Você está na página 1de 2

Franz Peter Schubert (Himmelpfortgrund, 31 de Janeiro de 1797 — Viena, 19 de

Novembro de 1828) foi um compositor austríaco do fim da era clássica, com um


estilo marcante, inovador e poético do romanticismo. Escreveu cerca de seiscentas
canções (o "Lied" alemão), bem como óperas, sinfonias, incluindo ("Sinfonia
Incompleta") sonatas entre outros trabalhos. Não houve grande reconhecimento
público da sua obra durante sua curta vida; teve sempre dificuldade em assegurar um
emprego permanente, vivendo muitas vezes à custa de amigos e do trabalho que o pai
lhe dava. Morreu sem quaisquer recursos financeiros com a idade de 31 anos. Hoje, o
seu estilo considerado por muitos como imaginativo, lírico e melódico, fá-lo ser
considerado um dos maiores compositores do século XIX, marcando a passagem do
estilo clássico para o romântico. Podemos defini-lo como "mais um artista
incompreendido pelos seus contemporâneos".

Primeiros anos de vida e educação

Schubert nasceu em Himmelpfortgrund, um pequeno subúrbio de Viena. O seu pai,


Franz Theodor Florian Schubert, filho de um camponês da Morávia, era um mestre-
escola da paróquia. A sua mãe, Elizabeth Fitz (ou Vietz), tinha sido, antes do
casamento, criada de uma família vienense. Dos seus quatorze filhos, nove morreram
durante a infância; os outros eram Ignaz (nascido em 1784), Ferdinand (nascido em
1794), Karl (nascido em 1796), Franz e a filha, Theresia (nascida em 1801). O pai,
homem de reconhecida integridade moral, tinha alguma reputação como professor, e a
sua escola, em Lichtenthal, era bem frequentada. Era também um músico amador
razoável. Os seus filhos mais velhos, Ignaz e Ferdinand, comparavam-se ao pai na sua
habilidade musical.

Aos cinco anos de idade, Schubert começou a sua instrução regular, com o pai. Aos
seis anos, entrou na escola de Lichtenthal, onde passou alguns dos melhores anos da
sua vida. A sua educação musical começou também por esta altura. O seu pai
transmitiu-lhe alguns conhecimentos rudimentares sobre violino e o seu irmão, Ignaz,
iniciou-o no pianoforte. Aos sete anos, como já tinha ultrapassado largamente a
perícia dos seus mestres iniciais, foi entregue à guarda de Michael Holzer, o
Kapellmeister - mestre de capela - da igreja de Lichtenthal. As lições de Holzer
consistiam mais em manifestações de espanto por parte do mestre. O jovem Schubert
lucrou mais com a ajuda de um seu colega que o levava até um armazém de
pianofortes, onde este tinha oportunidade de practicar em instrumentos mais
sofisticados que aquele que a sua família lhe podia proporcionar. O facto de os seus
primeiros anos de aprendizagem serem algo insatisfatórios era tanto mais sério que,
naquela época, um compositor só teria alguma hipótese de sucesso se fosse
reconhecido pelo público como um intérprete de excepção. A educação musical que
tinha era, no entanto, insuficiente.
Musiclass.jpg
Compositores
Lista de compositores
Períodos
Idade Média - Renascença
Barroco - Classicismo - Romantismo
Modernismo - Vanguardismo
Gêneros musicais
Sinfonia - Concerto - Sonata - Ópera
Oratório - Balé - Música sacra
Cantata - Canção - Suíte - Madrigal
Formas musicais
Abertura - Balada - Estudo
Forma-sonata - Fuga - Rondó
Variação - Chacona - Scherzo
Instrumentos
Cordas - Sopro - Percussão
Teclados - Vocal
Interpretação
Orquestras e Conjuntos Sinfônicos
Companhias de ópera - Maestro
Músicos - Canto
Ver Também
Portal da Música Erudita

A 30 de Setembro de 1808, o seu pai leva-o a participar no concurso para coristas da


Capela Imperial, onde António Salieri, compositor oficial da corte, selecionaria os
novos cantores. Possuidor de uma apreciada voz de soprano, obteve um lugar no coro,
ganhando também uma bolsa de estudos em Stadtkonvikt, um dos melhores colégios
de Viena (correspondendo ao Conservatório). Manteve-se aí até ter quase dezessete
anos. A sua instrução não foi, no entanto, das melhores - um pouco, aliás, como
aconteceu a Haydn em St. Stephen. A sua formação deveu mais à prática que recebeu
através da orquestra da escola e pelo companheirismo de alguns dos seus colegas.
Muitos dos seus mais devotados amigos, ao longo da sua vida, encontram-se já entre
os seus colegas: Spaun, Stadler, Holzapfel, entre outros que o ajudavam
monetariamente, comprando-lhe papel de música (que não conseguia comprar com o
dinheiro que tinha), além de lhe darem apoio moral, encorajando-o, reconhecendo
nele as suas qualidades. Foi também no Stadtkonvikt que teve o seu primeiro contacto
com as sinfonias e aberturas de Mozart. Foi conhecendo alguma produção musical
além desta, como pequenas peças musicais mais ligeiras e visitando ocasionalmente a
ópera, que Schubert foi desenvolvendo o seu conhecimento pessoal da música da
época.