Você está na página 1de 6

7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná

Anais Eletrônicos

DANÇA E ESCRITA PERFORMATIVA: EXPERIÊNCIAS EM UM CONTINUUM DE AFECTO

Mariana Mello Menezes da Silva 131 Faculdade de Artes do Paraná

RESUMO

O presente texto tem como foco abordar algumas das principais questões surgidas no decorrer de meu Projeto de Iniciação Artística e Cultural “A Escrita De Um Corpo-Afeto – Palavreando A Dança”, ainda em curso na Faculdade de Artes do Paraná. Esse projeto surgiu da necessidade de encontrar palavras com as quais nomear minhas experiências em dança, especialmente a desenvolvida no período de maio a outubro de 2011 na Casa Hoffmann - Centro de Estudos do Movimento, no qual fui bolsista- residente desenvolvendo o projeto de pesquisa p_o_n_t_e_s, contemplado com o Edital de Pesquisa em dança da Fundação Cultural de Curitiba. Para tal, proponho a investigação de uma escrita performativa a ser compartilhada - que carregue consigo lugares de contaminação com a dança.

Palavras-chave: dança; escrita performativa; afecção; corpo-afeto.

131 Graduanda em Artes Cênicas Bacharelado em Direção Teatral pela Faculdade de Artes do Paraná FAP UNESPAR. Disponível em: <http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=S6508600>

Anais do 7º Seminário de Pesq. em Artes da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, p. 228-233, jun., 2012.

> Anais do 7º Seminário de Pesq. em Artes da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba,

228

Silva, M. M. M. Dança e Escrita Performativa: experiências em um continuum de afecto

MEMORIAL DE PERFORMANCE

p_o_n_t_e_s partia da investigação das particularidades de meu vocabulário corporal, imagético e poético buscando a construção de um corpo afectível entendido aqui como um corpo que afeta se deixa afetar, que está em trânsito e em dinâmica de troca com aquilo/aqueles que o cercam. É através dessa dinâmica de troca que buscou-se que se saísse de um vocabulário pessoal e se criasse um novo vocabulário para esse corpo, construído no encontro e que ganhasse sua potência em uma dança na qual se pretende a inexistência de uma relação hierárquica entre aquele que a compartilha e aqueles com quem ela é compartilhada e, portanto, dela participam. Isso porque entendo que meu lugar de criadora é também um lugar compartilhável - tornando-se portanto não mais meu lugar, mas um lugar no qual artista e o que se denominaria “público”132 constroem juntos aquilo que vivenciam juntos tornando a dança uma experiência diferente para cada um que dela participa. Isso se dá porque como essa dança nunca é algo pronto, mas, ao contrário, um constante processo nunca finalizado, busco compartilhar inclusive seu processo de criação. Aquele com quem troco é, portanto, co-criador comigo pois se é uma dança que só se dá no encontro há que se ter alguém com quem se crie para que ela possa existir. Uma vez existindo esse alguém, não cabe a mim dar sentido à experiência, que fica a cargo de cada um, assim o 'dar sentido' torna-se também lugar de co-criação.

É daí que surge, então, a necessidade de escrita e a busca por abrir no espaço

acadêmico um lugar no qual eu pudesse experimentar a busca por minhas próprias palavras e por um vocabulário agora textual - e, através deles, propor a construção de uma escrita performativa também passível de ser afectível.

“A experiência é o que nos passa, o que nos acontece, o que nos toca. Não o que se passa, não o que acontece, ou o que toca. A cada dia se passam muitas coisas, porém, ao mesmo tempo, quase nada nos acontece.” (BONDÍA, 2002 p. 21).

A dança de que falo aqui é aquela que se constrói no presente da experiência e

implica um corpo que esteja em constante processo de atravessamentos, podendo ser entendido também como um corpo que “é poder de transformação e devir – devir sensitivo, afectivo que atinge e desorganiza a unidade da consciência.” (GIL, 1997. p. 185). Gil utiliza-se desses termos para referir-se ao Corpo Sem Órgãos o corpo em processo de variação contínua, o corpo em devir que, em Gil, encontrará similitudes com o sentido de imanência. É daí que afirma que “dançar é fluir na imanência” (2001, p. 55) . A desorganização da consciência de que fala permite pensar também a possibilidade de construção de uma dança que desestabilize o lugar do movimento previamente codificado, com significados específicos e inseridos num processo de representação no qual o movimento nunca é por si, mas estaria sempre remetendo a

132 O termo público aqui ganha aspas por ainda estarmos buscando um termo que não carregue em si a passividade que o uso corriqueiro desse termo poderia sugerir.

estarmos buscando um termo que não carregue em si a passividade que o uso corriqueiro desse

229

Silva, M. M. M. Dança e Escrita Performativa: experiências em um continuum de afecto

um significado outro, ausente da experiência. Permite pensar então a dança como experiência, como zona de multiplicidades para todos os nela envolvidos, pois se experiência

'”não é o que acontece, mas o que nos acontece, duas pessoas, ainda que enfrentem o mesmo acontecimento, não fazem a mesma experiência. O acontecimento é comum, mas a experiência é para cada qual sua, singular.”(BONDÍA, p. 27)

Pretende-se propor aqui, portanto, o movimento, a dança e todos neles envolvidos, como um continuum de multiplicidades que ganha existência no encontro, na atmosfera relacional, na qual as potências de afecto se instauram no meio.

“[O] meio não é uma média; ao contrário, é o lugar onde as coisas adquirem velocidade. Entre as coisas não designa uma correlação localizável que vai de uma para outra e reciprocamente, mas uma direção perpendicular, um movimento transversal que as carrega uma e outra, riacho sem início nem fim, que rói suas duas margens e adquire velocidade no meio.” (DELEUZE E GUATTARI, 1995. p.37)

É também nesse lugar do entre que se propõe a escrita. Uma vez que entendo as letras e as palavras também como corpos (e corpo como “aquilo que tem extensão e forma”133) e como extensões de meu próprio corpo constituindo-o e sendo constituídos por ele - a cada vez que escrevo, assim como a cada vez que danço, me inscrevo no mundo. Essa escrita surge então com o sentido da transcriação (CAMPOS), uma vez que não é apenas posterior à dança ou uma descrição desta mas está em fluxo recíproco e contínuo de criação com ela.

em caso de poemas difíceis use a dança.

a dança é uma forma de amolecer os poemas endurecidos do corpo. uma forma de soltá-los das dobras dos dedos dos pés. das vértebras dos punhos. das axilas. do quadril são os poema cóccix. os poema virilha os poema olho. os poema peito os poema sexo. os poema cílio”

(Mosé, Viviane)134

Estabelece-se assim um processo no qual se entende escrever como uma maneira outra de dançar e, dançar, uma maneira outra de escrever. É pensar a dança enquanto escrita e a escrita enquanto dança, uma vez que ambas se contaminam e se

“(

)

133 Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues- portugues&palavra=corpo> acesso em: 18.05.2012.

134 Disponível em: <http://www.vivianemose.com.br/acervo.html> acesso em: 18.05.2012.

em: 18.05.2012. 1 3 4 Disponível em: <http://www.vivianemose.com.br/acervo.html> acesso em: 18.05.2012. 230

230

Silva, M. M. M. Dança e Escrita Performativa: experiências em um continuum de afecto

afetam mutuamente, surgindo e ressurgindo, nascendo uma em virtude da outra, concomitantemente.

“Atividades como considerar as palavras, criticar as palavras, eleger as palavras, cuidar das palavras, inventar palavras, jogar com as palavras, impor palavras, proibir palavras, transformar palavras etc. não são atividades ocas ou vazias, não são mero palavrório. Quando fazemos coisas com as palavras, do que se trata é de como damos sentido ao que somos e ao que nos acontece, de como correlacionamos as palavras e as coisas, de como nomeamos o que vemos ou o que sentimos e de como vemos ou sentimos o que nomeamos. “ (BONDÍA, 2002, p.21)

Isso remonta também ao que John Austin propôs com a teoria do performativo, aonde fala de uma linguagem “que permite abrir espaços para a ambigüidade, equívocos, falhas, deslizes e sentidos não-literais.” (RANGEL, p.14). As palavras adquirem então um lugar da experiência, surgindo também como multiplicidades, como uma liberação da linguagem de seus paradigmas de significação simbólica. Aí se inserem os métodos através dos quais procuro a construção de uma escrita performativa que possibilite a criação de um espaço de afecção com aquele que a lê, pois uma vez destituída de sua carga simbólica abre-se o espaço da construção compartilhada, no qual não mais se apenas lê, mas se constrói sentidos conjuntamente.

O Projeto de Iniciação Artístico Cultural “A ESCRITA DE UM CORPO-AFETO - PALAVREANDO A DANÇAiniciou-se em agosto de 2011135.

Minha metodologia de trabalho no período de maio a outubro de 2011 desenvolveu-se de maneira bastante prática, uma vez que estava diretamente relacionada ao cronograma de trabalho da Casa Hoffmann, que incluía o mínimo de 16 horas mensais de trabalho, a participação em oficinas oferecidas com frequência mensal, a realização de mostras de processo (uma em julho e duas em agosto) e de uma mostra final (duas apresentações em outubro). Foram realizadas também orientações sobre o trabalho e seu processo tanto com os orientadores que a própria Casa oferecia quanto como com Juliana Adur e Diego Baffi os orientadores específicos de meu trabalho e que não estavam vinculados diretamente à Casa. A partir de agosto, quando a Iniciação começou oficialmente, a metodologia de trabalho incluía também as reuniões semanais do grupo de pesquisa, além das horas dedicadas ao estudo teórico. Em outubro apresentei, na Casa Hoffmann, o solo “Mostra-me suas miudezas”, de concepção minha e orientação de Juliana Adur e Diego Baffi (também orientador do meu PIAC).

135 No entanto, por referir-se ao desenvolvimento do projeto de pesquisa em dança p_o_n_t_e_s que inciara-se em maio de 2011 na Casa Hoffmann Centro de Estudos do Movimento, considero maio como o início das atividades referentes à pesquisa como um todo.

– Centro de Estudos do Movimento, considero maio como o início das atividades referentes à pesquisa

231

Silva, M. M. M. Dança e Escrita Performativa: experiências em um continuum de afecto

16. solo MOSTRA-ME SUAS MIUDEZAS – Mariana Mello - Casa Hoffmann Centro de Estudos do
16. solo MOSTRA-ME SUAS MIUDEZAS – Mariana Mello - Casa Hoffmann Centro de Estudos do Movimento - outubro 2011.
Fotografia de Daniel Florencio.

Durante todo o período de trabalho na Casa mantive a prática do registro regular de anotações e escritas fluxo-poéticas em diário de bordo. O mês de novembro foi destinado à organização desse material, a partir do qual foram desenvolvidas algumas partituras, partilhadas no grupo de pesquisa. Essa coerência orgânica pode manifestar-se de diversas maneiras, ampliando muito as possibilidades de desdobramentos das partituras - que surgem, então, como um modo de organizar as informações, sensações, impressões, anotações, palavras, imagens. Nesse caso trata- se de partituras “escritas”, no papel, embora sem um formato definido (pois nessas partituras forma é, também e profundamente, conteúdo). Criar partituras que de alguma maneira dessem conta dos elementos surgidos da, e presentes na, pesquisa foi, então, uma primeira tentativa de converter o material acumulado num texto afectível, uma primeira investigação de como dar conta, no papel, daquilo que foi experenciado no momento da pesquisa.

Por fim, concluo ressaltando a importância da minha participação no Seminário de Pesquisa para os encaminhamentos finais que darei ao meu Projeto de Iniciação Artística e Cultural nos próximos dois meses (junho e julho). Visando abrir as discussões para meu fazer artístico e colocando em questão meus próprios métodos e resultados, pretendo verificar como essa escrita que estou desenvolvendo consegue (se consegue) ser matéria de atravessamentos para propor/instigar um outro tipo de relação com o material escrito.

se consegue) ser matéria de atravessamentos para propor/instigar um outro tipo de relação com o material

232

Silva, M. M. M. Dança e Escrita Performativa: experiências em um continuum de afecto

REFERÊNCIAS

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas Sobre a Experiência e o Saber da Experiência. Tradução

Revista Brasileira de Educação, nº 19. páginas 20-

de João Wanderlei Geraldi. 28. 2002.

CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem & outras metas. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva,

1992

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo, SP: Ed. 34, 1995.

GIL, José. Movimento total O Corpo e a Dança. Tradução de Miguel Serras Pereira. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2001.

GIL, José. As Metamorfoses do Corpo. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1997.

MOSÉ, Viviane. Receita para arrancar poemas presos. Disponível em: <http://www. vivianemose.com.br/acervo.htm> Acesso em: 18.05.2012,

RANGEL, Eliane de Fátima Manenti. Uma nova concepção de linguagem a partir do percurso performativo de Austin. In REVISTA LETRA MAGNA - Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Lingüística e Literatura - Ano 01- n.01 - 2º Semestre de 2004

Anais do 7º Seminário de Pesq. em Artes da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, p. 228-233, jun., 2012.

de 2004 Anais do 7º Seminário de Pesq. em Artes da Faculdade de Artes do Paraná,

233