Você está na página 1de 9

Trabalho de Eclesiologia

A disciplina na Igreja
PRF. Ronilson Gil de Souza Semin.: Marcelo Gomes

Introdução

Hoje se faz bastante necessária a organização institucional da Igreja, haja vista toda a carga
negativa e nociva da sociedade pós-moderna e todo vento de doutrina que surgem dia após
dia, fazendo com que a disciplina eclesiástica delimite parâmetros de reverência e padrões
de comportamento dentro da Igreja enquanto instituição.

Em oposição ao termo disciplina, podemos encontrar o termo tolerância que está bastante
em voga atualmente em algumas igrejas ditas Cristãs. Mas até onde devemos ser tolerantes
com o mau comportamento fora e dentro da Igreja? E o que dizer de pessoas que em nome
do apego a letra da lei tem aplicado de maneira errada a disciplina eclesiástica trazendo a
toda a igreja mais males do que benefícios?

A verdade é que não podemos deixar impune todo e qualquer ato de natureza pecaminosa
dentro e fora da Igreja, já que hoje, a vida dicotômica dos membros do Corpo de Cristo tem
causado grandes prejuízos a Igreja e fazendo com que o termo disciplina tenha uma
conotação de arbitrariedade quando punidos e em caso de exclusão, logo encontram refúgio
no seio de outra igreja, sem questionamentos, sem carta do seu antigo pastor e ainda por
cima se outorgando razão.

Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil – Trabalho de Eclesiologia Página 1


Objetivo do estudo

Nosso objetivo com relação a esse trabalho de pesquisa é dispormos de maneira sintetizada
todos os pormenores que envolvem a disciplina na igreja mostrando assim que há toda uma
organização no sentido de coibir atos inadequados no âmbito da Igreja, reabilitar os
membros que cometem infrações ou até mesmo desligá-los da instituição caso não haja
arrependimento outros requisitos previstos na disciplina de cada Igreja.

Um tiro no próprio pé

Nosso objetivo não é dizer que no caso de necessidade do uso da disciplina eclesiástica está
descartada a tolerância e o amor, pois essa prática tem levantado acusações a Igreja Cristã
dizendo ser ela o único exército que atira em seus feridos. Mas por outro lado o excesso de
tolerância tem colocado em dúvida a autoridade na igreja sob o pretexto de que a correção
compete a Deus.
Existem vários casos de mal-entendidos na aplicação da disciplina eclesiástica, causando
prejuízos consideráveis à causa do Senhor, colocando em oposição tanto aquele que aplica
quanto aquele que recebe a punição, mas na maioria dos casos observamos que os mal-
entendidos são por falta de conhecimento da disciplina o que infelizmente faz de um meio
para correção um grave problema.

Necessidade da disciplina e seus erros freqüentes

Biblicamente a autoridade constituída pela Igreja está apta a punir de maneira disciplinar os
membros da igreja como instituição, mas o que vemos em não poucas oportunidades, são
erros na aplicação da correta disciplina sobre as quais discorreremos a partir de agora.

Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil – Trabalho de Eclesiologia Página 2


Disciplina para fins escusos

Infelizmente vemos que em diversos casos a disciplina é confundida com despotismos, e


aquele que a aplica vê como uma oportunidade de manipulação de fatos para obtenção de
vantagens.
Usaremos aqui o exemplo mais conhecido, que é a disciplina usada pela Igreja Católica
Romana medieval, que com seu poder Téo – político fazia do povo massa de manobra e a
aqueles que se opunham, eram rotulados de hereges, bruxas ou inimigos da santa igreja de
Cristo, e logo lançados na fogueira da inquisição ou eram torturados das mais diversas
formas imagináveis.
Mas esse espírito medieval ainda permanece em alguns ditos “ministros de Deus”, que
fazem exatamente a mesma coisa que antes: Manipulam o povo com intuito de obterem
privilégios.

Disciplina e a descriminação

Observemos aqui, dois aspectos da descriminação: O primeiro é o abandono que muitas


vezes acontece por parte das lideranças e dos membros da Igreja com aqueles que estão
disciplinados os entregando a própria sorte como se houvesse uma desistência na luta pela
reintegração desse membro caído.

Hebreus cap. 12 vers. 7 diz o seguinte: “É para disciplina que sofreis; Deus vos trata como
aos filhos; pois qual é o filho a quem o pai não corrija?” Se Deus ama a que a quem ele
corrige, é obrigação da Igreja amá-lo também, para que esse na se sinta demasiadamente
triste e não seja presa fácil de satanás.

Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil – Trabalho de Eclesiologia Página 3


Disciplina e a arbitrariedade

Não obstante dos erros mais comuns da aplicação da disciplina eclesiástica está à
arbitrariedade, esse é bem mais comumente usado por aqueles que são alvos da disciplina,
quando fazem as seguintes perguntas: “Com que direito fazem isso?”, “Não somos todos
pecadores?”

Sim, há casos de arbitrariedade tais como podemos ver no tópico acima a respeito do
despotismo, mas é importante que todos os membros da Igreja de Cristo tenham
consciência de que a verdadeira autoridade da disciplina não está naquele que a aplica, mas
naquEle que a ordena e tão só o ministro do Senhor aquele que foi revestido da autoridade
para executá-la, logo esses questionamentos são inválidos pois quem esta sendo
disciplinado, o está por ser uma ordenança de Deus para o seu bem, segundo vemos em
Provérbios 6 vers. 23 “Porque o mandamento é uma lâmpada, e a instrução uma luz; e as
repreensões da disciplina são o caminho da vida”.

Necessidade da disciplina e sua correta aplicação

Aquele que ordena a disciplina é o mesmo que estabelece padrões a serem seguidos no
exercício da mesma, esse padrão consiste primeiramente em amor paternal (Hb 12. 4-13).

Como dissemos anteriormente a disciplina deve ser aplicada pelo ministro do Senhor
observando este caráter paternal, vejamos o que diz o Código de disciplina que se encontra
no Manual Presbiteriano, capitulo I, (Natureza e finalidade).

“Art.1 - A Igreja reconhece o foro


íntimo da consciência, que escapa à sua jurisdição, e da qual só
Deus é Juiz; mas reconhece também o foro externo que está
sujeito à sua vigilância e observação.

Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil – Trabalho de Eclesiologia Página 4


Art.2 - Disciplina eclesiástica é o exercício da jurisdição espiritual
da Igreja sobre seus membros, aplicada de acordo com a Palavra
de Deus.
Parágrafo Único - Toda disciplina visa edificar o povo de Deus,
corrigir escândalos, erros ou faltas, promover a honra de
Deus, a glória de Nosso Senhor Jesus Cristo e o próprio bem dos
culpados.
Art.3 - Os membros não-comungantes e outros menores, sob
a guarda de pessoas crentes, recebem os cuidados espirituais da
Igreja, mas ficam sob a responsabilidade direta e imediata das
referidas pessoas, que devem zelar por sua vida física,
intelectual, moral e espiritual.”

O termo Hebraico rasUm é usado no antigo testamento como sinônimo de “instruir” (Pv 3.
1-3), “corrigir” (Pv 22-15 ou 23-13) ou “castigar” (Is 53-5) e no novo testamento é
freqüentemente usado analogicamente como a correção dos filhos feita pelos pais, e a
correção que vem do Senhor. (Hb 12. 1-10 e Ap 3-19) .

Os passos da disciplina

Objetivo da disciplina

Segundo as Sagradas Escrituras a disciplina na Igreja tem um objetivo triplo, que são:
1. Restabelecer o pecador
2. Manter a pureza da Igreja
3. Dissuadir outros da prática do pecado

Esses três propósitos apontam para os passos a serem seguidos na correta aplicação da
disciplina eclesiástica.

Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil – Trabalho de Eclesiologia Página 5


Abordagem individual

"Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a
teu irmão;" (Mateus 18: 15)

Esse texto nos ensina que a confrontação é o primeiro passo para a admoestação, porém ela
deve ser feita em amor para que não haja uma reação agressiva por parte daquele que esta
sendo argüido. Mas também sinaliza o texto com uma possibilidade de que se o irmão nos
ouvir, o ganhamos, mas, sobretudo Deus foi glorificado e problema resolvido sem
prolongamento.

Admoestação privada

Caso não haja reconciliação do pecador ou não seja demonstrada uma mudança de atitude,
a Bíblia recomenda que sejam tomadas consigo algumas testemunhas e volte a ter com o
transgressor a fim de obter um testemunho confiável, para que em caso de persistência no
erro, uma medida mais enérgica venha ser tomada, levando em consideração o testemunho
de mais de uma pessoa.

A princípio pode parecer que o intuito de se chamar mais algumas pessoas para persuadir o
agressor um à tentativa de coação ou intimidação, mas se atentarmos para o que diz
Números 35 – 30 veremos que a palavra de Deus a muito requer que o testemunho seja não
só de uma só pessoa, mas sim de várias afim de que haja imparcialidade no veredicto.
"Todo aquele que matar alguma pessoa, conforme depoimento de testemunhas será
morto; mas uma só testemunha não testemunhará contra alguém, para que morra."

Pronunciamento público

Esse ponto é bastante polêmico, pois trata de uma pública admoestação e afastamento de
funções caso o infrator ocupe algum cargo em sociedades dentro da igreja e também implica
com relação aos Sacramentos que serão suspensos para este indivíduo.

Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil – Trabalho de Eclesiologia Página 6


Vemos muita demagogia nesse aspecto por parte de pessoas que acham desnecessário o
pronunciamento público, porém estas mesmas pessoas não analisam o fato de que aquela
pessoa que esta sendo temporariamente afastada de suas atividades sociais e sacramentais,
já teve anteriormente duas oportunidades de se redimir perante Deus, mas, no entanto
preferiu ofender publicamente o corpo de Cristo, portanto deverá ser também advertido
publicamente.

A atitude dos membros da Igreja nesse caso deve ser de resignação, oração e deve-se evitar
comentários desnecessários.

Exclusão pública

O último recurso da disciplina é a excomunhão (do latim ex, “fora”, e communicare,


“comunicar”), neste caso o ofensor é privado terminantemente de todos os benefícios da
comunhão, e ainda por cima é tido como gentio (a qual não era permitido entrar nos átrios
Sagrados do templo do Senhor) e publicano (que eram considerados traidores e apostatas.
Lc 19. 2-10). "E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja,
considera-o como um gentio e publicano." (Mateus 18: 17).
Estes não têm mais comunhão Cristã, pois se recusam a viverem como tal e também
recusam a obedecerem aquele que foi investido da autoridade para a admoestação, neste
caso recusam ao próprio princípio Cristão que se encontra em Romanos 6: 16 "Não sabeis
vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem
obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?"

Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil – Trabalho de Eclesiologia Página 7


Conclusão

Concluímos aqui essa breve explanação sobre a disciplina na igreja trazendo uma afirmação
de Laney que diz o seguinte: “A disciplina é como um medicamento muito forte, pode trazer
a cura ou trazer maior dano”.

É preciso fazermos uma reflexão sobre a disciplina na igreja a as sua implicações, sendo ela
aplicada da forma como requer as Sagradas Escrituras, será essa como um remédio na dose
certa, mas sendo ela por contenda, particularidades ou como abuso de autoridade será
como um veneno injetado na veia.

Devemos amar aquele que caiu e cuidar para que não caiamos também, mas, sobretudo
zelar pela sã doutrina e pelos preceitos Bíblicos que forma entregues a nós pelo Supremo
Pastor.

"Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia." (I Coríntios 10: 12)

Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil – Trabalho de Eclesiologia Página 8


Bibliografia

SANTOS, Valdeci da Silva, Fides Reformata 3/1 (1988) Disciplina na Igreja.

PRESBITERIANO, manual, Editora Cultura Cristã.

Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil – Trabalho de Eclesiologia Página 9