Você está na página 1de 2

SISTEMA ISOLADO

Nossa experiência cotidiana mostra que o equilíbrio térmico é uma tendência natural. Podemos notar isso ao deixarmos um copo de água gelada fora da geladeira. Com o tempo, a água tende a alcançar a temperatura do ambiente. Podemos observar isso também ao misturarmos dois líquidos a temperaturas diferentes. Após algum tempo, a mistura atinge uma temperatura intermediária, não mais variando. Já vimos que a explicação é simples: quando dois ou mais corpos, com temperaturas diferentes, são postos em contato, eles trocam calor entre si, até atingir o equilíbrio térmico. Sistema isolado Chamamos de sistema isolado um conjunto de corpos que não troca calor com o ambiente externo. Desta forma, as únicas trocas de calor possíveis são entre os elementos do sistema. Uma boa aproximação seria um conjunto de objetos colocados dentro de uma caixa de isopor fechada.

PRINCÍPIO DAS TROCAS DE CALOR

Vimos que o calor é uma forma de energia e que, em um sistema isolado, não há trocas de calor com o meio externo. Desta forma, apenas os corpos pertencentes ao sistema trocarão calor entre si. Corpos mais quentes cederão calor e tenderão a se resfriar, enquanto corpos mais frios receberão calor e tenderão a se aquecer. Assim, a quantidade de calor total ganha por alguns corpos só pode ter origem nos corpos que cedem calor. Ou seja:

Q recebido = Qcedido

onde o símbolo Σ representa o somatório das quantidade de calor. Convencionamos que a quantidade de calor associada ao recebimento de calor teria valor algébrico positivo, enquanto quantidades de calor cedidas teriam valor algébrico negativo. Assim, para um sistema termicamente isolado, temos que a soma das quantidades de calor trocadas por todos os corpos vale zero:

Q recebido+Qcedido =0

ou

Q 1+Q 2+Q 3++QN=0

onde N e o número de corpos no sistema.

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

(UFTM) Dona Joana é cozinheira e precisa de água a 80 ºC para sua receita. Como não tem um termômetro, decide misturar água fria, que obtém de seu filtro, a 25 ºC, com água fervente. Só não sabe em que proporção deve fazer a mistura. Resolve, então, pedir ajuda a seu filho, um excelente aluno em física. Após alguns cálculos, em que levou em conta o fato de morarem no litoral, e em que desprezou todas as possíveis perdas de calor, ele orienta sua mãe a misturar um copo de 200 mL de água do filtro com uma quantidade de água fervente, em mL, igual a

a) 800.

b) 750.

c) 625.

d) 600.

e) 550.

Resposta:

Letra E. O somatório dos calores trocados é nulo.

Letra E. O somatório dos calores trocados é nulo. (Puc-RJ) Um cubo de gelo dentro de

(Puc-RJ) Um cubo de gelo dentro de um copo com água resfria o seu conteúdo. Se o cubo tem 10 g e o copo com água tem 200 ml e suas respectivas temperaturas iniciais são 0 °C e 24 °C, quantos cubos de gelo devem ser colocados para baixar a temperatura da água para 20 °C? (Considere que o calor específico da água é c a = 1,0 cal/(g °C), o calor latente de fusão do gelo L = 80 cal/g, e a densidade da água, d = 1 g/ml)

a)

1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

Resposta:

Letra A.

m cubo = 10 g;

L gelo = 80 cal/g;

m ág = 200 g;

T 0 = 24°C;

T = 20°C;

cág = 1 cal/g.°C. Módulo da quantidade calor liberada pela água para o resfriamento desejado:

Q ág = m ág Cág ΔT = 200(1)2024= 800 cal.

Quantidade de calor necessária para fundir um cubo de gelo:

Q cubo=m cubo L gelo =10(80)=800 cal.

Como |Q ág | = Q cubo , concluímos que basta um cubo de gelo para provocar o resfriamento desejado da água.