Você está na página 1de 10

Universidade Potiguar

Graduação em Engenharia Civil

Disciplina: Tratamento de Águas e Esgotos

Tratamentos de Água: Floculação

Alunos: Aluisio Bezerra Neto

Erivan Gomes da Silva


Universidade Potiguar

Graduação em Engenharia Civil

Disciplina: Tratamento de Águas e Esgotos

Tratamentos de Água: Floculação

Pesquisa sobre uma das etapas do


processo de tratamento de águas,
apresentado pelo professor, como
exigência parcial para a obtenção de
nota para a graduação do Curso de
Engenharia Civil, Tratamento de
Águas e Esgotos, da Universidade
Potiguar, sob a orientação da
Professora Carla Gracy.

Natal - RN

Abril/2009
Sumário

1. Introdução ....................................................................................
....... Pág. 4
2. Tratando a
água.................................................................................... Pág.
5
3. O Processo de
Floculação..................................................................... Pág. 6
4. Ensaios de
Floculação........................................................................... Pág.
7
5. Ensaios de
Floculação........................................................................... Pág.
8
6. Conclusão.....................................................................................
......... Pág. 9
7. Bibliografia....................................................................................
........ Pág. 10
Introdução

O tratamento de água é feito a partir da água doce encontrada


na natureza que contém resíduos orgânicos, sais dissolvidos, metais
pesados, partículas em suspensão e microorganismos. Por essa razão
a água é levada do manancial para a Estação de Tratamento de Água
(ETA), para em seguida ser distribuída às cidades e preencher um dos
requisitos básicos para uma boa qualidade de vida da população.
Essa pesquisa tem como objetivo mostrar a importância de uma
dessas etapas do sistema de tratamento de água, a Floculação, assim
como explicar o processo da sua forma que ocorre, os modos de
chegar à floculação por meios mecanizados e não mecanizados, e
citar os agentes químicos utilizados nessa fase do tratamento da
água e sua participação.
Tratando a Água

Conhecida como solvente universal, a água sempre retém


algum resíduo dos materiais com os quais entra em contato. Mesmo a
água doce da natureza presente nos rios, lagos e lençóis
subterrâneos, contêm resíduos das substâncias presentes no meio
ambiente, como sais dissolvidos, partículas em suspensão e
microorganismos. Para garantir que a água fornecida à população
seja potável, buscam-se fontes de água de boa qualidade e utiliza-se
a tecnologia de tratamento para eliminar todos os poluentes e
agentes ameaçadores à saúde. Uma
estação de tratamento de água (ETA) é basicamente um conjunto de
tanques e filtros, onde a água passa, em seqüência, pelos seguintes
processos: desinfecção, floculação, decantação, filtração e cloração.
No reservatório de entrada da ETA, a água recebe três tipos de
produtos químicos: cal, sulfato de alumínio e cloro. A cloração inicial,
chamada de pré-cloração, destrói os microrganismos e as algas pela
adição de cloro à água, mantendo-a livre de contaminação ao longo
de todo o tratamento. Essa etapa faz parte do processo de
desinfecção. Em seguida, a água passa para os tanques de floculação
onde as partículas sólidas se aglomeram em flocos para que sejam
removidas mais facilmente, esse processo será explicado com mais
detalhes posteriormente. A próxima etapa é a decantação, onde os
flocos gelatinosos vão se acumulando lentamente no fundo dos
tanques, deixando a maior parte da água livre de partículas. A esse
processo chamamos de decantação. Logo depois, a água passa para
os filtros. Os filtros usados no processo de filtração são construídos
basicamente por uma camada de carvão mineral, uma camada de
areia, uma camada de cascalho grosso e pedregulhos. Ao atravessar
essas camadas, a água escoa para baixo e é recolhida num canal.
Na última
etapa, denominada cloração, a água filtrada recebe finalmente mais
cloro (pós-cloração), que vai garantir sua pureza na rede de
distribuição para a cidade. Sabemos que, em quantidades adequadas,
o cloro é completamente inofensivo ao nosso organismo, matando
apenas microrganismos, especialmente bactérias. Além disso, ele
também reduz gostos e odores da água e evita a putrefação do
material lodoso que se deposita no fundo dos tanques. Numa grande
ETA são usadas diariamente algumas toneladas de cloro. Em muitas
estações é feita ainda uma adição de flúor, que diminui o
aparecimento de cáries dentárias nos consumidores da água.
Processo de Floculação

A Floculação pode ser definida como o processo físico que


promove a aglutinação das partículas já coaguladas, facilitando o
choque entre as mesmas devido à agitação lenta imposta ao
escoamento da água. As formações de flocos de impurezas facilitam
sua posterior remoção por sedimentação sob ação da gravidade,
flotação ou filtração. O processo da floculação começa quando, na
estação de tratamento, a água bruta recebe o primeiro produto
químico, o sulfato de alumínio líquido que é o coagulante, a função
dessa substância química é justamente agregar aquelas partículas
que estão dissolvidas na água, ou seja, a sujeira, carregando essas
impurezas para o fundo do tanque.
Depois da adição do sulfato de alumínio, a
água chega aos floculadores, que ficam em um tanque aberto, onde
recebe cloro para a desinfecção e polieletrólito, um produto químico
que vai ajudar na floculação.Ainda nos tanques de floculação, o
sulfato de alumínio e a cal provocam a aglomeração das partículas
que estão em suspensão na água. O processo é facilitado pelo
movimento contínuo de um sistema de grandes lâminas (ou pás
giratórias) que provocam uma leve agitação na água do tanque, com
velocidade controlada. Assim, surgem grandes flocos gelatinosos, que
continuam em suspensão. Esses floculadores podem ser mecânicos,
sendo estes de eixo vertical ou eixo horizontal; ou floculadores não
mecanizados, que podem ser câmaras com chicanas, com movimento
também horizontal e vertical da água. Depois, a água passa por grades
especiais e chega aos decantadores, onde continua as etapas do
tratamento de água até a sua distribuição.
Ensaios da Floculação

Os ensaios de floculação (jar-test) tem como finalidade a


determinação das dosagens ótimas dos reagentes (sulfato de
alumínio, soda e polieletrólito) e, conseqüentemente, a determinação
do pH ótimo de floculação. A determinação das dosagens ótimas é
feita por tentativa e comparação; para isso utiliza-se um aparelho
floculador (também conhecido por “Jar-test”), o qual permite a
execução de seis ensaios simultâneos. A amostra de água utilizada
(chamada de “água bruta”) deverá ser recolhida na caixa de chegada
após a pré-cloração e antes do ponto de aplicação dos reagentes
floculantes. 1)
Determinação da dosagem ótima de reagente floculante [Al2(SO4)3] -
Em cada um dos béqueres de 1,5 litros, adicionar 1 (um) litro de água
bruta. A partir do béquer no 2 (e não do primeiro), adicionar
quantidades crescentes do reagente coagulante (por exemplo: 10, 20,
30, 40 e 50 ppm). Ligar o sistema de agitação, regulando a
velocidade no máximo durante cerca de 10 segundos. Depois, regular
a velocidade de extração para 40 rpm durante 20 minutos. Após o
tempo indicado, desligar o sistema de agitação, observar os flocos
formados em cada béquer quanto à quantidade, tamanho e rapidez
de sedimentação e medir o pH de cada béquer. A cada béquer,
atribuir uma nota de floculação (vide observação 4). Recolher o
béquer de maior nota de floculação, ou seja, onde os flocos são
maiores, mais numerosos e decantados mais rapidamente; este
béquer será o que contém a dosagem ótima de reagente coagulante.
Esta dosagem será então chamada dS . 2)
Determinação do pH ótimo de floculação - Em cada um dos béqueres
de 1,5 litros, adicionar 1 (um) litro de água bruta, bem como a
dosagem ótima de reagente coagulante “dS” deter-minada
anteriormente. A partir do béquer no 2, adicionar quantidades
crescentes do reagente alcalinizante (por exemplo: 5, 10, 15, 20 e
25ppm); ligar o sistema de agitação, regulando a velocidade no
máximo durante cerca de 10 segundos. Depois, regular a velocidade
para 40 rpm durante 20 minutos. Após o tempo
indicado, desligar o sistema de agitação, observar os flocos formados
em cada béquer quanto à quantidade, tamanho e rapidez de
sedimentação e medir o pH de cada béquer. A cada béquer, atribuir
uma nota de floculação assim como foi feito no ensaio anterior. O
béquer de maior nota de floculação será o que contém a dosagem
ótima de agente adjuvante de floculação, e esta dosagem será então
chamada dA .
Algumas observações devem ser levadas em consideração
como na determinação da dosagem ótima do reagente floculante, o
primeiro ensaio é feito com a concentração do reagente variando
entre 10 a 50ppm, com intervalo de 10ppm. No caso da dosagem
ótima coincidir com a dosagem mais baixa, devemos fazer novo
ensaio com as seguintes concentrações: 2, 5, 10, 15 e 20ppm. No
caso da dosagem ótima coincidir com a dosagem mais alta, devemos
fazer novo ensaio com as seguintes concentrações: 40, 45, 50, 60 e
70ppm. Na determinação do
pH ótimo de floculação, o primeiro ensaio é feito com a concentração
de alcalinizante variando de 5 a 25ppm, com intervalo de 5ppm. No
caso da dosagem ótima coincidir com a dosagem mais baixa,
devemos fazer novo ensaio com as seguintes concentrações: 1, 2, 5,
7 e 10ppm. No caso da dosagem ótima coincidir com a dosagem mais
alta, devemos fazer novo ensaio com as seguintes concentrações: 15,
20, 25, 30 e 40ppm. As notas de floculação são as seguintes:
0 _______________________ Não existem flocos
2 _______________________ Existe apenas opalescência
4 _______________________ Flocos pequenos
6 _______________________ Flocos médios
8 _______________________ Flocos bons
10 _______________________ Flocos muito bons
Conclusão

Vimos que a eficiência da unidade de floculação depende do desempenho da


unidade de mistura rápida, a qual é influenciada por fatores como o tipo de coagulante,
pH de coagulação, temperatura da água, concentração e idade da solução de
coagulante, tempo e gradiente de velocidade da mistura rápida, tipo e geometria do
equipamento de floculação e qualidade da água bruta. Também podemos concluir
através dessa pesquisa que a floculação é uma etapa extremamente importante para
o processo do sistema de tratamento da água e que feita uma boa floculação,
acarretar numa melhor eficiência nas outras etapas do processo como decantação e
filtração.
Bibliografia

Internet:
www.sabesp.com.br

pt.wikipedia.org/
www.aquastore.com.br

www.mundodoquimico.hpg.com.br
Livros:
Tratamento de Água: Tecnologia Atualizada - CARLOS A. RICHTER &
JOSE M. DE AZEVEDO NETTO

Você também pode gostar