FE D E R A Ç Ã O E S P Í R I T A B R A S I L E I R A

DEUS, CRISTO

E

CARIDADE

Ano 127 • Nº 2.161 • Abril 2009

ISSN 1413 - 1749

R$ 5,00

Primórdios do Espiritismo Convulsionários: religião, fanatismo ou charlatanismo? Sono e sonhos

Expediente

Sumário
4 Editorial O Centro Espírita – Unidade Fundamental do Movimento Espírita 11 Entrevista: Oceano Vieira de Melo Uso de DVDs para a Difusão do Espiritismo 13 Presença de Chico Xavier 3o Congresso Espírita Brasileiro focalizará obra de Chico Xavier 21 Esflorando o Evangelho Hegemonia de Jesus – Emmanuel 32 A FEB e o Esperanto “Uma história do mundo espiritual” – Affonso Soares 33 Reaparece “La Evangelio la9 Spiritismo” – Affonso Soares Nova Lumo / Nova Luz – Abel Gomes 42 Seara Espírita

Fundada em 21 de janeiro de 1883 Fundador: A UGUSTO E LIAS DA S ILVA

Revista de Espiritismo Cristão Ano 127 / Abril, 2009 / N o 2.161 ISSN 1413-1749 Propriedade e orientação da FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Diretor: NESTOR JOÃO MASOTTI Editor: ALTIVO FERREIRA Redatores: AFFONSO BORGES GALLEGO SOARES, ANTONIO CESAR PERRI DE CARVALHO, EVANDRO NOLETO BEZERRA E LAURO DE OLIVEIRA SÃO THIAGO Secretário: PAULO DE TARSO DOS REIS LYRA Gerente: ILCIO BIANCHI Gerente de Produção: GILBERTO ANDRADE Equipe de Diagramação: SARAÍ AYRES TORRES, AGADYR TORRES PEREIRA E CLAUDIO CARVALHO Equipe de Revisão: MÔNICA DOS SANTOS E WAGNA CARVALHO REFORMADOR: Registro de publicação o n 121.P.209/73 (DCDP do Departamento de Polícia Federal do Ministério da Justiça) CNPJ 33.644.857/0002-84 • I. E. 81.600.503 Direção e Redação: Av. L-2 Norte • Q. 603 • Conj. F (SGAN) 70830-030 • Brasília (DF) Tel.: (61) 2101-6150 FAX: (61) 3322-0523 Home page: http://www.febnet.org.br E-mail: feb@febnet.org.br Departamento Editorial e Gráfico: Rua Sousa Valente, 17 • 20941-040 Rio de Janeiro (RJ) • Brasil Tel.: (21) 2187-8282 • FAX: (21) 2187-8298 E-mails: redacao.reformador@febrasil.org.br feb@febrasil.org.br PARA O BRASIL Assinatura anual R$ 39,00 Número avulso R$ 5,00 PARA O EXTERIOR Assinatura anual US$ 35,00 Assinatura de Reformador: Tel.: (21) 2187-8264 • 2187-8274 E-m mail: assinaturas.reformador@febrasil.org.br Projeto gráfico da revista: JULIO MOREIRA Capa: AGADYR TORRES PEREIRA

5 8 10 12 14 17 20 22 26 29 31 34 36 38 39 41

Primórdios do Espiritismo – Juvanir Borges de Souza Frustrações angustiantes – Vianna de Carvalho É preciso coerência – Jorge Leite de Oliveira Visitando Chico Xavier – Therezinha Radetic No paraíso já – Richard Simonetti Convulsionários: religião, fanatismo ou charlatanismo? – Christiano Torchi Jesus e Kardec – Mário Frigéri Os efeitos do álcool na sociedade e no Espírito imortal (Capa) – Roberto Carlos Fonseca Em dia com o Espiritismo – Sono e sonhos – Marta Antunes Moura Mensagem consoladora aos pais – Clara Lila Gonzalez de Araújo Aos Colaboradores População do Brasil – Em 2050 ultrapassará 250 milhões – Gerson Simões Monteiro Cristianismo Redivivo – Caminho para Deus – Haroldo Dutra Dias Retorno à Pátria Espiritual – Antonio de Souza Lucena O ícone da liberdade – Wellington Balbo Sejamos bons alunos – Mauro Paiva Fonseca

Editorial O Centro Espírita
Unidade Fundamental do Movimento Espírita

E

m outubro de 1977 o Conselho Federativo Nacional (CFN) da Federação Espírita Brasileira (FEB) aprovou um dos primeiros e mais abrangentes trabalhos sobre o Centro Espírita, publicado em Reformador de dezembro do mesmo ano.

Esse trabalho, intitulado A adequação do Centro Espírita para o melhor atendimento de suas finalidades, foi elaborado pelo Movimento Espírita brasileiro, através dos Conselhos Zonais do CFN, então existentes, com a participação de dirigentes e trabalhadores espíritas de todas as partes do País, no período de abril de 1975, quando o assunto foi escolhido pelo CFN para análise nos referidos Conselhos Zonais, até outubro de 1977, quando o Conselho Federativo Nacional aprovou o texto final. Esse texto, publicado como Anexo I do opúsculo Orientação ao Centro Espírita,1 destaca: o que é ou como entender o Centro Espírita; qual a sua importância para o estudo, a difusão e a prática da Doutrina Espírita e para o atendimento às necessidades espirituais, morais e materiais do ser humano; e o que, basicamente, cabe ao Centro Espírita realizar. Como escola de ensinos morais e espirituais, como oficina de trabalho voltado ao bem do próximo, como templo de oração e como “pronto-socorro” espiritual, o Centro Espírita se destaca na condição de posto avançado na difusão do Evangelho à luz da Doutrina Espírita, tendo por referência as primeiras casas do Cristianismo nascente, que marcaram a sua ação pela prática do bem incondicional. Diante dos constantes desafios que os dirigentes e trabalhadores dos centros espíritas enfrentam na execução e na manutenção de suas nobres atividades, entendemos oportuno destacar a permanente atualidade do referido texto – assim como a versão atualizada de Orientação ao Centro Espírita, que o desdobra – como ajuda a todos os que nos encontramos nesse trabalho, visando a preservação de suas diretrizes, o apoio nas suas provas e o fortalecimento na sua ação.
1

FEB – CFN – Orientação ao Centro Espírita – Ed. FEB.

4

122

Reformador • Abril 2009

Primórdios do Espiritismo
J U VA N I R B O R G E S
DE

SOUZA
quiano”, que se inicia com O Livro dos Espíritos, em 18 de abril de 1857, e termina com A Gênese, em 6 de janeiro de 1868, a Espiritualidade superior julgou útil chamar a atenção de grande parte da população terrena para manifestações ostensivas do mundo espiritual. Essas demonstrações começaram com os fenômenos de Hydesville, nos Estados Unidos da América, em 1848, espalhando-se posteriormente pelo mundo ocidental, através das “mesas girantes”, que se tornaram uma diversão na Europa, antes dos estudos sérios, para que se pudesse entender toda aquela fenomenologia intrigante, propositalmente provocada pelo mundo espiritual. Todas as classes sociais interessaram-se por aqueles acontecimentos inexplicáveis, em que os objetos comuns pareciam ter adquirido movimentos autônomos, independentemente da intervenção humana. As experiências inusitadas com as mesas girantes tornaram-se divertimento comum na França, Alemanha, Inglaterra, Itália, Espanha e em outros países.
Abril 2009 • Reformador

A

Terceira Revelação, a Doutrina Espírita, é impessoal e tem um sentido universalista, pelas verdades e certezas que encerra. O Codificador da Doutrina, que se preparou por mais de uma encarnação a fim de se tornar a personalidade confiável para dar ao seu trabalho a segurança e o crédito que só a Verdade pode oferecer, é o primeiro a reconhecer que o Espiritismo representa, em sua essência, os ensinos dos Espíritos superiores, à frente o Espírito de Verdade, referido pelo Cristo quando prometera enviar o Consolador para relembrar seus ensinos e trazer conhecimentos novos à Humanidade. Assim, tanto Allan Kardec quanto os médiuns que serviram à intermediação para o conhecimento, pelos homens, da Doutrina Consoladora, conscientizaram-se de que foram eles os instrumentos escolhidos para servirem a uma grande missão, mas os verdadeiros autores da grande Revelação foram os

Espíritos superiores, a serviço do Cristo. A Doutrina dos Espíritos foi revelada aos homens pelas Inteligências que se manifestaram através de diversos médiuns, que se colocaram a serviço de uma grande causa, sob a orientação e supervisão de Allan Kardec. Mas, é o próprio Codificador da Doutrina que esclarece, na “Introdução” de O Livro dos Espíritos (Ed. FEB, item XVII):
[...] Não produzisse este livro outro resultado além do de mostrar o lado sério da questão e de provocar estudos neste sentido e rejubilaríamos por haver sido eleito para executar uma obra em que, aliás, nenhum mérito pessoal pretendemos ter, pois que os princípios nela exarados não são de criação nossa. O mérito que apresenta cabe todo aos Espíritos que a ditaram. [...]

Ilustração: Fonte – Allan Kardec: o educador e o codificador, Zêus Wantuil e Francisco Thiesen, v. 1, p. 259. Ed. FEB.

É interessante lembrar que, antes de se dedicar à organização e publicação das obras que constituem a base do Espiritismo, o denominado “pentateuco karde-

123

5

Toda uma vasta literatura espírita iniciou-se com os denominados clássicos. que trariam aos observadores estudiosos a certeza da existência de um mundo espiritual paralelo ao mundo material em que vivemos. foram fenômenos muito mais convincentes e expressivos. toda discrição e informando-o de que. Muitos homens notáveis e estudiosos. mas sim evolutiva.] ativo e tenaz. precavido e realista até quase à frieza. ou Espiritismo. que vão sendo descobertos. pouco depois substituídas pela escrita diretamente elaborada pelos médiuns. Daí para a frente Allan Kardec. que resultaria na modificação do pensamento religioso. escreveu Anna Blackwell. Alexander Aksakof. com suas próprias mãos. O Céu e o Inferno (1o/8/1865). tratar-se de um Espírito [. Sobre a personalidade do Codificador. Paul Gibier.]1 A primeira revelação sobre a missão que lhe cabia desempenhar chegou ao professor Rivail em 30 de abril de 1856. Dos trabalhos coordenados e dirigidos por Allan Kardec. 1 Finda a grande missão que lhe fora atribuída e integralmente cumprida. Percebeu ele que.. existia uma causa desconhecida que deveria ser investigada. verificados e interpretados inteligentemente. o estudioso e preparado missionário. mais tarde. por trás daqueles fatos aparentemente inexplicáveis. nas quais se podia identificar a presença e a manifestação dos Espíritos comunicantes. resultaram várias obras. mas de temperamento calmo. em casa de seu amigo. que aceitaram o Espiritismo. recomendando-lhe. Roustan. Camille Flammarion. e que constituem a fundamentação do Espiritismo.. e retificando erros milenares de concepções e de interpretações. Albert de Rochas. sempre apoiada em novos aspectos da verdade. J. O Livro dos Médiuns (1o/8/1861). no que foi sempre apoiado pela Espiritualidade superior. Ernesto Bozzano. Zêus Wantuil e Francisco Thiesen. do que já lhe havia sido informado. Cesare Lombroso. escolhido pelo Alto para a difícil missão. cumprida integralmente com todo êxito. 2. teve o Codificador a confirmação. filosófico e científico. Gabriel Delanne. 6 124 Reformador • Abril 2009 . 273. usada na época. J. Arthur Conan Doyle. FEB. Após as mesas girantes. seria o principal instrumento dos Espíritos superiores para a formulação da Doutrina Espírita. José Lapponi. A Gênese (6/1/1868). nos quais podemos perceber a segurança e o método do Codificador.. desencarnou o missionário em 31 de março de 1869.. como consequência natural ao fato de que a Doutrina não é estática no tempo.Foram as mesas girantes que chamaram a atenção do professor Hippolyte Léon Denizard Rivail para os fenômenos espíritas. Sr. pelos novos conhecimentos que traria à Humanidade. p. visando sempre mostrar a verdade e a realidade dos fatos. Alfred Erny. Ed. Gustave Geley. W. Japhet. Sem compreender o motivo de sua escolha para tal missão. tomaria conhecimento de muitas outras coisas importantes. acima mencionadas. O Evangelho segundo o Espiritismo (abril de 1864). cético por natureza e por educação [. entre as quais se encontram as cinco que constituem a base fundamental da Doutrina Espírita: O Livro dos Espíritos (18/4/1857). Antonio J. surgiram manifestações escritas com um lápis que se prendia a uma cesta de vime. a primeira delas. Rochester. através da médium Srta. Freire. pelo Espírito Verdade. Allan Kardec: o educador e o codificador. sem a interferência de ideias inferiores ou inexatas. o que realmente aconteceu. A escrita mediúnica e a palavra dos médiuns. trouxeram diversos subsídios à obra do Codificador. escritora inglesa que teve com ele relacionamento pessoal. Arthur Findlay e outros. entre os quais se inscrevem Léon Denis. porém.  Das cinco obras escritas por Kardec. v.

não somente dos que reencarnam neste país – Pátria do Evangelho – mas de todos os que. Revista Espírita. as leis morais e o porvir da Humanidade. O Consolador prometido continua entre os homens. essa “couraça do bem contra o mal”.O Livro dos Espíritos. O bem é uma couraça contra a qual virão sempre quebrar-se as armas da malevolência.2 A vasta literatura espírita torna possível aprofundar-se o homem no conhecimento da Doutrina. Divaldo Pereira Franco. não só na França. Abril 2009 • Reformador 125 7 . Desse livro originam-se os outros quatro. se quisermos que eles nos assistam. com a abordagem de outros aspectos que eles encerram sem prejuízo do que já era conhecido. 274. Mas o tempo é aliado da Verdade e dia virá em que essa minoria se transformará em maioria absoluta. jul. basta observar-se. Essa obra correspondeu plenamente ao objetivo dos Espíritos encarregados de universalizar as verdades que os homens desconheciam e de retificar os enganos e erros que as religiões e filosofias propagaram por séculos. [. publicado em 18 de abril de 1857. sejamos dignos dos bons Espíritos. porque nele se encontram. dentre as quais está a lei do Progresso. por toda parte. em sua colaboração com Allan Kardec e os médiuns que com ele trabalharam. para bem conhecermos o Espiritismo. entre o mundo invisível e o mundo das formas visíveis. 2 Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. enriquecendo assim o conhecimento de inúmeros assuntos. Chico Xavier. a vida presente e a futura. p. José Raul Teixeira. para só citar o que ficou escrito pelo médium. numa demonstração de como o Espiritismo pode influir sobre quem o aceita e vivencia. para nós. Yvonne do Amaral Pereira. para só citar os mais conhecidos. Ed. no Brasil. Francisco Cândido Xavier. chegou a publicar 412 livros. FEB. já que toda sua vida foi dedicada ao bem. exposta com clareza e acessível a todas as inteligências. que dedicaram suas vidas à grande causa da renovação espiritual. a imortalidade da alma. Para comprovação da continuidade das comunicações preciosas. mas em outros países da Europa e das Américas. Esforcemo-nos por dar o exemplo e mostremos que. aspiram e procuram a verdade e um melhor entendimento da vida. mas também da literatura clássica acima indicada. É uma síntese filosófica refletindo a realidade da vida. enriquecido por novas comunicações da Espiritualidade e novos médiuns dedicados à renovação dos que o aceitarem.. a doutrina não é letra morta. Numa palavra. que desenvolvem partes específicas da obra básica. que ampliou o conhecimento trazido pelos Espíritos superiores. em decorrência das leis divinas. são responsáveis por inúmeros desdobramentos dos ensinos e revelações antes abordados pelos Espíritos reveladores. em todos os seus aspectos e fundamentos. 1859. Na atualidade. Espíritos encarnados. os Princípios da Doutrina Espírita. a riqueza de ensinamentos chegados através de notáveis médiuns. pelo Codificador e por escritores e pesquisadores diversos. especialmente no Brasil. conforme está expresso. justas e infalíveis. sobre a natureza dos Espíritos e seu relacionamento com os homens. número que é incomum entre os maiores escritores de todos os tempos. o Consolador prometido por Jesus. dispomos não só das obras básicas. ano 2.. sobre diferentes assuntos. são uma minoria no mundo em que vivemos. O êxito inicial de O Livro dos Espíritos foi surpreendente. Os que tomaram conhecimento do Espiritismo. sinteticamente. é a base e o apoio de todas as demais. através de diversas editoras. em seu frontispício.] A finalidade do Espiritismo [conforme o pensamento de Kardec] é tornar melhores os que o compreendem.

mais tarde. Aceito pelas multidões sedentas de inovações. A pompa e o poder temporal tomaram o lugar da simplicidade e da abnegação... porém. ceifando vidas ou mutilando as esperanças. surgindo os cultos externos extravagantes e as festas ruidosas quão insensatas.. começaram a surgir as rusgas e disputas por privilégios sociais e governamentais. havendo desaparecido as perseguições que vitalizavam a fé nobre e pura. que o tempo transcorreu na sua marcha inexorável. quase à indiferença. tornando o Cristianismo tolerado em todo o Império. Nessa ocasião.. se transformariam em adaga perversa a serviço do crime e da hediondez. antes povoados pelos deuses ora em decadência. como gratidão aos Céus pela ajuda que recebera. no dia 13 de junho de 313. trocando-os por Jesus e Sua doutrina.. Rapidamente os evangelizadores multiplicaram-se e a difusão da nova religião ergueu santuários faustosos. À medida. os apóstolos e os mártires. em toda parte. substituídos pelo Incomparável Mestre.Frustrações L ogo depois da retumbante vitória do imperador Constantino contra Magêncio na batalha próxima à ponte Mílvia sobre o rio Tibre. angustiantes alguns deles. semelhantes às pagãs que ressurgiam.. espalhou-se a mensagem com arroubos e festas. medraram os pródromos do que seria mais tarde o monacato com todos os seus tormentos. inspirado nos ascetas egípcios que buscavam as furnas no refúgio das montanhas ou o silêncio absoluto no deserto. que abandonaram o politeísmo em relação aos deuses-lares e aos do Olimpo. em 312. dando lugar ao orgulho e à prepotência que. tornava-se uma afronta à pul- 8 126 Reformador • Abril 2009 . Maria Santíssima.. a fim de preservarem a vida austera e a meditação.. Embora a nobreza da iniciativa. o genial vencedor proclamou o Edito de Milão. levando-o ao triunfo contra o seu maior inimigo. e o entusiasmo pelo amor e a caridade passou a ceder lugar à vulgaridade.

negando o mundo para o qual se encontravam em serviço de iluminação. para a inutilidade. terminava por produzir o estado de akedía ou acídia. naquela ocasião. onde são trabalhadas as batalhas do autoaprimoramento e da iluminação interior. tornando-os mais combativos e. objetivando arrancar as almas que aspiravam ao Céu pela negação do mundo para os abismos infernais. adaptando-as aos seus interesses inconfessáveis. dos conflitos psicológicos mal disfarçados. A nova onda sensibilizou muitos Espíritos ingênuos que desejavam ser fiéis à doutrina. portanto. às paixões asselvajadas. O século. Como era inevitável. que passam por crises existenciais em determinados períodos. que adulteraram as lições de Jesus. viviam homiziados no âmago dos seres que preferiam ignorá-los. ou marasmo. O corpo é concedido ao Espírito para a ação. de distanciamento da ação. firmada numa filosofia existencial de amor e de perdão. pela forma como se apossa do indivíduo. ensejando harmonia e plenitude. Diferindo daqueles seres espirituais que afligiam o infeliz. ao invés de perigoso campo minado pelo Tentador e seus asseclas.critude da mensagem cristã e aos exemplos de dinamismo de Jesus e dos Seus discípulos. esses demônios da acídia eram internos. e. empurrando o ser para a incompletude. A função da reencarnação é a de propiciar ao Espírito depurar-se das mazelas que o impedem de Abril 2009 • Reformador 127 9 . Esse fenômeno passou a ser denominado como o demônio-do-meio-dia. aliada à astúcia de alguns teólogos inescrupulosos. renunciando ao mundo. A doutrina do Rabi galileu é uma proposta renovadora de valores. dos religiosos especialmente. permitindo-lhes as vitórias sobre os esforços desprendidos. O ser humano existe para fomentar e acompanhar o desenvolvimento intelecto-moral. de enfrentar a multiplicidade de ideias que seleciona e desenvolve como expressão da inteligência. a conquista do infinito e jamais para a paralisia. de caridade e de misericórdia. em si mesmo. que jamais cultivaram a ociosidade a pretexto de busca de elevação. A monotonia mântrica e a das jaculatórias criam um estado orgânico e psicológico de apatia. os demônios das paixões mal administradas. por ser de inspiração demoníaca. essa acídia. Multiplicaram-se os lugares para a fuga aos enfrentamentos humanos. a deserção dos claustros. mediante cuja conduta alteram-se as sombrias paisagens morais. A akedía passou a significar-lhes esse estado melancólico. quando o indivíduo faz uma avaliação do que realizou e sente-se incompleto. das necessidades biológicas à força submetidas. Qual ocorre com todas as vidas. gerando sofrimentos insuportáveis. a loucura e o suicídio infelicitaram aqueles Espíritos enganados. ou inutilidade. A mente não pode parar de pensar. oprimidas e necessitadas. que consideravam perturbador. Por efeito danoso. naquelas mentes vazias. desde as ambições tormentosas. de objetivo. Sem dúvida. a multiplicação e preservação das suas forças e possibilidades. que os viveu e os venceu com estoicismo e valor. e às suas insinuações que tinham em conta de tentações da carne. A ignorância medieval. senão conforme aqueles que o habitam e que dele fazem o que lhes é peculiar. deveria servir de oficina enriquecedora de experiências para a aquisição das virtudes essenciais. depressivo. distante dos desafios propostos por Jesus. que se fixava em forma de evasão da realidade e reação a ela com o decorrente sentimento de animosidade contra os demais membros da comunidade no monacato onde buscavam refúgio. O mundo. de verdadeiro pecado mortal. representando as necessidades das massas infelizes. constituíam um séquito semelhante a Legião. como reação decretaram que se tratava. que se permitiram a estranha conduta. insatisfeito por considerar que foram quase inúteis os seus dias. não é mau nem é bom. a existência contemplativa e ociosa. a horda que atormentava o obsesso gadareno. com a descoberta da perda de sentido psicológico. por mais que se apresentasse de início atraente e bela. nunca porém.

Se o mais das vezes.. Não há. de trabalhar-se. passo a passo. Em bela noite. para alguém segui-lo. no Centro Espírita Caminho da Redenção. para orar e jejuar. lhe repetia: É preciso coerência. Que.. portanto. envolvendo todos num abraço.avançar no rumo da Grande Luz.. Vianna de Carvalho (Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco. Essa tarefa grandiosa. que bem sabia Provir de sua própria consciência. na sessão mediúnica da noite de 9 de julho de 2008. Pois. Serve-se a Deus. um sábio refletia: De que me vale toda esta ciência. É preciso coerência Jorge Leite de Oliveira Ao contemplar a vastidão do espaço. novamente. como Jesus. Quando buscou o deserto. antes do ministério. insistia: É preciso coerência. lapidando as arestas morais que permanecem desde o passado no seu processo de evolução.. ó Deus.. tanta teoria? E ouviu de novo a voz. É preciso coerência. mediante o trabalho eficaz. Jesus é sempre o exemplo em todos os Seus passos. Bahia. o conhecimento que decifra os enigmas existenciais e a caridade que dignifica e proporciona a paz entre todos. mas o que queria Para. a presciência. falo o que não faço? Então ouviu a voz que lhe dizia: É preciso coerência. Então compreendeu o que não via: Ninguém alcança a luz sem persistência. Mas a voz. E disse ao vento com estardalhaço: De que me vale. Poder lhes alertar sobre o que via. implacável. conclamando o ser humano à autoiluminação e à libertação da ignorância generalizada. a fuga da realidade e da responsabilidade. em Salvador. Tão bem quanto saber. como conciliar a ação do Evangelho libertador com a inútil existência monacal ou a fuga para regiões distantes da comunhão com os demais seres humanos.. o interior. fê-lo por um breve período preparatório para a incomparável saga da Sua entrega de amor a todas as criaturas. elucida e desenvolve-a o Espiritismo. É ter. jamais se permitindo a inutilidade.) 10 128 Reformador • Abril 2009 . a sós. Eu bem sei disso. Jesus fazia E nisso estava toda a sua Ciência. ajudando-se o ser humano a ser feliz e ajudando-se a si mesmo a encontrar a harmonia entre o ser que se apresenta e aquele que se é.

quando disponibilizamos ambos para o grande público. Reformador: Para o Centenário de Chico Xavier surgirão outros DVDs? Abril 2009 • Reformador 129 11 . produzir e dirigir os filmes Chico Xavier – O Grande Médium Espírita . Reformador: Esses DVDs estão chegando ao meio leigo? Oceano: Nossos maiores clientes são lojas. Reformador: Há alguns registros marcantes de DVDs espíritas que fizeram sucesso? Oceano: O DVD duplo com os históricos programas “Pinga-Fogo I e II” e o de Minha vida na outra vida. Ao acrescentarmos extras espíritas. sobre Chico Xavier? Oceano: Envolvo-me emocionalmente como espírita e como pesquisador. o qual foi realizado por produtores que desconhecem o Espiritismo. Relata preparativos para o Centenário de Chico Xavier Reformador: Como surgiu a motivação para a divulgação do Espiritismo por DVDs? Oceano: A partir do lançamento. responsável por disponibilizar o Espiritismo em DVDs. Reformador: Qual sua avaliação dos DVDs recentes. em 2004. Eurípedes Barsanulfo – Educador e Médium e Divaldo Franco – Humanista e Médium Espírita . de “Espiritismo – De Kardec aos Dias de Hoje” e da recuperação do “Pinga-Fogo I e II”. essa produção se transforma num filme 100% espírita. em parceria com a Federação Espírita Brasileira e o Conselho Espírita Internacional. livrarias e sites não-espíritas. que testemunhamos sua humildade e grandiosidade como homem e como médium espírita. tais como “Saulo Gomes entrevista Chico Xavier” e “Pinga-Fogo”. Algumas livrarias espíritas que divulgam o Espiritismo por meio digital também são nossos clientes. Precisamos transmitir para as futuras gerações que fomos contemporâneos de Chico Xavier. que lançou.Entrevista O C E A N O V I E I R A DE M E LO Uso de DVDs para a Difusão do Espiritismo Oceano Vieira de Melo é pesquisador e documentarista espírita. filme que confirma caso verídico de reencarnação por pessoa não-espírita.

Reformador: Qual a sua mensagem para os leitores de Reformador ? Oceano: Que leiam e estudem mais as obras da Codificação Espírita e as de Emmanuel. pertencentes ao Espiritismo e à Humanidade. pelo Sr. fundada por Clóvis Tavares. teremos também um filme sobre o Centro Espírita Luiz Gonzaga. Até abril de 2010. Teu mandato nos prova que há verdade em tuas mãos. junto com a FEB estamos produzindo um documentário sobre o Centenário de Chico Xavier. fundado por Chico Xavier e seu irmão José. Batuíra. tão plenas de clemência. Iremos ouvir as vozes de Emmanuel.Arnaldo Rocha. Também estamos restaurando as gravações em áudio que deram origem aos livros Instruções Psicofônicas e Vozes do Grande Além. que a vida além da morte é claridade brilhando na sublime quintessência.Oceano: Sim. Visitando Chico Xavier Therezinha Radetic Vim me banhar no eflúvio de bondade que no teu coração se faz essência. realizadas em Pedro Leopoldo. de Pedro Leopoldo. Será um DVD com vídeo e um CD com áudio de 35 mensagens com duração de cerca de cinco horas. a desventura que o mundo sofre sem poder contê-las tu brilharás. em Campos.) 12 130 Reformador • Abril 2009 . Reformador: Que sugestões tem para o melhor aproveitamento dos DVDs espíritas nos centros espíritas? Oceano: Recomendamos que eles sejam exibidos como documentos educativos e históricos. entre as estrelas! (Este soneto foi escrito quando de uma visita nossa ao querido médium. quero aprender contigo a caridade que espalhas a mãos cheias na existência. um dia. minha ternura. Dias da Cruz e outros Espíritos. através da psicofonia de Chico Xavier. Amenizando a dor. Pereira. no Estado do Rio de Janeiro. em 1954 e 1955. Humberto de Campos/Irmão X e Yvonne A. André Luiz. e a Escola Jesus Cristo. Cairbar Schutel. André Luiz. Beijo-te a face quase como um sonho! Neste pequeno verso que componho deixo-te o coração.

Missão do Brasil na ótica de livro de Humberto de Campos. Apresentação de números artísticos com base na obra psicográfica de Chico Xavier. Terá como tema central: “Chico Xavier: Mediunidade e Caridade com Jesus e Kardec”. e) Destacar nas edições de Reformador. da Doutrina Espírita. Contribuições às provas da imortalidade da alma. Atualidade da obra psicográfica de Chico Xavier – Antecipação de informações científicas. O programa desse Congresso estará subordinado aos seguintes objetivos: dar foco nas obras de Chico Xavier. Compreensão da Justiça Divina – Consolo e esperança. As cartas familiares. para lançamento no 3o Congresso Espírita Brasileiro. b) Providenciar uma edição especial comemorativa da primeira obra psicográfica de Chico Xavier – Parnaso de Além-Túmulo –. g) Estimular a realização pelas Entidades Federativas Estaduais de eventos regionais e estaduais para ampliar a divulgação da obra de Chico Xavier e. f) Elaborar e disponibilizar às Entidades Federativas Estaduais um encarte sobre o Centenário de Chico Xavier para eventual circulação na imprensa espírita e leiga na 1a semana de abril de 2010. respeitar o direito à privacidade pessoal e espiritual de Chico Xavier. Como ações deste Projeto estão previstos eventos e promoções: a) Realizar o 3o Congresso Espírita Brasileiro. nas dependências do Centro de Convenções Dr. Contribuição das obras de Chico Xavier para a Doutrina e para o Movimento Espírita. consequentemente. destacar o exemplo de vida de Chico Xavier. as obras psicográficas de Chico Xavier e lançar uma Edição Especial desta revista em abril de 2010. A vida moral nas obras de Emmanuel. em Brasília. em Reunião ocorrida em novembro de 2008. André Luiz e o Mundo Espiritual. para lançamento no 3o Congresso Espírita Brasileiro. destacando o Centenário de Nascimento de Chico Xavier. A interpretação do Evangelho nas obras de Emmanuel. Os preparativos para a realização do 3o Congresso Espírita Brasileiro já se encontram em andamento. O evento está previsto para os dias 16. O CFN também já aprovou um rol de temas para o programa do Congresso: Chico Xavier – Mediunidade e Caridade com Jesus e Kardec. Amor – Fonte de vida. Abril 2009 • Reformador o 131 13 . Chico Xavier e o trabalho de unificação. O Livro Espírita – Orientação para uma Nova Era. d) Providenciar o lançamento de Selo Personalizado comemorativo.Presença de Chico Xavier 3 Congresso Espírita Brasileiro focalizará obra de Chico Xavier O Conselho Federativo Nacional da FEB aprovou. em Brasília. 17 e 18 de abril de 2010. que inclui a realização do 3 o Congresso Espírita Brasileiro em 2010 O “Projeto Centenário de Chico Xavier” abrange várias ações e tem por objetivo enfatizar a obra de Chico Xavier e contribuir com a preservação de sua memória. durante o ano de 2010. Proposta educacional nas obras psicográficas de Chico Xavier. Ulysses Guimarães. Coerência entre a vida e a obra de Chico Xavier. conforme decisão da Reunião do CFN de novembro de 2007. destacar as obras de Emmanuel e de André Luiz. para lançamento no 3o Congresso Espírita Brasileiro. destacar a influência da obra psicográfica de Chico Xavier no Movimento Espírita Brasileiro e no Mundo. Momento Lírico com Base em Parnaso de Além-Túmulo. Bezerra de Menezes. c) Preparar a elaboração de DVD e de livro que sintetizem as obras e as ações de Chico Xavier. o “Projeto Centenário de Chico Xavier”. Coerência entre as obras da Codificação e de Chico Xavier. Orientações para a infância e para a juventude nas obras psicográficas de Chico Xavier.

Onofre foi abordado por um homem de aparência humilde. em sua casa. querida. aconchegou-se a ele e dormiu feliz. beijou.. item 4. No quarto. porque resume todos os deveres do homem para com o próximo. Joana conteve o impulso de colocar a mão em sua testa. – Sinto muito. No capítulo XI. providenciou para ele pães. que tomar para padrão. mas nada o impediria de atingi-la no plano individual. em lágrimas. Bem. a ver se estava com febre. Decidiu enfrentar o desafio de amar o próximo como a si mesmo e fazer por ele o que gostaria de receber.No paraíso já RICHARD SIMONETTI P ouco antes de se deitar. carinhoso. agradeceu: – Deus lhe pague! O senhor salvou-me a vida! As pessoas me tra- 14 132 Reformador • Abril 2009 . – Perdoe incomodá-lo. margarina. na sala de refeições. queijo e alguns litros de leite. Pela manhã. O pobre homem. querida. Não estava habituada à colaboração do marido nos contratempos do cotidiano. A Terra seria promovida a paraíso. aquilo que para nós desejamos. Irei à padaria buscar os pães. Na padaria.. Onofre pôs-se a imaginar como a Humanidade seria feliz se a Lei de Amor fosse plenamente cumprida. senhor… Cortou a conversa. deteve-se em oportunos comentários de Allan Kardec: “Amar o próximo como a si mesmo: fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós”. a sós no escritório. apenas exprimi meu desejo de que você sonhe com os anjos. meu bem. a esposa está doente e não há o que comer em casa… Com a sensibilidade dos que se compadecem e a lucidez dos que sintonizam com bons Espíritos. a tal respeito. Joana endereçou-lhe um olhar desconfiado. A Maria está atrasada. – Acompanhe-me. coletivamente os homens estavam longe dessa meta maravilhosa. mas minha situação é desesperadora! Estou desempregado há um ano. Querida! – espantou-se a esposa. Joana avisou: – Espere um pouco. Onofre lia O Evangelho segundo o Espiritismo.  Interrompendo a leitura. – Por favor. Onofre? – Não. Ganhando a rua. O que teria aprontado o marido? Aquela manifestação inusitada de carinho estava cheirando a dor de consciência… – Há algo que você queira dizer-me. por favor. Tenho quatro filhos pequenos. Não podemos encontrar guia mais seguro. ante a súbita afetividade do marido. É vergonhoso. Estou com pressa! Mal dera alguns passos e logo a consciência cobrou o cumprimento de sua resolução na véspera: O que gostaria que fizessem por ele se tentasse falar com alguém? Voltou e dispôs-se a ouvir o homem que o abordara. do que devemos fazer aos outros. é a expressão mais completa da caridade. Ele se adiantou: – Pode deixar. expressão sofrida. a esposa já acomodada no leito. dizendo que a amava e desejando-lhe um sono tranquilo. bem sei! Nunca aconteceu comigo. Onofre convenceu-se de que ele estava falando a verdade. Eu vou rapidinho. Não obstante.

enquanto o autor da proeza o agredia com xingamentos. – Se é assim… – começou Onofre. Melhor orar do que amaldiçoar. que injetara solidariedade em suas veias!  Reflexo rápido. já o orientei e lhe dei o endereço do Centro. Vamos ver o que está acontecendo. necessitava de seus cuidados. Ando desesperado! Cheguei a pensar em me matar! Agora sinto que nem tudo está perdido. Crime tenebroso mobilizava a opinião popular. perturbando-o? Talvez um familiar gravemente enfermo… De qualquer forma. Pouco depois. Modificando a reação inicial.  No trânsito. E se o motorista imprudente estivesse com grave problema a esquentar seus miolos. Antes que o fizesse. reticente: – Se é assim… – Podemos dispensá-la? –…vamos conversar com ela. Sumira no mundo. como se o erro fosse dele. neutralizando o impulso agressivo. a história de colocar-se no lugar do outro. com meia dúzia de palavrões e o impertinente vá para o diabo que o carregue!. prometendo que ali teria o apoio de que carecia. o marido estava mudado. Ligando o rádio. Está desempregado. Onofre partia. Sentiu o sangue subir à cabeça e teve ganas de retrucar no mesmo diapasão. o fez pensar. Parecia outra pessoa… Certamente algum bicho o mordera. um motorista imprudente cortou-lhe a frente. chefe? Já lhe disse que é caso para demissão! – É funcionária antiga. sem governo sobre suas ações? E se estivesse sob grave influência obsessiva? Em qualquer dessas situações. jamais permita que essa ideia malfazeja o envolva! É saltar da frigideira para o fogo… Passou-lhe algumas informações sobre as consequências funestas do suicídio e lhe deu o endereço do Centro Espírita que frequentava. Uma multidão cercava a residência do assassino! Falava-se em linchamento! Ele deveria pagar com a vida por sua crueldade! E seria bem merecido! – concordou Onofre. – Pelo amor de Deus. seria digno de piedade. – É que encontrei um infeliz a pedir auxílio. O subordinado espantou-se. Em breves momentos. mas andava displicente e faltando muito. Em lágrimas. No entanto. Onofre preocupou-se com aquela menção ao suicídio. paciente terminal. E se o criminoso fosse um alienado. O marido a abandonara com dois filhos. Argumentou que ela já fora boa funcionária. explicou que atravessava um momento muito difícil. orou pela vítima e pelo algoz.  A recomendação de Jesus refrescou-lhe o cérebro. ela entrava na sala. o chefe da contabilidade veio solicitar-lhe a demissão de uma secretária. De retorno ao lar. Conhecedor do assunto. viúva. Onofre brecou incontinenti. ante a lembrança de que era preciso colocar-se no lugar do outro. ouviu o noticiário. concordando com o subordinado. Joana ficou a cismar: Decididamente. doentes que precisam de tratamento. – Conversar para quê. como exemplificara Jesus. Joana estranhou sua demora. Repetiu. A frase ficou em suspenso. era um irmão comprometido naquele momento com a agressividade. não de execração. O pior é que andou pensando em suicídio… Incrível como a gente não tem ideia do que se passa na cabeça das pessoas! – Conversou com ele? – Sim. O Mestre situava aqueles que se comprometem com o mal como Tão logo entrou em sua empresa. família numerosa… sua situação é desesperadora.tam como se eu fosse um bandido. Levei-o até a padaria e lhe entreguei provisões. A mãe. Há gente boa neste mundo. veio a lembrança: “Amar o próximo como a si mesmo: fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós”. Abençoado bicho. Reconhecia que seus problemas estavam afetando a atividade profissional e pedia um pouco de Abril 2009 • Reformador 133 15 . considerou sabiamente.

que longe dele estamos. não pela ausência de problemas. 16 134 Reformador • Abril 2009 . em complicadas lucubrações.  Vai tua vida Teu caminho é de paz e amor A tua vida é uma linda canção [de amor Abre os teus braços e canta A última esperança A esperança divina de amar em [paz Se todos fossem iguais a você Que maravilha viver… Após o expediente. surpreendentemente sentia-se calmo.. buscando traçar caminhos para a cura de transtornos da emoção e do pensamento.. Alguém cantava a música famosa de Tom Jobim e Vinícius de Morais: que ensinou e exemplificou – cuidar do próximo. não na grandeza espiritual. Compadecido. em poucas palavras. ajudando-a em suas dificuldades. que interferem na química cerebral para neutralizar disfunções que produzem desequilíbrios e perturbações. O trânsito estava terrível. mas iguais na vivência do amor maior Uma característica do Espírito superior é a sua capacidade de síntese e a clareza de suas ideias.. em que os autores traçam extensas orientações. Reconheceu que tivera um dia maravilhoso. Ligou o rádio. que pretendem sejam originais e decisivas para ensinar as pessoas a serem felizes. emocionado. a conquista da felicidade: simplesmente fazer ao semelhante todo o bem que desejaríamos receber dele. Jesus. Onofre.paciência aos seus superiores.  Onofre enxugou os olhos. Lembrou os últimos acontecimentos. com a promessa de que teria toda a assistência da empresa. que costumava irritar-se naquela situação. com uma única lição.. No entanto. que infelicitam os pacientes. nosso herói dirigia o automóvel. extremamente moroso. A psiquiatria prescreve fortes medicamentos. As escolas psicológicas devassam a personalidade humana. de retorno ao lar. Ah! se todos fossem iguais a Jesus. mas porque ele resolvera o problema maior – sua inadequação aos valores do Evangelho. indica-nos o caminho para o equilíbrio. a cura de nossos males. Toneladas de tinta são usadas para a publicação de incontáveis manuais de autoajuda. Onofre providenciou para que ela entrasse em férias. O emprego lhe era indispensável.

455-457. isso porque. O Cardeal de Noailles.] Tendo seu irmão mandado erigir-lhe um túmulo no pequeno cemitério de Saint-Médard. muito difundida no seio do catolicismo.879.. fanatismo ou charlatanismo? C H R I S T I A N O TO RC H I N as questões 481 a 483 de O Livro dos Espíritos. 1859. p. era o filho mais velho de um conselheiro do Parlamento. p. ano 2. recomendamos a leitura do excelente artigo sob o título “Os convulsio1 nários e sua história”. Após 2 SOUZA. entre os séculos XVII e XVIII. daremos ênfase a outros aspectos singulares despertados por essa mesma questão. [. encarregando-se da direção dos clérigos e fazendo-lhes conferências. Kardec tratou de um tema pouco estudado entre os espíritas: “os convulsionários”. Para entendê-lo melhor. às práticas mais rigorosas da penitência e ao trabalho manual. mas sobreveio um obstáculo imprevisto. a cuja causa estava ligado. ed. ensinou catecismo na paróquia de São Cosme. 1. Na Revista Espírita. Lá se entregou sem reserva à prece. no presente trabalho. 3 a morte do pai. daí o nome “convulsionários”. Rio de Janeiro: FEB. publicado na revista Reformador. Depois de ter experimentado diversos eremitérios. Op. seguidores do bispo e teólogo católico holandês Cornélio Jansênio (1585-1638). durante algum tempo. famoso diácono de Paris.. 1985. O abade Pâris consagrou-se inteiramente ao retiro. 2005.. a quem naturalmente devia suceder no cargo. nov. Os jansenistas eram adeptos da doutrina religiosa sobre a graça. deixou os bens para o irmão e.2 de outubro de 1985. Preferiu. Edemilton Cabral de.3 Kardec reproduz um fato que se tornou símbolo do jansenismo.. aos 37 anos. quis nomeá-lo cura dessa paróquia. confinou-se numa casa do subúrbio de São Marcelo. Fazia meias para os pobres. out. Allan. cit. KARDEC. morreu nesse asilo. que tem por função ajudar o celebrante no altar. abraçar a carreira eclesiástica. Op. Aos mais curiosos. morto em 1727. o livre-arbítrio e a predestinação. Eclesiástico abaixo dos sacerdotes. que considerava como seus irmãos. 3. Os convulsionários de Saint-Médard. 21(305)-23(307).cit. n. os Abril 2009 • Reformador 135 17 . na França. o qual auxilia a compreender melhor a origem dos convulsionários: Notícia – François Pâris. cujo túmulo era visitado por peregrinos que ali eram tomados por convulsões. no entanto.Convulsionários: religião. é preciso conhecer um pouco da história do diácono1 jansenista François Pâris.

Então os mesmos entusiastas foram provocar suas convulsões em casas particulares. Há diferentes histórias desse diácono. Em outro relato jornalístico (Petit Journal.. A autoridade4 viu-se enfim obrigada a fazer cessar esse espetáculo. 18 . [. (Grifo nosso.. muitas das quais são homens de ciência. ano 11. na Revista Espírita6 de janeiro de 1868. Na opinião de muita gente. que degeneravam em crueldades e indecência. Os aïssaouas. cit. entre eles os dos engolidores de brasas acesas. do qual talvez jamais teriam falado se não o houvessem querido transformar num taumaturgo. Kardec menciona. diversos eventos. apresentavam dores no mesmo local daqueles que os consultavam. no passado. jan. determinando o fechamento do cemitério no dia 27 de janeiro de 1732. no fundo incrédulos. entre eles a faculdade de ler pensamentos e a insensibilidade à dor. 1868. um artigo publicado em Monde Illustré.pobres socorridos pelo piedoso diácono.. favoreciam o contágio coletivo no seio dos que eram simpáticos a tais ideias. os dos comedores de vidro e de serpentes. Os convulsionários davam-se a histerias. a faculdade de ler o pensamento. o túmulo do diácono Pâris foi o túmulo do jansenismo. fenômenos esses produzidos pelos integrantes da “companhia Aïssoua” (corpo de balé muçulmano). e depois na sala da arena atlética da rua Le Peletier. em Paris.5 Entre os fenômenos estranhos apresentados pelos Convulsionários de Saint-Médard citam-se: a faculdade de resistir a golpes tão terríveis que os corpos deveriam ficar triturados. sobre os árabes da tribo dos Aïssaouas. submetidos às mais cruéis mortificações corporais. as pessoas que se entregavam a certos tipos de práticas. cujo articulista testemunhou. Bastante numerosas. isto é. de 30/9/1867). estas curas foram atestadas por milhares de testemunhas. Rio de Janeiro: FEB. que se apresentou em Paris. da exaltação religiosa ou do pensamento. Taumaturgo: pessoa a quem se atribui a autoria de milagres. na Argélia. chegando muitos deles a se autoflagelarem em espetáculos públicos. postos em contato com os doentes. Como eram Espíritos de pouca elevação aqueles que concorriam para tais fatos. Graças à 6 KARDEC. que se encontravam na mesma sintonia. espetáculo que também recebeu a cobertura do Moniteur. as pessoas que a eles se entregavam. E estas vítimas [. os males da igreja. em meio aos quais eclodiam. o fim 4 do mundo etc. também. a fazer-lhes sofrer todos os detalhes da Paixão do Cristo. por efeito do magnetismo. Houve curas que pareceram maravilhosas e convulsões que foram consideradas perigosas e ridículas. convulsionários era o nome pelo qual eram conhecidas. A loucura chegou a ponto de realmente crucificarem vítimas infelizes. no teatro do Campo de Marte. Allan. 2006.. são registrados vários casos.. p. em que os adeptos. ed. Além dos convulsionários de Saint-Médard. designadas entre os Convulsionários pelo nome de grande socorro. alguns ricos que ele havia edificado e algumas mulheres que tinha instruído para lá se dirigiam. de 29/7/1867. Mas algumas pessoas julgaram ver o dedo de Deus. Op. um desdobramento extraordinário da inteligência: os mais ignorantes entre eles improvisaram discursos sobre a graça. 136 Reformador • Abril 2009 5 Enfim.. A cura dos doentes se operava pelo simples toque da pedra tumular ou pela poeira que encontravam à sua volta e que tomavam com alguma bebida ou aplicavam sobre as úlceras. que registraram os fatos sem saber a que os atribuir. certos fenômenos. a tudo suportavam sem sentir qualquer dor.) Representante da administração do Cemitério de Saint-Médard. tornando-se mais ligadas a uma seita capaz de produzir tais maravilhas. 37-43. seita religiosa espalhada na África. mencionado no mesmo número da Revista Espírita. a de falar línguas ignoradas ou esquecidas. 2. invigilantes e permissivas.] solicitavam as terríveis torturas. de 19/10/1867.] A insensibilidade física produzida pelo êxtase deu lugar a cenas atrozes. a fim de fazer preces.

é algo deplorável e leva as pessoas. O fanatismo existe em todas as religiões e até fora delas. abrindo brechas ao charlatanismo. é a maior garantia contra o charlatanismo. Ressalvando a questão cultural e outras motivações aqui não abordadas. porque a facilidade com que. sem dúvida. Kardec lembra que o desinteresse absoluto. Entre os adeptos do Espiritismo. encontram-se entusiastas e exaltados. que consiste na exploração da credulidade pública. mas nem por isso devemos tachar todos os fenômenos de fraudulentos pelo simples fato de que alguém abusou das coisas mais respeitáveis. em geral. o observador novato deve. que podem gerar lamentáveis desvirtuamentos. muitas vezes. atrai a presença de Espíritos inferiores. na vã crença de que as leis divinas podem ser revogadas ao seu bel-capricho. os piores propagadores. são. aos espíritas: 92. Abril 2009 • Reformador 137 19 . em 1978. O espírita esclarecido repele esse entusiasmo cego. enfático. a assumirem comportamento mórbido. desperta desconfiança. aceitam tudo. relativamente a esses costumes. circunstância que contribui muito para fomentar desequilíbrios. muitos indivíduos sujeitam-se a ser enganados. De triste lembrança é o episódio ocorrido na Guiana. Quando o homem se conduz com fanatismo e com fins escusos ou fúteis. estarrecendo o mundo. não só nas religiões. como também em todos os segmentos da sociedade. os coadjuvantes desses fenômenos ficaram conhecidos como os “convulsionários da rua Le Peletier”.enorme repercussão. evita ser vítima de ilusões e mistificações. À parte toda a questão da boa-fé. O charlatanismo sempre existiu. por meio de engodos e mentiras. Em busca de solução mágica dos problemas. antes de tudo. e recomenda. inclusive nos meios científicos. quando. inclusive no esporte e na política. creio não haver exagero algum em classificar estas e outras condutas extremistas no rol do fanatismo que. na prática do bem. observa com frieza e calma. e. como em todas as coisas. sem exame. cerca de 900 pessoas suicidaram-se. assim. induzidas por um fanático.

2007. Por fim. de Emmanuel. Jesus foi – de prélio em prélio E de cidade em cidade – Pregando em fuga o Evangelho. Revelando o vir-a-ser Que rege a humana ascensão – Jesus fala em Renascer. item 29. sem preconceito. Francisco C. 9. a nota de Kardec à questão 483 de O livro dos espíritos. Cap. levados ao KARDEC. 23. do bom senso e do equilíbrio. E sob o áureo fulgor Que desce da Eternidade – Jesus convida ao Amor E Kardec. – Kardec esperta a Razão. Rio de Janeiro: FEB. Kardec sofre o combate Dos que rastejam na treva. ed. 2. 2.9 O Espiritismo oferece explicações racionais que retiram de tais eventos a crença no maravilhoso e no milagre. nos circos romanos. 5. em Reencarnação. Allan. suportaram heroicamente as torturas físicas e psicológicas. KARDEC. – Kardec. Levando a todo momento Reconforto à multidão – Jesus vibra o Sentimento. – Kardec. psicografada por Francisco Cândido Xavier.” – JESUS. Cap. 52. 2. Rio de Janeiro: FEB. reimp. Mário Frigéri Vencendo a adversidade. Ao semear as virtudes Do Reino Espiritual – Jesus reclama atitudes. Rio de Janeiro: FEB. mostrando-os como fatos regidos por leis natuXAVIER. – A Chave é Allan Kardec. por exemplo.atender à gravidade do caráter daqueles a quem se dirige. sem convenção. do discernimento e da prática do bem. aprumo mental. ed. 55. Ambos agem com proveito – O Cristo. 20 138 Reformador • Abril 2009 . Ed. 320. 2008. ed. item Charlatanismo. que oferece ensanchas de cultivarmos os bons sentimentos por meio do estudo. p. – Kardec esclarece o povo. FEB. especial. Fonte de consulta: Página “O Mestre e o Apóstolo”. P. p. 10 Ver. Jesus e Kardec “Eu vos enviarei o Consolador e ele vos conduzirá a toda a Verdade. Trazendo conceito novo – Jesus consola os aflitos.10 A fé cega cada vez mais vem cedendo espaço à fé raciocinada. 2008. 8 7 martírio. Allan. 9 rais. No campo sério de estudo Da obra codificada – Kardec e Jesus são tudo À compreensão almejada. que nos preservam da exposição ao ridículo e dos extremismos que nos alheiam da realidade. como. para quem se importa Em abrir da mente o leque – Jesus Cristo é a Porta. In: Opinião espírita. Pelo Espírito Emmanuel. CEC. Desde o primeiro rebate Contra a missão que se eleva.7 Apesar dos aspectos bizarros dos fenômenos relatados. cap. A gênese. eles permitem tirar conclusões interessantes sobre a independência entre o espírito e a matéria. à Caridade. muitas vezes desconhecidas das ciências ordinárias. nos casos da insensibilidade à dor. Há dois mil anos. Na área da Educação. 4. – Kardec. 14. O que é o espiritismo. “porque o brando anestésico das potências divinas lhes balsamizou o coração dorido e dilacerado no tormentoso momento”. especificamente.8 Muitos cristãos. ed. Entre dramas e conflitos.

Rio de Janeiro: FEB. Caminho.) impossível localizar o Cristo na História. nunca se furtam à mescla de sombras. De sua misericórdia partiram os missionários da luz que. reimp. porém. Em sua Presença Divina temos a fonte da verdade positiva. todavia. A vinda do Cristo. Cap. como a do satélite que ilumina as noites terrenas. o Cristo já era o luminoso centro das realizações humanas. Os filósofos e amigos ilustres da Humanidade falaram às criaturas. 8:58. lançados ao movimento da evolução terrestre. o sol que resplandece. a tarefa redentora que lhes competia entre as criaturas. 1. veio abrir caminhos novos e estabelecer a luta salvadora para que os homens reconheçam a condição de eternidade que lhes é própria. ou precedendo os grandes vultos da sabedoria e do amor na História mundial. eu sou. mais ou menos bem. 133. antes que Abraão existisse. 2008. cumpriram. o Tutor Amoroso e Sábio. A localização histórica de Jesus recorda a presença pessoal do Senhor da Vinha. ed.Esf lorando o Evangelho Pelo Espírito Emmanuel Hegemonia de Jesus É “Disse-lhes Jesus: Em verdade. em verdade vos digo que. Antes de Abraão. à maneira de qualquer personalidade humana. A divina revelação de que foi Emissário Excelso e o harmonioso conjun- to de seus exemplos e ensinos falam mais alto que a mensagem instável dos mais elevados filósofos que visitaram o mundo.” (JOÃO. verdade e vida 28. é diversa. Francisco C. os apelos desses embaixadores dignos e esclarecidos são formosos e edificantes. Abril 2009 • Reformador 139 21 . O Enviado de Deus. Fonte: XAVIER. revelando em si uma luz refratada. antecedendo as eternas edificações do Evangelho.

via de regra. descontrole emocional e agressividade. Acompanhando a Revolução Industrial. recentemente. Inicialmente se acreditava que teria surgido em 6000 a. as quais possuem um teor extremamente alto. foram desenvolvidas bebidas destiladas como o uísque (usquebaugh – água da vida). Ele. Seus efeitos podem ser observados em três fases: Na primeira. o hábito de consumir a bebida já está relacionado ao ritmo de vida do indivíduo. a utilização de bebidas alcoólicas pelas sociedades estava muito ligada à prática religiosa.C. num primeiro momento. passa a se soltar.Capa Os efeitos do álcool na sociedade e no Espírito imortal R O B E RTO C A R LO S F O N S E C A 1. torna-se loquaz. aumentando o número de dependentes em álcool. Isto 22 140 Reformador • Abril 2009 . 2. principalmente em relação ao sexo oposto. do árabe al-kuhl (essência) é uma das drogas mais antigas da Humanidade. mas sua principal característica é provocar a depressão. de forma diferenciada. Com a Revolução Industrial. o indivíduo. No início. Efeitos no cérebro Acreditar que o álcool é somente um estimulante é um gran- de engano. as bebidas fermentadas também passaram a conter um grau etílico maior. ao agir diretamente no lobo frontal do cérebro. de substâncias alcoólicas. seus medos e inibições. Na segunda. onde foram encontradas ruínas de uma fábrica de cerveja. demonstrando que o seu consumo é ancestral. geralmente entre 20 e 25 anos. modificando sobremaneira seu comportamento social. pesquisadores descobriram vestígios de uva apodrecida em locais habitados por homens pré-históricos. Ainda hoje. Se era quieto. Introdução O álcool. o álcool serve de símbolo para muitas religiões.. no Egito. sendo muito difícil convencê-lo a parar de ingeri-la. desinibe o indivíduo. O alcoolismo decorre do uso prolongado. Outro sentido para o uso de alcoólicos era a sua utilização tanto como dissipador de preocupações e dor quanto como elemento abortivo. Se tinha comportamento tímido. podem ocorrer falta de coordenação motora. a qual tinha em torno de 5% de teor alcoólico. perde seu senso moral. gerando inúmeros malefícios ao corpo humano. passando a se comportar conforme pendores íntimos que estavam reprimidos por medo das Leis do Estado e pelos costumes vigentes no grupo social em que se relaciona. pois acreditava-se que elas facilitavam o contato com os deuses. Porém. descontrole dos reflexos. Nesta fase.

A dependência Denomina-se alcoolismo a dependência à bebida alcoólica. percebem que não conseguiram ficar sem a bebida. trai. o alcoolista era discriminado. Num estado mais avançado. descuida-se da sua apresentação. do salário. da vida. com progressiva tolerância à intoxicação produzida pela droga e desenvolvimento de sintomas de abstinência. Este sentimento de fracasso é agente impulsionador do comportamento suicida. náuseas e vômitos. possui inúmeras doenças atreladas ao seu uso abusivo. pois a depressão alcoólica pode levar ao suicídio. tornando-o uma droga acessível a qualquer grupo social. ela se caracteriza como delirium tremens. e está entranhado em quase todas as ocasiões em que um grupo humano se reúne. coma etc. sono. Mas. o homem não se dá conta de que o álcool é um dos maiores males que existem na face da Terra. condição em que o indivíduo reclama de tudo e de todos. Os sintomas mais comuns no caso de uma crise de abstinência são sudorese. insônia. A terceira é caracterizada pela depressão. aos poucos. Ocorrem também problemas digestivos como: vômitos. a fim de que jamais ocorra novamente o consumo. 4. o que existe é um tratamento ininterrupto. seduz. Muitos pais de família. como se fosse impossível conversar. que faz de tudo para ter satisfeita a sua vontade de beber: mente. É agente impulsionador da violência. tomar decisões na vida particular ou em sociedade. quando o consumo é interrompido. chegou-se à conclusão de que o alcoolismo é uma doença. diarreias. visualizada geralmente quando ocorrem atos de violência após o consumo de bebidas alcoólicas. mal-estar geral. colocando a perder todo o tratamento já realizado. e normalmente extravasa suas angústias por meio de lágrimas. sendo tratado como um ser de personalidade fraca. caracterizada pelo consumo compulsivo de álcool. Para esta doença não há cura. Fonte: Palestra realizada pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande – Centro Regional de Estudos. Esta fase é mais perigosa. que fazem uso de alcoólicos. pela perda dos neurônios. O alcoolismo gera deterioração psicológica e física. O indivíduo. alucinações e convulsões. sob risco de retornar todo o prazer em sorver os alcoólicos. dores de cabeça.Capa explica a mudança brusca de comportamento. Recuperação e Prevenção de Dependentes Químicos 3. tem sua capacidade mental reduzida. potencialmente forte e destruidora do caráter do indivíduo. ao retornarem à realidade. rouba. trocar ideias. principalmente em alcoolistas que. ao retornarem ao lar acabam por extravasar seus pendores de violência na esposa e nos filhos. torna-se impontual e tem a concentração nas atividades corriqueiras limitada. aceleração cardíaca. Aliado ao baixo custo de produção. O álcool e a sociedade Impulsionado pelos costumes sociais. cau- sando confusão mental. Inicialmente. e às políticas de governo pouco Abril 2009 • Reformador 141 23 . sem estar com um copo na mão. pela tradição das festas e comemorações múltiplas. com o avanço da Ciência e dos tratamentos.

A maior dificuldade de se combater o uso abusivo de alcoólicos está em ser o álcool uma droga socialmente aceita. ele se torna um verdadeiro destruidor de vidas. que se refletirão na próxima encarnação. 6. vão além dos danos causados ao corpo físico. Após a tempestade.Capa eficazes no combate ao seu consumo indiscriminado. 5. Franco. 24 142 Reformador • Abril 2009 . um dia. 6. psicografia de Divaldo P. Libera toxinas que impregnam o perispírito. Entorpecimento psíquico. 1985. impõe-se aos poucos como necessidade e converte-se em dominação absoluta pela dependência. p. 7. Alerta também que a desencarnação se dá através do suicídio indireto. 9. 49. a morte. O perispírito imprime as lesões nas futuras organizações fisiológicas. é um bebedor social. se de três a quatro vezes. graças à sobrecarga destrutiva que o dependente de álcool depõe sobre o corpo físico. instrumento de trabalho da alma reencarnada. porém todo dependente. Salvador (BA): LEAL. Na fase da dependência. mas se bebe todos os dias. sendo aceito como hábito social. de Miranda no livro Nas Fronteiras da Loucura. Cap. O álcool e o Espírito imortal Joanna de Ângelis nos alerta que o uso de alcoólicos reflete o declínio dos valores espirituais da sociedade. 8. Nem todo bebedor social vai ser um bebedor dependente. FRANCO. A maioria das pessoas tem o seu primeiro contato com o álcool dentro do próprio lar. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. podemos concluir que a intoxicação alcoólica traz os seguintes prejuízos a quem dela se torna dependente: 1. Divaldo P. Viciação alcoólica. amigos e especialistas.1 Os efeitos do consumo desta substância transcendem os umbrais da morte. As lesões do corpo físico refletem-se no corpo espiritual. ed. ele dificilmente sairá sem ajuda. repete-se através do hábito social. que o 1 5. 2. 3. Introduz impurezas amortecendo as vibrações. Esta substância deixa inúmeras marcas no perispírito e na mente do dependente alcoólico. já foi bebedor social. A dependência prossegue depois da morte. é considerado bebedor dependente. Insensibilidade ao tratamento espiritual. é um bebedor excessivo. de carreiras e da sociedade. é preciso solicitar auxílio a parentes. 4. devolve à terra após o desenlace. Considerações Se o indivíduo bebe uma vez por semana. Da análise do texto de Manoel P. Enfatiza que a viciação alcoólica inicia-se pelo aperitivo inocente.

88. questão 110.cebrid.. uma festa ou no próprio lar. infeliz.Capa 8. Bibliografia: Inteligência. a água fluidificada. o alcoolista se transforma em perigoso instrumento dos Espíritos inferiores. grosseiro. Rosa Maria Silvestre. 8. O perispírito plasma no novo corpo físico a predisposição orgânica. de Miranda. onde ele poderá encontrar diversos tratamentos que o conduzirão a uma posição favorável ao não prosseguimento do uso. FEB. Efeitos das drogas. Nas fronteiras da loucura. pois há um Espírito induzindo-o constantemente ao consumo. triste. as preces e os ensinamentos. onde a criatura deve receber as bases do sentimento e do caráter. Apostila. BA: LEAL.epm. Apostila.] a melhor escola [de preparação das almas reencarnadas na Terra] ainda é o lar. <www.. para que estas terapias. Se conheces alguém que faça uso abusivo ou é dependente de álcool. na vida em sociedade. Recuperação e Prevenção de Dependentes Químicos. n. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Neste contexto. que se alimentam dos alcoólicos. Emmanuel nos esclarece que: O viciado ao alimentar o vício dessas entidades que a ele se apegam. Abril 2009 • Reformador 143 25 . “A prevenção de drogas à luz da ciência e da doutrina espírita – Reflexões para jovens e educadores”.senad. Palestra realizada pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande – Centro Regional de Estudos. Segundo o autor espiritual. Secretaria Nacional Antidrogas.2 Se pudéssemos visualizar um ambiente onde se consomem substâncias alcoólicas. para usufruir das mesmas inalações inebriantes. com base no Evangelho de Jesus. e os que se aproveitam da fraqueza do obsidiado. tais como: o passe. Ed. deixando o viciado enfermiço. Prevenção ao uso indevido de drogas: Curso de Capacitação para Conselheiros Municipais. 11. consigam auxiliá-lo em sua recuperação. sem o domínio da consciência dos seus verdadeiros desejos. tenha em seu lar a visualização de um local de aprendizado para a vivência no mundo exterior. 1982. o qual somente desta forma consegue ter sua vontade saciada.br>. em conjunto. p. [. Salvador. oferece-lhe ajuda através da Casa Espírita. preso à vontade de entidades inferiores. ano 22. Pelo Espírito Manoel P. pois alimenta a si mesmo e a dois tipos de entidades que o obsidiam: os viciados. “Drogas”. e que o tratamento ambulatorial jamais deve ser interrompido. sessão. Como se manter longe das drogas? Cultive um bom ambiente familiar. SANTOS. Cap. Lembrando sempre que é imprescindível o acompanhamento médico. Qual o tamanho da sua? Revista Superinteressante.gov. seja um bar. estaríamos a observar diversas entidades espirituais viciadas em álcool a sorverem fluidos alcoólicos que saem das vísceras dos bebedores. 2008. tendo em vista não ser possível ao Espírito desencarnado o consumo direto da substância. Por isso é que muitas vezes a propensão para começar ou continuar a beber é extremamente forte. Ana Luisa Miranda. as reuniões de desob- Idem. ago. VILELLA.br>. coleta em seu prejuízo as impregnações 2 fluídicas maléficas daqueles. Brasília: 2008. encaminhando-o a uma instituição especializada no tratamento de alcoolistas. Sites pesquisados: <www. através de um processo de simbiose em níveis vibratórios. São Paulo: Editora Abril S/A. no livro O Consolador. Segundo Emmanuel.

aumento do metabolismo e fluxo sanguíneo no cérebro. não precisando o corpo de sua presença. vindas do Espírito. mas a ele permanece ligada por meio do perispírito. Ora. o Espírito se lança no espaço e entra em relação mais direta com os outros Espíritos”. afrouxam-se os laços que o prendem ao corpo e. sono é um estado comum a todos os animais vertebrados. não há dúvida: “[. pressão arterial. boas ou más. Contudo. Importa considerar que “[. O sono foi dado ao homem para reparação das forças orgânicas e morais. A hipótese da existência da alma. a atividade do Espírito reage sobre o corpo e pode fatigá-lo”.2 Kardec faz outras considerações..Em dia com o Espiritismo Sono e E m termos biológicos. respiratória e da pressão sanguínea. Exames específicos (atividade elétrica cerebral e muscular. modificações das taxas usuais de alguns hormônios. o qual.. ainda não é cogitada. ativação das funções nervosas autônomas. Enquanto o corpo recupera os elementos que perdeu por efeito da atividade de vigília. o Espírito vai retem- Nesta situação.. igualmente importantes: O corpo repousa durante o sono.3 M A RTA A N T U N E S M O U R A Os estudos acadêmicos e as pesquisas científicas relacionam uma série de possíveis causas que justificariam essas e outras alterações fisiológicas. a explicação espírita é mais viável entre elas.] o Espírito jamais está inativo. mas o Espírito não tem necessidade de repousar. transmite ao veículo somático as impressões.1 144 Reformador • Abril 2009 sonhos atividades que ele desenvolve na outra dimensão. frequência cardíaca e respiratória. da mesma forma que as sacudidelas do balão abalam o poste. conforme a natureza das 26 . do ACTH (adenocorticortrópico). do cortisol e da prolactina. é acompanhado por graus variáveis de inconsciência e de relativa inatividade. como as do HC (hormônio do crescimento). a alma se desprende parcialmente da matéria e goza das suas faculdades de Espírito. manifestado na forma do ciclo sono–vigília que.] o Espírito se acha preso ao corpo qual balão cativo ao poste. por sua vez. então. variações da frequência cardíaca. diminuição na produção da urina.. ocorridas durante o sono. a alma afasta-se do seu corpo físico. reações bioquímicas) indicam que durante o sono ocorrem mudanças fisiológicas significativas: queda da temperatura corporal. Durante o sono. do HL (hormônio luteinizante). no homem. atuando em outro nível de existência. Enquanto os sentidos físicos se acham entorpecidos.

demonstrado por um relaxamento corporal profundo. Durante uma viagem à Alemanha. Alguns neurocientistas defendem a tese de que o sonho seria o trânsito de informações necessárias à manutenção das funções cerebrais e mentais. local de realização de funções complexas como memória. como se dá com o presidiário perverso. em 1619. artistas. A Psicologia ensina que é a forma do inconsciente expressar-se. e no córtex cerebral – camada mais externa do cérebro. designada por REM. cada vez mais profunda. Se conserva instintos maus. sonhos nítidos. há uma transição. conhecidas como não-REM (Rapid Eyes Moviment – Movimentos Oculares Rápidos). É o prisioneiro restituído momentaneamente à liberdade. antes de construí-los. Naquilo que vê. com o nome de Discurso do Método. atenção. Tais conceitos não explicam. durante os quais as ondas cerebrais diminuem de intensidade até atingir um estado de relaxamento profundo.4 O conhecimento atual sobre os mecanismos do sono revelam que este passa por cinco estágios ou fases. contudo. mas abordagens bem fundamentadas. literatos etc. benéfico ou Abril 2009 • Reformador 145 27 . acontece que nem sempre o Espírito aproveita esse momento de liberdade para seu adiantamento. a ocorrência de ideias. consequente de ação no hipotálamo – importante área do cérebro. a pessoa sonha e. algumas específicas. haure ideias que. por exemplo. reguladora de processos metabólicos e autônomos do organismo –. O sonho apresenta cunho místico e premonitório. divulgadas por diferentes escolas. tiveram. geralmente. no que ouve e nos conselhos que lhe dão. base da metodologia científica dos séculos seguintes. A Medicina. Mas. inventores. como as relacionadas à memória. sonhou com o fonógrafo e outros inventos. linguagem. propriamente dito. É o período no qual. consciência. emoções e sensações percebidas durante o sono. ocorre o sono. lógicos e objetivos que muitos cientistas. rica de neurônios. É a volta temporária do exilado à sua verdadeira pátria. entre a vigília e o sono. mais tarde. percepção e pensamento. René Descartes (1596-1650) sonha com um sistema filosófico que desenvolveria. busca a de seus iguais e vai visitar os lugares onde possa dar livre curso às suas inclinações. Na quinta fase. determina que o sonho é uma espécie de imaginação. ligada ao estado de consciência. Admite-se que nas quatro fases. em vez de procurar a companhia de Espíritos bons. O conceito de sonho não apresenta consenso científico.. lhe surgem em estado de intuição. em geral. recorda o que sonhou. Thomas Edison. efetivamente.perar-se entre os outros Espíritos. ao despertar.

Comemorativa do Sesquicentenário. Mas. Manole. A extravagância das imagens do que se passa ou se passou em mundos desconhecidos. Clayton. Allan. cairíeis em contradições e em erros que seriam funestos à vossa fé”. assim como os de Salomão (1Reis. Comemorativa do Sesquicentenário. 2: 19-21 – A volta do Egito. 2:13-14 – A fuga para o Egito. considerado Pai da Psicanálise. Mateus.5 Na verdade. produzindo logro e explorando a boa-fé dos que lhes fazem consultas. tal como acontece com as demais faculdades psíquicas. que o vestiram de roupagem científica. 3. ainda no útero materno.maléfico. Podemos ilustrar com os sonhos proféticos e as interpretações oníricas de Daniel (7:1-28). É preciso cautela. que parecem não ter sentido ou ligação. ed. No Novo Testamento. Dicionário médico en- ciclopédico taber. Q. entre aqueles de que vos lembrais. 5 ______. para a maioria das tradições religiosas. como o demonstram pesquisas científicas recentes. Tais atributos do Espírito são faculdades denominadas emancipação da alma. Entretanto. ______. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. formam esses conjuntos bizarros e confusos. Todos os indivíduos sonham. entremeados de coisas do mundo atual. 3:5-15). 401. É preciso analisar com senso crítico a interpretação dos sonhos que. desenvolver mais ponderação a respeito do significado dos sonhos. a capacidade de sonhar pode ser aperfeiçoada e ampliada. 17. O livro dos espíritos. destaca-se a figura de José.5 Referências: 1 THOMAS. muito ao gosto na população. 2007. Seria algo como uma narração. Os segundos servem de apoio a práticas psiquiátricas e psicoló- gicas. 28. sonhar é inerente à natureza humana. também. ______. em especial com os trabalhos de dois médicos: o austríaco Sigmund Freud (1856-1939). e algumas vezes até a outros mundos. mesmo que não se recordem dos acontecimentos ou dos detalhes. O evangelho segundo o espiri- tismo. Refletindo sobre as orientações que os Espíritos transmitiram sobre o tema. ed. Até os bebês. Os primeiros são utilizados por adivinhos. p. da qual se truncassem frases ou trechos ao acaso: reunidos depois. Tradução de Fernando Gomes do Nascimento. Q. e outro restrito aos estudiosos e à elite intelectual. como pode parecer à primeira vista. Revelam. em geral. pelo Espiritismo. Mateus. algo mais: a atividade da alma nos momentos do sono e a existência de faculdades do Espírito. 412. Ambos os resultados – banalização e cientificação do significado dos sonhos – indicam que o assunto não é tão simples. Daí também a lembrança que traz à memória acontecimentos verificados na precedente existência ou em existências anteriores. 1:18-25 – O nascimento de Jesus Cristo. 1634. Daí uma espécie de clarividência indefinida. que se torna mais independente pela suspensão da vida ativa e de relação. A incoerência dos sonhos ainda se explica pelas lacunas produzidas pela lembrança incompleta daquilo que nos apareceu em sonho. São Paulo: Ed. sem isso. 3. Tra- dução de Evandro Noleto Bezerra. 2007. tomou dois rumos: um banal e supersticioso. Kardec esclarece: “Os sonhos são efeito da emancipação da alma. muitas delas desconhecidas ou ignoradas. 28 146 Reformador • Abril 2009 . O livro dos espíritos. 2008. os fragmentos restantes perderiam qualquer significação racional”. seguindo este conselho dos orientadores da Codificação Espírita: “Procurai distinguir bem essas duas espécies de sonhos. No Velho Testamento. ed. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. item 38. que recebe avisos do anjo Gabriel: Mateus. Cap. pelo exercício e pelo estudo. corriqueira nas Escrituras e nos tempos antigos. 2 KARDEC. 402. que se estende aos lugares mais distantes ou que jamais se viu. Rio de Janeiro: FEB. no meio acadêmico e no religioso. e o psiquiatra suíço Carl Gustav Jung (1875-1961). Rio de Janeiro: FEB. 3 4 ______. sonham. nem sempre bem intencionados. Rio de Janeiro: FEB. 2000. quase todos os profetas possuíam a capacidade de prever acontecimentos por meio dos sonhos. Q. fica evidente que há dois tipos de sonhos: os incoerentes e os coerentes.

é preciso encarar a morte como simples passagem para a verdadeira vida. a generosa guardiã: [. entretanto. aos olhos do preclaro autor espiritual. dedicada seareira a serviço da infância. psicografados por Francisco C.3 Trata-se de uma importante colônia educativa. A evidência da morte torna-se um fato cruel e inexorável. surge como “abençoada e colorida colmeia de amor.] A morte [. Na obra Entre a Terra e o Céu. a facilidade de adiantar-nos. 147 29 . Xavier. mas. sob os meus cuidados. noticiadas pelos próprios Espíritos.. acertadamente: [.Mensagem C errar os olhos dos filhos amados. De um. que nos orientam sobre a contextura dos fatos ocorridos entre os dois mundos.] tem o sentimento inato do futuro. Diz. impassível e silencioso.. cuja extensão se mede pelo nosso grau de adiantamento. e nos cabe conhecer as condições e vivências encontradas no plano invisível. no capítulo II. Haverá algo mais desalentador do que a ideia da destruição absoluta dos filhos que criamos com tanto desvelo? Esta e outras indagações surgem no momento derradeiro. de O Céu e o Inferno. elucida. o que constitui o nosso verdadeiro “eu”. harmonioso casario”. na imortalidade do Espírito! Allan Kardec. de André Luiz. causando-nos amargas aflições e deixando-nos atônitos diante do doloroso testemunho de vermos partir aqueles que mais amamos. é preciso crer.. incessantemente. dilacera a ternura dos pais. para onde seus entes queridos se dirigem. desafiando a coragem e a fé dos que acreditam na Justiça Divina. O nosso educandário guarda mais de duas mil crianças. de progredir. considera: O homem. temos a possibilidade de fazer o bem ou o mal. sem palavras.. escritor francês. conforme afirma o escritor. como do outro lado. tal como se apresenta em nosso meio. apenas nos torna mais livres. de reformar-nos.. Entretanto. fervoroso divulgador do Espiritismo.] em nada muda a nossa natureza espiritual. permanecem apenas doze.2 Cientes da veracidade desta proposição. após a morte do pequeno corpo. dota-nos de uma liberdade. destaca-se a instituição Lar da Bênção que..] Tenho tarefas variadas aqui e alhures. sou mera servidora. Somos um grande conjunto Abril 2009 • Reformador diz-lhe a intuição que a morte não é a última fase da existência e que aqueles cuja perda lamentamos não estão irremissivelmente perdidos. ao ouvir as explicações de Blandina. que permanecem a indagar.1 Referindo-se ao fenômeno da morte. os nossos caracteres. responsável pela autoria de vários livros. especialmente os que desencarnam ainda crianças.. naquele abençoado refúgio. Léon Denis (1846-1927). criada para ser escola de mães e domicílio das crianças que retornam da esfera carnal.. seja qual for a escala de sua posição social [. consoladora CLARA LILA GONZALEZ DE aos pais ARAÚJO ao se utilizarem dos meios de comunicação de que dispõem. médico desencarnado.

de forma sensível.. desveladas. registra.. citada. de O Livro dos Espíritos. amparado por familiares que lhe precederam na passagem pela sombra do túmulo. aclara-nos sobre a criança. ao desencarnar. oferecendo conhecimentos valiosos sobre as impressões de um menino..de lares [. não prescindem do período de recuperação.5 Os Espíritos que já alcançaram elevada classe evolutiva. isto é.. simplesmente com o objetivo de acordar corações queridos para a aquisição de valores morais. Xavier. como Espírito. não readquire a anterior lucidez. logo após o serviço levado a efeito. as dificuldades vividas pelo Espírito. pois que se vê desembaraçado de seu invólucro corporal. através da mediunidade de Francisco C. Relata o infante: Tanta serenidade infundiu-me confiança. quando mais nenhum laço exista entre ele e o corpo”. Blandina. no livro Mensagem do Pequeno Morto. de posse do seu equilíbrio mental. adquirem o poder de facilmente desprender-se do corpo material. de nome Carlos. os gritos que eu ouvia perturbavam-me o equilíbrio. Na obra de André Luiz. indispensáveis à melhoria dos meninos e meninas que lá aportam. atendidas por mães substitutas. relacionada com o tema. depois de sua morte.4 As crianças. dedica páginas singelas aos mais jovens. Contudo. ao readquirir. Nesses locais. Entretanto. são encaminhadas para as inúmeras unidades infantis existentes no mundo espiritual. senão quando se tenha completamente separado daquele envoltório.] e conosco multidões de meninos encontram abrigo para o desenvolvimento que lhes é necessário [. Por que motivo escutava semelhantes vozes da 30 148 Reformador • Abril 2009 . companheiras abnegadas.. desde os primeiros momentos de seu desenlace do corpo físico e das particularidades ocorridas durante o seu processo de adaptação na Espiritualidade. A resposta à questão 381.. recobrando. compreendendo as razões da desencarnação prematura. a respectiva apresentação que lhes era costumeira. no período inicial de sua chegada à instituição que o acolheu. são ministrados cuidados especiais.] grandes almas que renasceram na Terra por brevíssimo prazo. afirma conhecer [. o seu precedente vigor: “Assim tem que ser. carinhosas e dedicadas ao serviço do bem.]. O Espírito Neio Lúcio. O estimado Benfeitor. sua interlocutora.6 A dor é o grande e abençoado remédio7 e é sempre o elemento amigo e indispensável de que dispomos para o aprendizado de comportamentos morais mais sublimes.

O lenitivo chega por meio das palavras benevolentes do Espírito Sanson. com um hino fúnebre que devemos acolher a morte. 59. em nota de rodapé ou referência bibliográfica. p. mas a estrela radiosa da verdadeira manhã. p. KARDEC. mais facilmente. E. p. cap. arquivando os não publicados. 30. 2008. reimp. Mães. cit. 10 KARDEC. do des- Aos Colaboradores Aos nossos prezados colaboradores solicitamos o obséquio de enviarem suas matérias. 1. ed. que eu sentia anteriormente. 4 5 ______. pois. Rio de Janeiro: FEB. ao ser que parte. 75. mencionar as respectivas fontes (autor. ed. Rio de Janeiro: FEB. régua 15. deve conter: até 30 linhas (1 página). como Léon Denis. 2008. O evangelho segundo o Referências: 1 espiritismo. 10. De forma dulcíssima.______. 2008. Cap. Abril 2009 • Reformador 149 31 . Mensagem do pequeno morto: a 70-71. 3. publicadas em O Evangelho segundo o Espiritismo. O problema do ser. Precisamos adquirir convicção inabalável a respeito dessa realidade e de sua grandeza! O conhecimento da sobrevivência do Espírito é extremamente importante à compreensão de todos os familiares.mamãe. ali. cap. em atitude de resignação. Léon. 9 KARDEC. pois. O céu e o inferno. Rio de Janeiro: FEB. porém. a lembrança que deles guardais os transporta de alegria [. a Redação não se compromete com a publicação de todos. Entre a terra e o céu. editora. Cap.] Vós. Pelo Espírito Neio Lúcio. e que possamos continuar unidos na tarefa de divulgação da Doutrina Espírita.10 (Grifo nosso. para ser devidamente ilustrado. de bolso. 6 XAVIER. até 80 linhas (2 páginas) e até 110 linhas (3 páginas). 10. cap. 10. Rio de Janeiro: FEB. continuam vivos no mundo espiritual. Nas citações.______. 13. 91. ______. 1. p. 183-184. 1. sabeis que a alma vive melhor quando desembaraçada do seu invólucro corpóreo. O livro dos espíritos. Léon.. ed. ed. 2008. Pelo Espírito André Luiz. Tradu- ção de Manuel Justiniano Quintão. Rio de Janeiro: FEB. 2008. de preferência. p. 21. 381. item 1. 5. Q. 2006. dos últimos laços que o acorrentam à Terra. Com a luz divina no coração.. O texto. 1. estão muito perto. item 21.8 O Espírito tem consciência dos pensamentos que se lhe dirigem e nossos esforços devem ser no sentido de transmitir vibrações afetuosas. elevemos a nossa visão imaterial para os novos e mais sublimes horizontes na vida do Infinito. ______. regressaram ao meu corpo. A lei circular. Cap. 2007. P. sabei que vossos filhos bem-amados estão perto de vós. ele nos aconselha: [.]9 para que não se deixem extenuar pelo excessivo sofrimento. Francisco C. ed. Tradução de Guillon Ribeiro. Rio de Janeiro: FEB. fonte Times New Roman. esp. Em face da grande quantidade de artigos recebidos. 213. porque não é o astro da tarde que se ergue cruel. capítulo V. item 21. e sim com um cântico de vida. 2. independentemente de comunicação aos seus autores. 2 DENIS. p. título da obra. 11. p. onde não tinham razão de ser? Imenso mal-estar apoderou-se de mim. p. Agradecemos o apoio e a compreensão de todos. Edição de bolso. para atenuar esses instantes e permitir. tamanho de fonte 12. Op. reimp. edição.) tino e da dor. Todas as dores. Allan. Francisco C. Tradução de Guillon Ribeiro. Nossos filhos.. proclamemos: Não é. P. item 15.. local. Carinho e conforto. justificado. DENIS. Allan. Allan.. soltar-se. eternizando-o. 3 XAVIER. O grande enigma. a missão do século XX. Cap. seus pensamentos vos protegem. espíritas. sim. digitadas no programa Word. seus corpos fluídicos vos envolvem. capítulo e página). 7 8 grande viagem. 2. 147. Rio de Janeiro: FEB. 8. P. 8. 123-124. ex-membro da Sociedade Espírita de Paris.

mas finalizamos. onde aqueles Espíritos reencarnariam para o desempenho de tarefas nas quais também o esperanto entraria como ferramenta de trabalho. abriga Espíritos de crianças de nacionalidades diferentes que para ali vão aprender o esperanto. a particularidade da feliz concepção de Cecília Rocha e Clara Araújo reside no fato de que a Colônia é esperantista. com o facilitar-lhes a comunicação sem os entraves da diversidade linguística. como vemos concebida na obra em foco. ditada por célebre romancista português à médium Yvonne A. na essência. Um dos pontos altos do texto está na ênfase com que as autoras se referem ao idioma como fator de aproximação das crianças do mundo inteiro. assim contribuindo para o estabelecimento da fraternidade universal. Aqui tomamos a liberdade de avançar que tais educandários se situariam em regiões espirituais de diversos países. Mas. como as conhecemos pelas revelações trazidas por eminentes autores desencarnados através de médiuns respeitáveis. A história se desenrola numa Colônia destinada a acolher Espíritos que desencarnaram na idade infantil. psicografada por Francisco Cândido Xavier. A sob a direção da Colônia Maria de Nazaré. Outra particularidade da instituição registrada pela sensibilidade de Cecília Rocha e Clara Araújo é que de lá. em abordagens adequadas ao público infanto-juvenil. semelhante. dirigidas por aquela Universidade. como. pôde informar-se sobre a existência de uma Universidade Esperantista. os Espíritos se encaminham para outros educandários do plano espiritual. sediada em alta esfera do mundo espiritual. expressando a esperança de que essa larga visão dos benefícios do uso do esperanto e da prática do Esperantismo na educação das crianças venha a ter fecunda influência no enriquecimento do conteúdo dos currículos da evangelização infanto-juvenil. nascido da inspirada sensibilidade de Cecília Rocha e Clara Araújo e recentemente publicado pela FEB Temos ali. o que nos autoriza a crer na existência de colônias de diferente natureza. cujas atividades se estendem a outras regiões do mundo invisível. temas do Esperantismo e do Espiritismo harmoniosamente entrelaçados e solidamente embasados em realidades da vida do mundo espiritual. a descrita pelo Espírito Irmão Jacob na obra Voltei. por exemplo. 32 150 Reformador • Abril 2009 . Muito mais poderíamos falar sobre a bela e simples produção de Cecília Rocha e Clara Araújo. a muitas instituições congêneres do além-túmulo. Quem leu Memórias de um Suicida. Pereira. inclusive aquelas destinadas ao acolhimento e tratamento de suicidas. após aprenderem a Língua Internacional Neutra.A FEB e o Esperanto “Uma história do mundo espiritual” A F F O N S O S OA R E S nenhum esperantista-espírita passará despercebido o conteúdo do opúsculo Uma história do mundo espiritual.

desde o seu lançamento em 1947. Em que se encerra a sombra da Ignorância.. aos médiuns Francisco Cândido Xavier (em português) e Luís da Costa Porto Carreiro Neto (em esperanto). Lumo sankta de la Sankta Dio! Disflui1as tute la mistero Sub la forto de l’Evangelio.. Dion bonan dankos. constante da obra Mediuma Poemaro e psicografada em 1/11/1947. pela força Da florescente língua Esperanto. as portas brônzeas do cárcere. Todos os povos verão com clareza. Três edições a antecederam. For mallumo! hela estas /io! Vivon novan nun ricevis vorto De l’eterna Majstro el la forto De la flora lingvo Esperanto. e. na Língua Internacional Neutra. Resta apenas pó. Caem fragorosamente.. kaj grandare Kolekti1os por la nova kanto! Nova Luz Uma nova luz veio à Terra.Reaparece “La Evangelio la 9 Spiritismo” Acaba de ser publicada pela FEB uma edição especial de O Evangelho segundo o Espiritismo. Nun la pordoj bronzaj de l’karcero. Falas brue. Para longe a treva! Tudo se aclara! Ganha vida nova a palavra Do eterno Mestre. em massa.. ditando sonetos. respectivamente. Agradecerão ao bom Deus.. Entenanta ombron de l’Nescio. ocasião em que os Espíritos Cruz e Souza e Abel Gomes saudaram a bela iniciativa. Se reunirão para entoar um novo canto! Abril 2009 • Reformador 151 33 . Restas nur polvero. Luz sagrada do Deus santo! Dissipa-se completamente o mistério Sob a força do Evangelho. com a respectiva versão em prosa. Nova Lumo Nova lumo venis al la Tero.... Reproduzimos abaixo a peça de Abel Gomes. Nun popoloj /iuj vidos klare. Agora.

como a destruição das florestas. Índia. revela que até a metade deste século o Brasil deverá ter 254. ultrapassando a China.1 milhões em 2050”. divulgado na primeira quinzena de novembro de 2008.6 bilhão. este é o problema do crescimento demográfico. o que não pode haver é o controle do crescimento demográfico que venha a ferir as liberdades individuais.19 bilhões. No entanto. in- dissociável da distribuição planetária da riqueza. que passará do atual 1. famílias e indivíduos. o Brasil ainda está longe de chegar ao topo da lista. com tudo isso. De acordo com o mesmo estudo. A Doutrina Espírita não prega a procriação descontrolada ou o sofrimento como meta. da camada de ozônio e da biodiversidade. até 2050 o mundo passará dos atuais 6. de Recife. nações esbanjando conforto e riqueza. mas evidencia os compromissos que o Espírito assume ao encarnar. Aliás. da fome e das epidemias associado ao seu crescimento populacional. A nosso ver. O estudo mostra ainda que o País encerrou o ano de 2008 com 194.74 bilhões de pessoas para 9. onde o necessário para viver é ultrapassado pelo supérfluo em consequência da onda avassaladora do consumismo.População do Brasil Em 2050 ultrapassará 250 milhões Crescimento demográfico – Miséria e desnutrição – Controle da natalidade GERSON SIMÕES MONTEIRO U m estudo do Fundo da Organização das Nações Unidas para a População. um contingente populacional vivendo em plena miséria. As informações foram divulgadas na Internet pelo Jornal do Commercio. a magna questão está na busca de soluções e políticas que promovam o desenvolvimento humano e o esclarecimento às populações. Porém. o primeiro lugar deverá ser ocupado pela Índia.2 milhões de pessoas. Do outro. De um lado.1 milhões de habitantes. o que o colocará na quinta posição entre os maiores do mundo em termos demográficos. Estados Unidos e Indonésia. O conflito se estabelece porque vemos nos países pobres o aumento da miséria. em face da responsabilidade da reprodução. amargando a fome e as doenças decorrentes da desnutrição. na reportagem “Brasil terá população de 254. 34 152 Reformador • Abril 2009 . entre eles o de proporcionar a encarnação de outros seres humanos para a perpetuação da espécie. enquanto os países ricos são responsabilizados por muitos males que ameaçam o futuro do nosso planeta. encabeçada hoje por China.1 bilhão para 1. Em síntese.

utilizando a prática do aborto. em sua obra La Población Mondial 1 enfatiza que. reimp. é compreensível que as autoridades de cada nação estejam cada vez mais preocupadas com o estabelecimento do equilíbrio entre a produção e o consumo.5 bilhões. ao considerar que a vida já começa desde a concepção. Madrid: Alianza Editorial. moradia. 2 KARDEC. usando a inteligência de que é dotada. Allan. p. ou seja. cit. a fim de passar pelas provas necessárias ao seu progresso espiritual. Q. A espécie humana. a de dez bilhões de pessoas no ano de 2050. Q. muitas delas não se detêm no aspecto moral para a solução do controle da natalidade.3 e que sua interrupção se constitui num crime.2 e rejeita-o nos casos de estupro. A Doutrina Espírita só endossa a prática do aborto quando não há outro meio de salvar a vida da gestante. 129. Guillon Ribeiro. ibidem. ao passo que o aumento populacional segue o ritmo de uma progressão geométrica. Malthus preconizou que as populações desapareceriam se não se impusesse um controle à sua multiplicação. No dia 13 de agosto de 1987. embora seja conseguida a estabilização do crescimento populacional. no entanto. em razão do aumento demográfico. Rio de Janeiro: FEB. com relação às políticas governamentais que favorecem o aborto e outras medidas antinaturais. assistência médica etc. 344. 358 e 359. por impedir a volta do Espírito reencarnante à Terra. 91. transporte. Jacques Vallin. Hoje se estima a cifra de 6. A população mundial estimada até 1500. a preocupação dos espíritas é justa. Con1 tudo. elas esbarram em um obstáculo difícil de ser superado: o consumo das riquezas do Planeta aliado à saturação de detritos. mesmo na forma mais otimista. Abril 2009 • Reformador 153 35 . já em 1961 alcançava a casa dos três bilhões.Os que advogam o controle da natalidade. como podemos constatar nos dados a seguir. a produção dos recursos essenciais à sobrevivência do homem cresce em uma progressão aritmética. o maior desafio da Humanidade não será quantos nós seremos no futuro próximo. 3 Op. a uma velocidade que poderá ser insustentável em virtude do crescimento populacional já existente. calçado. o mundo comemorou a casa dos cinco bilhões. baseiam-se na tese defendida em 1798 pelo inglês Thomas Robert Malthus (1766-1834). 1. Diante desse quadro. 1995. O livro dos espíritos. Segundo ele. com o objetivo de evitar o caos social. bem como por razões econômicas ou de má formação dos fetos. Essa posição contra o aborto é alicerçada na sua filosofia espiritualista e reencarnacionista. 26 anos depois. inclusive dos anencéfalos. vem criando formas de produção necessárias à sua manutenção no orbe terrestre. roupa. Neste sentido. Idem. ed. ao escrever Um Ensaio sobre o Princípio da População. que era de 500 milhões de habitantes. Trad. Entretanto. mas sim como haveremos de fazer para vivermos com tanta gente demandando alimento. isto é. 2008.

o vocábulo grego hodos (caminho) traduz a palavra hebraica derek (caminho).Cristianismo Redivivo Caminho para Deus “Eu sou o Caminho.. costumava utilizar em suas citações do Antigo Testamento uma versão grega. A presença do Cristo no Orbe era prova de que o Céu descera à Terra. procedimentos. p. A comunhão da criatura com o Criador tornara-se uma realidade. incluindo os apóstolos. São Paulo: PAULUS. Pelo trabalho infatigável de suas mãos augustas. entregaria o Cristo aos homens a revelação inesquecível acerca da sua pessoa e missão: “Eu sou o Caminho. com vistas à implantação do Reino de Deus no mundo. elaborada no século II a. o meio de atingir o alvo. 14:6. o Mestre reuniu a pequena comunidade dos seus discípulos diletos. Na Septuaginta. conhecida como Septuaginta ou Versão dos Setenta (LXX). 1879. ed. Ninguém vem ao Pai a não ser por mim”. e a Vida. Porém. revelando os ásperos testemunhos que os aguardavam.1 O emissário celeste. a Verdade. 2004.” 1 HAROLD O DUTRA DIAS s vésperas da sua prisão no Getsêmani. A comunidade cristã primitiva. trizes do trabalho apostólico e consolando o coração aflito e temeroso dos seus seguidores. Naquele momento. consubstanciado no seu Evangelho de Amor. No sentido comum. dirige ou marcha. apontando as dire1 À Bíblia de Jerusalém. o estilo e 36 154 Reformador • Abril 2009 . significando “medidas. desde a Antiguidade. a expressão é empregada em sentido figurado. surgira para a Humanidade o luminoso caminho entre o coração humano e o Pai. estabelecia o sublime roteiro. vencendo gigantesco abismo. 3. esse termo indica o lugar no qual se anda.C. João. com desvelado carinho. para revelar e provar a bondade e a misericórdia infinitas de Deus.

ed. agir de acordo com a vontade de Deus. no Antigo Testamento. ou seja. mediante o chamamento ao arrependimento. ou ainda “o modo pelo qual se vive”. e eles próprios instituem as tarefas contra os desvios das criaturas humanas. Todavia. os textos dos Profetas constituem um verdadeiro chamamento ao arrependimento dos maus caminhos (Jeremias. a vida de uma pessoa pode ser qualificada de um modo positivo (Jeremias. 2:3. Rio de Janeiro: FEB. [.. o homem transforma a sua fragilidade em foco de ações contrárias a essa mesma lei. Q. 2:8). no Antigo Testamento. que é o “caminho dos pecadores” (Salmos. efetuando. 25:5. que é a do amor para a comunidade universal. 53:6). a fim de que a Humanidade siga retamente no seu verdadeiro caminho para Deus. Eis o mal. ele apenas segue um caminho que escolheu para si (Jeremias.2 (Grifo nosso. 8:13). à tentação de evitar as admoestações Divinas (Êxodo. confiando em si mesmo. 18:20). 28. Nesse contexto. 8:20) ou de um modo negativo (Jeremias. Se o homem permite que a vontade Divina seja o fator determinante das suas ações. desse modo. pode-se entender a eufo2 XAVIER. Urge recompor os elos sagrados dessa harmonia sublime. pode ser chamada “um caminho” (Salmos. a forma como a vida é conduzida (Êxodo. Eis o resgate. A lei de Deus é chamada “o caminho do Senhor” (Jeremias. 55:7). e também.o modo de realizar algo”. para avaliar o caminho que o homem segue. justo e amigo. 6:16. Mas. 2008. é a vontade de Deus. Por esta razão. A vida como um todo. 1. Francisco C. 135. significa que anda no caminho de Deus. estatutos e ordenanças (1Reis. O consolador. como Jesus e os seus prepostos são seus cooperadores divinos. Caso contrário. Provérbios. Pelo Espírito Emmanuel. 8:58). revelada em seus mandamentos. Malaquias. 32:8. uma intervenção indébita na harmonia divina. hodos (caminho) pode significar os atos ou o comportamento dos homens. 5:4). Isaías. considerando os filhos transviados como incursos em vastas experiências. 7:23-24).) Não é por outra razão que a expressão “andar nos caminhos do Senhor” significa. asseverou o Benfeitor Emmanuel: Se o determinismo divino é o do bem. e os Profetas se esforçam para convencer as pessoas da necessidade de sua observância. mediante o anúncio da vinda do Messias. mais do que em Deus. Provérbios. O ponto de referência. aquele que prepara o caminho para Jesus. Expressando esse ângulo do ensinamento. reimp. Abril 2009 • Reformador 155 37 .. 25:5. Isaías. Assim. quem criou o mal? – O determinismo divino se constitui de uma só lei. ou nos seus aspectos individuais. É nesse sentido que pode ser entendido o trabalho de João Batista como precursor.] O Criador é sempre o pai generoso e sábio. vezes sem conta. Considerando-se as enormes dificuldades encontradas para manter-se fiel aos desígnios divinos. porque Israel sucumbe. focalizam os prejuízos do mal com a força de suas responsabilidades educativas. 1:1). 119:105.

Do cimo do madeiro. trabalhou para as rádios Tupi. em parceria com Paulo Alves Godoy.ria do salmista: “Guardei os caminhos do Senhor” (Salmos. na fundação da Associação Brasileira de Jornalistas e Escritores Espíritas (Abrajee). 29. Retorno à Pátria Espiritual Antonio de Souza Lucena Desencarnou em 26 de janeiro deste ano. p. também. rigorosa observância dos sagrados interesses de Deus. um dos signatários. de modo sem igual no Novo Testamento. ensinando a renúncia por amor ao Reino de Deus. Na hora sombria da cruz. 38 156 . 2008. Foi. Caminho. onde residia. na qual nasceu em 22 de abril de 1922. natural da cidade de Recife (PE). nos últimos instantes de sua presença física entre eles. Dessa via bendita e eterna procedem as sementes da Luz Celestial para os homens [. caminha humilde. Emmanuel. Nacional e Mayrink Veiga. 2008. e do Instituto de Cultura Espírita do Brasil (ICEB). ibidem. 282. coroado de espinhos. Idem. 133.4 Jesus é o nosso caminho permanente para o Divino Amor. enfocando essa nuance do ensino. 21. Pelo Espírito Emmanuel. tomando a cruz da ignomínia sem uma queixa. Rio de Janeiro: FEB. Atuou na formação de várias casas espíritas e. aceitando serenamente os desígnios do Céu. e da Mocidade do Centro Espírita Cristófilo. em 1958. ed. Conceituado repórter fotográfico. verdade e vida. 3 Idem. ed. O discípulo amado registra para a posteridade as suaves exortações do Senhor. 28. Idem. Tornando-se espírita. 1. 25. Cap. doado ao ICEB. revelando à Humanidade o caminho da redenção. Cap. do Museu Espírita (na extinta Liga Espírita do Brasil). da ata de fundação do Lar Fabiano de Cristo. ainda jovem. Emmanuel esclarece o tema: 5 Junto dele seguem. rogamos as bênçãos de Jesus. no Evangelho de João. e gravadoras como a RCA e a CBS. aderentes sinceros ao roteiro santificador.. Pioneiros do Espiritismo. a palavra hodos (caminho) se aplica à pessoa de Jesus. Emmanuel assim se expressa: A vida deveria constituir.132. todos os espíritos de boa vontade. Rio de Janeiro: FEB. Ao seareiro do Consolador. n. relata: A localização histórica de Jesus recorda a presença pessoal do Senhor da Vinha. Cap. veio abrir caminhos novos e estabelecer a luta salvadora para que os homens reconheçam a condição de eternidade que lhes é própria. ainda. Reformador • Abril 2009 4 Fonte: Sei – Serviço Espírita de Informações –. no bairro de Botafogo. 18:21).500 biografias e fotos de trabalhadores espíritas. É por essa razão que vemos o Messias coroando sua obra com o sacrifício extremo.. com Deolindo Amorim e outros confrades. de 7/2/2009. reimp. exemplificava a sua fidelidade a Deus. em seu retorno à Pátria Espiritual. em testemunho sublime do seu inexcedível amor pelos rebeldes tutelados. Pelo Espírito Emmanuel. participou do I Congresso de Mocidades Espíritas do Brasil. esperançosos. Lucena conseguiu reunir um acervo de cerca de 2. por parte de todos nós. em 1948.]5 Não podemos nos esquecer. Mais uma vez. Pão nosso. atual Associação Brasileira dos Divulgadores do Espiritismo (Abrade). O Enviado de Deus. o Tutor Amoroso e Sábio. no Rio de Janeiro (RJ). 2. o confrade Antonio de Souza Lucena. sem qualquer reprovação aos seus algozes. Publicou dois livros: Personagens do Espiritismo (Edições FEESP) e. Nessa linha interpretativa.3 Por fim. deixando-se imolar.

Em lamentável esquecimento das individualidades. muitos não se dão conta disso e tentam constranger. pais autoritários e amigos intransigentes se familiarizassem com as ideias de Voltaire. Inteligente. que abririam oportunidades de instrução para todos os educandos da Terra.. mas defenderei até o último instante teu direito de dizê-la”. alguns agem como se fossem donos do semelhante. Ah! como seria útil se cônjuges ciumentos. Sua produção literária ultrapassa as 30. o ser humano tinha o direito de se expressar e mostrar a todos sua visão da vida. Seus ideais de liberdade e tolerância religiosa mostram a faceta nobre e digna de sua alma. E foi na França de Voltaire. escreveu contos. Para Voltaire. sua eloquência deu-lhe a vitória no embate verbal. A liberdade com respeito. o cavaleiro de Rohan. desde que não ultrapasse os limites do bom senso e não traga prejuízo a outrem. de escolher nossos destinos! Temos o inalienável direito de discordar e o inalienável dever de. porquanto este é um direito que lhe vem da natureza. tais como: Benjamin Franklin. peças de teatro e livros de Filosofia e História. mandou dar-lhe uma surra e prendeu-o novamente na Bastilha. Era ele um genuíno democrata! Atribui-se ao célebre filósofo a seguinte frase: “Não concordo com uma só palavra do que dizes. impor. novelas. foi o personagem mais relevante do renascimento francês.O ícone da liberdade W E L L I N G TO N B A L B O E xuberante escritor.000 páginas. poeta. sua irreverência o colocou várias vezes na prisão. Thomas Jefferson. sublimes. sem sofrer retaliações e constrangimen- tos por pensar de forma oposta. pronunciando frases do tipo: Não faça isso! Não faça aquilo! Não diga isso! Não me contrarie! Faça como eu faço! Pense como eu penso! Abril 2009 • Reformador 157 39 . belas. cartas. novelista. sentindo-se menosprezado. o cavaleiro. Kardec indaga dos mentores que o assistem: A obrigação de respeitar os direitos alheios tira ao homem o de pertencer-se a si mesmo? “De modo algum. va agora nas páginas de O Livro dos Espíritos. transborda- Notável! A liberdade. humilhar. O francês Voltaire (1694-1778). perspicaz. Certa feita. que tanto pregava Voltaire. Versátil.. sagaz. filósofo. seu pensamento livre de preconceitos e alicerçado na liberdade de expressão influenciou decisivamente grandes figuras da Humanidade. Na questão 827. se indispôs com jovem aristocrata. James Madison. contudo. é direito sagrado do ser humano. respeitar! Porém.” Voltaire O também democrata Allan Kardec compilou sem preconceitos aquelas teorias novas. mesmo em pleno século XXI. suas ideias foram de grande importância para a Revolução Francesa de 1789. Temos o inalienável direito de comandar as nossas vidas. mesmo discordando... que o cântico de liberdade ecoou através das vozes esclarecedoras dos Espíritos. Mais que isso.

será que respeitamos os desejos. 827. 40 158 Reformador • Abril 2009 .Hoje. às limitações. eram prisioneiros da ignorância. Trad. Só há o mal onde se ignora o bem. de sentimento e de pensamento do ser humano. E a luz faz-se cada vez mais esplendorosa onde há liberdade às formas de pensar. Inexiste liberdade sem respeito! O respeito jamais se fará através da violência. A violência verbal. somos companheiros de viagem. Manipular. A violência psicológica. 417-422. só há trevas onde se ignora a luz.. ed. que se exprime através da agressão. pobres coitados. Allan. dando-lhe liberdade de expressão. foi produzido justamente à época em que estava preso. Pensemos nisso! Bibliografia: HART. é salutar darmos a eles a liberdade de se comportarem de acordo com seu estágio evolutivo. aos desejos. 2002. ed. p. Ora. este anda lado a lado com a liberdade. com medo até mesmo de se apaixonar por alguém. ricos discriminando pobres. um de seus poemas mais aplaudidos – “Henriade” –. Voltaire era preso e jogado na Bastilha. e a Humanidade não se libertará do jugo da ignorância enquanto houver fortes oprimindo fracos. com o pensamento livre para criar.. todavia. Q. Rio de Janeiro: Difel. A violência econômica. só há o ódio onde se ignora o amor. Em realidade. no entanto. devem ficar apenas nos livros de História. Faltou ao pai respeitar os sentimentos do filho. agarra-se à violência em suas mais tristes formas: A violência física. vivia travado. que se faz através da imposição de teorias e doutrinas que incutem o medo e impedem o livre pensar. produzir. Encarcerados estavam todos aqueles que o prendiam. por mais que os amemos e lhes queiramos bem. as aptidões e damos liberdade àqueles que caminham conosco no cenário do mundo? Será que não tolhemos sua liberdade de expressão? É imperioso que não algememos nossos afetos do coração. Lembro-me de um amigo que tinha enormes dificuldades de exteriorizar seus sentimentos. às individualidades. As cem maiores personalidades da história. A ignorância é um dos grandes cárceres da Humanidade. servindo de parâmetro para que vejamos como éramos e como estamos hoje. que se traduz em exploração de pessoas que trabalham em regime de semiescravidão em troca de ínfimos recursos. não se recorre à prisão como se fazia à época de Voltaire. 5. Espíritos viajores do Universo que aprendem nessa intensa troca de experiências. Antonio Canavarro Pereira. KARDEC. tudo porque quando criança fora por várias vezes admoestado pelo pai por chorar em público ou dar demonstrações públicas de afeto. 2008. Michael H. 91. inteligentes desdenhando obtusos. E por falar em desejos. reimp. o filósofo estava solto.. Rio de Janeiro: FEB. o que fazia o garoto de errado para que o pai lhe chamasse a atenção? Ah! o respeito.. Todas essas facetas tolhem a liberdade de expressão. podar. 1. O livro dos espíritos. tolher. que se materializa na leviandade da intriga.

A ação dessas forças é sutil e elas se instalam com raízes tanto mais profundas quanto maior a importância que lhes dispensemos. Lancemo-nos no combate sem trégua para vencer as imperfeições que ainda nos mantêm cativos da inferioridade moral. a prepotência. (Mateus. O período da vida material é um átimo ante a eternidade da espiritual. a traição. cujo objetivo é o nosso aperfeiçoamento. os gozos materiais e as paixões mundanas se tornem forças impeditivas do nosso progresso. que é a vida na matéria. Por isso. nos transformaremos em “anjos” ou “santos”. viemos aprender no convívio com os irmãos ainda tão imperfeitos quanto nós a suportar-lhes o egoísmo. a falsidade. com elevadas prerrogativas de poder e liberdade. por longo período durante a erraticidade. o orgulho. Cada Espírito. Não permitamos que o lazer. Deveremos dar à nossa vida um sentido superior. Os prazeres materiais são ilusões temporárias que logo se desvanecerão. mas o resultado concreto da semeadura do bem é conquista definitiva e eterna da alma. e o esforço para conquistarmos a vitória após o período da existência material precisa ser feito já! Agora! Conta-se aos milhões o contingente de decepcionados que aportam ao plano espiritual revoltados e arrependidos por não haverem aproveitado a oportunidade da reencarnação otimizando o tempo.Sejamos bons alunos M AU R O P A I VA F O N S E C A A Terra é uma escola de Deus. entendendo que as conquistas originadas do nosso esforço serão patrimônio eterno do Espírito! A importância exagerada que dermos aos atrativos e prazeres da vida material adensará a natureza do nosso perispírito. anestesiando-nos a consciência e o coração. aos interesses da vida material. conforme suas obras”. 16:27. abençoada oportunidade redentora. Procuremos vivê-la com a visão voltada para o progresso do Espírito. sem nos deixarmos contaminar por esses vírus que se constituem em chagas da alma. Não desperdicemos esta dádiva. a indiferença e a ignorância. Isto é o que acontece com a grande maioria dos desencarnados. dificultando-nos a ascensão às esferas espirituais superiores. gravita automaticamente para a situação que lhe seja peculiar. Somente o esforço coroará de êxito nosso período reencarnatório. cedendo à inferioridade. este mestre do nosso progresso e verdugo da nossa inércia. a vaidade. carregando a intensidade de luz que criou para si mesmo ou a treva que conquistou. A situação que nos aguardará na verdadeira vida estará a depender do quanto nos esforcemos para superar as imperfeições e fraquezas que ainda nos prendem à inferioridade moral. onde além dos sofrimentos causados pelas enfermidades. A morte nada mais é que a continuação da vida. constituindo-se em luz que lhe definirá a posição no concerto universal. Não devemos imaginar que. sentenciou o Meigo Nazareno: “A cada um. o ciúme. apenas por termos despido a indumentária física. presos que ficam. ao desencarnar.) Abril 2009 • Reformador 159 41 .

da equipe da Secretaria-Geral do CFN. Coordenadoria Espírita de Borborema e instituições espíritas de Campina Grande. nos dias 18 e 19 de abril.br Ceará: Seminário sobre Centro Espírita A Federação Espírita do Estado do Ceará promoveu.br Paraíba: Movimento de Integração Contando com realização conjunta da Associação Municipal de Campina Grande. Informações: fe_espirita@yahoo. Com o tema “Do outro lado da vida. desenvolvido por Maria Euny Herrera Masotti (FEB). e compreende visita às instituições espíritas do Estado da Bahia a fim de fortalecer os vínculos de fraternidade e união entre estas e a FEEB. em Nazaré da Mata. no dia 1o de março. na USE Municipal de Araçatuba. um curso sobre passe. Indulgência e Perdão) como Métodos Terapêuticos”. ocorreu nos dias 21 a 24 de fevereiro. Bovino. em sua sede.Seara Espírita São Paulo: Eventos sobre o ESDE e Centros Espíritas A União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo promoveu o Curso de Preparação de Monitores e Coordenadores para o ESDE. o 36o Movimento de Integração do Espírita Paraibano.feeb. coordenada pelo secretário-geral da USE-SP. dentro do programa do INTECEPE – Integração dos Centros Espíritas de Pernambuco –. A Caravana é realizada pelas Coordenadorias Regionais e Distritais. da equipe da Secretaria-Geral do CFN.org.feamazonas. No dia 15 de março. na referida cidade. ocorreu o “Encontro Es- 42 160 Reformador • Abril 2009 . Edvaldo Roberto de Oliveira (RJ) e Roberto Lúcio Vieira de Souza (MG). realizou-se na sede da USE Municipal de Bauru reunião de esclarecimentos e preparativos para implantação do Curso “Gestão de Centros Espíritas”.br tadual sobre o Idoso na Casa Espírita” e. um projeto voltado para a união e unificação das instituições espíritas e o fortalecimento do Movimento Espírita na Bahia.com. no SENAI PORTO – Av.br Amazonas: Confraternização das Mocidades No período de 21 a 25 de fevereiro foi promovida a 27a Confraternização das Mocidades Espíritas do Amazonas. houve seminário sobre o tema “Centro Espírita – Finalidades e Atividades”.br Pernambuco: Cursos e Encontros A Federação Espírita Pernambucana realizou nos dias 7 e 8 de março. e participação de Roberto Fuina Versiani e Edmar Cabral Júnior. o evento contou com a participação do expositor Aluisio Almeida (PA). Cuiabá – o Seminário “A Oração e a Trilogia da Caridade (Benevolência. Nos dias 14 e 15 de março.org Mato Grosso: Seminário da AME-MT A Associação Médico-Espírita de Mato Grosso realiza. desenvolveu-se o seminário “Dimensões Espirituais do Centro Espírita”. a vida continua”.org. Paschoal A. Informações: www. Informações: www. com os expositores João Neves (BA).com. Informações: www. com a participação de Marco Leite e Edimilson Nogueira.ame-mt. nos dias 21 e 22 de março. dentro da programação de Reunião Zonal realizada na cidade de Guaiúba.com. a Federação Espírita do Estado da Bahia desenvolveu a Caravana Baiana da Fraternidade. que constituem a estrutura organizacional da Federação Espírita do Estado da Bahia.br Bahia: Caravana da Fraternidade Nos dias 27. com atuação de Célia Maria Rey de Carvalho e Antonio Cesar Perri de Carvalho (FEB). Informações: use@use-sp. 28 e 29 de março. o seminário “Centro Espírita: Finalidades e Atividades”. No dia 15.com.federacaoespiritape. coordenado por Júlia Nezu Oliveira. na Capital. Informações: www. em sua sede.miep. Informações: www. no dia 28 de fevereiro. O evento destina-se a 500 participantes com idade mínima de 15 anos. 15 de Novembro s/n o.