Você está na página 1de 10

Espectrofotometria e Fluorimetria I

Claudimir Lucio do Lago sala 1270

Espectrofotometria e Fluorimetria I Claudimir Lucio do Lago sala 1270
Espectrofotometria e Fluorimetria I Claudimir Lucio do Lago sala 1270
Espectrofotometria e Fluorimetria I Claudimir Lucio do Lago sala 1270

Tópicos de interesse

Tópicos de interesse Holler, Skoog, Crouch, "Princípios de Análise Instrumental", 6ª ed., capítulo 6 (menos

Holler, Skoog, Crouch, "Princípios de Análise Instrumental", 6ª ed., capítulo 6 (menos seções 6B-10, 6B-11)

interferência, difração, coerência, transmissão, refração, reflexão.

Harris, "Análise Química Quantitativa", 6ª ed., capítulo 18.

propagação da luz em diferentes meios

propagação da luz em diferentes meios v m = m A velocidade de propagação é reduzida,
propagação da luz em diferentes meios v m = m A velocidade de propagação é reduzida,

v m

=

m

A velocidade de propagação é reduzida, a frequência é

mantida, portanto o comprimento de onda é diminuído.

No vácuo:

 

8

10 m/s

c =

3,00

0

c =

Radiação

Eletromagnética

Algumas propriedades da luz

Radiação Eletromagnética Algumas propriedades da luz

Radiação eletromagnética

Radiação eletromagnética = v m velocidade da onda (m/s) m comprimento da onda (m) frequência (s
= v m
=
v m

velocidade da onda (m/s)

Radiação eletromagnética = v m velocidade da onda (m/s) m comprimento da onda (m) frequência (s
m comprimento da onda (m) frequência (s -1 ou Hz)
m
comprimento da onda (m)
frequência (s -1 ou Hz)
Energia do fóton c energia dos fótons E = h E = h velocidade da
Energia do fóton
c
energia dos fótons
E = h
E = h
velocidade da luz:
8
c =
3,00
10 m/s
constante de Planck:
34 J
h =
6,63
10
s
comprimento de onda (λ)

Intensidade, Potência e Energia

Intensidade, Potência e Energia Transmitância  

Transmitância

 
Intensidade, Potência e Energia Transmitância  
 

Fração da luz não absorvida por um determinado corpo. Ela é definida para um determinado comprimento de onda. Importância da transmitância em química:

 

Potência de um feixe luminoso (W ou J/s) é quantidade de energia por unidade de tempo. Intensidade (W/m 2 ) é a potência sobre uma certa área (ângulo sólido). Energia do fóton (J) é a quantidade de energia associada a um único fóton e está associada à frequência (comprimento de onda). Quanto maior a potência de um feixe de luz monocromático, maior o número de fótons por segundo.

E = h

c

 

Ela está relacionada com a concentração das substâncias químicas presentes no meio (quantificação). A dependência com o comprimento de onda é característico de uma substância (identificação).

 
 

I T = I 0
I
T =
I
0

ou

P T = P 0
P
T =
P
0
de uma substância (identificação).     I T = I 0 ou P T = P
de uma substância (identificação).     I T = I 0 ou P T = P
     
Absorbância % A = log(T ) A = log   T  ou 
Absorbância
%
A =
log(T )
A =
log   T 
ou
100
1.5
1.0
0.5
0.0
0
20
40
60
80
100
T
r
a
n
s
m
i
t
â
n
c
i
a
%
A
b
s
o
r
b
â
n
c
i
a
(
)

Instrumentação

Do fotômetro ao Espectrofotômetro

Instrumentação Do fotômetro ao Espectrofotômetro
Instrumentação Do fotômetro ao Espectrofotômetro
Instrumentação Do fotômetro ao Espectrofotômetro
Instrumentação Do fotômetro ao Espectrofotômetro
curva analítica e curva de calibração curva analítica : aquela obtida pela lei de Beer.

curva analítica e curva de calibração

curva analítica e curva de calibração curva analítica : aquela obtida pela lei de Beer. A

curva analítica:

aquela obtida pela lei de Beer. A = bc curva (analítica) de

calibração : aquela obtida experimentalmente termos muitas vezes trocados

Espectroscópio

Espectroscópio Gustav Kirchhoff e Robert Bunsen
Espectroscópio Gustav Kirchhoff e Robert Bunsen

Gustav Kirchhoff e Robert Bunsen

Espectrofotômetro com Detecção por Arranjo de Diodos

Espectrofotômetro com Detecção por Arranjo de Diodos
Espectrofotômetro com Detecção por Arranjo de Diodos
Espectrofotômetro com Detecção por Arranjo de Diodos

Fontes de Luz

Fontes de Luz
Fontes de Luz
Fontes de Luz
Fontes de Luz
com Detecção por Arranjo de Diodos Fontes de Luz Lâmpada de deutério • fonte contínua com
com Detecção por Arranjo de Diodos Fontes de Luz Lâmpada de deutério • fonte contínua com

Lâmpada de deutério

por Arranjo de Diodos Fontes de Luz Lâmpada de deutério • fonte contínua com alta intensidade
por Arranjo de Diodos Fontes de Luz Lâmpada de deutério • fonte contínua com alta intensidade

• fonte contínua com alta intensidade no UV

• relativamente cara

• vida útil da ordem de 2000 h

• necessita de eletrônica associada (lâmpada de descarga)

Fotômetro conjunto básico: fonte de luz monocromática reservatório com a amostra fotodetector leitor T ou
Fotômetro
conjunto básico:
fonte de luz
monocromática
reservatório
com a amostra
fotodetector
leitor T ou A
(cubeta)
fonte de luz
branca
cubeta
fotodetector
leitor T ou A
fonte de luz
branca
cubeta
fotodetector
leitor T ou A
filtro ou monocromador

Lâmpada incandescente

Lâmpada incandescente • filamento geralmente feito de tungstênio • pobre na região do UV • bom
Lâmpada incandescente • filamento geralmente feito de tungstênio • pobre na região do UV • bom

• filamento geralmente feito de tungstênio

• pobre na região do UV

• bom para região do visível e infravermelho próximo

• baixo custo e de simples utilização

bom para região do visível e infravermelho próximo • baixo custo e de simples utilização radiação

radiação de corpo negro

Diodo Emissor de Luz (LED)

Diodo Emissor de Luz (LED) • O comprimento de onda de emissão depende do material semicondutor

• O comprimento de onda de emissão depende do material semicondutor utilizado (Ga, In, Al, As, P, N)

• 25.000 a 100.000 horas de uso

• baixo custo e de simples utilização

semicondutor utilizado (Ga, In, Al, As, P, N) • 25.000 a 100.000 horas de uso •
semicondutor utilizado (Ga, In, Al, As, P, N) • 25.000 a 100.000 horas de uso •
semicondutor utilizado (Ga, In, Al, As, P, N) • 25.000 a 100.000 horas de uso •

Suporte para a amostra

cubetas e celas

Suporte para a amostra cubetas e celas
Suporte para a amostra cubetas e celas
Suporte para a amostra cubetas e celas
Cubetas e celas em fluxo Fabricadas em vidro, quartzo ou plástico cubeta em fluxo

Cubetas e celas em fluxo

Fabricadas em vidro, quartzo ou plástico cubeta em fluxo
Fabricadas em vidro,
quartzo ou plástico
cubeta em fluxo
Cubetas e celas em fluxo Fabricadas em vidro, quartzo ou plástico cubeta em fluxo
Fotorresistor (LDR) • Quanto maior a intensidade de luz, menor a resistência elétrica. • Fabricado
Fotorresistor (LDR)
• Quanto maior a
intensidade de luz,
menor a resistência
elétrica.
• Fabricado com CdS
• bom para visível e
infravermelho
• baixo custo
• relativamente lento
V
i I
(
) =
V   1
  = R 
1 ◊  i
  1 
ou
R
 
I
 
I
 
I

Cubetas e celas em fluxo

transmitância de materiais ópticos

Cubetas e celas em fluxo transmitância de materiais ópticos cubeta em fluxo
Cubetas e celas em fluxo transmitância de materiais ópticos cubeta em fluxo

cubeta em fluxo

Fotodetectores

Como converter informação codificada em número de fótons para informação codificada em um sinal elétrico?

Como converter informação codificada em número de fótons para informação codificada em um sinal elétrico?
Como converter informação codificada em número de fótons para informação codificada em um sinal elétrico?
Como converter informação codificada em número de fótons para informação codificada em um sinal elétrico?

Fotodiodo e Fototransistor

Fotodiodo e Fototransistor ≈ e - e - e - ≈ e - ≈ e -
≈ e - e - e - ≈ e - ≈ e - ≈ e
e
-
e
-
e
-
e
-
e
-
e
-
e
-
n
p
e
-
e
-
e
-
+

junção PN polarizada diretamente

junção PN inversamente polarizada

camada de depleção e - e - ≈ e - ≈ e - e -
camada de depleção
e
-
e
-
e
-
e
-
e
-
n
p
e
-
e
-

+

e -

Fotodiodo e Fototransistor

e - - - ≈ e e ≈ e - e - n p e
e
-
-
-
e
e
e
-
e
-
n
p
e
-
e
-

+

e -

fóton

e - e - e - ≈ ≈ e - ≈ e - - e
e
-
e
-
e
-
e
-
e
-
-
e
-
n
p
e
e
-
e
-

+

e - e - n p e - e - + e - fóton e -
Medindo a Absorbância fonte de luz monocromática reservatório com fotodetector leitor T ou A a
Medindo a Absorbância
fonte de luz
monocromática
reservatório com
fotodetector
leitor T ou A
a amostra
amplificador de fotodetector filtro passa-baixa leitor T transcondutância amplificador leitor A logarítmico
amplificador de
fotodetector
filtro passa-baixa
leitor T
transcondutância
amplificador
leitor A
logarítmico
tensão elétrica
na saída do filtro
passa-baixa
100 mV
Intensidade de luz
I 0

como conseguir luz monocromática?

Filtro de absorção Filtro de interferência Prisma Rede de difração

como conseguir luz monocromática? Filtro de absorção Filtro de interferência Prisma Rede de difração

Fotodiodo e Fototransistor

Fotodiodo e Fototransistor • Boa linearidade com a luz incidente • responde de 190 nm a

Boa linearidade com a luz incidente

responde de 190 nm a 1100 nm (silício)

baixo ruído

rápido

durável

eletrônica simples

190 nm a 1100 nm (silício) • baixo ruído • rápido • durável • eletrônica simples

Monocromadores

Monocromadores
Monocromadores
Monocromadores
Monocromadores

Filtros

Filtros Filtro de Absorção : baseado na absorbância de um ou mais corantes incorporados. • bandas

Filtro de Absorção: baseado

na absorbância de um ou mais corantes incorporados.

• bandas de 30 a 250 nm

• para banda estreita: 10 % de transmitância

30 a 250 nm • para banda estreita: 10 % de transmitância Filtro de Interferência :

Filtro de Interferência:

baseado no fenômeno de interferência

• banda de 10 a 20 nm

• banda estreita: >40 % de transmitância

vidro

filme metálico

filme metálico

CaF 2

CaF 2

filme metálico

vidro

comprimento de onda nominal e largura de banda

comprimento de onda nominal e largura de banda comprimento de onda nominal : aquele correspondente ao
comprimento de onda nominal e largura de banda comprimento de onda nominal : aquele correspondente ao

comprimento de onda nominal:

aquele correspondente ao máximo de transmitância

largura de banda: faixa espectral com transmitância maior ou igual a 50% do valor máximo

Monocromadores

Monocromadores 1 > 2 monocromador de rede monocromador de prisma

1 >

2

Monocromadores 1 > 2 monocromador de rede monocromador de prisma

monocromador de rede

monocromador de prisma

Espectro / nm Abs 455 0,762 460 0,812 1 465 0,833 0,9 470 0,863 0,8
Espectro
/ nm
Abs
455
0,762
460
0,812
1
465
0,833
0,9
470
0,863
0,8
475
0,873
0,7
480
0,883
0,6
0,5
485
0,86
0,4
490
0,845
0,3
495
0,833
0,2
500
0,83
0,1
505
0,815
0
400
450
500
550
600
510
0,796
Comprimento de Onda (nm)
515
0,77
520
0,721
525
0,668
Absorbância

Monocromadores

Monocromadores Prisma : baseado na mudança do índice de refração com o comprimento de onda. sen

Prisma: baseado na mudança do índice de refração com o comprimento de onda.

sen

(

1 )

sen

(

2 )

n

= 2

n

1

Rede de difração: baseada no fenômeno de interferência.
Rede de difração: baseada no
fenômeno de interferência.
com o comprimento de onda. sen ( 1 ) sen ( 2 ) n = 2

Espectro de UV-Vis

Registro de como a absorbância (absortividade molar ou transmitância) se comporta em função do comprimento de onda (ou da frequência).

se comporta em função do comprimento de onda (ou da frequência). Espectro de absorção UV-Vis do
se comporta em função do comprimento de onda (ou da frequência). Espectro de absorção UV-Vis do

Espectro de absorção UV-Vis do azul de bromotimol

se comporta em função do comprimento de onda (ou da frequência). Espectro de absorção UV-Vis do

Fotômetro e Espectrofotômetro

Fotômetro e Espectrofotômetro Espectrofotômetro é um instrumento que permite a medida da absorbância (ou

Espectrofotômetro é um instrumento que permite a medida da absorbância (ou transmitância) em função do comprimento de onda para uma certa faixa espectral. Fotômetro usa monocromador com comprimento de onda fixo: filtro de absorção ou filtro de interferência. Espectrofotômetro usa monocromador com comprimento de onda variável: prisma ou rede de difração.

1 – entrada 2 – fenda 3 – filtro 4 – espelho colimador 5 –
1 – entrada
2 – fenda
3 – filtro
4 – espelho colimador
5 – grade
6 – espelho focalizador
7 a 10 – detector:

3648 elementos cobrindo de 200 a 1100 nm

Lei de Beer

Lei de Beer-Lambert Lei de Beer-Lambert-Bouguer

Lei de Beer Lei de Beer-Lambert Lei de Beer-Lambert-Bouguer
Lei de Beer Lei de Beer-Lambert Lei de Beer-Lambert-Bouguer
Lei de Beer Lei de Beer-Lambert Lei de Beer-Lambert-Bouguer
Modelando a absorção de luz por um corpo I 0
Modelando a absorção de luz
por um corpo
I 0
Modelando a absorção de luz por um corpo I 0 Modelando a absorção de luz por
Modelando a absorção de luz por um corpo I 0 Modelando a absorção de luz por
Modelando a absorção de luz por um corpo I I 0 I transmitância T =
Modelando a absorção de luz
por um corpo
I
I 0
I
transmitância
T =
I
0
Modelando a absorção de luz por um corpo A probabilidade de absorção de um fóton
Modelando a absorção de luz
por um corpo
A probabilidade de absorção de um fóton ao longo
do percurso depende de:
concentração
depende da
natureza química
da espécie
parâmetro instrumental
Número de centros absorventes (N)
Área de seção transversal de captura ( )
Probabilidade de ocorrer uma transição eletrônica (p)
Extensão do percurso óptico (b)
b

Modelando a absorção de luz por um corpo

 
Modelando a absorção de luz por um corpo  
 

I 0

I 1

I 2

I 3

I

Probabilidade de absorção em uma fatia infinitesimal: P ( absorção ) =   n
Probabilidade de absorção em uma fatia
infinitesimal:
P
(
absorção
) = 
 n   ◊ p
S
dx 0 b x
dx
0
b
x
Expectativa de intensidade do feixe na saída da primeira fatia: I = I (1 P
Expectativa de intensidade do feixe na
saída da primeira fatia:
I
= I
(1
P absorção
(
))
1
0
I
I
0
1
P
(
absorção
) =
I
0
Generalizando:
I
I
dI
j
1
j
P absorção
(
) =
=
I
I
j
1

n

– número de centros absorventes por fatia

 

– probabilidade de ocorrer uma transição – área de seção transversal de captura

p

S

– área de incidência do feixe de luz

 
 
Modelando a absorção de luz por um corpo I I 0 I 1 I 2
Modelando a absorção de luz
por um corpo
I
I 0
I 1
I 2
I 3
dI =
pC
◊ dx
I
Integrando a equação, temos:
I
b
dI
=
pC
dx
dx
I
I
0 0
0 b
x
ln   I   =
pC
b
n – número de centros absorventes por fatia
I
 
0  
p – probabilidade de ocorrer uma transição
– área de seção transversal de captura
23
 I   =
S
– área de incidência do feixe de luz
p
◊ 6,02 ◊ 10
log 
b
◊ c
C
– concentração de centros absorventes
I
2,303
0 
V
– volume
c
– concentração molar
p
6,02 10 23
– absortividade molar
=
2,303

Modelando a absorção de luz por um corpo

Modelando a absorção de luz por um corpo I I 0 I 1 I 2 I
I I 0 I 1 I 2 I 3 dx x 0 b
I
I 0
I 1
I 2
I 3
dx
x
0
b
Modelando a absorção de luz por um corpo I I 0 I 1 I 2
Modelando a absorção de luz
por um corpo
I
I 0
I 1
I 2
I 3
Combinando as equações:
dI
n
=
◊ 
S 
p
I
O número de centros absorventes por
dx
fatia pode ser descrito por:
0 b
x
n = C ◊dV = C ◊S ◊dx
n
– número de centros absorventes por fatia
Substituindo na equação anterior:
p
– probabilidade de ocorrer uma transição
– área de seção transversal de captura
dI
C
S
◊ ◊
dx
S
– área de incidência do feixe de luz
=
p
C
– concentração de centros absorventes
I
S
◊ 
V
– volume
ou
dI =
pC
dx
I
Modelando a absorção de luz por um corpo I I 0 I 1 I 2
Modelando a absorção de luz
por um corpo
I
I 0
I 1
I 2
I 3
log
I  
=
◊ ◊
b
c
I
 
0
Definindo ABSORBÂNCIA como:
dx
A =
◊b◊c
0 b
x
Relação entre absorbância e
n
– número de centros absorventes por fatia
transmitância:
p
– probabilidade de ocorrer uma transição
– área de seção transversal de captura
I
S
– área de incidência do feixe de luz
T =
I
C
– concentração de centros absorventes
0
V
– volume
c
– concentração molar
A = log(T )
– absortividade molar
Validade da Lei de Beer O meio deve ser homogêneo. A luz deve ser monocromática.

Validade da Lei de Beer

O meio deve ser homogêneo. A luz deve ser monocromática. Os centros absorvedores tem que atuar de forma individual. A luz incidente não pode alterar a espécie que está absorvendo.

Determinação de Manganês

Determinação de Manganês Manganês(II) é incolor   Mn 2 + + 4H 2 O MnO 4

Manganês(II) é incolor

 

Mn 2+ + 4H 2 O

MnO 4 - + 8H + + 5e -

E = -1,51 V

S 2 O 8 2- + 2e - 2SO 4 2-

E = +2,01 V

Todas as espécies são incolores, com exceção do permanganato.

 

= 525 nm

= 525 nm
  = 525 nm

Amônia

Amônia Reação de amônia, hipoclorito e fenol para gerar azul de indofenol. Catalisador: Mn 2 +

Reação de amônia, hipoclorito e fenol para gerar azul de indofenol. Catalisador: Mn 2+ Comprimento de onda para medida: 630 nm Amônia, amônio, hipoclorito, fenol e Mn 2+ não apresentam absortividade molar significativa em 630 nm.

fenol e Mn 2 + não apresentam absortividade molar significativa em 630 nm. NH 3 A

NH 3

fenol e Mn 2 + não apresentam absortividade molar significativa em 630 nm. NH 3 A

A conversão deve ser quantitativa.

Aplicações Espectrofotometria
Aplicações
Espectrofotometria

Determinação de Fe 2+ em águas

Determinação de Fe 2 + em águas Fe 2 + não absorve significativamente na região do

Fe 2+ não absorve significativamente na região do visível.

Espectro do complexo [Fe(phen) 3 ] 2+ Não é possível exibir esta imagem no momento.
Espectro do complexo [Fe(phen) 3 ] 2+
Não é possível exibir esta imagem no momento.
[Fe(phen) 3 ] 2+ é um complexo de transferência de carga (Fe 2+ doador de elétron
e phen receptor de elétron)

Extração com solvente

coeficiente de distribuição = á
coeficiente de distribuição
=
á
Extração com solvente coeficiente de distribuição = á
Extração com solvente coeficiente de distribuição = á
Extração com solvente coeficiente de distribuição = á

Tensoativos

Tensoativos Formação de par iônico com azul de metileno e extração em clorofórmio ( = 652

Formação de par iônico com azul de metileno e extração em clorofórmio ( = 652 nm).

de metileno e extração em clorofórmio ( = 652 nm). sem tensoativo com tensoativo H 2

sem

tensoativo

com

tensoativo

clorofórmio ( = 652 nm). sem tensoativo com tensoativo H 2 O CHCl 3 O método

H 2 O

CHCl 3

O método não é específico para um determinado tipo de tensoativo.

nm). sem tensoativo com tensoativo H 2 O CHCl 3 O método não é específico para
nm). sem tensoativo com tensoativo H 2 O CHCl 3 O método não é específico para

Barbituratos em plasma

Barbituratos em plasma barbital fenobarbital pentobarbital Todos possuem um mesmo grupo cromóforo. Procedimento:

barbital

fenobarbital

pentobarbital

Barbituratos em plasma barbital fenobarbital pentobarbital Todos possuem um mesmo grupo cromóforo. Procedimento:

Todos possuem um mesmo grupo cromóforo.

Procedimento:

Os barbituratos são extraídos do plasma com CHCl 3 .

Retornam ao meio aquoso com NaOH 0,45 mol/L (pH ~ 13)

A absorbância é medida a 260 nm (A pH13 )

O pH é reduzido para 10 com NH 4 Cl

A absorbância é novamente medida (A pH10 ). Os barbituratos não absorvem em pH 10.

A barbituratos = A pH13 A pH10

A = ∑ bc i i i
A
=
bc
i
i
i
Barbituratos em plasma barbital fenobarbital pentobarbital Efeito da diluição A = bc A = bc
Barbituratos em plasma
barbital
fenobarbital
pentobarbital
Efeito da diluição
A
= bc
A
= bc
1
1
v
0
0
V
V
+ v
0
0
Se a absorbância for medida após a diluição (A 1 ), como saber a absorbância original?
(
V
+
v
)
(
V
+
v
)
c
◊V
= c (V
+ v)
A
= bc
A
=
0
0
bc
A
=
A
0
0
1
0
0
0
0
1
0
1
V
V
0
0
(
V
+
v
)
0
c
=
c
0
1
V
0
(
)
V
+
v
amostra
NH Cl
A
=
A
4
A
barbituratos
pH 13
pH
10
V
amostra