Você está na página 1de 2

Associação de Basquetebol de Setúbal

(Fundada em 12 -11-1943)

COMUNICADO Nº. 18 -
02/10/2009

Para conhecimento geral se informa:

TORNEIOS PARTICULARES
Telf. 21 2068680 Fax: 212068680 Telm – 919559228 Fax – 21 2068681 E-Mail – absetubal@net.vodafone.pt

O Montijo Basket Associação foi autorizado a realizar o TORNEIO CIDADE


DO MONTIJO, na categoria de Séniores Masculinos, nos dias 26 e 27 de
Setembro de 2009, com a participação do Seixal FC, Academia 24 Julho do
Lumiar, BC de Queluz e o Montijo Basket Associação.

SUBIDAS DE ESCALÃO
Associação de Bsquetebol de Setúbal R. Stara Zagora nº 22 B - 2830-364 Barreiro

A SUB 20
Nome Licença Clube
Daniel B Margarido 154041 FC Barreirense
Henrique F Sicó 167812 FC Barreirense

A SUB 16
Nome Licença Clube
Benvindo A Mendes 184990 Seixal FC

TRANSFERÊNCIAS

Nome Licença Clube Anterior Clube Actual


Ricardo A F G Alberto 136334 FC Barreirense Seixal FC
João P T Farinha 84007 C Lisnave Seixal FC
André R S Alves 95113 C Lisnave Seixal FC
Rui Pedro D N Sá 69966 C Lisnave Seixal FC
Eneyde N Ferreira 167430 C Lisnave Seixal FC

INFORMAÇÃO: Olympica Internacional – Clínicas do Desporto

O PÉ DE ATLETA
Pé de atleta é a designação “comum“ de um conjunto clinicamente
diversificado de infecções fúngicas, que frequentemente afectam os pés dos
basquetebolistas. Em termos médicos a designação é tinea pedis.

COMO SE ADQUIRE?
O equilíbrio ecológico da área cutânea correspondente aos pés é em
grande número de situações, bastante precário.
As particularidades morfológicas dos pés, como a existência de
múltiplas pregas interdigitais, acrescidas das características oclusivas da
generalidade do calçado desportivo, geram in situ um microclima especifico,
conducente a uma grande vulnerabilidade às infecções e aos agentes físicos
e químicos. Os pés dos basquetebolistas são áreas cutâneas
constantemente submetidas à acção do calor e humidade.

Estes dois factores para além de constituírem o substrato básico para a


colonização e desenvolvimento dos fungos, promovem localmente a
maceração e fissuração da pele, o que facilita a acção dos enzimas
proteolíticos dos dermatófilos e consequentemente a sua penetração na
camada córnea. A partir daí, estão reunidas as condições necessárias para a
instalação da infecção fúngica e o início de um quadro de sofrimento,
muitas vezes prolongado.

OUTRAS DERMATOSES NOS PÉS DOS ATLETAS?

Considerando a região topográfica dos pés, existe um grande número


de dermatoses de localização plantar, que constituem diagnósticos
diferenciais com o pé de atleta, de que são exemplos: os eczemas, as
piodermites, a dermatose plantar juvenil, a queratolísis punctata, a
desidrose, a pseudocromohidrose, a epidermólise bolhosa adquirida do
adulto, etc..
Esta grande variedade de doenças, aconselha alguma prudência na
definição dos diagnósticos das dermatoses plantares do basquetebolista.
Na realidade, nem tudo o que aparece nos pés de um
basquetebolista é... pé de atleta!.

A observação e a orientação terapêutica por um dermatologista é


sempre indispensável.

SÃO DETERMINANTES AS MEDIDAS PREVENTIVAS

A prevenção do pé de atleta no basquetebolista, assenta em dois


princípios:

Uso de calçado adequado. O calçado desportivo deve ser bem adaptado


à morfologia do pé de cada atleta e arejado diariamente. É muito
importante a utilização só de meias de algodão, para embebição do excesso
de suor.

Medidas higiénicas. Uso de chinelos de banho próprios nas instalações


sanitárias, secagem rigorosa e repetida das pregas interdigitais e ainda
medidas profilácticas contra a sudação profusa - uso de antiperspirantes.

TRATAMENTO

Faz-se com a aplicação de manhã e à noite de um derivado do


Imidazol, por exemplo: Nizoral creme.

A Direcção