Você está na página 1de 188

Contabilidade

Itamar mIranda machado

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Itamar Miranda Machado

Contabilidade

Edição revisada

IESDE Brasil S.A. Curitiba

2012

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

© 2007 – IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos direitos autorais.

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ

M129c

Machado, Itamar Miranda Contabilidade / Itamar Miranda Machado. - 1.ed., rev. - Curitiba, PR : IESDE Brasil,

2012.

184p. : 24 cm

Inclui bibliografia ISBN 978-85-387-2977-8

1. Contabilidade. I. Título.

12-5024.

16.07.12

31.07.12

CDD: 657

CDU: 657

037527

Capa: IESDE Brasil S.A.

Imagem da capa: Shutterstock

Todos os direitos reservados.

Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482. CEP: 80730-200 Batel – Curitiba – PR 0800 708 88 88 – www.iesde.com.br
Batel – Curitiba – PR 0800 708 88 88 – www.iesde.com.brAl. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482. CEP: 80730-200

IESDE Brasil S.A.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Contabilidade

Itamar Miranda Machado

Contabilidade Itamar Miranda Machado Mestre em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP).

Mestre em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP). Especia- lista em Ciências Contábeis pela Fundação Ge- tulio Vargas (FGV). Bacharel em Ciências Con- tábeis pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Executivo e Consultor na Área de Controladoria. Professor de Contabi- lidade Financeira, Gestão Estratégica de Custos e Orçamento Empresarial.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

11

Estrutura Patrimonial e de Resultado

11 Estrutura Patrimonial e de Resultado 11 | A Contabilidade e seus Usuários 15 | Estrutura

11

| A Contabilidade e seus Usuários

15

| Estrutura Patrimonial

19

| Modelo de Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Método das Partidas Dobradas

47

do Exercício (DRE) Método das Partidas Dobradas 47 47 | Débito e Crédito 50 | Representação

47

| Débito e Crédito

50

| Representação gráfica dos lançamentos de débito e crédito

50

| Razonete X Balanço

54

| Características das partidas dobradas

55

| O extrato bancário e as partidas dobradas

57

| Apuração do Resultado do Exercício (ARE)

Princípios Contábeis:

Entidade e Competência

65

(ARE) Princípios Contábeis: Entidade e Competência 65 65 | Princípios Fundamentais da Contabilidade 67

65

| Princípios Fundamentais da Contabilidade

67

| Princípio da Competência

70

| Provisões

71

| Despesas Pagas Antecipadamente

73

| Exercício de fixação (resolvido)

Demonstrações Contábeis I

85

de fixação (resolvido) Demonstrações Contábeis I 85 85 | Depreciação e Amortização 88 |

85

| Depreciação e Amortização

88

| Amortização do Ativo Diferido

91

| Demonstrações Contábeis

92

| Balanço Patrimonial

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Balanço Patrimonial Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Demonstrações Contábeis II

103

Demonstrações Contábeis II 103 103 | Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Demonstração das Origens e

103 | Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR)

125

das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) 125 125 | Explicação da variação do CCL 127

125

| Explicação da variação do CCL

127

| Conceito de origem e aplicação

127

| Modelo da Doar

129

| Esquema para elaborar a Doar

139

| Demonstrações Contábeis: exercício de fixação

Relatório da Diretoria, Notas Explicativas e Parecer dos Auditores

149

da Diretoria, Notas Explicativas e Parecer dos Auditores 149 149 | Relatório da Diretoria 150 |

149

| Relatório da Diretoria

150

| Notas explicativas

154

| Parecer dos Auditores Independentes

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Independentes Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Indicadores de Gestão

165 | EBIT e EBITDA

161

Indicadores de Gestão 165 | EBIT e EBITDA 161 Consolidação das demonstrações contábeis 171 171 |

Consolidação das demonstrações contábeis

171

EBITDA 161 Consolidação das demonstrações contábeis 171 171 | Objetivo 171 | Obrigatoriedade de

171

| Objetivo

171

| Obrigatoriedade de Consolidação

172

| Informações adicionais às demonstrações consolidadas

172

| Uniformidade de práticas

173

| Técnica de Consolidação

174

| Participações minoritárias

Referências

183

174 | Participações minoritárias Referências 183 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Referências 183 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Contabilidade

Introdução

Contabilidade Introdução Propiciar aos participantes o entendimento dos conceitos, registros e dinâmica contábil, bem

Propiciar aos participantes o entendimento dos conceitos, registros e dinâmica contábil, bem como a interpretação dos fatos e a contri- buição das informações no processo de tomada de decisões. Entender as interfaces das demonstrações contábeis compreendendo como os fatos eco- nômicos e financeiros afetam a situação patri- monial da empresa.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado A Contabilidade e seus Usuários Conceito e finalidade A Contabilidade

Estrutura Patrimonial e de Resultado

A Contabilidade e seus Usuários

Conceito e finalidade

A Contabilidade é um sistema bem estruturado que visa à transformação de dados em informações. Funciona como um sistema fabril, uma indústria, por exemplo, que transforma matéria-prima, insumos, mão de obra e horas de máquinas e equipamentos em produto acabado, portanto há uma entrada

de recursos que, após processados pela área produtiva, gera o produto acaba- do. A Contabilidade também funciona dessa forma, pois há uma entrada de dados econômicos e financeiros (tudo que a empresa compra, vende, paga

e recebe), e esses dados são processados e transformados em informações, logo há uma entrada, um processamento e, consequentemente, uma saída. Gouveia (1993, p. 1), caracteriza muito bem isso quando menciona que:

Contabilidade é um sistema muito bem idealizado que permite registrar as transações de uma entidade que possam ser expressas em termos monetários e informar os reflexos dessas transações na situação econômico-financeira em uma determinada data.

Dessa forma, pode-se concluir que o produto final da Contabilidade é a geração de informações que possibilitam a consolidação das informações

econômico-financeiras e a elaboração de relatórios que contribuam para

o processo de tomada de decisões. Como afirma Marion (2003, p. 24): “A

Contabilidade é a linguagem dos negócios. Mede os resultados das empre- sas, avalia o desempenho dos negócios, dando diretrizes para tomadas de decisões”.

Usuários

As pessoas que tomam suas decisões baseando-se nas informações con- tábeis são os chamados Usuários da Contabilidade, evidentemente cada usu- ário tem um objetivo diferente no momento da sua análise, por exemplo:

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

11

por exemplo: Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Sócios/Acionistas (investidores): têm como finalidade principal anali- sar o retorno dos seus investimentos, verificando qual a lucratividade (rentabilidade) gerada e com que grau de segurança (risco), definindo se deve ou não continuar investindo recursos na empresa.

Gestores: utilizam-se do fluxo contínuo de informações sobre os mais variados aspectos da gestão financeira e econômica das empresas para direcionar suas decisões estratégicas, táticas e operacionais.

Governo: tem como grande finalidade a tributação e cobrança de im- postos e taxas, mas também utiliza as informações contábeis geradas pelas empresas para dimensionar alguns indicadores da economia.

Financiadores: normalmente, são as instituições financeiras que em- prestam recursos financeiros para as empresas, o grande objetivo das análises desses usuários é determinar a segurança de retorno do seu dinheiro emprestado. Uma análise criteriosa das demonstrações con- tábeis do cliente contribui para definição do limite de crédito a ser concedido e da taxa de juro a ser aplicada.

Fornecedores: são aqueles que vendem mercadorias e matérias-pri- mas a prazo para a empresa, a exemplo dos financiadores, também precisam determinar a segurança de recebimento do seu crédito.

Esses dois últimos usuários citados (financiadores e fornecedores) são os que chamamos de “Credores” da empresa, pois concederam crédito para ela. Além desses usuários, podemos citar uma série de outros como: os sindica- tos, a imprensa, os institutos de pesquisa e até mesmo as pessoas físicas de modo geral, entre outros.

Diferenças entre as Contabilidades Financeira, Gerencial e Fiscal

A Contabilidade, para atender a essa gama enorme de usuários e cada um com objetivos diferentes, se segregou em pelo menos três grandes áreas: a Contabilidade Financeira, a Gerencial e a Fiscal.

As informações destinadas ao público em geral, principalmente aos cre- dores e aos investidores, são apuradas em conformidade com os Princípios Fundamentais de Contabilidade, que refletem em grau considerável, as exi- gências desses interessados e constituem o que se convencionou denomi- nar Contabilidade Financeira ou Societária.

denomi- nar Contabilidade Financeira ou Societária . 12 Este material é parte integrante do acervo do

12 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

As pessoas responsáveis pela gestão empresarial, também precisam de informações econômico-financeiras para executar seus trabalhos eficiente- mente. Embora grande parte dessas informações estejam contidas nos re- latórios preparados para o uso externo (Contabilidade Financeira), frequen- temente necessitam ser tratadas com enfoque diferenciado para orientar as tomadas de decisões. Esta abordagem no tratamento das informações para uso interno constitui o que se denomina Contabilidade Gerencial.

Em inúmeros países, como no Brasil, acabou por haver uma preponderân- cia no atendimento aos interesses de um dos usuários externos da Contabi- lidade – o Governo, uma vez que esse usuário tem o poder de fiscalização, pois seu grande interesse é poder tributar e para isso acompanha de perto o que se passa na Contabilidade dos seus contribuintes 1.

1 Contribuintes são pesso- as físicas ou jurídicas que pagam impostos.

Como o peso e a influência do Fisco é muito grande e suas necessidades

e imposições têm de ser seguidas, as empresas se viram forçadas a direcionar

grande parte do esforço da sua Contabilidade para atender apenas a este usuário. No entanto, graças ao alto nível do profissional de Contabilidade que, com grande discernimento de sua responsabilidade social perante todos os demais usuários das informações contábeis, soube impedir que a Contabilidade de modo geral fosse subjugada por um único usuário. Portan- to para preservar a Contabilidade Financeira e a Gerencial criou-se, então, uma área destinada exclusivamente a esse usuário (governo), assim, nasceu

a Contabilidade Fiscal, cuja preocupação maior é a apuração de um resultado dentro dos cânones da legislação tributária.

Para que se tenha uma única base de dados, evitando retrabalhos, a Con- tabilidade Fiscal utiliza as informações geradas pela Contabilidade Societária (Financeira) e efetua os ajustes dos lançamentos que não são aceitos pelo Fisco. Esses ajustes, que são tecnicamente denominados de adições e exclu- sões, são feitos num livro chamado LALUR (Livro de Apuração do Lucro Real). Em termos práticos, na realidade, esse livro não apura o lucro real, mas sim

o lucro fiscal.

Muitos itens que são aceitos pela Contabilidade Societária não o são pela Fiscal, por isso a necessidade de se efetuar os ajustes, dentre eles os mais comuns são:

despesas sem comprovantes;

depreciação acelerada (acima das taxas estabelecidas);

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

13

estabelecidas); Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br 13

Estrutura Patrimonial e de Resultado

despesas com multas;

resultado de Equivalência Patrimonial;

recebimento de dividendos (quando transitam pelo resultado da em- presa);

gratificações pagas aos administradores (sócios/acionistas e diretores estatutários);

doações que não estiverem enquadradas nos limites da lei.

Apenas para ilustrar, supondo que uma pessoa física obteve $10.000 de receitas no ano e pagou $4.000 de despesas com educação de um filho. Para simplificar o exemplo, vamos partir do pressuposto que houve apenas essa movimentação no ano. O Regulamento do Imposto de Renda das Pessoas Fí- sicas estipula limites para despesas com educação, supondo que esse limite seja de $2.200. Então o lucro dessa pessoa seria assim apresentado:

Itens

Receitas

Despesas com educação

Lucro

Contabilidade

Contabilidade

Societária

10.000

(4.000)

6.000

Fiscal

10.000

(2.200)

7.800

Portanto, a pessoa obteve um lucro de $6.000 no ano, mas pagará impos- to sobre $7.800. Vale ressaltar que o contribuinte pode gastar o valor que bem entender com educação, cada um é livre para estudar onde se sentir melhor, mas o fisco, para fins de dedução da base de cálculo do imposto, estabelece limites, que nesse exemplo é de $2.200.

A forma correta de apresentar o Lucro Fiscal, conforme mencionado, é através dos ajustes feitos no LALUR, portanto seria demonstrado da se- guinte forma:

Lucro Societário

6.000

Adições:

 

Excesso de despesas com educação

1.800

Base de cálculo IR (lucro fiscal)

7.800

(Diferença entre os $4.000 gastos e os $2.200 que o fisco aceita)

entre os $4.000 gastos e os $2.200 que o fisco aceita) 14 Este material é parte

14 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Quadro comparativo

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Contabilidade

Características

Usuários

Financeira ou Societária

Contabilidade gerada pelos lançamentos normais

Em geral

Gerencial

Contabilidade Financeira ajustada por critérios internos

Internos

Fiscal

Contabilidade Financeira ajustada por exigências fiscais

Governo (Fisco)

Estrutura Patrimonial

A estrutura patrimonial apresenta a composição dos bens, direitos, deveres e obrigações de uma empresa, conforme a seguir:

ATIVO (Bens e direitos)

PASSIVO EXIGÍVEL (Deveres e obrigações) Capital de terceiros

PATRIMÔNIO LÍQUIDO (Capital próprio)

Ativo

Conjuntos de bens e direitos, tangíveis e/ou intangíveis de uma empresa, expressos em moeda, que irão gerar benefícios presentes ou futuros.

Exemplo: dinheiro em caixa ou banco, contas a receber, mercadorias, ter- renos, máquinas, veículos, prédios e outros.

Passivo

Conjunto dos deveres e obrigações de uma empresa, expressos em moeda. Passivo são dívidas, são valores devidos aos credores. Os credores, por se tratarem de pessoas externas, são denominados Capital de Terceiros, ou seja, é o valor que a empresa deve para o mercado. Também é chamado de Passivo Exigível, uma vez que essas obrigações têm um prazo de ven- cimento, cujo pagamento será exigido em determinada data. Portanto, os termos: credores, capital de terceiros e exigibilidades são todos sinônimos de Passivo.

Exemplo: fornecedores, contas a pagar, títulos a pagar, salários e impos- tos a pagar – entre outros.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

15

– entre outros. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Patrimônio Total (ou Bruto)

É o total dos bens e direitos, ou seja, abrange tudo que uma entidade possui, portanto é o seu Ativo.

Patrimônio Líquido

Ao pegar os bens e direitos (ativo) e reduzir os deveres e obrigações (passivo) chega-se ao valor líquido da empresa, ou seja ao valor que os pro- prietários (sócios/acionistas) têm investido na sociedade em determinado momento. Por representar o valor líquido da empresa, é chamado de Patri- mônio Líquido (PL), que é formado pelo capital social, reservas e lucros/pre- juízos acumulados.

Conceitos de Capital

Capital nominal: é o investimento inicial feito pelos proprietários e registrado pela Contabilidade numa conta denominada “Capital”. O capital nominal só será alterado quando os proprietários realizarem investimentos adicionais (aumento de capital) ou desinvestimentos (diminuição do capital).

Capital próprio: corresponde ao conceito de patrimônio líquido e abrange o capital inicial e suas variações.

Capital de terceiros: corresponde aos investimentos feitos na empre- sa com recursos provenientes de terceiros.

Capital total à disposição da empresa: corresponde ao conjunto dos valores disponíveis pela empresa em dado momento (capital próprio + capital de terceiros).

A equação básica da Contabilidade

Pode-se dizer que no Ativo estão registrados os recursos aplicados na empresa e no Passivo e no Patrimônio Líquido a origem desses recursos. Se forem recursos de terceiros estarão lançados no Passivo e se forem recursos próprios estarão lançados no Patrimônio Líquido. Exemplo:

estarão lançados no Patrimônio Líquido. Exemplo: 16 Este material é parte integrante do acervo do IESDE

16 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

ATIVO

PASSIVO

Caixa

1.000

Exigível

5.000

Veículo

5.000

Financiamento

5.000

 

Patrimônio Líquido

1.000

Capital

1.000

Total do Ativo

6.000

Total do Passivo + PL

6.000

Ativo = Passivo + Patrimônio Líquido

Patrimônio Líquido = Ativo – Passivo

Passivo = Ativo – Patrimônio Líquido

O fato do total do Ativo ser exatamente igual ao total do Passivo + Pa-

trimônio Líquido não se trata de mera coincidência, pois para que se tenha bens e direitos é necessário que alguém esteja financiando as aquisições, esse financiamento provém de terceiros (Passivo) ou dos donos (PL). Assim, esse equilíbrio entre as duas colunas, de um lado o Ativo e do outro Passivo + PL, fez com que o nome Estrutura Patrimonial migrasse para Balanço Pa- trimonial. O termo Balanço representa equilíbrio entre as fontes de recursos (Passivo + PL) e as aplicações desses recursos (Ativo).

O Balanço é a fotografia da situação patrimonial de uma empresa em de-

terminado momento, pois mostra o que ela tem de bens e direitos e o que está devendo para terceiros e para os donos em determinada data.

Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Essa demonstração, como o próprio nome sugere, apresenta como se formou o resultado do ano, ou seja, traz de forma detalhada cada um dos componentes que contribuíram para o resultado ocorrido. Para facilitar o en- tendimento, vamos interpretar o nome:

Demonstração = apresentação

Resultado = lucro ou prejuízo

Exercício = ano contábil

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

17

= ano contábil Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Portanto, essa demonstração poderia se chamar “Apresentação do Lucro

ou Prejuízo do Ano”. A DRE é formada por três grandes grupos: Receita, Custo

e Despesa, além dos impostos.

Receita

Considera-se como receita de uma empresa a entrada de recursos, seja

à vista ou a prazo, em função das operações relacionadas à venda de bens,

produtos e mercadorias, prestação de serviços e ainda o resultado positivo de aplicações financeiras, exemplo:

Receita de Venda;

Receita de Serviços Prestados;

Receita Financeira;

Receita de Aluguel.

Despesa

É o bem ou serviço consumido com a finalidade de se obter receitas. Portan- to, as despesas estão relacionadas com a administração e a comercialização:

aluguel de salas;

comissões de vendedores;

juros sobre empréstimos;

gastos com propaganda;

salários e encargos do pessoal das áreas administrativas e comercial;

material de limpeza.

Custo

Custo é a expressão, monetariamente quantificada, da utilização de recur- sos para adquirir ou processar um determinado bem. São os gastos consumi- dos no processo produtivo, portanto são chamados de custo da produção.

produtivo, portanto são chamados de custo da produção. 18 Este material é parte integrante do acervo

18 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Salários e encargos dos funcionários da linha de produção ou presta- ção de serviços

Matéria-prima

Depreciação de todos os bens utilizados na produção

Água, energia elétrica e outros insumos utilizados na produção

O termo produção deve ser entendido como a fabricação de produtos e também a geração de serviços, por exemplo, um escritório de consultoria produz serviços, enquanto uma indústria produz produtos.

Resultado

Conforme já mencionado, é a diferença entre as receitas, os custos e as despesas em um determinado período, quando as receitas são maiores que os custos e as despesas, chamamos de lucro, quando os custos e as despesas são maiores que as receitas, chamamos de prejuízo. Evidentemente que os impostos também fazem parte dessa equação. Exemplo:

Receitas Custos e Despesas Impostos

1.000

Receitas Custos e Despesas Impostos

1.000

(500)

(1.100)

(100)

(100)

Lucro

400

Prejuízo

(200)

Modelo de Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

(+) Receita Bruta de Vendas e Serviços

(–) Impostos sobre Vendas

(–) Devoluções de Vendas

(–) Descontos Concedidos

= Receita Líquida

(–) Custo das Mercadorias Vendidas

= Lucro Bruto

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

19

= Lucro Bruto Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Despesas/Receitas Operacionais

(–) Despesas com Vendas

(–) Despesas Gerais e Administrativas

(+–) Receitas/Despesas Financeiras Líquidas

(+–) Outras Receitas e Despesas Operacionais

(+–) Resultado de Equivalência Patrimonial

= Resultado Operacional

(+–) Resultado Não Operacional

= Lucro Antes do Imposto de Renda

(–) Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social

= Lucro Líquido

A seguir um exemplo de movimentação da situação patrimonial e de re-

sultado de uma empresa.

Supondo que ao levantar os dados patrimoniais de uma empresa, ela apresentasse a seguinte situação:

ATIVO

PASSIVO

Caixa Banco Aplic. Financeira Contas a Receber Imóveis Veículos Móveis e Utensílios

5.000

Exigibilidade Financiamentos a Pagar Consórcio a Pagar Contas a Pagar Impostos a Pagar Salários a Pagar

200.000

10.000

150.000

20.000

30.000

3.000

15.000

200.000

3.000

40.000

2.000

22.000

 
 

Patrimônio Líquido

100.000

Capital Social

70.000

Lucros Acumulados

30.000

Total

300.000

Total

300.000

A partir desse levantamento inicial houve as seguintes movimentações:

levantamento inicial houve as seguintes movimentações: 20 Este material é parte integrante do acervo do IESDE

20 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

1.º Recebimento do Contas a Receber de 3.000.

ATIVO

PASSIVO

Caixa

8.000

Exigibilidade

200.000

Banco

10.000

Financiamentos a Pagar

150.000

Aplic. Financeira

20.000

Consórcio a Pagar

30.000

Contas a Receber

Contas a Pagar

15.000

Imóveis

200.000

Impostos a Pagar

3.000

Veículos

40.000

Salários a Pagar

2.000

Móveis e Utensílios

22.000

 
 

Patrimônio Líquido

100.000

Capital Social

70.000

Lucros Acumulados

30.000

Total

300.000

Total

300.000

Movimentação: houve redução do Contas a Receber e aumento do Caixa. 2.º Pagamento de salário no valor de 2.000.

ATIVO

PASSIVO

Caixa

6.000

Exigibilidade

198.000

Banco

10.000

Financiamentos a Pagar

150.000

Aplic. Financeira

20.000

Consórcio a Pagar

30.000

Imóveis

200.000

Contas a Pagar

15.000

Veículos

40.000

Impostos a Pagar

3.000

Móveis e Utensílios

22.000

Salários a Pagar

 

Patrimônio Líquido

100.000

Capital Social

70.000

Lucros Acumulados

30.000

Total

298.000

Total

298.000

Movimentação: reduziu o Caixa e também a dívida com Salários. 3.º Compra a prazo de Mercadorias para Estoque no valor de 30.000.

ATIVO

PASSIVO

Caixa Banco Aplic. Financeira Imóveis Veículos Móveis e Utensílios Estoque

6.000

Exigibilidade Financiamentos a Pagar Consórcio a Pagar Contas a Pagar Impostos a Pagar Fornecedores a Pagar

228.000

10.000

150.000

20.000

30.000

200.000

15.000

40.000

3.000

22.000

30.000

30.000

 
 

Patrimônio Líquido

100.000

Capital Social

70.000

Lucros Acumulados

30.000

Total

328.000

Total

328.000

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

21

Total 328.000 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Movimentação:

surgiu

a

conta

Estoque

e

também

a

dívida

com

Fornecedores.

 

4.º

Aumento

de

Capital

no

valor

de

30.000

em

dinheiro.

ATIVO

PASSIVO

Caixa Banco Aplic. Financeira Imóveis Veículos Móveis e Utensílios Estoque

36.000

Exigibilidade Financiamentos a Pagar Consórcio a Pagar Contas a Pagar Impostos a Pagar Fornecedores a Pagar

228.000

10.000

150.000

20.000

30.000

200.000

15.000

40.000

3.000

22.000

30.000

30.000

 
 

Patrimônio Líquido

130.000

Capital Social

100.000

Lucros Acumulados

30.000

Total

358.000

Total

358.000

Movimentação: aumentou o Caixa e o Capital Social.

5.º Venda a prazo de todo Estoque de Mercadorias por 80.000.

ATIVO

PASSIVO

Caixa

36.000

Exigibilidade

228.000

Banco

10.000

Financiamentos a Pagar

150.000

Aplic. Financeira

20.000

Consórcio a Pagar

30.000

Imóveis

200.000

Contas a Pagar

15.000

Veículos

40.000

Impostos a Pagar

3.000

Móveis e Utensílios

22.000

Fornecedores a Pagar

30.000

Estoque

 

Ctas. Receber Clientes

80.000

Patrimônio Líquido

130.000

 

Capital Social

100.000

Lucros Acumulados

30.000

Total

408.000

Total

358.000 ???

Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Receita

80.000

Custos

(30.000)

Despesas

Lucro ou Prejuízo

50.000

(30.000) Despesas Lucro ou Prejuízo 50.000 22 Este material é parte integrante do acervo do IESDE

22 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Movimentação: surgiram as contas Receita (DRE) e Contas a Receber de Clientes, zerou o Estoque e surgiu também a conta de Custos (DRE).

Nota-se que o Balanço não está fechando, no Ativo há um total de $408.000 e no Passivo + PL apenas $358.000, isso porque o Lucro da DRE ainda não foi transferido para os Lucros Acumulados do Balanço.

6.º Transferência do Lucro da DRE para o Balanço.

ATIVO

PASSIVO

Caixa Banco Aplic. Financeira Imóveis Veículos Móveis e Utensílios Ctas. Receber Clientes

36.000

Exigibilidade Financiamentos a Pagar Consórcio a Pagar Contas a Pagar Impostos a Pagar Fornecedores a Pagar

228.000

10.000

150.000

20.000

30.000

200.000

15.000

40.000

3.000

22.000

30.000

80.000

 
 

Patrimônio Líquido

180.000

Capital Social

100.000

Lucros Acumulados

80.000

Total

408.000

Total

408.000

Demonstração do resultado do exercício (DRE)

Receita

80.000

Custos

(30.000)

Despesas

Lucro ou Prejuízo

50.000

Movimentação: transferência do Lucro da DRE para a conta de Lucros Acumulados.

7.º Houve despesas diversas no valor de 10.000 que serão pagas somente no próximo mês.

ATIVO

PASSIVO

Caixa Banco Aplic. Financeira Imóveis Veículos Móveis e Utensílios

36.000

Exigibilidade Financiamentos a Pagar Consórcio a Pagar Contas a Pagar Impostos a Pagar Fornecedores a Pagar

238.000

10.000

150.000

20.000

30.000

200.000

25.000

40.000

3.000

22.000

30.000

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

23

22.000 30.000 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Ctas. Receber Clientes

80.000

 
 

Patrimônio Líquido

170.000

Capital Social

100.000

Lucros Acumulados

70.000

Total

408.000

Total

408.000

Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Receita

80.000

Custos

(30.000)

Despesas

(10.000)

Lucro ou Prejuízo

40.000

Movimentação: surgiu a conta de Despesas (DRE) e aumentou o Contas a Pagar (Passivo), em função dessa despesa houve redução do Lucro da DRE e consequentemente dos Lucros Acumulados.

8.º Os acionistas decidiram em assembleia que 30% do Lucro do Exercí- cio deverá ser enviado para eles no máximo em 60 dias.

ATIVO

PASSIVO

Caixa Banco Aplic. Financeira Imóveis Veículos Móveis e Utensílios Ctas. Receber Clientes

36.000

Exigibilidade Financiamentos a Pagar Consórcio a Pagar Contas a Pagar Impostos a Pagar Fornecedores a Pagar Dividendos a Pagar

250.000

10.000

150.000

20.000

30.000

200.000

25.000

40.000

3.000

22.000

30.000

80.000

12.000

 

Patrimônio Líquido

158.000

Capital Social

100.000

Lucros Acumulados

58.000

Total

408.000

Total

408.000

Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Receita

80.000

Custos

(30.000)

Despesas

(10.000)

Lucro ou Prejuízo

40.000

Despesas (10.000) Lucro ou Prejuízo 40.000 24 Este material é parte integrante do acervo do IESDE

24 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Movimentação: houve redução dos Lucros Acumulados e surgiu a conta de Dividendos a Pagar, isso porque os acionistas deram um prazo de 60 dias para envio dos dividendos, se eles exigissem à vista haveria redução do Caixa e não surgiria a conta de Dividendos a Pagar.

Importante: itens com valores iguais a zero não podem constar no Balan- ço, aqui foram apresentados apenas para possibilitar a explicação da movi- mentação ocorrida.

Observa-se que para cada movimentação gerou uma nova situação patrimonial.

Cada item do Balanço e da DRE denominamos de Contas Contábeis daí o termo Contabilidade, que é o conjunto das contas. Portanto, há dois grandes grupos de contas: as Patrimoniais e as de Resultado, conforme a seguir.

Contas Patrimoniais

Como o próprio nome diz são representações gráficas dos elementos pa- trimoniais, que permitem registrar e controlar suas mutações, estas contas estão registradas no Balanço Patrimonial, exemplo: conta caixa, conta esto- ques, conta imóveis, conta fornecedores, conta contas a pagar etc.

Contas de Resultado

São representações gráficas das contas que formam o resultado (lucro ou prejuízo) da empresa, estas contas estão registradas no Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE), exemplo: receita de vendas, receita de servi- ços, custo das mercadorias vendidas, despesas administrativas, equivalência patrimonial e outras.

Plano de Contas

É o elenco de todas as contas utilizadas pela Contabilidade das empresas. Este plano é todo codificado, onde cada conta recebe um código de acordo com o grupo e o subgrupo que faz parte. No Balanço Patrimonial, as contas deverão estar destacadas da seguinte forma:

As contas do Ativo: serão apresentadas de acordo com a sua rapidez de conversão em dinheiro, ou seja, de acordo com o seu grau de liquidez (capa- cidade de se transformar em dinheiro mais rapidamente).

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

25

rapidamente). Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br 25

Estrutura Patrimonial e de Resultado

As contas do Passivo: serão apresentadas de acordo com o seu venci- mento, isto é, serão destacadas prioritariamente as contas que deverão ser pagas mais rapidamente, embora, muitas vezes, haja dificuldades em se es- tabelecer o que será pago primeiro.

O Ativo e o Passivo estão divididos em subgrupos para distinguir os itens

de curto e de longo prazo. A explicação de cada um deles será feita no capí- tulo que trata especificamente do Balanço Patrimonial.

Importante: um plano de contas bem elaborado permite que os dados registrados se transformem em informações. Essas informações podem estar tanto nos Demonstrativos Contábeis, principalmente no Balanço Patrimonial e na Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), como também em rela- tórios específicos para a administração.

A seguir será apresentado um modelo simplificado de Plano de Contas

do Balanço Patrimonial. Cada empresa em função da complexidade de suas operações, deverá adequar o Plano de Contas de acordo com as suas neces- sidades, podendo abrir quantos subgrupos necessitar. No entanto, recomen- da-se que seja de simples aplicação.

Modelo de Plano de Contas

1

Ativo

1.1 Ativo Circulante

1.1.1

Disponível

1.1.1.1 Caixa

1.1.1.2 Bancos Conta Movimento

1.1.1.2.1 Banco A

1.1.1.2.2 Banco B

1.1.2

Aplicações Financeiras

1.1.2.1 Fundos de Investimento

Aplicações Financeiras 1.1.2.1 Fundos de Investimento 1.1.2.2 CDB 26 Este material é parte integrante do acervo

1.1.2.2 CDB

26 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

1.1.3 Clientes

Estrutura Patrimonial e de Resultado

1.1.3.1 Duplicatas

Clientes)

a

Receber

1.1.3.1.1 Cliente A

1.1.3.1.2 Cliente B

de

Clientes

(ou

apenas

1.1.3.2 (–) Duplicatas Descontadas

1.1.3.3 (–) Provisão para Devedores Duvidosos

1.1.4 Outras Contas a Receber

1.1.4.1 Empréstimos a Receber

1.1.4.2 Adiantamento a Funcionários

1.1.4.3 Impostos a Recuperar

1.1.5 Estoques

1.1.5.1 Produtos Acabados ou Mercadorias

1.1.5.2 Produtos em Elaboração

1.1.5.3 Matérias-primas

1.1.5.4 Material de Consumo

1.1.5.5 Material de Escritório

1.1.5.6 (–) Provisão para Perda no Estoque

1.1.6 Despesas Antecipadas

1.1.6.1 Prêmios de seguro a apropriar

1.1.6.2 Aluguéis

1.1.6.3 IPVA

1.1.6.4 Assinatura de Jornais e Revistas

1.2 Ativo Realizável a Longo Prazo

1.2.1 Clientes

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

27

1.2.1 Clientes Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

1.2.2 Contas a Receber

1.2.3 Despesas Antecipadas

1.2.4 Depósitos Judiciais

1.2.5 Empréstimo a Sócios/Acionistas

1.2.6 Empréstimos a empresas Controladas/Coligadas

1.3 Ativo permanente

1.3.1 Investimentos

1.3.1.1 Participações em Controladas/Coligadas

1.3.1.2 Participações em Outras empresas

1.3.1.3 Outros Investimentos

1.3.1.4 (–) Provisão para Perda em Investimento

1.3.1.4 (–) Provisão para Perda em Investimento 1.3.2 Imobilizado 1.3.2.1 Terrenos 1.3.2.2 Imóveis 1.3.2.3

1.3.2 Imobilizado

1.3.2.1 Terrenos

1.3.2.2 Imóveis

1.3.2.3 Instalações

1.3.2.4 Máquinas e Equipamentos

1.3.2.5 Móveis e Utensílios

1.3.2.6 Veículos

1.3.2.7 Marcas e Patentes

1.3.2.8 (–) Depreciações Acumuladas

1.3.2.8.1 Imóveis

1.3.2.8.2 Instalações

1.3.2.8.3 Máquinas e Equipamentos

1.3.2.8.4 Móveis e Utensílios

1.3.2.8.5 Veículos

28 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

1.3.3

Diferido

1.3.3.1

Gastos Pré-Operacionais

1.3.3.2

Pesquisas e Desenvolvimento de Produtos

1.3.3.3

Gastos de Organização e Reorganização

1.3.3.4

(–) Amortização Acumulada

2

Passivo

2.1 Passivo Circulante

2.1.1 Fornecedores

2.1.1.1 Fornecedor A

2.1.1.2 Fornecedor B

2.1.2 Contas a Pagar

2.1.2.1 Água

2.1.2.2 Luz

2.1.2.3 Telefone

2.1.2.4 Aluguel

2.1.3 Empréstimos e Financiamentos

2.1.4 Salários a Pagar

2.1.5 Impostos a Pagar

2.1.6 Provisões

2.1.6.1 Provisão para Férias

2.1.6.2 Provisão para 13.º Salário

2.1.7 Dividendos a Pagar

2.2 Exigível a Longo Prazo

2.2.1 Fornecedores

2.2.2 Contas a Pagar

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

29

Contas a Pagar Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações

Estrutura Patrimonial e de Resultado

2.2.3 Empréstimos e Financiamentos

2.2.4 Obrigações Fiscais

2.2.5 Empréstimos de empresas Controladas/Coligadas

2.3 Resultado de Exercícios Futuros

2.3.1 Receitas Antecipadas

2.3.2 Custos e Despesas Correspondentes

3 Patrimônio Líquido

3.1 Capital Social

3.1.1 Capital Subscrito

3.1.2 (–) Capital a Integralizar

3.2 Reservas

3.2.1 De Capital

3.2.2 De Reavaliação

3.2.3 Legal

3.2.4 Estatutária

3.2.5 Para Contingências

3.3 Lucros (Prejuízos) Acumulados

3.3.1 Lucros (Prejuízos) Exercícios Anteriores

3.3.2 Lucros (Prejuízos) Exercício Corrente

4 Contas de Resultado

4.1 Receita Bruta de Vendas e Serviços

Contas de Resultado 4.1 Receita Bruta de Vendas e Serviços 4.1.1 Receita Filial MG 4.1.2 Receita

4.1.1 Receita Filial MG

4.1.2 Receita Filial SP

4.1.3 Receita Filial RJ

30 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

4.2 Vendas Canceladas

4.2.1 Filial MG

4.2.2 Filial SP

4.2.3 Filial RJ

Estrutura Patrimonial e de Resultado

4.3 Impostos Sobre Vendas e Serviços

4.3.1 Filial MG

4.3.2 Filial SP

4.3.3 Filial RJ

4.4 Custo da Mercadoria/Produto e Serviços Prestados

4.4.1 Custo Filial MG

4.4.2 Custo Filial SP

4.4.3 Custo Filial RJ

4.5 Despesas Operacionais

4.5.1 Despesas Operacionais (MG)

4.5.1.1 Despesas com Vendas

4.5.1.2 Despesas Gerais e Administrativas

4.5.1.3 Encargos Financeiros Líquidos

4.5.1.4 Outras Receitas e Despesas Operacionais

4.5.2 Despesas Operacionais (SP)

4.5.2.1 Despesas com Vendas

4.5.2.2 Despesas Gerais e Administrativas

4.5.2.3 Encargos Financeiros Líquidos

4.5.2.4 Outras Receitas e Despesas Operacionais

4.5.3 Despesas Operacionais (RJ)

4.5.3.1 Despesas com Vendas

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

31

com Vendas Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

4.5.3.2 Despesas Gerais e Administrativas

4.5.3.3 Encargos Financeiros Líquidos

4.5.3.4 Outras Receitas e Despesas Operacionais

4.5.4 Despesas Operacionais – Sede

4.5.4.1 Despesas com Vendas

4.5.4.2 Despesas Gerais e Administrativas

4.5.4.3 Encargos Financeiros Líquidos

4.5.4.4 Outras Receitas e Despesas Operacionais

4.5.4.5 Resultado de Equivalência Patrimonial

4.5.4.5.1 Resultado da Investida A

4.5.4.5.2 Resultado da Investida B

4.6 Resultado Não Operacional

4.6.1 Filial MG

4.6.1.1 Receita de Vendas de Bens Imobilizados

4.6.1.2 Baixa de Bens Imobilizados

4.6.2 Filial SP

4.6.2.1 Receita de Vendas de Bens Imobilizados

4.6.2.2 Baixa de Bens Imobilizados

4.6.3 Filial RJ

4.6.3.1 Receita de Vendas de Bens Imobilizados

4.6.3.2 Baixa de Bens Imobilizados

4.6.4 Sede

4.6.4.1 Receita de Vendas de Bens Imobilizados

4.6.4 Sede 4.6.4.1 Receita de Vendas de Bens Imobilizados 4.6.4.2 Baixa de Bens Imobilizados 4.6.4.3 Perda

4.6.4.2 Baixa de Bens Imobilizados

4.6.4.3 Perda em Investimento

32 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

4.7 Provisão para Imposto de Renda e CSL

Para ilustrar o conteúdo estudado até esse ponto, será apresentado um exemplo da formação da Estrutura Patrimonial e de Resultado desde a cons- tituição da empresa.

Exercício de fixação (resolvido)

1. Constituição da Cia. ABC com capital social no valor de $100.000, sen- do integralizado em dinheiro.

 

ATIVO

PASSIVO

Caixa

100.000

Patrimônio Líquido

100.000

 

Capital Social

100.000

Total

100.000

Total

100.000

2. Compra à vista de móveis e utensílios no valor de $12.000.

 
 

ATIVO

PASSIVO

Caixa Móveis e Utensílios

88.000

Patrimônio Líquido

100.000

12.000

Capital Social

100.000

Total

100.000

Total

100.000

3. Compra de mercadorias no valor de $15.000, sendo $5.000 à vista e o restante a prazo.

ATIVO

PASSIVO

Caixa Móveis e Utensílios Estoque de Mercadorias

83.000

Exigibilidade

10.000

12.000

Fornecedores

10.000

15.000

 
 

Patrimônio Líquido

100.000

Capital Social

100.000

Total

110.000

Total

110.000

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

33

Total 110.000 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

4. Compra de um veículo financiado por $6.000.

 

ATIVO

PASSIVO

Caixa Móveis e Utensílios Estoque Mercadorias Veículos

83.000

Exigibilidade

16.000

12.000

Fornecedores

10.000

15.000

Financiamento

6.000

6.000

 
 

Patrimônio Líquido

100.000

Capital Social

100.000

Total

116.000

Total

116.000

5. Pagamento de $10.000 referente à compra de mercadorias.

 
 

ATIVO

PASSIVO

Caixa Móveis e Utensílios Estoque de Mercadorias Veículos

73.000

Exigibilidade

6.000

12.000

Financiamento

6.000

15.000

 

6.000

Patrimônio Líquido

100.000

 

Capital Social

100.000

Total

106.000

Total

106.000

6. Obtenção de um empréstimos bancário no valor de $50.000.

 
 

ATIVO

PASSIVO

Caixa Móveis e Utensílios Estoque de Mercadorias Veículos Banco Conta Movimento

73.000

Exigibilidade

56.000

12.000

Financiamento

6.000

15.000

Empréstimos

50.000

6.000

 

50.000

Patrimônio Líquido

100.000

 

Capital Social

100.000

Total

156.000

Total

156.000

7. Aumento de capital social no valor de $ 50 000, sendo 50% em dinhei- ro e 50% em máquinas.

ATIVO

PASSIVO

Caixa Móveis e Utensílios Estoque de Mercadorias Veículos Banco Conta Movimento Máquinas

98.000

Exigibilidade

56.000

12.000

Financiamento

6.000

15.000

Empréstimos

50.000

6.000

 

50.000

Patrimônio Líquido

150.000

25.000

Capital Social

150.000

Total

206.000

Total

206.000

Social 150.000 Total 206.000 Total 206.000 34 Este material é parte integrante do acervo do IESDE

34 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

8. Aquisição de um imóvel financiado no valor de $3.000.

 

ATIVO

 

PASSIVO

 

Caixa Móveis e Utensílios Estoque de Mercadorias Veículos Banco Conta Movimento Máquinas Imóveis

98.000

Exigibilidade

59.000

12.000

Financiamento

9.000

15.000

Empréstimos

50.000

6.000

Patrimônio Líquido

150.000

50.000

Capital Social

150.000

25.000

 

3.000

Total

209.000

Total

209.000

9. Venda a prazo de 1/3 do estoque por $20.000.

 
 

ATIVO

 

PASSIVO

 

Caixa Móveis e Utensílios Estoque de Mercadorias Veículos Banco Conta Movimento Máquinas Imóveis Contas a Receber – Clientes

98.000

Exigibilidade

59.000

12.000

Financiamento

9.000

10.000

Empréstimos

50.000

6.000

 

50.000

25.000

Patrimônio Líquido

165.000

3.000

Capital Social

150.000

20.000

Lucros Acumulados

15.000

20.000 Lucros Acumulados 15.000
 

Total

224.000

Total

224.000

 

DRE

Receita

20.000

Custo

(5.000)

Lucro

15.000

Comentários sobre o exemplo:

 

a) A cada transação a situação patrimonial da empresa foi se alterando.

 

b) Nos itens 4 e 8 houve aquisições com financiamentos, no Balanço os valores são somados na conta de Financiamentos a Pagar, evidente- mente que a empresa terá o controle dos dois financiamentos separa- dos na sua Contabilidade, mas no Balanço lança-se pelo valor total, ou seja pela conta sintética. Relembrando no Plano de Contas é como se fosse da seguinte forma:

 

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

35

  Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br 35

Estrutura Patrimonial e de Resultado

2.1

Passivo Circulante

2.1.3

Empréstimos e Financiamentos $9.000 (conta sintética)

 

2.1.3.1 Financiamento de Veículos $6.000 (conta analítica)

2.1.3.2 Financiamento de Imóveis $3.000 (conta analítica)

c)

No item 7, houve aumento de Capital envolvendo máquinas, por- tanto vale destacar que o acionista pode colocar recursos na em- presa não somente em dinheiro, mas também com quaisquer tipo de bens.

d)

No item 9, houve venda, portanto gerou lucro ou prejuízo, dessa forma foi necessário elaborar a DRE.

e)

O lucro da DRE está igual o do Balanço, isso só acontece no pri- meiro ano, pois no Balanço aparece o Lucro Acumulado gerado ao longo da existência da empresa, enquanto na DRE aparece apenas o lucro do “Exercício”, ou seja do ano atual.

Ampliando seus conhecimentos

GOUVEIA, Nélson. Contabilidade Básica. 2. ed. São Paulo: Harbra, 1993.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Curso de Contabilidade para Não Contadores. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

Atividades de aplicação

1. Dadas as contas a seguir, classificá-las em Ativo (A), Passivo (P), Patri- mônio Líquido (PL) e Resultado ( R ).

Empréstimos a Pagar Despesa com Salários Fornecedores Capital Dividendos a Pagar Móveis de Escritório Aplicações Financeiras

(

)

Investimento em Ações Despesas Financeiras Veículos Receitas Financeiras Bancos Conta Movimento Impostos a Pagar Adiantamento de Clientes

(

)

(

)

(

)

(

)

(

)

(

)

(

)

(

)

(

)

(

)

(

)

(

)

(

)

( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) 36 Este material é

36 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Receita de Vendas

(

)

Contas a Receber

(

)

Estoques

(

)

Salários a Pagar

(

)

Contas a Pagar

(

)

Adiantamento a Fornecedores

(

)

Lucros Acumulados

(

)

Despesas Tributárias

(

)

2. Considera-se Ativo:

a) o conjunto das Receitas, Custos e Despesas.

b) os Deveres e as Obrigações.

c) os investimentos efetuados pelos acionistas.

d) os Bens e Direitos.

3. Considera-se Passivo:

a) o conjunto das Receitas, Custos e Despesas.

b) os Deveres e as Obrigações.

c) os investimentos efetuados pelos acionistas.

d) os Bens e Direitos.

4. Considera-se Patrimônio Líquido:

a) o conjunto das Receitas, Custos e Despesas.

b) os Deveres e as Obrigações.

c) os investimentos efetuados pelos acionistas.

d) os Bens e Direitos.

5. Considera-se Receita:

a) gastos consumidos pela área de produção.

b) gastos consumidos pelos setores administrativos e comerciais.

c) entrada de recursos em função de vendas e prestação de serviços.

d) todo dinheiro que entra na empresa.

6. Considera-se Custo:

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

37

Custo: Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br 37

Estrutura Patrimonial e de Resultado

a) gastos consumidos pela área de produção.

b) gastos consumidos pelos setores administrativos e comerciais.

c) saída de recursos em função da compra de máquinas.

d) todo dinheiro que sai da empresa.

7. Considera-se Despesa:

a)

gastos consumidos pela área de produção.

b)

gastos consumidos pelos setores administrativos e comerciais.

c)

saída de recursos em função da compra de máquinas.

d)

todo dinheiro que sai da empresa.

8. Cia. Alvorada foi organizada em 1.º de novembro de X1. O Balanço

A

abaixo foi preparado depois de realizadas quatro transações. Analise e prepare a lista das quatro transações que você julga terem ocorrido e

a situação patrimonial após cada transação.

Balanço Patrimonial – Cia. Alvorada – 01.11. X1

ATIVO

PASSIVO

Caixa

40.000

Exigível

30.000

Estoque

30.000

Fornecedores

20.000

Veículo

20.000

Financiamento

10.000

 

Patrimônio Líquido

60.000

Capital

60.000

Total do Ativo

90.000

Total do Passivo + PL

90.000

9. Citar as alterações nos grupos de contas em cada um dos eventos, dizendo se aumentou (A), se diminuiu (D) ou se não alterou (NA).

se aumentou (A), se diminuiu (D) ou se não alterou (NA). Eventos Ativo Passivo Patrimônio Líquido

Eventos

Ativo

Passivo

Patrimônio

Líquido

a) Aumento de Capital em dinheiro (exemplo)

A

NA

A

b) Compra a prazo de estoque

c) Compra de um veículo à vista

d) Compra de uma máquina financiada

e) Custo da Mercadoria Vendida

38 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

f) Despesas pagas à vista

g) Despesas que serão pagas no mês seguinte

h) Despesas sendo uma parte paga à vista e outra

a prazo

i) Dividendos provisionados

j) Empréstimo efetuado a um sócio

k) Empréstimo recebido de um banco

l) Recebimento de Clientes

m) Receita de venda a prazo

10. A seguir estão relacionadas as transações da Cia. Beta. Apresentar a situação patrimonial após cada transação.

a) Integralização do capital social em dinheiro no valor de $50.000.

b) Obtenção de um empréstimo sem juros no montante de $10.000, o dinheiro entrou no caixa da empresa.

c) Compra a prazo de mercadorias no valor de $20.000.

d) Abertura de uma conta bancária, efetuando um depósito de 50% do saldo de caixa.

e) Compra a prazo de um veículo no valor de $15.000 financiado.

f) Aumento de capital mediante compra de um imóvel avaliado em

$20.000.

g) Compra à vista, em dinheiro, de um estoque de material de escri- tório no valor de $5.000.

h) Pagamento, em cheque, de 15% da dívida para com os fornecedo- res.

i) Empréstimo efetuado ao sócio da empresa, no valor de $2.000 em dinheiro.

j) Venda de 30% do seu estoque de mercadorias por $14.000, sendo $4.000 à vista e o restante a prazo.

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

39

restante a prazo. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações

Estrutura Patrimonial e de Resultado

Gabarito

1.

 

(

P )

(

A )

 

(

R )

(

R )

(

P )

(

A )

(PL)

(

R )

(

P )

(

A )

(

A )

(

P )

(

A )

(

P )

(

R )

(

A )

(

A )

(

P )

(

P )

(

A )

(

PL)

(

R)

2.

D

3.

B

4.

C

5.

C

6.

A

7.

B

8.

Há diversas formas de se chegar ao resultado, a resposta a seguir é uma delas:

a) Abertura da Empresa com Capital Social no valor de $60.000 em dinheiro:

ATIVO

PASSIVO

Caixa

60.000

Exigível

 

Patrimônio Líquido

60.000

Capital

60.000

Total do Ativo

60.000

Total do Passivo + PL

60.000

Total do Ativo 60.000 Total do Passivo + PL 60.000 40 Este material é parte integrante

40 Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Estrutura Patrimonial e de Resultado

b) Compra a prazo de mercadorias no valor de $30.000:

ATIVO

PASSIVO

Caixa

60.000

Exigível

30.000

Estoque

30.000

Fornecedores

30.000

 

Patrimônio Líquido

60.000

Capital

60.000

Total do Ativo

90.000

Total do Passivo + PL

90.000

c) Compra de veículo no valor de $20.000, sendo 50% à vista e o res- tante financiado:

ATIVO

PASSIVO

Caixa

50.000

Exigível

40.000

Estoque

30.000

Fornecedores

30.000

Veículo

20.000

Financiamento

10.000

 

Patrimônio Líquido

60.000

Capital

60.000

Total do Ativo

100.000

Total do Passivo + PL

100.000

d)

Pagamento de $10.000 a fornecedores

 

ATIVO

PASSIVO

Caixa

40.000

Exigível

30.000

Estoque

30.000

Fornecedores

20.000

Veículo

20.000

Financiamento

10.000

 

Patrimônio Líquido

60.000

Capital

60.000

Total do Ativo

90.000

Total do Passivo + PL

90.000

9.

Eventos

Ativo

Passivo

Patrimônio Líquido

a)

A

NA

A

b)

A

A

NA

c)

NA

NA

NA

d)

A

A

NA

e)

D

NA

D

f)

D

NA

D

Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

41

D NA D Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações

Estrutura Patrimonial e de Resultado

 

Eventos

Ativo

Passivo

Patrimônio Líquido

 

g)

NA

 

A D

h)

D

 

A D

i)

NA

 

A D

j)

NA

 

NA

NA

k)

A

 

A

NA

l)

NA

 

NA

NA

m)

A

 

NA

A

10.

a)

 

ATIVO

 

PASSIVO

Caixa

50.000

Exigibilidade

 

Patrimônio Líquido

50.000

Capital Social

50.000

Total

50.000

Total

50.000

b)