Você está na página 1de 16

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CINEMA E AUDIOVISUAL CINEMA, AUDIOVISUAL E LITERATURA I MAURÍCIO DE BRAGANÇA E LUCÍA CAMINADA ROSSETTI

Edmo Cabral

“THIS IS NOT FOR YOU”: A METALINGUAGEM EM HOUSE OF LEAVES

Niterói – RJ 11/12/13

SUMÁRIO INTRODUÇÃO ...............................4 CONSTRUÇÃO NARRATIVA.................................................................................................................... 1 ANÁLISE LIVRO...................................................................................................................6 BIBLIOGRAFIA............2 ESTRUTURA.........14 DO ...................................................................................................................................................................................

mas surpreendentemente. com notas de rodapé. E então você acorda. porão. com seus intermináveis catálogos de arquitetos e termos arquitetônicos. . ou uma série de salas que não sabia que estavam lá. É definitivamente a sua casa.1 INTRODUÇÃO Existe um sonho que muitas pessoas têm: você está andando na sua própria casa e de repente encontra uma sala. O aspecto acadêmico. outra. tipográfico do livro fazem a leitura mais difícil. fotógrafos. sótão. todos parecem. nossa consciência. desapontado. esses maneirismos. mas faz o fácil parecer possível. em sua própria casa. ou como. materiais de construção. um novo espaço. mas ao invés de espalhar o seu poder. ajudar as coisas a prosseguirem e previnir que o peso morto do imaginário alegórico em que o livro se baseia esmague a linha narrativa. No fundo é uma história de aventura: um homem começa a viajar dentro da sua casa que vai ficando maior por dentro enquanto suas dimensões externas continuam a mesma. House of Leaves é uma vasta exploração e meditação nos espaços paradoxais que abrem de. O livro é cheio de jogos e brincadeiras. curiosamente.

Ao invés disso. um fotógrafo vencedor do prêmio Pulitzer. apesar de vívidas o suficiente para preencher um livro de aventuras. mesmo quando não é muito claro qual narrador ou compilador que nos conta a história. Um outro é curado. um projeto em cinematografia documental independente que sai terrivelmente errado. sedutores e perigosos podem ser sondados como a própria psique feminina. transpira frustração. escrito em letra normal (através do livro. Johnny nos conta (em letra de máquina de escrever) a história da sua descoberta de manuscritos herdados de um home cego chamado Zampanò. Um dia. uma porta aparece na parede. Ao abrir a porta eles encontram um espaço escuro e indefinido. A história dessas expedições interagem com a narração do relacionamento de Navidson com Karen. a fonte usada nos diz aonde estamos. é o centro do livro. a escuridão na qual homens (somente homens) podem viajar.2 ANÁLISE DO LIVRO Um grupo anônimo de editores nos apresenta um complicado conjunto de manuscritos fornecido por um jovem tímido e eloquente. um aprendiz em um esúdio de tatuagem no sul da Califórnia chamado Johnny Truant. A descrição do cego do filme. a qual a ciumenta Karen vê seu marido constantemente visitando. As explorações em si. expande-se pra distâncias indefinidas dentro. que ele nunca viu. que eles representam a outra mulher. amostras dos artigos e monografias nos fornecem descrições dos esforços de Navidson para documentar a escuridão. ternura e raiva. ou em que estadod e espírito ele está). O filme se chama “The Navidson Record”. através da casa em dimensões que são imposíveis de entender. todas fielmente e profissionalmnte gravados em diversas mídias tentam explorar esse espaço. por quem ele se aventura e tenta retornar. Navidson. voltando . Esse espaço aumenta e contrai. Karen Green. Seu personagem é tão amorfo quanto os espaços escuros dentro da casa. Cinco expedições. abaixo e além da terra. e uma leitura desse livro pode sugerir que estes abismos. não são contadas diretamente. Karen. É sua casa também. Esse material são evidência de um grande projeto em filme e fotografia. compra uma casa para sua companheira. Homens morrem. Alguém fica aleijado. e seus dois filhos na Virginia.

Estamos lendo uma história sobre uma história sobre uma história sobre um filme sobre uma casa com um burac negro dentro. Grande parte da história se encontra nas notas de rodapé. noite após noite. chegamos a uma seção de texto. Essa perigosa. por exemplo). Nós vamo a locais desconhecidos para descobrir o que há neles. alucinada.3 para casa com pedaços comoventes de filme. A mensagem do livro é assustadora: o medo mora na terra. Por que os exploradores vão as estes locais? Navidson e seus companheiros. Isso é tudo que podemos fazer. absolutamente escuro que diminui e expande. Do hospício. sua própria escuridão e trazê-la para casa. . armados com seu meticuloso equipamento técnico. um lugar no qual escadas repentinamente afundam nas profundezas sem fim. agem com absoluta determinação. confusa. ou se achatam completamente. e vamos ainda mais ansiosamente quando não há nada lá (como no topo do monte Everest. Imagine tal abismo de vacuidade absoluta crescendo através de uma casa comum. em um lugar após o outro. O buraco é o centro da experiência. mas bastante eloquente. o mundo explodido em invsibilidade pela própria luz. tirar uma foto fa escuridão. Imagine andar em um lugar congelado. Sua seção do livro sai do espaço e escuro par dentro do abismo materno. a mãe de Johnny escreve algumas das mais suaves e assustadoras cartas psicóticas. e nós folheamos por apêndices de poemas e figuras. Após o livro parecer acabar. lúcida. senhora é brincalhona. paranóica e astuta. e nos os enconramos enquanto ele cresce. incluindo seu irmão gêmeo.

It took me twenty years to unlearn the fortunes found in a swerve. maybe to the side of you. maybe behind you. Only this time as you exhale try to imagine how fast it will happen. Of course I looked. 1969: Who has never killed an hour? Not casually or without thought. The Whalestoe Letters. I didn't. and old man learns to live with it. Don't look. how hard it's gonna hit you. Keep your eyes here. o filme The Navidson Record. Perhaps this is no news to you but then I have killed many men and I have both legs and I don't think I ever quite equaled the bald gnome Error who comes from his cave 173 with featherless ankles to feast on the mighty dead. but where a young man will forgive the stray. so quiet in fact you can only hear it as silence. and old man will cut it out. you should at the very least be flinging up your arms-you sure as hell should be getting rid of this book-you won't have time to even scream. Right at this moment. A narrativa de Zampanò: Forgive me please for including this. The violence comes from a combination of giving up. a monografia escrita por Zampanò. O relato de Johnny Truant: To get a better idea try this: focus on these words. and a resignation . maybe even in front of you. I looked so fucking fast I should of ended up wearing one of those neck braces for whiplash. Find those pockets without sound. don't worry. something is quietly closing in on you. Go ahead. you should be running. Cada uma dessas narrativas possui um formato distinto. a história de Johnny Truant e as cartas de sua mãe. Youth always tries to fill the void. Now imagine just beyond your peripheral vision. Now take a deep breath. because before you have time to process that you should be moving. how many times it will stab your jugular with its teeth or are they nails?. and whatever you do don't let your eyes wander past the perimeter of this page. take an even deeper one. but carefully: a premeditated murder of minutes. But don't look. that particular detail doesn't matter. An old man's mind is just as likely to wander as a young man's. That's where it is. not caring.4 ESTRUTURA O livro é dividido em diversas narrativas. but right where you can't see it. The Navidson Record: March 14.

Danielewski deixa a interpretação da escolha das cores para o leitor. como Haus em alemão ou emfrancês maison. Através de todo o livro (incluindo a capa e informações sobre a edição). I’m told you worked yourself up into quite a fit. That’s fine too. you do not read. and no body. . a palavra “house” está em azul. em filmagens. Lilás está associado através do livro com Pelafina (a mãe de Johnny) e é a cor de suas longas unhas. Another family already? That’s fine. It pays in this world to play out your passions. that in the privacy of your life you have lost something and the loss is too empty to share. The Whalestoe Letters: My dear Child. there is no evidence: no weapon. The only clue might be the shadows beneath your eyes or a terribly thin line near the corner of your mouth indicating something has been suffered.5 that getting past it is all you can hope to accomplish. So you kill the hour. And when at last it is over. e também a cor da tinta que Johnny está colocando nas agulhas quando ele tem um ataque de pânico no armário de suprimentos. mas ele mencionou em uma entrevista que a escolha da cor azul se dá em parte pelo fato dela ser usada em chroma-key. you do not daydream. throwing things and making a general mess of your room. Outras palavras equivalentes em outros idiomas. Apêndice: Little solace comes to those who grieve when thoughts keep drifting as walls keep shifting and this great blue world of ours seems a house of leaves moments before the wind. A palavra Minotaur e passagens riscadas estão em vermelho. e em muitas partes no livro está separada do resto do texto em diferentes direções. também estão em azul. You do not work. If you sleep it is not because you need to sleep. no blood.

notas de editores. Truant encontra um manuscrito escrito por Zampanò que ele descobre ser um estudo acadêmico de um documentário chamado The Navidson Record. O resto do livro incorpora diversas narrativas. Truant está a procura de um novo apartamento quando seu amigo Lude lhe conta sobre o o apartamento do recém falecido Zampanò.6 CONSTRUÇÃO NARRATIVA O livro começa narrado em primeira pessoa por Johnny Truant. um idoso cego que morava no prédio de Lude. O formato e a estrutura do livro não é convencional. No apartamento de Zampanò. . incluindo o relatório de Zampanò do filme fictício. O texto de cada narrador é impresso em uma fonte distinta. incluindo referências a livros. a mãe de Truant. trechos transcitos do filme. observações de Truant. O livro também é distinto pelo uso de múltiplos narradores que interagem entre si através da história de forma elaborada e confusa. todos costurados juntos por uma infinidade de notas de rodapé. filmes e artigos fictícios. cuja voz é apresentada através de uma série de cartas intituladas The Whalestoe Letters. trechos de entrevistas transcritas de diversas pessoas sobre o filme. Contém notas de rodapé. declarado como um narrador duvidoso. Algumas páginas contém apenas algumas palavras ou frases. com o design e estilo de páginas incomuns. embora Truant não encontre evidência de que o filme tenha sequer existido. várias que contém notas de rodapé também. organizadas de forma estranha para se assimilarem aos eventos da história frequentemente criando efeitos de agorafobia e claustrofobia. Há também outro narrador.

7 .

8 .

9 .

10 .

11 .

12 .

13 .

GREGORY. Sinda. Félix. House of Leaves (2nd ed. Larry. "Exploration #6: l'architecture narrative de House of Leaves de Mark Z. Cahiers Charles. Brian. 2006. N. and Bibliography . New York: Pantheon Books. Katherine. 2000. . Slocombe. 2004. American Literature: A Journal of Literary History. 2006. Philament.. 2002. Danielewski’s House of Leaves". HAYLES. European Journal of English Studies. Danielewski". 2012. Jessica. 2004. Rune (2006). "Surfing the Text: The Digital Environment in Mark Z. "'This Is Not for You': Nihilism and the House That Jacques Built". Katherine. Danieleski's House of Leaves".14 BIBLIOGRAFIA BEMONG. "The Digital Topography of Mark Z. Nele. Criticism. Mark Z. "House of Leaves: Reading the Networked Novel".). HANSEN. Image [&] Narrative: Online Magazine of the Visual Narrative . Danielewski's House of Leaves". Random House. Word and Image. 2003. 2005. PRESSMAN. DAWSON. Studies in American Fiction. "Exploration #6: The Uncanny in Mark Z. 2005. "What Has Made Me? Locating Mother in the Textual Labyrinth of Mark Z. Critique: studies in contemporary fiction. "Saving the Subject: Remediation in House of Leaves". DANIELEWSKI. Critical Survey. 2006. Conor Michael. 2003. "Haunted House: An Interview with Mark Z. "The Horror! The Horror!: Traumatic Repetition in Joseph Conrad’s Heart of Darkness and Mark Z. Contemporary Literature. MCCAFFERY. Postgraduate English. BRICK. 2007. Mark B. COX. BRIGITTE. CHANEN. Modern Fiction Studies. Danielewski's House of Leaves". "Blueprint(s): Rubric for a Deconstructed Age in House of Leaves". "Text and Paratext in Mark Z. Danielewski". GRAULUND. Danielewski's House of Leaves". Will. Martin. Danielewski's "House of Leaves"". N.