Você está na página 1de 38

SUMÁRIO

Legislação Aplicada à EBSERH

EBSERH

SUMÁRIO Legislação Aplicada à EBSERH EBSERH Lei Federal nº 12.550, de 15 de dezembro de 2011

Lei Federal nº 12.550, de 15 de dezembro de 2011

5

Decreto nº 7.661, de 28 de dezembro de 2011

8

Regimento Interno da EBSERH

12

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH

À LEGISLAÇÃO APLICADA LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH É r i c o V a l v

Érico Valverde de Souza

EBSERH EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH)

foi criada pelo Governo Federal, possuindo personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio, regida por Estatuto Social e Regimento Interno próprio. Sua sede está localizada em Brasília, Distrito Federal, sua sede provisória se encontra no Ministério da Educação, na Esplanada dos

Ministérios, Bloco L, Edi cio Anexo II, sala 412, CEP 70.047- 900 – Brasília – DF. Por conta da sua atuação, organização da rede de Hospitais Universitários Federais, poderá estabelecer liais, escritórios e representações nos demais estados da Federação.

O surgimento e criação da EBSERH ocorreram com a

nalidade de organizar a prestação de serviços gratuitos de

assistência médico-hospitalar, ambulatorial e de diagnós co

e terapêu co realizado pelos hospitais universitários em todo

o país, que são representados por 46 hospitais. Esta empresa pública tem vinculação direta com o Ministério da Educação. Quanto aos serviços de assistência à saúde, tem sua vinculação com o Ministério da Saúde, desta forma, entendemos que os princípios preconizados pelo SUS serão seguidos, haverá uma con nuação da a vidade de ensino, pesquisa, a extensão, ao ensino-aprendizagem dos acadêmicos da área de saúde, levando em consideração a autonomia universitária, que consta na Cons tuição Federal.

A EBSERH é da como uma empresa pública de caráter

inovador e inédito, pois agrega tanto servidores do regime jurídico único (estatutários) cedidos, quanto servidores cele stas (CLT). Esta estatal traz como ideal uma reformu- lação completa na maneira pela qual o trabalho dentro dos hospitais universitários tem sido realizado. O obje vo será estabelecido por meio de metas, na eciência do trabalho, para trazer mais dinamismo a estrutura destes hospitais,

com inves mento pesado em treinamento de pessoal para alcançar os obje vos traçados.

A principal motivação para essa reestruturação dos

HUF (Hospitais Universitários Federais) se deu por conta de

um ques onamento levantado pelo Tribunal de Contas da União, que desde 2008, faz exigências para a subs tuição dos servidores contratados pelas Fundações de Apoio aos HUF. Assim deu-se início Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF), criado pelo Decreto nº 7.082/2010, pelo qual foram empreendidas ações no sen do de garan r a reestruturação sica e tecnológica

e obje vando solucionar o problema de recursos humanos destas ins tuições.

A sua criação se deu pela Lei nº 12.550 de 2011, e o De-

creto nº 7.661/2011 apresenta o seu Estatuto Social.

Missão, Visão e Valores da EBSERH

Missão Prestar serviços de atenção à saúde com excelência, criar condições para a formação pro ssional de qualidade e promover o desenvolvimento cien co e tecnológico, mediante a gestão dos hospitais universitários federais e congêneres.

Visão Ser reconhecida pela sociedade brasileira como refe- rência na atenção à saúde e em gestão hospitalar.

Valores

• Respeito ao ser humano em todas as prá cas de atenção e gestão da saúde, baseando-se nas melho- res prá cas, polí cas e diretrizes de humanização e acolhimento, promovendo os direitos do cidadão;

• Compromisso com a quali cação e a valorização dos prossionais de saúde, a m de garan r a prestação de serviços de excelência;

• Responsabilidade com uma visão abrangente da saúde para o desenvolvimento de ações e de rela- ções comprome das com a sociedade e com o meio ambiente.

Fonte: Web site ocial da EBSERH

Para a total compreensão desta Legislação, colocamos

à sua disposição o Decreto nº 7.082/2010, que justamente

instaura o Programa Nacional de Reestruturação dos Hos- pitais Federais – REHUF, a m de que você compreenda o mo vo pelo qual surgiu a EBSERH e sua nalidade. Muitos destes tópicos estão se repe ndo nas demais legislações que se seguem.

DECRETO Nº 7.082, DE 27 DE JANEIRO DE 2010

Este decreto ins tui o Programa Nacional de Reestru- turação dos Hospitais Universitários Federais – REHUF, tal reestruturação tem como foco principal a melhoria das a vidades médico-assistenciais, como também a formação dos pro ssionais da área de saúde, no que diz respeito às demandas do SUS.

da área de saúde, no que diz respeito às demandas do SUS. Os hospitais universitários federais

Os hospitais universitários federais desempenham uma função de fundamental importância para a saúde: o desen- volvimento cien co tecnológico dos pro ssionais da saúde

e desenvolvimento de novas abordagens que aproximem

as áreas acadêmica e de serviço no campo da saúde, tendo como obje vos especícos:

• atender às necessidades do ensino de graduação na

área da saúde, em especial em relação à oferta de

cos: • atender às necessidades do ensino de graduação na área da saúde, em especial em

internato nos cursos de Medicina e estágios curricula- res supervisionados para os demais cursos, conforme previsão nas diretrizes curriculares nacionais e no projeto pedagógico de cada curso;

desenvolver programas de pós-graduação stricto sensu e lato sensu, voltados à formação de docentes

e

pesquisadores em saúde, familiarizados com a ó ca

dos serviços de atenção especializada ofertados e a gestão em saúde;

de nir a oferta anual de vagas dos programas de residência médica, de modo a favorecer a formação

de médicos especialistas nas áreas prioritárias para

o

SUS, segundo indicadores estabelecidos pelos Mi-

nistérios da Educação e da Saúde;

implementar a residência mul prossional nas áreas estratégicas para o SUS, es mulando o trabalho em

equipe mul prossional e contribuindo para a quali - cação dos recursos humanos especializados, de forma

a

garan r assistência integral à saúde; e

es

mular o desenvolvimento de linhas de pesquisa de

interesse do SUS, em conformidade com o per l epi- demiológico local e regional e as diretrizes nacionais para pesquisa em saúde, com foco na busca de novas

tecnologias para o cuidado e a gestão em saúde.

No âmbito da assistência à saúde, os hospitais univer- sitários desempenham as funções de centros de referência de média e alta complexidade, tendo como obje vos es- pecícos:

ofertar serviços de atenção de média e alta com- plexidade, observada a integralidade da atenção à saúde, com acesso regulado, mantendo as a vidades integradas à rede de urgência e emergência;

• garan r oferta da totalidade da capacidade instalada ao SUS;

avaliar novas tecnologias em saúde, com vistas a subsidiar sua incorporação ao SUS;

• desenvolver a vidades de educação permanente para

a rede de serviços do SUS, com vistas à qualicação

de recursos humanos para o sistema; e

desenvolver ações de telessaúde, u lizando as meto- dologias e ferramentas propostas pelos Ministérios da Saúde e da Educação.

O REHUF orienta-se pelas seguintes diretrizes:

ins tuição de mecanismos adequados de nancia- mento, igualmente compar lhados entre Saúde e

Educação;

• melhoria dos processos de gestão e adequação da

estrutura sica;

recuperação e modernização do parque tecnológico;

reestruturação do quadro de recursos humanos dos hospitais universitários federais; e

• aprimoramento das a vidades hospitalares vinculadas ao ensino, pesquisa e extensão, bem como à assis- tência à saúde, com base em avaliação permanente e incorporação de novas tecnologias em saúde.

Com a determinação de alcançar os obje vos denidos serão necessários:

modernização da gestão dos hospitais universitários

federais, com base em transparência e responsa-

bilidade, adotando-se como regra geral protocolos clínicos e padronização de insumos, que resultem na qualicação da assistência prestada e o mização do custo-bene cio dos procedimentos;

implantação de sistema gerencial de informações e indicadores de desempenho a ser disponibilizado pelo Ministério da Educação, como ferramenta de administração e acompanhamento do cumprimento das metas estabelecidas;

reformas de prédios ou construção de unidades hos- pitalares novas, com adequação às normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa e às disposi- ções especícas do Ministério da Saúde sobre espaços des nados à atenção de média e alta complexidade;

aquisição de novos equipamentos de saúde e subs- tuição dos equipamentos obsoletos, visando a u li- zação de tecnologias mais modernas e adequadas à atenção de média e alta complexidade;

• implantação de processos de melhoria de gestão de recursos humanos, para se alcançar as metas estabele- cidas, o treinamento de pessoal se torna fundamental;

promoção do incremento do potencial tecnológico e de pesquisa dos hospitais universitários federais, em bene cio do atendimento das dimensões assistencial e de ensino;

• ins tuição de processos permanentes de avaliação tanto das a vidades de ensino, pesquisa, extensão e inovação tecnológica, como da atenção à saúde pres- tada à população;

• criação de mecanismos de governança no âmbito dos hospitais universitários federais, com a par cipação de representantes externos às universidades.

Visando uma maior efe vidade e funcionalidade dos Hos- pitais Universitários, o Plano de Reestruturação do Hospital Universitário traz consigo algumas caracterís cas:

diagnós co situacional (vericação da situação atual) infraestrutura sica, tecnológica e principalmente dos recursos humanos, além de especicar as necessidades de reestruturação;

• análise do impacto nanceiro previsto para desenvol- vimento das ações de reestruturação do hospital;

• proposta de cronograma para a implantação do Plano de Reestruturação, vinculando-o ao desenvolvimento de a vidades e metas.

cronograma para a implantação do Plano de Reestruturação , vinculando-o ao desenvolvimento de a vidades e

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

A relação entre os gestores do SUS, os Ministérios da Educação, Saúde e do Planejamento, Orçamento e Gestão se fará por meio do regime de pactuação global, ou seja, haverá metas que deverão ser a ngidas, no âmbito da assistência, gestão, ensino, pesquisa e extensão. Tanto o Ministro da Saúde, como o Ministro da Educação acompanharão de perto as questões rela vas ao nancia- mento, que é composto por inves mentos das duas partes,

e também as demandas que surgirem relacionadas à quan -

dade de pessoal, denição dos quadros de lotação de pessoal

à luz da capacidade instalada e das plataformas tecnológicas disponíveis, e neste úl mo caso, o Ministro do Orçamento, Planejamento e Gestão os acompanhará. Na parte nal deste Decreto, faz-se menção ao documen- to de Pactuação Global, que deverá conter os pontos chaves para o desenvolvimento do trabalho da EBSERH dentro dos HUF’s e apresenta as seguintes caracterís cas:

dos HUF’s e apresenta as seguintes caracterís cas: LEI Nº 12.550, DE 15 DE DEZEMBRO DE

LEI Nº 12.550, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2011

Na Lei nº 12.550/2011, foi criada a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – EBSERH, com personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio, vinculada ao Mi- nistério da Educação, com prazo de duração indeterminado. Sua sede será em Brasília, DF, e poderá manter escritórios, representações, dependências e liais em outras unidades da Federação.

e fi liais em outras unidades da Federação. A ins tuição está autorizada a criar subsidiárias

A ins tuição está autorizada a criar subsidiárias para

o desenvolvimento de a vidades inerentes ao seu objeto social, com as mesmas caracterís cas citadas a seguir:

O

capital social integralmente sob a propriedade da

União, com recursos oriundos de dotações consigna- das no orçamento da União.

A Finalidade será a prestação de serviços gratuitos de assistência médico-hospitalar, ambulatorial e

de apoio diagnós co e terapêu co à comunidade, e também a prestação às ins tuições públicas federais de ensino ou ins tuições congêneres de serviços de apoio ao ensino, à pesquisa e à extensão, ao ensi- no-aprendizagem e à formação de pessoas no campo da saúde pública, devendo ser observada, a autonomia universitária (art. 207 da Cons tuição Federal).

– “Instituições congêneres” – do mesmo gênero, ins tuições públicas com nalidade de ensino e pesquisa em saúde e que prestam serviços ao SUS,

– Tais a vidades de prestação de serviços de assis- tência à saúde estarão inseridas integral e exclusi- vamente no âmbito do SUS,

– Observação das orientações da Polí ca Nacional de Saúde, de responsabilidade do Ministério da Saúde,

– Tal empresa também poderá prestar serviços a consumidores e respec vos dependentes de planos privados de assistência a saúde e por conta disso, lhe é assegurado o devido ressarcimento de acordo com os valores de referência estabelecidos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar.

estabelecidos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar. Competências da EBSERH: • administrar unidades

Competências da EBSERH:

administrar unidades hospitalares, bem como prestar serviços de assistência em saúde: quer seja o atendimento médico-hospitalar, quer o atendimento ambulatorial e de apoio diagnós co e terapêu co à comunidade, no âmbito do SUS;

prestar às ins tuições federais serviços de apoio ao en- sino, à pesquisa e à extensão, ao ensino-aprendizagem

e à formação de pessoas no campo da saúde pública,

mediante as condições que forem xadas em seu esta- tuto social;

apoiar a execução de planos de ensino e pesquisa, em especial na implementação das residências médicas, mul prossional e em área prossional da saúde, nas especialidades e regiões estratégicas para o SUS.

mul pro fi ssional e em área pro fi ssional da saúde, nas especialidades e regiões

• prestar serviços de apoio:

à

geração do conhecimento em pesquisas básicas,

clínicas e aplicadas nos hospitais universitários fe- derais e a outras ins tuições congêneres;

ao processo de gestão dos hospitais universitários

e

federais e a outras ins tuições congêneres, com

implementação de sistema de gestão único com foco em metas, gerando indicadores quan ta vos

a

e qualita vos.

• exercer outras a vidades inerentes às suas nalidades, nos termos do seu estatuto social.

Não se faz necessário licitação para a contratação desta empresa pública por parte da própria administração pública. Será estabelecido um contrato de prestação de serviços, respeitando-se o princípio da autonomia universitária. Tal contrato conterá as seguintes prerroga vas:

• as obrigações dos signatários;

• as metas de desempenho, indicadores e prazos de execução a serem observados pelas partes;

• a respec va sistemá ca de acompanhamento e avalia- ção, contendo critérios e parâmetros a serem aplicados.

Tal contrato terá como base avaliação de resultados ob- dos, que serão usados para o aprimoramento de pessoal

e melhorias estratégicas na atuação perante a população e

as ins tuições públicas federais de ensino ou congêneres, buscando sempre o melhor aproveitamento dos recursos des nados a esta empresa. Ao contrato rmado será dada ampla divulgação por intermédio dos sí os da EBSERH e da en dade contratante na Internet. Os servidores tulares de cargo efe vo das ins tuições as quais estarão sendo assis das pela EBSERH, e exerçam a vidades relacionadas aos obje vos desta empresa, poderão

ser a ela cedidos para a realização de a vidades de assistência

a saúde e administra va, sendo assegurados os direitos e as vantagens a que façam jus no órgão ou en dade de origem.

O ônus será do cessionário (EBSERH).

dade de origem. O ônus será do cessionário (EBSERH). Cons tuem recursos da EBSERH: • recursos

Cons tuem recursos da EBSERH:

• recursos oriundos de dotações consignadas no orça-

mento da União;

• as receitas decorrentes:

– da prestação de serviços compreendidos em seu objeto;

– da alienação de bens e direitos e das aplicações nanceiras que realizar;

– dos direitos patrimoniais, tais como aluguéis, foros, dividendos e boni cações; e

– dos acordos e convênios que realizar com en dades nacionais e internacionais.

• doações, legados, subvenções e outros recursos que lhe forem des nados por pessoas sicas ou jurídicas de direito público ou privado; e

• rendas provenientes de outras fontes.

Obs.: o lucro líquido será reinves do para atendimento do objeto social da empresa, excetuadas as parcelas de- correntes da reserva legal e da reserva para con ngência.

Reserva Legal: é cons tuída mediante des nação de 5% do lucro líquido do exercício. Deve ser cons tuída obrigatoriamente pela companhia até o limite de 20% do capital social realizado, e neste momento então deixará ser guardada. 1

Reserva para Con ngências: Fundo de reserva criado por lei para ter nalidade de compensar, em tempos futuros, a diminuição do lucro decorrente de perda julgada provável. (Lei nº 6404/1976, art. 195.) 1

A EBSERH será administrada por:

• um Conselho de Administração, com funções delibe- ra vas;

• por uma Diretoria Execu va; e

• um Conselho Consul vo representará o controle social.

um Conselho Consul vo representará o controle social. Este conselho será paritariamente cons tuído por re-

Este conselho será paritariamente cons tuído por re- presentantes:

• da sociedade civil, incluindo usuários;

• do Estado, na forma estabelecida no estatuto social e sem prejuízo de outros meios de scalização por parte da sociedade civil.

Os órgãos scalizatórios serão o Conselho Fiscal e Au- ditoria interna.

Obs.: o estatuto social da EBSERH de nirá a composi- ção, as atribuições e o funcionamento dos órgãos referidos acima.

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

LEGISLAÇÃO EBSERH APLICADA À LEGISLAÇÃO APLICADA Fonte: h p://ebserh.mec.gov.br/a-ebserh/ebserh-ins
LEGISLAÇÃO EBSERH APLICADA À LEGISLAÇÃO APLICADA Fonte: h p://ebserh.mec.gov.br/a-ebserh/ebserh-ins

Fonte: h p://ebserh.mec.gov.br/a-ebserh/ebserh-ins tucional – acesso em 17 de maio de 2013 (com adaptações).

Uma das novidades que a empresa trouxe e que já é

adotada por outras ins tuições, como por exemplo: HFA

e Hospital do Aparelho Locomotor – Sarah Kubitschek é o

regime de pessoal estabelecido: Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n o 5.452, de 1 o

de maio de 1943, e legislação complementar, condicionada

a contratação, à prévia aprovação em concurso público de

provas ou de provas e tulos, observadas as normas espe- cas editadas pelo Conselho de Administração.

Devido a sua novíssima estrutura e organização, esta lei permi u por tempo determinado (dois anos seguintes

a criação) a contratação de pessoal por processo sele vo

simpli cado, esta contratação terá como obje vo des nar tal pessoal a contrato celebrado com as ins tuições federal de ensino ou congênere, nos primeiros 180 dias do referido contrato. Tais contratos temporários de emprego poderão ser prorrogados uma única vez, desde que a soma dos dois períodos não ultrapasse cinco anos.

Obs.: a EBSERH poderá celebrar contratos temporários de emprego com base nas alíneas a e b do § 2º do art. 443 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, mediante processo sele vo simpli cado, observado o prazo máximo de duração estabelecido no seu art. 445.

o prazo máximo de duração estabelecido no seu art. 445. As ins tuições públicas federais –

As ins tuições públicas federais – hospitais universitá- rios – optarão em rmar ou não contrato com a empresa. Em caso arma vo, farão cessão a EBSERH bens e direitos necessários a sua execução. Ao ndar-se o contrato tais bens serão devolvidos a ins tuição cedente. A par r da assinatura do contrato entre a EBSERH e a ins tuição de ensino superior, a EBSERH disporá de prazo de até 1 (um) ano para rea vação de leitos e serviço ina vos por falta de pessoal. O Tribunal de Contas da União e o Congresso Nacional poderão scalizar tal empresa e suas subsidiárias, esta lei também garante aos Estados a possibilidade de criação de empresas públicas de serviços hospitalares.

criação de empresas públicas de serviços hospitalares. Ao fi nal do texto da lei, ainda é

Ao nal do texto da lei, ainda é citado um trecho do código penal, Decreto-Lei nº 2.848, de 1940, com a nali- dade de repreender a existência de fraudes e de promover os princípios da administração pública: a moralidade e a impessoalidade.

REFERÊNCIAS

www. Portaldecontabilidade.com.br – acesso em 17 de maio de 2013.

h p://ebserh.mec.gov.br/a-ebserh/ebserh-ins tucional – acesso em 17 de maio de 2013

em 17 de maio de 2013. h p://ebserh.mec.gov.br/a-ebserh/ebserh-ins tucional – acesso em 17 de maio de

DECRETO Nº 7.661, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2011

Estatuto Social da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares S.A. – EBSERH

Por meio deste Decreto, a Presidente da República aprova o Estatuto Social da Empresa Brasileira de Serviços Hospi- talares - EBSERH, nos termos do Anexo, empresa pública federal, unipessoal, vinculada ao Ministério da Educação, estabelecendo também vinculação com o Ministério da Saúde, no que diz respeito aos atendimentos prestados nas a vidades de assistência saúde, rearmando que a atuação da Empresa pública se dará por meio de contrato entre as partes interessadas, sempre resguardando a autonomia das universidades. São órgãos estatutários da EBSERH:

I – o Conselho de Administração;

II

III o Conselho Fiscal; e

IV – o Conselho Consul vo.

– a Diretoria Execu va;

o Conselho Consul vo. – a Diretoria Execu va; – Obs.: a auditoria Interna faz parte

Obs.: a auditoria Interna faz parte do Conselho de Admi- nistração, por este mo vo não se encontra nesta relação. Sua descrição e funcionamento serão vistos no Regimento Interno da Organização.

Do Conselho de Administração

Composto por nove membros, nomeados pelo Ministro de Estado da Educação, obedecendo a seguinte composição:

• três membros indicados pelo Ministro de Estado da

Educação, sendo que um será o Presidente do Conselho

e

outro subs tuto nas suas ausências e impedimentos;

• Presidente da Empresa, que não poderá exercer a

o

Presidência do Conselho, ainda que interinamente;

• um membro indicado pelo Ministro de Estado do Pla- nejamento, Orçamento e Gestão;

• dois membros indicados pelo Ministro de Estado da Saúde;

• um representante dos empregados e respec vo su- plente, na forma da Lei nº 12.353, de 28 de dezembro de 2010; ( o representante dos empregados, de que trata o inciso V deste ar go, e seu respec vo suplen- te, serão escolhidos dentre os empregados a vos da

EBSERH, pelo voto direto de seus pares);

Obs.: no que concerne discussões e deliberações sobre assuntos que envolvam relações sindicais, remunerações, benefícios e vantagens, assistenciais ou de previdência complementar congurando claramente conito de inte-

resse, tais assuntos serão deliberados em reunião separada

e exclusiva para este m.

• um membro indicado pela Associação Nacional dos Dirigentes das Ins tuições Federais de Ensino Supe- rior – ANDIFES, sendo reitor de universidade federal ou diretor de hospital universitário federal.

O prazo de gestão dos membros deste Conselho de Administração será de dois anos contados a par r da data de publicação do ato de nomeação, podendo ser reconduzidos por igual período. A inves dura se fará mediante a assinatura de um livro de termo de posse. No caso de vacância deni va do cargo de Conselheiro,

o subs tuto será nomeado pelos Conselheiros remanescen- tes e servirá até a designação do novo representante, exceto no caso do representante dos empregados. Salvo impedimento legal, os membros do Conselho de Administração farão jus a honorários mensais correspon- dentes a dez por cento da remuneração média mensal dos Diretores da EBSERH, além do reembolso, obrigatório, das despesas de locomoção e estada necessárias ao desempe- nho da função. Será considerada vaga a função de membro do Conselho nos casos de morte, renúncia, des tuição, como também a ausência em duas reuniões consecu vas ou três alternadas, no período de um ano, exceto em caso de força maior ou caso fortuito.

de um ano, exceto em caso de força maior ou caso fortuito. Compete ao Conselho de

Compete ao Conselho de Administração:

xar as orientações gerais das a vidades da EBSERH;

examinar e aprovar, por proposta do Presidente da EBSERH, polí cas gerais e programas de atuação a curto, médio e longo prazos, em harmonia com a polí ca de educação, com a polí ca de saúde e com

a polí ca econômico-nanceira do Governo Federal;

aprovar o regimento interno da EBSERH, que deverá

conter, dentre outros aspectos, a estrutura básica da empresa e os níveis de alçada decisória da Diretoria

e do Presidente, para ns de aprovação de operações

aprovar o orçamento e programa de inves mentos e acompanhar a sua execução;

• aprovar os contratos previstos no art. 6 o da Lei n o 12.550, de 2011;

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

apreciar os relatórios anuais de auditoria e as infor- mações sobre os resultados da ação da EBSERH, bem como sobre os principais projetos por esta apoiados;

• autorizar a contratação de auditores independentes;

• opinar e submeter à aprovação do Ministro de Estado da Fazenda, por intermédio do Ministro de Estado da Educação:

– o relatório de administração e as demonstrações contábeis anuais da EBSERH;

– a proposta de des nação de lucros ou resultados;

– a proposta de criação de subsidiárias; e

– a proposta de dissolução, cisão, fusão e incorpora- ção que envolva a EBSERH.

• deliberar sobre alteração do capital e do estatuto social da EBSERH;

• deliberar, mediante proposta da Diretoria Execu va, sobre:

– o regulamento de licitação;

– o regulamento de pessoal, incluindo o regime disciplinar e as normas sobre apuração de respon- sabilidade;

– o quadro de pessoal, com a indicação do total de vagas autorizadas; e

– o plano de salários, bene cios, vantagens e quais- quer outras parcelas que componham a retribuição de seus empregados;

• autorizar a aquisição, alienação e a oneração de bens imóveis e valores mobiliários;

• autorizar a contratação de emprés mos no interesse da EBSERH;

• designar e des tuir o tular da auditoria interna, após aprovação da Controladoria Geral da União; e

• dirimir questões em que não haja previsão estatutária, aplicando, subsidiariamente, a Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976.

As reuniões do Conselho de Administração serão men- salmente, ordinariamente e, extraordinariamente, sempre que for convocado pelo presidente, a seu critério, ou por solicitação de, pelo menos, quatro de seus membros.

ou por solicitação de, pelo menos, quatro de seus membros. Todas as deliberações do Conselho somente

Todas as deliberações do Conselho somente acontecerão com a presença da maioria absoluta dos seus membros, por maioria simples dos votos dos presentes, cabendo ao presidente, o voto ordinário ou de qualidade.

cabendo ao presidente, o voto ordinário ou de qualidade. Da Diretoria Execu va A EBSERH será

Da Diretoria Execu va

A EBSERH será administrada por uma Diretoria Execu va,

composta pelo Presidente e até seis Diretores, todos nome- ados e des tuíveis, a qualquer tempo, pelo Presidente da República, por indicação do Ministro de Estado da Educação, assim como o conselho administra vo, haverá uma cerimônia para a assinatura do livro de termo de posse. Para ser presidente da EBSERH deverão seguir os seguin-

tes requisitos:

– idoneidade moral e reputação ilibada;

– notórios conhecimentos na área de gestão, da aten- ção hospitalar e do ensino em saúde; e

– mais de dez anos de exercício de função ou de efe va a vidade prossional que exija os conhecimentos mencionados no inciso anterior.

São Competências da Diretoria:

administrar e dirigir os bens, serviços e negócios da EBSERH e decidir, por proposta dos responsáveis pelas respec vas áreas de coordenação, sobre operações de responsabilidade situadas no respec vo nível de alçada decisória estabelecido pelo Conselho de Administra- ção;

propor e implementar as linhas orientadoras da ação da EBSERH;

apreciar e submeter ao Conselho de Administração o orçamento e programa de inves mentos da EBSERH;

• deliberar sobre operações, situadas no respec vo nível de alçada decisória estabelecido pelo Conselho de Administração;

autorizar a aquisição, alienação e oneração de bens móveis, exceto valores mobiliários, podendo estabe- lecer normas e delegar poderes;

• analisar e submeter à aprovação do Conselho de Admi- nistração propostas de aquisição, alienação e oneração de bens imóveis e valores mobiliários;

estabelecer normas e delegar poderes, no âmbito de sua competência;

elaborar as demonstrações nanceiras de encerra- mento de exercício;

autorizar a realização de acordos, contratos e convê- nios que cons tuam ônus, obrigações ou compromis- sos para a EBSERH, respeitando-se a autonomia dos hospitais universitários (art. 6 o da Lei n o 12.550, de

2011);

• pronunciar-se sobre todas as matérias que devam ser subme das ao Conselho de Administração.

As reuniões da diretoria acontecerão uma vez por sema- na, ordinariamente, ou quando convocada pelo Presidente

As reuniões da diretoria acontecerão uma vez por sema- na, ordinariamente, ou quando convocada pelo Presidente

da EBSERH. As deliberações acontecerão com a maioria dos membros, lembrando que o presidente possui o voto de qualidade (voto de minerva, ou de desempate). Caso o pre- sidente queira vetar alguma deliberação da diretoria, deverá submetê-las ao Conselho de Administração.

deverá submetê-las ao Conselho de Administração. São Competências do Presidente: • representar a EBSERH,

São Competências do Presidente:

representar a EBSERH, em juízo ou fora dele, podendo delegar essa atribuição, em casos especí cos, e, em nome da en dade, cons tuir mandatários ou procu- radores;

convocar e presidir as reuniões da Diretoria;

coordenar o trabalho das unidades da EBSERH, po- dendo delegar competência execu va e decisória e distribuir, entre os Diretores, a coordenação dos serviços da empresa;

editar normas necessárias ao funcionamento dos ór- gãos e serviços da EBSERH, de acordo com a organiza- ção interna e a respec va distribuição de competências estabelecidas pela Diretoria;

admitir, promover, punir, dispensar e praticar os demais atos compreendidos na administração de pessoal, de acordo com as normas e critérios previstos em lei e aprovados pela Diretoria, podendo delegar esta atribuição no todo ou em parte;

designar subs tutos para os membros da Diretoria, em seus impedimentos temporários, que não possam ser atendidos mediante redistribuição de tarefas, e, no caso de vaga, até o seu preenchimento; e

• apresentar relatório das a vidades da EBSERH, tri- mestralmente, ao Conselho de Administração.

Os diretores terão o papel de auxiliar o presidente na direção e coordenação de suas a vidades.

na direção e coordenação de suas a vidades. Obs.: os contratos que a EBSERH celebrar e

Obs.: os contratos que a EBSERH celebrar e os atos que envolvam obrigações ou responsabilidades por parte da empresa serão assinados pelo presidente, em conjunto com um diretor. Existem casos, nos quais o presidente pode delegar essa responsabilidade, nesta situação, tal documento deverá conter as assinaturas de pelo menos dois diretores (nos casos de emissão de cheques ou tulos ou documentos relacionados a obrigações contratuais).

Conselho Fiscal

O Conselho Fiscal, como órgão permanente da EBSERH,

compõe-se de três membros efe vos e respec vos suplen-

tes, nomeados pelo Ministro de Estado da Educação, sendo:

• um membro indicado pelo Ministro de Estado da Edu- cação, que o presidirá;

• um membro indicado pelo Ministro de Estado da Saú- de; e

• um membro indicado pelo Ministro de Estado da Fa- zenda como representante do Tesouro Nacional.

A investidura dos membros do Conselho Fiscal será

feita mediante registro na ata da primeira reunião de que

par ciparem.

O conselho scal seguirá as mesmas regras do Conselho

Administra vo:

• Mandato será de dois anos podendo ser reconduzido por igual período;

• Honorários mensais correspondentes a dez por cento da remuneração média mensal dos Diretores da EB- SERH, além do reembolso, obrigatório, das despesas de locomoção e estada necessárias ao desempenho da função;

• Em caso de renúncia, falecimento ou impedimento, os membros efe vos do Conselho Fiscal serão subs - tuídos pelos seus suplentes até a nomeação de novo membro;

• Será considerada vaga a função de membro do conse- lho nos casos de morte, renúncia, des tuição, como também a ausência em duas reuniões consecu vas ou três alternadas, no período de um ano, exceto em caso de força maior ou caso fortuito;

• O Conselho Fiscal reunir-se-á, ordinariamente, a cada mês e, extraordinariamente, quando convocado pelo seu presidente.

extraordinariamente, quando convocado pelo seu presidente. É função do Conselho Fiscal: • fi scalizar, por

É função do Conselho Fiscal:

scalizar, por qualquer de seus membros, os atos dos administradores e vericar o cumprimento dos seus deveres legais e estatutários;

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

• opinar sobre o relatório anual da administração e demonstrações nanceiras do exercício social;

• opinar sobre a modicação do capital social, planos de inves mento ou orçamentos de capital, transformação, incorporação, fusão ou cisão;

• denunciar, por qualquer de seus membros, os erros, fraudes ou crimes que descobrirem, e sugerir provi- dências úteis;

• analisar, ao menos trimestralmente, o balancete e demais demonstrações nanceiras elaboradas perio- dicamente pela EBSERH; e

• acompanhar a execução patrimonial, financeira e orçamentária, podendo examinar livros e quaisquer outros documentos e requisitar informações.

e quaisquer outros documentos e requisitar informações. A Diretoria e o Conselho de Administração deverão dis-

A Diretoria e o Conselho de Administração deverão dis-

ponibilizar, por meio de comunicação formal:

• dentro de dez dias, cópia das atas de suas reuniões e,

• dentro de quinze dias de sua elaboração, cópias dos balancetes e demais demonstrações nanceiras ela- boradas periodicamente, bem como dos relatórios de execução do orçamento.

bem como dos relatórios de execução do orçamento. Do Conselho Consul vo O Conselho Consul vo

Do Conselho Consul vo

O Conselho Consul vo é órgão permanente da EBSERH

que tem as nalidades:

• de consulta,

• controle social, e

• apoio à Diretoria Execu va e ao Conselho de Adminis- tração.

É composto pelos seguintes membros:

• o Presidente da EBSERH, que o preside;

• dois representantes do Ministério da Educação;

• um representante do Ministério da Saúde;

• um representante dos usuários dos serviços de saúde dos hospitais universitários federais, indicado pelo Conselho Nacional de Saúde;

• um representante dos residentes em saúde dos hos- pitais universitários federais, indicado pelo conjunto de en dades representa vas;

• um reitor ou diretor de hospital universitário, indicado pela ANDIFES; e

• um representante dos trabalhadores dos hospitais universitários federais administrados pela EBSERH, indicado pela respec va en dade representa va.

São competências do Conselho Consul vo:

opinar sobre as linhas gerais das polí cas, diretrizes e estratégias da EBSERH, orientando o Conselho de Administração e a Diretoria Execu va no cumprimento de suas atribuições;

propor linhas de ação, programas, estudos, projetos, formas de atuação ou outras medidas, orientando para que a EBSERH a nja os obje vos para a qual foi criada;

acompanhar e avaliar periodicamente o desempenho da EBSERH; e

assis r à Diretoria e ao Conselho de Administração em suas funções, sobretudo na formulação, implementa- ção e avaliação das estratégias de ação da EBSERH.

ção e avaliação das estratégias de ação da EBSERH. As reuniões do conselho acontecerão pelo menos

As reuniões do conselho acontecerão pelo menos uma vez por ano e extraordinariamente, sempre que convocado pelo presidente, nas seguintes situações:

• por sua inicia va, ou

• por solicitação do Conselho de Administração, ou

• a pedido de um terço dos seus membros.

A indicação dos membros do Conselho acontece bie- nalmente pelos respec vos órgãos e sua inves dura mediante ata da primeira reunião que par ciparem.

Obs.: a atuação de membros da sociedade civil no Conse- lho Consul vo não será remunerada e será considerada como função relevante, assegurado o reembolso das despesas de locomoção e estada necessárias ao desempenho da função.

relevante, assegurado o reembolso das despesas de locomoção e estada necessárias ao desempenho da função. 11
Do Exercício Social, das Demonstrações Financeiras e dos Lucros O exercício social da EBSERH coincidirá

Do Exercício Social, das Demonstrações Financeiras e dos Lucros

O exercício social da EBSERH coincidirá com o ano ci-

vil. Ao nal de cada exercício, 31 de dezembro, será feito um

levantamento das demonstrações nanceiras e a apuração dos resultados. Após as deduções para atender os prejuízos acumulados, deverá ser cons tuída uma reserva legal, cor- respondente a 5% da arrecadação, tal reserva legal poderá alcançar o limite de 20% do capital social.

Obs.: os prejuízos acumulados devem, preferencialmen- te, ser deduzidos do capital social.

Da Organização Interna e do Pessoal

O ingresso do pessoal far-se-á mediante concurso públi-

co de provas ou de provas e tulos, observadas as normas

especícas expedidas pela diretoria, aplicando-se ao pessoal o regime jurídico estabelecido pela legislação vigente para as relações de emprego privado.

O Conselho de Administração estabelecerá como será a

distribuição de competências e a sua estrutura organizacional.

Obs.: o órgão de auditoria interna da EBSERH vincula-se diretamente ao Conselho de Administração.

Disposições Gerais e Transitórias

Os membros do Conselho de Administração, da Diretoria Execu va, do Conselho Fiscal e os ocupantes de cargos de conança, direção, assessoramento ou chea, ao assumirem

suas funções, apresentarão declaração de bens e renda,

anualmente renovada. Não podem par cipar dos órgãos da EBSERH, além dos impedidos por lei:

os que detenham controle ou par cipação relevante no capital social de pessoa jurídica inadimplente com a EBSERH ou que lhe tenha causado prejuízo ainda não ressarcido, estendendo-se esse impedimento aos que tenham ocupado cargo de administração em pessoa jurídica nessa situação, no exercício social imediata- mente anterior à data da eleição ou nomeação;

os que houverem sido condenados por crime falimen- tar, de sonegação scal, de prevaricação, de corrupção

a va ou passiva, de concussão, de peculato, contra

a economia popular, contra a fé pública, contra a

propriedade ou que verem sido condenados a pena criminal que vede, ainda que temporariamente,

o acesso a cargos públicos;

os declarados inabilitados para cargos de administra- ção em empresas sujeitas a autorização, controle e scalização de órgãos e en dades da administração pública direta e indireta;

• os declarados falidos ou insolventes;

os que de veram o controle ou par ciparam da admi- nistração de pessoa jurídica concordatária, falida ou insolvente, no período de cinco anos anteriores à data da eleição ou nomeação, salvo na condição de síndico, comissário ou administrador judicial;

sócio, ascendente, descendente ou parente colateral ou am, até o terceiro grau, de membro do Conselho de Administração, da Diretoria Execu va e do Conse- lho Fiscal;

os que verem interesse conitante com a sociedade.

os que verem interesse con fl itante com a sociedade. REGIMENTO INTERNO DA EBSERH O Regimento

REGIMENTO INTERNO DA EBSERH

O Regimento Interno está dividido da seguinte forma:

EBSERH O Regimento Interno está dividido da seguinte forma: Nestes capítulos estão descritas informações que já

Nestes capítulos estão descritas informações que já fo- ram citadas no Estatuto social da Empresa. O único detalhe que precisaremos rever será a questão do Corpo Dire vo (podemos também chamar de Diretoria Execu va) que trata a respeito das diversas Diretorias que compõem a Diretoria Execu va e a Presidência da Empresa. Tal composição está descrita a diante:

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

LEGISLAÇÃO EBSERH APLICADA À LEGISLAÇÃO APLICADA Os outros capítulos do Regimento Interno se apresentam no

Os outros capítulos do Regimento Interno se apresentam

no próximo esquema:

do Regimento Interno se apresentam no próximo esquema: A estrutura organizacional da EBSERH será estabelecida no

A estrutura organizacional da EBSERH será estabelecida

no organograma aprovado pelo Conselho de Administração. Tal organograma já foi mostrado anteriormente.

O Plano de Cargos Carreiras e Salários, Plano de Be-

ne cios e Plano de Cargos em Comissão e Funções Gra - cadas também deverão ser aprovados pelo Conselho de Administração. Depois disso, ainda passarão por aprovação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e do Ministério do Trabalho. Caso ocorram mudanças nessa estrutura organizacional, tais alterações poderão ser feita a qualquer tempo pelo Conselho de Administração, mediante proposta da diretoria execu va.

Administração, mediante proposta da diretoria execu va. Agora, vamos conhecer as Estrutura de assessoramento direto

Agora, vamos conhecer as Estrutura de assessoramento direto do Diretoria Execu va da Empresa.

Compete à Chea de Gabinete:

 Prestar assistência direta e imediata ao Presidente, no preparo, na análise e despacho do expediente;  Organizar as agendas, preparar a documentação e su- pervisionar o secretariado das reuniões do Conselho de Administração, Conselho Fiscal, Conselho Con- sul vo e da Diretoria Execu va, lavrar as respec vas atas, controlar os documentos per nentes e divulgar as decisões do colegiado;  Subsidiar, organizar e acompanhar pronunciamentos públicos da Presidência e auxiliar o Presidente na preparação de documentos para apresentação em eventos internos e externos à EBSERH;  Par cipar de grupos de trabalho, reuniões e acompa- nhamento de projetos e a vidades desenvolvidos no âmbito das Assessorias da Presidência;  Redigir, revisar e movimentar correspondências e outros documentos do Presidente;  Responder pela gestão interna do Gabinete da Pre- sidência, garan ndo a infraestrutura e suporte neces- sários ao seu funcionamento, em ar culação com as demais Assessorias e Assessores da Presidência;  Acompanhar e orientar as ações e matérias de inte- resse da Empresa rela vas a assuntos legisla vos; e  Exercer outras atribuições determinadas pelo Presi- dente.

Compete à Coordenadoria Jurídica:

 Assessorar juridicamente o Presidente, a Diretoria Execu va, o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal e o Conselho Consul vo da EBSERH;  Responder pela advocacia preven va na EBSERH, atendendo e propondo soluções jurídicas para a em- presa;  Supervisionar, bem como estabelecer as teses jurídicas das unidades hospitalares geridas pela Empresa, sub- sidiárias, escritórios, representações, dependências e liais;  Representar a Empresa judicial e extrajudicialmente, com a outorga do Presidente, coordenando a repre- sentação a va e passiva da EBSERH na via judicial e administra va;  Emi r parecer jurídico rela vo à publicação de edi- tais, dispensas e inexigibilidades de licitação, bem como quanto à formalização de contratos, convênios, acordos, ajustes e instrumentos congêneres, inclusive quanto aos aspectos de legalidade e conformidade da instrução processual;  Elaborar informações em mandado de segurança, a ser assinado por autoridade competente que es ver sendo demandada no âmbito da EBSERH;  Analisar e emi r parecer jurídico referente à lega- lidade de conclusões de relatórios de comissões de sindicância e consequentes proposições de medidas disciplinares ou imputação de responsabilidade admi- nistra va ou civil;  Acompanhar a atualização de legislação de interesse da Empresa;  Examinar previamente a legalidade dos atos rela vos ao direito de pessoal e assessorar a Diretoria de Ges- tão de Pessoas;  Defender os integrantes e ex-integrantes dos Conse- lhos de Administração e Fiscal e da Diretoria Execu va em processos judiciais e administra vos contra eles instaurados pela prá ca de atos no exercício do cargo ou função, nos casos em que não houver incompa bi- lidade com os interesses da empresa;  Exercer outras atribuições determinadas pelo Presi- dente.

bi- lidade com os interesses da empresa;  Exercer outras atribuições determinadas pelo Presi- dente. 13

Compete à Assessoria de Planejamento e Avaliação:

 Assessorar a Presidência na formulação de polí cas e diretrizes ins tucionais e na coordenação do planeja- mento ins tucional;  Subsidiar e apoiar a Diretoria Execu va da EBSERH na coordenação dos processos de planejamento es- tratégico, organizacional, avaliação e aperfeiçoamento ins tucional;  Formular, promover e coordenar a elaboração de pla- nos, programas e projetos e garan r seu alinhamento no âmbito ins tucional, setorial e governamental;  Promover a melhoria das prá cas e processos orga- nizacionais e a adoção de instrumentos de monitora- mento do desempenho;  Coordenar e fornecer o suporte técnico ao processo de avaliação do desempenho e das metas ins tucio- nais;  Coordenar a par cipação da EBSERH no âmbito dos sistemas federais de planejamento, orçamento e de modernização da gestão do Governo Federal;  Ar cular e apoiar tecnicamente as ações de fortaleci- mento ins tucional e estruturação de áreas e proces- sos;  Par cipar da elaboração da proposta orçamentária anual da EBSERH;  Coordenar e elaborar o plano de ação da EBSERH;  Coordenar a elaboração do Relatório de Gestão e do Balanço Geral da União;  Assessorar a Diretoria Execu va da EBSERH na de- nição dos critérios para aprovação e priorização de projetos, cooperações, convênios e instrumentos ans;  Coordenar o monitoramento e a avaliação dos pro- gramas, projetos e convênios aprovados pela Diretoria Execu va;  Promover diagnós cos, estabelecer referências e indicadores que permitam embasamento e melhor compreensão do progresso das nalidades da Empre- sa; e  Exercer outras atribuições determinadas pelo Presi- dente.

Compete à Assessoria de Comunicação:

 Elaborar e acompanhar a execução do Plano de Co- municação Social;  Planejar, coordenar e supervisionar as a vidades de comunicação social da Empresa, no que compete às ações relacionadas com imprensa, publicidade e rela- ções públicas;  Promover a divulgação da imagem, missão e obje vos

estratégicos,

 Prestar assessoramento à Direção da Empresa em assuntos relacionados à comunicação social;  Divulgar as informações ins tucionais sobre a Em- presa na internet, por todos os meios, observando os preceitos da transparência administra va, e em ar culação com o Ministério da Educação e Ministério da Saúde, observadas as diretrizes governamentais;  Difundir, em ar culação com as unidades hospitalares vinculadas, os obje vos e ações executadas pela Em- presa;  Coordenar a elaboração da Mensagem Presidencial; e  Exercer outras atribuições determinadas pelo Presi-

dente.

Compete à Ouvidoria:

 Coordenar o atendimento aos cidadãos em geral, direta ou indiretamente relacionados à EBSERH, dando encaminhamento às reclamações, crí cas, elogios, sugestões ou denúncias, visando o aperfeiçoamento

do modelo administra vo, das ações ins tucionais e a constante melhoria dos processos, a qual será objeto de regulamento especíco; e  Prestar informações ao público sobre a EBSERH em cumprimento à Lei nº 12.527, de 18 de novembro de

2011.

Obs.: o tular da Ouvidoria da EBSERH, denominado Ouvidor-Geral, será de livre escolha do Presidente e deve- rá tratar com absoluta condencialidade as informações recebidas, interagindo com os diversos setores para o aten- dimento das manifestações.

Devido ao sistema descentralizado da atenção à saúde, as ouvidorias das unidades hospitalares se reportarão ao respec vo diretor ou superintendente e integrarão um Siste- ma de Ouvidorias descentralizado. Não sendo, desta forma, subordinadas entre si, mas atuando de forma ar culada na padronização dos processos e na unicação dos dados nacio- nais para a produção de relatórios esta s cos e de gestão.

a produção de relatórios esta s cos e de gestão. Compete à Diretoria de Atenção à

Compete à Diretoria de Atenção à Saúde e Gestão de Contratos:

 Promover o alinhamento da EBSERH às polí cas e diretrizes do Ministério da Educação e do Ministério da Saúde;  Proceder a gestão dos contratos estabelecidos entre a EBSERH e ins tuições federais de ensino superior e ins tuições congêneres;  Promover a ar culação com os gestores de saúde, no âmbito federal, estadual e municipal, de forma a de- senvolver suas ações em consonância com as polí cas públicas de saúde e contribuir com a consolidação e aprimoramento do Sistema Único de Saúde;  Proceder a gestão dos contratos estabelecidos entre os hospitais universitários federais e ins tuições con- gêneres e a gestão do SUS e denir metas de desem- penho de prestação de serviços de saúde à população;  Redenir, em parceria com os gestores do SUS, hospi- tais universitários federais e ins tuições congêneres, o modelo de atenção à saúde e o perl assistencial das ins tuições, de acordo com as necessidades de saúde da população e em consonância com as polí - cas públicas de Saúde;

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

 Ar cular com as ins tuições federais de ensino supe- rior e ins tuições congêneres a formulação e imple- mentação de polí ca de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica em consonância com as polí cas públicas de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde;  Promover a articulação entre a atenção à saúde realizada nos hospitais universitários federais e ins- tuições congêneres e a produção de conhecimento e formação de recursos humanos na área da saúde;  Apoiar a estruturação dos hospitais universitários federais e ins tuições congêneres para o processo de cer cação como Hospital de Ensino;  Apoiar a ins tucionalização da pesquisa e do proces- so de capacitação permanente dos prossionais de acordo com as diretrizes do SUS, em parceria com as universidades;  Ins tuir instrumentos internos de controle adminis- tra vo de desempenho, de aplicação dos recursos públicos e da guarda dos bens públicos, na sua área de atuação, nos termos do art. 17, do Decreto nº 3.591, de 6 de setembro de 2000; e  Apoiar o Ministério da Educação no processo de cer- cação dos Hospitais de Ensino.

Compete à Diretoria de Logís ca e Infraestrutura Hos- pitalar:

 Planejar, coordenar e implementar os processos en- volvidos no provimento de adequadas condições de infraestrutura sica e de equipamentos, bem como de suprimento dos insumos necessários ao funciona- mento da EBSERH e das unidades hospitalares por ela

administrados;

 Propor e implementar polí ca de gestão de infraestru- tura sica, tecnologias duras e insumos para os hospi-

tais universitários federais e ins tuições congêneres, orientada na ampliação e quali cação do seu parque tecnológico, incorporação e uso racional de insumos

e novas tecnologias;

 Ar cular, junto às demais Diretorias da EBSERH de

forma a o mizar os processos de denição e aquisição de insumos e novas tecnologias;  Ar cular junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimen- to da Educação (FNDE), Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Inmetro

e outros ans, de forma a o mizar os processos de

denição e aquisição de insumos e novas tecnologias;

 Submeter ao Conselho de Administração da EBSERH as propostas de implementação de infraestrutura e aquisição de insumos e novas tecnologias;

 Contribuir junto às demais Diretorias na formulação

e implementação da polí ca de recursos humanos da

EBSERH com ênfase na área de infraestrutura, logís ca

e gestão de tecnologias;

 Coordenar o processo de ar culação para o planeja- mento, a logís ca e a manutenção de tecnologias e insumos junto aos hospitais universitários federais e ins tuições congêneres;  Estabelecer normas técnicas e delegar poderes, no âmbito de suas competências;  Contribuir com o processo de monitoramento e ava- liação da EBSERH; e  Ins tuir instrumentos internos de controle adminis- tra vo de desempenho, de aplicação dos recursos públicos e da guarda dos bens públicos,

Compete à Diretoria Administra va e Financeira:

 Planejar, coordenar, gerenciar e implementar as polí - cas de gestão administra va, orçamentária, nanceira

e contábil no âmbito da EBSERH e das unidades hospi-

talares por ela administrados;  Planejar e articular as diretrizes administrativas

entre a EBSERH, hospitais universitários federais e

ins tuições congêneres, garan ndo as condições de cumprimento de sua missão ins tucional;  Denir as polí cas de gestão administra va, orça- mentária, nanceira e contábil no âmbito da EBSERH

e das unidades hospitalares por ela administrados;

 Planejar, junto às demais Diretorias, monitorar a

execução e acompanhar o desempenho do orçamento da Empresa, subsidiando o Presidente, o Conselho de

Administração e o Conselho Fiscal com as informações necessárias para a tomada de decisões;  Elaborar o orçamento da Empresa de acordo com o planejamento plurianual pré-estabelecido;  Realizar o gerenciamento nanceiro, cuidando para

a saúde nanceira da EBSERH;

 Realizar o registro e gerenciamento contábil da Empresa, de forma a possibilitar a transparência dos resultados ins tucionais;  Acompanhar os custos hospitalares de cada unidade produ va da EBSERH, cuidando para a maior eciência do uso dos recursos nanceiros;  Estabelecer metodologias, fluxos e diretrizes de gerenciamento de compras e aquisições de bens e contratação de serviços necessários para subsidiar o funcionamento da EBSERH e das unidades hospitalares por ela administra dos;

 Elaborar, gerenciar e estabelecer norma zações e me- todologias de controle de contratos, serviços e recur- sos no âmbito da EBSERH e das unidades hospitalares por ela administrados, zelando pelo seu cumprimento

integral;

 Gerenciar o patrimônio da Empresa, inventariando e zelando pela manutenção de seus bens;  Implementar a polí ca organizacional denida pelas instâncias competentes da EBSERH; e  Ins tuir instrumentos internos de controle adminis- tra vo de desempenho, de aplicação dos recursos públicos e da guarda dos bens públicos, na sua área de atuação.

Compete à Diretoria de Gestão de Pessoas:

 Propor e gerir a Polí ca de Gestão de Pessoas da

EBSERH;

 Planejar, administrar e desenvolver a força de traba- lho própria (cele sta) e cedida (estatutária) da sede, liais ou quaisquer outras unidades hospitalares da EBSERH que venham a ser criadas;  Contribuir com todas as instâncias de gestão da EBSERH no processo de planejamento e avaliação das ações e de desenvolvimento de a vidades inerentes à gestão de pessoas;  Ar cular, com outras en dades públicas ou privadas, projetos e ações com vista à melhoria dos processos de gestão de pessoas;  Iden car e sistema zar os processos de trabalho relacionados à gestão de pessoas, no âmbito do funcio- namento da sede, liais ou quaisquer outras unidades da EBSERH que venham a ser criadas;  Elaborar estudos para dimensionar, em consonância com os processos de trabalho, as necessidades quan-

 Elaborar estudos para dimensionar, em consonância com os processos de trabalho, as necessidades quan- 15

ta vas e qualita vas de recursos humanos para a sede, liais ou quaisquer outras unidades da EBSERH que venham a ser criadas;  Formular, propor e implementar polí ca de contra- tação de recursos humanos para a sede, liais ou quaisquer outras unidades da EBSERH que venham

a ser criadas, por meio da elaboração de editais de

concurso público, realização de processos sele vos e divulgação de seus resultados;  Elaborar, propor e monitorar a aplicação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários; do Plano Bene cios e do Plano de Cargos em Comissão e Funções ra cadas da EBSERH para a sede, liais ou quaisquer outras

unidades da EBSERH;  Formular, propor e implementar polí ca de formação, capacitação e avaliação de recursos humanos para a sede, liais ou quaisquer outras unidades da EBSERH, em consonância com o Planejamento Estratégico da Ins tuição;  Estabelecer processos e promover eventos e meios de integração entre a sede, liais ou quaisquer outras unidades da EBSERH que venham a ser criadas;  Promover a integração, por meio de programas, tanto para os novos empregados como para os servidores dos demais regimes, lotados na sede, liais ou quais- quer outras unidades da EBSERH que venham a ser

criadas;

 Estabelecer metodologia e monitorar a implantação do processo de avaliação de desempenho para os em- pregados da sede, liais ou quaisquer outras unidades da EBSERH que venham a ser criadas;  Estabelecer metodologia e monitorar a implantação do processo de avaliação de estágio probatório para os empregados da sede, liais ou quaisquer outras unidades da EBSERH que venham a ser criadas;  Divulgar as normas, os procedimentos e os documen- tos técnicos relacionados à polí ca de recursos hu- manos da EBSERH;  Promover a disseminação de informações sobre di- reitos e deveres dos empregados da EBSERH;  Coordenar e monitorar a implementação das ações de Segurança e Medicina do Trabalho no âmbito da sede, liais ou quaisquer outras unidades da EBSERH,

que venham a ser criadas;  Ar cular juntamente com representantes de órgãos de classe e sindicais, de forma a dar consecução às suas

atribuições;

 Negociar acordos cole vos de trabalho; e ins tuir instrumentos internos de controle administra vo de desempenho, de aplicação dos recursos públicos e da

guarda dos bens públicos, na sua área de atuação.

Compete à Diretoria de Gestão de Processos e Tecno-

logia da Informação:

 Coordenar a implantação e o desenvolvimento

permanente de modelos de gestão padronizados e uni cados, com foco no processo assistencial e de formação de recursos humanos para a saúde;  Coordenar o desenvolvimento e implantação de sis- temas de informação para apoiar estes modelos de gestão, nas unidades hospitalares administradas pela

EBSERH;

 Coordenar, planejar, implementar e avaliar os uxos

e processos assistenciais e administra vos da EBSERH

e das unidades hospitalares vinculadas;

 Desenvolver, em conjunto com as demais Diretorias,

e implementar procedimentos operacionais padrão

para a EBSERH e unidades hospitalares vinculadas que auxiliem na gestão e monitoramento das ações permi ndo um controle interno prévio e efe vo;  Monitorar e avaliar os indicadores e metas de desem- penho dos contratos de prestação de serviços rma- dos entre a EBSERH e as universidades e ins tuições congêneres, em parceria com as demais diretorias;  Monitorar e avaliar os indicadores de desempenho dos contratos de prestação de serviços de saúde rmados entre os hospitais e os gestores do SUS;  Coordenar, planejar, desenvolver ou contratar sis- temas de informação, em discussão conjunta com as demais diretorias, que auxiliem na avaliação e implementação dos uxos e processos de trabalhos da EBSERH;  Planejar, implementar e avaliar os aplica vos de gestão e sistemas de informação a serem u lizados pelas unidades hospitalares;  Promover a integração dos dados das unidades hospi- talares com o sistema de informações da EBSERH;  Promover a integração dos sistemas de informações da EBSERH com os sistemas de informação congêne- res da Esfera Federal para a quali cação dos sistemas internos;  Planejar e implementar a segurança da logís ca sica de equipamentos e tecnologias das redes e sistemas de informação da EBSERH;  Realizar a gestão da informação no âmbito da EBSERH;  Elaborar e implementar o Plano Diretor de Tecnologia da Informação e;  Ins tuir instrumentos internos de controle adminis- tra vo de desempenho, de aplicação dos recursos públicos e da guarda dos bens públicos, na sua área de atuação.

Obs.: com relação às Reuniões dos Conselhos, a inclusão de matérias na pauta da reunião ordinária dos Conselhos de Administração, do Conselho Fiscal e do Conselho Consul vo serão solicitadas à Chea de Gabinete do Presidente até 72h (setenta e duas horas) antes do dia de realização das reuniões.

A pauta das reuniões será divulgada pela Chea de Gabi-

nete aos demais Diretores e membros dos Conselhos em até 5 (cinco) dias úteis antes do dia de realização das reuniões. As matérias encaminhadas fora do prazo estabelecido serão

de competência do respec vo conselho deliberar sobre tal matéria em pauta extra. Com relação à reunião de cada um dos conselhos citados anteriormente, tal assunto foi abordado nas demais legisla- ções anteriores. Observando-se o Organograma da Empresa, já comen- tamos a respeito do Conselho de Administração Fiscal e Consul vo. Porém, ainda falta um detalhe que apenas foi mencionado no Regimento interno. Tal detalhe é referente à Auditoria Interna, que é classicada como órgão de scaliza- ção. Dentro do Regimento Interno sua descrição encontra-se junto ao Conselho Fiscal, classicado, da mesma forma, como órgão de scalização .

Auditoria Interna

O órgão de Auditoria Interna da EBSERH vincula-se dire-

tamente ao Conselho de Administração, nos termos do art. 15, e terá suporte administra vo da Presidência da EBSERH, que proverá os meios e condições necessárias à execução

das suas atribuições, compe ndo-lhe:

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

 Elaborar e submeter à aprovação do Conselho de

Administração:

– PAINT – Plano Anual de A vidades de Auditoria Interna;

– RAINT – Relatório Anual de A vidades de Auditoria Interna.  Estabelecer estratégias com o obje vo de avaliar a legalidade e acompanhar os resultados da gestão orçamentária, nanceira, patrimonial e de recursos humanos da matriz e unidades descentralizadas da

EBSERH;

 Denir metas e procedimentos para auditoria e sca- lização, por meio de ações preven vas e corre vas na matriz e unidades descentralizadas da EBSERH;  Denir estratégias para a execução de Ações de Con- trole nas en dades públicas e privadas sob contrato de gestão c om a matriz e unidades descentralizadas da EBSERH;

 Examinar e emi r parecer quanto à Prestação de Con- tas semestral da EBSERH; e  Elaborar e encaminhar anualmente, ou sempre que so- licitado, ao Conselho de Administração e ao Presidente da EBSERH, relatórios gerenciais e operacionais das auditorias realizadas, das decisões e recomendações proferidas pelos órgãos de controle interno e externo

e propor medidas preven vas e corre vas.

Obs.: a nomeação, designação, exoneração ou dispensa do Auditor -Geral, tular da Unidade de Auditoria Interna será subme da, pelo Presidente da EBSERH, à aprovação do Conselho de Administração, e após, à aprovação da Contro- ladoria Geral da União .

após, à aprovação da Contro- ladoria Geral da União . O capítulo IV trata a respeito

O capítulo IV trata a respeito do Termo de Adesão e

Contrato que deverá ser rmado com a Empresa e o HUF’s.

este mesmo também poderá ser rmado com ins tuições congêneres (com a mesma nalidade).

O Termo de Adesão é o instrumento que traduz o com-

promisso de adesão ao projeto da EBSERH e lhe concede plenos poderes para a realização de diagnós co situacional

do hospital, que precederá o estabelecimento do contrato.

O contrato disposto no caput deste ar go conterá, entre

outras:

 as obrigações dos signatários;  as metas de desempenho, indicadores e prazos de

execução;

a respec va sistemá ca de acompanhamento e avaliação,

contendo critérios e parâmetros a serem aplicados;  a previsão de que a avaliação de resultados ob dos, no cumprimento de metas de desempenho e observância de prazos pelas unidades da EBSERH, será as da para

o aprimoramento de pessoal e melhorias estratégicas

na atuação perante a população e as ins tuições fe- derais de ensino ou ins tuições congêneres, visando

ao melhor aproveitamento dos recursos des nados à EBSERH; e  Mecanismos de controle social. O contrato será propos- to pela Diretoria Execu va e aprovado pelo Conselho de Administração.

Este contrato terá a sua divulgação por meio dos sí os da empresa.

terá a sua divulgação por meio dos sí os da empresa. Além disso, na sessão I

Além disso, na sessão I do mesmo capítulo, discorre a estrutura de governança, a qual os hospitais que assinaram o contrato deverão ter. Esta estrutura poderá sofrer alterações de acordo com a realidade de cada ins tuição de cada hospital. Um Colegiado é Execu vo composto:

 pelo Superintendente do hospital;  pelo Gerente de Atenção à Saúde;  pelo Gerente e Administra vo; e  pelo Gerente de Ensino e Pesquisa, quando se tratar de hospitais universitários ou de ensino.

Obs.: os cargos de Superintendente e de Gerentes serão de livre nomeação.  O Superintendente, no caso dos Hospitais Universitá- rios, será selecionado pelo Reitor preferencialmente no quadro permanente da universidade contratante da EBSERH, obedecendo a critérios estabelecidos de tulação acadêmica e comprovada experiência em gestão pública na área de saúde, denidos em conjunto entre a Reitoria e a Empresa, nos termos do art. 6º da Lei nº 12.550.  As Gerências serão ocupadas por pessoas selecionadas por um comitê composto por membros da Diretoria Execu va da EBSERH e o Superintendente seleciona- do para a respec va unidade hospitalar, a par r de análise curricular que comprove quali cação para o atendimento das competências especí cas de cada Gerência.

Ao Colegiado Executivo das unidades hospitalares compete:

 Propor, implementar e avaliar o planejamento de a vi- dades de assistência, ensino e pesquisa a serem desen- volvidas no âmbito do hospital, em consonância com as diretrizes estabelecidas pela EBSERH, as orientações da universidade à qual o hospital es ver vinculado e às polí cas de saúde e educação do país;  Garan r a execução das diretrizes da EBSERH e o cum- primento dos contratos rmados;  Elaborar, implementar, monitorar e avaliar o Plano Diretor da unidade hospitalar;  Estabelecer normas e delegar poderes, no âmbito de sua competência;

o Plano Diretor da unidade hospitalar;  Estabelecer normas e delegar poderes, no âmbito de sua

 Intermediar o relacionamento da unidade hospitalar com a universidade e com a EBSERH;  Fornecer todas e quaisquer informações requeridas pela Diretoria da Execu va da EBSERH; e  Ins tuir as respec vas Comissões de É ca, nos termos da legislação vigente.

O capitulo V aborda as questões rela vas ao Quadro de pessoal, começando pela lista completa dos empregados que fazem parte do quadro da empresa:

 Cargos de Presidente e Diretor estabelecidos no Esta- tuto da Empresa; os cargos ou funções gra cadas; os empregados públicos admi dos na forma do art. 10 da Lei nº 12.550; e  Os servidores públicos requisitados de outros órgãos.

Obs.: as formas e requisitos para ingresso na Empresa,

a polí ca do desenvolvimento na carreira, a estratégia de

remuneração e a polí ca de concessão dos bene cios sociais

a serem concedidos aos empregados serão disciplinadas

pelos Planos de Cargos, Carreiras e Salários; de Bene cios; de Cargos em Comissão e Funções Gra cadas e pelo Regu- lamento de Pessoal da EBSERH.

Os funcionários que entraram por meio de Processo Sele vo Simpli cado, não são considerados funcionários do quadro e não recebem bene cios oferecidos pela empresa.

EXERCÍCIOS

Julgue os itens.

1.

A

EBSERH terá sede e foro em Brasília, Distrito Federal,

e

não poderá manter escritórios, representações, de-

pendências e liais em outras unidades da Federação.

2.

Fica a EBSERH autorizada a criar subsidiárias para o desenvolvimento de a vidades inerentes ao seu objeto social, com as mesmas caracterís cas.

3.

A

EBSERH terá seu capital social integralmente sob a

propriedade da União, dos Estados e Municípios.

4.

A

integralização do capital social será realizada com recur-

sos oriundos de dotações consignadas no orçamento da União, dos Hospitais Universitários Federais e do ministé- rio da Saúde paritariamente com o Ministério da Educação bem como pela incorporação de qualquer espécie de bens

e

direitos susce veis de avaliação em dinheiro.

5.

Assinale a alterna va que não contempla uma das - nalidades da EBSERH.

a) a prestação de serviços gratuitos de assistência médico-hospitalar.

b) Atendimento ambulatorial e de apoio diagnós co e terapêu co à comunidade.

c) a prestação de serviços às ins tuições públicas fede- rais de ensino ou ins tuições congêneres de apoio ao ensino, à pesquisa e à extensão, ao ensino-apren-

 

dizagem.

 

d) e à formação de pessoas no campo da saúde pública, não observando as demandas próprias do SUS.

6.

As a vidades de prestação de serviços de assistência à saúde não estarão inseridas no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS, pois nem todos os hospitais universi- tários fazem parte da rede do SUS.

7.

No desenvolvimento de suas a vidades de assistência

saúde, a EBSERH observará as orientações da Polí ca Nacional de Saúde, de responsabilidade do Ministério da Saúde.

à

8.

É

incons tucional o ressarcimento das despesas com

o

atendimento de consumidores e respec vos depen-

dentes de planos privados de assistência à saúde.

Marque Certo (C) para a asser va correspondente às com- petências da EBSERH, e Errado (E) para aquelas que não correspondem.

9. Administrar unidades hospitalares, bem como prestar

serviços de assistência médico-hospitalar, ambulatorial

e de apoio diagnós co e terapêu co à comunidade, no

âmbito do SUS.

10. Prestar às ins tuições federais de ensino superior e a outras ins tuições congêneres serviços de apoio ao en- sino, à pesquisa e à extensão, à formação de pessoas no campo da saúde pública, apenas no que diz respeito às especializações lato-sensu e estritu-senso.

11. Apoiar a execução de planos de ensino e pesquisa de

ins tuições federais de ensino superior e de outras ins- tuições congêneres, cuja vinculação com o campo da saúde pública ou com outros aspectos da sua a vidade torne necessária essa cooperação, não estando incluí- das as áreas de residências médica, mul prossional

e em área prossional da saúde, pois são de responsa-

bilidade da própria Universidade Federal.

12. Prestar serviços de apoio à geração do conhecimento em pesquisas básicas, clínicas e aplicadas nos hospitais universitários federais e a outras ins tuições congêneres.

13. Prestar serviços de apoio ao processo de gestão dos hospitais universitários e federais e a outras ins tuições congêneres, com implementação de sistema de gestão único com geração de indicadores quan ta vos e qua- lita vos para o estabelecimento de metas; e

Julgue os itens.

14.

É

dispensada a licitação para a contratação da EBSERH

pela administração pública para realizar a vidades re- lacionadas ao seu objeto social.

15.

Todo os Hospitais Universitários Federais cam sujeitos

a

EBSERH, sendo obrigatória a assinatura do termo de

adesão comprometendo-se com os princípios d empresa.

16.

É

previsto em Lei o ressarcimento das despesas com o

atendimento de consumidores e respec vos dependen- tes de planos privados de assistência à saúde, na forma estabelecida pelo art. 32 da Lei n o 9.656, de 3 de junho de 1998 observados os valores de referência estabelecidos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar.

17.

A EBSERH poderá prestar os serviços relacionados às suas competências mediante contrato com as ins tui- ções federais de ensino ou ins tuições congêneres, tal contrato subs tui o principio da autonomia universitá- ria previsto na cons tuição Federal.

18.

O contrato rmado entre a EBSERH e o HUF estabele- cerá alguns termos, com exceção:

a) as obrigações dos signatários.

b) as metas de desempenho, indicadores e prazos de execução.

c) a respec va sistemá ca de acompanhamento e ava- liação.

d) o prazo para rea vação dos serviços ou leitos ina - vos pela EBSERH é indeterminado, visto que existem muitas di culdades na área da saúde.

19.

Ao contrato rmado entre as partes não poderá ser dada ampla divulgação por intermédio dos sí os da EBSERH e da en dade contratante na internet, pois se trata de informações condenciais e sigilosas.

20.

Consideram-se ins tuições congêneres, para efeitos desta Lei, as ins tuições públicas que desenvolvam a vidades de ensino e de pesquisa na área da saúde e que prestem serviços no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS.

21.

No âmbito dos contratos previstos, os servidores tula- res de cargo efe vo em exercício na ins tuição federal

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

de ensino ou ins tuição congênere que exerçam a vi- dades relacionadas ao objeto da EBSERH não poderão ser a ela cedidos para a realização de a vidades de assistência à saúde e administra vas, pois já tem uma função denida nestes referidos hospitais.

22.

Marque C para os itens Certo e E para os errados, quanto aos recursos da EBSERH:

a) recursos oriundos de dotações consignadas no or- çamento da União.

b) as receitas decorrentes da prestação de serviços compreendidos em seu objeto; da alienação de bens

 

e

direitos e das aplicações nanceiras que realizar.

 

c) receitas decorrentes dos direitos patrimoniais, tais como aluguéis, foros, dividendos e boni cações;

 

dos acordos e convênios que realizar com en da- des nacionais e internacionais.

e

 

d) doações vindas de empresas estrangeiras.

23.

O lucro líquido da EBSERH será reinves do para aten- dimento do objeto social da empresa, excetuadas as parcelas decorrentes da reserva legal e da reserva para con ngência, correspondendo ambas a 5% e 20%, res- pec vamente.

24.

A

EBSERH será administrada por um Conselho de Admi-

nistração, com funções delibera vas, e por uma Direto-

ria Execu va e contará ainda com um Conselho Fiscal e um Conselho Consul vo.

25.

A

atuação de membros da sociedade civil no Conselho

Consul vo será remunerada pois representa uma fun-

ção relevante.

26.

O regime de pessoal permanente da EBSERH será o da

Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, condicionada

a contratação à prévia aprovação em concurso público

de provas ou de provas e tulos, observadas as normas especícas editadas pela Diretoria Execu va.

Com relação a contratação por meio de Processo Sele vo Simpli cado, julgue os itens.

27. Fica a EBSERH, para ns de sua implantação, autorizada a contratar, mediante processo sele vo simplicado, pes- soal técnico e administra vo por tempo indeterminado.

28. Os contratos temporários de emprego de que trata o

caput somente poderão ser celebrados durante os 5 (dois) anos subsequentes à cons tuição da EBSERH.

29. Tal processo sele vo simplicado poderá ser des nados exclusivamente ao cumprimento de contrato celebrado, nos primeiros 180 (cento e oitenta) dias de vigência deste contrato.

30. Os contratos temporários de emprego de que trata o caput poderão ser prorrogados uma única vez, desde que a soma dos 2 (dois) períodos não ultrapasse 4 (cinco) anos.

31. Os empregados que foram selecionado por Processo Sele vo Simpli cado terão os mesmos direitos e van- tagens que os empregados que foram selecionados por concurso público de provas ou de provas e tulos.

Julgue os itens.

32.

Ficam as ins tuições públicas federais de ensino e ins-

tuições congêneres autorizadas a ceder à EBSERH, no

âmbito e durante a vigência do contrato, bens e direitos necessários à sua execução.

33.

A

EBSERH e suas subsidiárias estarão sujeitas à scaliza-

ção dos órgãos de controle interno do Poder Execu vo e ao controle externo exercido pelo Congresso Nacional, com auxílio do Ministério da Fazenda.

34.

A

EBSERH ca autorizada a patrocinar en dade fechada

de previdência privada, nos termos da legislação vigente.

35.

Este patrocínio poderá ser feito mediante adesão a en dade fechada de previdência privada inovadora e inédita no mercado.

36.

Os Estados não estão autorizados a criar empresas públicas de serviços hospitalares, pois a EBSERH tem a nalidade de atender a tais entes federados também.

37.

Art. 1º A Empresa Brasileira de Serviços Hospitala- res - EBSERH, empresa privada dotada de personalidade jurídica de direito público e patrimônio próprio, reger- -se-á pelo presente Estatuto Social e pelas disposições legais que lhe forem aplicáveis.

38.

A EBSERH ca sujeita à supervisão do Ministro de Es- tado da Saúde.

39.

A

EBSERH, no exercício de suas a vidades, não deverá

estar orientada pelas polí cas acadêmicas estabeleci- das no âmbito das ins tuições de ensino, pois os hos-

pitais universitários tem apenas a função de assistência

a

saúde da população.

40.

O prazo de duração da EBSERH é determinado por lei.

41.

A

EBSERH sujeitar-se-á ao regime jurídico próprio das

empresas privadas, inclusive quanto aos direitos e obri- gações civis, comerciais, trabalhistas e tributários.

Julgue os itens.

42. As instancias de Governança são órgãos estatutários da EBSERH.

43. Assinale a alterna va que corresponde ao Órgão de orientação superior da EBSERH:

a)

Conselho de Administração.

b)

a Diretoria Execu va.

c)

o Conselho Fiscal.

d)

o Conselho Consul vo.

44. Conselho de Administração, composto por doze mem-

O

bros, nomeados pelo Ministro de Estado da Educação.

45. Marque a opção que corresponda a correta composi-

ção do Conselho de Administração, de acordo com as respec vas indicações:

a) 4 membros indicados pelo Ministro de Estado da Educação.

b) o Presidente da Empresa, que exercerá a Presidência do Conselho.

c) um membro indicado pelo Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão.

d) 3 membros indicados pelo Ministro de Estado da Saúde.

Julgue os itens.

46.

Os empregados não terão representante dentro do conselho de administração, pelo simples fato de este órgão ter a sua composição apenas por servidores estatutários.

47.

dois membros indicados pela Associação Nacional dos Dirigentes das Ins tuições Federais de Ensino Superior – ANDIFES,irão par cipar do conselho administra vo, são eles: o Reitor da universidade e o Diretor do Hospital Universitário.

48.

O prazo de gestão dos membros do Conselho de Administração será de dois anos contados a par r da data de publicação do ato de nomeação, podendo ser reconduzidos por igual período.

49.

O

representante dos empregados par cipará das discus-

sões e deliberações sobre assuntos que envolvam re- lações sindicais, remuneração, benecios e vantagens, inclusive assistenciais ou de previdência complementar, pois esta é a função destes representantes dentro do Conselho Consul vo.

ou de previdência complementar, pois esta é a função destes representantes dentro do Conselho Consul vo.

50. A inves dura dos membros do Conselho de Adminis- tração far-se-á mediante assinatura em livro de termo de posse.

51. No caso de vacância deni va do cargo de Conselheiro,

o subs tuto será nomeado pelos Conselheiros remanes-

centes e servirá até a designação do novo representan- te, exceto no caso do representante dos empregados.

52. Os membros do Conselho de Administração não farão jus a honorários mensais.

53. Os membros do Conselho de Administração, terão direito apenas ao reembolso, obrigatório, das despesas de loco- moção e estada necessárias ao desempenho da função.

54. Não se considera vaga a função de membro do Conselho de Administração quem não comparecer a uma reunião.

Julgue os itens referentes a competências do Conselho de Administração:

55. Fixar as orientações gerais das a vidades da EBSERH.

56. Examinar e aprovar, por proposta do Presidente da EB- SERH, polí cas gerais e programas de atuação a curto, médio e longo prazo, em harmonia com a polí ca de educação, com a polí ca de saúde e com a polí ca econômico-nanceira do Governo Federal.

57. Aprovar o regimento interno da EBSERH, que deverá conter, dentre outros aspectos, a estrutura básica da empresa e os níveis de alçada decisória da Diretoria e do Presidente, para ns de aprovação de operações.

58. Aprovar o orçamento e programa de inves mentos e acompanhar a sua execução.

59. Aprovar os contratos previstos.

60. O Conselho somente deliberará com a presença da maioria absoluta dos seus membros. Assinale a alter- na va que corresponda a esse número de membros citados:

a) 12

b) 9

c) 5

d) 4

61. As deliberações do Conselho Administra vo serão to- madas por maioria simples de votos dos presentes. As- sinale a alterna va que corresponda ao quorum mínimo para essa deliberação:

a) 9

b) 8

c) 3

d) 6

62. Presidente da Empresa durante as votações terá direito apenas ao voto ordinário.

Julgue os itens.

63.

A

EBSERH será administrada por uma Diretoria Execu-

va, composta pelo Presidente e até cinco Diretores, todos nomeados e des tuíveis, a qualquer tempo, pelo Presidente da República, por indicação do Ministro de Estado da Educação.

64.

A inves dura dos membros da Diretoria far-se-á me- diante assinatura em livro de termo de posse.

65.

O Presidente e Diretores da EBSERH serão nomeados dentre brasileiros que sa sfaçam os seguintes requisi- tos, exceto:

a) idoneidade moral e reputação ilibada.

b) notórios conhecimentos na área de gestão.

c) da atenção hospitalar e do ensino em saúde.

d) dez anos de exercício de função ou de efe va a vi- dade prossional que exija os conhecimentos men- cionados no anteriormente.

66. O Conselho Fiscal, como órgão permanente da EBSERH, compõe-se de três membros efe vos e respec vos su- plentes, nomeados pelo Ministro de Estado da Educação.

67. A cerca da composição do Conselho scal, assinale a errada.

a) um membro indicado pelo Ministro de Estado da Educação.

b) um membro indicado pelo Ministro de Estado da Saúde.

c) um membro indicado pelo Ministro de Estado da Fazenda como representante do Tesouro Nacional.

d) um membro indicado pelo Ministro do Planejamento

e Gestão Orçamentária, que presidirá este conselho.

68. A inves dura dos membros do Conselho Fiscal far-se-á mediante registro na ata da primeira reunião de que par ciparem.

69. Os membros do Conselho Fiscal farão jus a honorários mensais, além do reembolso, obrigatório, das despesas de locomoção e estada necessárias ao desempenho da função.

70. O Conselho Fiscal reunir-se-á, ordinariamente, a cada mês e, extraordinariamente, quando convocado pelo seu Presidente.

71. Qual dos órgãos abaixo representa a instancia de con- trole social dentro da EBSERH:

a) Conselho de Administração.

b) Diretoria Execu va.

c)

o Conselho Fiscal.

d) Conselho Consul vo.

a

o

72. O Conselho Consul vo é órgão permanente, é cons - tuído pelos seguintes membros:

a) Presidente da EBSERH.

b) dois representantes do Ministério da Educação.

c) um representante do Ministério da Saúde.

d) dois representantes dos usuários dos serviços de saúde indicado pelo Conselho Nacional de Saúde.

73. Os membros do Conselho Consul vo serão indicados bienalmente pelos respec vos órgãos e en dades e designados pelo Ministro de Estado da Educação, sen- do sua inves dura feita mediante registro na ata da primeira reunião de que par ciparem.

GABARITO

1. E 16. C 31. E 46. E 61. c 2. C 17. E 32.
1. E
16. C
31. E
46. E
61. c
2. C
17. E
32. C
47. E
62. E
3. E
18. d
33. E
48. C
63. E
4. E
19. E
34. C
49. E
64. C
5. d
20. C
35. E
50. C
65. d
6. E
21. E
36. E
51. C
66. C
7. C
22. d
37. E
52. E
67. d
8. E
23. E
38. E
53. E
68. C
9. C
24. C
39. E
54. C
69. C
10. E
25. E
40. C
55. C
70. C
11. E
26. E
41. C
56. C
71. d
12. C
27. E
42. C
57. C
72. d
13. C
28. E
43. a
58. C
73. C
14. C
29. C
44. C
59. C
15. E
30. E
45. c
60. c

À EBSERHLEGISLAÇÃO EBSERH

APLICADA À

LEGISLAÇÃO APLICADA

LEGISLAÇÃO PERTINENTE

Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010

Ins tui o Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais – REHUF, dispõe sobre o financiamento compar lhado dos hospitais uni- versitários federais entre as áreas da educação e da saúde e discipli- na o regime da pactuação global com esses hospitais.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Cons tuição,

e tendo em vista o disposto nos arts. 196 e 207, da Cons-

tuição, e no art. 4º da Lei nº 8.080, de 19 de setembro

de 1990, decreta:

Art. 1º Fica ins tuído o Programa Nacional de Rees- truturação dos Hospitais Universitários Federais – REHUF, des nado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados ao Sistema Único de Saúde (SUS), nos termos do art. 4º da Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Art. 2º O REHUF tem como obje vo criar condições ma-

teriais e ins tucionais para que os hospitais universitários federais possam desempenhar plenamente suas funções em relação às dimensões de ensino, pesquisa e extensão e

à dimensão da assistência à saúde.

§ 1º No campo do ensino, pesquisa e extensão, os hos-

pitais universitários desempenham as funções de local de

ensino-aprendizagem e treinamento em serviço, formação de pessoas, inovação tecnológica e desenvolvimento de novas abordagens que aproximem as áreas acadêmica e de serviço no campo da saúde, tendo como obje vos especícos:

I – atender às necessidades do ensino de graduação na

área da saúde, em especial em relação à oferta de internato nos cursos de Medicina e estágios curriculares supervisiona- dos para os demais cursos, conforme previsão nas diretrizes

curriculares nacionais e no projeto pedagógico de cada curso;

II – desenvolver programas de pós-graduação stricto

sensu e lato sensu, voltados à formação de docentes e pes- quisadores em saúde familiarizados com a ó ca dos serviços de atenção especializada ofertados e a gestão em saúde;

III – denir a oferta anual de vagas dos programas de

residência médica, de modo a favorecer a formação de mé- dicos especialistas nas áreas prioritárias para o SUS, segundo

indicadores estabelecidos pelos Ministérios da Educação e da Saúde; IV – implementar a residência multiprofissional nas áreas estratégicas para o SUS, es mulando o trabalho em equipe mul prossional e contribuindo para a quali cação dos recursos humanos especializados, de forma a garan r assistência integral à saúde; e V – es mular o desenvolvimento de linhas de pesquisa de interesse do SUS, em conformidade com o per l epidemio-

lógico local e regional e as diretrizes nacionais para pesquisa em saúde, com foco na busca de novas tecnologias para o cuidado e a gestão em saúde.

§ 2º No campo da assistência à saúde, os hospitais univer-

sitários desempenham as funções de centros de referência de

média e alta complexidade, para a rede pública de serviços de saúde, tendo como obje vos especícos:

I – ofertar serviços de atenção de média e alta comple-