Você está na página 1de 10
FACULDADE INTEGRADO DE CAMPO MOURÃO BIOMEDICINA ELEN PAULA LEATTE RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DIAGNÓSTICO POR

FACULDADE INTEGRADO DE CAMPO MOURÃO BIOMEDICINA

ELEN PAULA LEATTE

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

CAMPO MOURÃO

2012

ELEN PAULA LEATTE

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Relatório apresentado ao Curso de Biomedicina da Faculdade Integrado de Campo Mourão, como requisito parcial para obtenção da habilitação em Diagnóstico por Imagem.

CAMPO MOURÃO

2012

Introdução

O diagnóstico por imagem é uma especialidade que se ocupa do uso das tecnologias de imagem para realização de diagnósticos. É considerado uma área estratégica no sistema de saúde, pois impacta no diagnóstico precoce das doenças, além de contribuir significativamente para a terapêutica no processo de saúde e doença. É nessa área que são feitos os maiores investimentos em tecnologias, mas os avanços tecnológicos somente podem ser usufruídos pelo correto e adequado uso dos equipamentos, exigindo novas competências e uma revalorização do profissional no desempenho eficiente de suas atividades. Os biomédicos especialistas ou habilitados em diagnóstico por imagem, trabalham em clínicas ou centros de diagnóstico tendo a função de preparar o paciente, elaborar o plano de irradiação, gerenciar banco de imagens, programar e operar equipamentos de Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada, Medicina Nuclear, Radioterapia, entres outros, além de poder ser o responsável pelo controle de qualidade e radioproteção. Confeccionando, assim, as imagens para que o médico Radiologista/Imagenologista possa, finalmente, fornecer o laudo. O centro de diagnóstico Marcos Corpa atende Campo Mourão e a região e realiza serviços com qualidade e tecnologia avançada na realização de exames de imagem nas modalidades como: Raio X, Mamografia digitalizada, Ultrassonografia, Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada, Densitometria e Medicina Nuclear.

Raio X

O exames de raio-x fornecem informações valiosas sobre a saúde e desempenham papel importante em auxiliar o médico fazer um diagnóstico preciso. Raios X são produzidos quando elétrons acelerados emitidos pelo catodo se chocam com um alvo metálico (anodo de tungstênio). Ao atingir o alvo, os elétrons desaceleram e perdem a energia cinética, cedendo energia aos elétrons do anodo, gerando energia térmica e radiação Raio X. Este evento, chamado Bremsstrahlung (radiação de freio), ocorre quando um elétron atinge um núcleo e sua energia cinética é transformada em fótons de Raio X. O raios X é mais utilizado nas análise de fraturas e mal-formações ósseas. Porém pode ser utilizada para avaliar infecções de áreas como os sinos nasais, estado de preenchimento de intestinos e estômago, situação de ligamentos e tendões após traumas como torções, e outras possibilidades.

No setor de Raio X é necessária a atenção no posicionamento e na incidência pedida pelo medico. Para casa área estuda a uma incidência e posicionamento. Por exemplo o Raio x de torax que um dos exames mais utilizados para avaliação clínica em razão ao baixo custo e a facilidade de execução. As incidências utilizadas para RX de tórax: Posteroanterior (PA): Os feixes de RX entram posteriormente, pelas costas do paciente, e a parte anterior do tórax se encontra em contato com o filme radiológico. Essa posição possibilita que a escápula fique fora do campo visual e o coração fique com um tamanho mais próximo do tamanho real por ser anterior e estar em contato com o filme.; Anteroposterior (AP): Nessa incidência, o dorso do paciente se encontra em contato com o filme, e o feixe de radiação entram pela região anterior do tórax. Os problemas dessa incidência são de não ser possível analisar algumas estruturas como língula e lobo médio, além de “mascarar” um aumento da área cardíaca. Por isso, que esse tipo de incidência só é utilizado em pacientes acamados, ou que não assumem a posição ortostática, e em crianças pequenas.; Perfil: Essa incidência é usualmente solicitada com a incidência PA, e é bastante útil para avaliação. Normalmente é feito o perfil esquerdo pela mesma razão do PA, para que o coração não tenha seu tamanho aumentado na imagem.; Decúbito lateral com raios horizontais: Incidência utilizada para avaliação de derrame pleural e espessamento. O paciente é posicionado sobre o lado a ser avaliado. Sendo assim para cada patologia investigada contem um protocolo de atendimento e assim se preciso é feita incidências para complemento para melhor diagnóstico. O exame contrastado de Raios-X é indicado quando há necessidade de se investigar órgãos e estruturas que não sejam visualizados pela técnica radiográfica simples. Esses órgãos e estruturas tornam-se visíveis pela ingestão ou injeção de substâncias chamadas de contrastes, que são opacos à radiação. Elementos pesados, como por exemplo, o iodo e o bário podem ser injetados ou ingeridos e absorvem os raios-X, aumentando o contraste da imagem e facilitando o exame morfo-funcional da área examinada.

Tomografia Computadorizada

Funciona com o mesmo princípio do Raio X uma ampola (para a geração dos raios) e um conjunto de sensores (para a recepção) são rotacionados ao redor do meio biológico. As capturas em diversos ângulos formam uma imagem. O método tradicional forma uma sombra do meio, a tomografia permite reproduzir os objetos em três dimensões.

A captura é feira através de uma série de pequenas rotações as informações de atenuação são gravadas para um plano de interesse um algoritmo processa os dados para formar uma imagem 2D a combinação destas imagens pode gerar a visualização em 3D, a tomografia computadorizada é melhor que o Raio X para a identificação de tecidos moles.

Na tomografia computadorizada os posicionamento mais utilizados são: decúbito dorsal com os braços apoiados na cabeça; decúbito ventral. Para cada exame realizado existe um posicionamento diferente. Protocolos de rotina para cranio, abdômen, figado, pâncreas, baço, pelve, próstata, tórax entre outros. É mais utilizadas em tumores, visualização de obstruções coronárias e ossos quebrados. O uso de solução de contraste, injetado ou administrado por via oral, é possível ter uma imagem muito específica e detalhada de quase todos os órgãos internos, inclusive cérebro e sistema vascular. Para um pouco mais de sofisticação, usa-se a técnica de tomografia computadorizada de raios-X, que permite estudar qualquer órgão com detalhes e resolução muito bons, permite a construção de uma imagem tridimensional, além de outras vantagens, e é amplamente utilizada para investigar tumores benignos e malignos, detalhes de órgãos internos, situação da circulação sanguínea e linfática, monitoramento de acidentes vasculares cerebrais (ou derrames), e um sem-número de quadros médicos.

Ressonância Magnética

O exame de Ressonância Magnética é um método de diagnóstico por imagem que não utiliza radiação e permite retratar imagens de alta definição dos órgãos de seu corpo. Sob efeito de um potente campo magnético, prótons do corpo humano são sensibilizados de maneira uniforme, principalmente os presentes nos átomos de Hidrogênio (a água perfaz 69% do volume corporal). Em seguida um campo magnético oscilatório (rádio frequência) é emitido, obedecendo o ritmo desses prótons (em ressonância com esses) que, uma vez cessado, "devolve" a energia absorvida nesse processo, permitindo a formação da imagem através da decodofocação de sinais por computadores. As imagens produzidas são de alta resolução. O paciente é colocado na mesa e posicionado conforme o pedido medico. Para cada tipo de ressonância magnética é utilizado um dispositivo chamado de Bobina de RF será colocado ao lado ou em volta da área de interesse do exame, como, por exemplo, o ombro, cabeça ou joelho. Esta bobina é usada para receber as imagens do seu corpo . A

seguir, o paciente vai para dentro do magneto, movimentando a mesa para dentro. Este magneto contém um altíssimo campo magnético que ajuda a produzir as imagens do exame. A RM pode ser executado com e sem administração de contraste endovenoso. O exame sem contraste pode fornecer a maior parte da informação para todos os distritos corporais examinados. O exame com contraste pede a administração intravenosa de um paramagnética de substância que favorece a visualização das estruturas mais vascularizadas.

Densitometria Óssea

O exame de Densitometria Óssea institui-se como um método eficiente, simples, rápido e não requer nenhum preparo especial e nem estar em jejum para se medir a densidade mineral óssea, e comparar com padrões para idade e sexo, além de detectar o grau da osteoporose, indicar a probabilidade de fraturas e auxiliar no tratamento médico. Um aliado indispensável para o diagnóstico e tratamento da osteoporose, osteopenia e de outras possíveis doenças que possam atingir os ossos e é o único método para um diagnóstico seguro da avaliação da massa óssea e consequente predição do índice de fratura óssea. Indicado para todos os indivíduos com mais de 65 anos. O exame está indicado em mulheres em fase de pré-menopausa, menopausa, pós- menopausa, em regime de reposição com hormônios estrógenos, e também nos indivíduos em uso de hormônios tireoidianos, corticosteróides, e medicamentos anticonvulsivantes. E nas crianças, é indicado quando há necessidade de acompanhamento do desenvolvimento ósseo, em doenças osteometabólicas, e em regimes dietéticos para emagrecimento. A avaliação deve ser feita anualmente e as partes de interesse na obtenção das imagens para diagnóstico são o fêmur e a coluna vertebral. Coluna vertebral posicionamos a paciente à mesa de modo que a paciente fique em decúbito dorsal (barriga para cima), observando que a linha central da mesa deve estar no centro do paciente. A cabeça deve estar abaixo da linha horizontal na cabeceira da mesa, ou seja, do mesmo lado em que encontra-se o braço escaneador. Os braços devem ser posicionados ao longo do corpo com as mãos voltadas para baixo. Colocar as pernas do paciente sobre o bloco, para retificar a coluna lombar ajudando na separação das vértebras, de modo que esse bloco fique no ângulo de 60 a 90 graus em relação à mesa. Inicia-se o exame, observando a imagem na tela do computador se está com uma boa

aquisição. Terminada a coluna, retira-se o bloco de apoio e prepara-se para iniciar o fêmur.

Para realização do exame do fêmur, ainda com o paciente deitado, ajustar o suporte triangular do seguinte modo:Com as mãos deve-se fazer um movimento de rotação interna, observando com uma das mãos do lado externo da coxa, o grande trocanter, e prender o pé, cuja perna será analisada, na parte inclinada do suporte imobilizando o membro. O outro pé deve ficar reto / alinhado com o suporte do lado contra lateral, ficando a perna reta longitudinalmente paralela a linha central da mesa. Posicionar a luz do laser aproximadamente 7,5 cm abaixo do grande trocanter e no centro da perna. Esse posicionamento propicia um espaço suficiente entre os ossos ísquio-femural para uma análise correta. Observar a imagem na tela do computador se está sendo feita uma boa aquisição e proceder do mesmo modo conforme citado ao exame de coluna. Terminado o exame, retira-se o apoio dos pés e aguarda-se o retorno do braço escaneador.

Mamografia digitalizada

A mamografia é um exame de diagnóstico por imagem, que tem como finalidade estudar o tecido mamário. Esse tipo de exame pode detectar um nódulo, mesmo que este ainda não seja palpável. Para tanto é utilizado um equipamento que utiliza uma fonte de raios-x, para obtenção de imagens radiográficas do tecido mamário. A mamografia digital se assemelha a convencional por usar raios X na produção das imagens porém o sistema é equipado com receptor digital e um computador ao invés de um filme cassete. Na mamografia convencional as imagens são gravadas em filme. O filme é revisado pelo radiologista no negatoscópio. Com mamografia digital, a imagem mamográfica é capturada por um detector eletrônico especial de raios X o qual converte a imagem numa foto digital e pode ser revisado no monitor do computador. O radiologista pode alterar a magnificação, orientação, brilho, contraste através do computador para verificar melhor áreas da mama. A cranio caudal é a primeira incidência a ser realizada, e complementa a incidência médio lateral oblíqua, como sendo as incidências básicas. O feixe de radiação vai da porção superior até a inferior. Levanta a mama para deslocar a prega inframamária, ajuste o bucky na mesma altura, coloque a mama da paciente sobre o suporte, espalhe o tecido fazendo com que a paciente relaxe o músculo peitoral. A mesma é utilizada em mama masculina.

A médio-lateral oblíqua (MLO). Nesta incidência é visualizado a maior parte da mama, alem de melhor observar o tecido junto a parede do tórax e a cauda axilar. Angular o tubo de raio-X entre 40º a 70º para permitir o posicionamento do suporte e filme entre o músculo peitoral da paciente e o músculo grande dorsal, dependendo do tipo físico de cada paciente. Para mulheres baixas e obesas entre 40º a 60º para mulheres altas e magras 60º a 70°.

Ultrassonografia

A ultrassonografia (ou ecografia) é um método diagnóstico que aproveita o eco produzido pelo som para ver em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas e órgãos do organismo. O ultrassom é uma forma de energia mecânica, que se propaga em um meio físico, longitudinalmente e apresenta comportamento periódico. Assim como qualquer tipo de som, ele pode ser refletido, refratado, absorvido e/ou dispersado. A freqüência do ultrassom utilizado em diagnóstico por imagem varia de 2,5 a 20 Mhz. A velocidade média do som nos tecidos moles é de 1540 m/s. O ultrassom se propaga somente em um meio material, ele não se propaga no vácuo. A velocidade de propagação é mais rápida nos tecidos mais densos do que nos tecidos moles, menos densos. Quanto mais alta a frequência de transmissão, melhor a resolução. Quanto mais baixa a frequência de transmissão, melhor a penetração. Os pulsos sonoros são produzidos e os ecos de retorno são recebidos por cristais piezoelétricos localizados no transdutor. O efeito piezoelétrico consiste em transformar a energia sonora em energia elétrica. A energia elétrica é quem vai formar a imagem através de pontos luminosos, cujas intensidades variam de acordo com a intensidade de reflexão dos sons refletidos pelas estruturas examinadas. Impedância acústica é a resistência à passagem do som oferecida pela estrutura examinada. Assim, estruturas de alta impedância (osso por exemplo), refletem muito o feixe sonoro e estruturas de baixa impedância (cistos por exemplo), deixam passar todo o som através delas. A ultrassonografia pode ser empregada para o diagnóstico de diversas doenças em diferentes partes do corpo humano. Por ser um método rápido e seguro, é comumente utilizado no meio médico para fins preventivos, diagnósticos e como acompanhamento de tratamentos, sendo que a ultrassonografia obstétrica, a abdominal, a pélvica e a de mamas são as mais realizadas na prática médica. Como os órgãos e tecidos refletem o som de forma diferente, por meio de um

processamento dos ecos, é possível distinguir as diferentes estruturas do corpo que estão sendo analisadas. Uma das grandes vantagens da ultrassonografia é permitir a avaliação em tempo real de vários órgãos que aliado ao seu baixo custo operacional o torna um exame extremamente versátil na medicina. O avanço tecnológico das últimas décadas possibilitou a criação de aparelhos que aumentaram em muito a área de atuação dessa modalidade, sendo que nos dias atuais é possível analisar desde cérebros de recém-nascidos a diferentes articulações do sistema osteoarticular, além de poder auxiliar em exames intraoperatórios. O doppler é um importante recurso da ultrassonografia que se destina principalmente ao estudo da circulação sanguínea nos principais vasos sanguíneos e nos diversos órgãos do corpo humano. A análise da circulação sanguínea traz importantes informações sobre o funcionamento do órgão, auxiliando no diagnóstico de diversas doenças.

Medicina Nuclear

A Medicina Nuclear é a especialidade médica que utiliza pequenas quantidades de substâncias radioativas ou "traçadores" para diagnosticar ou tratar doenças. Essas substâncias são atraídas para órgãos específicos, participando do seu metabolismo (ossos, por exemplo) e suas emissões são captadas por um equipamento especial, Gama Câmara(foto). Este equipamento permite transformar as emissões em imagens, que produzem informações de como se encontra a função do órgão em estudo. Há 3 passos principais: administração do traçador, obtenção de imagens e análise das imagens. Depois de administrado o traçador, poderá ser solicitado a aguardar por um certo tempo antes de iniciar a obtenção das imagens, que pode variar de poucas horas a alguns dias, dependendo do tipo de exame a ser realizado. Na fase de aquisição das imagens, é posicionado na câmara de cintilação, o mais próximo possível da região do corpo a ser examinada. Pode respirar normalmente durante o exame, porém imóvel durante o estudo. Quando o exame estiver completo, o médico especialista em medicina nuclear vai examinar as imagens e elaborar um laudo para o seu médico. Os exames pedidos são: Cintilografia óssea, para avaliar lesões ósseas, fraturas, tumores ou dor óssea sem causa definida; Cintilografia do miocárdio, para estudar o músculo cardíaco, medir a função cardíaca, avaliar isquemias ou determinar a extensão de dano no músculo cardíaco após o infarto do miocárdio; Cintilografia da tireóide, para avaliar a função, a captação e mostrar a estrutura da glândula; Cintilografia renal, para

avaliar a função dos rins e vias urinárias; Cintilografia pulmonar, para avaliar a ventilação e a perfusão sanguínea pulmonar, assim como determinar a presença de trombos; Cintilografia hepatobiliar, para determinar as funções do fígado e vesícula biliar e a obstrução por cálculos; Há ainda outros procedimentos, como cintilografia pulmonar com gálio, para avaliar infecção/tumor, pesquisa de sangramento digestivo e cintilografia cerebral.

Conclusão

O uso de métodos de diagnósticos por imagem auxiliam no diagnóstico precoce sendo a melhor forma de descobrir uma doença e assim iniciar um tratamento precoce aumentando a chance de sucesso no processo de cura. Casos como microcalcificações encontradas em exames mamográficos, a tuberculose em uma radiografia de tórax que no começo pode ser confundido com apenas um estado gripal, a ressonância magnética aneurismas cerebrais e tumores. Cada área com sua peculiaridade porem valiosos métodos para diagnostico.