Você está na página 1de 142

Semestre 5

Serviço Social

Caderno de Atividades

Planejamento e Gestão em Serviço Social

CLIQUEAQUIPARA

VIRARAPÁGINA

CLIQUE AQUI PARA VIRAR A PÁGINA
5 Serviço Social Caderno de Atividades Planejamento e Gestão em Serviço Social CLIQUE AQUI PARA VIRAR
5 Serviço Social Caderno de Atividades Planejamento e Gestão em Serviço Social CLIQUE AQUI PARA VIRAR
Caderno de Atividades Serviço Social Disciplina Planejamento e Gestão em Serviço Social Coordenação do Curso
Caderno de Atividades Serviço Social Disciplina Planejamento e Gestão em Serviço Social Coordenação do Curso
Caderno de Atividades Serviço Social Disciplina Planejamento e Gestão em Serviço Social Coordenação do Curso

Caderno de Atividades Serviço Social

Disciplina Planejamento e Gestão em Serviço Social

Coordenação do Curso Elisa Cleia Pinheiro Rodrigues Nobre

Autora Maria de Fátima Bregolato Rubira de Assis

FICHA TÉCNICA

Equipe de Gestão Editorial Regina Cláudia Fiorin João Henrique Canella Fiório Priscilla Ramos Capello

Análise de Processos Juliana Cristina e Silva Flávia Lopes

Revisão Textual Alexia Galvão Alves Giovana Valente Ferreira Ingrid Favoretto Julio Camillo Luana Mercúrio

Diagramação Célula de Inovação e Produção de Conteúdos

Chanceler Ana Maria Costa de Sousa

Reitora Leocádia Aglaé Petry Leme

Pró-Reitor Administrativo Antonio Fonseca de Carvalho

Leme Pró-Reitor Administrativo Antonio Fonseca de Carvalho Pró-Reitor de Graduação Eduardo de Oliveira Elias
Leme Pró-Reitor Administrativo Antonio Fonseca de Carvalho Pró-Reitor de Graduação Eduardo de Oliveira Elias
Leme Pró-Reitor Administrativo Antonio Fonseca de Carvalho Pró-Reitor de Graduação Eduardo de Oliveira Elias

Pró-Reitor de Graduação Eduardo de Oliveira Elias

Pró-Reitor de Extensão Ivo Arcangêlo Vedrúsculo Busato

Pró-Reitor de Extensão Ivo Arcangêlo Vedrúsculo Busato Pró-Reitora de Pesquisa e PósGraduação Luciana Paes de

Pró-Reitora de Pesquisa e PósGraduação Luciana Paes de Andrade

Realização:

Diretoria de Planejamento de EAD José Manuel Moran Barbara Campos

Diretoria de Desenvolvimento de EAD Thais Costa de Sousa

Gerência de Design Educacional Rodolfo Pinelli Gabriel Araújo

Como citar esse documento:

ASSIS, Maria de Fátima B. Rubira, Planejamen- to e Gestão em Serviço Social. Valinhos:

Anhanguera Educacional, 2014. p. 1-142. Disponível em: <http://www.anhanguera.com>. Acesso em: 02 jan. 2014.

© 2013 Anhanguera Educacional

Proibida a reprodução final ou parcial por qualquer meio de impressão, em forma idêntica, resumida ou modificada em língua portuguesa ou qualquer outro idioma.

Tema 01: Planejamento: fundamentos e interpretações 6 Tema 02: Crise: o planejamento estratégico e
Tema 01: Planejamento: fundamentos e interpretações 6 Tema 02: Crise: o planejamento estratégico e
Tema 01: Planejamento: fundamentos e interpretações 6 Tema 02: Crise: o planejamento estratégico e
Tema 01: Planejamento: fundamentos e interpretações 6 Tema 02: Crise: o planejamento estratégico e
Tema 01: Planejamento: fundamentos e interpretações 6 Tema 02: Crise: o planejamento estratégico e
Tema 01: Planejamento: fundamentos e interpretações 6 Tema 02: Crise: o planejamento estratégico e
Tema 01: Planejamento: fundamentos e interpretações 6 Tema 02: Crise: o planejamento estratégico e
Tema 01: Planejamento: fundamentos e interpretações 6 Tema 02: Crise: o planejamento estratégico e

Tema 01: Planejamento: fundamentos e interpretações

6

Tema 02: Crise: o planejamento estratégico e participativo como resposta

25

Tema 03: Questões Básicas sobre Planejamento

41

Tema 04: Planejamento, Administração e Realidade

59

Tema 05: O Planejamento como Processo Político e a Questão da Participação

75

Tema 06: O Processo de Elaboração de Planos

93

Tema 07: A Dinâmica da Participação e a Avaliação Participativa de Planos

109

Tema 08: Planejamento Social e Serviço Social

125

Participação e a Avaliação Participativa de Planos 109 Tema 08: Planejamento Social e Serviço Social 125

Tema 01

Planejamento: fundamentos e interpretações

Tema 01

Planejamento: fundamentos e interpretações

CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • Os principais fundamentos do planejamento. •
CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • Os principais fundamentos do planejamento. •

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Conteúdo

Nessa aula você estudará:

Os principais fundamentos do planejamento.

A relação escola–sociedade.

A sociedade existente, a hierarquia de valores e a importância de uma visão crítica.

A realidade e a construção de uma sociedade desejada.

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Habilidades

Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

Quais as correntes de pensamento que interpretam a relação escola–sociedade?

Qual a importância do planejamento educacional?

Qual a dialética entre a realidade existente e a realidade desejada?

Qual a vinculação do texto ao serviço social?

• Qual a vinculação do texto ao serviço social? LEITURA OBRIGATÓRIA Planejamento: fundamentos e

LEITURAOBRIGATÓRIA

Planejamento: fundamentos e interpretações

Este tema foi elaborado tendo como base a Parte I, Fundamentos, de seu Livro-Texto, A prática do planejamento participativo, do autor Danilo Gandin, p. de 13 a 20. O autor trata da importância do planejamento educacional, mas destaca que, ao tratar da escola,

refere-se aos demais setores da ação social, ou seja, a política, o sindicalismo, a religião e suas manifestações, e o governo. Para o autor, quando se pensa a relação da escola com

a sociedade, são diversos os pensamentos que surgem e estes representam correntes

filosóficas, científicas, ideológicas ou simplesmente o senso comum. Tais pensamentos podem ser completos e globalizantes ou restritos, porém, todos possuem verdades que contribuem para explicar a realidade.

Ao fundamentar a necessidade de planejamento, principalmente no âmbito educacional,

o

autor discorre sobre pensamentos que pontuam diferentes visões de educação, escola

e

sociedade. Uma interpretação ingênua e bastante usual pode ser exemplificada com

a

afirmação ”boa escolarização produz bons cidadãos, boas pessoas”. Ou seja, boa

educação – boa sociedade. “Como não há uma boa educação, não há uma boa sociedade”. Essa corrente expressa o pensamento conservador, em que a boa sociedade é aquela na qual a harmonia prevalece acima de tudo e o conflito não aparece sob forma alguma.

LEITURAOBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA Acreditam que a desigualdade entre as pessoas faz parte da natureza humana. Nessa linha

Acreditam que a desigualdade entre as pessoas faz parte da natureza humana. Nessa linha de pensamento, “a pirâmide social não deve ser questionada”, porque é “assim mesmo”.

A função da educação é contribuir para que o educando possa ascender nessa pirâmide

com o próprio esforço, reforçando a tese de que um bom sistema escolar constrói uma sociedade boa.

Uma segunda interpretação da relação escola–sociedade parte de um critério, ou seja, uma finalidade: o desenvolvimento. Nessa linha de pensamento encontram-se os economistas e demais profissionais, que consideram que a “educação é investimento, porque a sociedade cresce, desenvolve-se na proporção direta do investimento em educação”. Dessa forma,

a escola é indicada como investimento para a formação de mão de obra, com vistas ao desenvolvimento da sociedade.

Para Gandin (2011, p. 14), essas duas correntes, com possibilidades de várias subdivisões, acreditam basicamente que a relação entre a escola e a sociedade é a de que são possíveis transformações sociais a partir de mudanças na escola, que é possível introduzir alterações significativas na escola sem que tais alterações estejam antes na sociedade.

A terceira interpretação apresentada pelo autor é completamente oposta no que diz respeito ao entendimento sobre a relação escola–sociedade. Enquanto as duas primeiras sublinham a força da escola, esta terceira diz que a escola é simplesmente uma função da sociedade ou reflexo dessa sociedade em um determinado momento. Tal pensamento nasce da reflexão dos sociólogos, cujo critério é a busca da igualdade social. Os adeptos dessa corrente questionam: “as escolas podem ajudar na igualdade social numa sociedade de desigualdades?”. A resposta encontrada é que nenhum sistema educativo pode ser significativamente diferente, melhor ou pior do que é esta mesma sociedade. Gandin (2011, p. 16) pontua a questão da reprodução, de forma que os processos educacionais podem ser entendidos como reflexos da hierarquia de valores de uma dada sociedade, independente desta ser socialista ou capitalista. Isso vale para outras instituições além da escola e para outros setores além do educativo. Nessa perspectiva, o processo de reprodução pode ser consciente ou não, tendo um discurso diferente de sua prática.

Para o autor, as pessoas que trabalham em educação podem ser caracterizadas tendo como critérios o modo como percebem essa situação e a prática que nela realizam. De forma resumida, seguem as características apontadas por Gandin (2011, p. 16):

LEITURAOBRIGATÓRIA

1. Os que não se dão conta da incoerência entre o que se diz e o que se faz. Pertencem

ao grupo dos conservadores.

2. Os que se dão conta dessa situação, mas que, por comodismo, por interesse, por “boa

vontade” ou por convicção, desejam que tudo siga como está.

3. Os que se dão conta dessa prática reprodutiva, estudam-na e querem transformações

de maior ou menor envergadura.

Para Gandin, do ponto de vista prático e incluindo todas as possibilidades – dos que se dão conta e dos que nem suspeitam que não fazem o que querem –, há três tipos de ações:

a)

Dos extremos conservadores: para os quais não há distinção entre a realidade desejada

e

a existente.

b)

Dos extremos revolucionários: para os quais não há ponto de contato entre a realidade

desejada e a realidade existente.

c) Dos que querem mudanças a partir do que existe: para os quais a realidade desejada e

a realidade existente têm pontos discordantes.

Para se pensar no planejamento político-social, as pessoas que se encontram representadas pela alternativa C são as mais propensas a buscar uma ação transformadora, tendo como meio o campo de trabalho em que se atua. Gandin assevera que se trata de uma transformação que envolve o crescimento da consciência crítica. Assim, o grupo, o movimento ou a instituição deve compreender que se encontra, sempre, num processo de reproduzir. Se as pessoas envolvidas não querem viver essa função sem questionamento, é radicalmente importante um posicionamento firme, claro e eficaz de impor a seu trabalho um cunho transformador. Para o autor, a forma de fazer isto é reproduzindo. Mas não se trata de uma reprodução ingênua, com base no senso comum ou na ideologia, mas reproduzindo o que se escolheu, com firmeza da opção crítica, teórica e com metodologias eficazes.

Como isso pode ser feito? Gandin afirma que pode ser feito por meio de um processo de planejamento no qual o mais importante seja a tensão, a dialética entre a realidade existente e a realidade desejada. Nessa perspectiva, a possibilidade de transformação em dada sociedade se dá por meio das ideias divergentes e na hierarquia de valores contraditórios. Assim, para Gandin, é possível cultivar o que já está em semente ou em surgimento nessa mesma sociedade, através do processo de reprodução consciente e livre. Entende-se,

LEITURAOBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA por esse processo de reprodução, que a sociedade desejada exige um projeto educativo novo

por esse processo de reprodução, que a sociedade desejada exige um projeto educativo novo para atingir uma prática transformadora; é um processo de construção cujo caminho perpassa pelo planejamento.

Para relacionar a discussão por ele apresentada ao serviço social, reporta-se a Faleiros (2009), que situa sua análise em uma perspectiva de totalidade e essa análise implica a busca de contradições e determinações fundamentais de uma problemática, que em outra perspectiva seria fragmentada. Sendo assim, a atuação profissional, vista sob a ótica da totalidade, coloca-se na mediação entre forças sociais e de forma comprometida com uma delas na solução de problemas.

Para Faleiros (2009),

Essas forças constituem-se a partir de suas praticas, que, por sua vez, inserem- se e explicam-se pela própria produção do capital e dos homens nesse modo de produção. A produção dos homens e sua reprodução, a produção e reprodução de seus problemas não são isoladas da produção e da reprodução do próprio capital e das relações de dominação que isso implica. (FALEIROS, 2009, p. 88).

Ao tratar a relação meio–fim no trabalho social, Faleiros (2009) afirma que a opção objetiva por determinados fins profissionais implica, portanto, sua situação nessa relação de poder e saber dentro do contexto social global, do desenvolvimento do estado e de suas políticas.

Nesse sentido,

A atividade humana e as relações entre os indivíduos implicam relações de

o estabelecimento do fim e dos

objetivos profissionais supõe uma análise das condições em que se realiza

a própria atuação. Entre elas estão os limites institucionais como também

os espaços aí disponíveis e as estratégias possíveis. [

complexa é preciso determinar, portanto, quais são os interesses em jogo em relação ao problema específico e assim as funções profissionais podem ser teoricamente esclarecidas. (FALEIROS, 2009, P. 89).

Numa sociedade

forças e portanto estratégias e táticas [

],

]

Considerando o contexto brevemente pontuado, assevera-se que a ação social ou a intervenção profissional do assistente social insere-se em uma sociedade permeada por relações complexas. As problemáticas por ele enfrentadas são polos em torno dos quais há interesses em questão. Nesse sentido, Faleiros afirma que:

LEITURAOBRIGATÓRIA

A modificação e a transformação dessas problemáticas não depende, portanto, de soluções exclusivamente tecnocráticas, de recursos específicos, mas de transformação ou relações que vão além da simples relação profissional. Essa perspectiva é que pode permitir a renovação do trabalho social. Com isto pode-se superar as visões gerais dos problemas, assim como a submissão ao pragmatismo imediatista e ao oportunismo paternalista. As funções do Serviço Social não se fundam, portanto, numa simples sociologia ou numa historiografia, mas numa análise das forças em presença no desenvolvimento global da sociedade. (FALEIROS, 2009, p. 91).

Resumindo, para que o profissional de Serviço Social tenha uma atuação profissional competente, é preciso que traga em sua bagagem o conhecimento histórico da sociedade capitalista, bem como das lutas e das forças que comandam a vida em sociedade, de forma que seu conhecimento técnico tenha respaldo teórico e compromisso com o projeto ético- político da profissão.

e compromisso com o projeto ético- político da profissão. LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o

LINKSIMPORTANTES

Quer saber mais sobre o assunto? Então:

Artigos

Acesse o artigo de Vicente de Paula Faleiros, O que Serviço Social quer dizer. Este artigo vai lhe dar subsídios para o entendimento do Serviço Social e dos pressupostos que historicamente foram construídos para o estabelecimento de uma definição de Serviço Social. Revista Serv. Social & Sociedade. n. 108, São Paulo Oct./Dec. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-66282011000400010&script=sci_arttext>. Acesso em: 2 jan. 2014.

LeiaoartigodePriscilaCardoso;KeliReginaDalPrá.Disponívelem:<http://revistaseletronicas. pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/viewFile/9551/8057>. Acesso em: 2 jan. 2014. O artigo trata da intervenção profissional do assistente social no eixo de planejamento e gestão, e vai contribuir para o entendimento do tema desta aula.

LINKSIMPORTANTES

LINKS IMPORTANTES Vídeos Para uma reflexão acerca da educação e sociedade, do papel da escola e

Vídeos

Para uma reflexão acerca da educação e sociedade, do papel da escola e dos educadores, assista aos vídeos, com temas afins, que estão disponíveis no seguinte endereço: <http://

www.youtube.com/watch?v=TFWFcJ0Xw2o&feature=autoplay&list=SP369D7EF754D629

40&playnext=5>. Acesso em: 2 jan. 2014.

40&playnext=5> . Acesso em: 2 jan. 2014. AGORA É A SUA VEZ Instruções: Chegou a hora

AGORAÉASUAVEZ

Instruções:

Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

Questão 1:

No texto de Danilo Gandin você pode ve- rificar a intenção de fundamentar a neces- sidade de planejamento, principalmente no âmbito educacional. O autor discorre sobre pensamentos que pontuam diferentes vi- sões de educação e sociedade. Uma das visões apresentadas, cuja interpretação é ingênua e bastante usual, pode ser exem- plificada com a afirmação ”boa escolariza-

ção produz bons cidadãos, boas pessoas”. Ou seja, boa educação – boa sociedade. “Como não há uma boa educação, não há uma boa sociedade”. Essa corrente ex- pressa o pensamento conservador, em que a boa sociedade é aquela na qual a har- monia prevalece acima de tudo e o confli- to não aparece sob forma alguma. O autor acrescenta ainda que nessa linha de pen- samento, “a pirâmide social não deve ser

AGORAÉASUAVEZ

questionada”, porque é “assim mesmo”. A função da educação é contribuir para que o educando possa ascender nessa pirâmide com o próprio esforço, reforçando a tese de que um bom sistema escolar constrói uma sociedade boa.

Considerando sua visão de mundo e da sociedade, sua vivência como estudante e sua experiência enquanto acadêmico na modalidade a distância, descreva sua opinião sobre a visão conservadora da educação, bem como sobre o futuro da educação e qual o papel do educador na atualidade (mínimo de 15 linhas).

Questão 2:

A afirmação ”boa escolarização produz bons cidadãos, boas pessoas”, representa uma das visões de educação e sociedade, apresentada por Danilo Gandin. Assinale a alternativa que indica qual é a corrente de pensamento que essa visão expressa:

a) Conservador.

b) Moderno.

c) Desenvolvimentista.

d) Transformação social.

e) Globalizante.

Questão 3:

Uma segunda interpretação da relação es- cola–sociedade, na visão de Danilo Gan- din, é feita a partir de um ponto de vista, de um critério, ou seja, uma finalidade:

Assinale a alternativa correta que completa a frase.

a) a igualdade.

b) o desenvolvimento.

c) o crescimento econômico.

d) a escolarização.

e) o planejamento.

Questão 4:

Assinale as alternativas com V para verda- deiro e F para falso.

De acordo com Faleiros:

( ) A atividade humana e as relações entre

os indivíduos implicam relações de forças

e, portanto, estratégias e táticas.

( ) O estabelecimento do fim e dos obje-

tivos profissionais supõe uma análise das condições em que se realiza a própria atu- ação.

( ) Numa sociedade complexa é preciso

determinar, portanto, quais são os interes- ses em jogo em relação ao problema es- pecífico, e assim as funções profissionais podem ser teoricamente esclarecidas.

AGORAÉASUAVEZ

AGORA É A SUA VEZ ( ) Numa sociedade complexa as funções profissionais são teoricamente resolvidas,

( ) Numa sociedade complexa as funções

profissionais são teoricamente resolvidas, pois não existem interesses em jogo.

a) F, V, V, F.

b) V, F, V, V.

c) V, V, V, F.

d) V, V, F, F.

e) V, F, F, F.

Questão 5:

Em uma segunda interpretação da relação escola–sociedade, apresentada por Dani-

lo

Gandin, encontram-se os economistas

e

demais profissionais, que consideram

,

cresce,

desenvolve-se na proporção direta do em educação”.

Assinale a alternativa que completa as la- cunas de acordo com o texto.

que a “educação é porque a

a)

investimento.

desenvolvimento,

população,

b)

necessária, população, investimento.

c)

imprescindível,

sociedade,

investimento.

d) o futuro, a população, investimento.

e) investimento, sociedade, investimento.

Questão 6:

Gandin (2011, p. 16) pontua a questão da reprodução, de forma que os processos educacionais podem ser entendidos como reflexos da hierarquia de valores de uma dada sociedade, independente desta ser socialista ou capitalista. Isso vale para outras instituições além da escola e para outros setores além do educativo. Nessa perspectiva, o processo de reprodução pode ser consciente ou não, tendo um discurso diferente de sua prática.

Para Gandin, as pessoas que trabalham em educação podem ser caracterizadas tendo como critérios o modo como percebem essa situação e a prática que nela realizam.

Descreva as características apontadas por Gandin.

Questão 7:

Para Gandin, para os grupos, movimentos ou instituições que compreendem que se encontram sempre num processo de reproduzir, torna-se radicalmente importante um posicionamento firme, claro e eficaz de impor a seu trabalho um cunho transformador. Para o autor, a forma de fazer isso é reproduzindo, já que não existe outra alternativa possível. Mas não se trata de uma reprodução ingênua, com base no senso comum ou na ideologia, mas reproduzindo o que se escolheu, com

AGORAÉASUAVEZ

firmeza da opção crítica, teórica e com metodologias eficazes.

Com base no texto, responda como isso pode ser feito?

Questão 8:

Faleiros (2009) apresenta uma discussão cuja análise situa-se em uma perspectiva de totalidade.

A análise sob essa perspectiva implica o quê?

Questão 9:

A atuação profissional do assistente social, vista sob a ótica da totalidade, coloca-se na mediação entre forças sociais e de forma comprometida com uma delas na solução de problemas.

Para Faleiros (2009), como se constituem essas forças?

Questão 10:

Para Faleiros (2009), a intervenção profissional do assistente social insere-se em uma sociedade permeada por relações complexas. As problemáticas por ele enfrentadas são polos em torno dos quais há interesses em questão.

Na visão do autor, qual é a perspectiva que pode permitir uma renovação do trabalho social?

FINALIZANDO Neste tema, você pôde aprender e refletir sobre os fundamentos do planejamento, as correntes

FINALIZANDO

FINALIZANDO Neste tema, você pôde aprender e refletir sobre os fundamentos do planejamento, as correntes de

Neste tema, você pôde aprender e refletir sobre os fundamentos do planejamento, as correntes de pensamento que interpretam a relação escola–sociedade, a sociedade existente, o processo de reprodução e as características e as principais ações das pessoas que atuam na educação ou em áreas afins. Viu que é fundamental a conquista de uma visão crítica da realidade para uma prática transformadora e a construção de uma sociedade desejada. Também pode refletir nas relações que envolvem a atuação do assistente social, que atua com as problemáticas oriundas de uma sociedade complexa, e que, segundo Faleiros (2009), “a modificação e a transformação dessas problemáticas não depende de soluções exclusivamente tecnocráticas, de recursos específicos, mas de transformação ou relações que vão além da simples relação profissional. Essa perspectiva é que pode permitir a renovação do trabalho social”.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos! REFERÊNCIAS FALEIROS, Vicente de Paula. Metodologia

REFERÊNCIAS

FALEIROS, Vicente de Paula. Metodologia e Ideologia do Trabalho Social. 11. ed. – São Paulo: Cortez, 2009.

GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo: na educação e em outras instituições, grupos e movimentos dos campos cultural, social, político, religioso e governamental. 19. Ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

GLOSSÁRIO Planejamento: planejamento é um processo contínuo e dinâmico que consiste em um conjunto de

GLOSSÁRIO

Planejamento: planejamento é um processo contínuo e dinâmico que consiste em um conjunto de ações intencionais, integradas, coordenadas e orientadas para tornar realidade um objetivo futuro, de forma a possibilitar a tomada de decisões antecipadamente.

Estratégia: arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista

a objetivos específicos.

Planejamento estratégico: é uma metodologia gerencial que permite estabelecer a direção

a ser seguida pela organização e a definição de meios para se realizar um objetivo.

Reprodução social: processo mediante o qual uma sociedade, através de diversos mecanismos, reproduz a sua própria estrutura.

Totalidade: perspectiva de trabalho para compreender a realidade nas suas contradições

e transformá-las praticamente.

Pragmatismo: doutrina segundo a qual as ideias são instrumentos de ação que só valem se produzirem efeitos práticos.

GABARITO Questão 1 Resposta: Nesta questão a resposta é livre, pois pretende-se que o aluno

GABARITO

GABARITO Questão 1 Resposta: Nesta questão a resposta é livre, pois pretende-se que o aluno relate,

Questão 1

Resposta: Nesta questão a resposta é livre, pois pretende-se que o aluno relate, considerando seu conhecimento e sua vivência.

Questão 2

Resposta: Alternativa A.

Justificativa: Ao fundamentar a necessidade de planejamento, principalmente no âmbito educacional, o autor discorre sobre pensamentos que pontuam diferentes visões de educação, escola e sociedade. A interpretação pontuada nesta questão expressa o pensamento conservador, onde a boa sociedade é aquela em que a harmonia prevalece acima de tudo e o conflito não aparece sob forma alguma.

Questão 3

Resposta: Alternativa B.

Justificativa: A frase completa consta no texto. Segundo o autor, o desenvolvimento é posto como um critério ou finalidade. Nessa linha de pensamento encontram-se os economistas e demais profissionais, que consideram que a “educação é investimento, porque a sociedade cresce, desenvolve-se na proporção direta do investimento em educação”.

Questão 4

Resposta: Alternativa C.

Justificativa: As frases consideradas verdadeiras constam no texto do autor e estão contempladas também no item Leitura Obrigatória deste caderno. A única frase falsa não consta no texto.

GABARITO

Questão 5

Resposta: Alternativa E.

Justificativa: A questão 5 solicita o preenchimento das lacunas. A frase completa consta no texto do autor e no item Leitura Obrigatória.

Questão 6

Resposta: As características apontadas por Gandin são:

1. Os que não se dão conta da incoerência entre o que se diz e o que se faz. Pertencem ao

grupo dos conservadores.

2. Os que se dão conta dessa situação, mas que, por comodismo, por interesse, por “boa

vontade” ou por convicção, desejam que tudo siga como está.

3. Os que se dão conta dessa prática reprodutiva, estudam-na e querem transformações de

maior ou menor envergadura.

Questão 7

Resposta: Gandin afirma que pode ser feito por meio de um processo de planejamento, no qual o mais importante seja a tensão, a dialética entre a realidade existente e a realidade desejada. Nessa perspectiva, a possibilidade de transformação em dada sociedade se dá por meio das ideias divergentes e na hierarquia de valores contraditórios. Assim, para Gandin, é possível cultivar o que já está em semente ou em surgimento nesta mesma sociedade, através do processo de reprodução consciente e livre.

Questão 8

Resposta: A análise sob a perspectiva de totalidade implica na busca de contradições e determinações fundamentais de uma problemática, que em outra perspectiva seria fragmentada.

Questão 9

Resposta: Essas forças constituem-se a partir de suas práticas, que, por sua vez, inserem- se e explicam-se pela própria produção do capital e dos homens nesse modo de produção. A produção dos homens e sua reprodução, a produção e reprodução de seus problemas não

GABARITO

GABARITO são isoladas da produção e da reprodução do próprio capital e das relações de dominação

são isoladas da produção e da reprodução do próprio capital e das relações de dominação que isso implica. (FALEIROS, 2009, p. 88).

Questão 10

Resposta: Segundo Faleiros, a modificação e a transformação dessas problemáticas não dependem de soluções exclusivamente tecnocráticas, de recursos específicos, mas de transformação ou relações que vão além da simples relação profissional. Essa perspectiva é que pode permitir a renovação do trabalho social. Com isso se pode superar as visões gerais dos problemas, assim como a submissão ao pragmatismo imediatista e ao oportunismo paternalista. As funções do serviço social não se fundam, portanto, numa simples sociologia ou numa historiografia, mas numa análise das forças em presença no desenvolvimento global da sociedade. (FALEIROS, 2009, p. 91).

Tema 02

Crise: o planejamento estratégico e participativo como resposta

Tema 02

Crise: o planejamento estratégico e participativo como resposta

CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • A contemporaneidade e a crise. •
CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • A contemporaneidade e a crise. •

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Conteúdo

Nessa aula você estudará:

A contemporaneidade e a crise.

A contribuição do planejamento.

As linhas que compõem o planejamento.

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Habilidades

Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

Qual sua compreensão sobre crise e contemporaneidade?

Quais são as questões sociais que evidenciam a crise?

Por que o planejamento é apontado como resposta e contribuição à crise?

Por que a participação social é fundamental para a superação da crise?

social é fundamental para a superação da crise? LEITURA OBRIGATÓRIA Crise: o planejamento estratégico e

LEITURAOBRIGATÓRIA

Crise: o planejamento estratégico e participativo como resposta

Este tema aborda os conteúdos situados na Parte I, no capítulo denominado Crise e

Respostas: planejamento estratégico, qualidade total e planejamento participativo, páginas 21 a 31 do Livro-Texto. Esta temática vai lhe proporcionar a compreensão das crises que marcaram a humanidade e a crise na contemporaneidade. O autor relaciona as crises com

a

hierarquia de valores para discorrer sobre as crises econômicas, sociais, de valores

e

institucionais. Aponta as questões que geram as crises e situa o planejamento como

uma das tentativas de resposta a tais questões. Os períodos de crise, alguns calmos e outros que levaram a maiores transformações, exigem a tomada e a retomada de decisões, mudanças, opções e redefinição de rumos – enquanto povo e humanidade. O processo de enfrentamento aos períodos de crise gera a demanda de planejamento.

Sempre se ouviu falar em crise, crise econômica, crise mundial, mas qual é o seu entendimento sobre esse assunto? Para compreender a crise na contemporaneidade, faz- se necessário o entendimento de seu conceito. Segundo o dicionário Aurélio, crise pode ser definida como: manifestação repentina de ruptura do equilíbrio. Fase difícil, grave,

LEITURAOBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA na evolução das coisas, dos acontecimentos, das ideias. Manifestação violenta de um sentimento.

na evolução das coisas, dos acontecimentos, das ideias. Manifestação violenta de um sentimento. Período de instabilidade financeira, política ou social.

Para Gandin (2011, p. 21), quem melhor expressou o que seja crise foi Walter Benjamin, quando diz que

ela é um momento em que os valores estabelecidos já não resolvem os problemas nem trazem a necessária segurança à caminhada, ao mesmo tempo em que os valores novos não se firmaram ainda suficientemente, não produziram ainda resultados claros e, por isso, não podem trazer nova segurança no caminho.

Gandin aponta a hierarquia de valores, uma vez que “mudadas as circunstância de vida do homem, os valores se reorganizam em nova escala. Assim, a participação, por exemplo, passa a estar mais evidente e mais forte para resolver problemas da humanidade do que a ordem”. Dessa forma, o autor afirma que a crise está no fato de que nem todos (instituições, grupos, movimentos) aceitam a mesma hierarquia de valores e que não há, para a humanidade como um todo, uma escala de valores superior a todos e assim, inquestionável.

Para o autor, a hierarquia de valores influencia os períodos de crise ou calma. A humanidade tem períodos calmos quando a hierarquia de valores está consolidada, quando o momento

é de crescimento e as lutas são localizadas. Outros períodos apresentam transformações

mais profundas, fruto de insatisfações e questionamentos mais gerais. Assim, pequenas reformas ou grandes revoluções têm relação com as mudanças na hierarquia de valores

e são feitas para preservar ou para recuperar algo considerado absolutamente necessário

à condição humana. Gandin discorre sobre a nova crise, fazendo referência à crise que

ocorreu no Renascimento e aos resultados verificados no século XX. Tais resultados levam

a grandes questionamentos, como os apontados pelo autor, que fazem refletir: por que a

miséria? Por que as pessoas se sentem presas? Por que a violência? Por que a destruição da natureza? Por que não se consegue fugir da guerra? Por que os bens econômicos são os centrais nessa cultura? Os questionamentos indicam as expressões da questão social e estas são a matéria fundante do trabalho do assistente social.

São vários os questionamentos e muitas tentativas de resposta. O autor aponta o planejamento como contribuição a essas tentativas. Aborda as três grandes linhas do planejamento: o gerenciamento da qualidade total, o planejamento estratégico e o planejamento participativo, que se somam ao planejamento operacional consagrado, burocrático, sem perspectiva e ainda muito utilizado.

LEITURAOBRIGATÓRIA

Para Gandin, as linhas de planejamento estão estreitamente envolvidas com três grandes questões, que são a qualidade, a missão e o poder, de forma que em cada uma dessas questões estão presentes as linhas de planejamento. Dessa forma, cabe destacar cada uma delas, de acordo com o texto do autor.

O Gerenciamento da Qualidade Total apresenta um caráter conservador, as mudanças que

propõe são para aperfeiçoar o processo de produção (período industrial e pós-industrial). O mundo é um processo econômico. De acordo com o autor, a análise social que daí decorre

é a de que a produção econômica atingiu níveis quantitativos suficientes, que as empresas

e os países necessitam competitivamente, e que esta competitividade só será eficiente no campo da qualidade. O foco era na produção e no produto. Nos últimos anos verifica-se uma grande mudança, o foco passa a ser a avaliação da qualidade do processo, de forma que o trabalho é que deve ser de qualidade. O foco passa a ser a capacidade humana das pessoas envolvidas nesse processo e aí esse modelo incorpora as ideias de missão e de participação.

O autor explicita as características desse modelo, as quais registram-se, de forma resumida:

não inclui proposta social ou pedagógica, tem como horizonte o lucro, busca a eficiência, mantém esquemas hierárquicos bem definidos, o poder é paternalista, a participação é

limitada, não discute os resultados, as tarefas, resultados e procedimentos são padronizados

e

não se discutem critérios para a determinação do que seja qualidade.

O

Planejamento Estratégico contempla a questão da qualidade e da participação. A qualidade

é

proposta de maneira mais ampla e aberta e a participação fica no nível de decisão.

O

Planejamento Participativo, enquanto metodologia e/ou processo técnico, abre espaços

para a questão política. Valoriza a questão da qualidade, da missão e da participação. Esse modelo de planejamento parte da premissa de que a realidade é injusta e que isto ocorre pela falta de participação em todos os níveis e aspectos da atividade humana. Nesse sentido, a instauração da justiça social e a superação da crise passam pela participação de todos. O autor assevera ainda que esse modelo de planejamento alcançou a integração, na prática, entre planejamento operacional e o estratégico, organizando-se num todo que se constitui no que Paulo Freire chama de processo de ação-reflexão.

LEITURAOBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA Segundo Faleiros (2009, pp. 98-99), Paulo Freire insistiu, em todos os seus trabalhos, que,

Segundo Faleiros (2009, pp. 98-99), Paulo Freire insistiu, em todos os seus trabalhos, que,

O ponto de partida para a conscientização compreende dois aspectos

fundamentais: a problematização e o diálogo. Para problematizar, o autor

destaca a necessidade de vincular a reflexão à ação para evitar-se o verbalismo (palavras sem ação) e o ativismo (ação sem reflexão). Esses dois aspectos da conscientização interpretam-se e se situam numa concepção mais ampla, a

da ação libertadora, oposta à manipulação, à conquista, à invasão cultural, à

divisão. Essa ação supõe a colaboração, a união, a organização, a síntese do intelectual com as classes subalternas. (FREIRE, 1970 apud FALEIROS, 2009,

PP.98-99).

A obra de Paulo Freire merece leitura e reflexão, pois teve grande influencia no serviço

social, nas lutas da categoria e no agir profissional dos assistentes sociais.

Gandin alerta que não se pode perder de vista, em nenhum momento, que o planejamento

é uma discussão sobre metodologia e sobre instrumentos: estuda e indica processos para

se chegar a resultados. Para o autor, a grande conquista deste século será a participação. Um aspecto crucial da crise é o poder, quem tem poder quer reorganizar a sociedade para que se restabeleça a ordem e a tranquilidade, e nesse processo as estruturas sociais se transformam e levam o poder para outros setores, consolidando as mudanças.

Ao finalizar esta leitura, podem surgir os seguintes questionamentos: mas qual a relação da crise com o serviço social? Estes conteúdos – crise, planejamentos, processos – não são mais apropriados para um curso de administração?

Esse contexto é pertinente à maioria dos cursos. O entendimento da crise vai além do serviço social e abrange todas as esferas da sociedade em uma tentativa de racionalização

dos processos de melhoria social. A administração dos serviços públicos diz respeito a toda

a sociedade e pressupõe a participação de todos, de profissionais de várias áreas, inclusive

do assistente social. O trabalho social requer planejamento, organização, teoria e método. Nesse sentido, a temática é fundamental para o serviço social, que tem na questão social

a matéria-prima de seu trabalho, e como princípio a construção de uma sociedade mais democrática e justa.

LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então: Artigos Leia o artigo O mercado

LINKSIMPORTANTES

Quer saber mais sobre o assunto? Então:

Artigos

Leia o artigo O mercado de trabalho do assistente social e a crise mundial do capitalismo no século XXI: desafios contemporâneos para a intervenção profissional, das autoras Cenira Andrade de Oliveira, Cleier Marconsin e Cleusa Santos. Disponível em: <http://www.ts.ucr. ac.cr/binarios/congresos/reg/slets/slets-019-220.pdf>. Acesso em: 2 jan. 2014. O artigo aborda a crise mundial com foco no trabalho do assistente social.

Leia o artigo de Úrsula Fraga Amorim e Maria Augusta da Silva Tavares, com o tema Serviço

Social: reflexão sobre as atuais tendências do mercado de trabalho do assistente social a partir de um estudo realizado com os alunos egressos do curso de Serviço Social – UniFOA. Disponível em: <http://www.unifoa.edu.br/cadernos/edicao/05/51.pdf>. Acesso em: 2 jan.

2014.

Sites

Para ter acesso a legislação social, cadernos especiais, teses e dissertações (produção dos 25 programas de pós-graduação, PPG, na área do serviço social), Revista Àgora, além do Caderno de Políticas Públicas & Serviço Social, acesse o site que é considerado uma Biblioteca do Serviço Social. Disponível em: <http://www.assistentesocial.com.br/biblioteca. php>. Acesso em: 2 jan. 2014.

LINKSIMPORTANTES

LINKS IMPORTANTES Vídeos Assista a entrevista de Arnaldo Jabor no programa Globo News. Jabor analisa a

Vídeos

Assista a entrevista de Arnaldo Jabor no programa Globo News. Jabor analisa a crise econômica na Europa e nos EUA e os reflexos desta no Brasil. Disponível em: <http://www. youtube.com/watch?v=Dkb-TEUMYhY>. Acesso em: 2 jan. 2014.

. Acesso em: 2 jan. 2014. AGORA É A SUA VEZ Instruções: Chegou a hora de

AGORAÉASUAVEZ

Instruções:

Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

Questão 1:

Considerando o tema desta disciplina, e em específico desta aula, faça uma refle- xão sobre sua trajetória pessoal no que se refere à sua formação e sua vida profissio- nal. Nessa trajetória você fez uso do pla- nejamento para direcionar e atingir resulta- dos? Caso tenha enfrentado momentos de crise na vida pessoal ou profissional, que estratégias usou para enfrentá-los? Faça um relato em até 15 linhas.

Questão 2:

Para Gandin (2011) quem melhor expres- sou o que é crise foi Walter Benjamin,

quando diz que “ela é um momento em que

os

resolvem os problemas nem trazem a ne-

ao

mesmo tempo em que os não se firmaram ainda suficientemen- te, não produziram ainda resultados cla- ros e, por isso, não podem trazer nova no caminho”.

cessária

estabelecidos já não

,

AGORAÉASUAVEZ

Assinale a alternativa que completa corre- tamente as lacunas de acordo com o texto.

a)

resposta, direção, resultados, crise.

b)

resultados,

direção,

problemas,

direção.

c) valores, segurança, valores, direção.

d) valores, segurança à caminhada, valores novos, segurança.

e) valores, direção a caminhada, valores,

segurança.

Questão 3:

Para Gandin, a humanidade tem períodos de crise e outros de calma. De acordo com o autor, o que influencia esses períodos?

a) As insatisfações.

b) O crescimento econômico.

c) A hierarquia de valores.

d) A crise econômica.

e) Reformas sociais.

Questão 4:

No texto o autor aborda as três grandes li- nhas do planejamento.

I. O gerenciamento da qualidade total.

II. O planejamento financeiro.

III. O planejamento estratégico.

IV. O Planejamento participativo.

V. O planejamento econômico.

Estão corretas as afirmativas:

a) I, II, III, IV, V.

b) I, III, IV.

c) II, III, IV.

d) I, II, III, V.

e) I, III, V.

Questão 5:

Para Gandin, as linhas de planejamento estão estreitamente envolvidas com três grandes questões.

Assinale a alternativa que apresenta as questões, de acordo com o texto.

a) A qualidade, a visão e o compromisso.

b) A qualidade, a efetividade e a eficácia.

c) A qualidade, a missão e o poder.

d) A hierarquia de valores, resultado e

poder.

e) A relação de

hierarquia de valores.

poder,

a visão

e

a

AGORAÉASUAVEZ

AGORA É A SUA VEZ Questão 6: Descreva as principais características do modelo de planejamento denominado

Questão 6:

Descreva as principais características do modelo de planejamento denominado o Gerenciamento da Qualidade Total.

Questão 7:

De acordo com o texto, apresente quais os pontos que diferem o planejamento participativo do planejamento estratégico.

Questão 8:

Ao tratar do Planejamento Participativo, Gandin assevera que esse modelo de planejamento visa à participação de todos como estratégia para superação da crise e organiza-se num todo que se constitui no que Paulo Freire chama de processo de ação-reflexão.

Discorrasobreesseprocesso,considerando a visão de Paulo Freire.

Questão 9:

De acordo com o texto, Gandin aponta o planejamento como uma estratégia de superação da crise. Relacione essa temática ao serviço social.

Questão 10:

Considerando como subsídio o artigo: O mercado de trabalho do assistente social e a crise mundial do capitalismo no século XXI: desafios contemporâneos para a intervenção profissional, indicado como leitura complementar, descreva quais os desafios postos aos assistentes sociais neste contexto de crise.

FINALIZANDO Neste tema você aprendeu o conceito de crise, as linhas de planejamento, suas características.

FINALIZANDO

Neste tema você aprendeu o conceito de crise, as linhas de planejamento, suas características. Viu ainda que o autor aponta o planejamento e a participação de todos como estratégia de superação da crise. Ao refletir sobre o contexto apresentado pelo autor, pôde entender a relação deste com todas as esferas da sociedade, bem como com o serviço social.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos! REFERÊNCIAS FALEIROS, V. de P. Metodologia

REFERÊNCIAS

FALEIROS, V. de P. Metodologia e ideologia do trabalho social. 11. ed. São Paulo: Cortez,

2009.

GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo: na educação e em outras institui- ções, grupos e movimentos dos campos cultural, social, político, religioso e governamental. 19. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

GLOSSÁRIO Hierarquia de valores: organização segundo vários graus de poder e subordinação. Crise econômica:

GLOSSÁRIO

GLOSSÁRIO Hierarquia de valores: organização segundo vários graus de poder e subordinação. Crise econômica:

Hierarquia de valores: organização segundo vários graus de poder e subordinação.

Crise econômica: momentos nos quais uma sociedade passa por ajustes e problemas estruturais na sua produção e distribuição das riquezas.

Crise de valores: uma constante na história da humanidade. Momentos em que os valores antigos são questionados e substituídos.

em que os valores antigos são questionados e substituídos. GABARITO Questão 1 Resposta: Essa questão é

GABARITO

Questão 1

Resposta: Essa questão é livre. Seu objetivo é levar o aluno a refletir sobre a importância do planejamento em todas as instâncias da vida.

Questão 2

Resposta: Alternativa D.

Justificativa: a questão 2 solicita o preenchimento das lacunas. A frase completa consta no texto do autor e no item leitura obrigatória.

GABARITO

Questão 3

Resposta: Alternativa C.

Justificativa: para o autor, a hierarquia de valores influencia os períodos de crise ou calma. A humanidade tem períodos calmos quando a hierarquia de valores está consolidada, quando o momento é de crescimento e as lutas são localizadas. Outros períodos apresentam transformações mais profundas, fruto de insatisfações e questionamentos mais gerais. Assim, pequenas reformas ou grandes revoluções têm relação com as mudanças na hierarquia de valores e são feitas para preservar ou para recuperar algo considerado absolutamente necessário à condição humana.

Questão 4

Resposta: Alternativa B.

Justificativa: o autor aborda as três grandes linhas do planejamento, que são: o gerenciamento da qualidade total, o planejamento estratégico e o planejamento participativo. No item leitura obrigatória deste caderno essas três linhas são destacadas e detalhadas, de acordo com o texto do autor.

Questão 5

Resposta: Alternativa C.

Justificativa: para Gandin, as linhas de planejamento estão estreitamente envolvidas com três grandes questões, que são a qualidade, a missão e o poder, de forma que em cada uma das questões estão presentes as linhas de planejamento.

Questão 6

Resposta: Segundo o autor, este modelo apresenta um caráter conservador. O foco é na produção e no produto. Após grandes mudanças verificadas nos últimos anos, o foco passa a ser a avaliação da qualidade do processo, de forma que o trabalho é que deve ser de qualidade e o foco passa a ser a capacidade humana das pessoas envolvidas nesse processo. Esse modelo incorpora as ideias de missão e de participação. Para o autor, as características desse modelo têm como horizonte o lucro, buscam a eficiência, mantêm esquemas hierárquicos bem definidos, o poder é paternalista, a participação é limitada, não discute os resultados, as tarefas, resultados e procedimentos são padronizados e não se discutem critérios para a determinação do que seja qualidade.

GABARITO

GABARITO Questão 7 Resposta: O Planejamento Estratégico contempla a questão da qualidade e da participação. A

Questão 7

Resposta: O Planejamento Estratégico contempla a questão da qualidade e da participação.

A qualidade é proposta de maneira mais ampla e aberta e a participação fica no nível de

decisão. Já o Planejamento Participativo abre espaços para a questão política e valoriza a questão da qualidade, da missão e da participação.

A principal diferença entre os modelos é que o planejamento participativo parte da premissa

de que a realidade é injusta e que isto ocorre pela falta de participação em todos os níveis e aspectos da atividade humana, e que a superação da crise e a instauração da justiça social passam pela participação de todos.

Questão 8

Resposta: Conforme registrado no texto, segundo Faleiros (2009, pp. 98-99), Paulo Freire afirma que o ponto de partida para a conscientização compreende dois aspectos fundamentais: a problematização e o diálogo. Para problematizar, o autor destaca a

necessidade de vincular a reflexão à ação para evitar-se o verbalismo (palavras sem ação)

e

o ativismo (ação sem reflexão). Esses dois aspectos da conscientização interpretam-se

e

se situam numa concepção mais ampla, a da ação libertadora, oposta à manipulação,

conquista, à invasão cultural, à divisão. Essa ação supõe a colaboração, a união, a organização, a síntese do intelectual com as classes subalternas. (FREIRE, 1970 apud FALEIROS, 2009, PP.98-99).

à

Questão 9

Resposta: Essa temática influencia todas as profissões e esferas do trabalho, inclusive

o serviço social, que atua na perspectiva da conscientização, participação e defesa de

direitos, independentemente se o assistente social atua na esfera pública ou privada. O

trabalho social ou a intervenção profissional do assistente social, em todas as áreas de atuação, requer planejamento, organização, teoria e método. Nesse sentido, a temática

é fundamental para o serviço social, que tem na questão social a matéria-prima de seu trabalho, e como princípio a construção de uma sociedade mais democrática e justa.

Questão 10

Resposta: Resposta livre partindo do conteúdo do texto indicado.

Tema 03

Questões Básicas sobre Planejamento

Tema 03

Questões Básicas sobre Planejamento

CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • Dimensões dadas ao planejamento. • Os
CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • Dimensões dadas ao planejamento. • Os

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Conteúdo

Nessa aula você estudará:

Dimensões dadas ao planejamento.

Os pontos básicos do planejamento participativo.

O planejamento político e o planejamento operacional, sua aplicabilidade geral e sua relação com o serviço social.

CONTEÚDOSEHABILIDADES

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Habilidades

Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

Quais as dimensões dadas ao planejamento?

Quais os aspectos a serem considerados e quais os modelos?

Quais são os pontos básicos do planejamento participativo?

Quais as características do planejamento político e do planejamento operacional?

Qual sua aplicabilidade geral e sua relação ou importância para o serviço social?

e sua relação ou importância para o serviço social? LEITURA OBRIGATÓRIA Questões Básicas sobre Planejamento

LEITURAOBRIGATÓRIA

Questões Básicas sobre Planejamento

Este tema foi elaborado com base nas páginas 32 a 42 de seu Livro-Texto. Aborda os itens O planejamento e suas questões básicas e Planejamento e Administração: a busca dos meios no rumo dos fins. Seu objetivo é oportunizar a discussão sobre as dimensões dadas ao planejamento, os pontos básicos do planejamento participativo, bem como proporcionar o entendimento do que seja o planejamento político e o planejamento operacional e sua aplicabilidade geral, mas sempre com a preocupação de relacionar a especificidade do serviço social.

Ao tratar o planejamento e suas questões básicas, Gandin (2009, p. 32) aponta duas dimensões dadas à inteligência da prática de um grupo ou uma instituição que, ao se arraigarem, se tornam eficazes. São elas:

a) Os conteúdos que o grupo ou a instituição é capaz de conceber e operacionalizar, isto é, o conjunto de opções, de valores, de conhecimentos que constituem, para o conjunto de pessoas envolvidas, a dialética entre o horizonte e o “aqui e agora”.

LEITURALEITURAOBRIGATÓRIAOBRIGATÓRIA

LEITURALEITURA OBRIGATÓRIAOBRIGATÓRIA b) A organização e a dinâmica de relações desses conteúdos, sustentadas por

b) A organização e a dinâmica de relações desses conteúdos, sustentadas por metodologias,

procedimentos. Modelos e técnicas de busca da coerência entre o discurso e a prática.

Para o autor, o planejamento entra no processo pela segunda dimensão indicada, cuja tarefa básica é organizar um esquema ou modelo de plano. Nesse esquema, é necessário definir os aspectos a considerar, o significado de cada parte e assim o modelo ou esquema do plano. Nessa linha de pensamento, Gandin (2009, p. 33) considera os seguintes aspectos e significados:

a) Realidade global existente – aponta como o grupo percebe a realidade global em seus problemas, desafios e esperanças e indica o marco situacional.

b) Realidade global desejada – expressa a utopia social, o “para que direção se movem” do grupo. Expõe as opções e ideais em relação ao campo da ação e a instituição (grupo ou movimento) e fundamenta essas opções em teoria, indicando assim o marco doutrinal.

c) Realidade desejada do campo de ação e da instituição em processo de planejamento

– expressa a utopia instrumental do grupo. Expõe as opções ou ideias em relação ao

campo de ação e à instituição e fundamenta essas opções em teoria, indicando assim o marco operativo.

d) Realidade institucional existente – indica a realidade e a prática específica da instituição

(grupo ou movimento) que se está planejando. Esse aspecto não se inclui no plano, mas se torna necessário conhecê-lo para elaborar o diagnóstico. Nessa perspectiva, o autor aponta que o confronto entre os aspectos C e D expressa o juízo que o grupo faz da sua realidade, em confronto com o ideal traçado para seu fazer. Desse julgamento (avaliação) ficam claras as necessidades da instituição e se leva ao diagnóstico de necessidades.

e) Transformações propostas para a realidade institucional existente no período do

plano – expressa quatro propostas: ações, comportamentos, atitudes, normas e atividades

permanentes para modificar a realidade existente, com vistas a diminuir a diferença entre

C e D. Essas propostas indicam a necessidade de programação e, assim, a definição de

objetivos, políticas estratégicas, determinações gerais e atividades permanentes.

Após a demonstração do modelo de planejamento, o autor apresenta ainda um esquema que trata os pontos básicos do planejamento participativo, cujo foco principal é demonstrar que as instituições existem para “agir” no mundo, na sociedade e na história. Esse agir pode ser improvisado e sem direção ou planejado, com direção e de forma participativa, ou seja,

LEITURAOBRIGATÓRIA

a partir das decisões de todas as pessoas comprometidas com a ação da instituição. Dessa forma, Gandin finaliza esse tópico pontuando as funções do planejamento, que é tornar a “ação” clara, precisa, eficiente, orgânica, direcionada e transformadora.

Ao tratar do tema Planejamento e Administração, o autor aponta as principais questões que surgem na mente das pessoas ao pensar nesse tema: como fazer? Com que fazer? Indica que raras vezes se questiona o “o que fazer”, “para que fazer” e “para quem se está fazendo”. Segundo Gandin, todas são questões de planejamento e importantes, assim, devem ser colocadas em uma hierarquia que possibilite a distinção dos níveis em que o planejamento se produz. Também é preciso clareza da questão da participação e do poder, bem como da função da administração em cada um deles. Nessa perspectiva, o autor aponta dois níveis de planejamento: o político e o operacional. Para que o entendimento de ambos seja garantido, tendo em vista sua interdependência, detalham-se cada um deles, de acordo com o texto do autor.

Planejamento operacional – esse nível trata dos meios, aborda o “como” e o “com que”, incluindo a pormenorização do “o que”. A ênfase está nas técnicas, instrumentos, busca da eficiência, limita-se ao curto prazo e tem no projeto, e por vezes no programa, a expressão maior. Esse tipo de planejamento serve à manutenção, à melhoria de uma estrutura tida como boa e possível de aperfeiçoamento, sobressai em época de calmaria ou quando se pensa que se está num mundo bem estruturado.

Planejamento político – este é o planejamento do “para quem”, do “para quê”, incluindo o “o que” mais abrangente. Trata dos fins, é globalizante, dá ênfase à criatividade, às abordagens gerais, a busca da eficácia, realiza-se no médio e no longo prazo e tem o plano como expressão maior.

Gandin (2009, p. 37) afirma que

o planejamento político nutre-se na ideologia, na filosofia, nas ciências, enquanto o operacional baseia-se na técnica. O primeiro (político) busca estabelecer o rumo, firmar a missão da instituição, do grupo ou do movimento que está em planejamento; o segundo (operacional) busca encaminhar o fazer, para a realização, a vivência de tal rumo e tal missão.

Sendo assim, o planejamento operacional requer pessoas preparadas para sua condução, enquanto no planejamento político o administrador deve participar como qualquer outro para que no centro desse tipo de planejamento esteja o povo. Esse entendimento é fundamental para a atuação profissional do assistente social, que tem como foco de seu trabalho a

LEITURAOBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA participação social, mas é ímpar o entendimento de que esse foco é também posto

participação social, mas é ímpar o entendimento de que esse foco é também posto a outras categorias profissionais, o que exige do profissional uma ação teoricamente embasada e a visão de totalidade da realidade a ser trabalhada.

Com visão crítica e propositiva, torna-se possível elaborar respostas mais qualificadas, considerando tanto a perspectiva do planejamento operacional quanto do sociopolítico, bem como planejar, sistematizar e avaliar as ações ou as intervenções sociais.

e avaliar as ações ou as intervenções sociais. LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto?

LINKSIMPORTANTES

Quer saber mais sobre o assunto? Então:

Artigos

Leia o artigo: O Planejamento Estratégico dentro do Conceito de Administração Estratégica, de Hernan E. Contreras Alday. Esse trabalho complementa o texto de Danilo Gandin, dando um foco maior a administração estratégica. Disponível em: <http://www.fae.edu/publicacoes/ pdf/revista_da_fae/fae_v3_n2/o_planejamento_estrategico.pdf>. Acesso em: 02 jan. 2014.

Leia também o trabalho das assistentes sociais Eliane V. Avancini e Sandra Maria A. Cordeiro, sobre A Importância do Planejamento Estratégico em Organizações do Terceiro Setor. Esse artigo visa contribuir para a reflexão da organização como um todo, em sua relação com o ambiente, numa perspectiva de futuro, adquirindo uma nova mentalidade social empreendedora, apoderando-se do planejamento estratégico no seu cotidiano. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/ssrevista/c_v7n1_sandra.htm>. Acesso em: 02 jan. 2014.

Leia também o artigo Questão Social e Intervenção Profissional dos Assistentes Sociais, que é fruto de uma dissertação de mestrado, de José Wesley Ferreira. O trabalho apresenta o resultado de uma pesquisa qualitativa realizada com seis assistentes sociais que atuam

LINKSIMPORTANTES

em diferentes espaços sócio-ocupacionais na cidade de Porto Alegre e traz uma discussão pertinente ao tema em estudo. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index. php/fass/article/viewFile/7388/5783>. Acesso em: 02 jan. 2014.

Vídeos

Assista ao vídeo da Fundação Roberto Marinho (Telecurso), que apresenta uma aula sobre Planejamento Estratégico. Com uma linguagem clara e muito interessante, o vídeo apresenta definições essenciais sobre planejamento, missão, visão e valores de uma organização. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=kc8TGIqyEso>. Acesso em: 02 jan. 2014.

. Acesso em: 02 jan. 2014. AGORA É A SUA VEZ Instruções: Chegou a hora de

AGORAÉASUAVEZ

Instruções:

Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

AGORAÉASUAVEZ

AGORA É A SUA VEZ Questão 1: Após pontuar o planejamento e suas ques- tões básicas,

Questão 1:

Após pontuar o planejamento e suas ques- tões básicas, o autor apresenta ainda um esquema que trata os pontos básicos do planejamento participativo, cujo foco prin- cipal é demonstrar que as instituições exis- tem para “agir” no mundo, na sociedade e na história. Esse agir pode ser improvisado e sem direção ou planejado, com direção e de forma participativa, ou seja, a partir das decisões de todas as pessoas comprometi- das com a ação da instituição. Gandin fina- liza esse tópico pontuando as funções do planejamento, que é tornar a “ação” clara, precisa, eficiente, orgânica, direcionada e transformadora.

Considerando o exposto e seus conheci- mentos prévios, relacione o texto ao “agir” profissional do assistente social. Mínimo de 10 linhas.

Questão 2:

De acordo com Avancini e Cordeiro, (arti- go indicado em Links Importantes), o pla- nejamento é uma ferramenta gerencial que proporciona a sensibilidade para identifi- car, ao longo do tempo, ações necessárias ao enfrentamento de estrangulamentos e desafios institucionais que devem ser ven- cidos. Esses desafios não se colocam ape- nas para organizações com fins lucrativos, mas também para as organizações não go- vernamentais, sem fins lucrativos; ou seja,

qualquer organização – seja ela pública ou privada, com ou sem fins lucrativos – ne- cessita ter uma visão clara dos objetivos e estratégias a que se propõe. Diante disto, as organizações do terceiro setor precisam profissionalizar-se, tendo a consciência e a clareza do que pretendem realizar, en- quanto projeto coletivo percebido por to- dos, conferindo coerência ao exercício das escolhas, fundamentalmente para a integri- dade e sucesso do empreendimento.

Assinale as alternativas utilizando verda- deiro (V) e falso (F), de acordo com o texto.

( ) O planejamento é uma ferramenta

gerencial que pode ser utilizada por qual- quer organização, sejam elas públicas e/ ou privadas, com ou sem fins lucrativos.

( ) Por meio do planejamento as orga-

nizações podem identificar as necessida- des e desafios que precisam ser venci- dos.

( ) As organizações necessitam ter uma

visão clara dos objetivos e estratégias a

que se propõem.

( ) As organizações do terceiro setor

não precisam de planejamento para sua

profissionalização.

Assinale a alternativa que apresenta a se- quência correta:

a) V, V, V, V.

AGORAÉASUAVEZ

b) V, F, V, F.

c) V, V, F, F.

d) V, V, V, F.

e) F, V, V, V.

Questão 3:

O planejamento pressupõe dois níveis fun-

damentais. Quais são eles?

a) O político e o participativo.

b) O político e o conservador.

c) O situacional e o doutrinal.

d) O político e o operacional.

e) O doutrinal e o operativo.

Questão 4:

Complete as lacunas de acordo com o tex-

to do autor:

do campo

de ação e da

de planejamento – expressa a utopia ins- trumental do grupo. Expõe as opções ou em relação ao campo de ação e e fundamenta essas

em processo

A

Realidade

a

opções em

, indicando assim o

a) Desejada, instituição, ideias, instituição,

teoria, marco operativo.

b) Existente,

realidade, teoria, marco doutrinal.

instituição,

desafios,

c) Existente,

realidade, teoria, marco operativo.

instituição,

desafios,

d) Desejada, instituição, ideias, realidade,

teoria, marco situacional.

e) Desejada, realidade, ideias, instituição,

teoria, marco doutrinal.

Questão 5:

No texto, Gandin aborda o planejamento político. Esse nível de planejamento é re- presentado por:

I. Trata dos fins.

II. Busca a eficácia.

III. Dá ênfase as técnicas.

IV. Limita-se ao curto prazo.

V. É globalizante.

Estão corretas as afirmativas:

a) I, II, III, IV, V.

b) I, III, IV.

c) II, III, IV.

d) I, II, III, V.

e) I, II, V.

AGORAÉASUAVEZ

AGORA É A SUA VEZ Questão 6: De acordo com Gandin (2011), as transformações propostas para

Questão 6:

De acordo com Gandin (2011), as transformações propostas para a realidade

institucional existente no período do plano expressam quatro propostas, sendo elas:

ações, comportamentos, atitudes, normas

e atividades permanentes para modificar a

realidade existente, com vistas a diminuir

a diferença entre a realidade desejada do

campo de ação e a realidade institucional

existente. Essas propostas indicam a necessidade de quê?

Questão 7:

Considerando o texto do autor, complete a

frase:

Gandin, afirma que “o planejamento político nutre-se

Busca estabelecer o

Questão 8:

Ao tratar do tema Planejamento e Adminis- tração, o autor aponta as principais ques- tões que surgem na mente das pessoas ao pensar nisso, que são: como fazer? Com que fazer? Indica que raras vezes se ques- tiona o “o que fazer”, “para que fazer” e “para quem se está fazendo”. Aponta ainda que todas são questões de planejamento e

importantes, assim, devem ser colocadas em uma hierarquia que possibilite a distin- ção dos níveis em que o planejamento se produz.

Nessa perspectiva, o autor aponta dois ní- veis de planejamento: o político e o opera- cional.

Segundo o autor, quais são as questões (perguntas) que representam os níveis de planejamento operacional e político?

Questão 9:

Qual a importância de planejar e avaliar as ações profissionais, definir objetivos e me- tas para o assistente social?

Questão 10:

Vasconcelos (2011, pp. 230/231), ao apre- sentar os dados de uma pesquisa de campo realizada pela autora com assistentes soci- ais que atuam na rede municipal de saúde do Rio de Janeiro, revela que mais de 30% dos entrevistados não têm projeto de trabalho es- crito. Revelou também que são raros os as- sistentes sociais que apontam a necessidade de se ter acesso/conhecimento a respeito da própria política de saúde, do processo de municipalização, da estrutura da unidade na preparação do espaço para se trabalhar. O mesmo acontece com os dados relacionados aos usuários. A maioria dos assistentes so- ciais que afirmam ter projeto por escrito, ao

AGORAÉASUAVEZ

se manifestar sobre as questões importantes

a serem consideradas no planejamento do

trabalho profissional, relativas aos usuários, faz comentários sobre o atendimento real- izado, não apontando os dados necessários ao planejamento. Alguns declaram explicita- mente que não utilizam dados sobre a popu- lação, na medida em que não planejam suas ações.

Considerando o exposto, responda:

Qual sua opinião sobre o resultado da pes- quisa apresentada por Vasconcelos?

Você acha que é um caso isolado ou essa é

a realidade da maioria dos assistentes soci-

ais?

Em sua opinião, quais as vantagens que o planejamento das ações e um projeto de tra- balho escrito podem proporcionar aos pro- fissionais e aos usuários do serviço social, tendo como parâmetro a rede municipal de

saúde?

FINALIZANDO Neste tema você aprendeu questões básicas e importantes sobre o planejamento. Os aspectos que

FINALIZANDO

FINALIZANDO Neste tema você aprendeu questões básicas e importantes sobre o planejamento. Os aspectos que devem

Neste tema você aprendeu questões básicas e importantes sobre o planejamento. Os aspectos que devem ser considerados, o significado de cada um deles e os modelos. Aprendeu também as principais questões que surgem quando se pensa em planejamento e os níveis de planejamento denominados pelo autor de operacional e político. O operacional trata dos meios e o político trata dos fins, mas pode perceber que ambos contribuem na busca dos meios no rumo dos fins. Por meio dos textos complementares e das questões, foi possível correlacionar o planejamento ao serviço social e refletir sua sobre sua importância.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos! REFERÊNCIAS GANDIN, Danilo. A prática do

REFERÊNCIAS

GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo: na educação e em outras instituições, grupos e movimentos dos campos cultural, social, político, religioso e governamental. 19. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

VASCONCELOS, A. M. A prática do serviço social: cotidiano, formação e alternativas na área da saúde. 7. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GLOSSÁRIO Eficácia: relação entre os resultados obtidos e os objetivos pretendidos. Marco: sinal de demarcação

GLOSSÁRIO

Eficácia: relação entre os resultados obtidos e os objetivos pretendidos.

Marco: sinal de demarcação que se põe nos limites territoriais, assinala um local ou um acontecimento.

Marco situacional: demarca uma dada realidade.

Marco doutrinal: demarca uma doutrina, uma opção teórica.

Marco operativo: demarca algo produzido, realizado.

Utopia: ideia de civilização ideal, imaginária, fantástica. Refere-se a uma cidade ou mundo, no presente ou futuro.

Refere-se a uma cidade ou mundo, no presente ou futuro. GABARITO Questão 1 Resposta: Gabarito: resposta

GABARITO

Questão 1

Resposta: Gabarito: resposta livre, o objetivo da questão é verificar os conhecimentos prévios e suscitar uma reflexão sobre o tema.

Questão 2

Resposta: Alternativa D.

Justificativa: de acordo com o enunciado da questão, apenas a última alternativa é falsa, uma vez que o texto aponta a necessidade de profissionalização do terceiro setor.

GABARITO

GABARITO Questão 3 Resposta: Alternativa D. Justificativa: os níveis de planejamento abordados no texto do autor

Questão 3

Resposta: Alternativa D.

Justificativa: os níveis de planejamento abordados no texto do autor são o político e o operacional.

Questão 4

Resposta: Alternativa A.

Justificativa: o texto completo encontra-se no item Leitura Obrigatória.

Questão 5

Resposta: Alternativa E.

Justificativa: está correta a letra e, pois conforme demonstra o autor, o planejamento operacional é quem dá ênfase as técnicas e limita-se ao curto prazo.

Questão 6

Resposta: programação, e assim a definição de objetivos, políticas estratégicas, determinações gerais e atividades permanentes.

Questão 7

Resposta: Gandin (2009, p. 37) afirma que “o planejamento político nutre-se na ideologia, na filosofia, nas ciências, enquanto o operacional baseia-se na técnica. O primeiro (político) busca estabelecer o rumo, firmar a missão da instituição, do grupo ou do movimento que está em planejamento”.

Questão 8

Resposta: planejamento operacional – aborda o “como” e o “com que”, incluindo a pormenorização do “o que”.

Planejamento político – este é o planejamento do “para quem”, do “para quê”, incluindo o “o que” mais abrangente.

GABARITO

Questão 9

Resposta: Resposta livre. O objetivo da questão é suscitar uma discussão sobre o planejamento profissional, que é fundamental para todas as profissões, inclusive para o serviço social.

Questão 10

Resposta: Resposta livre. Vantagens do planejamento de ações que podem ser citadas:

conhecer o perfil socioeconômico dos usuários, o perfil epidemiológico, as determinações das doenças, as condições de vida, de trabalho, estilo de vida, demandas dos usuários, entre outros, como subsídio ao planejamento de ações e das intervenções sociais.

Tema 04

Planejamento, Administração e Realidade

Tema 04

Planejamento, Administração e Realidade

CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • O planejamento sob a perspectiva dialética.
CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • O planejamento sob a perspectiva dialética.

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Conteúdo

Nessa aula você estudará:

O planejamento sob a perspectiva dialética.

A concepção de realidade.

O caráter científico do planejamento.

O planejamento social.

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Habilidades

Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

Qual o enfoque do planejamento para os que pensam sob a perspectiva dialética?

Qual a concepção de realidade que se firma e que tem sentido?

Por que o trabalho do médico pode ser comparado a um processo de planejamento científico?

Qual seu entendimento sobre o planejamento na área social?

Qual a importância do planejamento para a intervenção profissional do assistente social?

para a intervenção profissional do assistente social? LEITURA OBRIGATÓRIA Planejamento, Administração e

LEITURAOBRIGATÓRIA

Planejamento, Administração e Realidade

Este tema, Planejamento, Administração e Realidade, foi elaborado com base nas páginas de 39 a 52 de seu Livro-Texto, do autor Danilo Gandin. O tema desta aula aborda os itens do texto: Planejamento e realidade; A ação do médico esclarece o planejamento e O escoteiro inteligente. Tem como objetivo compreender o significado de uma prática transformadora em uma dada realidade. Para esclarecer o planejamento, o autor aponta como exemplo a ação do médico e o caráter científico do planejamento, e utiliza ainda, como comparação, o agir de um escoteiro inteligente.

Para que você possa relacionar o texto do autor ao serviço social, será utilizado o trabalho de Myrian Veras Batista, que aborda o planejamento social. Você já aprendeu muito sobre planejamento, suas dimensões, níveis, mas é fundamental um aprofundamento com vistas à apreensão da realidade e do planejamento na área social.

LEITURAOBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA Para Gandin (2011), o planejamento deve ser visto sob a perspectiva dialética , com

Para Gandin (2011), o planejamento deve ser visto sob a perspectiva dialética, com vistas

a uma prática transformadora. Para os que pensam sob essa perspectiva, isso representa a

recuperação da dialética entre o “dever ser” e o “ser”, entre o pensar e o agir, entre a teoria

a prática. Para o autor, a concepção de planejamento que se firma e que tem sentido é aquela que o considera uma metodologia científica para construir a realidade.

e

O

que lhe vem à mente quando se fala em realidade? De acordo com informações obtidas

no

site da Wikipédia, Realidade significa, em uso comum “tudo o que existe”. Em sentido

mais livre, o termo inclui tudo o que é, seja ou não perceptível, acessível ou entendido pela ciência, filosofia ou qualquer outro sistema de análise. Em senso comum, realidade significa

o

ajuste que se faz entre a imagem e a ideia da coisa, entre verdade e verossimilhança.

O

problema da realidade é matéria presente em todas as ciências, e, com particular

importância, nas ciências que têm como objeto de estudo o próprio homem: a antropologia cultural e todas as que nela estão implicadas – a filosofia, a psicologia, e muitas outras,

além das técnicas e das artes visuais. Na interpretação ou representação do real, (verdade subjetiva ou crença), a realidade está sujeita ao campo das escolhas, isto é, determina-se parte do que se considera ser um fato, ato ou uma possibilidade, algo adquirido a partir dos sentidos e do conhecimento adquirido. (Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/ Realidade>. Acesso em: 02 jan. 2014).

Para Gandin (2011, p. 40), a realidade pode ser concebida como:

Global, incluindo todo o complexo sócio–econômico–cultural (totalidade).

Do campo de ação do grupo ou da instituição que planeja (restrita).

Do grupo ou da instituição, realidade restrita e específica do processo planejado.

O autor apresenta a realidade sob outro ângulo de visão:

Existente (conjunto de seres, ideias, símbolos, relações – tempo determinado).

Desejada (pelo conjunto que compõe a realidade existente – para ser horizonte, ser rumo ideal).

A concepção de realidade apresentada pelo autor demonstra um esquema interligado

entre a realidade existente e a realidade desejada. Indica que o planejamento se exerce sobre a “realidade institucional existente” e é esta realidade que a prática pode construir

LEITURAOBRIGATÓRIA

ou transformar. Para Gandin (2011), o planejamento é, justamente, a inteligência que dá eficácia a esse processo, e exemplifica usando a escola, cuja realidade é lugar e fruto da construção social.

Outro exemplo apresentado pelo autor visando explicar o planejamento é comparar o processo de planejamento com o trabalho de um médico. Seu intuito é ressaltar que o planejamento é um processo científico e, como tal, exige método. Nessa perspectiva, o autor afirma que uma pessoa procura um médico quando tem problemas ou quando tem esperanças, ou seja, quer prevenir problemas. Essa afirmação também serve as instituições, grupos ou pessoas que têm problemas ou que têm esperanças.

Segundo o autor, o médico vai analisar a situação do paciente, considerando a situação global, ou seja, situando o problema apresentado pelo paciente em sua realidade, seu contexto de vida, de mundo para então realizar um diagnóstico. Em medicina, um diagnóstico é a comparação entre a realidade do paciente e o que é ideal para aquela determinada idade, resultando em um juízo sobre as condições de saúde do paciente. Para

chegar a esse resultado o médico necessita ter teoria, conhecer a realidade do paciente e fazer um julgamento, e somente a partir daí o médico estabelece as necessidades e programa o tratamento, bem como o acompanhamento e a avaliação. Assim, o diagnóstico,

do qual decorrem as necessidades, é o centro do trabalho do médico ou de outro qualquer

processo de planejamento e é assim concebido, o centro do processo científico. Desse processo resulta a “proposta de ação” e esta, quando científica e tecnicamente engendrada, produz ações, atitudes e normas que, satisfazendo as necessidades, transformam a prática, ou seja, a realidade. Outro exemplo utilizado pelo autor para exemplificar o planejamento científico é o caso de um escoteiro inteligente, que perdido em uma floresta, sozinho, precisa planejar seu retorno ao acampamento. Para isso, precisa compreender sua situação, sua realidade, a distância até o acampamento e somente a partir daí pode estabelecer um rumo, definir um caminho e um tempo para chegar ao seu destino. Com suas ações programadas, suas atitudes o levam aonde quer chegar.

O planejamento na área social não foge dos exemplos apresentados. Nele também é

fundamental planejar, analisar a realidade, o contexto, o caminho a ser percorrido e as

ações que envolvem esse processo, ou seja, a definição das providências, a execução, o controle, a avaliação e a redefinição da ação.

Ao tratar da racionalidade do planejamento, Baptista (2010) assevera que:

LEITURAOBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA O termo “planejamento”, na perspectiva lógico-racional, refere-se ao processo permanente e

O termo “planejamento”, na perspectiva lógico-racional, refere-se ao processo permanente e metódico de abordagem racional e científica de questões que se colocam no mundo social. Enquanto processo permanente, supõe ação contínua sobre um conjunto dinâmico de situações em um determinado momento histórico. Como processo metódico de abordagem racional e científica, supõe uma sequência de atos decisórios, ordenados em momentos definidos e baseados em conhecimentos teóricos, científicos e técnicos. (BAPISTA, 2010, p. 13).

Segundo Ferreira (1965) apud Baptista (2010, p.15), o planejamento se organiza por operações complexas e interligadas, que se relacionam em um processo dinâmico e contínuo. Esse processo exige reflexão, decisão, ação e retomada da reflexão. A análise desse processo leva a identificar, nessa dimensão de racionalidade, a dimensão político- decisória que dá suporte ético-político à ação técnico-administrativa.

Diante do exposto, infere-se que a ação do profissional de serviço social deve partir de uma análise profunda da realidade em que se insere como profissional, visando sua compreensão enquanto totalidade. Essa visão oportuniza ao profissional identificar e delimitar seu objeto de ação e, assim, direcionar sua intervenção profissional, num processo de construção e reconstrução, em função da dinâmica da realidade social.

em função da dinâmica da realidade social. LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então:

LINKSIMPORTANTES

Quer saber mais sobre o assunto? Então:

Sites

Os Dilemas Gerenciais do Serviço Social, de Luciana Francisco de Abreu Ronconi. Disponível em: <http://www.portalsocial.ufsc.br/publicacao/dilemas_gerenciais.pdf>. Acesso em: 02 jan. 2014.

LINKSIMPORTANTES

Livros:

Leia também o livro: VASCONCELOS, Ana Maria de. A prática do serviço social: cotidiano, formação e alternativas na área da saúde. 7. Ed. São Paulo: Cortez, 2011. Este livro é resultado da tese de doutorado da autora e apresenta o resultado e discussão de uma ampla pesquisa de campo, realizada com profissionais da área da saúde municipal. Esse trabalho leva a uma reflexão profunda sobre o agir profissional.

Vídeos:

Acesse o endereço indicado e assista à entrevista de Paul Singer ao programa Roda Viva. Singer é o Secretário Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego. Doutor em sociologia. É um dos fundadores do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e atuou como secretário de Planejamento do município de São Paulo entre 1989 e 1992. Nessa entrevista ele faz uma análise da realidade muito pertinente ao profissional da área social.

Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=l80x1BmZYpg>. Acesso em: 02 jan. 2014.

. Acesso em: 02 jan. 2014. AGORA É A SUA VEZ Instruções: Chegou a hora de

AGORAÉASUAVEZ

Instruções:

Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

AGORAÉASUAVEZ

AGORA É A SUA VEZ Questão 1: Segundo Ferreira (1965) apud Baptista (2010, p.15), o planejamento

Questão 1:

Segundo Ferreira (1965) apud Baptista (2010, p.15), o planejamento se organiza por operações complexas e interligadas, que se relacionam em um processo di- nâmico e contínuo. Esse processo exige reflexão, decisão, ação e retomada da reflexão. A análise deste processo leva a identificar, nessa dimensão de racionalida- de, a dimensão político-decisória que dá suporte ético-político à ação técnico-admi- nistrativa.

De acordo com o enunciado da questão,

descreva com suas palavras, (mínimo de 10 linhas) qual seu entendimento a respei-

to da dimensão político-decisória que dá

suporte ético-político à ação técnico-admi-

nistrativa.

Questão 2:

O planejamento é uma ferramenta geren-

cial que pode ser utilizada por qualquer or- ganização, sejam elas públicas e ou priva- das, com ou sem fins lucrativos. Por meio do planejamento, as organizações podem identificar as necessidades e definir estra- tégias de ação para construir ou transfor- mar essa realidade.

Assinale as alternativas utilizando verda- deiro (V) e falso (F), de acordo com o texto.

( ) O planejamento é uma ferramenta ge-

rencial que pode ser utilizada por qualquer

organização e não exige o uso de referen- cial teórico ou método.

( ) Por meio do planejamento, as organi-

zações podem identificar as necessidades e desafios que precisam ser vencidos.

( ) As organizações necessitam ter uma

visão clara dos objetivos e estratégias a que se propõem.

( ) O planejamento pode ser utilizado por

uma pessoa, um grupo ou uma instituição/ organização.

Assinale a alternativa que apresenta a se- quência correta:

a) V, V, V, V.

b) V, F, V, F.

c) V, V, F, F.

d) V, V, V, F.

e) F, V, V, V.

Questão 3:

Complete a frase de acordo com o texto.

Para Gandin (2011), a concepção de rea- lidade demonstra um esquema interligado entre a realidade existente e a realidade desejada. Indica que o planejamento se exerce sobre a “realidade institucional exis- tente” e

AGORAÉASUAVEZ

Questão 4:

Ao tratar da racionalidade do planejamento, Baptista (2010) assevera que o termo “pla- nejamento”, na perspectiva lógico-racional, refere-se ao processo permanente e metó- dico de abordagem racional e científica de questões que se colocam no mundo social. Esse processo supõe:

I. Ação contínua.

II. Situa-se em determinado momento his-

tórico.

III. Uma sequência de atos decisórios e

não necessariamente ordenados.

IV. Os atos são baseados em conheci-

mentos teóricos, científicos e técnicos.

V. Não exige uma abordagem racional e

científica.

Estão corretas as afirmativas:

a) I, II, III, IV, V.

b) I, II, IV.

c) II, III, IV.

d) I, II, III, V.

e) I, II, V.

Questão 5:

Segundo Ferreira (1965) apud Baptista (2010, p. 15), o planejamento se organiza por operações complexas e interligadas,

que se relacionam em um processo dinâ- mico e contínuo, que são:

Assinale a alternativa correta.

a) Reflexão, decisão, ação e retomada da

reflexão.

b)

Investigação, reflexão, ação.

 

c)

Sistematização,

organização

e

programação.

d) Objetivos, metas e planos.

e) Reflexão, decisão e programação.

Questão 6:

Gandin aborda o planejamento e a realida- de. Descreva como a realidade pode ser concebida, de acordo com o texto do autor.

Questão 7:

Para explicar o planejamento, o autor com- para o processo de planejamento com o trabalho de um médico. Seu intuito é res- saltar que o planejamento é um processo científico e, como tal, exige método. Na perspectiva do autor, uma pessoa procura um médico quando tem problemas e quan- do tem esperanças e quer prevenir proble- mas.

De acordo com o texto do autor, descreva o trabalho do médico e faça um comparativo com o planejamento de uma instituição.

AGORAÉASUAVEZ

AGORA É A SUA VEZ Questão 8: Vasconcelos (2010, p. 17) afirma que: a di- mensão

Questão 8:

Vasconcelos (2010, p. 17) afirma que: a di- mensão política do planejamento decorre do fato de que ele é um processo contínuo de tomadas de decisões, inscritas nas rela- ções de poder, o que caracteriza ou envol- ve uma função política.

Você acha que essa afirmação é compre- endida pelos profissionais de serviço social em sua prática cotidiana?

Questão 9:

Para Mioto e Nogueira, na área da saúde

o planejamento é utilizado de forma am-

pla e em distintos espaços e dimensões. De acordo com o texto das autoras, Siste- matização, Planejamento e Avaliação das Ações dos Assistentes Sociais no Campo da Saúde, indicado como leitura comple- mentar, descreva esses espaços e dimen- sões.

Questão 10:

As ações profissionais do assistente social no campo da saúde, assim como em ou- tros, não ocorrem de forma isolada, mas se articulam em eixos/processos à medida que se diferenciam ou se aproximam entre

si e, particularmente na saúde, integram o

processo coletivo do trabalho em saúde. A organização abrange os fatores de ordem política, econômica e social que condicio-

nam o direito a ter acesso aos bens e ser- viços necessários para se garantir a saúde, bem como exige uma consciência sanitá- ria que se traduz em ações operativas na concretização do direito. Nessa perspec- tiva, a construção da integralidade e da participação social em saúde, pelo serviço social, está atrelada a três processos bá- sicos, dialeticamente articulados, a saber:

os processos político-organizativos, os processos de planejamento e gestão e aos processos socioassistenciais. A in- tegração entre esses três processos permi- te estabelecer o trânsito tanto entre os dife- rentes níveis de atenção em saúde, quanto entre as necessidades individuais e coleti- vas, à medida que as ações profissionais estão, direta ou indiretamente, presentes em todos os níveis de atenção e de gestão.

Considerando o enunciado da questão, sua bagagem teórica, seu conhecimen- to/visão sobre a atuação dos assisten- tes sociais na área de saúde, responda:

a) Você considera que as ações profis- sionais do assistente social no campo da saúde são conduzidas por uma consciên- cia sanitária que se traduz em ações ope- rativas na concretização do direito?

b) Você considera que os assistentes so- ciais que atuam na saúde conduzem seu agir profissional na perspectiva da cons- trução da integralidade e da participação social em saúde?

FINALIZANDO Neste tema você aprendeu um conteúdo importante sobre planejamento e realidade. Como a realidade

FINALIZANDO

Neste tema você aprendeu um conteúdo importante sobre planejamento e realidade. Como a realidade pode ser concebida, bem como o significado e a importância de uma prática transformadora em uma dada realidade, ou seja, conduzir o planejamento sob a perspectiva dialética. Os exemplos apontados pelo autor (processo de trabalho do médico e do escoteiro) contribuíram para que você tenha um entendimento do que seja um planejamento científico. Também aprendeu que o planejamento social exige conhecimento da realidade como norte da intervenção social.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos! REFERÊNCIAS BAPTISTA, M. V. Planejamento Social

REFERÊNCIAS

BAPTISTA, M. V. Planejamento Social: intencionalidade e instrumentação. 2. ed. São Paulo – Lisboa. Veras Ed., 2010.

GANDIN, D. A prática do planejamento participativo: na educação e em outras instituições, grupos e movimentos dos campos cultural, social, político, religioso e governamental. 19. Ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

GLOSSÁRIO Dialética: a arte do diálogo e da discussão. É considerada como o modo de

GLOSSÁRIO

GLOSSÁRIO Dialética: a arte do diálogo e da discussão. É considerada como o modo de pensar

Dialética: a arte do diálogo e da discussão. É considerada como o modo de pensar as contradições da realidade, o modo de compreender a realidade como essencialmente contraditória e em transformação.

Diagnóstico: para a medicina, é o conhecimento ou determinação de uma doença pelos seus sintomas, sinais e ou exames diversos. Para o planejamento, é um juízo sobre a realidade em estudo.

Racionalidade: método de observar ou julgar as coisas baseado unicamente na razão (e não em dogmas e tradições). Doutrina que privilegia a razão como fonte do conhecimento.

Objeto de ação: alvo, objetivo. Matéria, assunto de interesse de estudo. Motivo de uma ação.

assunto de interesse de estudo. Motivo de uma ação. GABARITO Questão 1 Resposta: resposta livre, o

GABARITO

Questão 1

Resposta: resposta livre, o objetivo da questão é verificar os conhecimentos prévios e suscitar uma reflexão sobre o tema.

Questão 2

Resposta: Alternativa E.

Justificativa: De acordo com o enunciado da questão, apenas a primeira alternativa é falsa. Os itens da questão foram trabalhados no texto do autor.

GABARITO

Questão 3

Resposta: é esta realidade que a prática pode construir ou transformar.

Justificativa: a frase completa encontra-se no item Leitura Obrigatória.

Questão 4

Resposta: Alternativa B.

segundo Baptista, enquanto processo permanente, supõe ação contínua sobre um conjunto dinâmico de situações em um determinado momento histórico. Como processo metódico de abordagem racional e científica, supõe uma sequência de atos decisórios, ordenados em momentos definidos e baseados em conhecimentos teóricos, científicos e técnicos. (BAPISTA, 2010, p. 13).

Justificativa: A letra b representa a alternativa correta. O texto apresenta a citação completa da autora em Leitura Obrigatória.

Questão 5

Resposta: Alternativa A.

Justificativa: a letra a representa a alternativa correta e está de acordo com a citação registrada neste Caderno em Leitura Obrigatória.

Questão 6

Resposta: de acordo com o texto do autor, a realidade pode ser concebida como: global, incluindo todo o complexo sócio–econômico–cultural (totalidade); do campo de ação do grupo ou da instituição que planeja (restrita); do grupo ou da instituição, realidade restrita e específica do processo planejado.

Questão 7

Resposta: segundo o autor, o médico vai analisar a situação do paciente, considerando a situação global, ou seja, situando o problema apresentado pelo paciente em sua realidade, seu contexto de vida, de mundo para então realizar um diagnóstico, do qual decorrem as necessidades que devem ser tratadas, acompanhadas e avaliadas. Desse processo resulta a “proposta de ação” ou tratamento, para atender a necessidade do paciente ou resolver o problema do paciente.

GABARITO

GABARITO Para uma instituição o processo não é diferente. Também passa uma investigação da realidade, um

Para uma instituição o processo não é diferente. Também passa uma investigação da realidade, um diagnóstico, uma proposta de ação, acompanhamento, avaliação e necessita de referencial teórico, tanto quanto o trabalho do médico.

Questão 8

Resposta: resposta livre. Tradicionalmente, ao se tratar de planejamento, a ênfase era dada aos seus aspectos técnicos e operativos, o que pode ainda levar à conduta da maioria dos profissionais, sem atentar para as relações de poder, o jogo de vontades políticas entre os envolvidos, bem como as pressões que envolvem os diferentes sujeitos.

Questão 9

Resposta: a saber – para formalizar as políticas de saúde, dar organicidade aos sistemas de saúde, na dimensão gerencial e tecno-assistencial para implantação do SUS, para a delimitação dos sistemas locais de saúde, para a gestão do sistema de saúde suplementar, no planejamento em saúde, selecionando as prioridades e a partir do reconhecimento das necessidades de saúde – organizar as demandas em saúde, prever a cobertura dos serviços de saúde, favorecer a gerência e a gestão em saúde, fornecendo as ferramentas para a avaliação de programas, de serviços e de cuidados em saúde e previsão de custos e alocação de recursos.

Questão 10

Resposta: A resposta é livre. Sugere-se que se faça a leitura do artigo de Mioto e Nogueira:

Sistematização, Planejamento e Avaliação das Ações dos Assistentes Sociais no Campo da Saúde, indicado como leitura complementar, para lhe auxiliar na resposta desta questão.

Tema 05

O Planejamento como Processo Político e a Questão da Participação

Tema 05

O Planejamento como Processo Político e a Questão da Participação

CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • O planejamento estratégico e o planejamento
CONTEÚDOS E HABILIDADES Conteúdo Nessa aula você estudará: • O planejamento estratégico e o planejamento

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Conteúdo

Nessa aula você estudará:

O planejamento estratégico e o planejamento operacional.

O planejamento como processo técnico-político.

A dinâmica do processo de planejamento social e a participação.

A atuação do assistente social em um processo de planejamento.

CONTEÚDOSEHABILIDADES

Habilidades

Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

Quais as principais diferenças entre o planejamento estratégico (político-social) e o planejamento operacional?

Quais os níveis de participação na visão de Danilo Gandin?

Como se dá a dinâmica do processo de planejamento, de acordo com Baptista?

Quais as possibilidades postas ao assistente social em um processo de planejamento participativo?

social em um processo de planejamento participativo? LEITURA OBRIGATÓRIA O Planejamento como Processo Político

LEITURAOBRIGATÓRIA

O Planejamento como Processo Político e a Questão da Participação

O tema desta aula aborda a questão da participação, ou seja, o planejamento participativo. Este tema será trabalhado com base nas páginas de 53 a 60 de seu Livro- Texto, do autor Danilo Gandin. Inicialmente, vai detalhar as principais diferenças entre os dois níveis de planejamento, estratégico (político-social) e operacional, e também os níveis de participação. Com vistas a relacionar o texto do autor ao serviço social, buscou-se respaldo em Myrian Veras Batista, que aborda o planejamento social.

Gandin retoma a discussão dos níveis de planejamento afirmando que os dois têm igual importância no processo de construção de uma realidade e devem interligar-se, para aproximar a realidade que se tem da realidade que se pensou. Nessa perspectiva, aplica- se ao planejamento o processo de reflexão-ação. Para maior clareza e registro do exposto, explicitam-se as principais diferenças em formato de quadro.

LEITURAOBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA Quadro 5.1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (POLÍTICO-SOCIAL) PLANEJAMENTO OPERACIONAL  

Quadro 5.1.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (POLÍTICO-SOCIAL)

PLANEJAMENTO OPERACIONAL

 

Responde as perguntas “para que” e “para quem”, e também “o que”

Responde as perguntas “como” e “com que” e também “o que”.

Trata do médio e longo prazo

Fixa-se no médio e curto prazo

 

Fundamentalmente define os fins

Trata prioritariamente dos meios

 

Busca conceber visões globalizantes

Aborda cada aspecto isoladamente

 

Dá ênfase à criatividade

Dá ênfase à técnica, aos instrumentos

 

Busca a eficácia

Esforça-se pela eficiência

 

Tem o plano e programa como expressão maior

O programa e o projeto são sua expressão

Serve a transformação

Busca manter tudo funcionando

 

É recomendado nas épocas de crise

Sobressai nas épocas de rumo claro

 

É uma tarefa de todo o povo

É, sobretudo, tarefa de administradores

 
 

ênfase

ao

presente

(momento

da

Propõe, especialmente, o futuro

execução)

 

Trabalha centrando-se nas necessidades

Preocupa-se com os problemas

 

Mais atento à elaboração e à avaliação

Sua face essencial e a execução

 

Fonte: GANDIN, D. A prática do planejamento participativo. 2011, p.55

Diante do exposto, verifica-se a necessidade de buscar a visão de planejamento posta ao serviço social, como processo técnico-político, uma vez que a dimensão política insere- se nas relações de poder e envolve uma função política. Atuar nessa dimensão exige apreensão do planejamento na perspectiva estratégica, ou seja, busca caminhos criativos para atender demandas reais e factíveis, atuando em meio às relações de poder como

LEITURAOBRIGATÓRIA

resposta aos interesses e objetivos sociais. O profissional que busca nortear sua ação sob tal perspectiva precisa apreender a complexidade dessas relações e do processo que envolve o planejamento. O domínio desse processo reporta ao tema da competência, mas uma competência conforme prevê o Projeto Ético Político do Serviço Social – ou seja, vai além de uma competência teórico-prática e técnico-operativa, perpassa por uma competência ético-política.

Uma competência não exclui a outra, ao contrário, todas precisam estar articuladas, bem como o objeto de intervenção, para que o processo de planejamento possa ser desencadeado.

Segundo Baptista (2010):

O planejamento se realiza a partir de um processo de aproximações, que tem

como centro do interesse a situação delimitada como objeto de intervenção. Essas aproximações consubstanciam o método e ocorrem em todos os tipos

e níveis de planejamento. Ainda que submetidas ao movimento mais amplo

da sociedade, o seu conteúdo específico irá depender da estrutura e das circunstâncias particulares de cada situação. (BAPTISTA, 2010, P. 27).

Baptista (2010) assevera ainda que esse processo é desencadeado a partir do reconhecimento de necessidades, em dado momento histórico, que pedem respostas mais complexas do que as construídas no imediato da prática. Essas questões, em sua maioria, estão aliadas ao aqui/agora e surgem principalmente em função da necessidade de utilizar recursos escassos para atender grandes problemas; necessidade de aplicar recursos excedentes ou utilizar equipamento ocioso; disponibilidade de recursos de agências de financiamento; transferência do poder decisório para novas lideranças; necessidade de fundamentar novos programas.

A autora pontua o planejamento como um processo contínuo e dinâmico, e desses estímulos resulta a elaboração de planos, programas ou projetos ocasionais, de prazo limitado, caso não sejam acompanhados de política permanente de intervenção (e alocação de recursos). Sendo tomada a decisão (política) de planejar, tem início o movimento de reflexão–decisão– ação–reflexão que o caracteriza. Sendo assim, se realizam as aproximações exemplificadas no Quadro 5.2, organizado pela autora com vistas à compreensão e análise de um processo complexo.

LEITURAOBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA Quadro 5.2. Síntese da dinâmica do processo de planejamento. Processo Racional Fases

Quadro 5.2. Síntese da dinâmica do processo de planejamento.

Processo Racional

Fases metodológicas

 

Documentação decorrente

 

(Re)construção do objeto

 

Proposta preliminar

Estudo de situação

   

Reflexão

Estabelecimento

 

de

Diagnósticos

prioridades

 

Propostas alternativas

 

Estudos de viabilidade

Anteprojetos

 

Escolha de prioridade

 

Planos

Decisão

Escolha de alternativas

Programas

Definição

de

objetivos

e

Projetos

metas

 

Implementação

 

Roteiros

Ação

Implantação

Rotinas

Execução

Normas/Manuais

Controle

Relatórios

Retorno da reflexão

Avaliação

Relatórios avaliativos

Retomada do processo

 

Novos planos, programas e projetos

Fonte: BAPTISTA, M. V. Planejamento Social: Intencionalidade e instrumentação. 2010, p. 29.

Pelo exposto, é clara a dinâmica do processo e da realidade social, de forma que o objeto de intervenção pode ser construído e reconstruído no decorrer de toda a ação planejada. Se o assistente social trabalha com essa visão, pode identificar e delimitar seu objeto de ação e, assim, dar uma direção mais efetiva à sua intervenção profissional. Esse processo envolve a demanda institucional, a participação dos usuários e uma decisão do profissional.

Ao tratar da questão da participação, retoma-se ao texto de Gandin (2011, p. 56), que após um breve preâmbulo sobre o contexto em que a participação social se insere, afirma que:

LEITURAOBRIGATÓRIA

A participação é, contudo, hoje, um conceito que serve a três desastres extremamente graves: a manipulação das pessoas pelas “autoridades” através de um simulacro de participação; a utilização de metodologias inadequadas, com o consequente desgaste da ideia, e a falta de compreensão do que seja realmente a participação.

Gandin (2011, p. 57) aponta os níveis que a participação pode ser exercida, que são

a colaboração, a decisão e a construção em conjunto. Para o autor, apenas o nível de

participação conjunta pode possibilitar a construção de um processo de planejamento em que todos, com seu saber próprio, com sua consciência, com sua adesão específica, organizam seus problemas, suas ideias, seus ideais, seu conhecimento da realidade, criam

o novo, em proveito de todos e com o trabalho coordenado.

Sabe-se que esse processo passa pela falta de compreensão, resistências e metodologias inadequadas, o que reporta à importância do método científico para o planejamento. Para Gandin, planejar é construir a realidade desejada. Não é só organizar a realidade existente e mantê-la em funcionamento (planejamento operacional), mas é transformar esta realidade, construindo uma nova.

Nessa perspectiva, Baptista (2010) pontua que

o espaço ao alcance da ação profissional no cotidiano da instituição configura um nível privilegiado em que o profissional pode e deve exercer influência e produzir mudanças.

O trabalho nesse nível exige conhecimento da visão de mundo e dos estereótipos das pessoas que ocupam posição no sistema de relações sociais ligado a área de

interesse. [

sempre o assistente social pode ultrapassar os limites colocados pelo âmbito de sua

intervenção, mas pode desocultá-los. [

um tríplice movimento: de crítica, de construção de algo “novo” e de nova síntese no plano do conhecimento e da ação em um movimento que vai do particular para o universal e retorna ao particular em outro patamar, desenhando um movimento que traduz a relação ação/conhecimento. (BAPTISTA, 2010, pp. 37-38).

a reconstrução do objeto profissional efetua

No nível das relações estruturais da sociedade, evidentemente, nem

[

]

]

]

Pelo exposto, verifica-se que as visões de Gandin e Baptista se completam ao tratar do planejamento participativo: um aponta sua visão de educador e administrador, e outra a visão do planejamento social. Resumindo, em uma realidade complexa e dinâmica, o planejamento pode ser uma ferramenta de suma importância para o profissional – assistente social – que tanto aprende sobre a realidade em que atua, como também pode possibilitar a ampliação do conhecimento aos sujeitos envolvidos no processo, na relação ação/conhecimento e, como afirma Baptista (2010, p. 34), o profissional precisa se preparar para a interlocução com esses sujeitos, conhecer suas representações, seus sistemas e valores, suas noções e práticas, os quais são, de certa forma, instrumentadores e orientadores de suas percepções

e da elaboração de suas respostas.

LINKS IMPORTANTES Quer saber mais sobre o assunto? Então: Sites Leia o informativo do MDS

LINKSIMPORTANTES

Quer saber mais sobre o assunto? Então:

Sites

Leia o informativo do MDS e saiba como ocorre a participação da sociedade brasileira no acompanhamento das políticas públicas. Trata das formas de participação social e aponta as diferentes formas de controle público. Disponível em: <http://www.mds.gov.br/ bolsafamilia/informes/informe-controle-social/Informe%2013.pdf>. Acesso em: 02 jan. 2014.

Artigos:

Leia o artigo: A intervenção profissional do assistente social no eixo de planejamento e gestão: uma discussão a partir da experiência na coordenação de um serviço de assistência social no âmbito da Proteção Social Básica, de Priscila Cardoso e Eli Regina Dal Prá. Dentre os principais resultados, o estudo apontou a necessidade de fortalecer e qualificar a inserção dos profissionais de serviço social no eixo de intervenção de processos de planejamento e gestão das políticas sociais, assim como compreender a intervenção profissional para além da execução das políticas, serviços, programas e projetos sociais. Disponível em: <http:// revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/viewFile/9551/8057>. Acesso em: 02 jan. 2014.

Leia o artigo: Desafios do planejamento em políticas públicas: diferentes visões e práticas, de José Antônio Puppim de Oliveira, que mostra que o planejamento em políticas públicas tem de ser visto como um processo, e não somente como um produto técnico. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122006000200006>. Acesso em: 02 jan. 2014.

LINKSIMPORTANTES

Vídeos:

Assista ao vídeo Princípios e Bases da Gestão Democrática. O vídeo apresenta as características da gestão escolar e experiências de tal gestão, bem como a questão da participação, da cidadania, do planejamento, das parcerias. Disponível em: <http://www. youtube.com/watch?v=f0J4eVJ2uTA&feature=related>. Acesso em: 02 jan. 2014.

. Acesso em: 02 jan. 2014. AGORA É A SUA VEZ Instruções: Chegou a hora de

AGORAÉASUAVEZ

Instruções:

Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

Questão 1:

Leia a frase abaixo com atenção.

O domínio desse processo, ou seja, do pro- cesso de planejamento sob a perspectiva estratégica e técnico-político, reporta ao tema da competência, mas uma competên- cia conforme prevê o Projeto Ético Político do Serviço Social – ou seja, vai além de uma competência teórico-prática e técnico- operativa, perpassa por uma competência ético-política.

Considerando seus conhecimentos pré- vios, busque nos Princípios Fundamentais do Código de Ética de 1993 a justificativa para tal afirmação.

Questão 2:

Gandin aponta as principais diferenças en- tre o planejamento estratégico e o planeja- mento operacional, afirmando que os dois têm igual importância no processo de cons-

AGORAÉASUAVEZ

AGORA É A SUA VEZ trução de uma realidade e devem interligar- se, para aproximar a

trução de uma realidade e devem interligar- se, para aproximar a realidade que se tem da realidade que se pensou.

Faça uma leitura atenta e indique a qual dos níveis eles pertencem.

I. Planejamento Estratégico (político so- cial).

II. Planejamento Operacional.

(

) Tem o plano e programa como ex- pressão maior.

) O programa e o projeto são sua ex- pressão.

(

(

) Dá ênfase à criatividade.

) Trabalha centrando-se nas necessi- dades.

(

(

) Sobressai nas épocas de rumo claro.

Assinale a alternativa que indica a sequ- ência correta:

a)

b)

c)

d)

e)

I, I, II, II, I.

I, I, II, I, II.

I, I,

I, I, I.

I, II, II, I, I,

I, II, II, I, I,

Questão 3:

De acordo com Gandin, o planejamento estratégico e o planejamento operacio-

nal apresentam diferenças, apesar de os dois terem igual importância no processo de construção de uma realidade desejada. Assinale as alternativas utilizando ver- dadeiro (V) e falso (F), de acordo com a afirmativa: Todos os itens pertencem ao planejamento operacional.

(

) Responde as perguntas “como” e “com que”, e também “o que”.

(

(

) Trata prioritariamente dos meios.

) Serve a transformação.

) O programa e o projeto são sua ex- pressão.

Assinale a alternativa que apresenta a se- quência correta:

(

a)

b)

c)

d)

e)

V, V, V, V.

V, F, V, F.

V, V, F, V.

V, V, V, F.

F, V, V, V.

Questão 4:

Preencha corretamente as lacunas, de acordo com a afirmação de Baptista

(2010):

A reconstrução do objeto efetua um tríplice movimento: de crítica, de construção de algo “novo” e de nova

AGORAÉASUAVEZ

síntese no plano do

e

da

em um movimento que vai

do

para o

e

retorna ao

em outro

patamar, desenhando um movimento que traduz a relação ação/conhecimento.

a) profissional,

singular, universal, singular.

conhecimento,

ação,

b) profissional, movimento, ação, complexo, singular, complexo.

c) de planejamento, movimento, vida, simples, complexo, simples.

d) profissional,

particular, universal, particular.

conhecimento,

ação,

e) social, conhecimento, visão, particular,

universal, particular.

Questão 5:

Segundo Ferreira (1965) apud Baptista (2010, p. 15), o planejamento se organiza por operações complexas e interligadas, que se relacionam em um processo dinâ- mico e contínuo, que são:

Assinale a alternativa correta.

a) Reflexão, decisão, ação e retomada da

reflexão.

b) Investigação, reflexão, ação.

c)

programação.

Sistematização,

organização

e

d) Objetivos, metas e planos.

e) Reflexão, decisão e programação.

Questão 6:

Ao tratar da questão da participação, Gan- din (2011, p. 56) afirma que “A participação é, contudo, hoje, um conceito que serve a três desastres extremamente graves: a ma- nipulação das pessoas pelas ’autoridades‘ através de um simulacro de participação; a utilização de metodologias inadequadas, com o consequente desgaste da ideia, e a falta de compreensão do que seja realmen- te a participação”.

Considerando sua visão de sociedade e re- alidade, apresente sua opinião a respeito dessa afirmação.

Questão 7:

Considerando a síntese da dinâmica do processo de planejamento apontado por Baptista (2010), classificados em processo racional, fases metodológicas e documentação decorrente, responda:

Quais são os documentos decorrentes da fase de decisão?

AGORAÉASUAVEZ

AGORA É A SUA VEZ Questão 8: Com base na discussão a respeito de planejamento que

Questão 8:

Com base na discussão a respeito de planejamento que o texto apresenta, verificou-se a necessidade de buscar a visão de planejamento posta ao serviço

social. Como esse processo é visto e qual

a exigência que se coloca ao profissional para atuar nessa dimensão?

Questão 9:

Na perspectiva do planejamento estratégico

– político social – Baptista (2010) pontua que

o espaço ao alcance da ação profissional

no cotidiano da instituição configura um nível privilegiado em que o profissional pode e deve exercer influência e produzir mudanças.

Afirma ainda que o trabalho nesse nível exige o quê?

Questão 10:

Segundo Baptista (2010), no nível das relações estruturais da sociedade, evidentemente, nem sempre o assistente social pode ultrapassar os limites colocados pelo âmbito de sua intervenção, mas pode desocultá-los.

Como o assistente social deve agir para atingir esse desocultamento?

FINALIZANDO Este tema lhe proporcionou uma importante reflexão. Você aprofundou seus conhecimentos sobre o planejamento

FINALIZANDO

Este tema lhe proporcionou uma importante reflexão. Você aprofundou seus conhecimentos sobre o planejamento estratégico e o planejamento operacional, suas principais diferenças e aplicações. Também aprendeu a dinâmica que envolve o processo de planejamento social. O espaço que se coloca ao profissional assistente social nesse processo e as suas possibilidades de atuação.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos! REFERÊNCIAS BAPTISTA, M. V. Planejamento Social

REFERÊNCIAS

BAPTISTA, M. V. Planejamento Social: intencionalidade e instrumentação. 2. ed. São Paulo – Lisboa. Veras Ed., 2010.

GANDIN, D. A prática do planejamento participativo: na educação e em outras instituições, grupos e movimentos dos campos cultural, social, político, religioso e governamental. 19. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

GLOSSÁRIO Plano: o plano possibilita as decisões de caráter geral, as suas grandes linhas políticas,

GLOSSÁRIO

GLOSSÁRIO Plano: o plano possibilita as decisões de caráter geral, as suas grandes linhas políticas, suas

Plano: o plano possibilita as decisões de caráter geral, as suas grandes linhas políticas, suas estratégias e suas diretrizes.

Programa: é um aprofundamento do plano. O programa detalha por setor a política, diretrizes, metas e medidas instrumentais, e pode ser considerado a setorização do plano.

Projeto: o projeto sistematiza e estabelece os objetivos e metas de uma ação. A elaboração de um projeto é acompanhada de um roteiro definido de acordo com as necessidades e exigências próprias do órgão de execução e/ou financiador.

próprias do órgão de execução e/ou financiador. GABARITO Questão 1 Resposta: resposta livre – o objetivo

GABARITO

Questão 1

Resposta: resposta livre – o objetivo da questão é proporcionar uma reflexão sobre as derivações ético-políticas do agir profissional. O projeto profissional do serviço social pontua a ética como pressuposto teórico-político que remete para o enfrentamento das contradições postas à profissão, a partir de uma visão crítica e fundamentada teoricamente. Sendo assim, os princípios que contemplam ou justificam a afirmação posta na questão são todos, mas os que mais se relacionam com o texto são:

Ampliação e consolidação da cidadania, considerada tarefa primordial de toda sociedade, com vistas à garantia dos direitos civis sociais e políticos das classes trabalhadoras.

GABARITO

Compromisso com a qualidade dos serviços prestados à população e com o

aprimoramento intelectual, na perspectiva da competência profissional.

Opção por um projeto profissional vinculado ao processo de construção de uma nova ordem societária, sem dominação, exploração de classe, etnia e gênero.

Questão 2

Resposta: Alternativa B.

Justificativa: A letra b apresenta a resposta correta. Os itens que compõem a questão estão dispostos no texto, inclusive em quadro comparativo.

Questão 3

Resposta: Alternativa C.

Justificativa: Apenas o item “serve a transformação” compõe as características do planejamento estratégico.

Questão 4

Resposta: Alternativa D.

Justificativa: a resposta correta está na letra d. A frase completa encontra-se em citação da autora neste caderno, em Leitura Obrigatória.

Questão 5

Resposta: Alternativa A.

Justificativa: a letra A é a resposta correta. Consta no texto e no quadro síntese apresentado por Baptista.

Questão 6

Resposta: resposta livre, seu objetivo é refletir sobre o conceito de participação.

Questão 7

Resposta: Planos, programas e projetos.

GABARITO

GABARITO Questão 8 Resposta: Como um processo técnico-político, uma vez que a dimensão política insere- se

Questão 8

Resposta: Como um processo técnico-político, uma vez que a dimensão política insere- se nas relações de poder e envolve uma função política. Atuar nessa dimensão exige apreensão do planejamento na perspectiva estratégica, ou seja, a busca de caminhos criativos para atender demandas reais e factíveis, atuando em meio às relações de poder como resposta aos interesses e objetivos sociais. O profissional que busca nortear sua ação sob tal perspectiva precisa apreender a complexidade dessas relações e do processo que envolve o planejamento.

Questão 9