Você está na página 1de 2

Psicologia

B Wundt A Psicologia entra no laboratrio


Freud e a Psicanlise
1. Objecto de estudo da psicologia para Freud

2. Concepo de ser humano presente nesta teoria

Para Freud, a psicologia estuda os processos Somos seres marcados pelo peso do passado (das
mentais (sobretudo os fenmenos psquicos e
experincias da infncia), pela necessidade de refrear os
conscientes) e a influncia que exercem sobre o
nossos impulsos e de aceitar a frustrao no confronto
nosso comportamento e a nossa personalidade.
com a realidade e pela ameaa de foras
desconhecidas que dentro de ns.
Embora no tenha sido o primeiro a falar de
Inconsciente, Freud o primeiro a afirmar que o
Inconsciente

a
realidade
psquica
fundamental.
O nosso comportamento e personalidade so
influenciados
por
processos
psquicos
conscientes.
Na nossa vida psquica, a conscincia tem um papel
muito menos influente na nossa vida psquica
do que o Inconsciente. A conscincia somente a
ponta do iceberg.

A teoria freudiana apresenta no s uma nova concepo


do aparelho psquico (psquico no sinnimo de
inconsciente), mas tambm uma nova viso do ser
humano. Em ns no a razo que domina.
O que somos para Freud? Seres cuja finalidade ou
motivao essencial o prazer e que vivem com receio
da sua prpria vontade de prazer.
NO SOMOS DONOS DE NS PRPIOS: conhece-te a ti
mesmo ser o lema da teoria da psicanlise.

Psicologia B Wundt A Psicologia entra no laboratrio


Posio do autor desta teoria acerca dos seguintes conceitos dicotmicos


Inato/Aqduirido

Continuidade/Descontinuidade;

A teoria freudiana conhecida por ser uma teoria que


inspira num modelo hemosttico (reduo dos
desequilbrios orgnicos. )

A perspectiva que acentua a descontinuidade do


desenvolvimento entende que esta se d ao logo de
distintos estdios do ciclo vital.

Apesar da importncia crucial dos factores biolgicos, a


teoria freudiana no ignora a educao, o que adquirido.

Para

O desenvolvimento pessoal envolve em qualquer fase


do desenvolvimento factores biolgicos e ambientais.

os defensores desta perspectiva o


desenvolvimento marcado por ritmos diferentes,
verificando-se a alternncia entre perodos com
mudanas pouco frequentes e relevantes.

Externo/Interno

Estabilidade/Mudana; Individual / Social

Para Freud em cada estdio de desenvolvimento, o


indivduo vive o conflito entre os seus impulsos
biolgicos factores internos e expectativas sociais
ou externas (de que os pais so os agentes transmissores
e representantes).

As aquisies de cada estdio so integradas


mediante a elaborao no estdio seguinte,
produzindo-se uma alterao qualitativa. S a
procura de prazer sexual se mantm.

A personalidade adulta determinada pelo modo como


resolvemos os conflitos entre as sedues das zonas de
prazer e as exigncias de realidade -

A importncia atribuda ao papel dos pais mostra


que o factor social tem relativa importncia na
teoria freudiana do desenvolvimento afectivo.
O desenvolvimento entendido em termos
psicossexuais e no em termos socioculturais.
Professora Joana Ins Pontes

Você também pode gostar