Você está na página 1de 1
4º FEITU: F EITo para parTIcIpar ! por Tiago Inforzato Pra quem não conseguiu se

4º FEITU:

FEITo para parTIcIpar!

por Tiago Inforzato

Pra quem não conseguiu se fazer presente nos últimos eventos culturais da cidade, seja por infortúnios da vida ou simplesmente preguiça, a UNIPAR – Universidade Paranaense

dá uma nova chance de se entreter com eventos de arte. Durante

a semana que vem (26 a 30 de Outubro) e em Novembro (09 e

10), estarão realizando o 4º FEITU (Festival Intercampi de Talentos Universitários). Composto por 17 apresentações de

música, teatro, dança e coral, o evento promete agradar gregos

e troianos com a variedade de temas e formas de expressão. Os espetáculos são produções de alunos da instituição que fazem parte do PIBIA (Programa Institucional de Bolsas de

Iniciação Artística), e para facilitar a vida de quem quiser se fazer presente, decidi fazer um cronograma com as informações necessárias para não marcar bobeira e não se perder na agenda.

É só recortar e fixar no ímã da geladeira que não tem erro!

Segunda-Feira:

19h30 – ‘Por todo Canto’ ‘50,60, em algum lugar do passado’ [Cia. Unipar

de Dança] 21h00 – ‘O noviço’ [Teatro nos Caminhos da Literatura]

Terça-Feira:

19h30 – ‘O retrato de Dorian Gray’ ‘O Reino Encantado das Águas da Vida’ [Teatro na Uni- versidade] 21h00 – ‘Passion’ [Projeto Dança Unipar].

Quarta-Feira:

19h30 – ‘Um pouquinho do meu Paraná, um pouquinho de todo lugar’ [Projeto Canta Unipar] ‘Metade de Mim é amor’ [Companhia Unipar de

Dança] 21h00 – ‘A Cantora Careca’ [Unipar Companhia de Tea-

tro]

Quinta-Feira:

19h30 – ‘Vivendo na Flauta

‘Canto e Encanto’ [Coral] 21h00 – ‘As Aves’, comédia de Aristófanes [Ação Teatral]

Sexta-Feira:

Doce’ [Grupo Musical]

19h30 – ‘Brasil em Tom Maior’ [Projeto Musical Tom Maior]

‘A2’ [Cia. Unipar de Dança]

21h00 – ‘A casa de Bernalda Alba’ [Grupo de Teatro Priene]

E pra quem achar pouco, já reserve na agenda o dia 09 de

Novembro, quando haverão as apresentações da Arquibanda (banda de pop rock formada por acadêmicos da Unipar) e do Coro Unipar com o espetáculo ‘Coração Nordestino’. No dia seguinte, dia 10, teremos a tão esperada apresentação da peça ‘O Pequeno Príncipe’, encenada pela Companhia Cênica Unipar. Realizado pela a Diretoria Executiva de Gestão da Cultura e Divulgação da Unipar, o FEITU é uma nova chance nos envolver-

mos com cultura e arte sem ter que sair da cidade, portanto não podemos fazer feio. As apresentações terão entrada gratuita e os convites podem ser retirados na Diretoria de Arte e Cultura, com mais informações no telefone 3621-2828, ramal 1404.

A presença de público é importantíssimo para definir a

longevidade e constância desse tipo de projeto, é nosso dever fazê-los funcionar. Inclusive, os universitários tem um estímulo

extra para isso: as apresentações valem horas extracurriculares,

é só pegar o devido comprovante no final das apresentações. Portanto, universitários ou não, não percam.

Portanto, universitários ou não, não percam. 15 Umuarama, domingo, 25 de outubro de 2009 Suspiro roxo:
Portanto, universitários ou não, não percam. 15 Umuarama, domingo, 25 de outubro de 2009 Suspiro roxo:

15

Portanto, universitários ou não, não percam. 15 Umuarama, domingo, 25 de outubro de 2009 Suspiro roxo:

Umuarama, domingo, 25 de outubro de 2009

Suspiro roxo: a lástima da lágrima que não cai

Por Caroline Guimarães Gil

Esta lágrima congelou na

cai Por Caroline Guimarães Gil Esta lágrima congelou na me acarinhava. Ela me enchia de benevolência

me acarinhava. Ela me enchia de benevolência e eu enchia a ela de pretextos para continuar estagnada. Queria realmente então chorar, mas não era pos- sível, caso chorasse com ela ali, iria gerar um trânsito e não havia sinaleiro, nem um guarda para

conter o tumulto. Não era possível

e não gostaria de vê-la como uma

extensão de mim, não gostaria. E nosso clube? Nossas reuniões? Nossas conversas? Somos o que somos porque um dia nos foi dado um corpo para se desintregar como lágrima ao chão, mas de tão saudosistas não fomos capazes de deixá-los

fluir. Eles então passaram a fazer parte da extensão do corpo. Como

o braço, as pernas, assim como o

coração. Se não somos, então o que seremos? Numa noite então, chegou o tempo, ouvia ela mais uma vez suspirando numa cor roxa, e en- tão falou que havia aproximado à ocasião. Eu não olhei no seu rosto, pois não tive entusiasmo e nem essa atrevimento para tanto. Quis

até por certa bisbilhotice saber qual era sua aparência, o quão seu olhar estava triste, se sentia por mim também.

Lentamente ela resvaleceu

como que numa despedida afagando minha casca tênue, e num adeus

que não escutei, ela deslizou sobre minha face, senti um corte intenso sendo feito próximo da boca, parecia-me que ela não queria tanto se abater, estava levando consigo a cólera de não querer ruir, mas me consolando ao mesmo tempo dizendo que era preciso. Foi acuar

E lá fez seu jazigo. Agora, extensão do meu

no meu travesseiro

corpo. Corri pegar uma vela, e naquela noite eu rezei, rezei para que ela pudesse repousar em paz. Ela havia antecipado isso, foi pra me tranqüilizar. Fez do sono sua morte. Ela está só dormindo. Assim como todas as outras lágrimas.

minha face. Está estagnada como

o sangue empedrado no pó. Está

pedindoparaserliberada,masestá

assim: estacionada na bochecha, parecendo que a ocasião parou naquele baque de nostalgia. Se for uma gota eu não sei. Só sei que - como todas as lágrimas - devia desempenhar sua culpabilidade:

sair dos olhos e fazer o que toda lágrima faz. Irei processá-la por lesão moral. Uma lagriminha de nada, com medo de desabar! Mas tenho receio quando ela verdadei-

ramente deixar o meu rosto. Então

permanecemosassim,nessesmes-

mos restos mortais, alimentando- se das mesmas energias. Formamos um clube. Ela suprimindo tudo de próprio que há em mim, e eu extinguindo tudo de impróprio que há nela. Nossa

assembléia tem reuniões diárias,

e as noites foram nomeadas para

debates mais sérios. Quando ela me reprime, peço consentimento para dar um suspiro denso, ela renega de primeira - afinal, uma lágrima! - mas logo sente pena e então sua função se transforma em bálsamo. Noite passada foi ela quem suspirou altiva. Tão alto que acordei com o seu suspiro roxo. Não disse nada, pois não queria incomodá- la, estava tão concentrada no suspiro que me contive. Nunca havia visto antes: uma lágrima que chora. Pensei em abraçá-la, mas era orgulhosa.Meuabraçotambémnãoseriamuitoprotetor.Quandovoltei

a cerrar os olhos, ouvi-a me dizendo em um tom quase inaudível, que

estava cansada de sustentar um semblante como o meu, que agora desejava como nunca manar ao chão. Naquele crepúsculo, então não dormi. No dia seguinte também não. E no outro e no outro. Não nos falamos - muito menos a cumpri- mentei. Seguia minha vida agora vazia, imaginando meu vulto sem uma lágrima. Uma face nasceu para ser tocada, e ela nunca caindo

No dia subseqüente, a lágrima fluiu

Inside

por Ângela Russi

Nessa semana ganhei um CD do Ivan Lins. Um CD antigo, com músicas antigas e conhecidas. Letrasbempoéticas.Muitobonito. Uma, em particular, ficou tocando em minha mente mesmo enquanto eu não a ouvia. Sem querer, me

ouvia cantando assim: ‘Vieste na hora exata, com brilhos de festa e

luas de prata

mas, antes ela não me dizia nada e agora me diz muito. Por quê? Quando gostamos de algo de cara, muitas vezes não entendem- os por que. Pode ser um filme, uma pessoa, uma idéia. Pode acontecer também de todos detestarem algo que a gente ama. Estranho, não é? Pus-me a pensar sobre o as- sunto, adoro pensar sobre tudo, e cheguei a uma conclusão. Aquilo que nos toca mais profundamente consegue esse feito por encontrar dentro de nós a reciprocidade ideal naquele exato momento. Deixe eu me explicar melhor. Um pássaro só pousa se encontra um local que o agrade. Para chocar seus ovos, há de ser um local mais propício ainda e, então, ali faz o seu ninho. Lembrando que os ninhos podem feitos nos lugares mais inusitados. Em Umuarama, por exemplo, há um ninho em um semáforo. Pois é, o local cada pássaro escolhe como quiser ou lhe aprouver. O ninho pode ser feito ou não. Pode também ser desmantelado depois de um tempo. Nosso coração é o ninho. A música, a idéia, o filme, a atração, o outro,

o ninho. A música, a idéia, o filme, a atração, o outro, etc. é o pássaro

etc. é o pássaro que voa e procura onde pousar. Se o ninho combina com o pássaro, união perfeita e aconchego. Se não, ele não caberá no ninho e irá embora. O meu ninho é diferente de outros ninhos. Todos nós temos uma história de vida que faz com que sejamos cheios de particu- laridades. Essas particularidades fazem de cada ser humano um ser único. Aquela música calou fundo em mim porque falou sobre

o que eu precisava ouvir naquele

momento. Por isso eu gostei dela

e tanta gente a quem eu mostrei

não gostou. Ela serviu para mim. Ela coube em meu ninho. Na Bíblia há uma pala- vra que me lembra essa idéia:

“Meus ouvidos ouviram falar de ti,mas, agora meus olhos te viram.”. É isso, nosso coração está sempre à espera do que virá mesmo sem saber o que é, se o acolhemos é porque tem a ver com a gente. Não é tão estranho por mais estranho que pareça. Quando ouço algo assim: “Fulana de tal está com Ciclano, mas eles não têm nada a ver um com o outro,” desconfio. Será que não têm mesmo? Por que a Fulana o escolheu? Por que o Ciclano a aceitou? Carências sendo preenchidas? Quem sabe? Só sei que um é ninho e outro é pássaro, até quando quiserem ser.

“Fernando Pessoa” escreveu assim: “Quando te vi, amei-te muito

antes. Tornei a achar-te quando te encontrei.” Enfim, quem chega

e é recebido já era aguardado. Mesmo que ninguém mais entenda,

mesmo sem ter consciência do porquê. Quem o recebeu tem razões e

o acolhe porque quer. Se será feliz ou não só o tempo poderá dizer. Eu estou muito feliz ouvindo Ivan Lins hoje, apesar de nunca ter prestado atenção em suas músicas no passado.’ Vieste com a cara e a coragem, com malas, viagens prá dentro de mim ’.Que música linda!

www.ilustrado.com.b r Fundador e Presidente: Ilídio Coelho Sobrinho - Editor Responsável: Osmar Nunes da Silva
www.ilustrado.com.b r
Fundador e Presidente: Ilídio Coelho Sobrinho - Editor Responsável: Osmar Nunes da Silva - Ano 36 - Nº 8.645 - Umuarama, domingo, 2 de agosto de 2009 - Preço: R$ 2,50
Av. Tiradentes, 2.680 - CEP 87.505-090 - Umuarama - Pr. - Tel. (44) 3621-2500
Administração e Impressão:
Cielo ouro
voa
e
Tigrão
faz
ganha
mais
hoje
a
estreia
um
na
Terceirona
O
nadador
o Cesar
Cielo
ganhou
é ouro
ontem
O
reinício
do futebol
profissio-
metros
primeiro
brasilei-
nal
em
tem
mais
e Umuarama de
ro
olímpico
nos ele 50 e
um
capítulo,
a
partir
de
hoje,
mundial.
Na
quinta-feira
com
estreia
o do
Tigrão
na
havia
com
o ouro
a 100
ser e campeão o ficado metros.
TerceironadoParanaense.
nos
Jogo
a será
no
Lúcio
Pipino
às
PÁGINA 7
15h15
contra
Pato
Branco.
As
duas
equipes
vivem
apenas
lembranças
dos
velhos
bons
tempos.
PÁGINA 8
driblam obstáculos
Motoristas
andam na contramão
no centro e
Os
obstáculos
e de construídos aumentou o
Prefeitura
Umuara-
para
impedir
acesso
de
Praça
Santos
em
algumas
levando
alguns
moto-
ristas
a
desviarem
pela
No
começo,
à sobre
a ram mas passaram tramão. está Dumont veículos ma pela
elevação,
as
placas
a faixas
O con- fize- eles vias
com
que
os
infratores
Dê um
pulinho
nas
mudassem
o
caminho.
ris-
páginas
dos
classificados
co
de
acidentes
e
Guarda
Municipal
promete
agir
com
rigor.
PÁGINA 9
Os
sem riscos usar
de
o
Tamiflu
Basta alguns minutos na praça para flagrar motoristas como este do Monza saindo pela contramão rumo à rotatória
receita
PÁGINA 6
Amamentar
Governo de
Gianecchini
pode
salvar
autoriza
Bozena
estarão e
1,3
milhão
abertura
em
Umuarama
de
crianças
concursos
Entre
dias
21
deste
mês
cidade
Umuarama
, vai
, a a
PÁGINA 13
PÁGINA 6
peça
a “Doce de
Deleite”
sucesso
e de 23 eles: Toma atores
por
onde
passa,
com
globais
SEGURANÇA
no os
elenco,
entre
e Alessandra
um Maestrini, Reynaldo receber
Gianecchini
lá dá ca.
Bozena,
COLUNA ÍTALO

Leia e assine

o Jornal

Umuarama Ilustrado

3621-2500

’.

Eu já a conhecia,

ca. Bozena, COLUNA ÍTALO Leia e assine o Jornal Umuarama Ilustrado 3621-2500 ’. Eu já a

Interesses relacionados