Você está na página 1de 2

21/3/2014

HISTÓRICO

21/3/2014 HISTÓRICO As características dos materiais constituintes têm uma influência bastante grande sobre as

As características dos materiais constituintes têm uma influência bastante grande sobre as propriedades do sistema de impermeabilização. Sendo relativamente limitadas as possibilidades de variações de técnicas de aplicação para um determinado material, por isso, os sistemas de impermeabilização são geralmente identificados, no mercado, pelos materiais de que são constituídos. Desta forma, estão intimamente relacionadas às historias da evolução dos materiais e dos sistemas de impermeabilização.

Pode-se dizer que os primeiros materiais usados pelo homem, em impermeabilizações, foram os betuminosos, ou seja, os asfaltos e alcatrões; tem-se notícia do emprego destes materiais na impermeabilização de terraços, piscinas, etc., desde 3000 A.C. Noé impermeabilizou a arca com óleos e betumes. As muralhas da China foram protegidas com betume natural e as pirâmides, os sarcófagos e até as múmias com impermeabilizações diversas, inclusive óleos aromáticos.

A primeira utilização de material betuminoso em coberturas de forma semelhante a que conhecemos atualmente deu-se em 1790, na Suécia, em tábuas revestidas com papel e impermeabilizadas com alcatrão. Por volta de 1845 começaram a ser utilizados, nos Estados Unidos, feltros impregnados de alcatrão para coberturas. De início utilizou-se o alcatrão de madeira, depois o alcatrão de hulha, e por fim o asfalto oxidado, desenvolvido em 1894.

O sistema de impermeabilização de coberturas mais antigo é o denominado “multimembrana asfáltica” ou “feltro asfáltico e asfalto”, que consiste na aplicação de diversas camadas de asfalto oxidado, a quente, entremeadas por feltro asfáltico; este sistema é largamente utilizado em todo o mundo, até hoje.

Visando evitar os problemas gerados pela necessidade de aquecimento do asfalto nas obras, sejam de pavimentação ou de impermeabilização, surgiram, no final do séc. XIX, as primeiras emulsões asfálticas. Este sistema de impermeabilização consiste na aplicação de diversas camadas de emulsões asfálticas, intercaladas com uma armadura, que geralmente é um véu de fibra de vidro. Apesar de grande facilidade de aplicação, o sistema não chega a atingir os mesmos valores de flexibilidade, durabilidade, etc., do sistema feltro asfáltico e asfalto. Foram também utilizadas impermeabilizações à base de metal dúctil (cobre, por exemplo) e asfalto, atualmente em desuso devido principalmente a problemas de custo.

Com o grande desenvolvimento da indústria dos polímeros sintéticos, a partir do inicio do séc. XIX, surgiram novos materiais, cujas características de impermeabilidade, elasticidade, extensibilidade, etc., possibilitaram o desenvolvimento de sistemas de impermeabilização de desempenho comparável ao do feltro asfáltico e asfalto, apresentando em geral, maior facilidade de execução. Surgiram desta forma diversos sistemas de impermeabilização, sejam moldados no local (como os tradicionais sistemas asfálticos), ou pré-fabricados. É o caso, por exemplo, dos sistemas à base de elastômeros sintéticos (sistema neoprene e hypalon e mantas de butil), utilizados desde a década de 30, e das mantas de PVC. Vem tendo também um grande desenvolvimento o uso de mantas asfálticas pré-fabricadas, bem como uso, em sistemas moldados no local, de diversos outros polímeros e de asfaltos modificados com polímeros.

21/3/2014

HISTÓRICO