Você está na página 1de 26

CCNA 1 Módulo 6

Conceitos Básicos de Ethernet

Antonio Estevão
aestevao@gmail.com

Supervisor de Comunicação de Dados da Telemontrms - Engenharia de Telecomunicações S/A


Esp º Redes de Computadores
Cisco Certificado e Instrutor Cisco Networking Academy

As imagens e conteúdo desta apresentação foram obtidas do material Oficial do Programa


Cisco Networking Academy, apenas para a orientação dos alunos durante as aulas
Conteúdo

• 6. 1 Conceitos Básicos de Ethernet

• 6. 2 Operação da Ethernet

• 6.3 Atividade de Laboratório


6. 1 Conceitos Básicos de Ethernet
6.1.1 Introdução à Ethernet

ALOHAnet foi a primeira rede wireless,


desenvolvida por Normam Abramson.
Criada na Universidade do Hawai, em
1970. Usava a mesma tecnologia que o
rádio-amador.
A forma como a rede resolvia os
problemas de colisão, foi inspiração a Bob
Metcalfe e outros investigadores do Xerox
a desenvolver o método de acesso
Ethernet conhecido como CSMA/CD.
• O sucesso da Ethernet deve-se aos
seguintes fatores:
– Simplicidade e facilidade de
manutenção
– Capacidade de introdução de novas
tecnologias
– Confiabilidade
– Instalação e atualização econômicas
Antonio Estevão de Moraes Neto
6.1.2 Regras de nomenclatura da Ethernet IEEE

A Ethernet não é apenas uma


tecnologia, mas uma família de
tecnologias de redes que incluem :
• Ethernet Legada, Fast Ethernet e
Gigabit Ethernet, velocidades de
10, 100, 1000, ou 10.000 Mbps.
Constantemente o IEEE publica
novos suplemento para o padrão
802.3(X) ou 802.YX
• Sua nomenclatura consiste em:
– (10) Um número indicando o
número de Mbps transmitido.
– BASE - indicando que foi usada a
sinalização banda base
(baseband).
– (T – F) - Uma ou mais letras do
alfabeto, indicando o tipo do meio
físico usado

Antonio Estevão de Moraes Neto


6.1.3 - 1 Ethernet e o modelo OSI

A Ethernet opera em duas áreas do modelo OSI:


• As subcamadas de enlace de dados
contribuem significativamente para a
compatibilidade da tecnologia e a
comunicação entre computadores.
– A camada LLC (Logical Link Control)
– A subcamada MAC trata dos
• A camada 1 da Ethernet envolve as
interfaces entre meios físicos, sinais,
fluxo de bits que se propagam nos
meios físicos, componentes que
colocam sinais nos meios e várias
topologias.

Antonio Estevão de Moraes Neto


Nível de Enlace Padrão IEEE 802

Enlace LLC 802.2 - Logical link contro

MAC

Físico 802.3 802.4 802.5 802.14 802...


CSMA/CD Token Token CATV
(Ethernet) Bus Ring

• LLC - Logical Link Control


• Fornece uma interface para camada superior (rede)
• Multiplexação para o acesso ao meio físico (SAPs)
• Controle de Erro
• Controle de Fluxo
• MAC - Medium Access Control
• Monta dados a serem transmitidos (conforme o endereçamento físico )
• Desmonta os quadros efetuando
• Controle de acesso ao meio físico por disputa e notificação de erro
6.1.4 Nomenclatura

Em uma rede local o endereçamento deve


ser único
• Para isso a Ethernet usa endereços
MAC composto de 48 bits e expressos
como doze dígitos hexadecimais.
– OUI (Organizational Unique Identifier)
3 bytes hexadecimais, administrados
pelo IEEE, para identificar o fabricante
ou o fornecedor.
– NIC (Network Interface Card) -
Os 3 bytes hexadecimais burned
(queimando de fabrica) em uma ROM
ou EPROM na placa LAN.

http://standards.ieee.org/regauth/oui/oui.txt

Antonio Estevão de Moraes Neto


6.1.5-1 Quadros da camada 2

• O nível de enlace é responsável por combinar bits em bytes e bytes em


quadros. Os quadros são usados no nível de enlace para encapsular
pacotes entregues do nível de rede para a transmissão em um método de
acesso à mídia.
• Os quadros devem conter:
– Quais computadores estão se comunicando entre si
– Quando a comunicação entre computadores individuais começa e quando termina
– De quem é a vez de "falar" em uma "conversa" entre computadores
– Providencia um método para a detecção de erros que ocorreram durante a comunicação

Antonio Estevão de Moraes Neto


6.1.5-2 Quadros da camada 2

Há muitos tipos diferentes de quadros descritos por diversos padrões.


• Em um quadro genérico tem seções chamadas de campos e cada campo é
composto de bytes :
– Campo de início de quadro
• (Preâmbulo / Start) dependente do padrão

– Campo de endereço
– Campo de comprimento/tipo
• Comprimento de um quadro em bytes
• Identifica o protocolo a nível de rede
– Campo de dados
• (varia entre 46 a 1500 bytes)
– Campo de seqüência de verificação de quadro
• Verificação de redundância cíclica (CRC)
Antonio Estevão de Moraes Neto
FCS (Frame Check Sequence )

FCS (Frame Check Sequence )


Campo no final do frame
utilizado para o armazenamento
do Cyclic Redundante Check
(CRC)
– checagem baseada em
algoritmo matemáticos para
verificação de frames
corrompidos.
Quando o nó de destino recebe
o quadro, o número FCS é
recalculado e comparado ao
número FCS incluído no quadro.
Se os dois números são
diferentes, conclui-se que há um
erro, o quadro é então
descartado.

Antonio Estevão de Moraes Neto


6.1.6 Estrutura do quadro Ethernet

• Na camada de enlace de dados, a


estrutura do quadro é quase idêntica
para todas as velocidades da
Ethernet, desde 10 Mbps até 10.000
Mbps.
• No entanto, na camada física, quase
todas as versões de Ethernet são
substancialmente diferentes umas
das outras,
• Na versão da Ethernet II
– O Preâmbulo e o SFD (Start) foram
combinados em um único campo
– O Comprimento /Tipo foi
identificado apenas como
Comprimento nas primeiras
versões do IEEE e Tipo na versão
DIX e 802.3 atual

Antonio Estevão de Moraes Neto


6. 2 Operação da Ethernet
6.2.1 Media Access Control (MAC)

Há duas abrangentes categorias de


Controle de Acesso aos Meios:
• Protocolos determinísticos Token Ring
e FDDI.
– Os hosts individuais são organizados
em um anel e um token especial de
dados circula ao redor do anel,
chegando a cada host
seqüencialmente.
– Não ocorrer colisão
• Os protocolos MAC não-
determinísticos
– O CSMA/CD (Carrier Sense Multple
Access / Collision Detection) – a placa
de rede observa se há ausência de
sinal nos meios físicos e começa a
transmitir.
– Ocorrer colisão
Antonio Estevão de Moraes Neto
6.2.2 - 1 Regras MAC e detecção de colisões/backoff

A Ethernet é uma tecnologia de broadcast de meios físicos.


• O método de acesso CSMA/CD usado na Ethernet
executa três funções:
– Transmitir e receber quadros de dados
– Decodificar quadros de dados e verificar se os endereços são
válidos, antes de passá-los às camadas superiores do modelo
OSI
– Detectar erros dentro dos quadros de dados ou na rede

Antonio Estevão de Moraes Neto


6.2.2 - 2 CSMA/CD

• No método de acesso CSMA/CD, os


dispositivos de rede com dados a serem
transmitidos funcionam em modalidade de
"escutar antes de transmitir".
1. Quando um nó deseja enviar dados, ele deve
verificar se os meios da rede estão ocupados.
2. Os dispositivos de rede detectam a ocorrência
de uma colisão pelo aumento da amplitude do
sinal nos meios físicos da rede
3. Se o nó determinar que a rede está ocupada,
o nó aguardará um tempo (algoritmo
backoff) aleatório antes de tentar novamente.
4. Se o nó determinar que os meios físicos da
rede não estão ocupados, o nó começará a
transmitir e a escutar.
5. Depois de completar a transmissão dos
dados, o dispositivo retornará ao modo de
escuta.

Antonio Estevão de Moraes Neto


6.2.3 Temporização Ethernet atraso

• Em rede operando a Half-duplex Se


o cabo estiver silencioso, a estação
começará imediatamente a
transmitir
– Como o sinal elétrico demora um
pouco para trafegar pelo cabo
(atraso) e cada repetidor
subseqüente introduz um pouco de
latência no encaminhamento do
quadro de uma porta até a próxima.
– Devido ao atraso e à latência, é
possível que mais de uma estação
comece a transmissão no mesmo,
ou quase no mesmo momento.
– Isso resulta em uma colisão.
• Em rede operando a Full-duplex, as
estações podem enviar e receber
simultaneamente sem ocorrer
problema de colisões
Antonio Estevão de Moraes Neto
6.2.4 Espaçamento entre quadros (Interframe spacing) e backoff

O espaçamento mínimo entre dois


quadros que não colidem é também
conhecido como espaçamento entre
quadros (interframe spacing).
• Intervalo de silêncio para transmitir os
dados, feita desde o último bit do campo
FCS do primeiro quadro até o primeiro bit
do preâmbulo do segundo quadro.
O intervalo de espaçamento tem a
finalidade de permitir que as estações
mais lentas tenham tempo para processar
o quadro anterior e preparar para o
próximo quadro.
• Nas estações na 10-Mbps Ethernet devem
esperar um mínimo de 96 tempos de bit
(9,6 microssegundos) antes que qualquer
estação possa ter permissão para transmitir
o próximo quadro.
Antonio Estevão de Moraes Neto
6.2.5 Tratamento de erros

A condição de erro mais comum em redes


Ethernet é a colisão.
• As colisões representam o mecanismo que
proporciona uma maneira elegante, simples e
econômica dos nós da rede arbitrarem a
competição pelos recursos da rede.
• A colisão tornam-se problemas:
– ocorre em excesso.
– No início do quadro e é tratado pelas
camadas superiores.
– Grande perda de largura de banda.
• As colisões normais têm um
comprimento inferior a 64 octetos e por isso
falham no teste de checksum FCS.
• Assim que uma colisão for detectada, o
emissor emiti um sinal de "bloqueio" de 32
bits (JAM) como a repetição de um e zero
(pequeno Preâmbulo.) e todas as estações
podem detectar a existência de colisão na
rede

Antonio Estevão de Moraes Neto


6.2.7-1 Erros da Ethernet

• Uma colisão simples é uma colisão que


foi detectada enquanto se tentava
transmitir um quadro e logo foi corrigido.
• Colisões múltiplas indicam que o
mesmo quadro colidiu repetidamente
sem ser possível transmitir com êxito.
• Os três tipos de colisão são:
– Local
• detecta no par de recepção no mesmo
instante em que está transmitindo o sinal
– Remota
• observado é o começo de um quadro
incompleto que não terá um total de
verificação FCS adequado e é menor que
64 octetos
– Tardia
• depois dos primeiros 64 octetos de um
quadro, apresentando sobretensão ou
transmissão, ocorre do meio para o final
do quadro
Antonio Estevão de Moraes Neto
6.2.7-2 Erros da Ethernet

Erros de Ethernet:
• Colisão ou "runt": Transmissão simultânea que ocorre antes que tenha decorrido o slot
time.
• Colisão tardia: Transmissão simultânea que ocorre após ter decorrido o slot time.
• Jabber, erros de quadros longos (long frames) e de tamanho (range error):
Transmissão excessivamente longa ou de comprimento proibido
• Quadro pequeno (short frame), fragmento de colisão ou "runt": Transmissão muito
curta
• Erro de FCS: Transmissão corrompida
• Erro de alinhamento: Número insuficiente ou excessivo de bits transmitidos
• Erro de tamanho (range error): O número real e o número relatado de octetos no quadro
não são idênticos
• Fantasma ou jabber: Um preâmbulo anormalmente longo ou evento de bloqueio
6.2.8 (FCS) defeituoso e problema no checksum
calculado

• (FCS) defeituoso, (erro de Checksum


ou erro de CRC), difere da transmissão
original em pelo menos um bit.
• (FCS) OK mas o checksum calculado
pela estação receptora não é igual ao
checksum incluído no final do quadro pela
estação transmissora.
• Uma mensagem que não termina em
um limite de octeto é conhecida como
erro de alinhamento por bits adicionais.
– causado por defeitos no software de drivers
ou por colisões e, freqüentemente
Ema ambos os casos o quadro é, então,
descartado.

Antonio Estevão de Moraes Neto


6.2.9 Autonegociação da Ethernet

• Para permitir a conexão direta entre


as interfaces de 10, 100 e 1000. Foi
elaborado um processo denominado
Autonegociação de velocidades em
half-duplex ou full-duplex.
• Um método de configurar
automaticamente uma dada interface
para coincidir com a velocidade e
capacidade do parceiro interligado
– Cada estação emiti uma série de
sinais NLP (Normal Link Pulse ) em
rajadas constantes e periódicas.
– Após ambas as estações
interpretarem o que a outra parte está
oferecendo, cada uma alterna para a
configuração de desempenho para
estabelecer um link e adequar a
velocidade

Antonio Estevão de Moraes Neto


6.2.10 Estabelecimento de um link, full duplex e half duplex

• Para meios compartilhados, o


modo half-duplex e full-duplex é
obrigatório para a maioria das NIC
• Com o crescimento da Ethernet
de 10 a 100 e até 1000 Mbps,
uma exigência era possibilitar a
interoperabilidade de cada uma
destas tecnologias, a ponto de
permitir a conexão direta entre as
interfaces de 10, 100 e 1000.
• As implementações de 10-Gbps
são especificadas exclusivamente
para full-duplex.

Antonio Estevão de Moraes Neto


Exercício de Laboratório
Obrigado