Você está na página 1de 4

A ORIGEM DA TRADIÇÃO JURÍDICA OCIDENTAL NA REVOLUÇÃO PAPAL

CENÁRIO ANTERIOR A REVOLUÇÃO PAPAL


DIREITO
• Não existia antes do séc. XI, nem na esfera secular, nem na eclesiástica – autonomia em
relação a outros processos de controle social.
• Situação do direito
• Escolas de direito
• Texto jurídico a respeito das categorias jurídicas fundamentais
• Teoria sobre: as fontes do direito,
• Teoria sobre as relações entre os direitos:
• Divino e natural com o secular
• Eclesiástica com o secular
• Costumeiro com o escrito
• Vários tipos de direito: feudal, real, urbano
• Falta de sistematização do direito devido às condições da época

CONDIÇÕES DA ÉPOCA
• Caráter local e auto-suficiente das tribos, vilas e comunidades.
• Fusão de autoridades dentro de cada uma delas.
• Fraco controle política e econômico das autoridades centrais .
MUDANÇAS OCORRIDAS XI-XIII
• Políticas: Surgimento de autoridades centrais fortes: tanto seculares quanto eclesiástica
• Jurídicas: emergência de classe de juristas + criação das 1as escolas de direito + 1os
tratados jurídicos + criação do conceito de direito como campo jurídico autônomo
Junção desses 2 fatores ajudou a produzir os sistemas jurídicos ocidentais dos quais o 1º foi
Direito Canônico da Igreja Católica Apostólica Romana.
• Religioso: Revolução Papal do papa Gregório VII que declarou duas supremacias: 1) a
política e jurídica do papado sobre o restante da Igreja; e 2) a independência do clero de
qualquer controle secular.
SITUAÇÃO DA IGREJA PRÉ XI
• Submissão do clero: clero estava mais submetido à autoridade dos imperadores/reis do
que à dos papas.
• O bispado: era um grande território rural com senhores que se ocupavam da administração
da economia agrícola e das tarefas militares e com camponeses que realizavam o trabalho.
• Confusão esfera política e religiosa: imperadores/reis convocavam concílios e
promulgavam suas normas e clérigos participavam de corpos governamentais – local,
baronial, real.
FUNÇÕES DO IMPERADOR
• Tarefas militares: manter coalizão de exércitos tribais para uma possível defesa contra
inimigos externos
• Tarefas religiosas: manter a fé cristão contra um retorno do paganismo.
• Tarefas judiciais: ouvia as reclamações e fazia justiça
 Poder religioso de reis/imperadores: áurea de santidade, considerados líderes religiosos do
povo,
possuidores de poderes de cura.
MOVIMENTO X-XI
• Purgação da a Igreja: de influências locais/feudais e da corrupção que a acompanhava.
• Ordem de Cluny: 1ª ordem na qual os diversos mosteiros se submetiam às ordens de um
líder central
 Obteve a aliança com os imperadores contra os nobres.
• Ataque: ao poder eclesiástico de líderes feudais/locais por meio de 2 mecanismos:
• Simonia: compra e venda de cargos da Igreja
• Nicolaísmo: casamentos/concubinatos clericais.
• A REVOLUÇÃO PAPAL
PAUTA
• Proclamação da supremacia jurídica do papa sobre todos os cristãos
• Supremacia do clero sobre as autoridades seculares.
• Todos os bispos deveriam ser indicados pelo papa e deviam obediência a esse e não aos
senhores locais.
• Ordenou o boicote de todos os cristão aos clérigos que estivessem em
concubinato/casados.
• Busca pelo registro escrito da história da Igreja para fundamentar o desejo dessas
supremacias.
• Papa quer acabar com as investiduras: poder de reis de investir clérigos em cargos de
igreja.
• Paz de Worms 1122: reis renunciaram ao seu direito de investir os clérigos com os
símbolos espirituais do anel e do cajado, cabendo apenas à Igreja tal tarefa; papa
concedeu ao imperador o direito de presenciar tais cerimônias, podendo intervir na
decisão quando elas eram muito disputadas.
• Reduzir o poder papal, mas nunca negando que ele derivava do poder divino.
DICTATUS PAPAE : publicada por Gregório VI em 1075
• Somente o bispo de Roma pode elaborar novas leis, de acordo com as necessidades da
época.
• Papa tem o poder de depor imperadores
• Nenhum livro/capítulo poderia ser considerado canônico sem sua autoridade
• Nenhum de seus julgamentos poderia ser revisto e só ele poderia rever o julgamento de
todos.
PODERES DO PAPA:
• Convocava/presidia concílios
• Intérprete do direito
• Concedia privilégios e isenções
• Juiz e administrador supremos.
• Jurisdição geral de toda a cristandade: pode-se submeter qualquer assunto à sua
apreciação.
Principais fontes da tradição jurídica ocidental: separação, concorrência e interação das
jurisdições secular e religiosas.

CARACTERÍSTICAS DE UMA REVOLUÇÃO: TOTALIDADE, RAPIDEZ, VIOLÊNCIA E DURAÇÃO.


TOTALIDADE:
Conceito: não há explicações monocausais, o entendimento de uma revolução deve passar
pela compreensão da relação entre várias causas ou dimensões. As dimensões seguem
abaixo.
1. Política
• Igreja: houve mudanças políticas dentro da Igreja e nas suas relações com os governantes
• Mundo laico: mudanças nas relações entre Europa ocidental e as potências vizinhas. As
cruzadas foram exemplos disso.
2. Econômica
• Crescimento produção agrícola  surgimento de excedentes : devido a inovações
tecnológicas no campo
• Aumento do comércio  aumento das manufaturas e das corporações de ofício.
• Aumento da população européia em 50% entre 1050 e 1150.
• Surgimento das cidades XI, XII e XIII.
• Auge do feudalismo como modo de produção dominante.

3. Culturais e intelectuais
• Criação das universidades.
• Filosofia, jurisprudência e teologia: sistematização rigorosa.
• Desenvolvimento da arquitetura.
• Desenvolvimento das línguas vernáculas, da poesia épica, lírica e dos romances corteses.

4. Religiosa
• Consciência de classe dos clérigos: identidade corporativa do clero + autoconsciência
como grupo + oposição entre eles e os leigos.
• Conceito dinâmico de responsabilidade da Igreja para reformar o mundo.
• Nova noção de tempo histórico: conceitos de modernidade e progresso.
VIOLÊNCIA , RAPIDEZ & DURAÇÃO
Conceito
• A rapidez não tem a ver com o tempo necessário para uma revolução fazer sentir seus
objetivos e sim a rapidez das ações que são tomadas para atingir esses objetivos.
• A duração se relaciona com seus efeitos; a Revolução Papal foi duradoura porque seus
efeitos se postergaram por muito tempo.
• Liberdade da Igreja: essa era a bandeira política da Igreja e isso significava libertar o clero
da autoridade senhorial + unificação deste pelo papa. O que se buscava: luta pelo poder +
luta por uma nova ordem de coisas

CAUSAS E CONSEQÜÊNCIAS DA NOVA CONSCIÊNCIA XI E XII


AUTOCONSCIÊNCIA CORPORATIVA DO CLERO
• Sempre houve unidade de crença e de vocação, mas não política e jurídica.
• Reforma de Cluny: ao ter suas bandeiras apropriadas pela Revolução Papal, contribuiu
para a formação dessa nova consciência de classe do clero  por exemplo celibato dos
padres + eliminação de vendas de cargos da Igreja. O papado apelava e estimulava a
consciência de classe dos clérigos.
• Características: classe translocal, transfeudal, transtribal e transnacional.
• Unidade de classe se dava majoritariamente por seu papel como produtor de bens
espirituais, 1 como divulgador da teologia ocidental, bem como das suas doutrinas jurídicas
e políticas.
CONCEITO DINÂMICO DE RESPONSABILIDADE DA IGREJA PARA REFORMAR O MUNDO.
A Igreja deveria reformar o século, mas o que é isso?
• Latim clássico: saeculum queria dizer uma era, uma geração, um tempo ou as pessoas de
um tempo.
• Padres séc. III, IV e V: saeculum para referir-se ao mundo “temporal”, ao mundo dos
homens em oposição ao mundo de Deus.
• Santo Agostinho: saeculum queria dizer o somatório da existência humana, passado,
presente e futuro. É uma existência sem qualquer sentido ou razão, não existem noções de
progresso.Essa visão negativa contribuiu para uma divisão nítida entre clero regular
[distante do saeculum e mais próximo da Cidade de Deus] e secular [ o oposto].
NOVA NOÇÃO DE TEMPO HISTÓRICO: CONCEITOS DE MODERNIDADE E PROGRESSO.
• Antigos X modernos: essa oposição não é nova, mas ocorreu também nos discursos
papais.
• Tradição: busca da tradição primordial, verdadeira que só poderia ser adquirida pela
supressão da tradição vigente. Daí a idéia de restauração.

IGREJA E ESTADO MODERNO

1
Não se descarta os interesses econômicos do clero, mas seu papel religioso é que pautava uma identidade de classe.
IGREJA PÓS GREGÓRIO VII: maioria das características do Estado moderno.
Características
• Papa legislava.
• Aplicação das leis por meio de uma hierarquia administrativa.
• Igreja interpretava suas leis e havia uma hierarquia judicial que culminava com a cúria
romana.
• Sistema racional de jurisprudência: Direito Canônico.
• Registro civil: batismo e óbito.
Exclusão de cidadania: excomunhão.
Crítica
Não se pode falar de estado tal como conhecemos hoje, já que ainda havia uma grande
confusão entre as esferas laicas e religiosas.

CONCLUSÃO: A REVOLUÇÃO PAPAL & A TRADIÇÃO JURÍDICA OCIDENTAL


LEGADO DA REVOLUÇÃO PAPAL
• Tensões entre valores espirituais e seculares.
• Instituições governamentais e jurídicas [tanto seculares quanto espirituais] para
resolverem essas tensões.
LEIS ECLESIÁSTICAS
Profusão de leis:
• Decretos de concílios de sínodos da Igreja.
• Decretos e decisões de bispos.
• Direitos de imperadores/reis cristãos em relação a Igreja.
• Penitências  manuais para padres com a descrição de de vários pecados e penas
aplicáveis a eles.
• Hierarquia: todas essas regras deveriam se submeter às contidas na Bíblia e nos
escritos dos primeiros padres.
• Coleções de leis: simples organização cronológica em categorias por fontes.
1. Corpo comum de doutrina teológica
2. Serviço de adoração comum
3. Conjunto de regras tratando dos pecados capitais
4. Estrutura/disciplina eclesiásticas comuns.
DIREITO PARA IGREJA
A Igreja preocupava-se com o direito na medida em que este versava sobre aspectos de fé [=
doutrina, adoração e liturgia], já que aí residia sua universalidade. Só secundariamente se
preocupava com aspectos organizacionais.
TRADIÇÃO JURÍDICA QUE SURGE COM A REVOLUÇÃO PAPAL
• Sistemas jurídicos seculares e espirituais
• Escolas de direito
• Tratados de direito com um corpo integrado, autônomo e em desenvolvimento de
princípios e procedimentos.
• Tarefas desempenhadas pela nova tradição jurídica ocidental
• Controlar por autoridades centrais uma população dispersa em vasto território
• Manter a identidade corporativa do clero e adicionar uma nova missão
• Regular as relações entre políticas concorrentes: seculares e cléricas
• Possibilitar às autoridades seculares cumprirem sua missão: impor paz e justiça em
suas jurisdições.
• Possibilitar ao clero cumprir sua missão: reformar o mundo.