Você está na página 1de 4

Propagação das ondas em função da frequência

A fim de compreender o comportamento dos colectores de ondas, é necessário conhecer a


maneira como se propagam as ondas electromagnéticas em função da sua frequência.
As ondas electromagnéticas resultam da sobreposição de um campo magnético e um campo
eléctrico, ambos com o mesmo sentido de propagação da onda. O comprimento de onda “ λ”
representa a distância que separa dois estados identicos sucessivos. As ondas utilizadas na rádio
de fusão agrupam-se de seguinte modo:
• Ondas longas, superiores a 800 m (OL).
• Ondas médias, entre 200 e 800 m (OM).
• Ondas curtas, de 10 a 100 m (OC).
• Ondas ultracurtas, de 1 a 10 m.

As ondas electromagnéticas ou hertizianas obedecem a certas leis, como as da reflexão, refração


e absorção, que dependem essencialmente da ordem de grandeza do comprimento de onda.
O alcance das ondas hertizianas resulta de fenómenos bastantes complexos. Se nos elevarmos a
80 km acima da superfície terrestre, atingiremos a “ionosfera”. A ionosfera é um conjunto de
camadas, isto é, tornadas condutoras devido à radiação solar. Deste modo por exemplo, e após
sucessivas reflexões na ionosfera e no solo, é possivel estabelecer ligações por meio de ondas
que efectuam diversas voltas ao globo.

Propagação de baixas frequências (OL)

As “ondas longas” tem uma excelente reflexão nas camada da ionosfera, tanto de noite como de
dia. Esta particularidade demostra que a recepção das ondas longas se processam atraveis das
ondas reflectidas e que a onda rasante ou directa, também chamada onda terrestre, tem um papel
secundário, como ilustra a figuar 1.
Com efeito mesmo a distância relactivamente pequena do emissor, a onda terrestre e ja
normalmente mais fraca do que a onda reflectida. A onda terrestre segui aproximadamente o
relevo do solo e permite uma grande regularidade de recepção. A vantagem consideravel das
ondas longas reside na constancia das condições de propagação, tanto de dia como de noite; mas
a absorção que acompanha a reflexão na ionosfera impões o uso de grandes potência de emissão
para à contra balançar.

Propagação das ondas médias (OM)


A principal característica das ondas média reside no facto de estas serem consideravelmente
absorvida aquando da sua reflexão na ionosfera. Durante o dia só as ondas directas tem a
possibilida de se propagar, ficando assim substancialmente reduzido o alcance destes emissores.
De noite, pelo contrario, a absorção pela ionosfera deminui e as ondas reflectidas conseguen
propagar-se a distâncias bastantes grandes. A figura dois resume esta particularidade.
Frequentimente, a segunda zona de escuta émelhor do que a primeira. Note-se que a delimitação
entre ondas longas e ondas média não é perigosa.

Propagação de frequências elevadas (OC)

Neste caso, tanto o solo como a ionosfera constituem condutores quase perfeito, produzindo
fracas atenuações. Um mesmo sinal pode dar diversas voltas a terra. Como ilustra a figura 3
quase não existe a escuta directa. Por outro lado, X varia com a estação do do ano e a altura do
sol, o que explica uma melhor sencibilidade noturna pois o ângulo de reflexão vai se alterando ao
longo do dia. Nesta banda algunas emissores são obrigados a mudar diversas vezes de
frequência num mesmo dia.

Finalmente, no caso em que as ondas tem uma frequência superior a 50 MHz a propagação é
identica a dos raios luminosos, constituindo os obstaculos um importante factor de atenuação.
Os colectores de ondas

Quando se deseja receber uma emissão é necessario captar as ondas hertizianas, isto é, a energia
fornecida pelo emissor à atmosfera. Para este efeito utilizan-se os chamados colectores de ondas.
As ondas electromagneticas propagan-se concentricamente em todas as direcções e tem a
propriedades de atravessarem os corpos não e serem travadas pelos corpos bons condutores de
electricidade. É por essa rezão que os colectores de onda são principalmente constituidos por fios
bons condutores. A fraquissima potência captada por estes colectores de onda depende
essencialmente do lugar e das dimensões do colector.Destinguen-se duas categorias de colectores
de onda:as antenas e os quadros.
Referencias

Andersen,J., Johansen,C., Pedersen,G. and Raskmark,P., On the Possible


Health Effects Related to GSM and DECT Transmissions – A Tutorial Study,
Center of Personkommunikation, Aalborg University, Aalborg, Denmark, Apr.
1995.

Considerations for Human Exposure to EMFs from Mobile Telecommunication


Equipment (MTE) in the Frequency Range 30 MHz - 6 GHz, CENELEC -
European Committee for Electrotechnical Standardisation, Secretariat SC
211/B, Brussels, Belgium, Feb. 1997.

Correia,L.M., Sistemas de Comunicações Celulares-2, Apontamentos de


Sistemas de Comunicações Móveis e Pessoais, Instituto Superior Técnico,
Lisboa, Portugal, 2002.

Conselho da União Europeia, "Recomendação do Conselho de 12 de Julho de


1999, relativa à limitação da exposição da população aos campos
electromagnéticos (0 Hz - 300 GHz)", Jornal Oficial das Comunidades
Europeias, L 199/59, Bruxelas, Bélgica, Jul. 1999.

Hall,M.P.M. and Barclay,L.W., Radiowave Propagation, Peter Peregrinus,


London, UK, 1989.

Guidelines for Limiting Exposure to Time-Varying Electric, Magnetic, and


Electromagnetic Fields (up to 300 GHz), ICNIRP - International Commission
on Non-Ionizing Radiation Protection, Report 0017-9078/98, Germany, 1998.

Medical electrical equipment; Part 1: General requirements for safety; 2.


Collateral standard: Electromagnetic compatibility; Requirements and tests,
IEC - International Electromagnetic Commission, Report 60601-1-2 - Ed. 2.0,
Switzerland, Sep. 2001.

Ministérios da Economia e das Cidades, Ordenamento do Território e


Ambiente, Decreto-Lei nº 11/2003, Diário da República – I Série-A, Nº 15,
Lisboa, 18 Jan. 2003, pp. 260 – 264.

Ministério do Equipamento Social, Decreto-Lei nº 151-A/2000, Diário da


República – I Série-A, Nº 166, Lisboa, 20 Jul. 2000, pp. 3476-(4) – 3476-(10).

World Health Organization, Electromagnetic Fields and Public Health -


Physical Properties and Effects on Biological Systems, Fact Sheet Nº 182,
Reviewed May 1998 (http://www.who.int/inf-fs/en/fact182.html)