Você está na página 1de 6

O que será o Brasil – Apontamentos desde a diferença «

http://www.cartapotiguar.com.br/?p=11936

a diferença « http://www.cartapotiguar.com.br/?p=11936 O que será o Brasil – Apontamentos desde a diferença

O que será o Brasil – Apontamentos desde a diferença

29/08/2011 01:32

@CartaPotiguar

Filosofia, Postagens recentes

3 Comentários

0
0

9

ShareShare 3 Share Curtir 54 Por Eduardo Pellejero (Filósofo e professor do Dep. de Filosofia
ShareShare
3
Share
Curtir
54
Por Eduardo Pellejero
(Filósofo e professor do Dep. de Filosofia – UFRN)

“Todos os lugares são no estrangeiro”. Helberto Helder

O que será o Brasil?

Ser argentino, estar chegando de Portugal, falar mal a língua, aprendida noutra parte, não me qualificam da melhor das formas possíveis para responder essa pergunta.

Estrangeiro em terra estrangeira, por outra parte, sou consciente de que, paradoxalmente, essa pergunta me é dirigida a mim com muita mais frequência do que a vocês. A mim, para quem esta terra não é a terra pátria, a mim, para quem esta língua não é a língua materna.

Esse curioso hábito – que não é distintivo do Brasil, mas uma rara constante das comunidades humanas – responde ao desejo de aceder a uma perspectiva exterior, ao ponto de vista do “de-fora”, e eu posso compreendê-lo em certa medida. Não que uma perspectiva exterior possa dizer-nos o que somos, pintar-nos “objetivamente”, ser um espelho; mas acaso uma perspectiva exterior fosse capaz de fazer uma diferença.

Estrangeiros mais ilustres que eu fizeram desse princípio a chave de algumas das interpretações mais extemporâneas, mais heterodoxas do Brasil. Penso em Lévi-Strauss, quem em Tristes trópicos deixou o registro de uma transvaloração instigante das paisagens tantas vezes revisitadas. E penso em Félix Guattari, quem em 1982 atravessou um país mobilizado, deixando como registro, menos uma visão estruturada dos grupos sociais e políticos que emergiam na época, que uma série de questões que ainda incitam a pensar o seu devir.

Não me é dado atingir essas alturas do pensamento, mas acredito compreender o que constitui a potência desses pontos de vista excêntricos. A saber: perante as identificações imaginárias às quais nos encontramos sempre submetidos de alguma forma (o país, a nação, o povo), a perspectiva exterior opera uma desincorporação temporária da nossa subjetividade, isto é, abre uma distância crítica em relação às imagens de consenso nas quais são presas as nossas singularidades, em relação às formas da representação nas quais alienamos as nossas diferenças.

O olhar do outro não tem porque ser o inferno (mesmo não nos prometendo o paraíso). O olhar

do outro é (pode ser) uma brecha em nossas identidades, uma perturbação do regime das representações identitárias próprias dos dispositivos de saber-poder nos quais nos encontramos inscritos. Esse é, no fundo, o segredo da emancipação: não a autonomia, mas uma certa heteronomia, uma certa heterogênese.

Filósofos como Gilles Deleuze e Jacques Rancière disseram as coisas mais interessantes sobre essa anomalia que configura ao mesmo tempo a poética da emancipação e as políticas da escrita (porque é através da escrita, da literatura, que somos capazes de experimentar-nos como não

@CARTAPOTIGUAR

@CARTAPOTIGUAR

CARTA SERVIÇOS

CARTA SERVIÇOS Clique na imagem e confira nossos serv Atuamos nas áreas de Normaliza elaboração de
CARTA SERVIÇOS Clique na imagem e confira nossos serv Atuamos nas áreas de Normaliza elaboração de

Clique na imagem e confira nossos serv Atuamos nas áreas de Normaliza elaboração de pesquisas, tradu transcrição, assessoria em mídia social e Carta Potiguar facilitando sua vida.

ENQUETES

Há quanto tempo você acompanha a Ca Potiguar?

Um ano

Há mais de seis meses

Há cerca de uns quatro a cinco mese

Há mais ou menos dois meses

Há poucas semanas

É a primeira vez que acesso o site

Vote
Vote

Ver resultados

O que será o Brasil – Apontamentos desde a diferença «

http://www.cartapotiguar.com.br/?p=11936

somos, para além do que chegamos a ser). De fato, muito antes de Deleuze e Rancière, Sartre sugeria que é justamente uma perspectiva exterior, excêntrica, o que define a posição própria de qualquer escritor comprometido, engajado, em relação à sociedade para a qual escreve. O escritor – dizia Sartre – chega “de fora aos seus leitores”, os considera “com assombro”, reencontrando por vias travessas o olhar dos excluídos, dos que ocupam as suas margens, dos que, virtualmente, constituem o seu fora. E a tarefa do escritor não é superar a distância que o separa dos seus leitores, mas explorar essa distância de um modo crítico.

E então, aqui estou eu, estranho em território estranho, olhando com assombro esse objeto

elusivo e refratário às definições que é o Brasil. Uma pergunta me foi colocada, e eu não consigo responder, apenas percorrer indefinidamente a distância que me separa de vocês (meu amor, como dizia Paul Valery, é a exploração dessa distância).

Eu e a minha perspectiva exterior. Não é uma questão meramente subjetiva. É uma falha. A falha que habito, pelo menos na medida em que é impossível para mim me identificar completamente com nenhuma imagem do país, do povo ou da cultura. Os países também habitam essas falhas. Os países também podem, sem sair do seu lugar, estar no estrangeiro.

O Brasil é, entre muitas outras coisas, um território, uma terra (para mais vermelha, rubra, em

brasa). Mas o Brasil também se encontra no estrangeiro; quero dizer, se inscreve numa língua, numa história, numa cultura que tem a sua origem, pelo menos em parte, noutro lugar (em

Portugal, na Europa, no Ocidente, e assim). Quero dizer que os países também constituem (ou podem constituir) uma perspectiva exterior, isto é, não uma identidade, mas uma diferença, um diferencial, uma brecha.

Há oitenta anos atrás, na Argentina, numa conferência pronunciada em 1932, que tinha por tema uma questão similar à que é a nossa, Jorge Luis Borges desenvolvia essa ideia. A ideia da exterioridade da perspectiva enquanto chave duma cultura (isto é, não enquanto princípio de identidade, mas enquanto processo de diferenciação).

Comentando a obra de um sociólogo norte-americano do século XIX – Thorstein Veblen – Borges especulava que se os judeus tinham sido capazes de inovar em tantos aspetos da cultura ocidental, se se tinham destacado como escritores, como filósofos ou como artistas, não se devia a uma identidade racial ou religiosa; se devia, antes, a que os judeus, estando ao mesmo tempo dentro e fora dessa cultura, isto é, nunca se assimilando completamente às identificações imaginárias europeias, se encontravam em melhores condições para criticar e recriar essa cultura (em melhores condições que os povos que no imaginário se identificavam totalmente com a cultura europeia). Borges escrevia:

“[os judeus] se destacam na cultura ocidental porque atuam dentro dessa cultura e, ao mesmo tempo, não se sentem ligados a ela por uma devoção especial; «nessa medida – diz Veblen – a um judeu lhe é mais fácil que a um ocidental não judeu inovar na cultura ocidental“.

Borges acreditava que a mesma coisa acontecia com os escritores irlandeses em relação à cultura inglesa. No caso dos escritores irlandeses, qualquer hipótese de preeminência racial ou predestinação divina deve ser imediatamente posta de lado, porque constatamos que muitos desses ilustres irlandeses (Shaw, Berkeley, Swift) eram descendentes de ingleses, eram pessoas que não tinham sangue celta. Porém, para eles foi suficiente sentir-se irlandeses, foi suficiente sentir-se diferentes para inovar na cultura inglesa.

Ora, essa diferença sem identidade, essa distância interior, essa reserva crítica, essa perspectiva exterior é para Borges, antes de mais, aquilo que define a situação dos Sul-Americanos. O que Borges queria dizer é que a cultura dos argentinos, a cultura dos brasileiros, a cultura dos sul-americanos, a nossa cultura, antes de conquistar qualquer identidade, se carateriza por essa situação anômala: somos e não somos parte da história de Ocidente, temos e não temos uma língua própria, formamos e não formamos parte da cultura europeia. Mas justamente em virtude dessa desadecuação, dessa ligação sem devoção, podemos manejar todos os temas da cultura ocidental sem pompa, sem superstições, com uma irreverência que pode ter (e que já teve) consequências afortunadas (e a mesma coisa vale para a língua e para a história).

É nesse sentido, acredito, que devíamos ler a literatura de Guimarães Rosa, de Manoel de Barros

ou de Clarice Lispector. É nesse sentido que devíamos pensar a obra conceitual de Cildo Meireles, o cinema de Glauber Rocha, a música de Chico Buarque. E é também nesse sentido que o jogo em que andamos – a filosofia, a literatura, a história – pode ganhar um valor crítico fundamental, não só para os homens que nos lêem nestes sertões, mas também para os homens que não nos lêem, para os homens de além-mar, para os quais o Brasil é uma incógnita, uma diferença sem identidade, uma falha.

Carta Potiguar no Facebook

Carta Potiguar no Facebook

Curtir
Curtir

Você curte isto.

 

2,179 pessoas curtiram Carta Potiguar.

 
 
 
 
 

Ivanilson

Kelvin

Mateus

Ruama

Jo

 
 
 
 
 

Iza

Mozart

Geraldo

Ch

Dia

 
 
 
 
 

Ubiratan

Felipe

Clara

Victor

Vero

GOOGLE FRIENDS CONNECT

 
Participar deste site
Participar deste site
 

Google Friend Connect

Membros (142)

Mais »

 
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer
deste site   Google Friend Connect Membros (142) Mais »   Já é um membro? Fazer

Já é um membro? Fazer login

 

Digite seu email e receba novidades

Digite seu email e receba novidades Inscrever-se
Digite seu email e receba novidades Inscrever-se
Digite seu email e receba novidades Inscrever-se
Inscrever-se
Inscrever-se

O BOTEQUEIRO

login   Digite seu email e receba novidades Inscrever-se O BOTEQUEIRO TEIA NEURONIAL 2 de 6

TEIA NEURONIAL

O que será o Brasil – Apontamentos desde a diferença «

http://www.cartapotiguar.com.br/?p=11936

Isto que digo não quer ser uma definição: não se trata de um sucedâneo, de um duplo transcendental dessa ideia generalizada do Brasil enquanto mestiçagem ou miscigenação. A perspectiva exterior não é uma posição de identidade, é um princípio de diferenciação. Estar de-fora, ver as coisas desde o exterior não é uma essência, uma imagem, uma origem a recuperar ou um ideal ao qual equiparar-se. Da mesma forma que a solidão, da mesma forma que errância, da mesma forma que o exílio, é uma espécie de destino sem destinação, caminho sem objetivo que corresponde a esse objetivo sem caminho que é o único que vale a pena atingir (Blanchot). É, nesse sentido, o próprio duma existência, não o conteúdo duma essência (logo, a forma duma liberdade).

Becket dizia que somos estúpidos, mas não assim tão estúpidos como para acreditar que alguém possa viajar simplesmente pelo prazer de viajar. Se viajamos, viajamos porque não temos outra saída.

A mim, por exemplo, a diferença que me forçava a sentir o que sentia, a pensar o que pensava, a

fazer o que fazia, não me deixava alternativas, e tive que sair, tive que ir embora, tive que viajar. Sou outro agora. Outro entre outros. De outra maneira. Os países, os povos também fazem suas viagens, mas de forma imóvel. Quando não há mais alternativa, fazem as suas viagens. E essas viagens têm um nome (em realidade têm muitos): a desincorporação.

Quando os países são reduzidos a uma imagem do consenso (como quando se reduz uma sociedade a um número, ou a vários), quando os povos são cooptados às mãos de uma identificação imaginária (como quando se fala do «povo brasileiro», como quando se grita «Viva o povo brasileiro»), quando a gente é marginada, esquecida, negada à conta duma representação maioritária (como quando se nega a ligação histórica duma minoria a uma terra ou o reconhecimento jurídico de uma configuração do desejo), então sempre fica a alternativa da desincorporação, da desujeição, da desindentificação, do devir, da viagem.

Se a escrita, se a filosofia ainda faz algum sentido para nós, é na mediação infinita desse trabalho de (des)subjetivação para além dos dispositivos de captura do saber e do poder.

Pensar o Brasil não é refletir sobre uma identidade, mas fazer uma diferença (sendo o Brasil essa diferença sempre por fazer). Mas, claro, então a pergunta que extemporaneamente me foi dirigida em virtude da minha desadequação muda de signo, e já não diz respeito ao que o Brasil é, ao que o Brasil chegou a ser, mas ao que o Brasil ainda não é, ao que está em vias de devir.

E então eu posso me fazer essa pergunta como vocês, colocar-me junto a vocês essa pergunta

que não tem a forma duma proposição, mas duma tarefa, duma recriação.

O que será o Brasil, a apatria?

0 Curtir
0
Curtir

9

ShareShare
ShareShare

54 pessoas curtiram isso. Seja o primeiro entre seus amigos.

Rating: 5.0/5 (3 votes cast)

Rating: +3 (from 5 votes)

Posts relacionados

3

Share Curtir 54
Share
Curtir
54
#EmdefesadaUER N: eu a defendo, Os supersalários do RN e a Pesquisa eleitoral e seu
#EmdefesadaUER N: eu a defendo, Os supersalários do RN e a Pesquisa eleitoral e seu
#EmdefesadaUER N: eu a defendo, Os supersalários do RN e a Pesquisa eleitoral e seu
#EmdefesadaUER N: eu a defendo, Os supersalários do RN e a Pesquisa eleitoral e seu

#EmdefesadaUER N: eu a defendo,

Os supersalários do RN e a

Pesquisa eleitoral e seu paradoxo:

Nicolelis, Sidarta, amor pelo poder e

mas ela se defende?

subcidadania

Rogério Marinho depende de fortalecimento de Micarla de Sousa

o desprezo pela ciência no RN

de Micarla de Sousa o desprezo pela ciência no RN Blog this! teianeuronial.com ATELIÊ FOTOGRÁFICO

Blog this!

teianeuronial.com

teianeuronial.com

ATELIÊ FOTOGRÁFICO

ATELIÊ FOTOGRÁFICO Ateliê Fotográfico Giovanna e Geórgia Hackradt
ATELIÊ FOTOGRÁFICO Ateliê Fotográfico Giovanna e Geórgia Hackradt

Ateliê Fotográfico Giovanna e Geórgia Hackradt

PÁGINA PESSOAL DE MÁRIO RASE

PÁGINA PESSOAL DE MÁRIO RASE Clique na imagem para conferir obra literá artistica de Mário Rasec,
PÁGINA PESSOAL DE MÁRIO RASE Clique na imagem para conferir obra literá artistica de Mário Rasec,

Clique na imagem para conferir obra literá artistica de Mário Rasec, um dos colunista Carta Potiguar.

CARTA POTIGUAR

CARTA POTIGUAR Clique na imagem e saiba como ajudar a Potiguar sem gastar e sem esforço.

Clique na imagem e saiba como ajudar a Potiguar sem gastar e sem esforço.

COLUNISTAS

COLUNISTAS

O que será o Brasil – Apontamentos desde a diferença «

http://www.cartapotiguar.com.br/?p=11936

Buzz it up

Share on LinkedinBuzz it up Participe no orkut Subscribe to the comments on this post Print for later

Participe no orkutBuzz it up Share on Linkedin Subscribe to the comments on this post Print for later

Subscribe to the comments on this postBuzz it up Share on Linkedin Participe no orkut Print for later Bookmark in Browser Tell

Print for later

Bookmark in Browserorkut Subscribe to the comments on this post Print for later Tell a friend Comentários commentários

Tell a friend

Comentários

commentários

Powered by Facebook Comments

on this post Print for later Bookmark in Browser Tell a friend Comentários commentários Powered by

« Carta Teen: Crônica de uma Maluquez Revisitada pela 22ª vez da “faxina” de Dilma »

O sentido politico

3 COMENTÁRIOS

Alyson Freire 29/08/2011 at 11:54 Muito bom texto! Para muitos brasileiros, intelectuais ou não, o

Alyson Freire

29/08/2011 at 11:54

Muito bom texto!

Para muitos brasileiros, intelectuais ou não, o Brasil é simples de se entender e definir: sociedade miscigenada, marcada pela corrupção e o

Seria um país transparente

demais. É na transparência, na naturalizações de nossas pré-noções que reside o problema

personalismo, cultura de patrimonialismo, pessoas alegres etc

de nossa autoimagem e autocompreensão. Precisamos de alguém e de obras que lancem dúvidas.

Talvez, um olhar estrangeiro nos ajude. Como disse o sociólogo Georg Simmel, o estrangeiro pode ser um potente mediador, pois nele o próximo está remoto e o distante perto.

Rating: 5.0/5 (2 votes cast)

Rating: +2 (from 2 votes)

Sandra 29/08/2011 at 21:50 Bem legal o texto! Parabéns. Rating: 0.0/ 5 (0 votes cast)

Sandra

29/08/2011 at 21:50

Bem legal o texto! Parabéns.

Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Rating: 0 (from 0 votes)

C e c í l i a M a r i n h o 30/08/2011

Cecília Marinho

30/08/2011 at 11:41

Muito bom texto professor. E melhor ainda é aula dele, quem tiver como pagar alguma matéria com Pellejero, não desperdice a oportunidade.

matéria com Pellejero, não desperdice a oportunidade. NUVEM DE TAGS CREATIVE COMMONS Atribuição

NUVEM DE TAGS

CREATIVE COMMONS

CREATIVE COMMONS Atribuição Não-Comercial - Partilha - Mesmos Termos 3.0

Atribuição

Não-Comercial - Partilha

-

Mesmos Termos 3.0

NUVEM DE TAGS CREATIVE COMMONS Atribuição Não-Comercial - Partilha - Mesmos Termos 3.0 4 de 6

O que será o Brasil – Apontamentos desde a diferença «

http://www.cartapotiguar.com.br/?p=11936

Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Rating: 0 (from 0 votes)

DEIXE UM COMENTÁRIO

NAME (REQUIRED):

Eduardo

E-MAIL (REQUIRED):

edupellejero@gmail.com

WEBSITE:

http://www.osfazedores.blogsp

COMENTÁRIO:

(REQUIRED): Eduardo E-MAIL (REQUIRED): edupellejero@gmail.com WEBSITE: http://www.osfazedores.blogsp COMENTÁRIO: comente
comente
comente

CATEGORIAS

META

LINKS

ARQUIVOS

Arte

Log in

"De tudo um pouco" – Ginetta Amorim

September 2011 (101)

Cidade

Entries RSS

ATEA

August 2011 (111)

Ciência

Comments RSS

Blog do Edmilson Lopes

July 2011 (86)

Cinema

WordPress.org

Bule Voador

June 2011 (101)

Cotidiano

Cineclube Natal

May 2011 (76)

Cultura

Embolando Palavras

April 2011 (67)

Destaque

http://blogprogressistasrn.com/

March 2011 (68)

Economia

O botequeiro

February 2011 (96)

Editorial

Papo Closet

January 2011 (89)

Educação

Por um mundo melhor – Bartira Seixas

December 2010 (54)

Esporte

Produtora e selo DoSol

November 2010 (81)

Filosofia

Salada Médica

October 2010 (128)

Fotografia

Substantivo Plural

September 2010 (51)

Geral

Teia Neuronial

August 2010 (18)

Literatura

July 2010 (9)

Mídia

June 2010 (6)

Música

May 2010 (5)

Política

April 2010 (3)

Postagens recentes

March 2010 (9)

Quadrinhos

Saúde

Segurança

Vlog

Copyright 2011 Carta Potiguar. All rights reserved.

Acompanhe Entre em contato

Confira nosso facebook

Acompanhe no feed

Designed by

rights reserved. Acompanhe Entre em contato Confira nosso facebook Acompanhe no feed Designed by 5 de

O que será o Brasil – Apontamentos desde a diferença «

Conheça-nos

Entre na comunidade

RSS

Siga a Carta

Acompanhe nosso Canal!

http://www.cartapotiguar.com.br/?p=11936