Você está na página 1de 31
CCNA 1 Módulo 7 Tecnologias Ethernet
CCNA 1 Módulo 7
Tecnologias Ethernet

Antonio Estevão

Supervisor de Comunicação de Dados da Telemontrms - Engenharia de Telecomunicações S/A Esp º Redes de Computadores Cisco Certificado e Instrutor Cisco Networking Academy

As imagens e conteúdo desta apresentação foram obtidas do material Oficial do Programa Cisco Networking Academy, apenas para a orientação dos alunos durante as aulas

Conteúdo Conteúdo
Conteúdo Conteúdo

5. 1 Projeto de uma Rede Local

7. 1 Ethernet 10 Mbps e 100 Mbps

5. 2 Switches de Redes Locais

7. 2 Gigabit Ethernet e 10 Gigabit Ethernet

5.3 Atividade de Laboratório

7. 3 Atividade de Laboratório

7. 1 Ethernet 10 Mbps e 100 Mbps
7. 1 Ethernet 10 Mbps e 100 Mbps
7.1.1 Ethernet 10 Mbps
7.1.1 Ethernet 10 Mbps

Padronizada pelo IEEE (Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos ) como

802.3

Ethernet 10BASE5, 10BASE2 e 10BASE-T são consideradas Ethernet Legadas (Antigas). Características comuns da Ethernet legadas :

(Antigas). Características comuns da Ethernet legadas : – Temporização – Processo de transmissão –

Temporização

Processo de transmissão

Regras básicas de projeto.

Utilizam o mesmo formato de quadro.

Contudo são idêntica até a parte mais baixa

da camada física do modelo OSI.

Já entre a sub camada MAC e à camada física de sinalização, processos adicionais ocorrem antes que os bits sejam transferidos ao Meio físico.

e à camada física de sinalização , processos adicionais ocorrem antes que os bits sejam transferidos
IEEE em relação com o modelo OSI
IEEE em relação com o modelo OSI
IEEE em relação com o modelo OSI
Cabeamento
Cabeamento
Cabeamento
Técnicas de sincronização em nível de bits
Técnicas de sincronização em nível de bits

Para a correta leitura do sinal

digital, o receptor precisa

conhecer a freqüência adotada pelo emissor e amostrar o sinal recebido.

Conhecer o "Tempo de Bit" vai

proporcionar a precisão desta amostragem as transições do sinal 0 e 1 e sincronia da

comunicação.

de Bit" vai proporcionar a precisão desta amostragem as transições do sinal 0 e 1 e
de Bit" vai proporcionar a precisão desta amostragem as transições do sinal 0 e 1 e
Comunicação síncrona e assíncrona
Comunicação síncrona e assíncrona

comunicações síncronas, o emissor e o receptor devem estar num estado de sincronia (relógio) antes da

comunicação iniciar e permanecer em sincronia durante

a transmissão.

comunicação assíncrona é a transmissão de dados ocorre sem um sinal de sincronía (relógio)

As informações recuperar os dados enviados através de codificação dentro dos próprios quadros.

CODIFICAÇÃO DE SINAL ETHERNET
CODIFICAÇÃO DE SINAL ETHERNET

As informações colocadas no cabo são

constituídas de sinais binários

chamados bits.

Objetiva a melhorar o desempenho e reduz erros de transmissão

• Os bits de ethernet são “margens

ativadas”, significando que o nível

lógico não é determinado pela detecção do nível da CC (corrente contínua) do sinal a um determinado momento, mas pela detecção da mudança de estado ou transição real do nível de voltagem da CC.

A Ethernet utiliza codificação Manchester.

Proporciona ao sinal digital um método de alinhamento, ou sincronização.

utiliza codificação Manchester . – Proporciona ao sinal digital um método de alinhamento, ou sincronização.
utiliza codificação Manchester . – Proporciona ao sinal digital um método de alinhamento, ou sincronização.
TAMANHO DO PACOTE
TAMANHO DO PACOTE

A norma IEEE define um pacote de tamanho fixo mínimo e de tamanho fixo máximo.

64 bytes - Mínimo

12 bytes de endereços

2 bytes de tipo

46 bytes de dados

4 bytes de CRC.

1518 bytes Máximo

12 bytes de endereços

2 bytes de tipo

46 bytes de dados

4 bytes de CRC.

1500 bytes dados

46 bytes de dados – 4 bytes de CRC. – 1500 bytes dados • O pacote

O pacote de tamanho fixo tem a finalidade

Fornecer o melhor tempo de resposta na rede

Detecção de colisões

Temporização (Slot time)
Temporização (Slot time)

Para detectar colisões é

necessário que o comprimento

mínimo do quadros seja suficiente para encher de bits todo o comprimento da rede duas vezes (slot time)

Ethernet a 10 Mbps 512 tempos de bit ou 64 octetos.

Ethernet a 1 000 Mbps 4 096 tempos de bit ou 512 octetos.

Caso o quadro seja inferior a um slot time será considerado como pacotes fragmentados.

tempos de bit ou 512 octetos. • Caso o quadro seja inferior a um slot time
tempos de bit ou 512 octetos. • Caso o quadro seja inferior a um slot time
Interframe Gap
Interframe Gap

A fim de manter um pacote Ethernet diferente do próximo pacote, adiciona-se

overhead na forma de um período

quieto” (interframe gap com comprimento de 9,6 µ segundo) compulsório ao final do pacote. Finalidade intervalos entre frames:

Garantir a existência de um período “quieto” específico entre pacotes a fim de permitir a identificação do próximo pacote;

Compensação de atarso por

do próximo pacote ; • Compensação de atarso por componentes eletrônicos da rede. • Entre intervalos
do próximo pacote ; • Compensação de atarso por componentes eletrônicos da rede. • Entre intervalos

componentes eletrônicos da rede.

Entre intervalos emite sinais Erro de Qualidade de Sinal (SQE) para testes nos circuitos de detecção de colisão

do transceiver.

10BASE5
10BASE5

Topologia de um único barramento

de cabo coaxial grosso e pode ser

encontrado em instalações bem antiga

Características:

Transmissão a 10 Mbps

Primeiro meio físico usado pela Ethernet padrão 802.3 original

Pode ter até 500 m (1640,4 pés) de comprimento

Econômicos e não exigem configuração de terminal

usa codificação Manchester

um único ponto de falha.

Meio físico de um único cabo e

funcionamento half-duplex

codificação Manchester – um único ponto de falha. – Meio físico de um único cabo e
codificação Manchester – um único ponto de falha. – Meio físico de um único cabo e
10BASE2
10BASE2

Topologia de fácil instalação devido

ao cabo ser menor, mais leve e mais

flexíve, que 10Base5

Características:

Barata por não necessitar de hubs, porem placas de rede T difíceis de obter

usa codificação Manchester

cabos ligados a conectores BNC a um conector em formato de T na placa de rede

Apenas uma estação pode transmitir

por vez

half-duplex com A taxa máxima de 10 Mbps.

Até 30 estações em qualquer segmento 10BASE2

transmitir por vez – half-duplex com A taxa máxima de 10 Mbps. – Até 30 estações
transmitir por vez – half-duplex com A taxa máxima de 10 Mbps. – Até 30 estações
7.1.4 10BASE-T
7.1.4 10BASE-T

Topologia com cabos de cobre de par trançado, não blindado (UTP), considerado mais barato e mais fácil de instalar que o cabo coaxial

Características:

Topologia estrela ou estrela estendida

Originalmente com protocolo half- duplex, e full-duplex adicionada posteriormente

A partir de 1990 passou a dominar a tecnologia de redes locais.

usa codificação Manchester

Possui condutor sólido para cada fio nos 90 metros (no máximo) de cabo horizontal

– usa codificação Manchester – Possui condutor sólido para cada fio nos 90 metros (no máximo)
– usa codificação Manchester – Possui condutor sólido para cada fio nos 90 metros (no máximo)
7.1.5 Cabeamento e arquitetura do 10BASE-T
7.1.5 Cabeamento e arquitetura do 10BASE-T

O hubs ou repetidor multi-porta

estende o comprimento de um

segmento de rede dentro de um único domínio de colisão

Os links 10BASE-T podem ter distâncias sem repetição de até 100 m.

Existe um limites do número de hubs

que podem ser usados em um segmento. regra 5-4-3

Quando houver a necessidade de vários repetidores multiporta, será

melhor configurá-los em uma ordem

hierárquica de maneira a criar uma estrutura de árvore.

O desempenho será melhorado se as estações forem separadas por poucos repetidores.

uma estrutura de árvore . – O desempenho será melhorado se as estações forem separadas por
Utilização de repetidores
Utilização de repetidores

Com os uso de repetidores pode-

se aumentar a extensão do

tamanho da rede e o aumento do número de estações que podem ser conectadas.

No entanto, há um limite para esse processo, conforme o CCNA 1, TI 7.1.5, regra 5-4-3

Máximo, cinco segmentos, conectados

Quatro repetidores, ou concentradores

Apenas três dos cinco segmentos contendo conexões do usuário.

– Quatro repetidores, ou concentradores – Apenas três dos cinco segmentos contendo conexões do usuário.
7.1.6 Ethernet 100-Mbps
7.1.6 Ethernet 100-Mbps

A Ethernet 100 Mbps é também

conhecida como Fast Ethernet:

100BASE-TX, meio físico de cabo de cobre UTP

100BASE-FX meio físico de fibra

de cabo de cobre UTP – 100BASE-FX meio físico de fibra ótica multímodo. Ethernet & Fast

ótica multímodo.

Ethernet & Fast Ethernet

Mesmo formato de quadro do Ethernet

O tempo de bit do Fast Ethernet

ocorre a um décimo do tempo de bit do Ethernet a 10 Mbps

Com sinais de freqüência mais alta

são mais sensíveis a ruídos.

7.1.7 100BASE-TX
7.1.7
100BASE-TX

A Ethernet foi expandida para incluir a

capacidade de full-duplex permitindo a

comunicação de dois sentidos .

Aos poucos os switches substituíram os hubs

100BASE-TX

Usa codificação 4B/5B

melhora desempenho e reduz a possibilidade de erros na transmissão

Divide em grupos de 4 bits e

Substitui por 5 bits para assegura

a transição de sinal

Possui pinagem separada para transmissão/recepção

Em modo Full-duplex, pode alcançar

até 200 Mbps de throughput

Possui pinagem separada para transmissão/recepção – Em modo Full-duplex, pode alcançar até 200 Mbps de throughput
Possui pinagem separada para transmissão/recepção – Em modo Full-duplex, pode alcançar até 200 Mbps de throughput
7.1.8 100 BASE-FX
7.1.8 100 BASE-FX

A versão 100BASE-FX foi

criada para aplicações em

backbones, andares e edifícios onde o cobre não seria adequado

Porêm com os padrões

Gigabit Ethernet a versão 100BASE-FX, não foi muito utilizada

100BASE-FX

Suporta taxa transmissão a 100 Mbps sobre dois cabos de fibra óptica.

Conectores ST ou SC.

100BASE-FX • Suporta taxa transmissão a 100 Mbps sobre dois cabos de fibra óptica. • Conectores
100BASE-FX • Suporta taxa transmissão a 100 Mbps sobre dois cabos de fibra óptica. • Conectores
7.1.9 Arquitetura Fast Ethernet
7.1.9 Arquitetura Fast Ethernet

Os hubs são considerados repetidores multiportas e os

switches são considerados bridges

multiportas.

Estão sujeitos ao limite de distância dos meios físicos UTP de 100 m.

Não é aconselhável usar half-

duplex, em esquema de sinalização para full-duplex.

Repetidor Classe I pode introduzir até 140 tempos de bit de latência.

Repetidor Classe II pode introduzir até 92 tempos de bit de latência.

O cabo 100BASE-TX entre os repetidores Classe II não pode exceder a 5 metros

até 92 tempos de bit de latência . – O cabo 100BASE-TX entre os repetidores Classe
7. 2 Gigabit Ethernet e 10 Gigabit Ethernet
7. 2 Gigabit Ethernet e 10 Gigabit Ethernet
7.2.1 Ethernet 1000-Mbps
7.2.1 Ethernet 1000-Mbps

Os padrões para Ethernet 1000- Mbps ou Gigabit Ethernet representam transmissões usando meios físicos tanto de fibra como de cobre.

Compatível com redes 802.3

Manter o mesmo protocolo de

nível MAC da Fast Ethernet

Aumentar a velocidade de transmissão para 1000Mbps

As diferenças entre o padrão

Ethernet, Fast Ethernet e Gigabit

Ethernet ocorre na camada física.

O tempo de bit no meio físico diminui 10 vezes ao Fast Ethernet

Freqüência mais alta

Bits mais sensíveis ao ruído em

meios de cobre

diminui 10 vezes ao Fast Ethernet – Freqüência mais alta – Bits mais sensíveis ao ruído
7.2.2 1000BASE-T
7.2.2 1000BASE-T

1000BASE-T (IEEE 802.3ab) foi

desenvolvido para proporcionar largura de

banda adicional para ajudar a aliviar gargalos em redes Fast Ethernet Cat5.

Transmissão simultânea nos 4 pares UTP

Cada par é usado para transmissão e

para recepção

Circuitos “híbridos” para separação entre TX e RX

Canceladores de eco” para retirar o eco introduzido devido aos circuitos “híbridos”

Utilizando um esquema de codificação PAM (Phase Amplitude Modulation)

nível 5,

aos circuitos “híbridos” • Utilizando um esquema de codificação PAM (Phase Amplitude Modulation) nível 5,
7.2.3 1000BASE-SX e LX
7.2.3 1000BASE-SX e LX

Diferentes formas de Gigabit Ethernet

variam.

SX - comprimento de onda de infravermelho curto de 870 nm.

fonte um laser de 850 nm ou um LED em fibra óptica multimodo.

distâncias mais reduzidas

LX - comprimento de onda de infravermelho longo de 1.300 nm.

laser em fibra óptica monomodo ou multimodo

alcançar distâncias maiores

A luz é pulsada na fibra usando potência baixa e alta.

0 lógico - luz de baixa potência

1 lógico - luz de alta potência.

Full-duplex - fibras separadas (Tx&Rx)

0 lógico - luz de baixa potência – 1 lógico - luz de alta potência. •
7.2.4 Arquitetura Gigabit Ethernet
7.2.4 Arquitetura Gigabit Ethernet

Arquitetura comutada Gigabit

Ethernet

A largura de banda modal de fibra é medida em MHz-Km.

Distância máxima na qual um

sinal pode viajar na fibra sem

ficar distorcido pela dispersão por diferentes modos de luz que viajam pela mesma fibra

As limitações de distância dos links full-duplex são apenas definidas pelo meio físico e não pelo atraso de ida e volta.

de distância dos links full-duplex são apenas definidas pelo meio físico e não pelo atraso de
de distância dos links full-duplex são apenas definidas pelo meio físico e não pelo atraso de
7.2.5 Ethernet 10 Gigabit
7.2.5 Ethernet 10 Gigabit

10-Gigabit Ethernet (10GbE) - IEEE 802.3ae utilizada em redes locais, MANs e

WANs.

10GbE permitem uma extensão da distância de quilômetros sobre fibra monomodo.

Compatíveis a protocolos Telecom:

SONET (Synchronous Optical

Network)

SDH (Synchronous Digital Hierarchy).

ATM para certas aplicações.

Diferenças

Temporização menor e mais suscetíveis a ruídos.

Esquema de codificação mais complexo

Apenas protocolo full-duplex com uso

de fibra ótica

a ruídos. – Esquema de codificação mais complexo – Apenas protocolo full-duplex com uso de fibra
7.2.6 Arquiteturas 10 Gigabit Ethernet
7.2.6 Arquiteturas 10 Gigabit Ethernet

10-Gigabit Ethernet utiliza a

multiplexação em quatro fluxos de

bits simultâneos através de divisão de comprimento de onda (WDM, (Wavelength Division Multiplexing)

Alcançar altas taxas de transmissão.

Quatro cores de luz, ou comprimentos de onda, são multiplexados em uma fibra.

Transmissor combina quatro

feixes de laser ligeiramente diferentes reunidos por um prisma compõe um feixe de fibra

Receptor separa as quatro cores em detectores diferentes

diferentes reunidos por um prisma compõe um feixe de fibra – Receptor separa as quatro cores
diferentes reunidos por um prisma compõe um feixe de fibra – Receptor separa as quatro cores
7.2.7 Futuro da Ethernet
7.2.7 Futuro da Ethernet

A Ethernet já domina as LANs, mas

agora também está sendo introduzida

em aplicações tradicionais de MAN e WAN.

Conexões ponto-a-ponto full duplex comutadas que não são executadas

em CSMA/CD

Atualmente ampla disponibilidade de produtos 1-Gigabit e 10 Gigabit 1Ethernet, e estudo pelo IEEE e o Ethernet Alliance para padrões 40, 100 ou mesmo 160 Gbps.

As limitações de largura de banda da fibra óptica esteão longe de ser ameaçadas

Suporte de aplicações com uso intensivo de QoS, ( telefonia IP e

vídeo multicast).

esteão longe de ser ameaçadas • Suporte de aplicações com uso intensivo de QoS, ( telefonia
Exercício de Laboratório
Exercício de Laboratório
Exercício de Laboratório
Obrigado
Obrigado