Você está na página 1de 3

Introdução:

Um transistor bipolar (ou de junção) é, basicamente, um


dispositivo que permite controlar a corrente que entra num dos
terminais, através da corrente injetada em outro terminal.

A construção de um transistor bipolar é semelhante à de um


diodo, mas agora com duas junções muito próximas. Pode
apresentar-se em duas versões, conforme a seqüência de tipos de
semicondutores: pnp ou npn.

Figura 1: a) Constituição do transistor; b) símbolo do


transistor pnp; símbolo do transistor npn.

Nas considerações seguintes vamos considerar o caso de um


transistor npn. As considerações são válidas, com as devidas
alterações, para transistores pnp (essas alterações são,
basicamente, a inversão dos sentidos das correntes e da polaridade
das fontes de tensão).
Para o transistor funcionar no regime
linear, é necessário que uma das
junções esteja polarizada diretamente
(base-emissor), e a outra
(basecolector) polarizada
inversamente. Nestas condições,
considerando as correntes e tensões
indicadas na figura, teremos, a partir
das leis de Kirchhoff:
IE = IC + IB
VBE + VCB - VCE = 0
Estas quantidades relacionam-se entre si: um modelo
pormenorizado do transistor estabelece uma relação entre estas
seis variáveis (das quais apenas quatro são independentes), como
se verá nas aulas teóricas. No entanto, para uma grande parte das
situações prática, pode-se utilizar um modelo simplificado.

Procedimentos:

Para o ajuste do ponto quiescente verificamos se a placa do


circuito impresso EB-111 está instalado na unidade PU-2000,
depois localizamos o circuito que contém o transistor Q4.
Ajustamos PS-1 para 10V, com multímetro na escala DC.V.
Ajustamos RV3 para obter VCE = 5V, que é aproximadamente
metade da tensão de alimentação do coletor. Após isso,
calculamos a corrente do coletor IC = 878,7 µA, a corrente da
base IB = 8,2 µA e o ganho de corrente β = 107,16.

Para a amplificação em CA o circuito deve estar com os ajustes


obtidos na 1ª parte (VCE = 5V), assim ajustamos o gerador de
sinais para fornecer uma onda senoidal de 2 kHz, conectamos o
osciloscópio ao circuito conforme indicado, ajustamos também a
amplitude do gerador de sinais de modo a obter um sinal sem
distorção de 4Vpp (pico a pico) na saída (Vout). Após isso,
anotamos os gráficos abaixo e determinamos o ganho do circuito

Conclusão:

Concluímos que para que um amplificador transistorizado


funcione adequadamente é necessário escolher-se um ponto de
operação próximo ao meio da reta de carga CC. Para isto, o valor
da tensão Vce quiescente deve ser aproximadamente igual a
metade da tensão de alimentação total do circuito, a fim de
permitir a geração de um sinal CA simétrico a saída do
amplificador. Quando esta condição não é atendida, o transistor
poderá estar trabalhando próximo a sua região de corte ou a sua
região de saturação, causando distorção do sinal de saída por
ceifamento.
Em um amplificador emissor- comum (EC) tem como
característica principal o alto ganho de tensão e a fase de saída
invertida em relação a entrada.
Já o capacitor de derivação de emissor tem por função
fornecer um terra CA ao emissor, reduzindo a linearização do
circuito e aumentando o ganho de tensão, sem interferir nos
valores de polarização CC previamente estabelecidos.