortunidades. em "ortu!u6s P Mor(as. tecnol5!icas. *á %ue. bem como e'aminar as o"ortunidades e as amea(as %ue "oder)o ser en&rentadas no mercado de atua()o+ Como resultado dessa análise.Em "lane*amento estrat#!ico. onde %uer %ue este*amos+ C "reciso ter autocon&ian(a. Mra%uezas. socioculturais. a&inal. %ueremos c$e!ar dentro de al!um tem"o. mas sim a &alta de is)o na carreira+ Fe ando em considera()o %ue cada um # res"onsá el "or sua "r5"ria carreira e %ue %uando a mesma # bem administrada a sensa()o de autonomia # maior. 2"ortunidades e -mea(as) # uma maneira bastante e&iciente de identi&icar os "ontos &ortes e &racos de uma or!aniza()o.cio "r5"rioB Como "oderia ser uma Danálise 3Q28 "essoalE Vamos *á "ensar em uma. &or(as e &ra%uezas) e sobre &atores e'ternos (opportunities and threats. P$ili" Rotler. mas !erentes sem ima!ina()o. de acordo com o !uru do 1arHetin!. o"ortunidades e amea(as)+ 1as. le ando em conta determinadas forças macroambientais(econKmicas.O< (Strengths. a an!lise +. Opportunities and Threats. inde"endentemente do "orte da or!aniza()o na %ual nos encontramos. Weaknesses.es a res"eito de &atores internos da em"resa ( strengths and weaknesses. "odemos a"ro eitar a id#ia e dizer %ue n)o e'iste um "ro&issional sem o"ortunidades. "ara saber onde estamos e onde. e se usarmos essa &erramenta em bene&.

es !lobalizados+ Para &acilitar a analo!ia. "ersonalidade. as o"ortunidades do mercado e o %ue de mel$or a em"resa "oderá &azer "ara a"ro eitá<las. uma Danálise 3Q28 "essoalE "oderá mostrar um "anorama de nossas %uali&ica(. uma is)o do terreno onde se encontra a em"resa.03A3E1: Es&orce<se "ara descobrir na sua área de com"et6ncia as &or(as %ue "ossui e %ue n)o est)o sendo bem utilizadas. em n. com os mesmos "ontos &ortes e &racos+ Fo!o. as %uest.es le antadas "or uma Danálise 3Q28E "ara a ida "ro&issional seriam as se!uintes. e'iste al!uma tend6ncia do mercado %ue "ode ser ista como o D"ulo do !atoE "ara oc6B E'iste al!uma área correlata S sua na %ual "ode in estir e "restar um bom ser i(o ou o&erecer um bom trabal$o. STRENGTHS86O#9A1: Perceba.A1: Adenti&i%ue as áreas em %ue $a*a maior con&lito. . %uais com"et6ncias e con$ecimentos s)o necessários desen ol er "ara atender ou acom"an$ar as mudan(as atuais+ Portanto. mel$or a"ro eitados. em %ue as"ectos oc6 "ode mel$orarB @ue ti"o de tare&a ou atribui()o oc6 ainda n)o &az satis&atoriamenteB 2 %ue de e ser e itadoB E'istem %uei'as de seu su"erior diretoB 2 %ue ainda n)o &oi cum"rido "or oc6B 2 %ue ainda n)o está sendo entendido "or oc6 em sua área de atua()oB OPPORTUNITIES 8OPO#T . atra #s de uma estrat#!ia %ue contem"le. id#ias e ins"ira(. as"ectos &inanceiros)+ Claro. sua em"resa e seus cole!as "ercebem como sua maior &or(aB @ual o seu !rau de esclarecimento e in&orma()o sobre o mundo ao redorB Ve*a o %ue o le a a ter maior distanciamento de seus concorrentes no mercado de trabal$o+ WEAKNESSES 86#AQ E. ao mesmo tem"o. mas nunca este e antesB @uais as erdadeiras o"ortunidades S mostra no mercado de trabal$o atualB -nalise a situa()o e "ense+ Feia e estude muito+ -tualize<se+ 1anten$a contato com seus cole!as "r5'imos e com a%ueles %ue &ormam seu networking+ THREATS 8A%EA9A1: Visualize o mundo e'terior e se*a tamb#m um "ouco intros"ecti o "ara entender o %ue "ode ser "re*udicial S sua carreira+ @ue obstáculos e'istem "ela &renteB 2 %ue os demais "ro&issionais. se a ida # de cada um. ca"acidade de a"render. o mesmo "ode<se dizer da carreira "ro&issional em tem"os de "ensamentos. %uais s)o as suas anta!ens como "ro&issionalB 2 %ue oc6 &az de mel$orB 2 %ue o mercado. ser e de a"oio "ara %ue as &ra%uezas da mesma se*am minimizadas e os "ontos &ortes. el indi idual (&orma()o.es.e agentes microambientais. se*am os "ontos &racos de outros atores ou mesmo as brec$as dei'adas "or esses+ =e i!ual &orma. # "ro eitoso saber %ue o ob*eti o da Danálise 3Q28E. descobriremos %uais com"et6ncias e con$ecimentos temos %ue "ermitir)o desbra ar no os rumos na carreira e. a "artir dessas in&orma(. ma'imizados. dentro do "lane*amento estrat#!ico. con$ecimentos.es e do momento "ro&issional %ue atra essamos. # a"resentar um "anorama com"leto n)o a"enas de seu "r5"rio ne!5cio. mas tamb#m dos concorrentes e do ambiente de ne!5cios em %ue se "retende entrar ou no %ual *á se atue+ Este snapshottirado do ambiente de ne!5cio como um todo. e'"eri6ncia. "or outro lado.

re&le')o e "lane*amento+ =uas sim"les "ala ras e uma mesma &orma de encontrar um camin$o+ Monte. analisando nosso momento "essoal e "ro&issional. 7N+com+br 6erra+entas de Coaching – Ensaio %enta& Publicado em *un$o 29. N0s usamos todo o nosso cérebro. mas $á %ue se ter em mente duas "ala ras %uando tratamos de carreira. "odemos tra(ar o "er&il %ue dese*amos "ara nossa carreira e de&inir %ue rumos tomar a "artir da. res"ondendo com consci6ncia e uma certa abstra()o a essas "er!untas. os demais "ro&issionais. 3inda hoje al-uns desavisados falam sobre. est)o se &ortalecendo ou e'istem outros &atores %ue "odem im"edir o seu sucesso na carreiraB Ent)o. O que ainda não aprendemos é usar todo o potencial arma%enado no cérebro. isso si-nifica que o ser humano usa pouco . de &orma !eral. 2009 | ? Comentário 6 Estrela(s) Voc! já deve ter escutado a e4pressão# 5o ser humano não usa nem <. seus concorrentes no mercado.cio. est)o &azendoB -l!uma no a tecnolo!ia tem a er com seu trabal$o atualB -s com"et6ncias necessárias "ara sua área de atua()o est)o sendo alteradasB Voc6 "assa "or "roblemas &inanceiros. de desen ol imento ou al!um outro n)o identi&icadoB Voc6 sente %ue.+ Pode ser %ue *á o &a(amos de outras maneiras. como se isso fosse verdade.com"etidores como oc6. sem %ue se %ueira c$amar de D3Q28E tal e'erc.E de seu cérebro7.

E4istem duas re-ras importantes# < M ter o objetivo e o desejo verdadeiro para fi4ar na tela mental. e portanto. &or esta ra%ão é e4tremamente importante e4ercitar constantemente a auto"ima-em. Kembre"se que ao fa%er este e4erc cio. estimula o sistema l mbico. 3nalise o e4emplo# Voc! está num cinema de ultima -eração. &aul )aclean. tamanho. 'riar uma auto" ima-em positiva de si mesmo é potenciali%ar"se para vencer. o sistema l mbico mobili%a o sistema end0crino -landular M o arsenal qu mico do or-anismo. daqueles que prende voc! do in cio ao fim do filme. . que aqueles são efeitos especiais.. e assim uma série de respostas fisiol0-icas. 8odas as nossas células serão pro-ramadas conforme a informação fi4ada pela ima-em no sistema l mbico. de qualquer forma serão produ%idos os efeitos como se fossem reais. onde acontecem os padr/es automáticos e rotinas li-adas J sobreviv!ncia+. 3s chances de conquista aumentarão muito. ou ima-inário ele responde. cada um funcionando com caracter sticas diferentes# 1istema 6eptiliano *tronco cerebral. o cérebro não distin-uirá entre uma ima-em real percebida pelos sentidos e outras produ%idas ima-inariamente. também é fundamental formular objetivos espec ficos em nossa vida e colocar o filme completo da conquista do objetivo na tela mental. Publicado em *un$o ?T.de suas reservas cerebrais. podemos estimular nosso sistema end0crino -landular para que as emoç/es nos ajudem a direcionar a nossa atenção e o nosso comportamento aos nossos desejosLobjetivos. O que sabemos é que o sistema l mbico rea-e aquilo que é real e ima-inário. 3o dar as respostas aos est mulos. se é real. . criador do conceito do 'érebro 8riuno *tr!s em um+. emoç/es. brilho. Nos anos F. descreveu que o nosso cérebro é composto por tr!s sistemas. 3 ima-em eidética. $ o centro da busca pelo pra%er e pelo afastamento da 5dor7. porque isso reforça a auto" estima. Neste arti-o vou enfati%ar a import2ncia do sistema l mbico para mobili%ação do nosso potencial interior. seu coração pula e voc! muda sua fisiolo-ia. 20?2 | =ei'e um comentário .e repente o assassino corta o pescoço de uma jovem. onde as emoç/es são ori-inadas+. sons e sensaç/es. ou seja. assistindo um filme de terror. . &erceba que o seu cérebro racional sabe que aquilo é um filme. 3ecodificando (+a An<&ise 17ot )*17ot *coach. 1istema K mbico *situado entre o tronco cerebral e os hemisférios. 1abendo disso. independente de ser verdadeiro ou ima-inárioLfict cio. n0s podemos usar as ima-ens mentais para mobili%ar nosso potencial. composta por cores. )as porque rea-imos a esta situação dessa forma9 &orque o sistema l mbico não fa% esta distinção. e repetir constantemente.r.uanto mais voc! reforçar a ima-em mental. permitindo uma maior confiança para encarar os desafios na vida. Ele responde aos est mulos. mais emoti%ado ficará seu objetivo. E4ercite a ima-em mental constitu da pelos resultados positivos que voc! deseja obter. A" repetir várias ve%es a visuali%ação. O sistema l mbico é o 5vulcão das emoç/es7. chefe da Grain Evolution (or 8he National Hnstitute Of )ental Iealth. (aça isso. &or esse motivo. sendo que. e Neoc0rte4 *dividido em hemisfério direito e hemisfério esquerdo+. Voc! v! a cena e salta da poltrona.

Oportunidades e Ameaças) # uma &erramenta muito utilizada "ara realizar a a alia()o de um ou mais cenários. como tamb#m "ro&issional+ 2 "rocesso de trabal$o atra #s de uma análise 3:ot. Fraquezas. "oderemos realizar as mais di ersas análises "ara a an(ar em nosso momento de decis)o+ .aliar a com"ra de um carroU ."artir deste modelo.liaU . será sem"re com"arar dois cenários distintos. ou ent)o o momento atual com o momento &uturo+ -o lado temos a re"resenta()o !rá&ica em um "adr)o internacional de uma matriz 3:ot+ . "oderemos realizar os se!uintes "rocessos.? Estrela(s) 1odelo ilustrati o de uma 1atriz 3:ot Padr)o .aliar e analisar &ormas de in estimentoU          .aliar mudan(as estrat#!icas em um "ro*etoU . se*a de n.aliar o desen ol imento de um no o "ro*etoU .análise +=ot (Análise de Forças.aliar contatos "essoais e sociaisU .aliar a im"lanta()o de no os "rocessosU =e&inir uma ia!em de "asseio com a &am. ."artir desta matriz.aliar a com"ra de uma casa ou a"artamentoU Veri&icar uma mudan(a de carreiraU . el "essoal. %ue en ol em um momento de decis)o im"ortante.

ou as &or(as resultantes de cada cenário a"resentado+ 3raque*a $ (. %ue resultar)o sem"re em uma escol$a acertada em rela()o ao "ro*eto em %uest)o. ou da mudan(a dese*ada em seu "ro*eto+ 8endo todas essas in&orma(. e eri&icar %uais de seus "ro*etos "ossui um maior nLmero de bene&.es detal$adas em sua matriz 3:ot. ou dentro dos cenários a"resentados+ . o desen ol imento será sem"re o mesmo+ Vamos con$ecer cada uma das áreas e ter uma is)o mais clara de sua utiliza()o. de %ue &orma oc6 "ode trabal$ar suas &or(as "ara um mel$or a"ro eitamento das o"ortunidades.cios.)ea?ness> -%ui estaremos de&inindo as &ra%uezas %ue temos atualmente. oc6 a!ora "ode &azer uma análise isual. Entre inLmeras outras o"(.mos. determine todas as amea(as "ro enientes de cada cenário a"resentado. ou tamb#m as &ra%uezas "ro enientes de cada cenário %ue estamos analisando+ Oportunidade $ (O)pportunities> @uais as o"ortunidades %ue "odem sur!ir ao analisar este "ro*eto ou cenárioB =etermine todas as o"ortunidades e a &orma como elas sur!em em cada cenário a"resentado+ @meaças $ (<)'reats> Por &im. como eliminar as amea(as e diminuir seus "ontos &racos+ 3)o inLmeras &ormas de a aliar e analisar.es. 3orças $ (+)trengt'> /esta área. %ue "odem au'iliar no desen ol imento do "rocesso.es limitadas a"enas "ela sua ima!ina()o+ 3e*a %ual &or o "rocesso em %ue a matriz 3:ot será realizada. de&inimos todas as &or(as %ue "ossu.análise 3:ot # ent)o uma &erramenta "oderosa na mudan(a de com"ortamento e de is)o sobre as nossas atua(. "odendo trazer bene&.cios incontá eis "ara o nosso "ro!resso "essoal e "ro&issional+ Voc6 *á &ez uma análise 3:ot em sua idaB Como &oi o resultado a"resentadoB Partici"e em nossos comentários e dei'e sua dL ida ou o"ini)o+ .