Você está na página 1de 18

Capítulo 7

Leis de Kirchhoff

LEI DE KIRCHHOFF PARA A TENSÃO (LKT)

A lei de Kirchhoffpara a tensão, ou lei das malhas, afirma que a tensão aplicada a um circuito fechado é igual à soma das quedas de tensão nesse circuito. Este fundamento foi usado no estudo de circuitos série e foi expresso da seguinte forma:

Tensão aplicada = soma das quedas de tensão

(7-1)

onde ~A é a tensão aplicada e V~, 112 e 113 são as quedas de tensão. Uma outra forma de se enunciar a LKT é: a soma algébrica das elevações, ou aumentos, com as quedas de ten são deve ser iguala zero. Uma fonte de tensão ou fem é considerada como uma elevação de tensão; uma tensão em um resistor consiste numa queda de tensão. Para ~cilitar a denominação, normalmente se usa índices alfabéticos para indicar as fontes de tensão e índices numéricos para indicar as quedas de tensão. Esta forma da lei pode ser escrita transpondo os termos da direita da Equação (7-1) para o lado esquerdo:.

Tensão aplicada soma das quedas de tensão = O

Substituindo por letras:

ou

Vs—Vi—Vz—V30

Introduzindo um símbolo novo,!, a letra grega maiúscula sigma, temos

(7-2)

na qual LV, a sorna algébrica de todas as tensões ao longo de qualquer circuito fechado, é igual a zero. L significa “somatório de”. Atribuímos um sinal positivo (+) para uma elevação de tensão e um sinal negativo (—) para urna queda de ten- são na fórmula EV= O (Figura 7-1). Ao percorrer as quedas de tensão ao longo de um circuito, comece no terminal negativo da fonte de tensão, O percurso do terminal negativo até o terminal positivo, passando pela fonte de tensão corresponde a uma elevação de tensão. Continuamos a percorrer o circuito do terminal positivo passando por todos os resistores e voltamos ao terminei negativo da fonte, Na Figura 7-1. se começarmos pelo ponto a, o terminal nega tivo da bateria, e se percorrermos o circuito no sentido abcda, atravessaremos V~ do para 0+, assim V~ = +100V.

-

-

‘2~

CAPÍTULO 7• LEIS DE KIRc1~n1orF

123

b~

~

c

 

E

1’

a

‘2

~‘t

1’~

1’3

 

V2=30V

= 100-50—30—20

 

a

100—100

 

=0

 

a

V3=20V

d

Figura 7-1

Ilustração da fórmula XV = 0.

 

Se partirmos do ponto b e percorreremos o circuito no sentido oposto badcb, atravessaremos V4 do + pano —, assina = —100V. A queda de tensão através de qualquer resistência será negativa (—) se a percorreremos no sentido do t parao-.Assim,naFigura7-l, sepercorre mosocircuitonosentjdoabcd,j, V~=-5OV, V2—30Ve1Ç~=-2OV.A queda de tensão será positiva (+) se atravessarmos a resistência do sentido do para o+. Portanto, ao percorreremos o circuito no sentido abcda, teremos

Exemplo 7.1

Vi

Lv = o

½—

=

O

100—50—30 —20 = O

0=0

Determine o sentido da tensão ao longo do circuito abcda (Figura 7-2) e em seguida escreva as expressões

para as tensões ao longo do circuito. Adote o sentido da corrente conforme indicado na figura. Marque as polaridades + e de cada resistor.

b

é urna fonte de tensão (+). ~1 duma queda de tensão (—). V2 duma queda de tensão (—). 6 urna fonte de tensão (—). 1/3 é uma queda de tensão (—).

(É uma elevação de tensão no sentido adotado pan a comute.) (É uma diminuição no sentido adotado para a corrente.) (É uma diminuição no sentido adotado.) urna diminuição de tensão no sentido adotado para a corrente.)

uma diminuição no sentido adotado.)

ti, = o

 

+VA

i’1 1/2 1/3

i’3• =

 

=

3V

 

a

6V

VI

VA=ISVS

 

VI

7

a

Figura 7-2

d

Ilustração da lei de Kirchhoff

para tensão com duas

fontes.

-1-

o

1’3n2V

P7gum 7-3

Determinação de

uma fonte de tensão.

124 ELEWIcIDADE BÁSICA

Agrupando os aumentes e as quedas de tensão:

(111 +

V2 + 1’3 +

VB)

Observe que as quedas de tendo incluem urna fonte dc tendo, V,. Normalmente. urna fonte seria positiva. Neste caso, a polaridade da fonte age contra o sentido siotado para a corrente. Porisato, o seu efeito é o de reduzir a tensão

Exemplo 7.2

Determine a teu sKo V~ (Figura 7-3).

O sentido do fluxo da conente está indicando através da seta. Marquespolaridade das quedas de tensão nos resistores. Percorra o circuito no sentido do fluxo da cotxeiae partindo do ponto a. Esatva a equaç~o da tensão ao longo dc circuito.

EV=O

(7-2)

Utilize as regras do + e para os aumentos e quedas de ttns~o respeclivamente.

Obtenha o valor de VB.

V1

1’3 =

O

VB=VA—V1—V2-- V3=15—3—6—2=4V

Resp.

Como se obteve um valor positivo de V~, o sentido adotado para a corr~te ~ de fato o sentido da corrente.

LEI DE KIRCHHOFF PARA A CORRENTE (LKC)

A lei de kirchhoffpara a corrente, ou lei dos nós, afirms que a sorna das correntes que en#um numa junção é igual

a soma das correntes que saem da junção. Suponha que tenhamos seis correntes saindo e entrando numa junção

comum ou ponto, por exemplo, o ponto P (Fipira 7-4). Este ponto comum é também chamado dc nó.

Figura 7-4

13

Ponto cctnufl3, junção ou ii6

As correntes em um ponto comum.

Soma de todas as correntes que enitam

Substitufdo por letras:

fl

+ I~3 +

14 +

soma de todas as correntes qcie saem

‘6

12 + 15

se consideramos as contntes que entram numa jun9âo como positivas (÷) e as que saem da mesma junç~o como

negaüvas (—), entilo

ção comum é zero. Utilizando o símbolo de somatório, E. temos;

esta lei afirma tamb4m que a soma algébrica de todas as conentes que se encontram num jun

EI =

O

(7-3)

CAPITULO 7 LEIS DE KIRCI*IOFF

125

onde El, a soma algébrica de todas as correntes num ponto comum, ó zero.

1j 12 + 13 + 14—13 + 16 = O

Se transpusermos os termos negativos para o lado direito do sinal de igual, teremos a mesma forma da equação original.

Exemplo 7.3

Escreva a equaç~o para a corrente 1~, na parte (a) e na parte (b) da Figura 7-5.

Figura 7-5

(a)

P

{b)

la—?.

w.

4—.

Ilustração da ei de Kirchhoff para corrente (LXC).

A soma algébrica de todas as correntes em um nó é zero. As correntes que entram são -1-; as correntes que saem são

(a)

+11—12—13=0

11I2+ly

Resp.

(1’)

+lj—F2—13—14=0

Exemplo 7.4

u1l2+13+14

Resp.

Calcule as correntes desconhecidas na parte a e na parte b da Figura 7-6.

e-

j,

(a)

—,

7A

Figura 7-6

= 2À_,

-‘2

?S_~

(1’)

Determinação da corrente.

4A

A soma algébrica de todas as correntes em um nó é zero. As correntes que en~am são i-; as correntes que saem são—.

(°)

—11-1-12—13=0.

li=ka13734A

Resp.

(b)

+11+12—13+14=0

t4~I~jI2+l32t3*4lA

Resp.

O sinal negativo dei4 significa que o sentido adotado para 4 está incorreto e que 4, na verdade, está saindo do ponto P.

126 ELETRICIDADE BÁSICA

AS CORRENTES DE MALHA

Ás leis de kixchhoff podem ser simplificadas por meio de um método que utiliza as correntes de nwlha. Uma mc- 11w é qualquer percurso fechado de um circuito. Não importa se o percurso contém ou não uma fonte de tensão. Ao resolver um circuito.utilizando as correntes de malha, temos que escolher previanxente quais os percursos que formarão as malhas. A seguir, designamos uma corrente de malha para cada malha. Por conveniência, as correntes de malha são geralmente indicadas no sentido horário. Este sentido E arbitrário, mas é o mais usado. Aplica-se en tão a lei de kirchhoff para a tensão ao longo dos percursos de cada malha. As equações resultantes determinam as correntes de malha desconhecidas. A partir dessas correntes, podem-se calcular a corrente ou a tensão de qualquer resistor.

+

1’3

Figura 7-7

Um circuito com duas malhas.

Na Figura 7-7, temos um circuito com duas malhas denominadas de malhal e malha 2. A malhal é formada pelo percurso abcda e a malhal é formada pelo percurso adefa. Todas as fontes de tensão e as resistências são conhecidas. O procedimento para se determinar as correntes 4 e 4 das malhas do seguinte:

Depois de definir as malhas, mostre as correntes 4 e ‘2 das malhas no sentido horário. Indique a polaridade da tensão em cada resistor, de acordo cora o sentido adotado para a corrente. Lembre- se de que o fluxo convencional de corrente, num resistor, produz uma polaridade positiva onde a corrente entra. Aplique a lei de Kirchhoff para a tensão, ZV= 0, ao longo de cada malha. Percorra cada malha no

Passo 1:

Passo 2:

sentido da corrente de malha. Observe que há duas correntes diferentes (4,4) fluindo em sentidos opostos, através do resistor li2, que é comum a ambas as malhas. Por esse motivo aparecem dois conjuntos de polaridades para 1?, (Figura. 7-7). Percorra a malha 1 no sentido abcda.

+VA 2. 11R1

11i?2 + lzi?2 =

O

+VA—It(Rl +Rz)+12R10

+Ii(Ri+Rz)—12R2=V4

(1)

Observe que na primeira expressão I,fl2é positivo (+), pois passamos por uma queda de teu- são do para o +.

Percorra a malha 2 no sentido adefa.

—12R2+11R2—12R3 l’j =0

(2)

- Observe que lI)?2 é uma queda de tensão positiva (-i-), pois passamos por uma queda de tensão

Passo 3:

do para o +.

Calcule 4 e 4, resolvendo as Equações (1) e (2) simultaneamente.

CAPtWLO 7 LEIS DE K1RCRHOFF

127

Passo 4:

Quando as correntes de malha forem conhecidas, calcule todas as quedas de tensão nos resistores

utilizando a lei de Ohm.

Passo 5:

Verifique a solução das correntes dc malha percorrendo a malha abcdefa.

VA

Exemplo 7.5 malha e as quedas de tensAo no circuito.

lzl?s

Vi = O

4

=

55

Passo 1:

Pasao2:

b

Figura 74

a

(a)

=10V

11= lOA1

R2

a

(b)

Determinação das correntes de malha e das quedas de tensão.

-4

4A

=

6 A

Escolha as duas malhas conforme a indicação da figura. Indique a corrente da malha no senfido horário. Indi que as polaridades em cada reBistor.

ApliqueZV=0~sma1ha~ 1 ~

 

Malha l,t2bcda:

+58 —~ti ~

*312=0

 

+711—312=5S

 

(1)

 

Malba2,adefa:

3h —312—212 10=0

 
 

311—512=10

 

(2)

 

Observe que as correntes l~ e ‘2 das malhas passam aftavés de I?2, o resistor comum a ambas.

Passo 3:

Calculei, e 4, resolvendo as Equações (1) e (2) simultaneamente.

 

7h ~

= 58

-

(1)

311—512=10

(2)

Multiplicando a Equação (1) por 5 e a Equação (2) por3 obtêm-se as Equações (la) e (2a). A seguir, subtrai-se a Equação (2a) da Equação (la).

3511—1512=290

 

(Ia)

~‘i

—1512=

30

(2a)

h=1OA

.‘~.

128 EL2TRICIDADE BÁsicA

Substituindo 1~ = lOA na Equação (1), obtêm-se 1~.

711—312=58

7(10)—31a=S8

—31z~58—70

A corrente através do ramo da é

1da11l2l046A

Resp.

Resp.

/

Nesta caso, o sentido adotado para a corrente da malha estava correto, porque os valores das correntes são positivos. Se os valores das correntes fossem negativos, o sentido verdadeiro seria o oposto ao sentido adotado para a corrente (veja aFigura 7-81’).

Passo 4:

Calcule todas as quedas de tensão.

V1=11R1=l0(4)=40V

Rnp.

= (li 12)l?2 = 6(3) =

18V

kesp.

V3=12R3=4(2)=SV

Resp.

Passo 5:

Verifique a solução obtida para a corrente da malim percorrendo o laço abedefa e aplicando a lei de Kircbhoff para tensão.

VA—Vl—VS—VR—— O

58—40—8—10 = O

58—58=0

00

Vénficado

TENSÕES DOS NÓS

Outro método para resolver um circuito com correntes de malhas utiliza as quedas de tensão para determinar as

correntes em um nó. Escreve-se, então, as eguaçóes dos nós para as correntes, de forma a satisfazer a lei de Kirch hoff para a corrente. Resolvendo as equações dos nós, podemos calcular as tensões desconhecidas dos nós. Um nó

é uma conexão comum a dois ou mais componentes. Um nó principal possui três ou mais conexões. Num circuito,

associa-se uma letra ou um número a cada nó. A, 8, O e N são nós, sendo O e N nós principais ou junções (Figura 7-9). Uma tensão de nó é a tensão de um determinado nó com relação a um nó em particular, denominado de nó de referência. Escolha o nó G conectado ao terra, ou chassi, como o nó de referência. Então, VÂQ é a tensão entre os nósA eG, V~éatensãoentreosnós8e (3, e V,~éatensãoentxtosnósNeG. Comoatensãodonóésempre determinada em relação a um detenninado nó de referência, as notações V4, V~ e V~ são usadas para substitufrem V,~, V~ e V,~, respectivamente.

Com exceção do nó de referência, pode-se escrever equações que usam a lei de lCiichhoff para corrente em cada nó principal. Logo, o número de equações necessárias é igual ao número de nós principais menos 1. Como o circuito apresentado (Figura 7-9) contém dois nós principais (N e G), precisamos escrever somente uma equação para o nó N, a tini de calcular todas as quedas de tensão e as correntes do circuito.

-j

A

?

+ E

~-

Figure 7-9

,i

Malhal

Cn’twLo 7 LEIS DE KlnctIHoF~

N

_Rs+

•lVb

‘1~”

Malhal

8

+

Os nós num elreultocom duas malhas.

129

Considere que as correntes nos ramos I~ e 12 entram no nó N e que 4 saia do nó N (Figura 7-9). A escolha do sentido das correntes 6 arbitrária. A partir da lei de Kircbhoff para corrente,

r

Pela lei de Ohm,

ti =0

11 + 1213

=

13 =

O

11 + l~

13=—

1’,’

1?3

Substituindo essas expressões na Equação (1),

Vp,r

=

Ri

V~ +

1’~

(1)

(la)

(1h)

(lc)

(2)

Se VA, V~, R1, R2e 1?~ forem conhecidos, V~,pode ser calculado a partir da Equação (2). Assim, todas as quedas de tensão e as correntes do circuito podem ser determinadas.

Exemplo 7.6

O circuito da Figura 7-8 (Exemplo7.5) resolvido pelo m&odo das correntes nos ramos está redesenhado

na Figura 7-10. Resolva por meio da análise das tens6es nodais.

Passo 1:

Passo2:

Adote o sentido das correntes conforme mostrado na Figura 7-10. Indique os nós A, li, Me G. Identifique a polaridade da tensão em cada resistor de acordo com o sentido considerado para a corrente.

ApliqueaLKCaonóprincipalNeresolvaasequaçõesparaobter ~M

13 13 + ~2

130 ElErnIcIop.OE BÁSICA

Passa 3:

r~=sgv

Figura 740

+

A

~R1_

vI

40

Malhal

>

o

~

-

<~_v3

~

4

‘3

20

Mallia2

8

+

~v3=1ov

Análise das tensões nodais para o mesmo circuito da Figura 7-8.

~N

—~=

VA—Vj,r

+

V3—VN

58— VN + 1O—VN

3

4

2

Elimine as fraçôes multiplicando cada termo por li

4Vg=3(58—VN)+~Ø(l0— VN)

4~N= 174—3Vp,r+60—6Vji

‘3~N =234

VN = 18V

Calcule todas as quedas de wnslio e as correntes.

V1=V4—Vjy=58—1840V

Resp.

YZzVN=l8V

Resp.

V3Vj~-Vjq~zl0—l&—8V

Resp.

O valor negativo de V, indica que 4 flui no sentido oposto ao sentido adotado e a polaiidade de V3 é o inverso dos sinais mostrados em R3 (Figura 7-10).

V1

40

11y-4-lOA

V3

—8

12=—=—=—4A

R3

2

Resp.

Resp.

13=11+12=10—4=6A

Resp.

R2

3

Wr~flcar

Todos os valores calculados concordam cornos do Exemplo 7.5.

Problemas Resolvidos

CAPtruLo 7

LEIS DE KIRCHHOFF

131

7.1 Determine os sinais das tens~es ao se percorrer a malha afedcl’a e escreva as expressõeà para a LKT (Figu

ra7-ll).

VI

+

1’

1’

Á

Figura 7-11

+

“e

v

.3

-

Percorrendo duas malhas.

Considere que os sentidos das correntes sejam os indicados. Marque as polaridades em cada resistor.

TI, é pois atravessamos uma queda & tensão do + para o —. V~ 6— pois passamos por um aumento de tensão do + para o —. V2 é - pois passamos por uma queda de tensão do + para o-.

~ é pois atravessamos um aumento de tensão do ÷ para o—. V~ é + pois atravessamos um aumento de tensão do para 0+. I~1 é pois passamos por uma queda de tensão do + para o—.

IS

= o

—1’,

Vc

V2

VB + VÁ

=

O

(VA

Vc) (TI1 ÷ 1— TI3) =

O

Elevações dc tensão Quedas & tensão

Calculei, e 14 (Figura 7-12).

+1

a

I+30A

-*

14r?

b

Resp.

v ~:2Ajhi~0Aj

1

Figura 742

Determinação das correntes pela LKC.

--a

132 ELEmICIoADE BÁSICA

ApllqueaLKC, ZI=Oaonóa.

30 12— 14 = O

14=30—L2=ISA

Aplique a LKC, EI = O ao nó b.

Verifique a soluçEo.

18—10—13=0

l3=18—108A

IT=lL+12+13

30=12+10+8

30=30

Ve*ado

Resp.

Resp.

73 Calcule todas as correntes nas malhas paraocircuito de duas malhas mostado na Figura 7-13.

Passo 1:

Passo2:

Passo 3:

Figura 7-13

=

85

a

50

Duas malhas com uma fonte de tensão no ramo central.

Indique as correntes nas malhas no sentido horúrio.

ApliqueZV=Oparaasmalhasle2ecorracadamalha.aPartirdea.flOSenüdOdaCOrItflW

da malta.

Malhal:

MalhnZ:

1011 =40

lj=4~

45—512=0

)~=9A

Resp.

Rerp.

Faça a verificação percorrendo os laços nas malhas 1 e 2 aplicando EV= O.

VA—ILRI—I2RZ=0

85—4(10)—9(5)=0

85 40—45

O

85—85

O

Verificado

CAPÍTULO? • LEIS DE KIRCHHOFF

133

7.4 Calcule todas as correntes de malha e as quedas de tensão para o circuito de duas malhas mostrado na Fi gura 7-14.

 

d

113

I~4

-

110v

 

b

a

1

Figura 7-14

Duas malhas com uma tente de tensão e uni resislor no ramo central.

Passo 1:

Mostre o sentido das correntes de malha conforme indicado.

Passo 2:

Aplique ZV=0 panas malhas 1 e 2, no sentido da corrente em cada nialha.

 

Malha l,abc&z:

I1O—Sl~ —190—511+512=0

(1)

 

—1011+512—80=0

—lOIi+SIz=80

 

Malha2,adefiz:

511—512+190—1512—2012=0

(2)

 

511—4022= —190

Passo 3:

Calcule I~ e I~, resolvendo as Equaç~es (1) e (2) simultaneamente.

 

—1011+512=

80

(1)

511 —4012 = —190

(2)

 

Multiplique a Equaç~o (2) por 2paia obter a Equaçâo (2a); em seguida linplemente a soma.

 

—10/1+

512=80

(1)

tplt —. 8012 = —380

(2a)

O

/

300

/

12\~=4A

Resp.

Substitna4=4AnaEquaçâo(1)paracalcularj.

—lOIi-j-5(4)=8O

—lOli=60

11=—6A

Resp.

O sinal negativo significa que o sentido çonsiderado para 1~ nAo estava correto. Na reaiidade, o sentido de .i~ é o anti-horário. No ramo 4411 ei, estão no mesmo sentido.

134 ELErHIQIOPJ)E 645 LOA

Passo 4:

Passo 5:

Portanto,

icidIl+12=6+410Ã

Calcule as quedas de tensão.

Vi=JjRj=6(5)=30V

Resp.

Vi = (Ii+h)Ri = l0(~) = 50V

Rexp.

Resp.

Va=12R3=4G5)=60V

Resp.

V4=IiR~=4(20)8OV

Resp.

Faça a verificação. Percorra o laço abedefa (ntilize o sentido considerado inicialmente para ‘~

e

+VA

121?3

= 0

110— (—6)(5) —4(15) —4(20) =0

110 + 30—60 —80 = O

140-140=0

Verificado

7.5 Calcule a tensão V2 em %, pelo método da análise da tensão nodal (Figura 7-14a).

A

ç

1

+1

J~=12V~

1

÷Rj_

~

a

w

1~3

E

V1

+

e—’E~

,—

 

+

20

20

20

+

6V

(a) Esquema do circuito

(b) Percurso fechado 030

Figura 745

Determinação de 1’2 pelo método da tensâo nodal,

Passo 1:

Considere o sentido mosuado para as correntes. Maique as polaridades da tensão. Indique os

nós A, 8, N, G.

Passo 2:

Aplique EI = O ao nó principal N.

Vj

1’3

I2i=

13=11+12

Ví.

VA—VU

VB-.VN

Ã~

12—~N

8

V3—Vu

(1)

(la)

(lb)

(Ic)

F

1:

C~to7 ~SDEKIRCKHO~

135

Somos incapazes de determinar l’3 pela simples an~iise da Equação (lc), porque a queda de tensão 1’4 não é dada (Figura 7-15a). Portaiito, utilizamos a LKT para determinar V~ percorren do o circuito completo de O a B, no sentido & ‘2 (Figura 7-15b).GBG constitui um percurso completo, porque 1’8 é a tensão em E com relação ao terra.

—6—212—V8=Q

= 6 212

Substitua a expressão para 1!~ na Equação (lc),

a partir da qual obtemos

12—

—6—212—Vw

12=

6

Substituaastrêsexpress&sparaconentenaEquaçâo(l).

7.6

Passo 3:

Vjql2—V4y

8

+

—6—Vg

6

Agora a Equação (2) tem uma variável desconhecida, Ti,,,.

Calcule ‘2 (V2= VN). Multipliquecada termo da Equação (2) por 24.

I2VN =(36—3Vpi)+(—24—4Ypj)

12

VN=C—=0,632V 19

0,632V

=

Resp.

~ va as equações.

20V--

-

~-2Ü

Maibal

flgura 7-16

30

40

Malhs2

60.

í~>vH~

~5O

Malha3

r5V

+

Uni circuito com três malhas.

(2)

Indique as correntes de malha no sentido horário. Percorra os laços no sentido adotado para a corrente,

usandoaLKr,ZV=0.

Malhal:

20—211—311+312=0

(1)

Malha2:

—412—512+513—312+311=0

(2)

MalhaS:

—613+5—513-f-512=O

(3)

136 EIrHI0IDADE BÁSICA

Combine e rearranje os termos em cada equaçâo.

Malha 1:

20 =

5I~ ~

Resp.

Malha 2:

O =

31L + 1212 —513

Resp.

Malha3:

5——512+tl1a

Resp.

(la)

(2a1

(3a)

Um conjunto de qualquer número de equações simultineas, para um número qualquer de malha, pode ser resolvido utilizando-se detentinantes. Este procedimento 6 apresentado no Capítulo 8.

Problemas Complementares

7.7 Calcule os valores desconhecidos indicados na Fig. 7-17 (a) e (b).

Résp.

(a)1=8A;

(b)VB=1OV

(a)

20V~

1v~

1

Figura 7-17

2V

6V

(2’)

1

~Ca1cu1e a corrente e as quedas de tensão em E1 eR1 (Figura 7-18).

Resp.

1=IA;

n

4OVT

V4=1OV;

200

=

‘-À-A.

100

+

20 V

Figúra 748

Y220V

=50V

10V

40

15V

_iIiI+

‘tA

1111

~0~

115 V

Figura 7-19

60

7.9 Uma corrente de 6 A percorre o circuito visto na Figura 7-19. Calcule o valor deR.

e

Resp.

R=5fl

Calcule 1»13 t V~ (Figura 7-20).

Resp.

i2=6A;13=2Afl’~=152V

7.11 Calcule as correntes de malhal1 e 4 e todas as quedas de tensão pelo método das correntes de malha (Figa-

Ia 7-21).

Resp.

11=5A;12=3A;Y1=30V;V2=30V;V3=60V;V4=6V;V3=9V;V6=15V

3.

+

40

VAL

=

CAi’fruLo7 LEIS DE KlRcIlHoFr

 

60

20

8 A

13

 

420 V

30

 

200

600

‘l~i2

 

120

59

137

 

Figura 7-20

Figura 7-21

cl

Calcule todas as correntes nas resistências pelo método da corrente dc

malha (Figura 7-22).

Rexp.

i,=3A;12~. 1A;11—12n2A(fluindodeaparab)

.4-

25V

40

[r~

a

19

-

50

‘A,

10

b

30

Sgura 7-22

~60

29

4,

iOV~

J

3

a

15

:20

4,

Figura 7-23

40

+

10V

(~j) Calcule a corrente em cada resistor, utilizando o método da corrente de malha (Figura 7-23).

Resp.

1, = 2 A; 1, = —1 A (o sentido considerado para a contate inicialmente estava incorreto), ou 1, = 1 A no sentido

anti-horário; 1, + 4 = 3 A (fluindo de a para 15).

7.14 Calcule as correntes 4 e

e a corrente na bateria de 20 V, usando o método da cOrreflte de malha (Figura

7-24).

Resp.

1,=2A;4=5k4—4=3A(fluindodebpaxaa).

7.15 Calcule as correntes I~ e

e a corrente no resistor em série com a bateria de 20V (Figura 7-25). Utilize o

método da cormnte de malha.

Resp.

sentido dei, é o anti-horário); ~2 = 0,7 A 1, + 4 = 0,8 A (fluindo dei’ para a).

1,

—0,1 A; 4

-l A (o sentido considerado para a corrente inicialmentc estava incorreto. Na realidade, o

7.16 Calcule as correntes 4 ~ 4 e a corrente no resistor de 20 Ç2 comum às malhas 1 e 2 (Figura 7-26). Aplique o método da corrente de malha.

Resp.

11=O.6A;4=0,4A;12—ij=0,2A(fluindodcaparab).

7.17 Calcule rodas as correntes e as quedas de tensAo pelo método da corrente de malha. (Figura 7-27).

Resp.

4=6A;1,=7A;l2—4=IA(fluindodebparaa).

In

21

138 EtanicIDADE BÁSICA

+

20V

10 O

1’

Figura 7-24

a

15Q

b

Figura 7-26

40

200

100

28

300

a

li

Figura 7-25

30

10

a

1’

Figura 7-27

7.18 Calcule todas as correntes e as quedas de tensão pelo método da análise de tensão nodal (Figura 7-28).

Resp.

I3=5A;I_lA(emopsiç~OaoSeS1tk1OI1105d0);I,4I2=24~~3\’

7.19 Utilizando o método da tensão nodal, calcule todas as correntes e as quedas de tensão (Figura 7-29).

Resp.

j,1,42A;J

¼ = 4A V

_1,1OA(cmoposiÇAOaOSenfldOmOSft2il0)a3~,32k V,IIAV;

.4.

MV

Figura 7-28

v

4

l2V-~

80 •-_~

~_-_

11 ‘2

20

1

Figura 7-29

~O,64V V,2,2V

2 O

40

v

CAP11ULO 7 LEIS DE KRCF*-IOFF

139

Escreva as equações das malhas para o circuito mostrado na Figura 7-30. Não resolva as equações.

Resp.

6I3—24=i0;—2L+812—2t3=O;_2I1+6i~-.4

 

20

20

10V

v

 

20

20

20

Figura 740

7.21 Verifique os valores das correntes no circuito da Figura 7-23 (Problema 7.13) pelo método da tensão nodal.

7.22 Verifique os valores das correntes no circuito da Figura 7-25 (Problema 7:15) pelo método da tensão nodal.

7.23 Calcule os valores de todas as correntes e indique os respectivos sentidos no nó N (Figura 7-31). (Sugestão: V~= 1,67V)

Resp.

O,94A

N

1~

0,83 A

O,IIA

:150

+

30Ve

15 O

+

G

ti

200

r15V

r

Figura 7-31

5 O

ioe

7.24 Se o resistor de 20 Q (Figura 7-31) for substituído por um resistor de 30 fl, qual será a tens~.o nodal ‘/~?

Resp.

V=3,75V