Você está na página 1de 6

Escapadinha na Costa Vicentina

Alto da Lua | Serra de Espinhaço de


Cão
Logo à chegada, o perfume da Serra
de Espinhaço de Cão anuncia o peso
da natureza em toda a envolvente do
Alto da Lua. Delimitada pelo mar e pela
serra, esta unidade de turismo rural
convida sobretudo ao repouso nas
redes ou espreguiçadeiras junto à
piscina, com vista para o pinhal, mas
permite, a meia dúzia de quilómetros,
usufruir das mais belas praias da Costa
Vicentina.

O edifício caiado, de dois pisos,


enquadra-se perfeitamente na
paisagem bucólica, apesar das linhas
contemporâneas. Concebido pelo
arquitecto Vítor Mestre, brinca com a luz Contacto: Alto da Lua, Serra do Espinhaço
e as sombras, deixando-nos entrever de Cão, Aljezur. Tel. 96 813 57 88 ou 96 945
aqui e ali, através de janelas e 54 06; www.altodalua.com
Tarifas: Quartos duplos a partir de €70 e
reentrâncias nas paredes, a serra e o apartamentos a partir de €80.
céu. Serviços: Organização de aulas de surf,
passeios de jipe, prática de golfe, pesca,
passeios a cavalo e de bicicleta. Também
serve refeições leves durante o dia e
prepara cestos de piquenique. Os jantares
têm de ser encomendados com
antecedência.
Restaurante O Sítio do Rio (tel. 282 973119.
Preço médio por refeição: €18). Situado a
caminho da praia da Bordeira, o Sítio do Rio
No seu interior encontramos nove privilegia na ementa os sargos, os robalos e
quartos duplos, a sala de televisão, as douradas, acabados de chegar do mar.
uma sala de jogos (com mesa de As espetadas de porco com gengibre, o
bilhar), e a sala de pequenos-almoços. javali à moda da casa e a cabidela de
galinha caseira são também excelentes e
procurados por uma clientela cosmopolita
Os quartos, amplos, são decorados em (serve pratos vegetarianos).
Praia da Bordeira
diferentes tons pastel, com motivos Apesar de ficar próxima da Carrapateira,
marinhos e fotografias de grande esta praia tranquila é designada por Praia da
dimensão alusivas aos diferentes Bordeira, devido à ribeira que desagua no
topo Sul do extenso areal. A falta de infra-
estados do mar. Os do andar de cima estruturas de apoio é compensada pelo
possuem terraço ou varanda com vista silêncio no extenso areal, onde, mesmo em
privilegiada, e os do piso de baixo dão época alta apenas se vislumbram meia
dúzia de surfistas e snowborders.
para jardins mediterrânicos com redes
e cadeiras de verga, onde apetece dormitar ou ficar a ler, tranquilamente,
já que o silêncio será, porventura, a característica mais marcante do Alto
da Lua, onde até os pássaros parecem sussurrar para nos deixar
descansar. A sala, espaçosa, tal como os quartos, está decorada e
mobilada com sofás confortáveis, tapetes e mesas marroquinas, a par de
algumas peças de mobiliário típico da região. No Inverno, uma enorme
lareira aquece o ambiente, enquanto que, no Verão, as janelas de vidro
são abertas para deixar o ar saudável do campo entrar.

Além deste edifício construído nos anos 90, existe ainda uma outra casa
antiga, pensa-se que original do século XVI, onde foram instalados dois
apartamentos – equipados com kitchnette, com capacidade para quatro
pessoas –, uma alternativa confortável para casais que viajem com os
filhos e prefiram cozinhar as suas refeições. Reza a história que esta pequena habitação rural
pertenceu a Pêro Jacques, cruzado ou marinheiro, consoante as versões, a quem foi concedida
a propriedade agora explorada por Miguel Lino, um jovem lisboeta que fugiu do bulício e das
rotinas da cidade.

Ambos os edifícios dão acesso directo ao terraço em tijoleira de Santa Catarina, onde se
encontra a piscina e a esplanada. Daí usufrui-se de uma vista espantosa sobre a Serra de
Espinhaço de Cão e sobre o mar, sendo, por isso, o lugar mais apreciado para tomar o
pequeno-almoço, ou para testar os reconhecidos dotes culinários de D. Vitalina, especialista
em sabores e aromas algarvios.

Quinta Matias | Boliqueime


O Sítio das Casas Costas, onde se encontra a Quinta Matias, situa-se nos arredores de
Boliqueime, pitoresca freguesia de Loulé, encaixada numa encosta, com vista para o mar. Vive-
se ainda da agricultura de sequeiro e regadio nesta região, rasgada por ruas estreitas bordadas
a campinas floridas e casinhas caiadas, sendo por vezes difícil associar este Algarve rural ao
destino de veraneio sobrelotado junto ao mar, a meia dúzia de quilómetros.

A Quinta Matias é testemunha dessa atmosfera bucólica – antiga casa de


lavoura, continua a cultivar e explorar uma extensa horta, um pomar e um
olival, deixando ouvir, ao invés das línguas bárbaras faladas na orla
costeira, os trinados de passaritos Contacto: Quinta Matias, Sítio das Casas
Costas, Alfontes, Boliqueime, Loulé. Tel. 289
madrugadores. A par da actividade 362 255 ou 93 9303874,
agrícola, aluga seis quartos num edifício e-mail terita@clix.pt
adjacente à casa principal, construída Tarifas: Quartos duplos a partir de €45.
Serviços: Organização de passeios
nos anos 20, proporcionando aos pedestres e a cavalo. Sala com TV e CD
hóspedes uma estadia repousante e Player. Serve refeições mediante pedido
lúdica: este é o lugar ideal para prévio.
Restaurante Cantinho da Ribeira (Sítio das
aprender a distinguir um tomateiro de Casas Costas, Alfontes, Boliqueime, Loulé,
uma macieira. Maria Tereza, a tel. 289 366 345). Restaurante regional,
proprietária, não se importará de serve pratos tipicamente algarvios, tais
como xerém, cabrito assado e caça. As
explicar esta e outras maravilhas do sobremesas – doce de abóbora, de alfarroba
mundo rural, até porque faz parte das e de figo – são de comer e chorar por mais.
propostas da Quinta a participação dos Praia Barranco da Bilharó
hóspedes na apanha de frutos – maçãs, Situada entre os Olhos d’Água e a Praia da
Falésia, o areal extenso do Barranco da
laranjas, figos e damascos, Bilharó reserva, como por milagre (e porque
dependendo da época do ano – e de os acessos são péssimos), áreas
completamente desertas, numa das regiões
hortícolas. mais concorridas do Algarve.
É o ideal para fazer grandes caminhadas
À boa maneira de uma casa rústica, os silenciosas em comunhão com a natureza.
quartos, decorados com móveis mexicanos, colchas de algodão e tons
pastel, são amplos e luminosos. Dão para um pátio ajardinado com
alfazema, lírios e jarros, onde se encontram as
piscinas (uma para crianças e outra para adultos), de
onde se obtém uma panorâmica excepcional sobre a serra. Esse mesmo
terraço dá, ainda, acesso a uma área reservada aos hóspedes, equipada
com cozinha, salas de jantar, de televisão, de jogos e de leitura – as duas
últimas instaladas numa mezzanine. Proporcionando um espaço de lazer
e convívio interior autónomo da casa principal, útil não só nas noites
sossegadas do Sítio das Casas Costas, como nos dias mais frescos, em
que apetece a lareira, este edifício permite aos hóspedes preparar as
suas refeições (aproveitando os produtos frescos da horta e pomar), ouvir
música ou ficar à conversa despreocupadamente, uma vez que se
encontra bastante afastado dos quartos. Se quiser experimentar algumas
especialidades regionais sem sair de casa, poderá encomendar o jantar
na Quinta. Galo caseiro, xerém com conquilhas e favas ou ervilhas da horta são alguns dos
pratos mais apreciados, preparados com produtos que não conhecem aditivos químicos.

Não há muito para fazer em Boliqueime além de desfrutar ao máximo do contacto com a
natureza. Maria Tereza ajuda-o a organizar passeios pedestres, de bicicleta e a cavalo pela
serra, mas, se preferir prazeres mais mundanos, poderá sempre dar um salto até às praias de
Vilamoura e Albufeira.

Quinta da Corte | Monchique


As curvas e contra-curvas que nos levam Serra de Monchique acima, em direcção a um
Algarve profundo e impoluto que quase já não existe, embalam-nos lentamente e fazem-nos
entrar numa espécie de dormência profunda enquanto admiramos a paisagem. De repente, ao
guinar o volante ao sabor da estrada, acordamos e despertamos os nossos sentidos para um
vale verdejante, que surge na nossa frente vindo do nada, quase a destoar de toda a
envolvente, tantas vezes arrasada pelo fogo.

Chegámos à Quinta da Contacto: Quinta da Corte, Aldeia da Corte


Corte, um pequeno recanto Grande, Serra de Monchique, 8550-909
cheio de vida, onde Helena e Monchique. Tel. 282 911 290,
e-mail quintadacorte@clix.pt,
José, um jovem casal www.quintadacorte.com
nascido e criado na região, Tarifas: Quartos a partir de €75
puseram de pé o seu sonho. Serviços: Dispõe de canil. Pequenos-
almoços incluídos. Restantes refeições
São eles, mais a sua devem ser encomendadas com
simpatia e simplicidade, a antecedência. Organização de passeios
verdadeira alma deste pedestres pela serra, com possibilidade de
admirar as riquíssimas fauna e flora da
refúgio que se ergue, sem estragar o cenário, no meio de 2,5 região. Os hóspedes podem participar nas
hectares de terreno fértil que se alonga num declive. A lides agrícolas da quinta e tratar dos muitos
riqueza da terra explica-se graças aos socalcos trabalhados animais (ovelhas e galinhas).
Porca Preta Galeria & Restaurante (Estrada
pela força do homem em séculos passados, que, para irrigar Monchique-Alferce, tel. 282 912 384, Preço
as terras, ainda trouxe as águas de uma nascente através de médio por refeição a partir dos €15). Aberto
um túnel – uma espécie de levada algarvia. Neste terreno há sensivelmente dois anos, este espaço,
composto por oito pequenas casas de
tudo pega e o pequeno rebanho de ovelhas criadas pelos aldeia, divide-se em galeria de arte e
proprietários – cada uma com o seu restaurante, onde são servidos os pratos
nome de baptismo, carinhosamente típicos da região serrana. A não perder.
Praias de Lagoa
atribuído logo à nascença – serve como Conheça as praias de Caneiros, Vale de
um autêntico aparador da erva que Centeanes ou da Marinha, a cerca de meia
circunda as várias macieiras, pereiras, hora de carro. Escondidas por falésias e
rochedos a precipitarem-se sobre o mar,
amoreiras, laranjeiras e limoeiros do escondem pedaços de areia. Em alternativa
simpático pomar. pode recorrer aos tratamentos do complexo
termal das Caldas de Monchique
(www.monchiquetermas.com), a minutos da
De resto, é Quinta da Corte.
impressionante o
contraste da paisagem mal se entra na última
curva que dá acesso à Quinta da Corte. O
castanho dos campos queimados transforma-se
repentinamente num verde viçoso, seguramente
influenciado pelo facto de José e Helena também
terem convencido um dos – poucos – vizinhos da
aldeia da Corte, mesmo ali defronte, a também
apostar na irrigação.

Mas regressemos ao refúgio propriamente dito. Com


uma arquitectura simples e de traços
assumidamente contemporâneos que em nada destoam da envolvente, a
Quinta da Corte dispõe de quatro espaçosos quartos com pequenas
varandas a oferecer uma panorâmica digna de registo, uma sala de estar
atravessada por enormes janelões e aquecida nas noites mais frias por
uma lareira e, seguramente o mais importante, o contacto directo com a
natureza.

Apesar de já não vislumbrarmos por aqui aparições do ameaçado lince ibérico ou da águia-de-
bonelli, há muito mais para ver. Por entre raposas, coelhos, perdizes ou javalis, a avifauna é
riquíssima. Nas imediações poderá perder horas a admirar, entre outras tantas variadas
espécies, gaios, chapins, tentilhões, cucos, rouxinóis, melros, corujas e mochos. Longe da
confusão, deixe-se ficar por estas paragens, a ver as horas passar noite fora, até ao despertar
matinal do dono e senhor da capoeira, o garboso Galo Inácio, que anuncia a chegada de mais
um dia de sossego no campo.

Monte Velho | Carrapateira


Com um lápis, traçamos no mapa como ponto de partida São Torpes e marcamos com um “X”
a pacata aldeia da Carrapateira, já por terras do Algarve. Uns quilómetros mais adiante, uma
simples placa em madeira a apontar caminho em direcção ao Monte Velho Nature Resort
convida--nos a abandonar o alcatrão. Somos recebidos por uma simpática comitiva de burricos
lanudos que zurram à medida que nos aproximamos, uma Contacto: Monte Velho Nature Resort,
espécie de hino de boas-vindas que anuncia a chegada ao Estrada de Vila do Bispo, Carrapateira (a 24
campo. km de Aljezur). Tel. 282 973 207.
Tarifas: Preços a partir de €100.
Serviços: Parque infantil, motos 4 e BTT,
Na verdade, mal avistamos passeios de burro, percursos sinalizados
as linhas desta charmosa e para passeios pedestres ou de bicicleta,
tradicional casa de campo jornadas de observação da natureza, cursos
de surf e de windsurf, mergulho, passeios de
caiada de branco, o primeiro veleiro e pesca.
desejo é abandonarmo-nos Sítio do forno (na estrada de terra que liga a
ao baloiçar de uma das praia do Amado à da Bordeira. Tel. 263 558
404). O seu terraço sobre a falésia é, sem
redes dispostas no dúvida, o lugar ideal para um jantar a ver o
apetecível alpendre do mar e a contemplar um pôr-do-sol raiado de
Monte Velho, para aqui vermelho, laranja e amarelo. A especialidade
é, como não poderia deixar de ser, peixe
ficarmos a ouvir, não muito distante, o suave sussurrar do grelhado em carvão.
mar que banha a mágica e quase inexplorada Costa Praia da Murração
Vicentina. À noite, o céu estrelado serve-nos de manto e o O acesso não é dos mais fáceis, mas vale a
pena descobrir esta praia, quase sempre
som do silêncio faz-nos companhia, deserta. Terá de galgar uns bons 15 minutos
transportando-nos para uma outra por entre calhaus e terra batida para lá
dimensão, em que o mundo real fica de chegar, um esforço recompensado mal
avistamos o areal, recortado por rochas e
fora, impedido de entrar neste espaço falésias e banhado por um mar agitado em
onde é reservado o direito de admissão. tons de azul. Sem qualquer sinalização, a
melhor referência de orientação é a
seguinte: ao sair do Monte Velho, volte à
Aqui não há televisões, os cigarros estrada de alcatrão e vire à esquerda no
fumam-se às escondidas e sentido de Vila do Bispo. Uns quilómetros
exclusivamente nos espaços exteriores, mais adiante, após as últimas “ventoinhas”
do Parque Eólico, vire numa estrada de terra
os stresses e as más disposições são batida à sua direita, seguindo em direcção
para esquecer e o dolce far niente ao mar.
passa a regra da casa. É esta a filosofia do Monte Velho, propriedade de
Henrique Balsemão, que fez desta herdade com 54 hectares o seu refúgio
pessoal, encravado entre os vales do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e da Costa
Vicentina. Este típico monte agrícola foi recuperado de raiz, seguindo a
traça original, e conta com sete suites e dois quartos, cada um com
pormenores de decoração distintos, mas todos a oferecer uma atmosfera
leve, rústica e descontraída, em que as cores vivas, que vão do azul-forte
ao amarelo-ocre, e os desenhos murais (de joaninhas a borboletas) dão
um irresistível toque de charme ao ambiente.

Pela manhã, o pequeno-almoço, servido na sala comum ou no terraço,


das 8h30 às 11h00, desperta-nos para um dia passado no meio da
natureza. Mas antes de nos lançarmos à descoberta dos encantos que
esconde a propriedade – que inclui uma pequena represa –, não
resistimos a recarregar baterias com uma fatia de pão de lenha, compotas
caseiras e sumos naturais. Em seguida, podemos aventurar-nos em
busca de praias desertas – que são por aqui fáceis de encontrar, embora de acesso algo difícil
–, percorrer as imediações em passeios pedestres, de burro, de BTT ou Moto 4 para admirar a
vida selvagem, ou simplesmente abandonar-nos aos prazeres do corpo e da mente num dos
três gazibos vindos da Indonésia, onde são levadas a cabo sessões de massagens e de yoga.

Quinta da Cebola Vermelha | Boliqueime


Situada em pleno barrocal algarvio, no concelho de Boliqueime, a Quinta da Cebola Vermelha
é um pequeno refúgio, ideal não só para quem quer fugir da confusão que reina a alguns
quilómetros do local (fica a menos de 15 minutos de carro da marina de Vilamoura), mas
também para os que não pretendem ficar longe do resto do mundo. Estamos, portanto, a uma
distância segura mas não totalmente isolados, num verdadeiro ambiente de campo, protegidos
pela acolhedora atmosfera familiar que a casa do casal holandês Ard e Noor, os proprietários,
oferece.
Contacto: Quinta da Cebola Vermelha,
Erguida a partir das ruínas Campina,
de um edifício centenário, 8100-908 Boliqueime. Tel. 289 363 680,
foram mantidos na Quinta da www.quintadacebolavermelha.com
Preços: de €80 a €95.
Cebola Vermelha os traços Serviços: Pequenos-almoços incluídos.
rústicos, em que o vermelho Almoços ligeiros podem ser tomados na
piscina ou no terraço. Às terças-
ocre das suas paredes -feiras, quintas-feiras e sábados é servido ao
exteriores, rasgadas por jantar um menu fixo composto por três
portadas brancas, pratos, por €25 (reservar antes das 12h00).
emprestam ao conjunto um Casa Loulé,
Paixanito (Estrada de Querença,

estilo diferente de todas as descaracterizadas construções tel. 289 412 775. Preço por refeição a partir
da vizinhança. Uma vez lá dentro, sentimo-nos como que se de €20).
É um dos clássicos da boa restauração
estivéssemos em nossa casa, onde a decoração com um algarvia.
toque muito pessoal e intimista compõe o cenário. Na sala Peixe fresco, petiscos variados e pratos da
principal encontramos confortáveis e volumosos sofás a melhor caça são aqui servidos com especial
requinte.
rodear a lareira para aquecer as noites mais frescas, uma Praia do Garrão
comprida mesa de jantar, onde se pode deliciar com as Mesmo ao lado da badalada praia do Ancão,
criações gastronómicas da autoria de Ard – refira-se que a do Garrão esteve sempre um pouco à
margem do frenesida socialite que acorria –
o proprietário esteve durante longos anos ligado à e acorre – em massa ao areal vizinho. A
restauração tanto na Holanda, como no poucos metros de distância uma da outra, é
Algarve (nos tempos idos da década de evidente a diferença; de um lado sempre
70, o casal rendeu-se aos encantos da cheio de gente e de barcos à beira-mar
atracados e, do outro, espaço de sobra para
região e chegou a ter um restaurante- todos. Vale por isso mesmo.
bar nos Olhos de Água, Albufeira) – e
recantos ideais para leituras demoradas.

Uma nota: aproveite o simpático terraço coberto para


almoços ligeiros, ou até mesmo para românticos
jantares à luz das velas – todas as terças, quintas e
sábados é servido um menu fixo de três pratos, o
qual deve ser reservado com antecedência.
Com seis espaçosos e requintados quartos, equipados com todas as
comodidades para uma estadia de qualidade, esta simpático turismo de
habitação conta com uma envolvente paisagística a que é
Contacto: Casa Vicentina, Monte Novo,
impossível ficar alheio. As habituais alfarrobeiras, oliveiras – Odeceixe, Aljezur.
algumas centenárias –, várias árvores de fruto carregadas de Tel. 282 947 447 ou 91 9253523,
laranjas, limões ou figos e uma fértil horta (onde podemos www.casavicentina.pt
Tarifas: Quartos duplos a partir de €60.
arrancar da terra a óbvia cebola vermelha) ilustram o quadro, Serviços: TV, DVD, Internet ADSL, ginásio
a que se junta a apetecível piscina de água salgada com com aparelhos fitness, parque infantil,
uma soberba vista para o campo aberto que se estende à aluguer de bicicletas e canil. Organiza
passeios nas falésias da Costa Vicentina, de
nossa frente. bicicleta e a cavalo, e aulas de ténis. Serviço
de cafetaria.
Faça, então, companhia às cigarras que cantam lá fora e não Restaurante L-Colesterol (Estrada Nacional
120, Santa Suzana, Aljezur, tel. 282 998
hesite em passear o olhar sem rumo definido e admirar um 147. Preço médio por refeição: €18).
Algarve bem mais calmo do que aquele a que estamos Cozinha mediterrânica, com destaque para a
habituados. Afinal, está no campo, sem horas marcadas e carne – os vegetarianos terão que ficar
pelas saladas, cogumelos recheados ou
com tempo de sobra para gastar. queijo de cabra no forno. A atmosfera é cool,
principalmente no terraço, onde se petiscam
Casa Vicentina | Odeceixe deliciosas tapas ao final da tarde. À noite
funciona como bar.
Fátima Amoroso e José Gomes de Almeida abandonaram Praia de Odeceixe
Frequentada sobretudo pelos amantes dos
Lisboa e mudaram-se no ano passado para a costa algarvia desportos náuticos, Odeceixe desenvolve-se
a fim de concretizarem um desejo antigo – habitarem no dos dois lados da ribeira de Seixe, que faz
fronteira com o Alentejo, proporcionando
banhos salgados e de rio. Na maré baixa,
podem fazer-se longos passeios pelo mar,
pois ao longo de largas dezenas de metros a
água não ultrapassa um metro de
profundidade.
A ribeira que desagua no topo Norte da praia
permite a prática de canoagem e passeios
de barco.
campo, onde o único ruído que descortinassem na noite estrelada fosse o jogo de sedução
estival entre as relas.

Um pretexto mais que válido para que tivessem reconstruído, a partir das
velhas ruínas de uma quinta, situada a apenas 2 km da Praia de
Odeceixe, uma unidade de turismo rural – a Casa Vicentina. Agora, não
obstante o trabalho, confessam, viver “como num sonho”.

A estrutura tipicament e agrícola – casa caiada de um piso, em forma de


“U”, de paredes espessas de adobe e aberturas escassas –, com quartos
espaçosos, cafetaria, sala de convívio independente, piscina biológica e
jardins, foi projectada pelo arquitecto João Fonseca e recebe sobretudo
gente da cidade, ansiosa por momentos de tranquilidade junto das
maravilhosas praias da Costa Vicentina. Os interiores, de tectos
travejados e piso de tijoleira rústica, são rebocados a barro e coloridos
com tintas biológicas, revelando o cuidado do casal na criação de um
espaço saudável e acolhedor.

Decorados por Fátima, os seis quartos da casa reflectem o seu gosto por
materiais naturais, tapeçarias e candeeiros marroquinos e pelos tons de
azul e amarelo (as cores do céu, do mar e do sol, que, na sua opinião,
atraem boas energias) e dispõem de varandas voltadas para o relvado e
para a piscina, esta última inserida num lago de maiores proporções,
colorido por nenúfares (por se situar no Parque Natural da Costa
Vicentina, a piscina é biológica, sendo o “tratamento” e limpeza das águas
efectuado pelas plantas do lago).

Os pequenos-almoços são tomados a qualquer hora


do dia – o relógio é um bem dispensável por estas
bandas – na esplanada junto à piscina, com vista
para a mata defronte, ou na cafetaria inserida num
edifício um pouco afastado dos quartos. É aí que funciona, igualmente, a
sala de jogos e de televisão, onde os hóspedes podem ficar a ouvir
música ou a conversar, sem incomodarem quem prefere dormir cedo.

Quem se perde por um bom livro ou por


uma sesta deverá experimentar a
belíssima surpresa que é o Jardim das
Oliveiras. As árvores milenares
transplantadas da zona do Alqueva
oferecem uma sombra preciosa nas tardes quentes de Verão –
altura em que a preguiça se abate sobre os mortais. Depois,
quando as temperaturas se tornam mais agradáveis,
sugerimos que dê um passeio de bicicleta (disponíveis na
casa), através dos campos em redor, passando pela belíssima praia de Odeceixe para um
mergulho retemperador.

In Rotas e Destinos

Interesses relacionados