Você está na página 1de 10

cmyk cmyk

Outubro . 2009
Boletim informativo do Movimento Unidos pelo Concelho de Viana do Alentejo
http://sites.google.com/site/unidosporvianadoalentejo/ Edição 05.

Bengalinha Pinto
“O meu desafio
é fazer mais
e melhor pelo
Concelho
de Viana do
Alentejo”
p2 Outubro.2009

Uma candidatura de juventude


Mensagens dos Mandatários para a Juventude da Candidatura do Partido Socialista
e se dirijam às mesas de voto expressando
a sua vontade e a sua participação cívica.
Aderir à candidatura do partido socialista
à Câmara Municipal de Viana do Alentejo
é para mim uma forma de participação
activa na sociedade e um meio para fazer
ouvir a minha voz e aquilo que desejo para
o meu concelho. Sem dúvida uma maneira
de expressar a minha revolta pelo cenário
que o concelho atravessa. Olho para o
concelho e vejo mais do mesmo todos os
anos. Não contemplo qualquer iniciativa
que me desperte a atenção como jovem.
Ainda este Verão desloquei-me até Évora
para participar num workshop de fotografia
promovido pela Câmara da referida cidade.
Sem dúvida uma ideia perfeitamente
concretizável no nosso concelho.
Para finalizar e fazer justiça ao título
deste artigo vou relatar uma história que me
Alexandre Santos, Mandatário de Alcáçovas Rita Marques, Mandatária de Aguiar Antónia Dias, Mandatária de Viana
sucedeu com o actual executivo camarário.
Há alguns anos escrevi uma carta para a
“...trazer o “...por isso aqui
voz jovem Câmara Municipal de Viana do Alentejo a
pedir um ecoponto para o local onde residia, melhor para o estou, contra a
nosso concelho.” ideia e a vontade
a Estação das Alcáçovas. Escrevi a mesma
Hoje em dia a relação dos jovens com carta para a Câmara Municipal de Évora
a política está um pouco desmembrada;
ambas as partes se afastaram e isso criou
por aquele local estar geograficamente
nos dois concelhos. A Câmara de Évora Boas, venho por este meio, apelar ao voto de muita gente...”
uma distância que impede que haja uma prontamente me respondeu (enviando- dos jovens e não só, para que escolham e
ligação de proximidade, confiança e me material didáctico sobre a temática da participem no futuro da nossa comunidade, Sempre tive os meus ideais partidários.
reciprocidade. É necessário que haja uma reciclagem) e informou-me que a gestão à sua particiaçao cívica no nosso concelho. Muitos sabiam, muitos não, mas também
aproximação e nada melhor que a força dos lixos era responsabilidade da Câmara Estou na política desde o princípio do ano, nunca fiz questão de escondê-lo, nem andar
e espírito jovem para impulsionar essa de Viana do Alentejo. Até ao dia de hoje quando me convidaram para ser sócia- por aí a dizê-lo. Agora, com este convite
necessidade. Os jovens têm necessidade aguardo a resposta à carta, enviada para fundadora da Casa da Europa no Alentejo, que muito me honrou, já todos o sabem.
de falar e expressar os seus desejos para a Câmara de Viana do Alentejo. Só com mais propriamente na cidade de Évora. Pela pessoa de Bengalinha, jamais poderia
o seu país, distrito, concelho, freguesia. a insistência de uma segunda carta obtive Presentemente, após ter visto e avaliado recusar este pedido. Quem me conhece bem,
Mas, para que isso aconteça é necessário uma resposta e uma conversa informal todas as propostas do Dr. Bengalinha Pinto sabe o que defendo e nunca o escondi e foi
que lhes dêem oportunidade e abertura para com o Presidente Estêvão Pereira em e todas as pessoas inseridas nesta lista, por isso mesmo que aceitei esta proposta.
tal, que surjam espaços de recolha e troca que me falou que bastavam uns “ajustes” para os próximos quatro anos, vi que neles Não sou política nem nunca fui, mas como
de ideias, onde os jovens sintam que a sua diplomáticos com o Município de Évora e podia confiar, e com uma equipa tão forte disse no dia em que fui convidada, não sou
opinião conta e que as suas maiores ânsias brevemente haveria ecoponto na Estação como o Partido Socialista para estes quatro mulher de recusar os grandes desafios e por
são atendidas. das Alcáçovas. Como eu aguardo, até hoje, anos, penso que teremos tudo para trazer o isso aqui estou, contra a ideia e a vontade
Para que este desejo se realize, é pela resposta à primeira carta dirigida à melhor para o nosso concelho. de muita gente, mas por aquilo que quero
essencial que os jovens demonstrem autarquia vianense, assim a Estação das Apelo, principalmente a nós jovens, e defendo.
que são activos civicamente e desejam Alcáçovas, até hoje, espera pelo prometido porque nós sim, temos o futuro nas
participar nas decisões políticas dos locais ecoponto. mãos, vamos fazer alguma coisa pela Antónia Dias - Viana do Alentejo n
onde habitam. No dia 11 de Outubro É caso para dizer que foram feitos nossa comunidade, vamos mudar, dar
ocorrerá uma grande oportunidade para ouvidos velhos à voz de um jovem. Para oportunidade a pessoas competentes para
todos os jovens demonstrarem que não que isso não volte acontecer apelo ao voto mostrarem o que valem.
estão acomodados e que querem um de todos, especialmente dos jovens, que
concelho melhor, que querem participar façam ecoar a vossa voz através do acto Cumprimentos
nesse melhoramento e que desejam estar cívico que é votar.
próximos da política. Desde já, apelo a Rita Mendes Marques
todos os jovens que não tenham preguiça Alexandre Santos - Alcáçovas n 01.10.2009 n

Governo do Partido Socialista apoia a Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos


de Viana do Alentejo na conclusão da sua sede
Por despacho nº 160/SB/FSS/ a sua inauguração para breve. A finalização
MISS/2209, do senhor Ministro do desta obra está orçada em 57.500€, pelo
Trabalho e da Solidariedade Social, de que aquela Associação deverá diligenciar
10 de Setembro de 2009, foi concedido no sentido de obter a quantia restante.
um subsídio de 50.000€ à Associação de Perante este facto, roga-nos a ARPIVA para
Reformados, Pensionistas e Idosos de Viana que se apele à compreensão de todos os
do Alentejo (ARPIVA), para finalização da associados e amigos para que, juntos com
obra da sede social. Informa ainda aquela a Direcção, se possa levar a bom termo este
Associação que muito em breve irá iniciar a sonho. n
conclusão da referida obra, estando prevista
Outubro.2009 p3

Editorial
Quanto ao segundo aspecto, transforme num lugar mais solidário,
constato diariamente que a campanha mais moderno, mais harmonioso,
da nossa candidatura é cada vez mais onde de facto valha a pena viver e
acarinhada e apoiada pelas pessoas trabalhar.
do nosso concelho, resultando esse É nossa convicção que, com o PS à
apoio num grande incentivo para frente do governo da Nação, o nosso
prosseguirmos o nosso caminho, com trabalho na Câmara de Viana sairá
Olá amigos, humildade, mas com muita, muita facilitado, o que se traduzirá em mais
determinação. benefícios para a população de todo o
Como devem calcular, neste concelho.
momento sinto-me satisfeito Este segundo aspecto, que em nosso
essencialmente por dois motivos: pelo entender se relaciona fortemente com o Agradecemos, assim, a vossa
facto do Partido Socialista ter ganho as primeiro, é o sinal claro que confirma confiança, estando certos de que no
eleições legislativas e pela forma como que a população do concelho aderiu dia 11 de Outubro ela será redobrada.
está a decorrer a campanha da nossa ao nosso Movimento, acredita em
candidatura. nós e está motivada para a mudança, Por um Concelho em
confiando plenamente na candidatura Movimento, pela mudança que
No que diz respeito ao primeiro do Partido Socialista. tanto ansiamos, vamos todos votar
aspecto e ao contrário do que querem Partido Socialista no dia 11 de
dar a entender alguns “novos analistas Sabemos que os ataques da Outubro.
políticos”, no concelho de Viana quem actual gestão camarária, através da
ganhou as eleições legislativas foi o propaganda CDU/Viana, em nada
Partido Socialista. A diferença foi de afectam nem afectarão o sentimento
cinco votos, mas como diz o outro, de todos os que desejam, tal como nós,
“por um se ganha e por um se perde”. que este Concelho mude, melhore, se Bernardino Bengalinha

A escolha de 11 de Outubro
…serena e com conhecimento
O município de Viana não é, decididamente, que está por baixo dele. E o que lá está é, certa-
um município de sucesso. mente, um monte de problemas decorrentes de
Não faço esta afirmação de ânimo leve, até uma velhinha rede de tubagens e canalizações
preferia não a fazer, mas ela é a evidência crua que, por ausência de intervenções de fundo há
que decorre, não de uma qualquer opinião sub- mais de três décadas, necessita de ser substitu-
jectiva, mas da força da informação objectiva ída. Era assim que faríamos, com método, com
tratada e veiculada por publicações de institui- rigor e mais cedo, longe de (i)mediatismos elei- Por António Sousa, candidato à
ções insuspeitas, como o Instituto Nacional de torais. Tal como está a ser feito poderá gerar,
presidência da Assembleia Municipal
Estatística. Com efeito, indicadores compara- num futuro próximo, custos (financeiros e não
dos de desenvolvimento, uns mais agregados só) muito superiores aos seus (pseudo) benefí-
(como os índices sócio-económico e de quali- cios imediatos.
dade de vida), outros menos agregados (empre- Não acredito, não posso acreditar, que a po- traves mestras: Não somos políticos (no estrito sentido do
sariado, investimento, actividade…), publica- pulação do concelho de Viana continue a con- - O reforço da capacidade institucional e re- termo), somos uma equipa coesa e enérgica, de
dos na última década (1997-2008), revelam um descender com tudo isto. Não é possível! lacional da Câmara Municipal; pessoas simples, de onde emana um candidato à
concelho de Viana que permanece na cauda dos Eu sinto… e a maioria dos vianenses, alca- - Agilidade de processos e de decisão, presidência da Câmara com perfil de liderança,
municípios do distrito de Évora. çovenses e aguiarenses também o sentirão com apoiada num planeamento adequado; competente, dinâmico e humilde: o Bengalinha
A responsabilidade desta situação… não certeza… pois é impossível não sentir o que - Uma maior articulação entre os poderes Pinto. Preconizamos um Projecto global para
será, obviamente, da equipa que integra o “Mo- paira no ar: uma predisposição crescente para “local – regional – central”. o concelho, disponibilizando conhecimento e
vimento Unidos pelo Concelho de Viana”, com a MUDANÇA! Para concretizar as nossas propostas pro- experiência para o concretizar. Que fique bem
o apoio do Partido Socialista, que se apresenta Por isso, os nossos principais adversários metemos uma coisa muito simples, que temos claro:
a estas eleições autárquicas. A situação decor- andam preocupados. Nunca tiveram oposição a certeza de poder cumprir: trabalho, trabalho, * Estamos cá para servir a Autarquia… e
re de uma gestão autárquica inadequada e de- assim… não estão habituados a coabitar com tal e mais trabalho… mas trabalho eficiente, tra- não para nos servirmos dela.
cepcionante que privilegiou o curto prazo, o “coisa”. Daí terem optado pela via mais fácil, balho bem feito. Em contrapartida fazemos um * Queremos GANHAR… porque Viana,
imediato, em detrimento do médio/longo pra- mais fraca e mais gasta: a vitimização. Dizem- pedido, também ele muito simples: dêem-nos Alcáçovas e Aguiar merecem melhor, muito
zo, descurando, assim, o futuro. Não foram to- se vítimas de calúnias diversas e tentam, com a oportunidade, uma só oportunidade de fazer melhor!
madas, em tempo útil, as necessárias decisões isso, virar a realidade do avesso. aquilo a que nos propomos. Se não o fizer- * Vamos imprimir uma dinâmica de mu-
estratégicas e estruturais que sabemos serem as Nós, pela nossa parte, continuaremos no mos… se não o conseguirmos… terão sempre dança: mas com serenidade, com critério e se-
mais difíceis e arriscadas, mas também as que nosso rumo, ou seja, a fazer uma oposição for- a possibilidade de nos expulsar daqui a quatro gurança.
têm maior potencial para proporcionar mais te, mas com elevação e pela positiva, revelando anos.
Desenvolvimento, mais Bem-Estar e mais as nossas propostas. Só que, quando as expli- O que está em jogo, agora, é a escolha entre: É TEMPO DE MOVIMENTO, É TEMPO
Qualidade de Vida à população. Faltou Rumo camos, temos logicamente que as fundamentar * Por um lado, a nossa candidatura que tem DE MUDANÇA!
e Visão. E sem uma Visão para o futuro o con- contrapondo o que de errado foi feito ao longo por paradigma o futuro, a modernidade e o de-
celho acabou por ficar “preso” nas actividades destes anos todos. Mas, isso não é caluniar. Isso senvolvimento; Fica então marcado encontro para 11 de
do dia a dia, não evoluiu… como devia e podia. é, simplesmente, constatar apontando alter- * E por outro lado, uma outra candidatura Outubro, data em que, estou certo, darão o vos-
Se a isto acrescer um planeamento deficiente, nativas. Por isso, consideramos essa acusação conotada com o passado e com um imobilismo so contributo para legitimar este projecto e a
então até a gestão do quotidiano é questionada. maldosa e injusta pois, ao não ser verdadeira, é triste, cujo resultado está à vista: o sub-desen- chegada desta equipa ao leme do nosso Con-
O exemplo mais paradigmático de falta de ela própria uma forma de calúnia. Mas... recu- volvimento do concelho. celho… RUMO AO DESENVOLVIMENTO.
Visão e de Planeamento está à vista dos muníci- samo-nos a ir por aí. Quem me conhece bem, A nossa candidatura é, por isso, focada num Há, efectivamente, uma nova esperança.
pes: o tapete de alcatrão que foi estendido, ago- sabe que essa não é, nem nunca foi, a minha forte apoio à Juventude (pilar da construção do Contamos com todos… sem excepção!
ra, por diversas ruas do concelho. Nós não o fa- maneira de estar e de ser. E não é também a futuro que queremos) e numa particular atenção Governaremos para todos… sem excepção!
ríamos assim. Essa acção, connosco, faria parte deste Movimento. aos mais Idosos (pelo respeito que nos mere- Estarei na liderança da Assembleia Munici-
de um projecto integrado e amplo que contem- Assim, as acções que propomos e que têm cem e pelo seu percurso de vida, repleto de sa- pal para ajudar… se for essa a vossa vontade,
plaria, antes da colocação do “tapete” novo, o vindo a ser amplamente divulgadas, enqua- crifícios), para potenciar melhor Qualidade de é claro.
levantamento do “tapete” velho para “varrer” o dram-se num Programa coerente que tem como Vida para toda a população.
Muito obrigado pela atenção. n
cmyk cmyk

p4 Outubro.2009

NOTÍCIAS DA CANDIDATURA DO P. S.
Jantar-convívio Discursos de Paulo Manzoupo
e Miguel Sezões na festa de
com a apresentação dos candidatos do
Partido Socialista em Aguiar
juventude do Boa noite a todos.

concelho
Não quero deixar passar esta oportunidade, para agradecer
a vossa presença e o vosso apoio, quer aqui nesta noite, quer ao
longo dos dias que passaram.
Quero fazer aqui também um agradecimento muito especial,
A Discoteca Zona T, em Viana, assistiu, no passado a todos aqueles que apostaram em mim para candidato a
dia 12 de Setembro, a mais uma memorável iniciativa vereador à câmara municipal de Viana do Alentejo e que me têm
da candidatura de Bernardino Bengalinha e do Partido incentivado ao longo destes dias.
Socialista, no caso um Jantar-Convívio com a juventude Foi com muito orgulho que aceitei este desafio.
do nosso concelho. Acredito e tenho muita confiança no Bengalinha, e em toda
A juventude do concelho compareceu à chamada. a equipa, onde há muita humildade, transparência, espírito de
O amplo espaço encontrava-se completamente lotado,
entreajuda e ligação entre todos.
reflectindo a adesão que a nossa juventude tem vindo a a realçar o jantar, durante o qual os candidatos aos diversos Para mim já foi uma vitória trabalhar com um grupo de pessoas
conceder a este projecto de mudança. Do programa temos órgãos autárquicos tiveram oportunidade de manter onde todas as ideias contam, e são analisadas independentemente
animada conversa e troca de pontos de vista com os jovens de onde vierem.
presentes. No caso de ser eleito não quero ser visto como mais um que
Depois da refeição foi a vez de se proceder à vai para ali só para ganhar dinheiro, mas sim como um amigo
apresentação dos mandatários para a juventude das três com quem podem contar, para exporem os vossos problemas, as
freguesia: Rita Marques de Aguiar, Alexandre Santos vossas dificuldades, ou simplesmente trocarmos ideias.
de Alcáçovas e Antónia Dias de Viana. Pela candidatura Todos me conhecem, sabem que podem contar comigo para
foram então referidas as medidas políticas, constantes no tudo.
Porque só assim é que se podem conhecer os problemas reais
nosso programa eleitoral, para a juventude. Depois da
da nossa freguesia e do nosso concelho para podermos ajudar as
distribuição de algumas pequenas lembranças a todos os populações naquilo que elas realmente precisam.
presentes, foi a vez de se apresentar a Banda “Crazyroad Estamos aqui todos de corpo e alma, temos muita vontade
in a Box”. A noite prolongou-se com a abertura da pista de e determinação, para em conjunto colocarmos a freguesia de
dança e actuação do D.J. Lorenzo. Uma noite inesquecível Aguiar e o concelho de Viana do Alentejo no lugar que merecem.
para todos. n Queremos transformar o nosso concelho num dos lugares
mais agradáveis de se viver, estar, ou visitar.
Se ganharmos no dia 11 de Outubro como esperamos, daqui

Apresentação dos candidatos a 4 anos ninguém estará desiludido de ter votado em nós.
E posso garantir-vos o seguinte: não iremos tratar como
inimigos aqueles que não acreditam em nós, mas sim provar-lhes

do Partido Socialista em que temos capacidade para fazermos mais e melhor pelas nossas
freguesias e pelo nosso concelho.
Não será uma vitória nossa, mas sim uma vitória de todo o

Aguiar
concelho de Viana do Alentejo. (Paulo Manzoupo)

.............................................................................................

Começo por agradecer a todos a vossa presença, aqui hoje.


Agradeço, de seguida, a todos que depositaram confiança em
No dia 19 de Setembro realizou-se uma Festa/Convívio de Freguesia de Aguiar), João Antunes (Assembleia
mim, para candidato a presidente da Junta Freguesia da nossa
no edifício da antiga Cooperativa de Aguiar. Foram Municipal) e Carlos Zorrinho (Assembleia da República). terra, dando voz a uma equipa com vontade de trabalhar por
apresentados os candidatos de Aguiar para as Eleições A animação foi uma constante neste evento, onde Aguiar, uma equipa de gente capaz e empreendedora.
Autárquicas de 2009, para os órgãos do concelho de Viana actuou o Rancho Folclórico Flor do Alto Alentejo (Évora) Cresci nesta terra, Aguiar, que tem um passado que temos de
do Alentejo, nomeadamente: Câmara Municipal de Viana e animou a Festa o músico João Realista. Às várias dar a conhecer, para actuar no presente e para conseguir agarrar
do Alentejo; Assembleia Municipal de Viana do Alentejo e dezenas de participantes foi servido um porco no espeto. o seu grande potencial no futuro.
Assembleia de Freguesia de Aguiar. A Festa durou até de manhã com muita música e animação Não serei um presidente de Junta à espera de ordens de um
Os discursos dos candidatos foram bastante aplaudidos, dos apoiantes da candidatura do Movimento Unidos pelo partido ou de um presidente de Câmara, serei alguém que dirá
destacando-se as palavras de Bengalinha Pinto e Concelho de Viana do Alentejo apoiado pelo Partido aos aguiarenses aquilo que é a realidade, explicando as opções
tomadas.
Paulo Manzoupo (Câmara Municipal), António Sousa Socialista às eleições do próximo dia 11 de Outubro. n
Serei, antes de mais, um defensor dos interesses da
(Assembleia Municipal), Miguel Sezões (Assembleia
população, representando-a e gerindo a freguesia sempre com
o maior respeito por todos, independentemente das divergências
que existam ou surjam, com responsabilização, transparência,
independência e dedicação, colocando o interesse das pessoas
em primeiro lugar.
Pretendemos organizar uma rede de voluntariado, envolvendo
pessoas de várias idades, que dê resposta aos problemas sentidos
por todos. Este voluntariado tem como objectivo aproximar o
poder local, para exercer as suas funções junto das pessoas, que
necessitam de ajuda.
Com esta iniciativa, poderemos criar um verdadeiro serviço
cívico que tenha reflexos positivos na nossa vila, que vai da
educação, à saúde, à urbanização, ao desporto, à cultura e ao
ambiente.
Quero realçar a forma extraordinária como Aguiar tem
colaborado no apoio para a eleição do futuro presidente da
câmara, o nosso amigo Bengalinha Pinto.
Para finalizar não podemos permitir a destruição do ringue!
Queremos sim um espaço onde se cruze o desporto, a
Uma casa cheia acolheu esta iniciativa do Partido Socialista em O candidato Bengalinha Pinto no uso da palavra em Aguiar educação e a cultura!!! Viva Aguiar!!! (Miguel Sezões) n
Aguiar
Outubro.2009 p5

A luta do povo de Aguiar impõe a construção do


pavilhão sem a destruição do ringue
A gestão Estêvão Pereira teve quatro anos para construir essa obra, não tendo nenhum obstáculo que o
impedisse de a realizar. Desde o princípio impôs como inevitável que a construção do pavilhão só seria efectuada
no local onde está implantado o ringue.
A construção do Pavilhão Desportivo tivo da posição de força manifestada pelo outro local. As bancadas existentes, com O membro José Luís Pacheco disse que
de Aguiar, foi anunciada com pompa e cir- presidente da câmara: as condições melhoradas, também servem não sabe se ficará mais barato construir
cunstância pelo então candidato às eleições e o balneário ficará como arrecadação. O em cima do que já existe pois a prática
autárquicas 2005, Estêvão Pereira e, como “…A este propósito o membro José Luís projecto do novo pavilhão incorpora tudo diz-nos que as obras de remodelação ficam
tal, consta do programa eleitoral da CDU Pacheco perguntou qual o uso específico a o que puder ser aproveitado e isso – disse normalmente mais caras. Por outro lado,
para o mandato que agora termina. dar a este terreno bem como a sua área. o senhor Presidente da Câmara – é uma disse este membro, que o ringue tem um
A gestão Estêvão Pereira teve quatro O senhor Presidente da Câmara respondeu mais valia. Por outro lado - acrescentou - valor simbólico para uma faixa da popula-
anos para construir essa obra, não ten- que o uso é precisamente "espaço verde de é muito mais fácil construir um ringue em ção pois em certos casos já os pais lá brin-
do nenhum obstáculo que o impedisse de lazer" não estando em condições de preci- qualquer lado do que arranjar um espaço caram. Sem pôr em causa a legitimidade
a realizar. Desde o princípio impôs como sar a área em concreto. Também o membro para construir o pavilhão. Disse ainda o da Câmara para definir a localização do
inevitável que a construção do pavilhão só José Luís Pacheco perguntou sobre a lo- senhor Presidente da Câmara que existe investimento, ainda assim considera que se
seria efectuada no local onde está implan- calização do Pavilhão Desportivo naquela agora a oportunidade de investir um mi- devia dialogar com a comunidade, esclare-
tado o ringue. freguesia tendo o senhor Presidente da Câ- lhão e meio de euros neste projecto pelo cendo-a e não ouvir só os chamados líderes
Manteve um braço de ferro com a maio- mara referido que a localização é aquela que será de avançar com ele. Se não for de opinião. O membro José Luís Pacheco,
ria da população, e a consequente chanta- que está prevista, ou seja, no actual jardim. agora, pode-se perder a vontade políitica, voltou a referir que os atrasos da revisão
gem relativamente ao local de construção Disse que não considera que o assunto da podem deixar de existir os meios financei- do P.D.M. estão a provocar o estrangula-
do Pavilhão Desportivo. localização do pavilhão esteja a ser polé- ros pelo que não seria uma boa medida mento das três freguesias deste concelho,
Só a contestação da população de mico como algumas pessoas querem fazer adiar a realização desta obra procurando isto comparativamente com outros municí-
Aguiar quanto ao local escolhido pelo pre- crer. outra localização e fazendo depender isso pios em que as revisões avançaram, nome-
sidente, a acrescer ao medo de vir a perder O membro José Luís Pacheco disse não da revisão do P.D.M.. adamente os casos de Mora e Borba…..”
as próximas eleições nesta freguesia, fez estar contra a construção do pavilhão mas n
com que desse o dito por não dito e actu- é de opinião que deveria ser dada às pesso-
almente como candidato afirma que o pa- as da freguesia a oportunidade de se pro-
vilhão será construído no local em que a nunciarem, participando na discussão da
população maioritariamente escolher. localização. Disse ainda este membro que
Tanta democracia para quem nunca quis a Câmara deveria conservar o actual rin-
ouvir e auscultar a população na tomada gue e arranjar uma localização alternativa
das decisões importantes para todos nós – é para construir o pavilhão.
de estranhar! O senhor Presidente da Câmara disse
Vamos de seguida transcrever o diálo- que construindo o pavilhão no sítio pre-
go mantido em sessão extraordinária da visto, aproveita-se uma grande parte do
Assembleia Municipal, realizada em 22 de trabalho do ringue, nomeadamente as fun-
Maio, com o membro José Luís Potes Pa- dações e o piso. Assim, o custo da cons-
checo, eleito pelo Partido Socialista ilustra- trução será menor do que construindo num

O actual elenco da Câmara Municipal prejudica empresários do concelho


A Assembleia Municipal de Viana do lor, atendendo ao facto de muitas empresas rama na percentagem de 1%, visa reforçar to de um preço pela ocupação dos standes
Alentejo aprovou na última sessão da As- abrangidas pelo IRC lutarem com grandes a capacidade financeira do Município…”. utilizados pelos expositores das actividades
sembleia Municipal, com os votos a favor dificuldades financeiras. Fica a pergunta para o candidato Estê- económicas.”
dos membros da CDU e voto contra do PS, Muitos outros municípios adoptaram vão Pereira: E o reforço da capacidade fi- Entendemos que os feirantes estejam
o lançamento da Derrama para 2009. A taxa como medida de combate à crise, a não nanceira das empresas? isentos do pagamento de qualquer taxa.
de derrama foi fixada em 1.0%, percenta- arrecadação de receita proveniente da der- A candidatura PS/Bengalinha Pinto Entendemos que os expositores das ac-
gem que incide sobre o lucro tributável de rama para 2009, ou escalonaram o seu va- propõe no seu programa, eliminar a taxa de tividades económicas na Feira das Alcáço-
Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas lor, dependendo do volume de negócios de derrama, diminuindo dessa forma o impos- vas, também não paguem nada.
Colectivas (IRC). cada empresa. to sobre o rendimento das empresas. Só não entendemos que na Feira d’Aires
Os elementos eleitos pelo PS, propuse- Transcrevendo parte do documento ----------------------------------------------- haja, uma descriminação negativa, isto é,
ram que esta taxa tivesse um valor nulo, ou posto à discussão, assinado pelo presidente Também na última sessão da Assem- os empresários são obrigados ao pagamen-
seja, não deveria ser cobrado qualquer va- Estêvão Pereira: “… o lançamento da der- bleia Municipal foi aprovado com os votos to de um preço pela ocupação dos stands.
a favor dos membros da CDU e contra do Pensamos que para este sector dos stan-
PS, o Regulamento Municipal da Activida- des de exposição, deveria ser criado regu-
de de Comércio a Retalho exercida de for- lamento próprio, adequado à especificidade
ma não sedentária por feirantes. deste sector, que é parte integrante das nos-
Neste regulamento, na Feira d’Aires sas feiras, e que deve isentar de qualquer
e na Feira de Alcáçovas, por serem feiras pagamento os empresários locais, seja na
francas, não há lugar ao pagamento de Feira das Alcáçovas ou na Feira d’Aires.
qualquer taxa pela ocupação dos espaços Por isso os membros do PS votaram
de venda (n.º 2 do artigo 33:º do referido contra, comprometendo-se a candidatura
regulamento). PS/Bengalinha propor a revisão das regras
Já o Regulamento no seu Artigo 34.º respeitantes aos Expositores das Activida-
com o título, “Expositores das Actividades des Económicas na Feira d’Aires e na Feira
Económicas na Feira d’Aires e na Feira das das Alcáçovas, no próximo governo da au-
Alcáçovas”, no ponto 1 determina: tarquia. n
Zona Industrial de Alcáçovas - Derrama municipal sobrecarrega as empresas do nosso concelho. “Na Feira d’Aires há lugar ao pagamen-
cmyk

p6 Outubro.2009

Reabilitação do Centro Histórico de Viana


Acta 11/2008 da Câmara Municipal de Viana do Alentejo. Visitei recentemente a Oriola e São com estes temas. Só que, como está à
Bartolomeu do Outeiro, para observar as vista de todos, começam pelo fim. É
“O Senhor Presidente sublinhou que intervencionar os pavimentos obras de calcetamento de mais uma fase da perfeitamente visível para qualquer leigo
recuperação dos arruamentos, actualmente na matéria que os alcatroamentos estão a
nos Centros Históricos seria apenas uma operação de cosmética pois em conclusão naquelas duas freguesias ser feitos apressadamente, de acordo com
o trabalho que é necessário realizar vai muito para além disso, pois do concelho de Portel. Pude constatar o calendário eleitoral e pior que tudo,
não pode ser ignorado que as condutas são velhas e que enquanto não que ao contrário de Viana, aqui ao nosso estão a ser muito mal feitos, nem valendo
se resolverem os problemas dos ramais de água, esgotos, pluviais, o lado, primeiro trataram de refazer as redes a pena dar exemplos disso, já que somos
enterramento de cabos eléctricos, etc., não vale a pena pensar só em de águas e esgotos mais degradadas e só todos testemunhas disso. No caso do tão
depois avançaram com as pavimentações. propagandeado Projecto de Pavimentação
levantar o alcatrão para colocar calçada.”
Esta deveria ter sido a forma de no nosso do Centro Histórico (quanto terão custado
concelho se abordar a questão das redes aqueles cartazes de propaganda eleitoral
de águas e esgotos apodrecidas e das pagos com o nosso dinheiro?), aquilo que
redes de pluviais, em muitos casos até a Câmara se propõe fazer é ainda mais
inexistentes. Esse deveria também ter sido escandaloso. Conforme dizem no último
o procedimento antes das tubagens serem Boletim Municipal, só será intervencionada
cobertas com alcatrões ou calçadas, como ao nível das infra-estruturas a rede de
é o caso no agora anunciado Projecto pluviais, querendo isso dizer que vamos
de Pavimentação do Centro Histórico. colocar pavimentos dos mais caros que
Dezasseis anos teriam sido mais que actualmente se constroem sobre uma rede de
suficientes para se identificarem as esgotos e de águas completamente podres.
carências das diversas infra-estruturas, Este seria o momento para reconstruir estas
para se terem realizado os projectos para redes e para retirar das paredes do Centro
a sua execução faseada, bem como para a Histórico os cabos da electricidade e dos
captação dos necessários financiamentos telefones, deixando-se logo preparadas
e comparticipações comunitárias para a as tubagens para as futuras redes de fibra
sua execução. Não o fizeram e só agora, óptica e de gás. É isso que a generalidade
empurrados pelo movimento de opinião das câmaras, têm feito, muitas delas de
Depois de refeitas as infra-estruturas, S. Bartolomeu do Outeiro e Oriola apresentam-se ao visitante pública que culminou na candidatura PS/ gestão CDU. n
como aglomerados urbanos limpos e cuidados. Porque não merecemos nós o mesmo? Bengalinha, é que se começam a preocupar

Regeneração Urbana
O Programa Operacional Regional do Alentejo 2007/2013 é um instrumento
financeiro de política regional, dispondo de um bolo de 868 milhões de euros,
que tem como principal objectivo promover o desenvolvimento, em áreas como a
inovação empresarial, crescimento e emprego, regeneração urbana, promoção da
coesão social e territorial, qualificação ambiental e valorização do território.

São Beneficiários do Programa os di- em claro o segundo concurso (aviso) que desesperada da gestão Estêvão Pereira que veram disponíveis anteriormente.
ferentes actores regionais, económicos, decorreu no ano anterior, nomeadamente pretende manter a cadeira do poder a qual- O anúncio da obra de reabilitação do
sociais e institucionais, de acordo com as entre 30-05-2008 e 19-07-2008 – ou seja, quer preço. E, neste caso, o preço a pagar centro histórico de Viana do Alentejo, com
tipologias de projecto e respectivos regu- chegámos atrasados um anos depois. pela autarquia é de 743.820 €, decorrente painéis estrategicamente colocados, consti-
lamentos, nomeadamente: empresas priva- O Programa a que tardiamente a Autar- de um investimento total de 1.405.200 €! tui, assim, mais uma manobra de propagan-
das; associações empresariais; autarquias quia de Viana do Alentejo se candidatou, Esta importância poderia ser significa- da eleitoral, na tentativa de iludir os avisa-
locais e suas associações; organismos e também pretende reforçar a participação tivamente inferior se se tivessem aproveita- dos eleitores. n
serviços da Administração Central; insti- dos cidadãos e inovar nas formas de gover- do outras ajudas mais favoráveis, que esti-
tuições de ensino superior; fundações e as- nação urbana, através da cooperação dos
sociações sem fins lucrativos. diversos actores urbanos com o estabele-
Apesar de alguns atrasos da definição cimento de parcerias – perguntamos: onde
dos regulamentos e respectivos avisos de estão essas parcerias, para além daquelas
abertura de candidatura, mais uma vez, a que foram estabelecidas com duas empre-

?
Câmara Municipal de Viana do Alentejo, é sas sediadas fora do concelho? Onde estão
a última do pelotão das autarquias no apro- essas parcerias locais?
veitamento deste Programa Operacional Mais uma vez nada foi feito!
A única candidatura apresentada pela li- O programa prevê o estabelecimento
derança Estêvão Pereira, no âmbito da ver- de parcerias locais, integrando conjunto de
ba gerida pela Comissão de Coordenação entidades públicas e privadas – o que não
e Desenvolvimento Regional do Alentejo, foi feito!
foi no quarto concurso (aviso) que decor- As obras, agora pomposamente anuncia-
reu entre 30-05-2009 e 20-07-2009, preci- das pela autarquia de reabilitação do centro
samente ao eixo II, desenvolvimento urba- histórico de Viana, estão contempladas na
no - “Política de Cidades – Parcerias para candidatura efectuada já este ano. Estas
a Regeneração Urbana”, cujas candidaturas obras, a serem realizadas sem a correspon-
ainda não foram homologadas. dente renovação das velhas redes de águas
Como sempre na cauda do pelotão, o e esgotos, tal como vem anunciado no bo-
líder da nossa autarquia, deixou passar letim municipal, constituem uma manobra
cmyk cmyk

Outubro.2009 p7

NOTÍCIAS DA CANDIDATURA DO P. S.
Distribuição das listas A candidatura de
Bengalinha Pinto animou a
Distribuição do Vida
NovA
da candidatura Feira d’Aires
Tal como tínhamos noticiado na anterior edição do
Vida Nova, o facto da Feira d’Aires ter coincidido com
o dia das eleições legislativas impediu a realização, por
sugestão da Comissão Nacional de Eleições, de toda e
qualquer actividade política naquele certame, motivo pelo
qual a nossa candidatura não esteve representada com um
stande. Na segunda-feira de tarde a nossa candidatura
promoveu um passeio pela Feira, aproveitando para
distribuir alguns dos seus materiais e para realizar um
bonito lançamento de balões. n

A distribuição do Vida Nova é sempre uma festa,


uma grande festa. Em Alcáçovas, Aguiar e Viana, é
Decorreu entre dia 30 de Setembro e dia 3 de Outubro,
sempre recebido com grande simpatia pelas populações,
em Alcáçovas, Aguiar e Viana a distribuição das listas da
que frequentemente nos pedem números atrasados
nossa candidatura. A exemplo do que tem acontecido com
(infelizmente já esgotados) para guardar ou enviar
as distribuições das várias edições do jornal Vida Nova, a
a familiares. A sua regular edição tem sido uma das
receptividade das pessoas tem sido excelente com muitas
preocupações da candidatura de Bernardino Bengalinha /
palavras de apoio e incentivo ao candidato Bengalinha
Partido Socialista. Na fotografia, um grupo de reformados,
Pinto e à sua equipa. n no Largo 25 de Abril, lê atentamente a última edição. n

Reuniões com os agentes sócio-culturais do concelho


A candidatura de Bernardino Bengalinha / Partido
Socialista cumpriu a ronda de contactos com as variadas
associações de vocação sócio-cultural existentes ou
a operar na área do nosso concelho. Nessas reuniões,
Bengalinha Pinto procurou inteirar-se dos projectos,
preocupações e necessidades dessas entidades, tendo essa
informação servido, de forma decisiva, para a elaboração
do nosso Programa Eleitoral. Assim e nos últimos tempos
foram visitados: no dia 11 de Setembro, o “Grupo de
Cantares Populares Seara Nova”; no dia 15, o “Sport Club
Alcaçovense”; dia 17, o “Grupo Coral Feminino Cantares À conversa com alguns dos elementos da Mesa Administrativa da Bengalinho Pinto com alguns elementos da Direcção do Sporting
de Alcáçovas”; dia 18, a Santa Casa da Misericórdia de Santa Casa da Misericórdia de Viana do Alentejo Clube de Viana do Alentejo.
Viana; dia 22, a “Associação de Reformados de Viana”;
também no mesmo dia, a “Associação de Reformados de
Alcáçovas”; ainda nesse dia, a “AJAL – Associação de
Jovens de Alcáçovas”; dia 23, a “CulArtes”, em Viana;
no dia 24, a “Associação Terras Dentro”, a “Associação
Cultural e Recreativa de Alcáçovas” e a “Sociedade União
Alcaçovense”; no dia 25, a “GAJA – Grupo Associativo
de Jovens de Aguiar”, a “Associação dos Amigos
Aguiarenses”, o “Clube BTT de Aguiar” e o “Clube
Alentejano dos Desportos Os Vianenses”; e, por fim, no
dia 30, o “Sporting Clube de Viana do Alentejo”. n
Reunião no Salão da Junta de Freguesia de Aguiar com elementos Trocando impressões com a Associação de Reformados,
de diversas associações daquela vila, no dia 25 de Setembro. Pensionistas e Idosos de Viana do Alentejo.

Encontro com elementos da Direcção da Associação de Na Sede do Seara Nova, trocando algumas impressões com
Encontro com o Clube Alentejano de Desportos “Os Vianenses”
Reformados, no dia 22 de Setembro. elementos da sua direcção.
cmyk cmyk

p8 Outubro.2009

Finalmente notícias Cada Munícipe como Agente do


sobre a casa das seu Próprio Desenvolvimento!
ambulâncias de do seguir a direcção da capital.
Em Aguiar, quando param para pedir infor-
mações, reparam num painel informativo acer-

Alcáçovas
Por António Padeirinha,
ca de uma anta do período megalítico. Segue
candidato à vereação e à
imediatamente um sms para aquele amigo que
Assembleia Municipal está a fazer mestrado em História da Arte. O
comum aguiarense de meia idade que haviam
Depois de muitas questões e dúvidas levantadas sobre o atraso da obra
interpelado percebe a curiosidade e informa
da casa das ambulâncias em Alcáçovas, adjudicada por 146.000€, tivemos que poderão marcar visita guiada ali à frente no
finalmente, no passado dia 24 de Setembro, em sede de Assembleia de posto de turismo. O casal agradece, e segue na
Convido os leitores do Vida Nova à
Freguesia, alguns esclarecimentos prestados pelo actual elenco da Junta de leitura de uma pequena história. A acção
direcção de Viana, onde já sabem “que se pode
Freguesia. comer muito bem!”. 5 minutos depois, a cidadã
decorre no nosso concelho. vianense que abordam aconselha “o restaurante
Ficámos agora a saber que estamos pe- • Que subsistem muitas dúvidas quan- que fica no centro histórico, “muito conhecido
Um casal, que segue de carro, pára à entra- pela forma como servem pratos tradicionais”
rante um processo muito mal conduzido to à funcionalidade e operacionalidade das da de Aguiar e pergunta como deve fazer para
pela entidade promotora (Junta de Fregue- instalações, nomeadamente ao nível dos “Se é caro? Caro é pagar e ser mal servido,
seguir em direcção a Lisboa. “Siga em frente, meu Senhores!”. Confirmadas as expectativas
sia) que reconhece a existência de erros de acessos e portões de entrada; passa por Viana…” Em Viana, o nosso casal da restauração vianense e de volta para o car-
projecto, incumprimentos do empreiteiro e, • Que o Sr. presidente da Junta lança as procura onde possa comer bem. “Há uns sítios ro, caminhando pela nova calçada, aproveitam
lamentavelmente, manifesta uma incerteza responsabilidade para o projectista e para bons”, informa a pessoa que abordaram. Mas para retirar o endereço electrónico do posto de
muito grande quanto ao desenvolvimento e a fiscalização, não esclarecendo, no entan- perante a dúvida em relação “às especialida- turismo. Seguem viagem e estão agora na tal
conclusão da obra. to, que tipo de iniciativas pretende tomar, des”, decidem-se a seguir viagem, optando por rotunda. Olham o outdoor do aniversário do
Ficámos ainda a saber: na qualidade de representante da entidade adiar o jantar para a hora de chegada a casa. Tratado de Alcáçovas. Desta vez “Um Tratado
Em Alcáçovas, passam na primeira rotunda e na origem Globalização”. Comentam curiosos,
• Que a Junta de Freguesia tem as con- promotora da obra, na defesa dos interesses
a chegada da noite não os impede de reparar se estarão em terra de importantes decisões…”
tas em ordem com o empreiteiro que, por dos munícipes que representa; no cartaz alusivo ao aniversário do tratado de
coincidência, é o actual presidente da As- • Que a emissão do alvará necessário à Quando abordam um jovem alcaçovense, na
Alcáçovas, “o Tratado que dividiu o mundo ao busca do tal bar, a resposta sai pronta e em tom
sembleia Municipal, eleito pela CDU e regularização e aprovação do actual serviço meio”. Por entre um olhar cúmplice sai uma de orgulho autóctone. “Se quiserem algo mais
candidato ao mesmo lugar pela referida de transporte de doentes, só possível com piada acerca do provável espírito fraccionário calmo, visitem o Bar do Paço, na zona histórica.
força política; a entrada em funcionamento daquelas ins- das gentes locais. Metros depois: “Há por aqui Se preferirem algo mais movimentado, vão até
• Que o valor dos trabalhos a mais, pe- talações continua adiado, questionando-se algum bar que abra cedo, onde se possa beber ao Jovem Bar, que abre um pouco mais tarde.”
didos pelo referido empreiteiro na fase fi- inclusivamente se este incumprimento não café?”. A resposta, em sorisso envergonhado, é Visitam um e depois o outro. Ligam aos amigos
nal da obra, no valor de aproximadamente terá consequências futuras perante a lei. um esgotado “Não…aqui não se passa nada…” e está combinado um fim-de-semana por estas
40.000,00€ terão passado para 15.000,00€, Neste quadro de certezas e incertezas, Agora imaginemos que, à imagem de ou- bandas. “Locais calmos com um certo encan-
tros, o concelho de Viana começa então a in- to…”
(também já liquidados), após negociação, conclui-se o seguinte:
vestir na sua projecção. Recolhe dados, anali- Esta história não será, à primeira vista, mais
sem que exista documentação referente à Que uma das obras de maior investi- sa, e trabalha pensando na notoriedade de cada
aprovação desses trabalhos quando no de- mento realizada pela Junta de Freguesia, que do que isso. Uma narrativa de ficção. Uma
serviço, de cada produto, aproveitando cada banal história, de final feliz. No entanto, creio
correr da obra foi detectada a sua necessi- com recurso maioritário ao seu orçamento, recurso. A começar olha para o benchmarking que, se reflectirmos bem, encontraremos, no
dade; foi conduzida estranhamente de forma pou- como ferramenta imediata. Ou seja, desmonta seu início, algumas semelhanças com factos re-
Ficámos assim esclarecidos: co hábil e com uma total ausência de rigor cuidadosamente exemplos de boas práticas e ais. Depois, a forma como se desenrola poderá
• Que o empreiteiro já embolsou todo o de procedimentos que devem ser observa- adapta-os. Vai ao Festival Islâmico de Mértola muito bem deixar de ser um mero exercício de
dinheiro e que a obra não está pronta nem dos em obras públicas, onde são aplicados e ao Festival Músicas do Mundo de Sines e per- imaginação. Assim se queira arriscar o desen-
cebe que o evento é a nova tendência da promo- volvimento desse trabalho.
ção. Principalmente quando o evento agarra nas Na verdade, não pretendo, de modo algum,
marcas identitárias e as valoriza como imagem questionar o apego de aguiarenses, alcaçoven-
de marca. Olha a Olaria de S. Pedro do Corval e ses e vianenses às suas freguesias e ao seu con-
descobre que já é marca registada. Prova azeite celho. Muito menos considero que não valori-
premiado e sente que assim tão fino deve mes- zem o que é seu perante quem nos visita. Coloco
mo ser de Moura. sim a questão no que se lhes deve proporcionar
Depois o nosso concelho percebe que a como argumento, nas dinâmicas que o conce-
Mostra de Doçaria e a Romaria a Cavalo não lho e cada uma das freguesias devem gerar para
podem resistir como oásis, ainda mais sem se despertar o envolvimento de cada munícipe en-
lhes alterar o habitual registo e que não serão as quanto emissor previligiado e construtor decisi-
dezenas de pequenos acontecimentos que nos vo da imagem do nosso território.
colocam no mapa. Entende que é necessário Cada munícipe é, aliás, peça-chave para
fazer escolhas, concentrar recursos e realizar uma estratégia de Marketing Territorial que
“maior”, mesmo que essa dimensão signifique urge implementar. O Marketing Territorial não
menos vezes. Porque é preciso gerar impacto é mais que uma ferramenta ao serviço do desen-
Casa das ambulâncias de Alcáçovas: uma bota que a actual Junta daquela Freguesia não vê maneira de
mediático, para atrair e depois fidelizar o visi- volvimento de um território e das suas popula-
descalçar...
tante. Porque, por exemplo, foi assim que ga- ções. Quanto se planeia e se definem estratégias
existe prazo para a sua conclusão; dinheiros dos contribuintes; nhou forma o Festival do Norte Alentejano, no de desenvolvimento, o Marketing Territorial
• Que a Junta de Freguesia não accionou Que a confiança pessoal entre elemen- Crato. O nosso concelho entende ainda as mar- deve ser o instrumento que assegura as melho-
os mecanismos ao seu dispor previstos na tos da mesma força política, presidente da cas arqueológicas como recurso a explorar, ar- res condições e garante a correcta gestão dos
lei, face aos incumprimentos do empreitei- Junta e presidente da Assembleia Munici- ticulando-as em viagens históricas que passam recursos, procurando responder às necessidades
ro, nomeadamente notificação por escrito, pal, terá contribuído decisivamente para pelos centros das vilas, agora reajustados para das populações. Explorar e desenvolver o que
comunicar valor patrimonial a quem vem, não é bom, minimizar o que é mau e formar uma
quando se verificaram os primeiros atrasos o impasse em que se encontra a obra, não
esquecendo o bem-estar de quem está. Serpa imagem de marca positiva será, em suma, o seu
e incumprimentos de prazos; abonando em nada um quadro de isenção explica como se pode fazer. O nosso concelho
• Que o Sr. presidente da Junta não agirá e rigor que se exige a quem ocupa cargos principal papel.
compreende também a peça de olaria, o cho- Nesta estratégia deve ganhar forma e sair
judicialmente contra o empreiteiro, apesar públicos. calho, a massa de pimentão, o doce conventual reforçado o papel de cada munícipe como agen-
das responsabilidades que lhe são impu- Que só agora, após muitas insistências, como produto. Cada produto associado a uma te do seu próprio desenvolvimento, sendo certo
tadas, esperando que aconteça um acordo o Sr. presidente da Junta de Freguesia, na marca, para ser bem percepcionado e, assim, que o todo será sempre maior que a soma das
mais cedo ou mais tarde, certamente assen- última Assembleia de Freguesia, decidiu competitivo. E a marca, essa, é global, promo- partes.
te nas boas relações pessoais que advêm da dar algumas explicações sobre este nebu- ve o nosso produto, e terá retribuição quando Convido-o a arriscar connosco, desde já,
militância na mesma força politica, pese loso processo, que todos esperamos venha ele só por si nos identificar. Aqui bem perto, já a aposta numa história de final feliz para a(s)
embora os prejuízos e transtornos que o a ser esclarecido e resolvido com a maior existem os produtos marca Ferreira (Ferreira do nossa(s) terra(s). E parece-me que só nos falta
Alentejo). mesmo o apoio de um(a) Bengalinha para co-
atraso na conclusão da obra acarreta; urgência e respeito que os alcaçovenses
Anos mais tarde, outro casal volta a fazer o
Ficam-nos, no entanto, as seguintes in- merecem. n meçarmos a construi-la! n
mesmo trajecto pelo nosso concelho, procuran-
certezas:
cmyk cmyk

Outubro.2009 p9

O Património do concelho está


degradado e ao abandono
Lamentavelmente nos últimos 16 anos assistimos a um alhea-
mento total dos nossos autarcas a tudo o que diz respeito ao valio-
so (apesar de degradado) património edificado no Concelho legado
pelos nossos antepassados.
Por João Pereira, candidato a Vereador

Num contexto de grandes transforma- Preferiu refugiar-se na velha e gasta


ções políticas sociais e económicas verifi- desculpa da propriedade dos monumentos
cadas nas últimas três décadas, com signifi- não ser sua, esquecendo-se que à volta da
cativas alterações nos tradicionais sectores nossa ilha e noutras autarquias do país se
de produção, como é o caso da agricultura, fazem parcerias com o estado, com a igreja,
assistimos à perspicácia e bom senso de com privados, com o objectivo prioritário
muitas autarquias que apostaram na valo- de colocar o património ao serviço das po-
rização e divulgação do seu património, pulações, numa perspectiva de desenvol-
dinamizando dessa forma a economia dos vimento económico associado às vertentes
seus municípios através da oferta das suas cultural e lúdica.
potencialidades turísticas, aproveitando Referindo-me a Alcáçovas, onde passo
aquilo a que actualmente se convencionou a maior parte do tempo, visto que aí resido,
chamar turismo cultural. junto à Praça da República, confesso que
Em contra ciclo, a autarquia de Viana fico constrangido e muitas vezes envergo-
do Alentejo descurou todas essas possibi- nhado quando visitantes e turistas nacionais Zona do Poço Novo, em Alcáçovas : um espaço bucólico, injustamente esquecido.
lidades, desperdiçou a utilização de fundos e estrangeiros pretendem visitar o Paço dos
tas percorrem as ruas do degradado Centro numa primeira fase, em dias e horários de-
estruturais que garantissem a recuperação e Henriques e a Igreja das Conchinhas, mo-
Histórico da Vila, ou quando se dirigem às terminados os monumentos possam ser vi-
valorização do nosso património e a mais numentos que pela sua importância históri-
várias igrejas, ermidas e capelas e as mes- sitados;
valia que a sua rentabilização em termos de ca são conhecidos em todo o mundo.
mas se encontram fechadas. • Criar roteiros turísticos com informa-
oferta turística poderia significar para o de- A minha indignação e vergonha cres-
Congratulo-me por a candidatura de ção de todas as potencialidades do Conce-
senvolvimento do concelho. cem ainda mais quando os referidos turis-
Bengalinha Pinto eleger como priorida- lho, incluindo oferta nos circuitos turísticos
des no seu programa eleitoral a recupera- nacionais e internacionais;
ção dos nossos centros históricos, criando • Participar em eventos que promovam
condições para que se tornem atractivos do a divulgação turística do concelho.
ponto de vista turístico e de primeira ha- Relativamente a outro tipo de patri-
bitação, bem como a valorização e divul- mónio menos monumental mas também
gação dos seus principais monumentos, de particular interesse, é urgente proceder
através da procura de parcerias e financia- à sua inventariação (carta arqueológica) e
mentos junto de outras entidades, sejam proceder à sua recuperação e inclusão na
elas de carácter público ou privado. oferta turística.
A candidatura de Bengalinha Pinto Dou como exemplo o largo do Poço
tudo fará para encontrar os meios e meca- Novo em Alcáçovas e toda a sua área en-
Convento de Jesus: ao fundo Viana olha, envergonhada, para aquela que foi outrora a rica casa das nismos necessários para que se verifique o volvente, lugarejo degradado e ao abando-
monjas de S. Jerónimo, única em Portugal. seguinte: no, apesar de anexo ao Centro Histórico
• Arranjo e ordenamento dos arruamen- da Vila, onde existem como elementos de
Os votos não têm dono tos, sem esquecer de conciliar essa obra interesse:
A cabine de voto protege os eleitores. Aqui não existe o voto com a necessidade de remodelação das ac- • Um poço setecentista que foi local de
tuais redes de infra-estruturas urbanas; abastecimento público de água à população
de braço no ar! • Criar programas de incentivo aos ha- durante mais de 200 anos;
Todos aqueles que votam, sabem que o po- ma, pois muitos deles foram coagidos a fazer bitantes para preservação e embelezamento • Um chafariz público para abasteci-
dem fazer de acordo com a sua consciência. A a campanha pelos “patrões da democracia” ou das fachadas dos edifícios (de acordo com mento de animais de meados do século
cabine de voto, desde que bem colocada, serve de não a fazerem por aqueles em que vão votar. o normativo estabelecido do Regulamento XIX;
como um escudo à liberdade, para que ninguém Diante da urna todos podem votar de acordo Municipal); • O lavadouro público;
possa estar constrangido no momento de riscar com a sua consciência e recuperar a sua digni- • Criar mecanismos de apoio à recupe- • Um lagar de azeite de propriedade pri-
o boletim de voto. dade, mesmo quando anteriormente foram vio-
ração de imóveis degradados e agilizar pro- vada, mas que poderia eventualmente vir a
Mas nesta dança das cabines, existem várias lentados a carregar com as bandeiras e vestirem
tácticas utilizadas pelos controleiros: uma delas a camisola daqueles que lhes dão as migalhas
cessos de transacção; ser rentabilizado como museu aberto, caso
consiste em colocar a cabine numa posição em da sua sobrevivência. • Encontrar uma atractiva e adequada se tentasse uma parceria com o respectivo
que o votante não sente as suas “costas guar- Protegidos pela cabine, quando se vota, fi- sinalética para espaços com características proprietário.
dadas” – quem está na cabine a exercer o seu camos libertos dos candidatos que tentaram históricas ; Será que este espaço não poderia ser re-
direito de voto, algumas vezes sente a pressão comprar a nossa vontade. • Uniformizar as placas toponímicas de abilitado, constituindo-se como um lugar
de olhares de pessoas sobre a sua nuca, as quais Devemos votar em consciência nos candi- todos os centros históricos com um modelo para ser fruído pelos alcaçovenses, como
se encontram estrategicamente posicionadas na datados que pela sua vivência deram provas de adequado; mais um pólo de interesse turístico da vila?
sala. honestidade e competência. Só merecem o nos- • Uniformizar uma linha adequada para Porque não somos ricos e não nos po-
Já foram presenciadas cabines colocadas so voto, apenas aqueles que nos garantam que todo o mobiliário urbano; demos dar ao luxo de desperdiçar as enor-
com os cortinados voltados para as mesas de vão colocar os recursos públicos ao serviço do
• Fazer acordos e parcerias com enti- mes potencialidades de que dispomos nesta
voto, outras nessa posição relativa, voltadas bem comum.
para os delegados dos partidos. A democracia necessita de ser expurgada
dades públicas e privadas que garantam a área, seria irresponsabilidade não preservar
Por isso o ambiente da sala, a posição da dos mercadores da consciência dos cidadãos, possibilidade de financiamento das obras e valorizar tão valioso legado, retirando daí
cabine deve ser tal que ninguém, no momento principalmente daqueles que põem acima de de recuperação e manutenção dos princi- consequentes vantagens em matéria de de-
do voto, tenha medo daqueles que o ameaça- tudo os seus interesses de poder pessoal, explo- pais monumentos; senvolvimento económico para o concelho.
ram com a perda de emprego. É o momento de rando sabiamente a miséria alheia que dizem • Fazer acordos e parcerias de forma a n
muitos cidadãos recuperarem a sua auto-esti- combater. n criar um roteiro turístico onde pelo menos,
cmyk cmyk

p 10 Outubro.2009

Cresce a lista de apoiantes à candidatura de


Bengalinha Pinto / Partido Socialista
A candidatura de Bengalinha Pinto – Partido Socialista – tem vindo a proceder à recolha de assinaturas de apoio à sua candidatura, fazendo para tal correr, sobretudo durante
as diversas iniciativas que têm assinalado a pré-campanha, abaixo-assinados onde todos aqueles que se revêm neste projecto de mudança, têm manifestado a sua solidariedade. A
negrito publicamos hoje as novas entradas nesta lista de apoiantes. Caso pretenda assinar estas listas, pode dirigir-se às nossas sedes de campanha de Viana e Alcáçovas ou a qualquer
um dos nossos candidatos.

Adelina Maria Rasteiro António Silveiro Franklin Sim Sim José Francisco Manilhas Maria D' Aires Amante Paula Barata
Adriana Pereira Gregório Arlinda Carregado Balão Gertrudes Viegas Realista José Joaquim Nunes Maria D' Aires Baltazar Paula Cristina Santos
Aida Fonseca Aurora Peleja Gil dos Santos Boteta José Gabriel C Penedo Maria das Neves Sezões Paula Nobre de Deus
Alexandra Manzoupo Brites Serra Gomes Gisela Pires Jose Joaquim Gomes Maria Delfina Luz Paula Pinto Branco
Alexandre Dias Carlos Baião Miguel Gonçalo M Algarvio Fadista José Luís Eustáquio Maria Dias Paulo Alexandre Feiteira
Alexandre Santos Carlos Manuel Narciso Gonçalo Pinto José Luís Pereira Maria Emília Nascimento Paulo Roberto
Amália Caixinha Carlos Zorrinho Guilherme Relvas José Luís Rocha Maria Esperança Caleiro Pedro Barras
Ana dos Santos Pires Carolina Pacheco Ilda Ribeiro José Manuel Pereira Maria Esperança Loupa Pedro do Carmo
Ana Fava Caeiro Catia Alexandra Sousa Silva Inácio Pires José Mateus Maria Gertrudes Viegas Rafael José Pelado
Ana Isabel Cansado Cecília Duque Pacheco Inocêncio Celso Figueira José Martins Fabrício Maria Inês Mira Raquel Casquinha
Ana Margarida Pinto Celestino Caeiro Inês Duque Pacheco José Sezões Maria João Duarte Raul Matias
Ana Margarida Rainha Cidália Pires Irene Cristóvão José Silveiro Algarvio Maria João Gomes Pereira Ricardo Bonito
Ana Maria Ferreira Cláudia Carvalho Pires Isabel Dias José Vitorino Alves Maria Joaquina Fadista Ricardo Miguel Azinheira
Ana Maria Fialho Leitão Clementina Cardoso Isabel Francisca Barão Josefa Pinto Maria Joaquina Fonseca Ricardo Calado
Ana Maria Fifi Torres Ilhéu Constança Grilo Isaltina Laranjeira Lénia Fialho Maria Joaquina Rocha Rita Fonseca Martins
Ana Maria Reis Branco Constantina Anjos Janete Coelho Liliana Anjos Maria Joaquina Viegas Rita Guisado
Ana Patrícia Constantina Rosa Anjos J. M. Dionísio Prates Luís André Silveiro Maria José Capucho Rita Parreira Carvalho
Ana Paula Maia Cristela Caixinha Joana Romão Viegas Luís António Chora Maria José Fadista Rosalia Merca
Ana Paula Martins Daniel Martins João Anéis Luís Carlos Mendes Maria José Louro Rosa Maria Mira
Ana Raquel Viegas Grilo Daniela Figueira Amante João António Viegas Carvalho Luís Carlos Piteira Dias Maria José Silva Rui Fernandes Casaca
Ana Rufas Falé David Rafael João Consolado Luís Filipe César Maria Luisa Rodrigues Rui Miguel Caeiro
Anabela Maurício Deolinda Pia João Luís Eustáquio Luís Pedro Morais Maria Luisa Moisés Rui Morgado Ribeiro
Anabela Pinto Domingos Anjos João Maria Fontes Ilhéu Luís Torres Gomes Maria Madalena Sim Sim Sabina Caixinha Silva
André Santos Manzoupo Elisabete Loupas João Mauricio Luisa Figueiredo Maria Manuela Magro Salvador Estevão Viegas
Angelina Pinto Elsa Janeiro João Miguel Gemito Luisa Louro Brito Maria Manuela Mateus Serafim Caixinha
Antónia de Jesus Nunes Elvino João Brito João Pimentão Luisa Margarida Mendes Maria Manuela Viegas Lucas Sergio Silva
Antónia Jacinta Pinto Euclides J L Ferro João Salvador Mafalda Anjos Maria Margarida Mendes Silvestre Correia Pires
Antónia Mariana Grave Faustino Realista Joaquim Amado Manuel António Calado Maria Paula Carpinteiro Sílvia Mestre Escola
António Azinheira Mendes Fernando Mauricio Joaquim António Cardoso Manuel António Barbeiro Maria Pilar Pão Mole Soraia Gonçalves
António Barão Filipe Manuel Fadista Sezões Joaquim Manilhas Manuel António Panoias Maria Roberto Tadeia Carvalho
António Carvalho Filipe Miguel Pereira Joaquim Manuel Gafanhoto Manuel José Baião Maria Rosa Espadaneira Telmo Ferreirinho Seco
António César da Mata Filomena Galego Coelho Joaquim Mira Gemito Manuel Norberto Santos Maria Teresa Duarte Teresa Duque Pacheco
António Fonseca Peleja Florbela Batalha Lopes Joaquim Remourinho Manuel Pacheco Mariana Neves Alves Teresa Pinto
António Francisco Ferreira Florbela Luz Fernandes Joaquim Viegas Pinto Manuel Pedro Grilo Mariana Jesus Curraleira Teresa Vilela
António Joaquim Floriano Belga Joaquina Casaca Soldado Manuel Pinto Mariana Patão Tiago Manuel Cardoso
António Joaquim Espadaneira Francisca Maia Joaquina Laranjeira Maria Adelina Calado Mariana Pimentão Valentino Salgado Cunha
António José Dias Francisca Orelha Joaquina Maria Viegas Maria Alice Lagarto Marta Magro Vanda Brito
António José Pinto Francisca Rosa Baltazar Joaquina Rosa Patinha Maria Amélia Mira Mendo Bentinho Vanda Pintado
António Luis Mendes Francisca Rosa Gomes Jorge Baião Miguel Maria Angélica Pratas Mónica Branco Vânia Mira
António Manuel Garcia Francisco A C Miguel Jorge Cristóvão Maria Antónia Grave Mónica Santos Filipe Vera Loupas Pimentão
António Manuel Bento Francisco António Manilhas Jorge Gonçalves Maria Antónia Mira Natércia Pereira Vera Lúcia Ferro
António Manuel Paiva Francisco José Baião José António Cunha Maria Boa Morte Nuno Miguel Farinho Vera Manilhas Bagão
António Maria Horta nova Francisco Grilo José António Serafino Maria Carolina Lima Nuno Miguel Fitas Virgínia Mira
António Miguel Vaqueira Francisco Leonel Pinto José Antunes Maria Catarina Barroso Nuno Tenrinho Vítor Coelho
António Póvoa Velez Francisco Manuel Latas Pratas José Augusto Mira Maria Catarina Farinho Orlando José Botas Vitor Manuel Figo Lucas
António Serrano Francisco Relvas José Bravo Nico Maria Conceição Pereira Palmira R F Xarope
António Silva (Beijinho) Francisco Romão José Fialho Duarte Maria Custódia Milhano Patricia Isabel Sezões

Uma Nova Esperança

Bengalinha Pinto
Por um concelho
mais solidário, mais moderno,
mais bonito, mais empreendedor,
um concelho
onde valha a pena viver !

Você também pode gostar