Você está na página 1de 19
Equações Básicas na forma integral para um volume de controle Aula 7
Equações Básicas na forma integral para um volume de controle Aula 7
Equações Básicas na forma integral para um volume de controle Aula 7
Equações Básicas na forma integral para um volume de controle Aula 7

Equações Básicas na forma integral para um volume de controle

Aula 7

Considerações Importantes • Fluidos são capazes de distorção e de deformação contínua, assim é difícil

Considerações Importantes

• Fluidos são capazes de distorção e de deformação contínua, assim é difícil de identificar e acompanhar certa massa de fluido.

Na prática muitas vezes estamos interessados no efeito do movimento do fluido em alguma máquina de fluxo (bombas, turbinas, compressores, etc.), num motor de combustão interna, ou numa estrutura (tubulações, bocais, asas de aeroplanos, aerofólios de carros de corrida, etc.), entre outros, e não no movimento da massa fluida em si. Assim, na mecânica dos fluidos é mais conveniente aplicar as leis básicas a um volume fixo no espaço, um volume de controle, ao invés de a uma massa fixa e definida de fluido, um sistema.

2

As leis básicas do sistema 1. Conservação de massa dM dt ) Sistema = 0

As leis básicas do sistema

1. Conservação de massa

dM

dt

) Sistema = 0

M Sistema = M(Sistema) dm= V(Sistema) ρdV

2. Segundo Lei de Newton → F → = d P dt ) Sistema →
2. Segundo Lei de Newton → F → = d P dt ) Sistema →
2. Segundo Lei de Newton → F → = d P dt ) Sistema →
2. Segundo Lei de Newton → F → = d P dt ) Sistema →

2. Segundo Lei de Newton

F

= d P dt

) Sistema

P

Sistema = M( Sistema) V dm= V( Sistema) V

ρdV

3. Momento da Quantidade de Movimento (conservação da quantidade de movimento angular): → → T
3. Momento da Quantidade de Movimento (conservação da quantidade de movimento angular): → → T
3. Momento da Quantidade de Movimento (conservação da quantidade de movimento angular): → → T

3. Momento da Quantidade de Movimento (conservação da quantidade de movimento angular):

T

H Sistema = M( Sistema )

= d H dt

) Sistema

r xV

x V ρdV

dm= V( Sistema ) r

T

x F s

= r

+ M ( Sistema )

r x g dm+ T

eixo

5

4. Primeira Lei da Termodinâmica . . Q − W = dE dt ) Sistema
4. Primeira Lei da Termodinâmica . . Q − W = dE dt ) Sistema
4. Primeira Lei da Termodinâmica . . Q − W = dE dt ) Sistema

4. Primeira Lei da Termodinâmica

. .

Q W

= dE dt

) Sistema

E Sistema = M( Sistema ) edm= V ( Sistema) eρdV

e =u + V 2 2 + gz

5. Segunda Lei da Termodinâmica dS dt ) Sistema ≥ 1 . T Q S
5. Segunda Lei da Termodinâmica dS dt ) Sistema ≥ 1 . T Q S
5. Segunda Lei da Termodinâmica dS dt ) Sistema ≥ 1 . T Q S

5. Segunda Lei da Termodinâmica

dS

dt

) Sistema

1

.

T Q

S Sistema = M( Sistema ) sdm= V( Sistema) sρdV

Similaridades entre os Princípios Chamando de N qualquer uma das propriedades extensivas do sistema, designamos

Similaridades entre os Princípios

Chamando de N qualquer uma das propriedades extensivas do

sistema, designamos a propriedade

intensiva correspondente por :

η

N Sistema = M( Sistema ) η dm= V ( Sistema ) ηρ dV

Similaridades entre os Princípios N = M , então η = 1 → → N

Similaridades entre os Princípios

N

= M ,

então

η = 1

N

= P ,

então

η = V

N

= H , então η = r x V

N = E , então η = e N = S , então η = s

9

1
1
1
1
1

1

Avaliação do Produto Escalar 11

Avaliação do Produto Escalar

Avaliação do Produto Escalar 11

Teorema de Transporte de Reynolds

dN

dt

) Sistema =

t VC ηρ dV + SC ηρ V . dA

Taxa de Variação de qualquer propriedade extensiva

Taxa de Variação com o tempo da propriedade extensiva arbitrária dentro do volume de controle

Taxa líquida de fluxo da propriedade através da superfície de controle.

Conservação de Massa → → ∂ t ∫ V C ρ dV + ∫ S

Conservação de Massa

→ →

t VC ρ dV + SC ρ V . dA = 0

Taxa de Variação de massa dentro do volume de controle

Taxa líquida de fluxo de massa através da superfície de controle.

Exercícios e Aplicações

1 – Considere o escoamento permanente de água em uma junção de tubos conforme mostrado na figura. As áreas das seções são: A 1 = 0,2 m 2 , A 2 = 0,2 m 2 , A 3 = 0,15 m 2 . O fluido também vaza para for a do tubo através de um orifício em (4), com uma vazão estimada em 0,1 m 3 /s.

As velocidades médias nas seções (1) e (3) são 5 m/s e 12 m/s, respectivamente. Determine a velocidade do escoamento na seção (2).

15
15

Exercícios e Aplicações

Exercícios e Aplicações 16

Exercícios e Aplicações

2 – Água flui para dentro e para fora de um aparelho como mostrado na figura abaixo. Calcule a taxa de variação de massa de água (dm/dt) neste equipamento.

um aparelho como mostrado na figura abaixo. Calcule a taxa de variação de massa de água

17

Exercícios e Aplicações

3 – Queremos determinar a taxa à qual o nível de água sobe em um tanque aberto se a água que entra através de um duto de 0,10 m 2 tem uma velocidade de 5 m/s e a vazão de saída é de 0,2 m 3 /s. O tanque tem uma seção transversal circular de diâmetro 0,5 m.

de 5 m/s e a vazão de saída é de 0,2 m 3 /s. O tanque

18

Exercícios e Aplicações

4 – Um tanque com volume de 0,05 m 3 , contém ar a 800 kPa (absoluta) e 15 o C. Em t = 0 o ar começa a escapar do tanque através de uma válvula com área de escoamento de 65 mm 2 . O ar passando através da válvula tem velocidade de 300 m/s e massa específica de 6 Kg/m 3 . Determine a taxa instantânea de variação da massa específica do ar no tanque em t=0.

específica de 6 Kg/m 3 . Determine a taxa instantânea de variação da massa específica do

19