Você está na página 1de 26

CADERNO DE QUESTÕES LÍNGUA PORTUGUESA

CONCURSO PARA O TRE/PE BANCA: FCC

CERS: COMPLEXO DE ENSINO RENATO SARAIVA PROF. RODRIGO BEZERRA Rua do Cupim, 44 Graças 52011 070 Recife/PE (www.renatosaraiva.com.br)

   

ESPAÇO PARA

1ª PARTE: CONCORDÂNCIA NOMINAL E VERBAL

 

ANOTAÇÕES

   

1.(FCC - TRE/MT Analista) A concordância verbal está plenamente respeitada na frase:

(A)

O enfoque nas soluções únicas dos problemas que enfrentamos empobrecem, quase

sempre, a qualidade mesma do raciocínio.

 

(B)

São as possibilidades de enfoques alternativos o que importam nas operações que levam a

soluções múltiplas.

 

(C)

Tanto na leitura como na escrita, levem-se em conta as variáveis de interpretação, que

aprofundam o sentido do texto.

 

(D)

Construir prédios escolares não implicam mais do que acréscimos de espaço material para

as atividades de ensino.

 

(E)

Admitir as imprecisões e as ambigüidades de forma alguma constituem, para o autor,

qualquer entrave para os caminhos de raciocínio.

 

2.(FCC TRT 23ª região Analista Judiciário) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do plural para preencher de modo correto a lacuna da frase:

(A)

Se a cada um de nós efetivamente

(perturbar) os que agem mal, a impunidade

seria impossível.

(B)

(dever) aos homens de ação o aperfeiçoamento estrutural de uma

sociedade.

 

(C)

Nas palavras dos piores contraventores

(costumar) haver insolentes alusões à

moralidade.

(D)

Aos bons cidadãos não

(ocorrer) que os maus contam com o silêncio da

sociedade para seguirem sendo o que são.

(E)

Aqueles de quem não

(advir) qualquer reação contra os desonestos acabam

estimulando a corrupção.

3.(FCC Analista Jud. TRF 3ª Região) Considerando-se as normas de concordância verbal, há uma incorreção na frase:

(A)

Tão rápidos quanto os ―cliques‖ das mágicas maquininhas são o prazer e o enfado que

caracterizam as modernas sessões de fotografia.

 

(B)

Não é de se crer que todos os produtos com alta tecnologia cheguem a se banalizar, já que

a banalidade está nas circunstâncias em que se venham a utilizá-los.

(C)

Não compete nem aos cientistas nem aos produtores responsabilizar-se pelas

conseqüências da utilização do que nos oferecem.

 

(D)

Quantos mais inventos haja, mais impulsivos hão de ser nossos desejos de os consumir,

como vem sucedendo no caso dos engenhos eletrônicos.

(E)

Seria de se esperar que se associassem à moderna tecnologia apenas os benefícios reais,

que a ela se tributassem tão-somente vantagens inequívocas.

4.(FCC TRT 23ª região Analista Judiciário) Quanto às normas de concordância verbal, a frase inteiramente correta é:

(A)

Mais gente, assim como o fez a juíza brasileira, deveriam ponderar as sábias palavras que

escolheu Disraeli para convocar a ação dos justos.

 

(B)

A muitas pessoas incomodam reconhecer que sua omissão diante da barbárie as torna

cúmplices silenciosas dos contraventores e criminosos.

 

(C)

É comum calarmos diante dos descalabros a que costumam dar destaque o noticiário da

imprensa, e acabamos, assim, por consenti-los.

 

(D)

Quando não se opõem à ação do homem acanalhado, quando ocorre essa grave omissão,

os homens justos deixam de fazer valer seu peso político.

 

(E)

Se tivessem havido firmes reações aos descalabros dos canalhas, estes não desfrutariam,

com sua falta de escrúpulo, de um caminho já aplainado.

 

5.(FCC TRT 9ª EXECUÇÃO DE MANDADOS) Está adequada a concordância verbal nesta construção:

(A)

nem negligência, nem incúria: a combinação letal do medo e da ganância trouxeram-nos

até aqui.

(B)

dizem muito, sobre nós e nossa espécie, o que nos fez chegar até aqui?

(C)

diante do inimigo, real ou virtual, lançam-se mão dos recursos nucleares.

(D)

são cada vez mais difíceis considerar como permanentes as fronteiras entre os Estados.

(E)

repousa nas providências que levem a Estados sem fronteiras a expectativa de que

sobrevivamos.

6.(FCC TJ/PE Analista Judiciário) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do singular para preencher corretamente a lacuna da frase:

(A)

Quase ninguém, entre os que se

(valer) do controle remoto, resiste à tentação

de passar velozmente por todos os canais de TV.

 

(B)

Se aos governantes não

(caber) tomar providências para regulamentar a

programação de TV, a quem, então, caberá?

 

(C)

Se a ninguém

(preocupar) os efeitos de se ficar colado a uma tela de TV,

a todos intranqüiliza a onda crescente de violências.

 

(D)

Embora a cada um de nós

(afetar) as imagens nostálgicas de um

passado íntegro, passamos, na fase adulta, a nos sentir divididos.

 

(E)

Os que não gostam de TV jamais

(haver) de se lamentar por terem

aberto janelas sobre seus próprios devaneios.

 

7.(FCC) Ambos os verbos indicados entre parênteses deverão flexionar-se numa forma do plural para preencherem corretamente as lacunas da frase:

(A)

(ser) de se lamentar que aos jovens de hoje

(restar) viver o

(B)

Ao historiador

experiência que

..................................

(dever) sensibilizar as omissões de toda e qualquer

(sofrer) nossos antepassados.

(C)

(aprazer) aos governantes fazer esquecer o que não lhes

histórica.

(D)

(avultar), aos olhos dos próprios historiadores contemporâneos, a figura

de Eric Hobsbaw como um dos intérpretes que melhor

(compreender) o

 

século XIX.

(E)

Não

(competir) aos historiadores exercer a mera função de

arquivistas públicos; mais que isso,

compreensão participativa da história.

......................................-se

(esperar) deles uma

8.(FCC APOF/SP) As normas de concordância verbal encontram-se plenamente observadas na frase:

(A)

Caso não os afetasse a redução do desenvolvimento econômico, nos últimos anos, seriam

outros os índices de ocupação de postos do trabalho formal no Brasil.

 

(B)

Apenas se submetem às condições de baixa remuneração e falta de garantias trabalhistas

quem não tem acesso às vantagens de um emprego formal.

 

(C)

Incluem-se entre as tantas vantagens que proporcionam o trabalho assalariado a pensão

para os que se acidentam e o seguro para os que perdem o emprego.

 

(D)

Não deveria causar espanto a ninguém, com um crescimento econômico anual em torno de

7%, os índices de redução da informalidade, no ciclo da industrialização nacional.

 

(E)

Acredita-se serem possíveis que as atividades laborais do mercado informal possam, certo

momento, propiciar a transição para o emprego assalariado formal. num

 

9. (FCC MPU Analista) A concordância está totalmente de acordo com a norma padrão da língua em:

(A)

Acredito que as orientações dele, porque parecem pouco claro, não terão de serem

seguidas antes de um esclarecimento maior.

 

(B)

Considerou digna de ser encaminhada a julgamento dos avaliadores a última versão do

projeto-piloto, pois, se podem existir fragilidades, elas certamente hão de ser mínimas.

(C)

Elas se consideraram responsável pelo erro e julgaram legítimo as cobranças que lhe serão

feitas de agora em diante.

 

(D)

Dado as contingências do momento, os diretores houveram por bem atender aos prazos, e

prometeram reavaliar, tanto quanto fossem, as demais exigências do contrato.

 

(E)

Devem fazer mais de três meses que não os vejo; tantos dias de afastamento poderia ser

entendido como descaso, mas quero dizer que lhes dedico muito afeto.

 

10.(FCC APOF/SP) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do plural para preencher corretamente a lacuna da frase:

(A)

A nenhum dos passageiros

(perturbar), de fato, a vagarosidade daqueles

trens cheios de poesia.

(B)

Sempre

(poder) caber a quem tenha escrito um belo poema os aplausos de

um leitor que se disporá a parodiá-lo.

 

(C)

Não

(costumar) haver, nas viagens de trem, passageiros vociferando por

causa de um contratempo.

(D)

O ritmo dos trens, que ao dos negócios e ao dos amores

(chegar) a se

associar, era uma medida do tempo e da vida.

(E)

Eram inesquecíveis os momentos que uma parada do trem, nos confins do mundo, nos

 

(permitir) desfrutar.

11.(FCC Fiscal de Rendas/SP) Mas muitos biólogos hão de concordar ...

 

Diferentemente do que se tem acima, a frase que, consoante o padrão culto escrito, exige o emprego do verbo ―haver‖ no singular é:

(A)

Nós

de corresponder às expectativas depositadas em nossa equipe.

(B)

Muitas teorias já

sido submetidas à sua análise quando ele expressou

essa convicção.

(C)

Talvez

algumas versões da teoria citada, mas certamente poucos as

conhecem.

(D)

Quantos biólogos

pesquisado o assunto e talvez não tenham a mesma

opinião.

(E)

Alguns mitos falsos

merecido representação artisticamente irrepreensível.

12.(FCC TRT 4ª Analista Judiciário) As normas de concordância verbal estão plenamente observadas na frase:

(A)

Sem o concurso do poder público não se implanta políticas de segurança e não se impede

a deterioração do espaço urbano.

(B)

Não deixaram de haver experimentos bem sucedidos, apesar de a comunidade acadêmica

ter acusado falta de comprovação da teoria.

(C)

Logo se verificaram que medidas semelhantes foram tomadas por outros países, como a

Inglaterra, a Holanda e a África do Sul.

(D)

O que se conclui das experiências relatadas é que cabe aos poderes públicos tomar

iniciativas que nos levem a respeitar o espaço urbano.

(E)

O fato de haver desordem e sujeira no espaço urbano acabam por incitar o cidadão a reagir

como um contraventor ou pequeno criminoso.

13.(FCC TRT 4ª Analista Judiciário) O verbo entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do plural para preencher corretamente a lacuna da frase:

(A)

Ainda em nossos dias

(parecer) transpirar daqueles velhos álbuns de fotografias

um aflitivo anseio de perenidade.

(B)

Não se

(esboçar) nas fisionomias graves dos cerimoniosos retratados

qualquer vestígio de sorriso.

(C)

À esmagadora maioria das fotos

(caber) o destino de um rápido e definitivo

esquecimento.

(D)

O que mais

(divertir) os milhões de fotógrafos amadores é a facilidade de

produção e exclusão de fotos.

(E)

(despontar) em cada época não apenas novidades técnicas, mas novos

modos de compreensão do mundo.

2ª PARTE: VOZES VERBAIS

01.(FCC APOF/SP) NÃO admite transposição para a voz passiva a seguinte construção:

(A)

A retomada do desenvolvimento econômico poderá propiciar o ingresso de muita gente no

trabalho formal.

(B)

Já identificaram as atividades informais como práticas de trabalho relacionadas à luta pela

sobrevivência.

(C)

O trabalho informal leva o trabalhador à baixa remuneração e à privação de quaisquer

garantias trabalhistas.

(D)

O Brasil contava, no início da década de 1980, com 1/3 do total dos trabalhadores

submetidos às atividades informais.

(E)

A ocupação informal expõe o trabalhador às inseguranças de uma ocupação inteiramente

desprotegida.

02.(FCC) Transpondo-se para a voz ativa a frase As ações repressivas passam a ser legitimadas pelo referendo da população, a forma verbal resultante será

(A)

passa a legitimar.

(B)

passam a legitimar.

(C)

legitimam-se.

(D)

têm passado a se legitimar.

(E)

passam a legitimar-se.

03.(FCC Auditor TCE/AM) Na norma culta da Língua Portuguesa, é correta a seguinte equivalência entre formas da voz ativa e da voz passiva:

  • (A) O corpo, a linguagem e a história dos homens foram submetidos pela primeira vez a uma

investigação sem preconceitos, que, por princípio, excluía a intervenção divina. = foi excluída.

  • (B) Isso é particularmente evidente no caso da medicina hipocrática, que definiu seus métodos

refletindo sobre a noção decisiva de sintoma (semeion). = tinham sido definidos.

  • (C) Passando das civilizações mesopotâmicas para a Grécia, essa constelação

alterou

profundamente um de seus traços. = foram alterados.

  • (D) Nessa negação da transparência da realidade, um paradigma indiciário de fato operante em

esferas de atividades muito diferentes encontrava implícita legitimação. = era encontrada.

  • (E) ... divinatória mesopotâmico = poderiam encontrar.

Uma diagnose de traumatismo craniano

podia ser encontrada num tratado de arte

04.(FCC TJ/PE Analista Judiciário) Transpondo-se para voz passiva o segmento Para alimentar nossa insatisfação, a forma verbal resultante será

  • (A) seja alimentada.

  • (B) alimentemos.

  • (C) seria alimentada.

  • (D) tenha alimentado.

  • (E) fosse alimentado.

05.(FCC Fiscal de Rendas/SP)

...

um dia contará a história à filha, depois à neta.

Transpondo para a voz passiva a frase acima, a forma verbal obtida corretamente é:

  • (A) poderiam ser contadas.

  • (B) seriam contadas.

  • (C) haverá de ser contada.

  • (D) será contada.

  • (E) haveria de ser contada.

06. (FCC) Transpondo-se para a voz passiva a frase O desafio essencial será fazer respeitar a nossa condição de ser humano, o segmento sublinhado será substituído por

  • (A) fazer com que respeitemos.

  • (B) fazermo-nos respeitados.

  • (C) ter feito respeitar.

  • (D) fazer ser respeitada.

  • (E) fizermos respeitá-la.

07.(FCC TRF 1ª REGIÃO) ...

em

que estas anotações vadias foram feitas

...

Andei reunindo pedacinhos de papel em que estas anotações vadias foram feitas e ofereço- as ao leitor, sem que pretenda convencê-lo do que penso nem convidá-lo a repensar suas ideias.

Observando o contexto em que a frase acima foi empregada, a sua transposição para a voz ativa produz corretamente a seguinte forma verbal:

  • (A) fizeram-se.

  • (B) tinha feito.

  • (C) fiz.

  • (D) faziam.

  • (E) poderia fazer.

3ª PARTE: FLEXÃO VERBAL E CORRELAÇÃO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS

01.(FCC) Está adequada a articulação entre os tempos e os modos verbais na frase:

  • (A) Sempre haverá quem prefere ter-se omitido diante da violência de que venha a ser vítima.

  • (B) Houve sempre quem preferisse omitir-se diante da violência de que tivesse sido vítima.

  • (C) Há sempre quem preferia se omitir diante da violência de que tenha sido vítima.

  • (D) Havia sempre quem prefere se omitir diante da violência de que é vítima.

  • (E) Sempre há quem prefere se omitir diante da violência de que viesse a ser vítima.

02.(FCC APOF/SP) Todos os verbos estão corretamente flexionados na frase:

  • (A) O fotógrafo teria intervido na cena de brutalidade, se pudesse, mas limitou-se a registrá-la.

  • (B) Nenhum comentário que sobrevir ao impacto causado por esse livro terá força comparável

à de suas fotos.

  • (C) Se sempre retêssemos dos clichês um mínimo de verdade, acabaríamos por tomá-los como

verdades completas.

  • (D) Se os fotógrafos não intervissem na realidade, documentando cada barbárie, a história

humana seria ainda mais violenta.

  • (E) Industriais e políticos nazistas convieram quanto aos interesses comuns, que se

sobrepunham às suas ambições particulares.

03.(FCC TJ/PE Analista Judiciário) Estão adequados o emprego e a flexão de todas formas verbais na frase:

  • (A) Se as pesquisas bem realizadas sempre intervissem no comportamento das pessoas, o

estudo ao qual se aplicou Johnson teria algum efeito sobre o público.

  • (B) Imergem da pesquisa de Johnson alguns dados reveladores quanto à ação da TV sobre

nós, mas é possível que outros fatores hajam de modo determinante sobre o nosso

comportamento.

  • (C) Quem revir as várias pesquisas sobre a relação entre TV e comportamento haverá de se

deparar com resultados que talvez constituam motivo para algum alarme.

  • (D) Jamais conviu às emissoras de TV divulgar essas pesquisas, que quase sempre as

encriminam como responsáveis pela multiplicação da violência social.

  • (E) Se as violências que provêem do hábito de assistir à TV se saneiassem por conta de

alguma regulamentação governamental, seria o caso de pedir providências às autoridades.

04.(FCC TJ/PE Analista Judiciário) Está inteiramente correta a articulação entre os tempos e modos verbais da frase:

  • (A) A pesquisa de Johnson analisou um fenômeno que constituísse uma verdadeira obsessão

que caracterize o homem moderno: o fascínio pela TV.

  • (B) Caso fiquemos muito tempo no zapping, estaríamos demonstrando certa agitação íntima

que caracterizasse nosso estado de insatisfação.

  • (C) Sugere-se, nessa pesquisa, que o fato de nos aprisionarmos em nossa sala de TV fosse o

responsável pela nossa predisposição a que cometêramos atos violentos.

  • (D) Mesmo que não apresente grandes novidades em relação a pesquisas já realizadas, a de

Johnson dá corpo à tese de que a exposição contínua à tela de TV torna-nos mais violentos.

  • (E) Se de fato viéssemos a nos contentar com o que somos, as inúmeras janelas abertas pela

TV não terão a mesma força de atração que as pesquisas

demonstrassem.

05.(FCC TRT 9ª ANALISTA JUDICIÁRIO) Está INADEQUADA a correlação entre os tempos e modos verbais nesta reconstrução de uma frase do texto:

  • (A) Cercar-nos-íamos de inimigos reais ou virtuais e precisaríamos proteger nosso país.

  • (B) O pacto que acabássemos por realizar com o poder teria um preço muito alto.

  • (C) A menos que as coisas venham a mudar profundamente, será difícil ver essa estabilidade

ameaçada.

  • (D) Tivesse sido assim, será que possamos contemplar um mundo com futuro?

  • (E) Teria sido bom se nos houvéssemos perguntado como chegamos até aqui.

06. (FCC) A forma verbal que, além de corretamente flexionada, indica fato passado anterior a outro, também passado, está grifada na frase:

  • (A) Para que se precavissem os efeitos prejudiciais ao meio ambiente, interromperam-se as

queimadas na região.

  • (B) Após a derrubada da mata, sobreviram alterações significativas no clima de toda a área,

antes coberta por ela.

  • (C) O especialista ativera-se à análise dos dados obtidos, para defender o programa de

responsabilidade ambiental.

  • (D) Proporam-se medidas de combate à degradação da floresta, porém os resultados danosos

já haviam se instalado em toda a área.

  • (E) Se não fosse imediatamente interrompido o corte das árvores, a região transformar-se-ia

numa extensa área desertificada.

07.(FCC) Estão corretos o emprego e a flexão de todas as formas verbais na frase:

  • (A) Se os homens dessem ouvido à consciência e contessem seus instintos, as relações

sociais seriam mais harmoniosas.

  • (B) Aos homens nunca aprouve respeitar os princípios coletivos quando não prescrita uma

punição para quem viesse a menosprezá-los.

  • (C) Se os cidadãos elegerem princípios e convirem que estes são justos, só os infligirá quem se

valer de má fé.

  • (D) No caso de evidente erro judiciário, deve-se ratificar a sanção aplicada para que a punição

injusta não constitue um argumento a favor da impunidade.

  • (E) Quando todos revirmos o papel social que nos cabe e nos dispormos a exercê-lo de fato,

nenhum caso de impunidade será tolerado.

08.(FCC) Está bem observada a correlação entre os tempos e modos verbais na construção do período:

  • (A) Se não variassem de cultura para cultura, as regras de convívio terão alcançado,

efetivamente, a chamada validade universal.

  • (B) Tendo cabido ao homo sapiens discriminar critérios de convívio, conseguiu ele criar uma

organização social que, até hoje, não abdica de punir quem os desrespeite.

  • (C) A relação de equilíbrio entre direitos e deveres comuns estava sendo prejudicada caso se

viesse a permitir a existência de privilégios.

  • (D) Para que não se consagrasse o péssimo exemplo da impunidade, faz-se necessária a

sanção dos que vierem a cometer delitos.

  • (E) Enquanto os animais continuam regulando-se pela ―lei da selva‖, os homens estariam

sempre se esforçando para tê-la superado.

09.(FCC APOF/SP) Está plenamente adequada a correlação entre tempos e modos verbais na seguinte frase:

  • (A) É muito difícil que viesse a ocorrer uma reversão no sistema nacional de transportes, pela

qual se possa reabilitar o prestígio que os trens já teriam alcançado.

  • (B) Se ainda houvesse viagens de trem no Brasil, muitos não terão hesitado em optar por elas,

em vez de continuarem a fazê-las por ônibus ou automóvel.

  • (C) Ao contrário dos trens japoneses, que foram concebidos para atingir alta velocidade, os

brasileiros assumiriam um ritmo que os executivos de Tóquio não houvessem de admitir.

  • (D) Caso um trem apresentasse defeito, os passageiros não reclamariam, uma vez que

aproveitariam o tempo de ócio para gastá-lo contemplando os bucólicos arredores.

  • (E) A viagem lenta não impedia que os namorados iam antegozando o encontro com as

amadas, certos de que elas os esperassem com a mesma paixão de sempre.

4ª PARTE: REGÊNCIAS VERBAL E NOMINAL; EMPREGO DOS PRONOMES RELATIVOS PREPOSICIONADOS

01.(FCC) Está correto o emprego de ambos os pronomes sublinhados na frase:

  • (A) Não basta pensar na prevenção; exercer-lhe é o dever que nos compete.

  • (B) Se a violência é indiscriminada, devemos repudiá-la, submetendo-a à execração pública.

  • (C) Quem aceita a barbárie, legitima-lhe; quem lhe rejeita, pede a punição do responsável.

  • (D) Diante das autoridades, devemos cobrá-las as providências para, nos casos de iminente

violência, prevenir-lhes.

  • (E) Se te prevines, não precisarás preocupar-se com as situações sem remédio.

02.(FCC APOF/SP) A informalidade é instável, mas como muitos consideram a informalidade o único meio de sobreviver, tendem a atribuir à informalidade um caráter permanente, receando substituir a informalidade pelo risco de uma outra situação desconhecida.

Evitam-se as viciosas repetições do texto acima substituindo-se os elementos sublinhados, na ordem dada, por:

  • (A) consideram-lhe - atribuí-la - substituí-la

  • (B) a consideram - atribuir-lhe - substituí-la

  • (C) a consideram - atribuí-la - a substituir

  • (D) lhe consideram - atribuir-lhe - substituir-lhe

  • (E) consideram-na - atribuir a ela - lhe substituir

03.(FCC TJ/PE Analista Judiciário) Está correto o emprego do elemento sublinhado na frase:

  • (A) A relação significativa cuja se demonstrou na pesquisa se dá entre o comportamento

violento e a audiência à TV.

  • (B) A insubordinação básica em que se refere o autor do texto derivaria da insatisfação dos

nossos recalcados desejos.

  • (C) A invenção moderna mais astuciosa, de cujos efeitos trata o autor do texto, teria sido não a

do cinema, mas a da TV.

  • (D) O hábito do zapping, com cujo nos acostumamos, é um dos responsáveis pela abertura

rápida de janelas sobre o nosso devaneio.

  • (E) A conclusão de que nossa sala é uma jaula, com que chegou o autor do texto, não deixa de

ser bastante provocadora e radical.

04.(FCC TRT 23ª região Analista Judiciário) Se há iniciativa e astúcia na ação do homem injusto, não há iniciativa e astúcia no bom cidadão que, apesar de indignado, não confere à iniciativa e à astúcia o mesmo valor que o mau reconhece na iniciativa e na astúcia.

Evitam-se as viciosas repetições da frase acima substituindo-se os segmentos sublinhados por, respectivamente,

  • (A) há elas - não as confere - reconhece nelas.

  • (B) as há - não lhes confere - nelas reconhece.

  • (C) as há - não confere-lhes - as reconhece.

  • (D) há as mesmas - não lhes confere - reconhece-lhes.

  • (E) há estas - não as confere - nelas reconhece.

05. (FCC MPU Analista 2007) Em 1766 surge contra os vadios das Minas a primeira investida oficial de que se tem notícia. Considerado o contexto, uma outra redação para o segmento destacado acima, que está correta e que não prejudica o sentido original, é:

  • (A) cuja existência se conhece.

  • (B) da qual a notícia foi dada.

  • (C) que a notícia foi veiculada.

  • (D) na qual se tem o registro.

  • (E) de que a notícia chegou até nós.

06.(FCC TCE/SP) É adequado o emprego de AMBAS as expressões sublinhadas na frase:

  • (A) As fogueiras de que todos testemunhamos nos noticiários da TV constituem um sinal a

quem ninguém pode ser insensível.

  • (B) O encolhimento do Estado, ao qual muita gente foi complacente, abriu espaço para a lógica

do mercado, de cuja frieza vem fazendo um sem-número de vítimas.

  • (C) Com essa sua subserviência, pela qual muitos se insurgem, o Estado deixa de cumprir o

papel social de que tantos estão contando.

  • (D) As medidas repressivas de que o Estado vem se valendo em nada contribuem para o

encaminhamento das soluções a que os desempregados aspiram.

  • (E) Diante da pujança do Mercado europeu, de cuja poucos vêm desfrutando, os excluídos

acendem fogueiras cujo o vigor fala por si só.

07.(FCC Fiscal de Rendas/SP) representava.

...

aquele monarca distante e invisível cujo poder Cortés

Considerado do ponto de vista estritamente gramatical, o segmento acima mantém a correção se a forma verbal representava for substituída por

  • (A) se apoiava.

  • (B) contestava.

  • (C) se curvava.

  • (D) desconfiava.

  • (E) fazia frente.

08.(FCC) A frase em que a regência está totalmente de acordo com o padrão culto é:

  • (A) Esperavam encontrar todos os documentos que os estudiosos se apoiaram para descrever

a viagem de Colombo.

  • (B) Estavam cientes de que teriam muito a fazer para conseguir os registros de que dependiam.

  • (C) Encontraram-se referências à coerção que marinheiros mais experientes faziam contra os

mais novos que trabalhassem mais arduamente.

  • (D) Foram informados que esboços da inóspita região circundada com imensas pedras podiam

ser consultados.

  • (E) Havia registro de uma insatisfação em que os insurretos às atitudes arbitrárias de um

navegante foram impedidos de lhe inquirir.

09.(FCC TRT/SP) Está correto o emprego de ambos os elementos sublinhados na frase:

(A)

Essa tendência obsessiva, cujo o preço é alto, consome muito dinheiro, além de inspirar um

tipo de comportamento que o ridículo é freqüente.

 

(B)

Essa obsessão é uma prática a que ninguém deveria se orgulhar, embora haja cada vez

mais gente que dela se submeta.

 

(C)

É

a

frase de uma época

onde os valores tendiam ao equilíbrio e à permanência, ao

contrário da nossa, onde tudo é transitório.

(D)

Custam caro esses produtos e serviços, de cujos dependem os que vivem obcecados ao

compromisso de atingirem a perfeição da forma física.

 

(E)

O quadro em que o valor da atividade intelectual se encontra em declínio é o mesmo em

cujos estreitos limites impera a exaltação absoluta do corpo.

 

10.(FCC) Está correto o emprego de ambas as expressões sublinhadas na frase:

(A)

A consciência humana, em cuja é difícil se fixar um valor moral, é levada a estabelecer um

conceito de justiça do qual os homens pudessem se satisfazer.

 

(B)

A consciência humana, à qual cabe discernir os valores essenciais, esbarra na definição de

justiça, conceito a que faltam precisão e rigor.

 

(C)

As leis do direito, nas quais geram tantas controvérsias, são os instrumentos em que

dispomos para tentar regular nossas ações.

 

(D)

Não falta aos juristas, a quem contamos para a proposição de leis, conhecimento técnico

que não é, todavia, suficiente para estabelecer o consenso de que aspiramos.

 

(E)

Para Hans Kelsen,

de onde

se citam

algumas idéias, a ―felicidade da justiça‖ é uma

expressão em cuja os homens deveriam buscar inspiração.

 

11.(FCC TRT 23ª região Analista Judiciário) Está adequado o emprego do elemento sublinhado na frase:

(A)

A resignação diante dos descalabros é uma reação de cujos efeitos só trazem benefícios

aos maus cidadãos.

 

(B)

A firme reação dos justos será uma surpresa de que os desonestos jamais estarão

preparados.

 

(C)

A desonestidade e o egoísmo são defeitos de cujos nenhum contraventor se envergonha.

(D)

Os princípios de dignidades

aos quais

o homem honesto vê uma prioridade devem

transformar-se em ação.

(E)

A inação dos justos

é uma condição

com que contam os desonestos para continuar

operando.

 

12.(FCC APOF/SP) As expressões de que e por que preenchem corretamente, nessa ordem, as lacunas da frase:

(A)

As revoluções

essas fotos constituem um notável depoimento acarretam traumas ......

ninguém quer passar.

 

(B)

O livro

Michel Löwy organizou constitui um painel admirável,

as fotos são

contundentes.

 

(C)

O livro Revoluções,

se informa no texto, ficou famoso

apresenta imagens fortes e

surpreendentes.

 

(D)

O batido clichê

se refere o texto não explica o fato

ficou tão famoso o livro de

Michel Löwy.

 

(E)

As revoluções dos séculos XIX e XX,

tanto já se escreveu, estão documentadas em

fotos

muita gente se admirará.

5ª PARTE: EMPREGO DO ACENTO GRAVE (A CRASE)

01.(FCC) O uso do sinal da crase é injustificável em:

  • (A) Lembrem-se às autoridades de terem sempre em mente o valor da prevenção.

  • (B) Não cabe às pessoas de boa fé repudiar medidas de prevenção ao crime.

  • (C) É penoso assistir às cenas de violência que se multiplicam nas metrópoles.

  • (D) Atribui-se às medidas preventivas uma eficácia maior que a da repressão.

  • (E) À inteligência da prevenção opõem-se aqueles que preferem a força da repressão.

02.(FCC TRT 23ª região Analista Judiciário) Justificam-se ambas as ocorrências do sinal de crase em:

  • (A) Na entrevista que concedeu à TV, a juíza recorreu à uma frase de Disraeli.

  • (B) A frase à que se reportou a juíza diz respeito à distinções éticas.

  • (C) Faltam audácia e iniciativa à quem deveria propor-se às ações afirmativas.

  • (D) Não se abra àqueles inescrupulosos o campo favorável à impunidade.

  • (E) A comunidade dos justos assiste à obrigação de dar combate à tal ousadia.

03.(FCC) Todos conhecem pessoas dispostas

um bom batepapo,

mesa de um bar,

...... tratando de temas que vão da previsão do tempo

......

...... sérias discussões filosóficas.

As lacunas da frase acima estão corretamente preenchidas, respectivamente, por

  • (A) a - à - à

  • (B) à - à - a

  • (C) a - à - a

  • (D) a - a - à

  • (E) à - a - a

04.(FCC) NÃO se justificam as ocorrências do sinal de crase em:

  • (A) Não me reporto à impunidade de um caso particular, mas àquela que se generaliza

e dissemina a

descrença na justiça dos homens.

  • (B) É difícil admitir que vivem à solta tantos delinqüentes, sobretudo quando se sabe

que pessoas inocentes são levadas à barra dos tribunais.

  • (C) O autor do texto faz menção à uma série de princípios de interdição, à qual teria

proveniência na vontade divina.

  • (D) Assiste-se hoje à multiplicação de casos de impunidade, à descabida proliferação

de maus exemplos de conduta social.

  • (E) Quem dá crédito à ação da justiça não pode deixar de trabalhar para que não se

furtem às sanções os mais poderosos.

05. (FCC) Está bem observada a necessidade dos sinais de crase na seguinte frase:

  • (A) Quando os filhos passam à interpelar os valores de seus pais, consideram-se aptos à

afirmar os seus próprios.

  • (B) O jovem fica à uma distância cada vez maior das poucas oportunidades que ainda estão à

lhes oferecer.

  • (C) Daqui à pouco vão dizer que são os jovens os principais responsáveis pelo círculo vicioso à

que o texto se refere.

  • (D) Apresentam-se, à toda vaga oferecida, candidatos dispostos à disputá-la da forma mais

aguerrida.

  • (E) Não se notam, à medida que o tempo passa, avanços significativos nas condições de

trabalho oferecidas à juventude.

  • 06. (FCC) Marque a opção que preenche corretamente as lacunas.

Completamente excluídos das engrenagens de desenvolvimento da sociedade, os miseráveis

são reduzidos

uma condição subumana. Seu único horizonte passa

____

ser

luta

_____ feroz pela sobrevivência. No lixão do Valparaíso, gente disputando os restos com os animais.

____ poucos quilômetros de Brasília, ____

____

  • a) à, a, a, há, há

  • b) a, à, à há, a

  • c) a, a, a, a, há

  • d) à, a, a, à, há

  • e) a, à, à, há, a

07.(FCC TRE/PI) 20. A frase inteiramente correta, considerando-se a presença ou a ausência do sinal de crase, é:

  • (A) A verdade dos fatos políticos está subordinada, segundo pensadores, à uma lógica

particular, à depender dos objetivos do momento.

  • (B) A mentira, mesmo justificada por certas circunstâncias, pode ser desmascarada à qualquer

momento, à vista dos fatos apresentados.

  • (C) Submetida a avaliação da opinião popular, a política deve pautar-se pela lisura e pela

veracidade voltadas para à resolução de conflitos.

  • (D) Quanto a defesa da ética, ela é sempre necessária, à fim de que a ação política seja vista

como verdadeira representação da vontade popular.

  • (E) Os governados, como preceituam as normas democráticas, têm direito a informações

exatas e submetidas à verdade dos fatos.

08.(FCC) Há falta ou ocorrência indevida do sinal de crase em:

  • (A) Ao aludir a tropa de choque dos artistas modernos, o poeta-crítico mostrou-se alinhar à uma

tendência da linguagem da época.

  • (B) Não cabe à crítica apenas dar valor a uma determinada obra de arte; cabe a ela,

igualmente, aspirar à orientação do artista, em suas futuras iniciativas.

  • (C) Entre a poesia e a crítica de arte, Manuel Bandeira se refere àquela com mais carinho, pois

foi como poeta que deu impulso maior à imaginação.

  • (D) Convidado a colaborar como crítico de arte, o poeta não se fez de rogado e se entregou a

essa tarefa com ânimo e expectativa.

  • (E) Nem sempre é dada a quem compõe ou pinta a compreensão necessária para atribuir à

crítica a utilidade que esta pode ter.

  • 09. (FCC) Quanto à necessidade ou não do sinal de crase, a frase inteiramente correta é:

    • (A) Diante de um grande edifício, assistimos à uma espécie de filme, se ficarmos à observar o

movimento das luzes e das sombras nas janelas.

  • (B) Ao se assistir as cenas do documentário, sente-se, a medida que o tempo vai passando,

uma grande familiaridade com as personagens entrevistadas.

  • (C) Assiste à todas as pessoas o direito de se julgarem únicas, mas nem por isso superiores as

que têm uma vida aparentemente banal.

  • (D) Ao entrevistar as pessoas que moram no edifício Master, impôs-se à equipe de Eduardo

Coutinho o desafio de as deixar à vontade.

  • (E) Quando se está frente à frente com uma pessoa a quem faremos perguntas, é preciso que

se dê a ela a possibilidade de corresponder a nossa franqueza.

6ª PARTE: EMPREGO DOS SINAIS DE PONTUAÇÃO

  • 01. (FCC TRT 23ª região Analista Judiciário) Está inteiramente adequada a pontuação da

seguinte frase:

  • (A) A indignação de muita gente não transpõe na maioria dos casos, o âmbito das conversas

privadas e assim, os valores éticos acomodam-se no plano raso de um discurso, que não leva

à ação.

  • (B) A indignação de muita gente, não transpõe, na maioria dos casos, o âmbito das conversas

privadas, e assim, os valores éticos acomodam-se no plano raso de um discurso que não leva à ação.

  • (C) A indignação, de muita gente, não transpõe na maioria dos casos o âmbito das conversas

privadas, e assim os valores éticos acomodam-se, no plano raso de um discurso, que não leva

à ação.

  • (D) A indignação de muita gente não transpõe, na maioria dos casos, o âmbito das conversas

privadas, e, assim, os valores éticos acomodam-se no plano raso de um discurso que não leva à ação.

  • (E) A indignação de muita gente, não transpõe, na maioria dos casos o âmbito das conversas

privadas, e, assim, os valores éticos, acomodam-se no plano raso de um discurso que não leva à ação.

02.(FCC) Está inteiramente adequada a pontuação do seguinte período:

  • (A) Embora sejamos tentados, freqüentemente, a qualificar como cruel ou maldoso o

comportamento de certos animais, o fato é que, para eles, só há os instintos.

(B)

Por mais

que

difiram

entre si, as constituições, nenhuma delas deixa-se reger, por

princípios que desfavoreçam, ou impeçam algum equilíbrio nas relações sociais.

  • (C) Via de regra o abuso de poder constitui um caso difícil de ser apurado, uma vez que, o

próprio agente do delito, costuma exercer forte influência, na investigação dos fatos.

  • (D) É muito comum nas conversas mais informais, os indivíduos se referirem a casos públicos

de impunidade, tomando-os como justificativas, de seus delitos pessoais.

  • (E) Não é fácil, submeter-se ao equilíbrio entre o direito e o dever, pois, a tendência é de um

lado, valorizar o direito, e de outro minimizar o dever que lhe corresponde.

  • 03. (FCC TJ/PE Analista Judiciário) Está inteiramente correta a pontuação do período:

    • (A) Primeiro, inventamos a literatura e em seguida o cinema, mas nenhum desses meios, teria

alcançado influenciar-nos tanto como a TV.

  • (B) O fato de imaginarmos que há uma dimensão além das nossas paredes, é decisivo, para

que reconheçamos na TV, o poder de abrir tantas janelas.

  • (C) Por mais confortável que seja, o zapping, constitui na verdade, um meio de tentar suprir

com rapidez nossa fome, insaciável de imagens.

  • (D) Queremos por vezes imaginar: que somos policiais ou gângsteres, mas, preferiríamos ser

nós mesmos, sentirmo-nos por assim dizer completos.

  • (E) O autor preocupa-se, sobretudo, com a tese de que nossa violência tem origem em nossa

divisão interna, responsável maior por nossas rebeldias.

04.(FCC TCE/SP) Observe as frases abaixo:

I. Os jovens da França, que se sentem marginalizados, incendeiam automóveis nas ruas. II. A lógica da globalização, que espolia os mais fracos, é fria e calculista. III. Inútil tentar apagar as fogueiras, que continuarão a se alastrar.

A supressão das vírgulas alterará o sentido de

  • (A) I, II e III.

  • 13 Resolução de questões TRE/PE 2011 Língua Portuguesa Prof. Rodrigo Bezerra

(B)

I e II, somente.

(C)

II e III, somente.

(D)

I e III, somente.

(E)

II, somente.

05.(FCC TRF 5ª Região) Está inteiramente correta a pontuação do seguinte período:

(A)

De acordo com Marilena Chauí a autora do texto , é preciso desconfiar das afirmações

que, aparentemente óbvias, não resistem a uma análise mais concreta e mais rigorosa.

(B)

De acordo com Marilena Chauí, a autora do texto: é preciso desconfiar das afirmações que

aparentemente óbivias, não resistem a uma análise, mais concreta e mais rigorosa.

(C)

De acordo com Marilena Chauí, a autora do texto; é preciso: desconfiar das afirmações

que, aparentemente óbvias não resistem, a uma análise mais concreta, e mais rigorosa.

(D)

De acordo com Marilena Chauí, a autora do texto, é preciso desconfiar, das afirmações,

que aparentemente óbvias não resistem a uma análise, mais concreta e mais rigorosa.

(E)

De acordo com Marilena Chauí, a autora do texto - é preciso desconfiar das afirmações,

que, aparentemente óbvias não resistem a uma análise mais concreta e, mais rigorosa.

06. (FCC) Está inteiramente adequada a pontuação do seguinte período:

(A)

Nada a não ser livros e móveis deixou meu pai como legado, ao contrário de vários

colegas seus, cujo espólio assumia consideráveis proporções.

(B)

Não obstante, fosse músico e sensível, meu pai era objetivo e firme em suas decisões de

bem fiscalizar, o que devessem ao fisco os contribuintes.

(C)

Quando menino ignorava o que fosse: ―fiscal de rendas‖, preocupando-me mais em ajudar

meu pai, a carregar uma pesada maleta de couro.

(D)

Não tenho dúvida o fato de ter cultivado tantos amigos, e granjeado o respeito de todos, é

prova suficiente, de que ele teve uma vida digna.

(E)

Crêem muitos, que o serviço público é algo mesquinho e vicioso, a esses digo que

desconhecem o real sentido do que significa: ser um servidor do povo.

07.(FCC TRE/RN) Está inteiramente correta a pontuação do seguinte período:

(A)

Paralisada pelo veneno da vespa nada pode fazer, a lagarta, a não ser assistir viva à sua

devoração, pelas larvas, que saem dos ovos ali chocados.

(B)

Nada pode fazer, a lagarta paralisada, pelo veneno da vespa, senão assistir viva, à sua

devoração pelas larvas que saem dos ovos, e passam a se alimentar, das entranhas da vítima.

(C)

A pobre lagarta, paralisada pelo veneno da vespa assiste sem nada poder fazer, à sua

devoração pelas larvas, tão logo saiam estas dos ovos, que, a compulsória hospedeira, ajudou

 

a chocar.

(D)

Compulsória hospedeira, paralisada pelo veneno da vespa, a pobre lagarta assiste à

devoração de suas próprias entranhas pelas larvas, sem poder esboçar qualquer tipo de

 

reação.

(E)

Sem qualquer poder de reação, já que paralisada pelo veneno da vespa a lagarta,

compulsoriamente, chocará os ovos, e depois se verá sendo devorada, pelas larvas que

abrigou em suas entranhas.

08.(FCC TRT/SP) Considere as frases abaixo.

I. Os moradores de rua, que têm sido vítimas de violência, deverão ser recolhidos a um abrigo. II. Os discos antigos, que ele herdou de seu avô, estão muito bem conservados. III. Quem passa, distraidamente, por aquela rua talvez não note a beleza do velho casario.

A exclusão das vírgulas alterará o sentido SOMENTE do que está em

  • (A) I.

  • (D) III.

  • (B) II.

  • (E) II e III.

  • (C) I e II.

09.(FCC) Está inteiramente correta a pontuação da frase:

  • (A) Podem os espíritos ser nobres mas, se a carne é fraca, aquela nobreza sem dúvida, deixará

de ter conseqüências práticas.

  • (B) Já que nada volta para a gente não adianta mesmo pagar; eis a conclusão a que chegou, o

motorista, com quem conversava o autor do texto.

  • (C) Sonegadores e corruptos são, não há o que discutir, inimigos do povo brasileiro, pois só

pensam em seus interesses particulares.

  • (D) São vultosos os prejuízos, que causam os sonegadores, e os corruptos ao povo brasileiro,

com os quais, se indigna o motorista.

  • (E) Embora concorde em parte, com o motorista, o autor não deixa de notar, que este age em

contradição, com o que fala.

10.(FCC) Considere as seguintes frases:

I. O autor lamenta a situação dos jovens de hoje, que vivem o tempo como uma espécie de presente contínuo. II. Ao final do século XIX, ocorreu o esquecimento dos mecanismos sociais que vinculam nossa experiência pessoal à das gerações passadas. III. Preservemos a memória do passado, cujas experiências encerram lições ainda vivas.

A eliminação da vírgula acarretará alteração de sentido APENAS para o que está em

  • (A) I.

  • (D) I e II.

  • (B) II.

  • (E) I e III.

  • (C) III.

11.(FCC TRT/RS) A única frase NÃO pontuada corretamente é:

  • (A) À beira de um ano novo − e quase à beira do outro século −, a imprensa discutia ainda a

mesma questão, crucial, sem dúvida, que ocupara por décadas o espírito dos homens públicos.

  • (B) Encontrando o rapaz no lugar combinado, não o saudei; olhei-o, porém, fixamente, e sorri, é

verdade, mas como se fosse para alguém a quem se cumprimenta só por obrigação.

  • (C) A mais alta delas andava rapidamente; a outra, cantando e sorrindo, fazia dos passos um

modo de brinquedo, então bastante em moda entre os mais jovens.

  • (D) É minha opinião, que não se deve falar mal de ninguém; e menos ainda daqueles que

prestam serviços públicos: estes querendo ou não, estão a nosso serviço cotidianamente.

  • (E) Só muito tempo depois de sua partida (vejam o que é a indecisão imposta pelo medo!),

compreendi que era só uma mudança de bairro, e então prometi que a visitaria logo.

7ª PARTE: ORTOGRAFIA E ACENTUAÇÃO

01.(FCC) Está correta a grafia de todas as palavras na frase:

  • (A) Não constitui uma primasia dos animais a satisfação dos impulsos instintivos:

também o homem regozija-se em atender a muitos deles.

  • (B) As situações de impunidade inflingem sérios danos à organização das sociedades

que tenham a pretensão da exemplaridade.

  • (C) É difícil atingir uma relação de complementaridade entre a premênsia dos instintos

naturais e a força da razão.

  • (D) Se é impossível chegarmos à abstensão completa da satisfação dos instintos,

devemos, ao menos, procurar constringir seu poder sobre nós.

  • (E) A dissuasão dos contraventores se faz pela exemplaridade das sanções, de modo

que a cada delito corresponda uma justa punição.

02.(FCC) ...

para

entender por que a viagem de Colombo acabou e continua sendo uma

metáfora

...

No que se refere à grafia, para estar de acordo com o padrão culto, a frase que

deve ser preenchida com forma idêntica à destacada acima é:

  • (A) Alguém poderá perguntar: − O autor citou Braudel,

...........................

?

  • (B) Gostaria de saber

................................

ele se interessou especificamente por essa obra de

Braudel acerca do mar Mediterrâneo.

  • (C) .............................

Quem sabe o

da citação da obra de Braudel?

  • (D) Referências são sempre interessantes,

..............................

despertam curiosidade acerca

da obra.

  • (E) ...............................

foi a obra que mais o teria impressionado sobre o assunto, respondeu

alguém quando indagado sobre o motivo da citação.

  • 03. (FCC) Está correta a grafia de todas as palavras do seguinte comentário sobre o texto:

    • (A) Uma das iniciativas encontornáveis da cidadania está em se ezercer a consciência crítica,

aplicada aos fatos da realidade.

  • (B) Recusando os privilégios dos que se habituaram a viver em grupos autônomos, o texto

propõe o acesso de todos a todas as instâncias sociais.

  • (C) Ninguém deve se ezimir de cobrar do Estado a prezervação do princípio de igualdade como

um direito básico da cidadania.

  • (D) Constitue dever de todos manter ou readquirir a crença em que seja possível a vijência

social dos princípios da igualdade e da solidariedade.

  • (E) O que se atribue a um cidadão, como direito básico, deve constituir-se em direito básico de

todos os cidadãos, indescriminadamente.

  • 04. (FCC) Há palavras cuja grafia exige correção na frase:

    • (A) Incompreensivelmente, dá-se absoluta primazia à experiência, quando se trata do

preenchimento de novas vagas.

  • (B) Pretextando a inexperiência dos jovens pretendentes a uma vaga, os empregadores lhes

oferecem estágios, com pagamento irrisório.

  • (C) É lamentável que jovens com aptidão e vocação para o trabalho sejam rejeitados em nome

de uma experiência a que não podem ter acesso.

  • (D) Diminui paulatinamente o número de novos empregos, o que obriga os jovens candidatos a

se submeterem a exigências cada vez mais rigorosas.

  • (E) É evidente o descazo com que o mercado de trabalho trata os recém-formados, frustrando

assim suas legítimas pretenções.

05.(FCC TRT 23ª região Analista Judiciário) Estão corretos o emprego e a grafia de todas as palavras da frase:

  • (A) A corrupção só se extingue ou diminue quando os justos intervêm para que as boas causas

prevalesçam.

  • (B) Os homens que usufruem de vantagens a que não fazem jus cultivam a hipocrisia de

propalar discursos moralizantes.

  • (C) Contra tantos canalhas audases há que haver a reação dos que têm a probidade como um

valor inerente ao exercício da cidadania.

  • (D) Há uma inestricável correlação entre a apatia dos bons cidadãos e a desenvoltura com que

agem os foras-da-lei.

  • (E) Deprende-se que houve êxito das iniciativas dos homens de bem quando os prevaricadores

sentiram cerceada sua área de atuação.

06.(FCC TRT/SP) Está correta a grafia de todas as palavras da frase:

  • (A) Malediscente como sempre, não deixa de proferir injúrias, manifestando, além da

hostilidade, uma extraordinária vocação para provocar a cisânia entre seus desafetos.

  • (B) Diante de nossa relutância, propôs que fôssemos com ele ao super-mercado,

emprendêssemos, de modo alheatório, uma pesquisa de preços, e os comparássemos aos da

feira.

  • (C) Como não conta com nenhum para-raios, o povoado se alarma tão logo comece a trovejar:

na última tempestade, a inscidência de descargas elétricas foi a maior da região.

  • (D) Será necessário intensificar a assistência aos pescadores, por ocasião da reversão das

águas do rio operação esta que certamente beneficiará as hidrelétricas, mas que poderá levar muitos à indigência.

  • (E) Os maltratos recebidos afetaram-na tão profundamente que ela não consegue relaxar:

ficaram-lhe os resquícios de um trauma familiar que dificilmente superará sem os subssídios de

um tratamento especializado.

8ª PARTE: NOÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERÍODO COMPOSTO

1.(FCC Fiscal de Rendas/SP 2009) No início do parágrafo 2, o segmento que corresponde a uma circunstância de tempo é

  • (A) que sugeriam sofisticadas cerimônias sociais.

  • (B) Segundo todos os testemunhos.

  • (C) o tesouro real asteca era magnífico.

  • (D) ao ser reunido diante dos espanhóis.

  • (E) formou três grandes pilhas de ouro.

2.(FCC TRT/23ª - 2011) Quando a bordo, e por não poderem acender fogo, os viajantes tinham de contentar-se, geralmente, com feijão frio, feito de véspera.

Identificam-se nos segmentos grifados na frase acima, respectivamente, noções de

  • (A) modo e consequência.

  • (B) causa e concessão.

  • (C) temporalidade e causa.

  • (D) modo e temporalidade.

  • (E) consequência e oposição.

3.(TRE/TO 2011) A principal delas é a reconstrução de cinco estações de pesquisa na Antártida, para realizar estudos sobre mudanças climáticas, recursos pesqueiros e navegação por satélite, entre outros.

O segmento grifado na frase acima tem sentido

  • (A) adversativo.

  • (B) de consequência.

  • (C) de finalidade.

  • (D) de proporção.

  • (E) concessivo.

Cartão de Natal

Pois que reinaugurando essa criança pensam os homens reinaugurar a sua vida e começar novo caderno, fresco como o pão do dia; pois que nestes dias a aventura parece em ponto de voo, e parece que vão enfim poder explodir suas sementes:

(João Cabral de Melo Neto)

4.(TRE/TO 2011) Pois que reinaugurando essa criança

O segmento grifado acima pode ser substituído, no contexto, por:

  • (A) Mesmo que estejam.

  • (B) Apesar de estarem.

  • (C) Ainda que estejam.

  • (D) Como estão.

  • (E) Mas estão.

5.(TRE/AP 2011) Mas o sistema, por muito tempo restrito apenas à tela grande, estendeu-se progressivamente, com o desenvolvimento das indústrias culturais, a outros domínios, ligados primeiro aos setores do espetáculo, da televisão, do show business.

Na frase acima, o segmento destacado equivale a:

  • (A) conforme tendo ficado muito tempo restrito.

  • (B) por conta de ter ficado muito tempo restrito.

  • (C) ainda que tenha ficado muito tempo restrito.

  • (D) em vez de ter ficado muito tempo restrito.

  • (E) ficando há muito tempo restrito.

6.(TRE/AP 2011) A própria legislação admite que a identidade seja confirmada em recinto policial. A imposição de multa, porém, parece abusiva.

Propõe-se a organização das frases acima num só bloco, iniciado por ―A imposição de multa parece abusiva‖. Para que o sentido original se mantenha, as frases terão de ser conectadas por meio de

  • (A) contanto que.

  • (B) visto que.

  • (C) ainda que.

  • (D) mas.

  • (E) dado que.

9ª PARTE: QUESTÕES MISTAS (TODOS OS ASSUNTOS)

Assim como os antigos moralistas escreviam máximas, deu-me vontade de escrever o que se poderia chamar de mínimas, ou seja, alguma coisa que, ajustada às limitações do meu engenho, traduzisse um tipo de experiência vivida, que não chega a alcançar a sabedoria mas que, de qualquer modo, é resultado de viver. Andei reunindo pedacinhos de papel em que estas anotações vadias foram feitas e ofereço-as ao leitor, sem que pretenda convencê-lo do que penso nem convidá-lo a repensar suas ideias. São palavras que, de modo

canhestro, aspiram a enveredar pelo avesso das coisas, admitindo-se que elas tenham um avesso, nem sempre perceptível mas às vezes curioso ou surpreendente.

C.D.A. (Carlos Drummond de Andrade. O avesso das coisas [aforismos]. 5.ed. Rio de Janeiro: Record, 2007, p. 3)

01.(FCC TRF 1ª Região) Sobre o que se tem no texto, afirma-se com correção:

  • (A) o emprego de Andei colabora para que se imprima à frase um aspecto durativo, tal como ocorre em ―Anda a

reclamar de tudo, depois que ele viajou‖.

  • (B) a expressão ou seja introduz explicação acerca do que seria a vontade de escrever.

  • (C) o segmento o que se poderia chamar de mínimas expressa possibilidade bastante improvável, dado o caráter

aleatório do nome proposto.

  • (D) se a expressão pedacinhos de papel fosse substituída por uma única palavra, estaria correto o emprego de

―papelzinhos‖.

  • (E) reorganizando a frase ajustada às limitações do meu engenho, ela estaria correta assim ―ajustada à mim, se

for levado em conta as limitações do meu engenho‖.

  • 1 Esta é uma história da Bossa Nova e dos rapazes e moças que a fizeram, quando eles tinham entre quinze e trinta anos. É também um livro que se pretende o mais factual e objetivo possível. Evidente

  • 5 que, tendo sido escrito por alguém que vem ouvindo Bossa Nova desde que ela ganhou este nome (e que nunca se conformou quando o Brasil começou a trocá-la por exotismos), uma certa dose de paixão acabou se intrometendo na receita sem interferir, espero, pró ou

    • 10 contra, na descrição da trajetória de qualquer personagem. Os seres humanos, assim como os LPs, têm lados A e B, e houve um esforço máximo para que ambos fossem mostrados.

02.(FCC TRT/RS 4ª região) No primeiro parágrafo do texto,

  • (A) os parênteses (linhas 6 a 8) acolhem explicação sobre o que ocorreu com a Bossa Nova

quando o Brasil começou a trocá-la por exotismos.

  • (B) a frase quando eles tinham entre quinze e trinta anos (linhas 2 e 3) delimita o período da

concomitância entre a vivência dos jovens e o ato de escrita da obra.

  • (C) Esta (linha 1) e a (linha 2) são pronomes que se antecipam ao elemento a que cada um

deles se refere.

  • (D) o segmento introduzido pelo travessão (linha 9) expressa um julgamento que traz as

marcas de uma presunção.

  • (E) foram empregados com sentido equivalente os segmentos uma história da Bossa Nova

(linha 1), um livro (linha 3) e escrito (linha 5).

03.(FCC TRE/AP) A extensão do star-system não se dá sem uma forma de banalização ou mesmo de degradação da figura pura da estrela, trazendo consigo uma imagem de eternidade, chega-se à vedete do momento, à figura fugidia da celebridade do dia; do ícone único e insubstituível, passa-se a uma comunidade internacional de pessoas conhecidas, “celebrizadas”, das quais revistas especializadas divulgam as fotos, contam os segredos, perseguem a intimidade.

Considerado o fragmento acima, em seu contexto, é correto afirmar:

  • (A) A substituição de das quaispor ―cujas‖ mantém a correção e o sentido originais.

  • (B) A expressão ou mesmoindica que os autores atribuem à palavra degradaçãoum sentido

de rebaixamento mais intenso do que atribuem à palavra banalização.

  • (C) A substituição de não se dá sem uma forma de banalizaçãopor ―procede de um tipo de

atitude trivial‖ mantém o sentido original.

  • (D) A forma trazendoexpressa, na frase, sentido de condicionalidade, equivalendo a ―se

trouxer‖.

  • (E) O contexto exige que se compreendam os segmentos da figura pura da estrelae do

ícone único e insubstituívelcomo expressões de sentidos opostos.

10ª PARTE: REDAÇÃO CONFRONTO E RECONHECIMENTO DE FRASES CORRETAS E INCORRETAS

01.(FCC TRF 1ª Região) Dentre as frases abaixo, a única clara e correta é:

  • (A) Ao promover e colaborar com a compreenção desses problemas associados a aspectos

tanto étnico quanto sociais, de cujo enfrentamento tanto se depende, ele fica feliz.

  • (B) É ele quem responde pela mediação e interlocução de sua comunidade com os agentes

públicos, e isso parece ser um alento para voltarem acreditar numa utopia.

  • (C) Sempre foi excessiva a dor associada às minhas dificuldades, mas, com o amadurecimento

intelectual e o trabalho como educador, fez-me ver que isso só me fortaleceu.

  • (D) Daqui a pouco deve haver nova onda de ataques, como se anunciou, desencadeado pelos

grupos mais radicais, que expontaneamente assumiram o iminente litígio.

  • (E) Os extratos das suas contas-correntes comprovam como são exíguos os recursos de que

dispõe, prova inconteste de que dilapidou sua herança, em total menosprezo àqueles que o

criaram.

02.(FCC Auditor TCE/AM) A frase que está redigida totalmente em conformidade com a norma culta da Língua Portuguesa é:

  • (A) Ao ler o abaixo-assinado, ele espantou-se pela quantidade expressiva de assinaturas que o

mesmo trazia como também, pela justeza das reivindicações que nele continha.

  • (B) O jurista interpretou sociologicamente os fatos, ressaltando a dificuldade que as elites

econômicas e políticas têm mercadológicos.

em

reconhecer um mundo que

não

se

paute pelos valores

  • (C) Há de surgir elementos que lhes permitam enxergar a mudança no sistema de tributação

como forma de garantir a retenção de recursos que o município há tempos precisa para assistir

adequadamente à população.

  • (D) O fato que, realmente, ele necessitou receber cuidados especiais naquela ocasião tão

trágica não justifica que lhe enxerguem agora como um dependente costumaz.

  • (E) O que o motivou àqueles comentários desabonadores para o artigo foi o autor ter preferido

as posturas empíricas do que as teóricas quando analisava a relação do passado colonial do

país às suas condições econômicas atuais.

03.(FCC - TRT/RS) A redação correta é:

  • (A) Em se cuidando dessa doença no início, não existe dúvidas de que haverá cura − é o que

os Estados Unidos, recentemente, provou ao mundo.

  • (B) Desejando intensamente alçar-se diretor e ele passou a agir com zelo e discrição, não

exitando em exceder suas funções e o horário do fim do expediente.

  • (C) A regente insistiu junto à auxiliar que caberia

à

ela

falar

com

a

imprensa e nós,

não

aquiecendo, impusemos que a mídia tem de lidar com nós mesmos, os funcionários.

  • (D) Diz-se que o tio é mais bom do que preparado, mas o convívio com a adolescente tem sido

dulcíssimo, em que lhe pesem os excessivos maus humores da jovem.

  • (E) Pai extremoso, ele

soe ser

o

melhor

conselheiro dos filhos, salvo se o exacerbam os

ânimos ao reincidirem pela enésima vez no mesmo erro.

04.(FCC TRF 1ª Região) Está redigida de modo claro e em conformidade com o padrão culto escrito a seguinte frase:

  • (A) Idôneo, com extraordinário senso de medida, e sempre atuando com discrição, era o mais

cotado para ascender ao cargo a cuja disputa ninguém jamais se furtava.

  • (B) Quem quizesse afagar o ego do velho casmurro, lhe bastava oferecer dois dedos de prosa

e toda a paciência para ouvir-lhe em suas detalhadas lembranças do tempo da guerra.

  • (C) A estrutura do setor de compras possui aspectos que sem dúvida, faz o funcionário perder-

se ao fazer os lançamentos, deixando para a chefia que o façam.

  • (D) Todos devem ter o direito da integração cultural, o que depende, em última instância, dos

que tomam decisões respeitarem o princípio universal da igualdade de oportunidades.

  • (E) Surpreende a proposta feita anteontem, na diretoria pela secretária geral, segundo a qual,

porque não prouvemos o depósito de material de limpeza, tenhamos de providenciá-lo a

nossas próprias expensas.

05.(FCC TRT/RS) A frase redigida de modo claro e condizente com o padrão culto escrito é:

  • (A) Não posso atribuir unicamente a precária condição de acesso à Educação a apenas a

condição de miscigenação dos que desejam ascender à sua dignidade.

  • (B) Os resultados da pesquisa científica levada a efeito no ano passado deve ser aberta àquele

núcleo que a instigou, não devendo ficar restrito aos especialistas.

  • (C) A criação, coordenação e assessoria a cursos profissionalizantes está a cargo de ambos os

formados na área, de cujo conhecimento de ponta muito se depende.

  • (D) Advoguei junto ao chefe do rapaz que sua atuação tanto profissional como em sociedade

não deixava nada à desejar, o que lhe ajudou bastante naquela pendência.

  • (E) Ele era o único que espontaneamente se dignava de ouvir-nos a todos, sem exceção, e

consentia prazeroso até o depoimento mais insosso ou desajeitado.

06.(FCC TRT/RS) Está correta a seguinte frase:

  • (A) O presidente advertiu Vossa Excelência para que não deixeis passar o prazo previsto no

acordo, caso em que sereis responsabilizado legalmente pelo decurso.

  • (B) Tenho exausto minhas forças nesse pretencioso projeto, mas nem

que consiga o

octagésimo lugar no concurso, que é o último, espero vê-lo analisado.

  • (C) Já está inserto na obra o trecho em que ele afirma acreditar muito na água que considera

benta, pois diz que, tendo sido benzida em dia de muito fervor, é miraculosa.

  • (D) Urge, e ninguém discorda disso, as medidas já anunciadas, porém se o secretário dispuser

de imediato de toda a verba prometida, poderá haver problemas mais à frente.

  • (E) Tratam-se de advertências as mais singulares, entre elas a que incita os cidadãos a que

remediem por si sós os danos cuja reparação está legalmente sob o dever do estado.

07.(FCC) A frase que respeita o padrão culto no que se refere à flexão é:

  • (A) No caso de proporem um diálogo sem pseudodilemas teóricos, o professor visitante diz que

medeia as sessões.

  • (B) Chegam a constituir-se como clãs os grupos que defendem opiniões divergentes, como as

que interviram no último debate público.

  • (C) Ele era o mais importante testemunha do acalorado embate entre opiniões contrárias, de

que adviram os textos de difusão que produziu.

  • (D) Em troca-trocas acalorados de idéias, poucos se atêem às questões mais relevantes da

temática.

  • (E) Quando aquele grupo de pesquisadores reaver a credibilidade comprometida nos últimos

revés, certamente apresentará com mais tranqüilidade sua contribuição.

08.(FCC TRT 9ª REGIÃO ANALISTA JUDICIÁRIO) Está clara e correta a redação deste livre comentário sobre o texto:

  • (A) Não adiantam nem o otimismo nem o pessimismo: o que urge é tomarmos providências no

sentido de se dirimir nossa divisão em países com fronteiras.

  • (B) Uma das denúncias do texto constitue de fato um alerta: que não se tome como reversível

qualquer conquista a que a ciência chegue a alcançar.

  • (C) Para Albert Einstein, uma medida radical e responsável para se evitar a calamidade de uma

guerra nuclear seria, pura e simplesmente, a abolição das fronteiras.

  • (D) Conquanto não tenham em vista essa mesma finalidade, muitos cientistas e engenheiros

acabam servindo aos artifícios excusos de quem lucra com a ganância.

  • (E) Quanto mais os estados consigam se unir a despeito das fronteiras, assim também haverá

a evidência empírica de que sejam levados à estabilidade e à sobrevivência.

11ª PARTE: INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS

Cavalos no campo

Como é bonito vê-los pastando o capim, com as cabeças pensas, concentrados. Estão ali, prontos para uma pintura ou para o estudo de seus movimentos. Com a língua e os dentes vão separando os talos, sem arrancar a raiz. De longe, alguém diria que estão beijando a terra, tal a devoção e o cuidado ao comer. Nem mesmo o rabo é estabanado, o seu vaivém equilibrando dinamicamente a figura. O cavalo dá às vezes a impressão de não se sustentar sobre as patas, muito finas para o volume do corpo, mas de se alçar em asas invisíveis e não apenas quando corre, o que é evidente. Há em todo cavalo uma imagem de liberdade, de correrias nas nuvens, mas também a de um profundo curvar-se à servidão do mundo. Nietzsche não se abraçou chorando ao

pescoço de um cavalo espancado? E aqueles já derreados pelos fardos que carregam não estão a nos mostrar uma obscura paciência? Quem olhar no escuro dos olhos de um cavalo, disse João Guimarães Rosa, há de ver muito da tristeza do mundo. Mas eis que um potrinho que estava deitado na grama ergue-se de um salto, esperto, pequeno de pernas compridas, e se aproxima do cercado. Seus olhos são ainda claros, refletem a claridade do campo, a luz tão linda da tarde, como no dia em que Deus criou o cavalo.

(Paulo Neves, Viagem, espera. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.)

01. (FCC) Na admiração que demonstra sentir pelos cavalos, o autor realça, sobretudo, a combinação dos seguintes elementos característicos desses animais:

  • (A) a plasticidade equilibrada dos leves movimentos e a sofrida submissão ao que lhes é

imposto.

  • (B) a delicadeza com

humanas.

que se relacionam com a natureza e a justa reação às violências

  • (C) a gravidade com que se deslocam no campo e o gracioso desequilíbrio de suas correrias.

  • (D) a desolação que expressam no olhar e os ímpetos de uma violência insuspeitada.

  • (E) a indiferença que manifestam ao pastar e o interesse com que respondem ao trato humano.

    • 02. (FCC) Considere as seguintes afirmações:

I. No primeiro parágrafo, com a expressão estudo de seus movimentos, o autor considera a possibilidade da análise da imagem dos cavalos para se compreender seu dinamismo. II. No segundo parágrafo, o autor constata uma antinomia característica dos cavalos, quando encontra neles a imagem de liberdade e a de servidão. III. No terceiro parágrafo, a imagem do potrinho é utilizada para ratificar todas as qualidades já atribuídas aos cavalos nos dois parágrafos anteriores.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em

  • (A) I, II e III.

  • (B) I e III, apenas.

  • (C) I e II, apenas.

  • (D) II e III, apenas.

  • (E) II, apenas.

    • 03. (FCC) Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o sentido de uma frase ou

expressão do texto em:

  • (A) com as cabeças pensas = em vigilante atenção.

  • (B) o seu vaivém equilibrando dinamicamente a figura = seu movimento descontínuo, que não

perturba a estaticidade da imagem.

  • (C) de se alçar em asas invisíveis = de se apoiar nas asas dos pássaros.

  • (D) derreados pelos fardos = vergados ao peso das cargas.

  • (E) uma obscura paciência = uma submissão incontestável.

    • 04. (FCC) / De longe, alguém diria que estão beijando a terra /, / tal a devoção e o cuidado ao

comer /.

Os segmentos indicados na frase se articulam, na ordem dada, como

  • (A) um fato e uma hipótese.

  • (B) uma condição e seu efeito.

  • (C) uma tese e sua antítese.

  • (D) uma particularização e uma generalização.

  • (E) uma conseqüência e sua causa.

Texto para as questões 05 a 07

Os vadios eram um grupo infrator caracterizado, antes de mais nada, por sua forma de

vida. Era o fato de não fazerem nada, ou de nada fazerem de forma sistemática, que os tornava suspeitos ante a parte bem organizada da sociedade. Por não terem laços a família, domicílio certo, vínculo empregatício , constituíam um grupo fluido e indistinto, difícil de controlar e até mesmo de enquadrar. Passados os primeiros tempos dos descobertos auríferos, quando, como

disse o jesuíta Antonil, os arraiais foram “móveis como os filhos de Israel no deserto”, a itinerância passou a ser cada vez mais tolerada. Em 1766 surge contra os vadios das Minas a primeira investida oficial de que se tem notícia: uma carta régia dirigida em 22 de julho ao governador Luís Diogo Lobo da Silva, e incisiva na condenação da itinerância de vadios e da forma peculiar de vida que escolhiam. Tais homens, dizia o documento, vivem separados do convívio da sociedade civil, enfiados nos sertões, em domicílios volantes, ou seja, sem

residência fixa. Isto não podia ser tolerado, e deveriam passar a viver em povoações que tivessem mais de cinqüenta casas e o aparelho administrativo de praxe nas vilas coloniais: juiz ordinário, vereadores etc. Uma vez estabelecidos, ser-lhes-iam distribuídas terras adjacentes ao povoado para que as cultivassem, e os que assim não procedessem seriam presos e tratados como salteadores de caminhos e inimigos comuns.

(Laura de Mello e Souza. ―Tensões sociais em Minas na segunda metade do século XVIII‖, In Tempo e história, org. Adauto Novaes. São Paulo: Companhia das Letras/Secretaria Municipal da Cultura, 1992. p. 358-359)

  • 05. (FCC MPU Analista) No texto, o autor

    • (A) põe em foco um determinado estrato social, particularizando uma tentativa de

disciplinamento oficial.

  • (B) desenvolve considerações minuciosas a respeito do tema central de seu discurso: a carta

de Luís Diogo Lobo da Silva.

  • (C) narra um específico episódio ocorrido em Minas, tomado como exemplo do que se pode

esperar da ação de grupo de infratores.

  • (D) lança hipóteses sobre as causas de um determinado comportamento social, depois de

caracterizá-lo a partir da teoria de pesquisadores, religiosos ou não.

  • (E) toma os dados de pesquisa histórica como apoio para expressar e justificar o seu próprio

juízo de valor acerca de infratores.

  • 06. (FCC MPU Analista) Considere as afirmações que seguem sobre a organização do texto.

I. No processo de argumentação, o autor valeu-se de testemunho autorizado. II. A fala do jesuíta constitui argumento para a consolidação da idéia de que a itinerância passou a ser cada vez mais tolerada.

III. A data de 1766 foi citada como comprovação explícita de que o rei era realmente signatário da carta.

Está correto o que se afirma SOMENTE em

  • (A) I.

  • (D) I e II.

  • (B) II.

  • (E) II e III.

  • (C) III.

  • 07. (FCC MPU Analista) Observado o contexto, está corretamente entendida a seguinte

expressão do texto:

(A)

nada fazerem de forma sistemática nada produzirem de modo tecnicamente plausível.

(B)

um grupo fluido e indistinto um conglomerado espontâneo e informal.

(C)

difícil de controlar e até mesmo de enquadrar não passível de organizar e mesmo

dominar.

(D)

Passados os primeiros tempos dos descobertos auríferos esgotadas as primeiras jazidas

de ouro.

(E)

forma peculiar de vida que escolhiam singular maneira que se concediam de estar no

mundo.

Atenção: Para responder às questões de números 8 e 9, considere o texto abaixo.

Assim como os antigos moralistas escreviam máximas, deu-me vontade de escrever o que se poderia chamar de mínimas, ou seja, alguma coisa que, ajustada às limitações do meu engenho, traduzisse um tipo de experiência vivida, que não chega a alcançar a sabedoria mas que, de qualquer modo, é resultado de viver. Andei reunindo pedacinhos de papel em que estas anotações vadias foram feitas e ofereço-as ao leitor, sem que pretenda convencê-lo do que penso nem convidá-lo a repensar suas ideias. São palavras que, de modo canhestro, aspiram a enveredar pelo avesso das coisas, admitindo-se que elas tenham um avesso, nem sempre perceptível mas às vezes curioso ou surpreendente.

C.D.A.

(Carlos Drummond de Andrade. O avesso das coisas [aforismos]. 5.ed. Rio de Janeiro: Record, 2007, p. 3)

8.(FCC TRF 1ª Região Analista Administrativo Março 2011) Nas palavras que prefaciam sua obra, Carlos Drummond

  • (A) compara-se aos antigos moralistas por também preconizar, em seus escritos, normas de comportamento.

  • (B) desqualifica a produção de antigos moralistas ao chamar de ―mínimas‖ o que eles denominavam ―máximas‖.

  • (C) assume, bem humorado, não ter a sabedoria de traduzir em palavras a sua experiência, que, em si, gera

conhecimento elevado.

  • (D) deixa entrever seu entendimento de que qualquer vivência produz justo conhecimento, até as tímidas ou

desajeitadas, até as não convencionais.

  • (E) defende a exploração de ângulos obscuros da vida, lugar em que, de modo secreto, se agasalham as

verdades que constituem a legítima sabedoria.

9.(FCC TRF 1ª Região Analista Administrativo Março 2011) Está traduzida corretamente a seguinte expressão do texto:

  • (A) os antigos moralistas escreviam máximas / os filósofos da Antiguidade compunham poemas didáticos.

  • (B) alguma coisa que, ajustada às limitações do meu engenho / algo que se ajustasse exclusivamente à minha

capacidade criativa.

  • (C) em que estas anotações vadias foram feitas / nos quais estes breves e casuais escritos foram registrados.

  • (D) sem que pretenda convencê-lo do que penso / negando que ele aceite meus pensamentos.

(E) São palavras que [

...

]

aspiram a enveredar pelo avesso das coisas / são termos que concretizam o desejo de

desnudar só o lado nocivo das coisas.

A aproximação das duas Américas

Ufano-me de falar nesta instituição, digna da cidade que, pelo seu crescimento gigantesco, vem assombrando o mundo como a mais avançada de todas as estações experimentais de americanização. Em Chicago, melhor do que em qualquer outro ponto, pode-se acompanhar o processo sumário que usais para conseguir, de plantas alienígenas, ao fim de curto estágio de aclimação, frutos genuinamente americanos. Aqui estamos em frente de uma das cancelas do mundo, por onde vêm entrando novas concepções sociais, novas formas de vida e que é uma das fontes da civilização moderna. O tributo à ciência do qual nasceu esta universidade foi o mais benfazejo emprego de uma fortuna dedicada à humanidade. Aumentar a velocidade com que cresce a ciência é de longe o maior serviço que se poderia prestar à raça humana. A própria religião não teria o poder de trazer à terra o reino de Deus sem o auxílio da ciência, na época de progresso que se anuncia e de que não podemos ainda fazer ideia. Aumentando o número de homens capazes de manejar os delicados instrumentos da ciência, de compreender- lhes as várias linguagens e de aproveitar-lhes os mais altos sentidos, as universidades trabalham mais depressa que qualquer outro fator para esse dia de adiantados conhecimentos que, no futuro, hão de transformar por completo a condição humana.

(Conferência pronunciada por Joaquim Nabuco a 28 de agosto de 1908 na Universidade de Chicago. Essencial Joaquim Nabuco. Organização e introdução de Evaldo Cabral de Mello. São Paulo: Penguin Classics, Companhia das Letras, 2010, p. 548)

10.(FCC TRF 1ª Região Analista Administrativo Março 2011) Em seu discurso, Joaquim Nabuco

  • (A) dá sequência à ideia inicial

(Carlos Drummond de Andrade. O avesso das coisas [aforismos]. 5.ed. Rio de Janeiro: Record, 2007,

Ufano-me de falar nesta instituição

(Carlos Drummond de Andrade. O avesso das coisas [aforismos]. 5.ed. Rio de Janeiro: Record, 2007,

que o consternam naquele momento.

  • (B) ressalta os aspectos que, segundo seu julgamento, motivam o fato de Chicago, naquele momento, vir

assombrando o mundo.

  • (C) faz um enérgico tributo à ciência, objeto principal de suas considerações, sem conseguir disfarçar certo

ressentimento de americano do sul.

  • (D) atribui à religião o adequado encaminhamento da ciência, de que resultam as propícias possibilidades deste

campo de conhecimento.

  • (E) expressa temor pelos futuros aspectos negativos do progresso, de que dependeriam as transformações da

condição humana.

11.(FCC TRF 1ª Região Analista Administrativo Março 2011) Na organização do texto, é apresentado como causa o seguinte segmento:

  • (A) (linha 1) pelo seu crescimento gigantesco.

  • (B) (linha 1) vem assombrando o mundo.

  • (C) (linha 3) pode-se acompanhar o processo sumário.

  • (D) (linha 4) Aqui estamos em frente de uma das cancelas do mundo.

  • (E) (linhas 4 e 5) por onde vêm entrando novas concepções sociais.