Você está na página 1de 14

MEDIA TERRORISTA,

informação ou persuasão?
Alexandre Duarte
Professor Convidado IADE, EPBJC, ESAD - Investigador UNIDCOM

resum o
Depois dos ataques às torres gémeas do World Trade Center, o
mundo ficou mais familiarizado que nunca com o termo "terrorista".
De forma praticamente imediata e inconsciente, esta palavra e
este conceito, foram automaticamente associado aos muçulmanos, ao
Médio Oriente, ao Afeganistão, ao Iraque, à Al-Quaeda, a Bin Laden, etc.
No entanto, nunca esta terminologia se referiu ou associou à
sociedade ocidental. Este é então o ponto de partida para esta análise.
Partindo de um facto específico e traumático - os ataques do 11
de Setembro - partiremos para a análise da forma como os meios de
comunicação social (MCS) ocidentais trataram o assunto e de que forma
as nossas opiniões e atitudes foram - ou são - moldadas por esta
“ditadura” do poder dos MCS, à luz das teorias dos cultural studies, dos
textos e análises de Jean Baudrillard e das interpretações de vários
autores, em particular de Douglas Kellner.

palav ras- c hav e


Media, Terrorismo, 11/9, Comunicação de Massa, Indústria Cultural,
informação e persuasão, Escola de Frankfurt, Cultural Studies, Douglas
Kellner, Jean Baudrillard

“Es t a m o s s em p r e i n cl i n a d o s a t r a n s fo r m a r o
i n s t r u m en t a l t écn i co em b o d e exp i a t ó r i o d o s
p eca d o s p r a t i ca d o s p o r a q u el es q u e o
m a n ej a m . O s p r o d u t o s d a ci ên ci a m o d er n a , em
s i m es m o s , n ã o s ã o b o n s n em m a u s : é o m o d o
co m q u e s ã o em p r eg u es q u e d et er m i n a o s eu
va l o r . ”
General David Sarnoff
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

Intro duç ão
Antes de entrarmos no tema propriamente dito, começaremos pelo
enquadramento teórico e respectiva análise da importância crescente (e consequente
debate) que tem havido nos últimos tempos sobre a forma como os meios de
comunicação social (MCS) influenciam e determinam a cultura, para depois, então sim,
analisarmos o tema específico dos ataques “terroristas” e a sua adequação no contexto e
advento da sociedade mediática de que nos fala Marshall McLuhan, bem como a
influência real e prática que a forma como este tema foi comunicado, teve no dia-a-dia
das sociedades ocidentais.
As primeiras referências teóricas nesta área foram produzidas pela chamada
Escola de Frankfurt, na qual, dois estudiosos, Horkheimer e Adorno, criaram, em 1947, a
expressão “indústria cultural” referindo-se ao processo de industrialização da cultura.
Para estes autores, a cultura era transformada em mercadoria, produzida em
escala industrial de forma “ standartizada” , pelo que estes teóricos viam nos meios de
comunicação de massa (cinema, rádio, música) instrumentos de dominação, de alienação
e de manutenção das classes sociais.
Na verdade, convém esclarecer que este conceito de “indústria cultural” destes
pensadores “ frankfurtianos” não se refere aos meios em si (enquanto meros veículos),
mas ao uso dessa tecnologias por parte das classes dominantes.

“ A Indústria C ultural im pede a f o rm aç ão de indiv íduo s autó no m o s,


independentes, c apazes de julgar e dec idir c o nsc ientem ente.”
Theodor Adorno

Os trabalhos e estudos destes e de outros autores pertencentes à Escola de


Frankfurt, apesar dos seus fundamentos marxistas (que entendem os processos de
comunicação como expressão da ideologia económica), são, no entanto, os precursores
das abordagens de estudo que surgiram na década de 60 em Birmingham, Inglaterra, e
vieram a ficar conhecidos como “Cultural Studies” que, já entendem os processos de
comunicação como expressão das práticas culturais da sociedade e da negociação entre
seus membros.
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

3
Os Cultural Studies ultrapassaram algumas das “limitações” encontradas nas
propostas da Escola de Frankfurt, nomeadamente, e pelo que aqui nos interessa, ao nível
da análise do papel dos MCS. Para estes autores, os MCS não são apenas uma entidade
dominadora, mas antes um produto cultural que se alimenta de outras culturas, a partir de
uma relação de interdependência.
Assim sendo, os produtos mediáticos informam, respondem a uma necessidade
social, proporcionam cultura e lazer, reflectem e colocam em discussão os diferentes
valores e símbolos existentes, e ora manipulam, ora servem como resistência ao status
quo.
No entanto e apesar de podermos considerar que existiu uma evolução, é
importante que as questões levantadas pela Escola de Frankfurt não sejam totalmente
deixadas de lado. Devemos procurar o equilíbrio entre o ideológico e o resistente, na
medida em que não é apenas o receptor quem produz significados, os meios de
comunicação também o fazem. Os MCS são um reflexo do processo hegemónico
(Williams, 1979): ao mesmo tempo que incorporam e se adaptam às diferentes culturas,
num processo contínuo de negociação, integram os valores, significados e crenças da
classe dominante. A questão é que esta ideologia dominante não existe sozinha. Ela
corresponde à organização material do mundo dentro de um contínuo processo de
pressão e oposição.
E é precisamente esta pressão e oposição à hegemonia que proporcionam o
fortalecimento e o desenvolvimento do processo democrático.

E aqui entra a famosa crítica Althusseana à ideologia. Segundo Altusser, a cultura


não é mais que um modo de reprodução ideológica e de hegemonia, na qual as formas
culturais contribuem para a definição dos modos de pensamento e comportamento que
conduzem à adopção, por parte dos indivíduos, das condições sociais vigentes (Kellner,
2004:9).
Ou seja, a ideologia, para além da “ilusão/alusão” relativa à correspondência
entre o imaginário e as reais condições de existência dos indivíduos, existe também, de
facto, na imperatividade de um aparelho ou “máquina” dominadora/repressiva (a que o
autor chamou de Aparelhos Ideológicos do Estado, manipulados pelo Aparelho Repressivo
do Estado), (Althusser, em Zizek, 1996:126-130) que serve os interesses de poder
socioeconómicos instalados.
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

4
Manipulaç ão atrav és da C o m unic aç ão de Massas
Como vimos, é impossível dissociar a comunicação de massas da indústria
cultural, uma vez que elas são interdependentes, desde logo pelo facto de existirem hoje,
meios de comunicação capazes de fazer chegar uma mesma mensagem a muitos milhões
de pessoas. Assim sendo, a indústria cultural é consequência desta sociedade actual que
aceita, a maioria das vezes sem qualquer julgamento prévio, ideias, mensagens e
informações sem nenhuma barreira ou filtro, tornando-se assim numa sociedade de
consumo globalizada, sem restrições.

Daqui advém, naturalmente, a questão da manipulação através dos MCS. As


informações, notícias, filmes, anúncios, etc. etc. chegam de todo o lado e através de todos
os canais, ocupam tanta parte do nosso tempo que acabam por nos alhear da realidade. E
os indivíduos, passivos, abdicam da sua liberdade e deixam-se ser controlados. E os
governos e as classes socioeconómicas dominantes tiram, claro está, partido desta
situação, quer a nível financeiro, quer cultural, utilizando esses meios para manipular a
sociedade.

Numa espécie de resumo do até aqui exposto, facilmente concluímos que os


MCS servem mais aos interesses dominantes que aos socialmente universais.

Feita que foi esta introdução ou enquadramento teórico mais generalista - e


apesar de assumirmos que os Cultural Studies se preocuparam mais com os materias
rejeitados da cultura popular e dos meios de massas, por entenderem que eram estes que
lhes forneciam as mais importantes evidências sobre as direcções da cultura
comtemporânea - o certo é que vários autores desta corrente, como Raymond Williams
ou Douglas Kellner, para citar apenas dois, deram uma grande contribuição para os estudos
das relações entre ideologia, cultura e media.

Debrucemo-nos então agora um pouco mais sobre a obra de Douglas Kellner,


(que se interessou e teorizou, entre outros, sobre a temática do nosso ensaio: a cultura dos
media), como corolário do ciclo teórico até aqui desenvolvido e que nos permitirá evoluir
depois para a análise do caso a que nos propusemos analisar.
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

Logo no primeiro parágrafo do seu estudo Cultural Studies, Multiculturalism and


Media Culture, Kellner afirma que são os MCS que nos proporcionam o material com a qual
“formamos” as nossas identidades; a nossa noção de feminino e masculino; o nosso
sentido de classe, raça, nacionalidade, sexualidade e a separação entre o “nós” e os
“outros”. Mais: são os MCS que nos demonstram que tem o poder e quem não tem, a
quem é permitido exercer a força e a violência e a quem não é. São eles que dramatizam e
legitimam quem pode oprimir e ocupar os menos poderosos.

Este é precisamente o ponto que nos permite fazer a ponte para o caso que aqui
pretendemos analisar, à luz do até aqui referido.

Para tal, iremos partir dos vários estudos e pappers de Jean Baudrillard, onde este
autor analisa a temática da influência e importância dos MCS na cultura e sociedades
ocidentais, alguns dos quais mereceram comentários da parte de Kellner que
referenciaremos sempre que assim se justifique.

11 de S etem bro : o nde ac aba a no tíc ia e c o m eç a o espec tác ulo ?


Se todos os conflitos, (e no limite, todos os acontecimentos), são
invariavelmente diferentes dos anteriores, no caso específico desta “guerra”, em pleno
século XXI, o tema adquire contornos particularmente interessantes para o nosso âmbito
de estudo, dada a complexidade dos processos de informação e comunicação envolvidos.

A troca e partilha de informação em rede, a evolução dos meios e das


possibilidades de comunicação, as imagens imediatas e a velocidade de circulação das
mesmas tornam tudo realmente diferente. Nesse sentido, também os conflitos, e as
próprias relações de poder são feitos, cada vez mais, através da dominação e da
hegemonia das imagens.

A noção de "violência" há muito que já deixou de ser apenas relativa a atrocidades


gritantes ou a cenas de sangue explícito; é também humilhação, exposição não autorizada
e, pior: o assassínio da realidade.
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

Para aprofundarmos esta viagem pelos “bastidores” das notícias, das imagens e
dos conteúdos, no fundo, da informação, interpretemos a forma como a cobertura
mediática do "11 de Setembro” e a consequente guerra no Iraque foi realizada para
tentarmos levantar uma pequena ponta do véu como o espectáculo de terror é gerado,
manipulado e divulgado.

Imediatamente após os ataques, Baudrillard publicou um artigo no jornal Le Monde


em 2 de Novembro de 2001, intitulado “L’ esprit du Terrorism”, onde, para além de analisar
o impacto verdadeiramente marcante do acontecimento num momento a que chamou
de pós-período de "eventos fracos", também comentou sobre a nomeação que o evento
ganhou de imediato: “9/11".
E justificou: para que algo receba uma denominação associada a uma data, i.e., para
marcar um momento na história, pressupõe, em qualquer caso, que se trata de um facto
que "vem ou acontece pela primeira e última vez," algo "que ainda não sabe realmente
como se pode identificar, definir, reconhecer, ou analisar, mas que deve permanecer daí
em diante inesquecível: um acontecimento indelével na partilha de arquivo de um
calendário universal ". (Baudrillard, 2001) Foi o caso.

Milhões de pessoas em todo o mundo “viveram”, em tempo real, através dos


directos de televisão, os ataques ao World Trade Center, em Nova Iorque, no fatídico dia 11
de Setembro.
As transmissões ao vivo mostraram os dois aviões a embater nas torres gémeas,
as pessoas a fugir, os suicídas desesperados a saltar das janelas, os bombeiros, a polícia, o
drama, a ansiedade, o fumo, o desmoronar das estruturas, enfim, tudo isto num crescendo
de emoções estrategicamente mostrado com a clara intenção de alimentar, mais que um
sentimento de drama, uma ideia, um propósito, uma revolta interior em cada um dos
espectadores.

Na verdade, e isso é o mais preocupante, qualquer grupo de pessoas pode ser


rotulado como terrorista por uma poderosa máquina manipuladora, que usa os mass
media para impor a sua ideologia.
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

7
Os atentados do 11 de Setembro ultrapassam largamente a dimensão de mera
violência física ou um acto de pura arbitrariedade. Antes pelo contrário: o alvo foi eleito
pelo seu absoluto simbolismo.

Desde logo, as torres gémeas do World Trade Center eram um símbolo, um ícone
representativo da força do mercado capitalista global.

Em segundo lugar, os "terroristas" utilizaram todas as ferramentas


tradicionalmente associadas às sociedades ocidentais, como aviões, redes informacionais,
computadores, bem como toda a panóplia e poder dos meios de comunicação para
“produzir” o seu espectáculo.

E isto remete-nos de novo para o centro do âmbito da nossa análise: um acto de


violência com esta dimensão, neste contexto e com estas implicações, (ao contrário da
maioria dos indivíduos que cometem crimes brutais - que não o fazem numa lógica ou
intenção de ganhar protagonismo ou publicidade para as suas causas, ou colher frutos
políticos dessas atitudes) é apenas um meio para ganhar atenção mediática e cobertura
noticiosa.

O u seja: o o bjec tiv o últim o desta "v io lênc ia" não são
as v ítim as em si, m as um públic o extrem am ente m ais v asto
e assim , deste m o do , o "espec tác ulo do terro r"
ganha um estatuto de “ ac to de c o m unic aç ão ” .

As profundas mudanças ocorridas desde meados do século XX, brilhantemente


definidas por Marshall McLuhan (1964: 21-36) na sua visão dos MCS através da famosa
expressão “aldeia global” são o principal factor que faz com que os mass media sejam
hoje, verdadeiramente globais.
Voltemos ao nosso exemplo: através da CNN, que basicamente difundiu para
todas as redes de televisão mundiais o que se estava a passar, o mundo acompanhou os
ataques em directo. Mais: foi sendo “informado” e “elucidado” da sequência dos
acontecimentos via uma quase exclusiva fonte emissora de conteúdos. Um único centro
decisor monopolizou os timmings, a orientação e a interpretação da informação e das
imagens do incidente.
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

Torna-se assim evidente que os MCS ajudaram (se é que não construíram mesmo
de raiz) a criar o protótipo do “terrorista”: oriundo do médio oriente, muçulmano,
extremista, disposto a morrer por um mero, simples e irracional fanatismo religioso, esta
visão racista foi, não temos hoje qualquer dúvida, fruto do trabalho tendencioso dos media
ocidentais.

Pior ainda: os MCS, no exagero da ligação entre a religião muçulmana, (entendida


como uma entidade hermética e indiferenciada), e as pessoas que a praticam ou
comungam, ultrapassaram os limites do bom-senso e instalaram nos cidadãos o
sentimento de que, qualquer vizinho do lado, debaixo da máscara do bom imigrante
trabalhador e cumpridor está um “terrorista” potencial, pronto a acabar com a sua família e
a sacrificar a sua vida em prol de valores absurdos e inaceitáveis.

E a consequência disto passa a ser uma nova forma de temor: o terrorismo


psicológico, que se espalha de forma vertiginosa e galopante. É uma espécie de “violência
da imagem” onde o "habitante do Médio Oriente" passou a significar "terrorista". O
conceito original de "terrorista" desaparece e é substituído por uma grotesca encenação,
que mais não faz que substituir um imaginário criado por aquilo que é real (Baudrillard,
2003:73).

Esta imagem do homem do "Médio Oriente" como o inimigo, o "fanático


religioso", o “perigo” foi feita através da declaração de "guerra ao terrorismo" pela
administração Bush.
Ao ir propositadamente repescar o antiquado mapa mental de oposição binária
bons vs. maus, cunhando o "Médio Oriente" de maus e auto-intitulando os E.U.A. de bons,
esta "guerra contra o terrorismo" ganhou um simbolismo heróico.
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

9
S ó que esta "guerra ao terro r"
é abso lutam ente espec ulativ a,
na m edida em que não v em o s
o v erdadeiro ac o ntec im ento .

Nós ”sabemos” que muitos civis ou soldados morreram na guerra, “somos


informados” da zona algures de onde Osama Bin Laden terá fugido, eventualmente “temos
acesso” ao balanço das despesas com a guerra, e às vezes ouvimos as notícias de um ou
outro suicídio entre os soldados americanos através dos MCS, mas apenas e tão só o que
“ os Aparelhos Ideológicos do Estado manipulados pelo Aparelho Repressivo do Estado”
(Althusser, Zizek, 1996:126-130) querem que saibamos.

A guerra é divulgada em contínuo, e mesmo os abusos na prisão iraquiana de Abu


Ghraib, por parte de soldados americanos, foram revelados pela descoberta de imagens de
uma forma quase aleatória.

Segundo Kellner, nos seus comentários sobre as aventuras da Imagem e do


espectáculo, por ocasião do 75º aniversário de Baudrillard, "As imagens de Abu Ghraib
foram uma paródia da violência e da guerra do Iraque em si mesmo, em que o "reality
show" da libertação do Iraque se tornou: um espectáculo infantil da impotência do poder
americano".

O po der de c o ntro lo é internalizado ,


e as pesso as deixaram de ser v ítim as da im agem ;
elas transf o rm aram - se nas pró prias im agens.

"Os meios de comunicação promovem a guerra e a guerra promove os meios de


comunicação social" e isso é o"que nos permite transformar o mundo e a violência do
mundo em consumíveis com substância" (Baudrillard, 2003: 36).
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

10
"Terrorista" pode significar coisas muito diferentes. É evidente que cada palavra
não tem uma definição exclusiva e hermética, mas tem significados diferentes consoante o
momento da história e das culturas.
Mesmo quando situado no contexto actual, onde a violência é o elemento básico
do acto "terrorista", a sua função e finalidade é constituir um perigo para a vida humana. Ou
seja: as definições de terrorismo são virtualmente as mesmas que as definições de contra-
terrorismo.

No entanto, quando os E.U.A usam armas químicas e biológicas, com vista a


dissuadir e punir os actos terroristas em nome da "guerra contra o terrorismo", estão ou
não a cometer, também eles, actos de “terrorismo”? Qualquer cidadão ocidental dirá que
não.

A v erdade é que em am bo s o s c aso s,


tanto no s ataques do 11 de S etem bro
c o m o na " guerra c o ntra o terro rism o ",
o s ac to s v io lento s exerc ido s po r duas entidades dif erentes
tam bém tinham no m es dif erentes para o públic o .

Por conseguinte, o terrorismo é difícil de definir. E voltamos ao conceito de


Althusser: são os E.U.A, porque são financeira e politicamente mais fortes, que detém o
poder de definir o que é ou não terrorismo. Se o Islão dominasse o mundo, os “terroristas”
seriam os ocidentais.

Concluindo: nesta lógica, os E.U.A. criaram a ilusão de assumir que a “capacidade”


de definir quem é e quem não é "terrorista" é sua, ou seja, como poder/ideologia
dominante que são, têm a liberdade de presumir de que lado está a razão e passar essa
mensagem ao resto do mundo.
Se, por alteração das circunstâncias, o "Oriente Médio" se vier a tornar o poder
dominador, esta definição de terrorismo será, com toda a certeza, reformulada.

Apetece-nos terminar este ensaio com a frase que Kellner deixou escrita no
documento que entregou numa conferência em Karlruhe, na Alemanha, em 2004 por
altura da comemoração do septuagésimo quinto aniversário de Baudrillard:
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

11

“ S em pre pro v o c ado r, B audrillard deixa- m e a pensar,


à luz das v ic issitudes e c atástro f es da histó ria c o ntem po rânea,
que T heo do r A do rno estav a c erto quando esc rev eu:
“Apenas os exageros são verdadeiros.”
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

12
Ref erênc ias biblio gráf ic as:

KEL L N ER, Douglas, "Media C ulture”, Routledge, Londres, 1995

B A UDR IL L A R D, Jean, "TT he spirit o f T erro rism and Requiem f o r the T win
T o wers ", New edition, translated by Chris Turner, Verso Books, 2003

HA L L , Stuart, H O B S O N , Dorothy, L O WE, Dorothy, W IL L IS , Paul, “C ulture, Media,


L anguage”, Routledge, Londres, 1996

A N G, Ien, “L iv ing ro o m wars- rethinking m edia audienc es f o r a P o st- Mo dern


Wo rld”, Routledge, Londres, 1996

WIL L IA MS , Raymond, “M
M arxism o e L iteratura ”, Zahar Editores, Rio Janeiro, Brasil,
1979

A DO R N O , Theodor, W O R KHIMER , Max, “Dialétic a do esc larec im ento ”, Zahar


Editores, Rio Janeiro, Brasil, 1985

HA L L , Stuart, H O O DWA R D, Kathryn, “Identidade e Dif erenç a – A prespec tiv a


do s Estudo s C ulturais ”, tradução de S IL V A , Tomaz Tadeu, Editora Vozes, Petrópolis,
Brasil, 2000

A L T HUS S ER , L. “Ideo lo gia e A parelho s Ideo ló gic o s de Estado - N o tas para


um a Inv estigaç ão ”, em “Um m apa da Ideo lo gia ”, organizado por Z IZEK, S. Rio de
Janeiro, Brasil, Contraponto, 1996

B R ET O N , Philippe, “A uto pia da C o m unic aç ão ”, Colecção Epistemologia e


Sociedade do Instituto Piaget, Lisboa, 1992

S F EZ, Lucien, “C
C rític a da C o m unic aç ão ”, Colecção Epistemologia e Sociedade do
Instituto Piaget, Lisboa, 1990
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

13
Mc L UHA N , Marshall, “O s m eio s de C o m unic aç ão c o m o extensõ es do
Ho m em ”, (1964) tradução de Décio Pignatari, Editora Cultrix, São Paulo, Brasil, 2007

C A ZEN EUV E, Jean, “Guia alf abétic o das C o m unic aç õ es de Massas”, Editora
Martins Fontes, São Paulo, Brasil, 1976

B IT T I, Pio Ricci, Z A N I, Bruna, “A C o m unic aç ão c o m o P ro c esso S o c ial” –


Colecção Temas de Sociologia, Editorial Estampa, Lisboa, 1983

B A UDR IL L A R D, Jean, "TT he spirit o f T erro rism ", Le Monde, 2 November 2001
translated by Dr. Rachel Bloul, The European Graduate School, Media & communication,
disponível em:
http://www.egs.edu/faculty/baudrillard/baudrillard-the-spirit-of-terrorism.html
Consultado em 2009.03.17

B A UDR IL L A R D, Jean. "T he V io lenc e f the Im age", The European Graduate School,
Media & communication, disponível em:
http://www.egs.edu/faculty/baudrillard/baudrillard-the-violence-of-the-image.html
Consultado em 2009.03.17

KEL L N ER, Douglas. "B


B audrillard, Glo balizatio n, T erro rism : so m e c o m m ents
o n rec ent adv entures o f the Im age and S pec tac le o n the O c c asio n o f
B audrillard’s 75th B irthday " Graduate School of Education & Information Studies,
UCLA, disponível em:
http://www.gseis.ucla.edu/faculty/kellner/essays/baudrillardglobalizationterror.pdf
Consultado em 2009.03.17

KEL L N ER, Douglas. "C


C ultural S tudies, Multic ulturalism and Media C ulture”,
disponível em:
www.gseis.ucla.edu/faculty/kellner/essays/culturalstudiesmulticulturalism.pdf Consultado
em 2008.12.11

DER R IDA , Jacques. "9


9 / 11 and glo bal terro rism . A dialo gue with J ac ques
Derrida". The University of Chicago Press, disponível em:
MEDIA TERRORISTA,
informação ou persuasão?
________________________________________________________________

14
http://www.press.uchicago.edu/books/derrida/derrida911.html
Consultado em 2009.03.16