Você está na página 1de 4

Capítulo 1 Seção I - Regras deontológicas I.

Lei 1.171/94

Dignidade, decoro, zelo, eficácia e consciência dos princípios morais são norteadores do servidor, estando ele em exercício ou fora dele, já que reflete o poder estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes são direcionados para preserva ão da !onra e da tradi ão" II. # servidor não pode desprezar a $tica" deve levar em conta não somente o que $ legal, justo, conveniente, oportuno, mas principalmente, o !onesto" III. % moralidade não se limita & distin ão entre 'em(mal) deve ser relevante que o fim $ sempre o 'em comum. *ecessário equilí'rio entre a legalidade e a finalidade para assegurar a moralidade" I+. # valor moral deve ser integrado ao Direito ,tornar-se norma., fazendo parte do princípio da moralidade administrativa e, assim, tornando-se um fator de legalidade" +. # tra'al!o do servidor, quando feito com êxito, pode ser considerado seu maior patrim/nio" +I. % fun ão p0'lica se integra na vida particular. Sua conduta do dia a dia pode acrescer ou diminuir o seu conceito na vida funcional" +II. % 1u'licidade $ requisito de eficácia e moralidade. % sua omissão configura comprometimento da $tica contra o 'em comum, imputável a quem a negar. 2xce ão) Salvo em casos sigilosos) Seguran a *acional" Investiga ão policial" interesse superior,nos termos da lei" +III. Direito & verdade" o servidor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que contrarie a pr3pria pessoa interessada ou a pr3pria %dministra ão 10'lica I4. 5ortesia, 'oa vontade, cuidado e tempo dedicado ao servi o p0'lico caracterizam o esfor o pela disciplina. 6ratar mal uma pessoa configura Dano 7oral" causar dano ao patrim/nio p0'lico, por descuido ou má vontade, não constitui apenas ofensa ao equipamento ou ao 2stado, mas a sociedade em si" 4. Se o servidor deixar qualquer pessoa & espera de solu ão que compete ao seu setor, permitindo longas filas e(ou qualquer outra esp$cie de atraso na presta ão do servi o, não atenta somente contra a $tica ou configura ato de desumanidade apenas, mas principalmente grave dano moral ao usuário do servi o p0'lico" 4I. # servidor deve ouvir a atentar ao cumprimento &s ordens legais de seus superiores, evitando a conduta negligente. 8epetidos erros, descaso e ac0mulo de desvios podem caracterizar at$ mesmo imprudência no desempen!o da fun ão p0'lica" 4II. % ausência injustificada do servidor $ fator de desmoraliza ão do servi o p0'lico, o que quase sempre conduz & desordem das rela 9es !umanas" 4III. # servidor que tra'al!a em !armonia com a estrutura organizacional,

5omunicar imediatamente todo e qualquer fato contrário ao interesse p0'lico. principalmente diante de filas ou de outro atraso na presta ão de servi o. a'stendo-se. . 8esistir a todas as press9es de todos que visem o'ter quaisquer favores. ?elar. demonstrando integridade de seu caráter. 7anter-se atualizado com as instru 9es. ter ur'anidade. +estir-se adequadamente" B. respeitando as diferen as individuais dos usuários. estando ciente que sua ausência provoca danos. escol!endo sempre diante de duas op 9es. com o fim de evitar dano moral ao usuário" 5. disponi'ilidade e aten ão. 'enesses ou vantagens indevidas em decorrência de a 9es imorais. a mel!or e mais vantajosa para o 'em comum" D. A.. leal e justo. Ser pro'o. São deveres fundamentais do servidor p0'lico) %. por$m sem temor de representar contra qualquer comprometimento indevido da estrutura em que se funda o 1oder 2statal" I. 8espeitar & !ierarquia. exigindo as providências ca'íveis" *. sem qualquer esp$cie de preconceito. ilegais ou a$ticas e denunciá-las" .respeitando seus colegas e concidadãos. reto. cola'ora e pode de todos rece'er cola'ora ão.amais retardar qualquer presta ão de contas. condi ão essencial da gestão dos 'ens. . no que condiz ao direito de greve. pondo fim ou procurando prioritariamente resolver situa 9es procrastinat3rias. pela defesa da vida e da seguran a coletiva" @. Ser cortês. 6er consciência de que o tra'al!o $ regido por princípios $ticos que se materializam na adequada presta ão dos servi os p0'licos" =.rincipais de!eres" 4I+. assim. pois a atividade p0'lica $ oportunidade para o crescimento e engrandecimento da *a ão" Seção II . as normas e legisla ão pertinentes ao . a tempo" :. Desempen!ar as atri'ui 9es do cargo. tendo por escopo o 'em comum" 1. 2xercer com rapidez. refletindo negativamente em todo o sistema" 7. 7anter limpo e em plena ordem o local de tra'al!o" #. perfei ão e rendimento. direitos e servi os da coletividade a seu cargo" 2. 6ratar cuidadosamente os usuários aperfei oando o processo de comunica ão e contato com o p0'lico" <. de causar dano moral" >. Ser assíduo e frequente. 1articipar de movimentos e estudos que se relacionem com a mel!oria do exercício de suas fun 9es.

de exercer sua fun ão. +. livro ou 'em pertencente ao patrim/nio p0'lico" 7. Iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que necessite de atendimento em servi os p0'licos" . sugerir.simpatias. qualquer documento. 1ermitir que motivos pessoais . 3rgão onde exerce fun ão" 5umprir tarefas de seu cargo ou fun ão com crit$rio. causando-l!e dano moral ou material" 2. para si ou para outrem" :. interesse de ordem pessoal. de forma a'soluta. A. S. doa ão ou vantagem de qualquer esp$cie. paix9es. Desviar servidor p0'lico para atendimento a interesse particular" @. 6. C. Deixar de usar avan os t$cnicos e científicos ao seu alcance ou do seu con!ecimento para atendimento do seu mister" <. poder ou autoridade com finalidade estran!a ao interesse p0'lico. para si. Ser conivente com erro ou infra ão ao c3digo de $tica" D. rece'er qualquer tipo de ajuda financeira. interfiram no trato com o p0'lico. Csar de artifícios para procrastinar ou dificultar o exercício regular de direito por qualquer pessoa. <azer uso de informa 9es privilegiadas o'tidas no Em'ito interno de seu servi o em 'enefício pr3prio ou de terceiros" *. Solicitar.. gratifica ão. a'stendo-se de fazê-lo contrariamente aos legítimos interesses dos usuários e dos jurisdicionados administrativos" %'ster-se. prêmio. sem autoriza ão legal. %presentar-se em'riagado no servi o ou fora dele !a'itualmente" .#edaç$es ao ser!idor p%&lico" 4+.8. 8etirar da reparti ão. 1rejudicar deli'eradamente a reputa ão de outro servidor ou cidadão que deles dependam" 5. persegui 9es. D vedado ao servidor p0'lico) %. seguran a e rapidez mantendo tudo sempre em 'oa ordem" <acilitar a fiscaliza ão de todos os atos ou servi os por quem de direito" 2xercer com modera ão as prerrogativas funcionais que l!e sejam atri'uídas. Cso de cargo ou fun ão para o'ter qualquer favorecimento. com os jurisdicionados administrativos ou com colegas" =. familiares ou qualquer pessoa. para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim" >. . %lterar ou deturpar o teor de documentos que deva encamin!ar para providências" I. mesmo que o'servando as formalidades legais e não cometendo qualquer viola ão expressa na lei" Divulgar e informar a todos os integrantes da sua classe so're a existência deste c3digo de $tica estimulando seu integral cumprimento" Seção III .

as entidades paraestatais. 5ontri'uir. concretamente. as funda 9es p0'licas. preste servi os de natureza permanente. ainda que sem retri'ui ão financeira.#. 2xercer atividade profissional a$tica ou ligar o seu nome a empreendimentos de cun!o duvidoso" 5apítulo F G 5omiss9es de $tica 4+I. entende-se por servidor p0'lico. %pena aplicável ao servidor p0'lico pela comissão de $tica $ a de censura e sua fundamenta ão constará do respectivo parecer. desde que ligado diretamente ou indiretamente a qualquer 3rgão de poder estatal. assinado por todos os seus integrantes. . 5a'e a comissão de $tica fornecer registros da conduta $tica do servidor para instruir promo 9es" 44II. com ciência do faltoso" 44I+. como autarquia. a !onestidade e a dignidade da pessoa !umana" 1. 1ara fins de apura ão do comprometimento $tico. contrato ou de qualquer ato jurídico. 10'lica <ederal deverá ser criada uma 5omissão de Dtica <un 9es da comissão de $tica) • #rientar e aconsel!ar so're a $tica profissional" • 5on!ecer. todo aquele que. 2m todos os 3rgãos e entidades de %dm. as empresas p0'licas e as sociedades de economia mista. ou em qualquer outro setor onde prevale ao interesse do estado. por for a da lei. cola'orar com institui ão que atente contra a moral. temporária ou excepcional. as situa 9es que podem ensejar a pena de censura" 4+III.