Você está na página 1de 40

Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia.

Prof. Danilo Cesar

Radiação Eletromagnética
Definições e aplicações
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

VARIAÇÕES NA ATMOSFERA
1. Radiação:
Medidas, Ciclo Diurno e Anual, Variação Global
2. Temperatura:
Medidas, Ciclo Diurno e Anual, Variação Meridional e Vertical
3. Umidade:
Medidas, Variação Global e Vertical
4. Precipitação:
Medidas, Variação Global
5. Pressão:
Medidas, Ciclo Diurno e Anual, Variação Meridional e Vertical
6. Ventos:
Medidas, Ciclo Diurno e Anual, Variação Meridional e Vertical
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Radiação
Instrumentos de Medida: Heliográfo
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Radiação
Instrumentos de Medida: Piranômetro
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Radiação
Instrumentos de Medida: Radiômetro Líquido
Variação da Insolação
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Variação da Insolação
• Insolação= Radiação Solar/ unidade de área

• Depende do ângulo de incidência dos raios solares;


• Ângulo de incidência depende da latitude, do dia
do ano e da hora do dia.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Dependência Latitudinal da Radiação Incidente


Média Anual

• Fluxo Incidente Médio no


Equador:
2
S 1367 Wm 2
FT 435 Wm

• Fluxo Incidente Médio Global:


2
S 1367 Wm 2
FG 341Wm
Distribuição Latitudi-nal Média 4 4
Anual da Radiação incidente.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Dependência Latitudinal da Radiação Emergente


• Radiação Emergente:
– varia menos com a latitude;

– vapor d’água é o principal


emissor, logo depende for-
temente da temperatura;

– no nível que a atmosfera é


transparente à radiação
terrestre, temperatura está
aproximadamente igual (a
altitudes diferentes);

Saldo líquido nos trópicos e déficit


líquido nas latitudes altas – não existe controle
geométrico.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Variação Sazonal

HN

HS
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Variação Mensal
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Variação Diária
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Radiação Líquida: Variação Diária


Radiação recebida descontada da radiação
emitida: RL=R -R
Radiação máxima, mínima e média recebida anualmente.

Variação Global
Média anual de insolação diária no Brasil (horas)

Fonte: ATLAS Solarímétrico do Brasil. Recife : Editora Universitária da UFPE, 2000. (Adaptado)
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

RADIAÇÃO ELETROMAGÉTICA

Praticamente toda a troca de energia entre a Terra e o


resto do Universo ocorre por radiação, que é a única que pode
atravessar o relativo vazio do espaço. O sistema Terra-
atmosfera está constantemente absorvendo radiação solar e
emitindo sua própria radiação para o espaço. Numa média de
longo prazo, as taxas de absorção e emissão são
aproximadamente iguais, de modo que o sistema está muito
próximo ao equilíbrio radiativo. A radiação também tem papel
importante na transferência de calor entre a superfície da
Terra e a atmosfera e entre diferentes camadas da atmosfera.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

O comprimento de onda ( ) é a distância


entre cristas (ou cavados) sucessivos; a
freqüência de onda ( ) é o número de ondas
completas (1 ciclo) que passa por um dado
ponto por unidade de tempo (s). A relação
entre , e a velocidade c é c= λ
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

RADIAÇÃO ELETROMAGÉTICA
A radiação eletromagnética pode ser
considerada como um conjunto de ondas (elétricas e
magnéticas) cuja velocidade no vácuo é ( ).
As várias formas de radiação, caracterizadas pelo seu
comprimento de onda, compõem o espectro
eletromagnético.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Embora o espectro eletromagnético seja


contínuo, nomes diferentes são atribuídos a
diferentes intervalos porque seus efeitos,
geração, medida e uso são diferentes. Por
exemplo, as células da retina do olho
humano são sensíveis a uma radiação num
estreito intervalo chamado luz visível, com l
entre e
Quando as ondas infravermelhas atingem a superfície que sofrem reflexão,
transmissão ou absorção.
Reflexão - Reflexão solar mede a capacidade da superfície de um material refletir a
luz do sol (incluindo as ondas de luz visível, infravermelho e ultravioleta) em uma
escala de 0 a 1. Um valor 0.0 indica que a superfície absorve toda a radiação solar e um
valor de 1.0 indica total reflexão.
Transmissão - a passagem dos raios solares na atmosfera (ou qualquer corpo) que
aquecem o nosso ambiente.
Emissividade - É a capacidade de uma superfície absorver ou emitir radiação
eletromagnética.
Absorção - Toda energia absorvida produz calor (em circunstâncias especiais
algumas ondas se tornam fluorescentes) . O calor transita entre altas e baixas
temperaturas. Porém, o calor produzido pela absorção aumenta a temperatura do
material que pode ser conduzido através do material ou dissipado a partir da sua
superfície.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Espectro Eletromagnético
A maior parte da energia
radiante do sol está
concentrada nas partes
visível e próximo do visível
do espectro. A luz visível
corresponde a ~43% do
total emitido, 49% estão no
infravermelho próximo e 7%
no ultravioleta. Menos de
1% da radiação solar é
emitida como raios X, raios
gama e ondas de rádio.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Apesar da divisão do
espectro em intervalos,
todas as formas de
radiação são basicamente
iguais. Quando qualquer
forma de energia radiante
é absorvida por um
objeto, o resultado é um
crescimento do
movimento molecular e
um correspondente
crescimento da
temperatura.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Espectro de Absorção Atmosférica


• Atmosfera é quase transparente
ao visível, no pico do espectro do
Sol;
• Atmosfera é muito opaca ao UV;
• Atmosfera é um pouco opaca ao
IV, muito opaca em algumas
bandas e transparente em outras;
• N2 não figura na absorção e O2
absorve somente no UV
longínquo e um pouco no IV.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Espectro de Absorção Atmosférica


A absorção é dominada pelas moléculas
triatômicas:
– O3 na banda do UV;
– H2O, CO2 e outros na banda do IV.
Moléculas triatômicas tem modos
vibracionais e rotacionais que são facilmente
excitados pela radiação nos comprimentos de
onda do IV.
Elas estão em baixa concentração na
atmosfera e vulneráveis a ação antropogênica.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Espectro de Absorção Atmosférica

Fração de radiação transmitida até o topo da atmosfera.


Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

ABSORÇÃO E EMISSÃO DE RADIAÇÃO POR MOLÉCULAS

Qualquer molécula isolada possui uma certa


quantidade de energia além daquela associada com seu
movimento no espaço. A maior parte está na forma de
energia cinética e energia potencial eletrostática dos
elétrons que se movimentam em órbitas em torno do
núcleo dos átomos. Outras quantidades menores de
energia estão associadas com a vibração de átomos em
torno de suas posições médias na molécula e a rotação
da molécula em torno de seu centro de massa.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Albedo para algumas superfícies no intervalo visível ( % )


Solo descoberto 10-25
Areia, deserto 25-40
Grama 15-25
Floresta 10-20
Neve (limpa, seca) 75-95
Neve (molhada e/ou suja) 25-75
Superfície do mar (sol > 25° acima do hor.) <10
Superfície do mar (pequena altura do sol) 10-70
Nuvens espessas 70-80
Nuvens finas 25-50
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

ABSORÇÃO E EMISSÃO DE RADIAÇÃO POR MOLÉCULAS

A mecânica quântica prevê que apenas certas


configurações de órbitas de elétrons são permitidas para cada
átomo e que apenas certas freqüências e amplitudes
vibracionais, e certas taxas de rotação são permitidas para
uma molécula particular.
Cada combinação possível de órbitas de elétrons, vibração
e rotação pode ser identificada com um nível particular de
energia, que representa a soma dos três tipos de energia.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

ABSORÇÃO E EMISSÃO DE RADIAÇÃO POR MOLÉCULAS

Uma molécula pode sofrer uma transição para um


nível mais alto de energia absorvendo radiação
eletromagnética.
Da mesma forma, ela pode descer a um nível mais baixo de
energia emitindo energia radiante. Somente certas variações
discretas de energia são permitidas, previstas pela teoria
quântica.
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Pode-se dizer que a atmosfera é bastante transparente à radiação solar


incidente pois absorve apenas 19% de sua energia e que, portanto, esta não é
um aquecedor eficiente da atmosfera.
A maior parte da absorção da radiação solar em comprimentos de onda
do intervalo infravermelho deve-se ao vapor d'água e ocorre na troposfera,
onde a maior parte do vapor d'água está localizado. Esta parte da absorção
apresenta grande variabilidade devido à distribuição do vapor d'água.
Esta radiação disponível à superfície divide-se em três componentes:

- Direta: a que vem "diretamente" desde o disco solar;

- Difusa: a proveniente de todo o céu exceto do disco solar, das nuvens,


gotas de água, etc;

- Refletida: proveniente da reflexão no chão e dos objetos circundantes.

A soma destas três componentes é denominada como radiação global.


Efeito-estufa
É o processo de reflexão da radiação solar, causando
aumento da temperatura do planeta. Essa reflexão é
causada por uma barreira formada por diversos gases,
sendo o gás carbônico o mais importante.
Distribuição percentual da radiação solar incidente
Mecanismos de Transferência de Calor
Balanço de Calor da Terra e atmosfera
Curso de Agronomia – Meteorologia e Climatologia. Prof. Danilo Cesar

Balanço de Radiação

Figura. Balanço de radiação na atmosfera.


BANDAS DO ESPECTRO SOLAR QUE AFETAM O CRESCIMENTO VEGETAL
1ª BANDA (_ > 1,0 μ): NÃO CAUSAM DANOS E SÃO ABSORVIDAS PELA PLANTA.

2ª BANDA (1,0 > _ > 0,72


ESPECTRO μ): É A REGIÃO QUE EXERCE EFEITO SOBRE O CRESCIMENTO DAS
SOLAR
PLANTAS. O TRECHO PRÓXIMO À 1,0 μ É IMPORTANTE PARA O FOTOPERIODISMO, GERMINAÇÃO
* 0,2 CONTROLE
DE SEMENTES, a 0,4 mícron – ULTRAVIOLETA
DA FLORAÇÃO – 9% DOS FRUTOS.
E COLORAÇÃO
* 0,4 a 0,7 mícron – PARTE VISÍVEL – 41%
3ª BANDA (0,72 > _ > 0,61
Radiações μ): REGIÃO
azuis, verdesESPECTRAL FORTEMENTE
e parte das ABSORVIDA PELA CLOROFILA. GERA
vermelhas
FORTE ATIVIDADE FOTOSSINTÉTICA, APRESENTANDO EM VÁRIOS CASOS TAMBÉM FORTE
* 0,7
ATIVIDADE a 4 micra – INFRAVERMELHO – 50%
FOTOPERIÓDICA.

4ª BANDA (0,61 > _ > 0,51 μ): REGIÃO ESPECTRAL DE BAIXO EFEITO FOTOSSINTÉTICO E DE FRACA
AÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DA PLANTA. CORRESPONDE A REGIÃO VERDE DO ESPECTRO VISÍVEL.

5ª BANDA (0,51 > _ > 0,40 μ): É A REGIÃO DE MAIOR ABSORÇÃO PELA CLOROFILA E PIGMENTOS
AMARELOS (CAROTENÓIDES). CORRESPONDE AO AZUL VIOLETA E É TAMBÉM REGIÃO DE GRANDE
ATIVIDADE FOTOSSINTÉTICA, EXERCENDO AINDA VIGOROSA AÇÃO NA FORMAÇÃO
DA PLANTA.

6ª BANDA (0,40 > _ > 0,315 μ): ESTA FAIXA EXERCE EFEITOS DEFORMATIVOS NAS PLANTAS, QUE
TORNAM-SE MAIS BAIXAS E COM FOLHAS MAIS ESPESSAS.
7ª BANDA (0,315 > _ > 0,28 μ): É PREJUDICIAL À MAIORIA DAS PLANTAS, MATANDO-AS DEPOIS DE
ALGUM TEMPOR DE EXPOSIÇÃO.

8ª BANDA (_ > 0,28 μ): RADIAÇÃO QUE MATA RAPIDAMENTE AS PLANTAS.


Fim