Você está na página 1de 15

Direito Constitucional

1 P RINCÍPIOS FUNDAMENTAIS
Art. 1: A República Federativa do Brasil é formada pela união indissolúvel de estados, DF e municípios.
Art. 18: complementa com “organização político administrativa contem União, Estados, DF e Municípios.

CUIDADO: A doutrina majoritária entende que o art. 18 complementa o art. 1, assim sendo, podemos afirmar que são
quatro os entes federativos.

1. O que é republica?
É a forma de governo, em que o povo elege os seus representantes para exercerem o poder por prazo determinado.

2. O que é federação?
É a forma de estado, em que os entes federativos se
unem de forma indissolúvel.

LEMBRETE: “Em nosso país uma Ementa


Constitucional (EC) pode excluir o direito de secessão”?
Não, pois é uma Cláusula Pétrea.
Direito de secessão: nome que a doutrina do Direito Constitucional traz para uma eventual possibilidade da quebra do
pacto Federativo.
Cláusula pétrea: artigos importantes da Constituição, assim sendo, não são possíveis retirá-los da constituição muito
menos alterá-los em prejuízo. Encontram no art.60, §4: “Não será...”

3. O que é presidencialismo?
É o sistema de governo, em que uma única pessoa (Presidente da Republica) irá exercera figura de chefe de Estado
e de Chefe de Governo.

LEMBRETE: Por mais que a forma de governo Republica ou o Sistema de Governo presidencialista não estejam
previstos taxativamente no hall das clausulas pétreas, não poderá haver a sua alteração por meio de EC para monarquia
e parlamentarismo, respectivamente, pois tal fato é chamado de limitação implícita ao poder de reforma da constituição.

4. O que é Estado Democrático?


Democracia: poder na mão do povo.
Direta: Todos (187 milhões de brasileiros) legislassem
Indireta: Todos ortogássemos nossos direitos para os representantes
Semi-indireta: sufrágio universal, voto, plebiscito, referendo, iniciativa popular.
Democracia é o poder na mão do povo.
A nossa atual democracia é a semi-indireta, pois por mais que o povo outorgue poderes aos seus representantes, nós
povo, podemos exercer diretamente a soberania por meio de cinco instrumentos: Sufrágio Universal, Voto (direto e
indireto), plebiscito, referendo e iniciativa popular.

O voto obrigatório não é cláusula pétrea, assim sendo, pode uma EC torná-lo facultativo.

Plebiscito é uma consulta anterior à criação da lei.


Referendo é uma consulta posterior à criação da lei. OPQRS

Iniciativa popular é a possibilidade dos cidadãos representando o povo proporem a criação de uma lei.
 Requisitos da iniciativa popular:
o No mínimo 1% das assinaturas de todo o eleitorado nacional
o Essas assinaturas devem percorrer no mínimo 5 estados
o Cada estado deve assinar com no mínimo 0,3% dos seus eleitores.
 Observar: Lei do Crime Hediondo (Lei 8072/90)

O que é o Estado Democrático de Direito?


É o estado submisso a aplicação da lei.

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
2 DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS – ART.5

ATENÇÃO!!! Direito é diferente de garantia.


Direito para Rui Barbosa: são espécies normativas declaratórias.
Garantias: são espécies normativas assecuratórias do exercício do meu direito contra o arbítrio do poder do estado. Ex:
Habeas corpus

Conceito do art. 5: surgiram para se contrapor ao poder do Estado.


Evolução com relação aos direitos: classificam-se em 1º,2º,3º, 4º, 5º geração.
1º= Liberdade 2º=Igualdade 3º= Fraternidade
4º= Genética 5º= Informática...

CUIDADO
1. Os direitos fundamentais aplicam-se tanto em face da pessoa física quanto nas pessoas jurídicas. Obs.: turistas são
contemplados pelo art.5.
2. Não existem direitos absolutos. Ex: o juiz PODE permitir a abertura da carta.
3. O rol dos direitos fundamentais não está todo previsto no art. 5 da CF.
a. O art. 5 é o rol exemplificativo de direitos e não taxativo.
b. Art. 228: não pode diminuir a idade penal porque o direito fundamental está em toda CF.
c. Direito a vida
i. Quando surge a vida?
1. Segundo o STF: na concepção (nidação).
2. Segundo o STF não existe vida nas chamadas células embrionárias, ou seja, nos
embriões in vitro.
3. ADPF: aborto de anencéfalos, hoje, não é possível!
4. Direito a petição e certidão (independente do pagamento de taxas)
5. Devido processo legal, contraditório e ampla defesa:
a. Eficácia horizontal dos direitos fundamentais,
É a aplicação dos princípios do devido processo legal, contraditório e ampla defesa na relação entre
particulares. Exemplo: exclusão de uma pessoa de uma associação.
b. Registro civil de nascimento e certidão de óbito.
c. Crimes hediondos + TTT (Trafico de drogas, Tortura, Terrorismo)
Lei 8072/90: crimes hediondos são prescritíveis, inafiançáveis e insuscetíveis (não são passiveis de graça
– perdão individual- ou anistia – apaga momento histórico)
d. Racismo + Golpe de Estado
São imprescritíveis. Gole de estado é a ação de grupos armados civis ou militares contra o estado
democrático de direito.
e. Assistência jurídica gratuita
i. Defensoria publica
Só para quem não tem condições de pagar um advogado.
A defensoria não é subordinada ao MP! Mas onde não possui defensor publico o MP atua até chegar
um,
6. Inovações trazidas pelo artigo 5 pela EC 45/04.
a. TPI (Tribunal penal internacional)
A doutrina sempre entendeu que os TI entravam no ordenamento jurídico brasileiro com força de lei
ordinária.
b. Equiparação - TIDH (tratado internacional dos direitos humanos) e EC.
O supremo entendeu que os TIDH anteriores a EC45 tem status de norma supralegal, ou seja, valem mais
que lei ordinária e menos que a constituição.
A partir da EC 45/09 os TIDH que forem aprovador no rito da emenda (2 turnos + 3/5 votos) serão
equivalentes a EC. Exemplo: Acessibilidade!
c. Principio razoável da duração do processo
i. Direitos do art. 5: rol exemplificativo
O rol exemplificativo comporta; já o exaustivo aumenta!
ii. Direitos tem aplicabilidade imediata.

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
3 P RINCÍPIOS
3.1 PRINCÍPIO DA ISONOMIA
Conceito: todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza.
Obs1: dêem todos os direitos aos homossexuais.
Obs2: pode haver limitação em concurso publico por idade, altura, sexo, dentre outros, desde que seja razoável com
previsão legal.

3.2 PRINCIPIO DA LEGALIDADE


Conceito: ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei.
Lei= espécie normativa primaria.
Obs1: Segundo o STF as chamadas espécies normativas secundárias, regra geral, não podem criar obrigações ou
restringirem direitos, sob pena de inconstitucionalidade.

1. Atos / Decretos Regulamentares


a. Executivos: § 4, IV
b. Autônomos § 4, VI
2. Autarquias em decreto especial
a. Podem criar leis
b. Art. 34, XX
3. Instruções, portarias
a. Art. 87, II

Obs2. Não há crime, nem pena sem lei anterior que o defina.
Obs3. A lei não poderá retroagir, salvo para beneficiar o réu.
Exemplo: esposa gostosa do juiz que beijou um rapaz “sem querer” enquanto dançava forró, e o juiz e os colegas
declaram “teje preso”.

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
4 REMÉDIOS CONSTITUCIONAIS

Remédios são recursos, e não garantias constitucionais


colocados a disposição da pessoa para proteger seus
direitos, são ações constitucionais.
Garantia é a proteção do direito.

4.1 HABEAS CORPUS


Tenha o corpo.
1. Visa garantir o direito de ir e vir (tutela o direito de locomoção); bem como permanecer dentro de todo território
nacional em tempo de paz.
2. Qualquer pessoa é parte legitima para impetrar HC, exceto o juiz, uma vez que esse tem a obrigação com o Habeas
corpus de ofício.
Informativo 599: crime ambiental.
Uma empresa não pode impetrar em seu beneficio, mas sim do seu funcionário.
3. O HC é uma ação gratuita e não necessita de advogado, muito menos de ato processual comum.
4. Possuem 3 partes: impetrante, impetrado, paciente.
a. Impetrante= que “entra” com o HC. Pode ser qualquer pessoa + MP.
Pessoa é o menor, o absolutamente incapaz, o estrangeiro,...
b. Impetrado (autoridade co-autora) = quem viola o direito a locomoção, podendo ser a autoridade publica ou
particular.
c. Paciente = quem está com o direito de locomoção violado (Ex. preso).
Obs. O supremo decidiu que, no julgamento do HC92921, a pessoa jurídica não pode ser paciente em HC.
5. O HC pode ser impetrado contra autoridade publica ou particulares.
Obs. Crime de plagio é o crime onde se tem a semelhança com trabalho análogo à “escravidão”. Ex. supermercado
na fazenda.
6. O HC pode ser preventivo (salvo conduto), comum em CPI sendo um HC específico; ou liberatório (alvará de
soltura).
CUIDADO!!! Art. 142, §2! Não cabe HC contra punição militar.

4.2 HABEAS DATA


1. Visa garantir o direito a informação / retificação de dados referente à pessoa do impetrante constante em banco de
dados (SPS/ SERASA) ou órgãos públicos.
CUIDADOOO! O HD é uma das exceções ao principio da Inefastabilidade da Apreciação do poder judiciário. Art. 5,
XXXV + sumula n.2 do STJ.
Obs. Não cabe HD se não houver recusa por parte da autoridade administrativa.
2. É uma ação gratuita, porem precisa de advogado, uma vez que é uma ação processual comum.
3. O HD é uma ação personalíssima.
a. Se tiver um menor de idade ou incapaz, ele promove a ação através de 1 representante: “Eu , fulano de tal,
com representação por lalala, a ser seguido pelo advogado João....”.
IMPORTANTÍSSIMO! Não confundir HD com o chamado Direito de Petição previsto no art. 5 XXXIII CF; pois o
direito de petição visa garantir uma informação da Administração Publica, informação esta que pode ser de interesse
particular, coletivo ou geral. Já o HD visa garantir uma informação referente à Pessoa do impetrante. Assim sendo, se a
Administração publica negar informação de interesse coletivo caberá um mandato de Segurança.
4. Tem natureza dúplice: Acesso a informação e Retificação (correção) da informação.
5. Pode ser impetrado contra autoridade, publica ou particular, detentora de banco de dados de caráter publico (SPC).
6. O HD é sempre repressivo! E não existe HD preventivo!

4.3 MANDADO DE SEGURANÇA


1. Tutela de direito, visa garantir um direito liquido e certo, não amparado por HC ou HD (natureza residual), contra
ato ilegal ou abuso de poder de autoridade publica ou de particulares no exercício de função publica.
2. O que é direito liquido e certo?
É aquele que EU provo imediatamente para o juiz por meio de provas documentais, ou seja, são as chamadas provas
pré-constitucionais.
Obs1: há custa judicial e necessita de advogado.
Obs2: o MS pode ser individual ou coletivo (desde que especificado os nomes).

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
3. Quem pode propor MS coletivo?
 Partido político com representação no Congresso Nacional.
o 1 senador OU 1 deputado já bastam.
o Quem entra com o MS é o Partido e não o “senador/deputado”.
 Organização sindical
 Entidade de classe ou associações legalmente constituídas e em funcionamento há 1 ano.
CUIDADO! No julgamento do RE 198919 o supremo decidiu que o art.5, 70, alínea b. o requisito de
legalmente constituído há 1 ano não se aplica aos sindicatos.
4. Pode ser impetrado contra autoridade publica ou particular que esteja atuando em delegação do poder publico.
5. Tem prazo de 120 dias, se for repressivo, contados a partir da ciência do ato que gerou violação.
a. Constitucionalidade do prazo: segundo o supremo o prazo é constituição.
b. Não cabe MS contra decisão transitada em julgado.
c. MS não produz efeitos patrimoniais em relação a período pretérito.

4.4 MANDADO DE INJUNÇÃO


1. Visa garantir um direito subjetivo previsto na constituição referente à nacionalidade, soberania e cidadania, quando
não houver lei posterior para regulamentá-la.
2. Há custo judicial e necessita de advogado.
3. Combate a síndrome da inefetividade das normas constitucionais.
a. Lembrar do direito de greve de servidor publico em normas de eficácia limitada.
b. Só pode ser impetrado contra autoridade publica.
4. O MI pode ser individual ou coletivo. Art. 5, inciso 71, os mesmos impetrados do MS servem para MI. Controle
difuso da constitucionalidade.
5. O MI possui 2 teorias, a concretista e a não concretista. A não concretista (MI 712/Pará) é aquela que o Supremo
diz o direito, e o próprio STF regulamenta esse direito ate que o Congresso Nacional crie uma lei para regulamentá-
lo.

4.5 AÇÃO POPULAR


1. Visa combater ato lesivo ao patrimônio publico tão quanto os atos de improbidade administrativa.
Obs1. Surgiu do chamado Principio da Republica.
Obs2. Qualquer cidadão (aquele que possui pleno gozo de seus direitos políticos) pode impetrar uma ação popular.
CUIDADO! Em regra geral, a ação popular é gratuita, salvo se o cidadão agir com má fé, pois nessa hipótese, alem
das custas, o cidadão terá de pagar os honorários do advogado da outra parte. Exemplo: o administrador regional da
cidade X vai se candidatar a governador. Eu, que não gosto do administrador, movo uma ação popular indicando
que ele fez mau uso do dinheiro publico.

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
5 NACIONALIDADE
Conceito: é o vinculo jurídico que liga o individuo a um determinado país. Esse vínculo pode ser jus solis (direito ao
solo) ou jus sanguinis (direito ao sangue). No Brasil se utilizam os 2 critérios.
1. A nacionalidade pode ser originaria/primaria ou derivada/secundaria.
2. São brasileiros natos:
a. Os nascidos em território nacional ainda que de pais estrangeiros, desde que nenhum desses esteja a
serviço do seu país.
b. Os nascidos no estrangeiro, de pai e/ou mãe brasileira, desde que, qualquer desses esteja a serviço da
Republica Federativa do Brasil.
c. * EC 54/07 – são brasileiros natos os nascidos no estrangeiro de pai e/ou mãe brasileira, desde que,
registrem seu filho na repartição publica competente ou venham a residir no país e optem a qualquer
tempo, porem após a maioridade pela nacionalidade originaria.
3. DCT 95 (CF) – os apátridas nascidos entre 7/6/1964 até “2007” podem se registrar no Brasil.

IMPORTANTÍSSIMO:
A lei não fará distinção entre brasileiro nato ou naturalizado, salvo os casos expressos na
Constituição Federal.

A CF diferencia em alguns casos, como os cargos privativos.

4. Cargos privativos
a. Exclusivo é algo que somente eu posso utilizar.
b. Privativo é quando delego à função a outra pessoa.
i. Art. 22 §único e Art. 84 §único, VI, XIII, XXV.
c. Rol taxativo de cargos:
i. Presidência e vice
ii. Presidência da Câmara
iii. Presidência do Senado
iv. Os 11 ministros do STF
v. Membros da carreira diplomática
vi. Oficiais das Forças Armadas.
vii. Ministro da Defesa.
viii. “6” cidadãos integrantes do Conselho da Republica (Art. 89, §7)
Obs1: Naturalizados a mais de 10 anos podem ter “direito” a Radiodifusão (Art. 222)

5. Requisitos para o estrangeiro se naturalizar brasileiro


a. Para os que possuem como língua oficial a língua portuguesa.
i. Eles devem possuir residência permanente e ininterrupta por 1 ano, e idoneidade moral.
ii. A idoneidade faz do de naturalização um Ato discricionário.
b. Para os que possuem outra língua oficial.
i. Possuir residência permanente e ininterrupta por mais de 15 anos e sem condenação criminal.
ii. Esse é um ato vinculado.
c. Brasileiros por equiparação.
i. Português de Portugal se houver reciprocidade com brasileiros de lá, poderão fazer jus aos
direitos dos brasileiros, salvo os cargos privativos sem se naturalizar brasileiros.

6. Regra geral não haverá perda da nacionalidade, salvo por:


a. Cancelamento da naturalização por sentença judicial transitado em julgado (apenas para brasileiro
naturalizado)
b. Requerimento da parte, exceto:
i. Quando o país estrangeiro impuser como condição de permanência naquele país ou para o
exercício dos direitos civis e políticos a nacionalidade do mesmo
ii. Quando o país estrangeiro aceitar a dupla nacionalidade

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
6 DIREITOS POLÍTICOS
Art. 14, CF e Art. 60, §2 (voto) e §4 (clausula pétrea)
1. É vedada a cassação dos direitos políticos, porem poderá haver a perda ou a suspensão do mesmo.
a. Cassação é a tomada de forma arbitraria.
b. Perda dos direitos quando houver:
i. O cancelamento da naturalização;
ii. Incapacidade civil absoluta (e permanente)
c. Suspensão dos direitos para:
i. Condenados pelo período da pena;
ii. Atos de improbidade administrativa;
iii. Deixar de praticar obrigação imposta a todos ou prestação alternativa fixada pelo estado nos
termos do art.5, VIII, CF.
Atenção Qual é a idade para concorrer aos
1. Voto obrigatório: cargos
a. Para maiores de 18 anos e menores de 70 anos
Presidentes e vice / Senador → 35 anos
i. O voto é obrigatório para maiores de 18 anos? SIM!
ii. O voto é obrigatório para todos maiores de 18 anos? Ministro de estado → 21 anos
NÃO! Governador e vice → 30 anos
2. Voto Facultativo: Ministro do Judiciário → 35/65 anos
a. Para maiores de 16 e menores de 18; Vereador → 18 anos
b. Para analfabetos; Ministro do Executivo → 21 anos
c. Para maiores de 70 anos.
3. São inalistáveis:
a. Aqueles que não podem possuir titulo de eleitor: Deputados / Prefeito / juiz de paz → 21
i. Os estrangeiros anos
ii. Os conscritos
1. “Maiores de 18 anos em serviço militar
obrigatório”
2. Se possuir titulo, seus direitos ficam
suspensos enquanto estiver no período
obrigatório.
4. São inelegíveis:
a. Aqueles que não podem concorrer a cargo eletivo:
i. Os inalistáveis (estrangeiros e conscritos)
ii. Analfabetos

IMPORTANTÍSSIMO:
 Art. 14, §5
o A vedação deste dispositivo só se aplica aos chefes do poder executivo;
o Chefes do poder executivo (Presidente da Republica, Governador, Prefeito)
o Reeleição
 Art. 14, §6
o A vedação deste dispositivo só se aplica aos chefes do poder executivo;
o Se concorrerem a outro cargo devem sair 6 meses antes.
 Art. 14, § 7
o A vedação deste dispositivo só se aplica aos chefes do poder executivo; e impede o favorecimento
político.
o Não pode concorrer a cargo eletivo “parentes”.... Na mesma jurisprudência, pois pode gerar
favorecimento político.
o Caso 1: Pai governador do MA quer reeleição e a filha quer concorrer à senadora do MA. → Errado!
No mesmo estado.
o Caso 2: Pai governador do MA quer a reeleição e a filha quer concorrer à senadora do RJ → Certo!
Porque não estão sobre a mesma jurisprudência.
o Caso 3: Pai governador do MA e filha quer se eleger presidente da republica → Certo! Não estão na
mesma jurisdição.
o Caso 4: Filha presidente da republica, pai quer concorrer (qualquer cargo). → Errado! Mesma
jurisprudência!
o Caso 5: pai e filha querem se eleger pelo mesmo estado. E
o Caso 6: Jaqueline Roriz e Roriz (pai).
 Jack é deputada distrital; se ela quiser se reeleger o Roriz poderá se candidatar a governador?
SIM! Esse artigo não veda deputados distritais!
 Roriz é governador e quer a reeleição, Jack poderá se candidatar a deputada distrital? NÃO!
Eles estão na mesma jurisdição.
 Nepotismo:
o Caso 7: o Lula pode nomear o irmão como ministro? SIM! Pois isso é cargo político e não cargo de
Chefia, Direção e Assessoramento.
o Caso 8: Eu governadora e Elisa vice-governadora. Não pode!
o Caso 9: Eu governadora DF e Elisa governadora SP. Pode!

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
7 DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA
A organização político administrativa da Republica Federativa do Brasil, compreende a União, os Estados, o DF e os
municípios.
Todos esses entes são autônomos nos termos da CF. Art. 85 II.
Autonomia é o autogoverno, auto-legislação, auto-regulamentação, auto-administração.

Existe soberania na União? Não! Somente a RFB é Soberana.


Existe hierarquia entre União, Estados, DF, e municípios? Não! Autonomia!
Uma lei federal é superior a uma lei estadual, que por sua vez, é maior que uma lei municipal? Não! Art. 25, Cada ente
federativo deve complementar as leis para o seu estado. O que não é dever da união os estados e municípios devem
suplementar.

Qual a capital do DF? O DF não tem capital, ele é a capital da RFB.


Se Brasília não é capital, porque possui governador? Não seria para o Presidente administrar?
Não, pois isso poderia cometer crime de responsabilidade!

7.1 TERRITÓRIOS
É uma autarquia em regime especial que integra a União, criado por meio de uma descentralização administrativa,
assim sendo, integra a chamada administração publica indireta da União.
Obs1. Art.14 e 15; atualmente não existem territórios federais, porem os 3 últimos foram: Fernando de Noronha
(incorporado ao estado de Pernambuco), Amapá e Roraima (tornaram-se novos estados).
Obs2. Os territórios federais irão eleger 4 deputados federais!

7.2 PRERROGATIVA DE FORO (ART. 84, XIV)



Se o governador do DF comete um crime (roubar, matar,...) ele é processado e julgado pelo STJ. Se um
governador do Território cometer um crime, ele é processado e julgado no TJDFT.
 Os governadores dos territórios serão nomeados pelo presidente da republica, após a aprovação pelo senado
federal.
CUIDADO!!!  Art. 18, §4: Para a criação de novos municípios
 Art. 18, §3: Para a criação de um novo estado faz-se:
ou território (federal) faz-se: o Estudo da viabilidade municipal;
o Plebiscito local - Vence maioria o Plebiscito;
absoluta (50%+1) o Lei complementar federal;
o Lei complementar federal o Lei ordinária estadual.

7.3 COMPETÊNCIAS
Toda vez que um ente federativo for criar uma São 5 as competências:
lei. Essa lei terá características de interesse exclusiva (art. 21), privativa
próprias. (art. 22), comum (art. 23),
Art. 25, §1: “A competência dos estados é concorrente (art. 24) e
residual”. suplementar (art. 30, II),
Isso significa que o que não é de competência sendo que a privativa e a
da União é competência dos estados. concorrente caem muito em
Exemplo: Compete a União cuidar do gás concursos!
canalizado? Errado! Para a União compete o
cuidado com os preços, características. Ao
Estado cabe cuidar da estrutura e a exploração
do serviço de gás canalizado.

7.3.1 COMPETÊNCIA EXCLUSIVA 7.3.4 COMPETÊNCIA CONCORRENTE


É aquela que não pode ser delegada a terceiro. Art. 21; é uma Na competência concorrente compete à união legislar as
competência administrativa e não legislativa. normas de interesse geral.
7.3.2 COMPETÊNCIA PRIVATIVA Se a união criar a norma de interesse geral, os estados poderão
Aquela que pode ser delegada; criar porém para regulamentar uma questão especifica de
Essa competência poderá ser delegada aos estados e DF; interesse do estado.
sendo por meio de lei complementar. Se houver lei superveniente federal regulamentando as
A união nunca poderá delegar as matérias, sendo competência matérias de interesse geral, esta irá suspender (diferente de
privativa para os municípios. revogar!) a lei estadual. → a suspensão ocorre porque se
ocorrer a modificação da lei federal que acolhe o que a lei
7.3.3 COMPETÊNCIA COMUM estadual afirmava, a lei estadual deixa de ser suspensa.
Aquilo que é comum a todo mundo. A competência comum é O município não entra no rol da competência concorrente.
administrativa e não legislativa.
7.3.5 COMPETÊNCIA SUPLEMENTAR
Compete ao município suplementar, naquilo que lhe couber, a
legislação federal ou estadual.

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
8 P ODERES CONSTITUCIONAIS
8.1 PODER JUDICIÁRIO
8.1.1 ORGANOGRAMA DO PODER JUDICIÁRIO

1. Só pode dizer que são Orgãos do Poder Judiciário os que estão colocados no organograma (desenho acima).
2. A nomenclatura dada na primeira instancia é juiz (singular); na segunda instancia é desembargador; e nos
Tribunais Superiores (Supremo também se insere nos Tribunais Superiores), ministros.
3. Ingresso na carreira
a. O ingresso na carreira da magistratura ocorre por meio de um concurso de provas e títulos.
b. São 2 requisitos para poder fazer a prova:
i. Ser bacharel em direito
ii. Possuir no mínimo 3 anos de pratica forense, ou seja, pratica em cargos privativos de bacharéis de
direito.
4. Garantias
a. Vitaliciedade
Vitaliciedade Estabilidade
Só perde a por: Perde de 4 maneiras:
 Sentença judicial transitada em julgado,  Sentença Judicial Transitada em Julgado
ou seja, quando não cabe mais recurso.  PAD
 Avaliação de Desempenho
 Redução de gastos.
Adquire após 2 anos de efetivo exercício Adquire após 3 anos de efetivo exercício
b. Inamovibilidade
A inamovibilidade garante que o juiz não sairá da localidade ou orgão que passou, entretanto, segundo o art. 93, VIII e
VIII-A, pode ocorrer a remoção por pedido ou permuta; ou se por interesse publico , com a maioria dos votos e ampla
defesa.
c. Irredutibilidade de subsídio
Segundo o art. 39, §4 da CF, o subsidio é pago em parcela única, diferentemente dos servidores que recebem
remuneração (vencimento + gratificações). Onde a irredutibilidade de subsídio garante o mesmo para sempre.
5. Justiça comum versus Justiça Especializada
A justiça comum trata de danos
morais, dano patrimonial,
divórcio.

A justiça especializada trata de


crimes trabalhistas, eleitoras, e
aqueles praticados por integrantes
das Forças Armadas.

Art. 112 diz que se não houver


juiz do trabalho no local onde
resido, deverei propor ação
trabalhista na Justiça comum, e se
for preciso recorrer da decisão,
irei para o respectivo TRT.

6. Conflito de competência
POSTITIVO → bom, pois representa que dois ou mais juízes querem julgar o caso.
NEGATIVO → ruim, pois significa que ninguém quer julgar. Exemplo: condenação do Fernando Beira Mar, onde os
juízes de SP, RJ e DF se reusaram e o STJ decidiu que o juiz do RJ julgaria o caso.
Art. 105, I, d → todo conflito de primeira e segunda instancia será julgado pelo STJ.
Segundo o entendimento jurisprudencial do STJ, o conflito de competência entre MP de Estados diferentes compete ao
mesmo (STJ) processar e julgar.

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
7. Previsão do 1/5 Constitucional
Art. 94+ Art. 111 A1 + Art. 115, I, CF: É a
possibilidade de advogados e promotores com mais de
10 anos de carreira, notório saber jurídico e reputação
ilibada tornarem-se desembargadores e ministros, sem
passarem por concurso publico.

Art. 84 + Art. 52, III: OAB (ou MP) faz lista sêxtupla e
entrega ao TJDFT (ou TJ Estadual) e esse com os
nomes escolhe três da lista (lista tríplice) e encaminha
ao Chefe do Executivo que escolhe 1 nome,
Art. 84, XIV: Os ministros dos Tribunais superiores ou
STF são indicados pelo presidente da republica e
sabatinados pelo Senado.

8. CNJ – Conselho Nacional de Justiça


A função do CNJ é exercer o controle interno do poder judiciário, ou seja, é ele que irá fazer a fiscalização financeira,
administrativa e operacional dos órgãos do judiciário.
O CNJ NÃO possui função jurisdicional, mas sim administrativa. Observa-se que para exercer o mandato, os
conselheiros devem entrar com 35 a 66 anos.

Lembrete:
 Sentença é a decisão prolatada por 1 juiz singular (sozinho) com o intuito de finalizar o
processo.
 O acórdão é uma sentença de segundo grau ou tribunais superiores.
 Jurisprudência é o entendimento que um tribunal dá para uma determinada matéria.
 Sumula é a jurisprudência sem divergência, cristalina e pacifica entre todos.
 Sumula vinculante é a sumula da sumula, onde a serenidade processual é de contentamento
de todos.

9. Sumula Vinculante
É uma decisão do supremo que vincula todos os órgãos do poder judiciário e da administração publica direta e indireta
de todos os entes federativos.
A súmula vinculante não vincula o poder legislativo. E não possui força normativa.
Só o STF faz sumula vinculante.

10. Reclamação
Do ato administrativo ou da decisão judicial contraria a súmula vinculante caberá uma reclamação diretamente ao STF
seja para ANULAR ato administrativo ou para CASSAR decisão judicial. Art. 103, §3.

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
11. Recurso
RO → Recurso ordinário / RESP → Recurso Especial / RE → Recurso Extraordinário

1ª Hipótese 2ª Hipótese 3ª Hipótese

Se o processo começar na primeira Se o processo começar na segunda Se o processo começar no tribunal


instancia caberá RO para a segunda instancia caberá 2 recursos para os superior caberão 2 recursos ao
instancia, se ela não concorda com tribunais superiores, RO ou RESP, e se a STF, RO ou RESP.
a decisão da segunda instancia, decisão do tribunal superior contrariar a Quando caberá RO? E RESP?
caberá RESP para os tribunais constituição federal, caberá RE ao STF. RO quando for denegatório aos
superiores, e se a decisão do Quando será RO da 2ª instancia para o remédios constitucionais.
tribunal superior contrariar a Tribunal Superior? RE quando a decisão contrariar lei
constituição caberá RE ao STF. Quando a decisão for denegatória aos federal.
Lembrete: o recurso especial é remédios constitucionais!
exclusivo dos tribunais superiores Quando caberá RESP par a o Tribunal
ao passo que o RE ;e de Superior?
competência exclusiva do STF. Quando a decisão contrariar a lei federal,
tratados internacionais, dentre outras!

Crime político Resumindo...


Art. 109, IV: → Em resumo: Sempre
compete ao caberá RO nas devidas hipóteses.
juiz Federal Só cabe RESP da segunda
processar e instancia para os Tribunais
julgar crime superiores e RE entre Tribunais
político; desta Superiores e STF.
decisão caberá
recurso
ordinário (Art.
102, II,b)
diretamente ao
STF.

12. Quem julga quem?


Crime Comum / Crime de Responsabilidade / Crime Eleitoral = Sempre serei julgado por uma instancia superior!
CC ou CR quem julga é TRF. Se juiz do TRT ou TRM cometerem CC ou CR quem julga é TRF!
Crime Comum Crime de Responsabilidade Crime Eleitoral
JDDFT
Respectivo tribunal de justiça TRE
JD (Estados)
JF
JT TRF TRE
JM
JE Respectivo tribunal de justiça TRE
Desembargadores STJ TSE
Procurador STF STF
STF STF Senado STF
Presidente e Vice presidente da STF
República 1 STF Senado (considera-se uma espécie de
CC)
Ministros de Estado Senado (se for conexo com PR) STF
STF (considera-se uma espécie de
STF (se cometer crime sozinho) CC)
Governadores
STJ Assembléia legislativa TSE
(Art.105 = competências taxativas)
Vice governador TJ
Deputado Federal ou Senador da CASA (pela respectiva casa, câmara ou
STF STF
Republica senado)
PGE / AGU / CNJ / CNMP Senado
STF STF
(Art. 52, II)
TCU 2 STF (ARt. 102, I,
STF (Art. 73, III) STF
c)
1
Para processá-los a Câmara tem de autorizar (Art. 51, I)
2
Mesmas garantias que possuem os ministros do STJ.

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
8.2 PODER LEGISLATIVO
Representam o povo e são eleitos pelo sistema proporcional de votos.

Lembrete:
1. A Câmara Federal é composta por 513 Deputados Federais sendo que o estado mais populoso ira eleger 70
deputados e os demais no mínimo 8.
2. Fidelidade partidária: se o deputado trocar de partido perderá o cargo, uma vez que a cadeira é do partido e não
da “pessoa”.
3. ******Não entra na contagem de votos validos, os votos em branco ou nulos! ********

Coeficiente eleitoral (ƟE)


É a razão entre votos validos e cargos em disputa. ƟE = votos validos / cargos em disputa.
Refere-se ao numero mínimo de votos que cada partido deve ter para ter direito a 1 lugar na câmara federal.

Número de cadeiras
A razão entre os votos na legenda e o coeficiente eleitoral. No cadeiras = voto na legenda / ƟE

Exemplo:
Era uma vez uma eleição para a Câmara Federal com 100.000 votos validos.
ƟE = votos validos / cargos em disputa. ƟE = 100.000 / 513 = 195
Ou seja, cada legenda deve ter no mínimo 195 votos para ter direito a uma cadeira
O PT conseguiu 70 mil votos; o PMDB, 15 mil; o PCdoB 5 mil; PV, 5 mil; e o PSOL 5 mil.

PT PMDB PCdoB PV PSOL


Nocad = 70mil / 195 Nocad = 15mil / 195 Nocad = 5mil / 195 Nocad = 5mil / 195 Nocad = 5mil / 195
Nocad = 359 Nocad = 77 Nocad = 25 Nocad = 25 Nocad = 25

Obs1: São necessários 308 votos para aprovar EC.


Obs2: o TSE (consulta 1406) quer trazer a fidelidade partidária no Senado.

Importantíssimo: Art. 27, CF


DF elegeu 8 D. Federais = 24 D. distritais → “3 vezes o valor de DF”
TO elegeu 12 D. Federais = 36 D. estaduais → “3 vezes o valor de DF”
SP elegeu 70 D. Federais = 94 D. estaduais → “36 + (numero de DF -12)
MG elegeu 50 D. Federais = 74 D. estaduais → Dicaaaaaaaaa!!!! Quando os DE forem maior que 36, soma 24.

Importantíssimo: Art. 51, I, CF


Dos senadores: os senadores representam os estados e o DF, e são eleitos pelo sistema majoritário de votos, ou seja,
maior numero de votos. O senador NÃO representa o município.
Obs. Cada estado e o DF irão eleger 3 senadores, com 2 suplentes cada, para exercerem um mandato eletivo de 8 anos,
sendo que a 4 anos haverá uma renovação dos seus membros por 1/3 ou 2/3.
1986 CF1988 1990 (1/3) 1994 (2/3) 1998 (1/3)
   

Importantíssimo: Art. 52, I, II, III, e § único


Sistema de Freio e Contrapeso = Controle recíproco. Exemplo: STF preside = Senado processa e julga.

Imunidade parlamentar
Os deputados e senadores são invioláveis, civil e penalmente, por suas opiniões, palavras e votos, no exercício de sua
função.
Exemplo: Art. 53 = Caso Clodovil: “Você é uma feia”. → palavras, não pode ser punido! Se a “ofendida” tivesse batido
nele, caberia punição para ela, pois é agressão física.

Atenção: existem dois tipos de imunidade, quais: imunidade material e imunidade formal. A imunidade material é
aquilo que era crime, deixa de ser crime (excludente de ilicitude, como legitima defesa). A imunidade formal é a
possibilidade da respectiva casa suspender/sustar a ação penal contra o parlamentar.

Lembrete: deputados e senadores só poderão ser presos em flagrante delito de crimes inafiançáveis. Nessa hipótese, os
autos da prisão em flagrante deverão ser remetidos no prazo de 24 horas para a respectiva casa deliberar no prazo de 45
dias improrrogáveis com relação à suspensão ou não contra o processo parlamentar.

Crimes inafiançáveis: TTT + GG + R = Tortura, tráficos, terrorismo, genocídio, grupos armados, racismo!
Os vereadores só possuem a chamada imunidade material dentro da circunscrição do seu município (art. 29, VIII).

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
8.2.1 PROCESSO LEGISLATIVO
O processo legislativo compreende a elaboração de EC, leis, medidas provisórias,… (art. 59 ate 69)
1. Emenda a CF: para uma emenda ser aprovada a mesma deverá passar por meio de uma dupla votação em cada
casa do CN e por um quorum de 3/5 dos seus membros.
a. Existe sanção ou veto do presidente da republica nas emendar à constituição? NÃO!
A lei nasce na sanção, mas a EC nasce com a promulgação pela mesa da Câmara e do Senado com o
respectivo numero de ordem, ou seja, não há sanção na EC.
2. Medida provisória: nos casos de relevância e urgência constitucional pode o presidente da republica editar medida
provisória com forca de lei, devendo encaminhá-las de imediato para apreciação do Congresso Nacional
a. A medida provisória não é lei, porem possui forca de lei, tendo validade de 60 dias prorrogáveis uma
única vez por igual período.
b. Art. 62, §1: a medida provisória poderá ser convertida para lei ordinária por meio da espécie normativa do
decreto legislativo.
3. Decreto legislativo
É a espécie normativa que ira regulamentar as matérias de competência exclusive do Congresso Nacional previstas
no art. 49 da CF, salvo matéria prevista no art. 68, § 2, CF.
Art. 68, § 2, CF: não existe deliberação executiva, ou seja, sanção ou veto do presidente da republica nos decretos
legislativos, por se tratar de matéria interna corporis do Congresso Nacional.
4. Resolução
É a espécie normativa que irá regulamentar as matérias de competência privativa da Câmara e do Senado previstas
respectivamente no art. 51 e 52 da CF.
Atenção: os processos legislativos das leis complementares e ordinária dividem-se em 3 fazes: iniciativa,
constitutiva e complementar.
5. Leis ordinárias e complementares: elas se diferem no campo de atuação e no quorum de deliberação. ARt. 59,
§único, Art. 18, §3, art. 37, VII e Art. 5, XXII.
a. O campo de atuação da lei complementar está expressamente previsto na constituição, ou seja, tudo aquilo
que não for de competência da lei complementar será de competência da lei ordinária (campo de atuação
residual).
b. Quorum de deliberação: para eu aprovar um LC necessito de quorum de maioria absoluta (art., 69, I), já
para aprovação da LO eu necessito de quorum de maioria simples ou relativa (art. 47)

Lembrete sobre quorum:


 Maioria qualificada (2/3 ou 3/5)
 Maioria absoluta (50%+1, sendo que é o primeiro
número inteiro posterior de todos os membros.
 Maioria simples ou relativa (50% + 1 da maioria
absoluta)

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
8.2.2 ESQUEMA DO PROCESSO LEGISLATIVO

 Iniciativa: A fase iniciativa é aquela que instaura que começa o processo legislativo. Nessa fase eu devo fazer a
seguinte pergunta: Quem é que pode propor a criação da Lei? São 6 as formas de iniciativas: Comum ou geral (art.
61); Privativa (Art. 61, §1); Concorrente (art. 60); Popular; Solicitadora (art. 68 – lei delegada); e parlamentar
(Senado ou Câmara) ou extraparlamentar (qualquer outro).
 Casa iniciadora: regra geral, a Câmara será a casa iniciadora, salvo quando o próprio projeto de lei for proposto
por senadores ou por mais de ½ das assembléias legislativas.
 CCJ: o papel da Comissão de Constituição e Justiça é fazer analise da constitucionalidade ou
inconstitucionalidade do projeto de lei, pois o mesmo só será remetido ao plenário da casa iniciadora para votação
se a CCJ emitir parecer pela constitucionalidade, pois caso contrário o projeto estará arquivado.
 Casa revisora: regra geral, o Senado será a casa revisora, salva nas hipóteses especificadas na Casa Iniciadora. A
casa revisora possui 3 funções: aprovar, emendar ou rejeitar o projeto de lei.
o Se aprovar... A casa revisora irá encaminhar o projeto de lei para deliberação executiva, ou seja, para
sanção ou veto do presidente da republica.
o Se emendar... A casa revisora irá devolver o projeto para apreciação da casa iniciadora. A casa
iniciadora concordando ou não com a alteração feita pela casa revisora encaminhará o projeto para
deliberação executiva; porem se concordar irá encaminhar o projeto com alteração e se não concordar
irá encaminhar o projeto original.
o Se rejeitar... O projeto de lei rejeitado ou havido por prejudicado (= inconstitucional) não será objeto
de nova reapreciação na mesma sessão legislativa, salvo se a maioria absoluta dos membros da
Câmara ou do Senado assim quiser.
 NUNCA! JAMAIS! Em hipótese nenhuma, a EC ou Medida provisória rejeitada ou havida
por prejudicada poderá ser objeto de nova reapreciação na mesma sessão legislativa e no
mesmo ano.
 Sanção: é o ato de concordância do presidente da republica com o referido projeto de lei. Pode ser expressa
(expressamente assina e concorda) ou tácita (silencio eloqüente). Prazo para a sanção são 15 dias uteis. A lei
nasce (parto normal) na sanção.
 Veto: é o ato de discordância do presidente da republica com o referido projeto de lei.
o O veto tem de ser motivado, sob pena de ser tido como sanção tácita.
o Prazo de 15 dias uteis.
o Veto total: veta tudo
o Veto parcial: veta parte do projeto de lei. Observação (art. 66, §2) o veto parcial somente irá abranger
texto integral do artigo, parágrafos, inciso ou alíneas.
o Veto político: ocorre o veto pelo presidente da republica quando não é de interesse do povo.
o Veto jurídico: quando o presidente entende que o projeto seja inconstitucional.
 Promulgação é o registro da lei, onde eu atesto que a lei existe e é valida.
o O presidente informar, no prazo de 48h, os motivos do veto ao presidente do Senado, para que este
instaure uma sessão conjunta no Congresso Nacional para deliberar no prazo de 30 dias com relação à
derrubada ou não do veto do Presidente da Republica.
 Se o Congresso mantiver o veto o projeto de Lei estará arquivado.
 Se o Congresso derrubar o veto, a lei irá nascer (parto cesárea). Art. 84 (§3 e §5)
 Se o Congresso derrubar o veto, o mesmo irá encaminhar a lei para o Presidente da Republica
promulgar, e este não a promulgar no prazo de 48h, aplicar-se-á a regra contida no art. 66, §7
(sanção tácita).
 Publicação é fazer ciência para que o povo não admita que fizesse por não conhecer. É o ato da ciência ao
povo do surgimento de uma nova espécie normativa para que não venha descumprir a lei alegando que não a
conheça.

Anotações feitas em 2/2009


Direito Constitucional
9 CONTROLE EXTERNO
O controle externo será exercido pelo Congresso Nacional com o auxilio do TCU.
 O poder legislativo tem 2 funções típicas: legislar fiscalizar o controle externo.
 O TCU é órgão autônomo, não integra nenhum dos “poderes” (funções do estado; da mesma forma que o MP.
 O TCU é composto por 9 ministros, possui sede no DF e jurisdição em todo território nacional; se o repasse da
verba for federal.
 Dos 9 ministros que integram o TCU, 1/3 será nomeado pelo presidente da republica após a aprovação do
senado federal, e os outros 2/3 será escolhido pelo próprio Congresso Nacional.
 Ministros do TCU possuem as mesmas garantias, impedimentos, vantagens dos ministros do STJ.
 Após a CF/88 ficou vedada a criação de conselhos ou tribunais de contas dos municípios (art. 31, § 4); mas os
que já possuíam TC como SP, RJ, BH, continuaram com eles (art. 14)
 Os TCE são compostos por 7 conselheiros (art.75)
 O terceiro setor não licita, mas prestam contas ao TCU.

10 DA SEGURANÇA PÚBLICA
É dever do estado, direito e responsabilidade de todos e será exercido por meio de 6 órgãos: policia federal, policia
rodoviária federal, PFF, polícias civis, Policia militar e corpo de bombeiros.
 Força armada não tem relação com a segurança pública.
 Policia judiciária ( na união = PF / nos estados e DF = Policia civil) ≠ policia administrativa (união = PRF e
PFF; nos estados e DF = P militar
 Art. 144, §5, bombeiro: o corpo de bombeiro militar não é policia administrativo, mas sim de defesa civil, isso
com base na constituição.
 Compete a policia federal reprimir os crimes contra os bens, serviços e interesses da união, suas autarquias e
empresas publicas.
 Compete a PF reprimir o contrabando, o descaminho e o trafico de drogas de âmbito interestadual ou
internacional.
 Compete a PF exercer a policia de fronteira, aeroportuária e marítima.

Anotações feitas em 2/2009